Arquivo da tag: geografia

Estudo revela como era o Saara antes de se tornar um deserto

Entretanto, o que poucos sabem é que antes de ser essa região extremamente seca e desértica, o Saara era uma região cheia de árvores, animais, plantas e muita chuva. Essas informações estão sendo estudadas por pesquisadores da Universidade de Estocolmo, na Suécia, e de Columbia e do Arizona, nos Estados Unidos.

De acordo com matéria publicada no site da BBC, os pesquisadores que buscam um padrão de chuvas no norte da África descobriram que entre 5 mil e 10 mil anos atrás, o deserto do Saara era conhecido como “Saara Verde” e tinha precipitações anuais entre 35 e 100mm de chuva, clima que colaborava com a fertilidade da terra local.
Saara Verde

O professor do departamento de Ciências Atmosféricas, Planetárias e da Terra do Massachusettes Institute of Technology (MIT), David McGee, equipara a vegetação existente anteriormente no Saara com a do Serengeti, localizado no norte da Tanzânia e sudoeste do Quênia, região que ainda é palco da maior migração de animais mamíferos de todo o mundo.

McGee explicou ao site da BBC Mundo: “Havia no Saara corpos hídricos permanentes, savanas, pradarias e até alguns bosques”. Ele ainda constatou outras evidências de fósseis de animais não encontrados mais na região e a presença de grandes faunas.

No Saara também são encontradas pinturas rupestre e antigos anzóis, revelando um estilo de vida completamente diferente do que é encontrado hoje. Entretanto, para o professor do MIT, mesmo sendo muito complicado saber o tamanho exato da vegetação, estima-se que ela tenha se ampliado para o norte do Saara, onde estão localizadas a Líbia, Argélia e Egito.
Do surgimento do Saara Verde até a sua desertificação

Para Francesco Pausada, da Universidade de Estocolmo, o Saara Verde surgiu da aproximação do Sol com a Terra durante o período de verão, colaborando com essas mudanças. Ele ainda explica: “O Saara se tornou verde quando saímos do período glacial. O sol do verão se tornou mais forte há uns 9 mil anos e isso trouxe uma série de consequências.”

Com as temperaturas extremas, as chuvas de monções aumentaram consideravelmente, colaborando com o surgimento da vegetação e, consequentemente, com a redução das emissões de poeira e diminuição do reflexo da luz. Essas precipitações são conhecidas como albedo, uma das principais causas da aridez na região.

Essa intensificação do albedo no Saara contribuiu significativamente com a desertificação da região. Porém, ainda é incerto quando aconteceu essa mudança drástica no clima.

Muitos cientistas acreditam que essa transformação aconteceu há 5 mil anos, devido aos fenômenos periódicos isolados que aconteceram na região. Outra hipótese é que essa transformação ocorreu de uma hora para outra, sem uma explicação especifica.

Já em 2008, mais um estudo foi divulgado por pesquisadores na Universidade de Colônia, na Alemanha, estimando que essa mudança foi mais lenta e aconteceu há apenas 2,7 mil anos. A pesquisa só foi possível após a análise de amostras de sedimentos retirados do lago Yoa, no norte do Chade, que mostraram o processo gradual de desertificação do Saara.

Entretanto, o estudo realizado por Pausata mostrou que as precipitações que aconteceram revelaram que os seres humanos que lá povoavam, abandonaram a região há 8 mil anos, em decorrência da forte seca que durou mil anos.
Possível influência humana

Estudos realizados recentemente pelo arqueólogo David Wright, da Universidade Nacional de Seul, consideram a hipótese de que os seres humanos tiveram um papel fundamental nas mudanças climáticas do deserto do Saara. Para o pesquisador existem provas arqueológicas de que o primeiro pastoreio provocou sérias consequências na ecologia da região.

Conforme a vegetação era removida e alterada para criação de gado e rebanhos, o fenômeno albedo sofria uma ampliação que colaborava com a diminuição das chuvas de monções. Porém, para Pausata, essa pesquisa não está bem fundamentada e afirmou: “Embora exista um consenso de que o crescimento intenso do rebanho de gado que pasta possa ser prejudicial à variedade de plantas, o pasto leve e moderado pode ter resultados positivos.”
O Saara Verde pode retornar?

Mesmo McGee acreditando que os seres humanos tiveram uma grande participação na desertificação do Saara, outros fatores também ajudaram no desencadeamento do problema, assim como as mudanças cíclicas. Para ele, o Saara verde aconteceu também há 125 mil anos, porém, naquela época, não houve interferência humana e sim uma mudança climática que foi do úmido para árido.

“Desta forma, se o fenômeno for cíclico, é bem provável que o Saara volte a ser verde, mesmo com as atividades humanas recentes”, declarou Pausata. E concluiu: “Daqui a milhares de anos o ciclo se repetirá. O problema agora são as forças antropogênicas. A influência humana será mais um efeito, fora da variação natural, que poderá mudar o equilíbrio no futuro do planeta, não apenas no Saara.”

 

…………………………………………………
*Fonte: pensamentoverde

 


Ponto Nemo: onde fica o lugar mais inacessível da Terra?

Existe um ponto na Terra que está tão longe dos próprios terráqueos que, às vezes, são os astronautas os que estão mais próximos dele: estamos falando do Ponto Nemo.

A 1.600 km das ilhas Ducie (Pitcairn), Motu Nui (Ilha de Páscoa) e Mahé (Antártida), ele foi chamado assim em homenagem ao famoso personagem da obra de Júlio Verne e se trata de um ponto inacessível, localizado exatamente no meio do oceano.

Esse ponto está tão distante do continente que, algumas vezes, são os astronautas os que estão mais próximos dele, já que a Estação Espacial Internacional orbita a 416 km da Terra, enquanto o Ponto Nemo está a 2.700 km da região habitada mais próxima.

O local é tão distante da humanidade e é uma zona tão erma que as agências espaciais da Rússia, Europa e Japão o utilizaram para jogar fora objetos espaciais desmantelados. “Como no caso dos destroços de naufrágios, criam-se habitats colonizados por toda e qualquer coisa que viva nessas profundidades”, explica a arqueóloga Alice Gorman, da Universidade Flindres, na Austrália.

Nessa região, a vida marinha é escassa, já que não chegam correntes de água ricas em nutrientes nem o vento transporta matéria orgânica do continente, devido à grande distância que os separa.

……………………….
*Fonte: seuhistory

ponto-nemo_01

 

 

 

 

 

 

 

punto-nemo-google


Nossa civilização derrubou quase 50% das árvores do mundo, indica estudo

Um novo censo mundial de árvores da Terra estima que mais de 3 trilhões delas habitam o nosso planeta. Apesar de ser uma quantidade considerável, o levantamento indicou que o número representa apenas 50% do que existia antes da civilização humana.

O estudo é classificado como o inventário mais preciso da população de árvores da Terra até o momento, revelando que existem 3,04 trilhões de árvores, o que é equivalente a 422 árvores para cada pessoa no planeta. Os pesquisadores usaram imagens de satélite, inventários florestais e tecnologias de supercomputação para calcular o número de árvores. A nova estimativa encontrou cerca de 7,5 vezes mais árvores do que levantamentos anteriores, disseram os cientistas.

Os pesquisadores também utilizaram mapas atuais e históricos com projeções de cobertura florestal, fornecidos pelo Programa das Nações Unidas para o Ambiente, para estimar a perda das árvores ao longo do tempo. Eles descobriram que o número total de árvores na Terra caiu perto de 46% desde que a civilização começou.

O estudo também descobriu que a maior densidade de árvores ocorre nas regiões subárcticas da Rússia, Escandinávia e América do Norte. As maiores áreas de floresta, no entanto, estão nos trópicos, que acolhem 43% das árvores do mundo, disseram os cientistas.

A atividade humana é a principal razão para o desaparecimento de árvores, principalmente por meio do desmatamento, uso da terra e práticas de manejo florestal, segundo a pesquisa. Estes efeitos combinados contribuem para a perda de 15 bilhões de árvores em todo o mundo a cada ano, acrescentaram os cientistas. A pesquisa foi publicada na revista Nature e conduzida por Thomas Crowther, da Yale School of Forestry & Environmental Studies de New Haven, Connecticut.

Veja abaixo o vídeo sobre o estudo (em inglês):

*Fonte/Texto: hisory


A história do Muro de Berlin

Site mostra em ordem cronológica de toda a “triste” história do Muro de Berlin, quando por questões políticas da época da guerra fria, a Alemanha foi dividida em duas (Ocidental x Oriental) por um grande e muito bem guardado muro. Famílias foram separadas e muita gente sofreu e até pagou com a vida por causa disso.
Então se você não viveu a realidade desse tempo ou quem sabe, gostaria de ter mais conhecimento sobre o assunto, fica aí uma boa dica. Confira o link abaixo.

http://www.the-berlin-wall.com/

muro_de_berlin

 

 


County Clare – Irlanda

CountyClare_Irlanda


Queda do Muro de Berlim (1989)


Brasil visto “lãi” de cima em noite de lua cheia

Brasil noite de lua cheia


As estações do ano


O mapa mundi real (?)

E se aquele velho mapa mundo que tanto lhe ensinaram na escola estiver propositadamente errado?
Confira matéria no link abaixo.

http://portugalmundial.com/2013/12/o-mapa-mundi-a-mentira-a-que-ja-nos-habituamos/