Nossos corpos estão cronicamente em “modo de ameaça”, mas ser gentil recalibra nosso sistema nervoso

Ser gentil com os outros impacta positivamente sua saúde física e mental, de acordo com esta pesquisa inovadora do professor de Stanford, Dr. James Doty.

A bondade é uma virtude admirada e aplaudida, na maioria dos casos. Mas você sabia que ser gentil também pode ser bom para sua saúde? Na verdade, ser compassivo com os outros pode redefinir nossos sistemas consistentemente estressados ​​de volta ao nosso “modo de descanso” padrão, causando todos os tipos de efeitos positivos em nossa saúde geral.

De acordo com o Dr. James Doty , professor de Stanford e autor de Into the Magic Shop: A Neurosurgeon’s Quest to Discover the Mysteries of the Brain and Secrets of the Heart , o sistema nervoso não funciona perfeitamente se estiver em modo de ameaça o tempo todo. E, no entanto, nosso estilo de vida cheio de adrenalina, “em movimento”, nos faz operando principalmente no modo de ameaça, o que pode ser uma das razões pelas quais contraímos uma variedade de doenças diferentes.

Nossos corpos liberam proteínas inflamatórias em resposta ao estresse. Por causa dessa liberação, nosso sistema nervoso mostra uma diminuição nas capacidades do nosso sistema imunológico, que é o que responde a ameaças como germes ou bactérias que causam doenças.

A constante superestimulação de nossos sistemas nervosos causada por nosso modo de vida acelerado também nos torna muito mais inclinados a tirar conclusões precipitadas (muitas vezes críticas) sobre outras pessoas. Esse tipo de julgamento rápido embota nossa própria capacidade de agir por compaixão pelos outros. Isso, por sua vez, nos deixa operando em um modo de ameaça constante, o que tem efeitos negativos de longo prazo em nossa saúde.

Bondade e compaixão nos colocam no “modo de descanso”, começando no sistema nervoso
A capacidade de sentir e agir por compaixão pelos outros pode ter um efeito enorme em sua saúde geral.

O Dr. Doty explica isso melhor neste artigo Uplift :

“Quando alguém age com intenções compassivas, isso tem um efeito positivo enorme em sua fisiologia. Isso os tira do modo de ameaça e os coloca no modo de descanso e digestão. O que acontece quando isso ocorre é que muda a forma como respondem aos eventos . “

De acordo com o Dr. Doty, em vez de uma resposta rápida que geralmente é baseada no medo, ansiedade ou estresse, nosso tempo de resposta é mais lento e deliberado, o que tende a resultar em ações mais eficazes, criativas e compassivas. Somos capazes de mudar as respostas que temos aos eventos porque estamos permitindo que a área de controle executivo de nosso cérebro funcione no nível mais alto.

Vários estudos na Emory University demonstraram isso e deram resultados que apóiam a ideia de que atos compassivos regulares ou práticas de meditação baseadas na compaixão podem reduzir as interações neuroendócrinas negativas em nossos cérebros (que são as interações entre nosso sistema nervoso e o sistema endócrino).

O sistema nervoso simpático vs o sistema nervoso parassimpático

Quando mudamos para nosso sistema nervoso parassimpático (o que fazemos instintivamente quando agimos por compaixão), saímos do sistema nervoso simpático em que a maioria de nós vive devido ao nosso estilo de vida agitado.

Quando essa mudança acontece, nossa variabilidade da frequência cardíaca aumenta, o que causa um impulso em nosso sistema imunológico. Esse reforço do sistema imunológico pode nos ajudar a combater infecções ou doenças.

Agora, vamos falar sobre telômeros. Para visualizá-los, você pode imaginar pequenas cápsulas que protegem as extremidades dos cromossomos durante a divisão celular. Os telômeros ficam mais curtos cada vez que um cromossomo se copia durante a divisão celular, o que acontece constantemente. Eventualmente, os telômeros ficam muito curtos para fazer seu trabalho de proteger as informações genéticas armazenadas nos cromossomos, o que faz com que as células parem de se replicar – um processo conhecido como morte celular. É assim que os telômeros agem como um relógio de envelhecimento em cada célula que temos; quanto mais rápido seus telômeros encurtam, mais avançado se torna o processo de envelhecimento.

A pesquisa do Dr. Doty mostrou que um dos efeitos positivos de longo prazo de viver em nosso sistema nervoso parassimpático (referido como nosso modo de “repouso”) é que nossos telômeros realmente aumentam de comprimento.

Em teoria, com o tempo, ser gentil e compassivo pode, na verdade, retardar o processo de envelhecimento em algumas células do nosso corpo.

Assim como mostrar compaixão pode recalibrar nossos sistemas nervosos fora do modo de ameaça e de volta ao modo de descanso, sentir compaixão ou bondade de outras pessoas também tem um impacto positivo em nossos sistemas. A pesquisa da professora Stephanie Brown da Stony Brook University provou que experimentar a compaixão também pode levar a melhorias tremendas em nosso bem-estar físico e mental.

Seja amável. É bom para a sua saúde.

Esta pesquisa inovadora nos permite compreender os benefícios que as interações humanas podem ter na saúde de nossas mentes e corpos.

O efeito cascata positivo de ser gentil não afeta apenas nossa saúde, mas também pode impactar nossas interações com outras pessoas e desencadear uma reação em cadeia positiva com benefícios de longo alcance em comunidades inteiras. Reinicializar nossos próprios sistemas no modo de repouso, saindo do modo de ameaça, pode nos permitir processar as coisas com mais clareza e fazer escolhas melhores.

Em um mundo onde você pode ser praticamente qualquer coisa, seja gentil. É bom para a sua saúde.

*Adaptado de Big Think

 

……………………………………………………………………….
*Fonte: pensarcontemporaneo

Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil

Escolher ser gentil a estar certo é ter a capacidade de ser tolerante com a diversidade de pensamento, vivências e escolhas. É conseguir colocar a doçura, o amor e a compreensão à frente da intransigência, teimosia e tirania. É acreditar que você não precisa convencer ninguém de nada, que não é necessário fazer longos discursos acerca de seu ponto de vista, nem deixar de “seguir” alguém só porque ele não pensa igual a você.

Temos vivido tempos de discussões acaloradas nas redes sociais, nos grupos de whatsapp e até em mesas de bar por causa de divergências políticas, sociais e religiosas. Na maioria das vezes, opto pelo silêncio e tenho preferência por outros assuntos, mais leves, mais bem-humorados ou que acrescentem algo bom à minha vida.

De repente todo mundo virou “pai e mãe” de um partido, de uma religião, de um grupo social. De uma hora para outra, vestimos a camisa de um político, de uma ideologia, e nos comportamos como defensores leais e fiéis de uma ordem. Divulgamos vídeos editados, muitas vezes repletos de informações falsas, perdemos horas à frente do celular vasculhando documentos que comprovem nossa teoria, nos impacientamos e até brigamos com quem ousa pensar diferente de nós. Amigos, colegas de trabalho, familiares e até cônjuges se separam em nome do tal “amor à causa”.

Muitas vezes, aqueles que não participam das discussões e preferem se calar ou mudar de assunto são considerados “em cima do muro”, omissos e sem opinião. Porém, estar calado ou preferir se abster de dar seu parecer não é sinônimo de falta de personalidade ou convicção. Algumas pessoas preferem guardar sua energia para coisas mais importantes. Ou se resguardam de desgastes desnecessários. Ou, ainda, não acreditam que “vencer” uma argumentação as tornará pessoas melhores. E, finalmente, preferem ser gentis a estarem com a razão.

Foi no livro de R. J. Palacio que me deparei com uma das frases que mais gosto atualmente: “Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil”.Pois a vida já é tão complicada por si só, já são tantos sustos, perdas, falhas e desafios que enfrentamos dia a dia, que não deveria sobrar energia para embates desnecessários, com o único objetivo de provar o quanto estamos certos e cheios de verdade em nossos posicionamentos. Se usássemos essa energia e esse tempo praticando a gentileza, tentando tornar o dia de alguém mais suave ou doce, guardando nossa explosão de argumentos e certezas para nós mesmos e não tentando convencer ninguém de nada, certamente teríamos um mundo melhor, bem mais fácil de habitar.

É impressionante notar como as pessoas perdem a compostura ao defender seu ponto de vista, nem sempre perfeito e verdadeiro, mas fruto de sua formação e vivência até o momento. É impressionante perceber que as pessoas não entendem que aquilo que é melhor para elas nem sempre será bom para o outro, e por isso não precisam tentar vender aquilo que escolheram para si, porque quiseram. É impressionante ver como as pessoas deturpam os reais ensinamentos do amor, preferindo discutir, muitas vezes ofendendo, ou mesmo segregando, em nome de uma “missão de cura” de alguém.

Escolher ser gentil a ter razão não nos torna omissos. Omisso é quem é negligente, quem falta com a presença ou a palavra em momentos decisivos, quem deixa de fazer o bem podendo fazê-lo. Preferir ser gentil a estar certo é ter a capacidade de ser tolerante com as divergências, com os pontos de vista diferentes, com a diversidade de pensamento, vivências e escolhas. É conseguir colocar a doçura, o amor e a compreensão à frente da intransigência, teimosia e tirania. É acreditar que você não precisa convencer ninguém de nada, que não é necessário fazer longos discursos ou palestras acerca de seu ponto de vista, nem deixar de “seguir” alguém só porque ele pensa diferente de você.

Ao escolher ser gentil, você deixa a rigidez de lado e adquire leveza de pensamento e ação. Você dá passagem para o carro que força caminho ao seu lado, cede lugar no ônibus para a adolescente impaciente, se segura para não fazer um discurso irritado com o vizinho abusado. Você chega em casa e não quer ganhar a disputa de quem teve o dia mais exaustivo ou estressante, mas entende que o mais importante é estar bem com aqueles que ama. Você descobre que não precisa dar lição de moral em ninguém, que não lhe cabe fazer justiça ou provar a todo custo suas certezas, que não precisa divulgar aos quatro ventos suas decisões políticas, religiosas ou sociais. Ao contrário, entende que, mais importante que estar certo, é conseguir preservar seus afetos e suas relações. Você começa a falar e agir com suavidade, tomando cuidado com a bagagem e o coração do outro. Você aprende que a gentileza não é afeita a grandes gestos, mas resultado de delicadezas miúdas, muitas vezes despercebidas, que jamais serão esquecidas.

Finalmente, tenho que concordar com a escritora e grande amiga Josie Conti, que escreveu a melhor definição de gentileza que eu já li: “Gentil é aquele que passa pela vida do outro, toca-o com leveza e o marca, onde ninguém mais pode ver…”

*Por Fabíola Simões

 

……………………………………………………………………
*Fonte: provocacoesfilosoficas

Ser humano, gentil, educado é a única riqueza que ninguém pode e nunca vai tirar de você!

Ser humano, gentil, educado, ter paz e saúde, é a única riqueza que ninguém pode e nunca vai tirar de você!
A triste geração que precisa ter para ser.

Estamos testemunhando a era da ‘ostentação’, onde para ser legal e aceito pela sociedade, é preciso usar roupas caras, produtos importados de última tecnologia, dirigir carrões, que custam uma fortuna, mas que muitas vezes, não condizem com os salários e posições de seus respectivos donos.

Algumas pessoas gastam o que não podem, para fingir uma realidade a qual não pertencem, para muitas vezes, impressionar desconhecidos.

Todo esse conceito de provar que ‘pode’ através de bens materiais ou de tudo aquilo que só o dinheiro pode comprar, está silenciosamente, nos condenando a uma eterna insatisfação, uma tristeza crônica, que muitos acreditam poder curar somente com aquisições financeiras.

Infelizmente, esse tipo de comportamento, é o resultado de uma sociedade fútil, capitalista e que a cada dia mais inverte valores, e nos transforma em zumbis perseguidores do dinheiro.

Quero deixar claro, que o inimigo não é o dinheiro, mas sim a ambição desmedida, e a falsa impressão de que ‘ele’ pode comprar tudo e resolver todos os problemas.

Também não é pecado algum, gastar um dinheiro que é seu, que é consequência do seu esforço e trabalho.

O problema é quando queremos viver um estilo de vida que não condiz com a nossa condição real.

Não é feio usar roupas mais baratas ou frequentar lugares mais simples. Feio é gastar mais do que pode, comprar e não conseguir pagar. Além do mais, saiba que o sentido da vida e a verdadeira

Felicidade que você tanto procura, infelizmente não podem ser encontrados nessas banalidades e modismos ridículos.

Não seja produto dessa sociedade cruel, não se torne um ventrículo nesse espetáculo de manipulação.

Estar na moda e ser elegante tem mais a ver com a sua personalidade, sua educação e comportamento, do que com as roupas que você usa.

Luxo mesmo é levar uma vida decente, com dignidade, amor próprio, e uma consciência limpa que não te faz perder nenhuma noite de sono, pensando nas dívidas que fez, para poder finalmente ter a falsa impressão de ser alguém.

Lembre-se que, Ser humano, gentil, educado, humilde, ter paz e saúde, é a única riqueza que ninguém pode, e nunca vai tirar de você.

*Por Wandy Luz

 

 

 

 

…………………………………………………….
*Fonte: osegredo