Biografia de Chris Cornell será lançada na próxima semana

O saudoso Chris Cornell ganhará uma biografia, chamada Total F * cking Godhead: The Biography of Chris Cornell. O lançamento nos Estados Unidos está previsto para o próximo dia 28 de julho (terça), pela Post Hill Press. Para garantir na pré-venda, acesse este link.

O livro com 384 páginas, assinado pelo jornalista Corbin Reiff, promete reviver a trajetória de Cornell com o Soundgarden, que dominou o movimento grunge ao lado do Pearl Jam, Nirvana e Alice in Chains. A obra também terá capítulos sobre projetos como Audioslave, Temple of the Dog e a carreira solo de Cornell.

Reiff entrevistou o lendário produtor de Seattle Jack Endino, além do crítico musical Dawn Anderson. No entanto, não foi possível reunir depoimentos da família de Cornell e dos antigos parceiros de Soundgarden.

O autor também buscou mostrar o lado bem humorado do artista pouco conhecido. “Ele adorava tirar sarro das coisas. Eu queria ter certeza de que, quando as pessoas leem o livro, ficam com uma imagem tão completa de quem ele era”, declarou Reiff à Variety.

Cornell foi encontrado morto em um quarto de hotel em Detroit aos 52 anos em 18 de maio de 2017, logo após uma apresentação com o Soundgarden. O laudo médico confirmou o suicídio por enforcamento.

*Por Marcos Chapeleta

……………………………………………………………
*Fonte: ligadoamusica

Livro “100 Grandes Álbuns do Rock Gaúcho”

Será lançada na sexta (31/7), ainda dentro das comemorações do dia mundial do rock, a campanha de financiamento coletivo com o objetivo de captar recursos para a publicação do livro 100 Grandes Álbuns do Rock Gaúcho. O projeto, que é idealizado pelo jornalista e escritor Cristiano Bastos (um dos autores de Gauleses Irredutíveis – Causos e Atitudes do Rock Gaúcho; e das biografias Júpiter Maçã: A Efervescente Vida & Obra; Julio Reny – Histórias de Amor & Morte; e Nelson Gonçalves – O Rei da Boemia), terá projeto gráfico do designer Rafael Cony.

Os 100 Grandes Álbuns do Rock Gaúcho serão eleitos por meio de um corpo de jurados (músicos, jornalistas, produtores) do RS e também do Brasil. Será colocada em votação a produção discográfica produzida no Rio Grande do Sul desde anos 1950 (quando se tem o registro da primeira música “rock” feita no Estado: Stupid Cupid, com o Conjunto Farroupilha) até os dias hoje.

Segundo Bastos, que tem passagens por revistas como a Rolling Stone Brasil, Bizz, entre outros veículos da imprensa musical, ainda que o nome “rock” intitule o livro, outros gêneros musicais – do pop ao soul, do metal ao punk, do funk ao samba rock – não ficarão de fora.

Ao corpo de jurados será fornecido uma listagem com a sugestão de centenas álbuns de bandas e artistas para auxiliá-los na escolha. A previsão de lançamento do livro100 Grandes Álbuns do Rock Gaúcho (que terá formato de luxe e a dimensão de um disco de vinil: capa dura, papel couchê, colorido) é em meados de 2021. Objeto de colecionador, a tiragem da obra, cujo objetivo é que tenha mais de um volume, será de mil cópias.

……………………………………………………………………
*Fonte: rogerlerina

Into The Wild: ônibus icônico é removido de local no Alasca por segurança

Se você é fã de música e cinema muito provavelmente conhece o lendário ônibus do filme Na Natureza Selvagem (“Into The Wild”).

O veículo tornou-se símbolo do filme, baseado na história real de Chris McCandless, que se desconectou do mundo para viver no meio da natureza selvagem, no Alasca, e documentou o processo de idas e vindas.

Além de tudo isso, a trilha sonora de Into The Wild ainda foi assinada pelo incrível Eddie Vedder, vocalista do Pearl Jam, e serviu como uma espécie de estreia solo do cara, como seu primeiro disco longe da banda realizado após convite do diretor e ator Sean Penn.

Como resultado, o álbum conta com 11 faixas entre composições próprias e a belíssima cover de “Hard Sun”, som entoado pelo músico até hoje desde o lançamento do longa em 2007.

Acontece que o famigerado ônibus que aparece no filme e tem um papel fundamental na trama estava localizado no meio de um lugar de difícil acesso no Alaska, causando uma série de problemas para as autoridades locais e gerando custos para a população.

Isso porque, para chegar até ele, os fãs do filme, de Eddie Vedder ou de ambos tinham que atravessar um rio e se jogar na floresta, e isso nem sempre saía bem. Para piorar, a cidade mais próxima fica a cerca de 50 quilômetros do local original do veículo.

Como a BBC aponta, em 2019 uma mulher da Bielorrússia que havia acabado de se casar morreu afogada na tentativa de chegar até o ônibus.

Outros casos que chamaram a atenção dão conta de um brasileiro que foi resgatado enquanto estava perdido em Abril, e um grupo de cinco italianos encontrados em Fevereiro, sendo que um deles teve sérios problemas com a baixa temperatura.

Segundo as autoridades, entre 2009 e 2017 foram 15 operações de busca relacionadas ao ônibus de Na Natureza Selvagem, e agora ele foi removido do local, como pode ser visto no vídeo acima.

Clay Walker, político local responsável pela área, disse que o ônibus havia se tornado “uma atração perigosa”, e afirmou que sabe como o símbolo é uma peça importante da cultura local, então há um sentimento “agridoce” por conta da sua remoção.

Ele ainda disse que o ônibus dos Anos 40 foi levado ao local há cerca de 60 anos e ainda não há informações a respeito do seu destino, já que as autoridades apenas disseram que ele será mantido “em um lugar seguro” até que uma decisão seja tomada.

Que triste!

*Por Tony Alex

…………………………………………………………………………..
*Fonte: tenhomaisdiscosqueamigos

Você cheira os livros também? O motivo está na … química!

Conforme publicado pela Revista GreenMe, existe uma explicação muito especial para o cheirinho que tanto fascina os leitores de todo o mundo: o cheiro do livro.

Esse prazer tem se perdido com a proliferação cada vez maior das leituras digitais, contudo, o verdadeiro amante dos livros impressos dificilmente abdicará por um longo espaço de tempo desse prazer tão singular.

Quando o leitor contumaz pega em suas mãos um livro impresso, seja ele novo ou antigo, raro deixará de observar o seu cheiro.

Isso seria loucura? Não exatamente: como em todos os aromas, as origens dos cheiros dos livros também podem ser rastreadas até vários componentes químicos , tanto que Andy Brunning, um cientista inglês, examinou em seu blog os processos e compostos que podem contribuir para ambos. os tipos de cheiro.

Quanto ao cheiro de livros novos, de acordo com o químico, é realmente muito difícil identificar compostos específicos, sobretudo porque existem literalmente centenas de compostos envolvidos e, portanto, a atribuição a uma pequena seleção de substâncias químicas se torna complicada.

Segundo Brunning, certamente a maior parte do cheiro do novo livro possa ser atribuída a três fontes principais : o próprio papel (e os produtos químicos usados ​​em sua fabricação), as tintas usadas e os adesivos usado para encadernação dos próprios livros.

Segundo afirma o site: “Na prática, se a celulose e a lignina contidas no papel se desgastarem ao longo do tempo com o resultado do amarelecimento do papel e da liberação de compostos orgânicos, o cheiro típico de livros antigos surge dessa reação. Segundo Brunning, os componentes desse aroma são baunilha, benzaldeído (quase um perfume de amêndoa), odores doces produzidos pelo etilbenzeno e etilhexanol, provenientes do cheiro de flores. É isso mesmo, senhores, uma boa mistura de produtos químicos! Os livros publicados hoje, no entanto, são produzidos com um papel de melhor qualidade do que no passado. E isso, se por um lado, leva a menos degradação das páginas, por outro, também leva a menos capacidade de liberar um cheiro específico.”

………………………………………………………………………..
*Fonte: revistapazes

Billy F Gibbons: Rock + Roll Gearhead (Edição comemorativa)

Expandido por ocasião do 50º aniversário do ZZ Top, Billy F Gibbons: Rock + Roll Gearhead (publicado pela primeira vez em 2005) abre amplas portas de garagem e estúdio da Gibbons para um olhar exclusivo sobre as guitarras vintage requintadas e exclusivas e os influentes hot rods e carros personalizados do redutor de grau A do Texas.

Do quase mítico raio de sol de Les Paul de 59, conhecido como “Pearly Gates” e o “Furry One” da MTV, reconhecidos por carros como o Eliminator, CadZZilla e Kopperhed, todos estão aqui – mais de sessenta guitarras e quinze veículos impressionantes , todos expostos pelo próprio BFG e mostrados em cores encomendadas e fotografia artística em preto e branco. Carros e guitarras que apareceram desde a primeira publicação estão incluídos:

Carros:

Mexican Blackbird 1958 Thunderbird
Quintana ’50 Ford Custom
El Camino Grocery-Getter custom
Whiskey Runner ’34 Ford Coupe
’51 Willys Wagon

Guitarras:

Party Peelers John Bolin Customs
Neiman Marcus BFG SG
Nacho Telecaster
1929 National Resonator
1929 Dixie Ukelele
1939 Rickenbacker Frying Pan

…e mais!

Enquanto os carros e as guitarras da BFG são lendas, não menos intrigantes são os contos por trás de sua incrível carreira musical. Do adolescente roqueiro de Houston ao Hall da Fama do Rock and Roll, toda a história está entre essas capas, contada nas próprias palavras do bom reverendo Willie G. e ilustrada com fotos e recordações de seu arquivo pessoal.

Como em muitos roqueiros, o estilo de Billy F Gibbons para hot rods e costumes é coisa de lenda. Mas além desse domínio genuíno do bluesman sobre o amor impenitente e de seis cordas pela combustão interna, há um colecionador notável, cujos próprios projetos se manifestaram em centenas de carros e guitarras alucinantes. Este é o registro definitivo e oficial desse gênio.

Desafio melhores livros do século 21: você leu no máximo 4 desses 50 livros

A Revista Bula realizou duas enquetes — em 2018 e 2019 — para descobrir quais são, na opinião dos leitores, os melhores livros publicados no século 21. As consultas foram feitas a colaboradores, assinantes — a partir da newsletter —, e seguidores da página da revista no Facebook e no Twitter. Os 50 livros mais lembrados pelos leitores foram reunidos em uma lista, composta, predominantemente, por obras de ficção. A seleção abrange livros nacionais e estrangeiros, que foram publicados a partir do dia 1 de janeiro de 2001, sendo que todas elas tiveram tradução para o português. De acordo com um levantamento prévio feito pelos editores da Bula, pouquíssimas pessoas já leram mais do que quatro livros presentes na lista. Para descobrir se você é uma exceção, basta contabilizar quantas obras você já leu dentre as 50 listadas.

1 — Reparação (2001), de Ian McEwan

2 — Não me Abandone Jamais (2005), de Kazuo Ishiguro

3 — A Estrada (2006), de Cormac McCarthy

4 — A Amiga Genial (2011), de Elena Ferrante

5 — Pornopopeia (2009), de Reinaldo Moraes

6 — Complô Contra a América (2004), de Philip Roth

7 — A Visita Cruel do Tempo (2012), de Jennifer Egan

8 — O Filho Eterno (2007), de Cristóvão Tezza

9 — A Vegetariana (2007), de Han Kang

10 — Plataforma (2001), de Michel Houellebecq

11 — As Correções (2001), de Jonathan Franzen

12 — 1Q84 (2009), Haruki Murakami

13 — Cinzas do Norte (2005), de Milton Hatoum

14 — A Fantástica Vida Breve de Oscar Wao (2007), de Junot Díaz

15 — Meio Sol Amarelo (2006), de Chimamanda Ngozi Adichie

16 — 2666 (2004), de Roberto Bolaño

17 — Austerlitz (2001), de W—G— Sebald

18 — O Pintassilgo (2013), de Donna Tartt

19 — Wolf Hall (2009), de Hilary Mantel

20 — Argonautas (2015), de Maggie Nelson

21 — Os Possessos (2012), de Elif Batuman

22 — O Vendido (2017), de Paul Beatty

23 — Gilead (2004), Marilynne Robinson

24 — Eu Receberia as Piores Notícias dos seus Lindos Lábios (2005), de Marçal Aquino

25 — Esboço (2014), de Rachel Cusk

26 — O Ano do Pensamento Mágico (2005), de Joan Didion

27 — A Morte do Pai (2009), Karl Ove Knausgård

28 — Outras Vidas que não a Minha (2010), de Emmanuel Carrère

29 — Estação Atocha (2016), de Ben Lerner

30 — Middlesex (2002), de Jeffrey Eugenides

31 — O Livro do Sal (2003), de Monique Truong

32 — Garota Exemplar (2012), de Gillian Flynn

33 — Na Ponta dos Dedos (2002), de Sarah Waters

34 — Os Lança-Chamas (2014), de Rachel Kushner

35 — O Mundo Conhecido (2003), de Edward P— Jones

36 — O Simpatizante (2015), de Viet Thanh Nguyen

37 — Barba Ensopada de Sangue (2012), de Daniel Galera

38 — NW (2012), de Zadie Smith

39 — A Longa Caminhada de Billy Lynn (2012), Ben Fountain

40 — O Drible (2013), de Sérgio Rodrigues

41 — A Linha da Beleza (2006), de Alan Hollinghurst

42 — O Sentido de um Fim (2011), de Julian Barnes

43 — A Peculiar Tristeza Guardada num Bolo de Limão (2013), de Aimee Bender

44 — Ossos do Inverno (2006), de Daniel Woodrell

45 — O Ódio que Você Semeia (2017), de Angie Thomas

46 — Uma História de Amor Real Supertriste (2011), de Gary Shteyngart

47 — Como ser as Duas Coisas (2014), de Ali Smith

48 — Nove Noites (2002), de Bernardo Carvalho

49 — Americanah (2013), de Chimamanda Ngozi Adichie

50 — Suíte Francesa (2004), de Irène Némirovsky

*Por Mariana Felipe

……………………………………………………………………
*Fonte: revistabula

Artista argentino cria tanque de guerra munido da arma mais poderosa: livros

Já dizia Nelson Mandela: “A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo”. Talvez esta frase tenha inspirado o artista argentino Raul Lemesoff, o responsável pela criação de uma arma que pode mudar a vida de muitas pessoas: ele transformou um antigo carro Ford Falcon, de 1979, em um tanque de guerra. Mas, ao invés de disparar balas, o veículo dispara livros.

O Razões e o Educa Mais Brasil te ajudam a conseguir bolsa de estudo para cursos técnicos e profissionalizantes, cursos de idiomas, entre outras, clique aqui.

O veículo funciona como uma verdadeira biblioteca itinerante. O formato é de tanque de guerra e tem até um canhão, mas toda a lateral é repleta de prateleiras, em que são dispostos até 900 livros, com os mais diversos temas e estilos.

Com a munição de livros pronta, o artista percorre as ruas de Buenos Aires, na Argentina, disparando livros por todos os lados e para todas as pessoas que cruzam o seu caminho. Não é necessário pagar nada pelos exemplares, apenas se comprometer com a leitura:

O projeto em que Lemesoff trabalhou nos últimos anos dá um novo significado a um dos principais símbolos de guerra, que foi batizado de “Arma de Instrução em Massa”.

*Por Vicente Carvalho

…………………………………………………………………
*Fonte: razoesparaacreditar

Café Dua Rodas – A cultura biker nas mídas

Ontem no Café Castelo, em Venâncio Aires (RS), foi dia de uma conversa pilotada por mim e pelo amigo Thiago Nelsis, onde o tema central eram os filmes e livros clássicos da cultura biker. Como fica evidente nas imagens, o evento não teve nenhum grande público…rsrsrsr, e na real nem era mesmo essa a ideia ou o objetivo do evento na livraria. Já era esperado esse efeito, talvez pela própria chucreza cultural da cidade para com esse tipo de atividade. Aliás, o local – a livraria Castelo, é ainda novo nesse estilo de acontecimento – uma de troca de ideias, um bate-papo descontraído e muitas histórias. E o centro das atenções dessa vez foram as motocicletas e seus pilotos através da ótica da telona e das páginas dos livros.

A conversa rodou sobre os clássicos filmes do cinema, que vem lá das míticas jaquetas de couro do Marlon Brando (The Wild One), passando pelo Jack Nicholson e sua gangue até o lendário Easy Rider, que óbvio, foi um dos mais comentados. Depois seguindo em frente com alguns filmes muito trash sobre o universo das duas rodas – “O Motoqueiro Fantasma”,  “Harley Davidson e Marlboro Man”, “Biker Boyz” e até comédias como:  “Motoqueiros Selvagens” (Wild Hoghs – com John Travolta). Lembramos também de alguns filmes que mesmo não sendo da temática motociclista, continham cenas e passagens marcantes com moto, como é o caso de “Fugindo do Inferno” – com a cena de Steve McQueen saltando a cerca com sua Triumph  travestida de BMW da segunda guerra; “Tron” – a corrida dos feixes de linha reta; “Matrix”, “Top Gun”, “Missão Impossível”, “Mad Max”, “James Bond”, “O Exterminador do Futuro” – a perseguição no túnel com a caminhão e duas duas bikes, dentre outros filmes.

Indo ainda adiante também focamos em filmes biográficos, como a vida de Evel Knievel, Burt Munro (“Indian – O Grande Desafio”); Tchê Guevara e Alberto Granado em “Diários de Motocicleta” – esse com a participação fundamental da
Potira nos comentários. Falamos também de documentários que se encontram facilmente nas redes sociais (viagens, grandes trips, aventuras, motoclubes, Hells Angels, etc). E por fim, não poderíamos deixar de fora os seridos mais evidentes como “Sons of Anarchy” e “Ride With Norman Reedus” (com o ator de Walking Dead).

Depois a conversa mudou o foco para os livros, onde passamos comum foco mais apurado por: “Zen e a Arte da Manutenção de Motocicletas” (Robert Pirsig); “Hells Angels” (Hunter Thompson); “Hells Angels – A Vida e a Época de Sonny Barger” e comentamos também das diversas obras do baterista do Rush, Neil Peart (7 livros).

Ou seja, uma bela noite quente de verão, regada com cerveja gelada e uma ótima conversa entre amigos e novos amigos. Mais ou menos foi essa função da noite de ontem. Creio que em breve teremos novos encontros desse tipo.

Flw

*Veja algumas imgs de evento

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A biblioteca de Helsinque que quer sanar os medos contemporâneos com informação

A Finlândia conquistou seu lugar no mundo como um dos países mais avançados no âmbito social, econômico, político e educativo. Tommi Laitio, diretor executivo de cultura e lazer de Helsinque, capital do país, explicou porque a Finlândia investe tanto em educação e cultura:

“O progresso de um dos países mais pobres da Europa para um dos mais prósperos não foi um acidente. É com base nessa ideia que, quando há tão poucos de nós – apenas 5,5 milhões de pessoas –, todos têm que viver todo o seu potencial”. “Nossa sociedade é fundamentalmente dependente de as pessoas poderem confiar na bondade de estranhos”.

Nem o país mais feliz do mundo é ileso às ansiedades do século 21 sobre mudança climática, imigração, tecnologia disruptiva e outras forças que alimentam movimentos populistas de direita em toda a Europa.

E se a raiva é reflexo do medo, uma biblioteca de Helsinque foi fundada para resistir à onda de mal-estar que avança pelo mundo com a arma mais letal: informação.

“Quando as pessoas têm medo, elas se concentram em soluções egoístas de curto prazo”, disse Laitio. “Eles também começam a procurar bodes expiatórios”.

A biblioteca Oodi foi construída para servir como uma espécie de fábrica de cidadania, um espaço destinado aos antigos e novos residentes para aprenderem sobre o mundo, a cidade e sobre eles próprios. Ela está localizada no coração de Helsinque, em frente ao Parlamento finlandês com o qual compartilha uma praça pública.

O prédio abriga uma coleção de 100.000 revistas, jornais, partituras, filmes, jogos e livros – com diferentes materiais em 17 idiomas destinados a crianças, jovens e adultos.

Oodi é um lugar amplamente popular comprometido com a recepção de todos os públicos e “acolhimento sem julgamento”. A ideia foi proposta pela primeira vez em 1998 por Claes Anderson, ministro da cultura na época. O Conselho da Cidade aprovou sua construção em janeiro de 2015.

“Oodi fornece a seus usuários conhecimento, novas habilidades e histórias, e é um local fácil de acessar para aprendizado, imersão em histórias, trabalho e relaxamento. É uma biblioteca de uma nova era, um local de encontro vivo e funcional aberto a todos.”, diz a descrição do site.

Se estima que, neste ano, ela recebeu 3 milhões de visitantes – “muito para uma cidade de 650.000 habitantes”, explica Laitio. Em seu primeiro mês, 420.000 residentes de Helsinque foram à biblioteca.

“É provavelmente o lugar mais diverso da nossa cidade, de várias maneiras”, diz Laitio.

*Por Raquel rapini

 

 

 

……………………………………………………………………………
*Fonte: geekness

A mitologia de Tolkien explicada em 10 minutos

A mitologia de Tolkien compreende uma bagagem de histórias densas e abundantes: mitos, épicos, linguagens (com seus próprios alfabetos) e incontáveis personagens. O genial escritor britânico foi capaz de criar um dos universos ficcionais mais extensos e consistentes da história da literatura.

Durante décadas este produto da imaginação do autor inspirou escritores e leitores do mundo todo. A Terra Média criada por sua mente incansável abrange um universo de histórias complexas, repletas de reviravoltas e personagens cuidadosamente desenvolvidos.

O Youtuber CGP Gray sintetizou os elementos mais importantes dessas histórias em dois vídeos que servem com uma breve introdução para os livros O Hobbit, a trilogia Senhor dos Anéis e O Silmarillion. É preciso ressaltar que nada se compara a mergulhar dentro da narrativa destas obras.

As legendas automáticas para português podem ser ativadas no ícone de configurações de cada vídeo.

No primeiro, é narrado o surgimento da Terra Média desde os seres sobrenaturais que deram vida aos magos, homens, elfos, anões e hobbits. Mitos que podem (e devem) ser explorados com mais profundidade no livro O Silmarillion, uma coleção de textos de Tolkien publicados postumamente pelo seu filho.

*Por raquel Rapini

 

 

……………………………………………………………….
*Fonte: geekness

Biblioteca que passou 200 anos oculta é descoberta na Bélgica!

Um especialista em arte descobriu uma sala repleta de livros do século XVII e XIX que havia permanecido intacta. Na biblioteca, havia livros de geografia, velhos atlas, obras que falavam sobre cultura, povos e regiões. Todos datam da mesma época e ficaram trancados durante os últimos 200 anos em uma biblioteca particular em Bouillon, um pequeno município belga, próximo da fronteira com a França.

A coleção conta com 182 livros, incluindo um velho atrás de Abraham Ortelius. O cartógrafo e geógrafo, conhecido como o Ptolomeu do século XVI, foi um padre da cartografia flamenca junto com Gerardus Mercator. O livro descoberto data de 1575 e é considerado o primor do atás moderno.

E como esta biblioteca ficou oculta por tanto tempo? Não se sabe. O que se sabe é que, de um dia para o outro, os descendentes da família decidiram abrir seu acervo que está aos pés de um dos castelos mais imponentes de sua época, o Castelo de Bouilon, o exemplo mais antigo de arquitetura feudal da Bélgico, construído no século VIII, por onde de Caros Martel. Todos os livros da coleção serão colocados a venda logo após uma exposição que aconteceu no Hotel de Ventes Horta de Bruxelas.

“A primeira vez que abri a porta da biblioteca fiquei surpreso pela autenticidade da atmosfera que prevalecia no século XVIII. Estive dois dias para fazer um inventário completo. Segurei cada livro em minhas mãos, com muito cuidado para evitar danos”, disse Godts a Le Vif, responsável por cuidar do acervo.

Mais informações:
https://soybibliotecario.blogspot.com/2017/06/la-biblioteca-que-paso-200-anos-oculta.html?fbclid=IwAR38qJqMhs7fWEsuloiljwNRjxpb7q7LksQ4BH6LtzkJvWQj_N4JNdJI4nM

*Por Luiz Antônio Ribeiro

 

…………………………………………………………………………..
*Fonte: notaterapia

As pessoas que leem muitos livros são muito mais educadas, gentis e empáticas, mostra o estudo

Ser um rato de biblioteca é compreensivelmente considerado um hobby solitário. Afinal, ao contrário de assistir televisão, seria muito difícil ler um livro com um grupo ou mesmo com outra pessoa. As pessoas livrescistas têm sido estereotipadas como solitárias e introvertidas.

Bem, a ciência está nos dizendo que esses rótulos podem ser falsos. Segundo a pesquisa, as pessoas que leem mais especificamente ficção tendem a exibir comportamentos mais sociáveis ​​e são mais empáticas.

Esta conclusão é baseada em um estudo britânico da Kingston University, em Londres. Os pesquisadores perguntaram a 123 pessoas sobre seus hábitos de leitura ou televisão. Eles também notaram que gêneros gostavam – comédia, não-ficção, romance ou drama.

Os pesquisadores então testaram suas habilidades sociais, fazendo perguntas como: Com que frequência você considera os pontos de vista de outras pessoas em comparação com os seus? Ou você sai do seu caminho para ajudar ativamente os outros?

Pode-se pensar que aqueles que preferem assistir à televisão exibem um comportamento mais sociável. Isso faria sentido. Devido ao enorme fluxo de livros, é mais provável que duas pessoas tenham assistido ao mesmo programa do que lido o mesmo livro.

No entanto, os resultados mostraram o contrário. Em leitores de livros versus espectadores de TV, os leitores de livros ficaram no topo ao exibir um comportamento mais empático. Eles também descobriram que aqueles que assistiam principalmente à televisão na verdade exibiam um comportamento mais antissocial.

O que é interessante, como observou a pesquisadora Rose Turner, foi que “todas as formas de ficção não eram iguais”. Os leitores de ficção mostraram as melhores habilidades sociais. Especificamente, quando divididos por gênero, eles viram que os leitores de comédia eram os melhores em se relacionar com as pessoas. Os amantes de romance e drama eram os mais empáticos e mais habilidosos em ver as coisas através dos olhos dos outros.

Estes resultados são fascinantes (para não mencionar um impulso do ego para nós, os leitores); no entanto, eles levantam a antiga questão “galinha ou ovo”. É que ler ficção pode ajudar uma pessoa a tornar-se mais empática ou pessoas com empatia simplesmente leem mais ficção?

Talvez os telespectadores que acham que poderiam usar um pouco mais de empatia possam fazer sua própria experiência. Pegue um pouco de ficção e observe as mudanças dentro de você.

………………………………………………………………….
*Fonte: revistapazes

Hard to Handle: The Life and Death of the Black Crowes

Finalmente foi lançada uma biografia da banda The Black Crowes. E já não era sem tempo, em meio a essa verdadeira enxurrada de bios de bandas e artistas nos últimos anos. Eu mesmo já li inúmeras, mas parece que sempre fica faltando alguma outra ainda a ser devorada. Há tempos estava ansioso por uma notícia dessas. E o lado bom dessa história é que foi escrita por ninguém menos que o próprio baterista do grupo, Steve Gorman – digamos que seja um cara “do meio”, na tal história das eternas disputas entre os irmãos Robinson.

Bem, agora posso ficar tranquilo, uma das bandas de rock que eu mais gosto (caralho! É essa é a que eu MAIS GOSTO! – tudo bem, Beatles e Stones não contam – seria covardia, e tem ainda o Led Zep e mais algumas outras…), agora tem uma bio e de respeito. Afinal, teremos suas histórias narradas por quem viveu e presenciou realmente os fatos. A questão é que o livro até o momento, existe somente na versão original, em inglês (vide link abaixo). E nem sei dizer se algum dia ainda será lançada por alguma editora, aqui no Brasil. Entonces é o que temos…

 

>> Abaixo, o texto de apresentação da biografia que diz o seguinte:

Por mais de duas décadas, The Black Crowes liderou as paradas e reinou supremo sobre as ondas de rádio, mesmo quando bandas de cabelo, grunge e hip-hop ameaçaram destroná-los. Com hits como “Hard to Handle”, “She Talks to Angels” e “Remedy”, seu enorme sucesso lançou-os ao estrelato no início dos anos 90, ganhando-lhes um lugar entre a realeza do rock. Eles estavam na capa da Rolling Stone, a MTV exibia seus vídeos 24 horas por dia, 7 dias por semana, e o Generation X redescobriu o poder do rock clássico e do blues ao mergulhar em clássicos multi-platina como Shake Your Money Maker e The Southern Harmony and Musical Companion.

Mas o estrelato pode ser fugaz. Para os Black Crowes, o sucesso lentamente diminuiu à medida que os membros da banda se envolviam no mundo das estrelas do rock e perdiam de vista sua ambição musical. Apesar das bebedeiras, drogas e lutas incessantes entre Chris e Rich Robinson – os irmãos mais bravos do rock and roll, com todo o respeito ao Oasis e ao Kinks – a banda continuou a fazer turnê até 2013. Em qualquer noite, eles podiam seja a melhor banda que você já viu. (Ou o mais combativo.) Então, uma última falha causada por Chris Robinson se mostrou intransponível para a banda sobreviver. Depois disso, as Black Crowes não voariam mais.

O membro fundador Steve Gorman estava lá por tudo isso – a cocaína e as excursões movidas a ervas daninhas; as sessões de gravação tumultuada; os bastidores estão repletos de lendas como Robert Plant, Jimmy Page e os Rolling Stones. Como o baterista da banda e voz da razão, ele tentou manter os Crowes Negros juntos musicalmente – e de uma forma emocional. Em sua história em primeira pessoa dos Black Crowes, Hard To Handle – o primeiro relato sobre o início, meio e fim da grande banda de rock americano – Gorman deixa claro o quão impossível era esse trabalho. Felizmente, Gorman conta a história com grande discernimento, franqueza e humor. Eles não fazem mais bandas como os Black Crowes: loucos, brilhantes, autodestrutivos, inspiradores e, no final das contas, não construídos para durar. Mas, cara, que passeio foi enquanto durou.

 

*Links para compra do livro no site do Amazon: [ AQUI ]

Melhor amigo de Bob Dylan escreve biografia sobre o cantor

Antes do Bob Dylan subir ao palco para o O Último Concerto de Rock, em novembro de 1976, ele procurou Bill Graham, e disse que só tocaria se a equipe do Martin Scorsesse concordasse em filmar duas das quatro músicas que ele planejava tocar durante a sua apresentação. “Vou colocar Louie no palco ao lado de você e Marty”, disse Dylan. “Ele vai te dizer quando você pode me filmar.”

O Louie em questão, era Louie Kemp. O melhor amigo de Dylan desde que se conheceram no acampamento de verão em 1953. Kemp havia cruzado a América com Dylan sendo o produtor do Rolling Thunder Revue, documentário dirigido por Scorsese sobre a turnê de Dylan, e agora ele documentou como foi ser o promotor de shows mais famoso da história ao lado de um maiores diretores da indústria cinematográfica.

Há décadas, os momentos insanos do O Último Concerto de Rock Last Waltz é uma das muitas histórias que Kemp tem contado para os amigos próximos, mas desta vez, ele finalmente documentou tudo em seu novo livro, Dylan & Me: 50 Years of Adventures, que será lançado no dia 15 de agosto.

“Este livro mostra o lado realista de Dylan”, diz Kemp. “Para mim, ele sempre foi Bobby Zimmerman e essas são todas as histórias de Bobby Zimmerman. Bob Dylan é seu lado comercial. Eu queria mostrar uma perspectiva totalmente diferente sobre ele do que qualquer um já ouviu antes. ”

Vários escritores tentaram se aproximar de Kemp nos últimos anos para tentar contar as histórias de Dylan, mas ele recusou todos. “Eu sempre tive no fundo da minha mente de que, um dia, eu escreveria meu próprio livro compartilhando todas essas histórias que eram tão interessantes e significativas para nós”, conta. “Mas sempre empurrei isso pra frente.”

Kemp decidiu publicar o livro para evitar interferências externas. Friedman escreveu a introdução e o ajudou a editar os primeiros capítulos, mas Kemp que escreveu a maioria do livro.

A obra começa com seu primeiro encontro com Dylan no acampamento. “Nós dois viemos do norte de Minnesota”, diz ele. “Nós dois viemos de famílias judias de classe média no mesmo ambiente”. Kemp também fala sobre o momento em que ele considera ser a primeira apresentação pública de Dylan: em 1954, quando ele interpretou “Annie Had a Baby”, do Hank Ballard no Talent Night.

Eles permaneceram juntos durante a faculdade, mas perderam contato em janeiro de 1961, quando Dylan se mudou para Nova York. Em 1974, Kemp foi convidado a se juntar a Dylan na turnê de 1974 com a banda. O músico gostava de viajar pelo país com seu velho amigo e, em determinado momento, pediu para que ele produzisse o Rolling Thunder Revue em 1975. “Você é um homem de negócios de sucesso”, disse Dylan. “Você não pode negar que viu tudo de dentro. Se existe alguém que pode juntar tudo isso, essa pessoa é você.”

Grande parte do livro se concentra em suas aventuras no Rolling Thunder Revue, mas os fãs de Dylan ficarão fascinados com o relato de Kemp sobre a conversão religiosa de Dylan no final dos anos 1970 e seu retorno às raízes judaicas na década seguinte.

“Como a maioria dos amigos, nós temos os nossos desentendimentos”, escreve Kemp no livro. “Nós resolvermos a maioria deles, e ultimamente eles fizeram a nossa amizade ser mais forte.”

“Nós ainda somos amigos, mas não somos ligados como éramos antes”, ele conta. “Já passaram mais de dez anos [desde que eu vi ele pessoalmente]. “[O que aconteceu] é algo que eu não gostaria de falar sobre. Isso é entre Bob e eu.”

………………………………………………………..
*Fonte: revistarollingstone

Incrível animação para fazer as crianças se encantarem com o mundo dos livros

Curta-Metragem vencedor do Oscar mostra o poder que os livros podem ter nas crianças

Uma história bem contada pode mudar a vida de uma criança. Ainda mais se for uma incrível história que mostra a importância que os livros podem ter. Alguns podem encantar e iluminar a vida das pessoas, principalmente das crianças, com sua imaginação. Este é o caso da animação The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore, um curta-metragem de animação ganhador de um Oscar e dirigido por William Joyce e Brandon Oldenburg.

Mostre para seus filhos, filhas, alunos e alunas. Com certeza, eles poderão ter outra relação com os livros depois de ver este curta!

…………………………………………………………
*Fonte: notaterapia

Um algoritmo escreve o primeiro livro científico

A editora britânica Springer Nature publicou o primeiro livro gerado por uma máquina, através de um algoritmo desenvolvido por pesquisadores da Universidade Goethe, na Alemanha.

O livro, intitulado Lithium-Ion Batteries, oferece uma visão geral das publicações mais recentes sobre pesquisa neste campo: um resumo estruturado e gerado automaticamente de um grande número de artigos de pesquisa atuais. Essa colaboração abre novos caminhos na publicação de publicações acadêmicas.

A pesquisa sobre baterias de íon de lítio está crescendo rapidamente, então a visão geral oferecida por esta publicação permite que os pesquisadores gerenciem informações de maneira eficiente.

Escritor Beta

O processo de criação, desenvolvido sob a direção do professor Christian Chiarcos do Laboratório de Linguagem computacional, aplicada da Universidade Goethe, é composto por vários componentes que analisam os textos.

Publicações relevantes são selecionadas e processadas automaticamente usando o algoritmo do Beta Writer de última geração. Esses trabalhos científicos, avaliados por especialistas da Springer Nature, passam por uma classificação baseada na similaridade para organizar os documentos originais em capítulos e seções coerentes.

Editores científicos e linguistas computacionais

O resultado é um conjunto de resumos concisos dos artigos organizados em capítulos. As passagens extraídas e parafraseadas dos documentos originais são referenciadas por hiperlinks que permitem aos leitores explorar o documento original com mais profundidade.

*Por Any Karolyne Galdino

 

…………………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

 

Quem não sofre com o fechamento de uma livraria não gosta de livros

Quem não sofre com a crise das livrarias pode gostar de tudo, inclusive de sexo, mas não gosta de livros. O melhor amigo do homem, depois do cachorro e do gato, é o livro, portanto as livrarias

As livrarias são templos para crentes e ímpios. Adquirir livros pela internet é mais fácil, pois não é preciso sair de casa. Mas o frequentador de livrarias é um ser diferente. Eventualmente, até compra obras pelos sites, mas o que gosta mesmo é de andar pelos corredores das livrarias, olhando, folheando e lendo trechos de obras variadas. Busca, por vezes, o conhecido, aquilo que tem certeza que vai adquirir, mas, mexendo nas estantes, acaba descobrindo novidades. O prazeroso desconhecido. Compra, afinal, não apenas um ou dois livros, mas de seis a dez.

A visita às livrarias permite ao leitor o contato com o inusitado. Recentemente, estive na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo. Havia pensado em comprar apenas uma obra, “Livrarias — Uma História da Leitura e de Leitores” (Bazar do Tempo, 296 páginas, tradução de Silvia Massimini Felix), de Jorge Carrión. O livro menciona inclusive a bela livraria de Pedro Herz. Acabei por folhear uma biografia da excelente escritora escocesa Muriel Spark (1918-2006) — “Muriel Spark: The Biography” (Northwestern University Press, 627 páginas), de Martin Stannard —, que Paulo Francis ajudou a divulgar no Brasil, e uma biografia do escritor uruguaio Mario Benedetti (1920-2009). Não levei, porque os preços são impraticáveis, mas depois me arrependi. Ao lembrar que estava lendo “Tantos Caminhos — Autobiografia” (Martins Fontes, 458 páginas, tradução de Hildegard Feist), de Paul Bowles, que adquiri em 13 de outubro de 2001 — há dezessete anos —, pensei: os livros sobre Muriel Spark e Mario Benedetti podem aguardar.

Enquanto esperava Candice Marques de Lima, minha companheira que participava de um seminário na USP, li cerca de 50 páginas de “Mario Benedetti: Un Mito Discretísimo — Biografía” (Alfaguara, 376 páginas), de Hortensia Campanella. Trata-se de uma edição em espanhol. O levantamento da vida do escritor é excelente. Tanto que não percebi, de imediato, que se tratava de um livro “usado” (não sei se lido). A Livraria Cultura estaria colocando livros usados em suas estantes? Não sei. Sugiro ao leitor, ao visitar a unidade da Avenida Paulista, que dê uma olhada. A edição que tive nas mãos é velhíssima, amarelada. Não é nova. Coisas da Estante Virtual? Não se sabe. Afinal, livros novos também, um dia, ficam velhos, amarelados, ressequidos, com aquele cheirinho que irrita as narinas.

Depois da Livraria Cultura, próxima do Mercure onde estava hospedado, visitei e “orei” na Livraria da Vila, na Alameda Lorena, e na Livraria Martins Fontes, na Avenida Paulista. Se a Livraria Cultura quase não tinha lançamentos (agora tem de pagar à vista para as editoras), optando por divulgar best sellers, as outras duas, que estão escapando da crise, são verdadeiros manás-oásis em termos de novidades — inclusive a edição especial do romance “Vidas Secas”, de Graciliano Ramos. O livro completou 80 anos e reli cerca de 20 páginas, saboreando o cheiro da belíssima edição especial (a Record caprichou). Pode anotar: em termos de permanência literária, pensando mais em qualidade do que em sucesso, “Vidas Secas” continua sendo uma obra-prima poderosa. Parece ter nascido ontem, ou melhor, se disserem que completou 18 anos, e não 80 anos, quem há de duvidar? A prosa é vivíssima, as personagens são ricas, apesar da pobreza em termos materiais.

Folheando “Vidas Secas”, a edição comemorativa, pensei, fissurado por livros e, sobretudo, pela prosa de Graciliano Ramos: “Não há a menor dúvida de que a edição é fantástica, mas, pô, tenho duas edições, ambas devidamente anotadas, inclusive uma edição especial em capa dura. Por que levar mais uma?” Acabei não levando, porque estava com pouco dinheiro, mas senti comichões de Alexandria. Ao reler a prosa desenxabida de Graciliano Ramos — sabendo que desenxabida não é o mote justo para nomeá-la —, lembrei-me de um motorista da Uber, que, sergipano, mora em São Paulo há vários anos. Mas não perdeu a linguagem de seu Estado, de sua cidade. Ele disse a mim e a Candice que um xingamento forte no pequeno Estado do Nordeste é: “Ô seu filho de um cabrunco”. Olhei seu rosto e percebi que não parecia com Fabiano, e sim com Riobaldo.

Na Martins Fontes, descobri, na parte de cima da livraria, que havia uma promoção de livros. Promoção de verdade, parecendo aquelas de sábado na Livraria Bertrand (citada por Jorge Carrión como a mais antiga em funcionamento), a do Chiado, em Lisboa. Pensei: deveria comprar alguns livros e pagar com o cartão de crédito — afinal quem visita livrarias e não compra livros não sai de lá feliz; sai acabrunhado. Acabei adquirindo dois livros, por considerar que ia começar a ler “Jane Bowles — Un Pecadillo Original” (Circe, 413 páginas, tradução de Ángela Pérez), de Millicent Dillon. A autora menciona como amiga de Jane e Paul Bowles a cantora brasileira Elsie Houston, que morava nos Estados Unidos e havia sido casada com um poeta francês. Numa carta, Jane Bowles fala da farofa brasileira (página 79). Leio minha anotação: “17 de julho de 2014, quinta-feira, frio mas sem chuva, sebo da Avenida Corrientes, Buenos Aires”. Pois o livro foi adquirido há quatro anos e só agora está sendo lido. Por isso recomendei-me, contra minha vontade, que comprasse menos livros.

As livrarias são eternas como os diamantes

E se as livrarias acabarem? Felizmente, não acabarão. Ficarão menores, por certo, mas resistirão. A tendência é que as grandes lojas fechem suas portas e seus donos, adiante, abram livrarias menores. Em Goiânia, no Setor Universitário, há uma livraria pequena, mas de excelente qualidade — a Palavrear. O acervo, embora nada amplo, é ótimo. Porque prima-se pela qualidade, não pela quantidade. Encontrei inclusive boas edições de livros publicados em Portugal. Recomendo apenas um espaço mais adequado para poesia, por exemplo, com as ótimas traduções da Editora Iluminuras.

O que acontecerá com a Livraria Saraiva e com a Livraria Cultura? A minha torcida é para que resistam. Os apaixonados por livros preferem a Livraria Cultura, a Livraria da Vila, a Livraria Travessa (no Rio de Janeiro) e, pelo acervo diversificado, a Livraria Martins Fontes. A Livraria Saraiva aposta muito em best sellers, até para tentar sobreviver, mas não é ruim. Pelo contrário, é uma boa livraria. O atendimento nunca foi perfeito, nenhuma livraria tem mais atendimento de alta qualidade — salários baixos e rotatividade impedem a qualificação. Mas o que importa mesmo é o acervo e, no geral, o da Livraria Saraiva nunca foi ruim, embora não seja como o das outras livrarias arroladas.

Por que as grandes livrarias estão em crise no Brasil (nos Estados Unidos também)? Porque o capitalismo “diz” ao empresário: “Você precisa crescer”. Para expandir os negócios, é necessário pegar dinheiro nos bancos e, depois de certo prazo de carência, é obrigatório começar a pagar as parcelas dos empréstimos. Pode-se falar que, no capitalismo, há uma espécie de “armadilha do crescimento”. Uma vez enredado, no abraço da sucuri, não há escapatória. As sedes gigantes, instaladas em shoppings nos quais os preços dos alugueis são estratosféricos e que exigem mão de obra farta, estão com as finanças em frangalhos. Com a recuperação judicial, as livrarias não têm de pagar seus credores — momentaneamente —, sejam editoras, sejam bancos, sejam donos de imóveis.

Os brasileiros estão lendo mais, tanto que editoras portuguesas estão interessadas no mercado do país de Machado de Assis. O Brasil tem mais de 200 milhões de habitantes, enquanto Portugal tem pouco mais de 10 milhões.

Uma livraria que deve 674 milhões de reais, caso da Livraria Saraiva, tem como escapar da falência? Talvez sim. Talvez não. Minha aposta é pelo “sim”, mas a razão sugere que a chance de prevalecer o “não” é muito maior. Se rolando a dívida com a barriga, pagando juros, quando era possível, não estava dando para tocar o negócio de maneira qualitativa — tanto que a dívida chegou a mais de meio bilhão de reais —, como, em recuperação judicial, vai escapar da crise? Com o processo judicializado, fica mais fácil negociar com os credores, que têm de aceitar determinadas regras (não podem pedir bloqueio de contas, por exemplo). Entretanto, como a Livraria Saraiva fará para ter acesso a novos produtos? Basta uma visita à Livraria Saraiva para verificar que praticamente não há lançamentos. A falência não é positiva para ninguém, notadamente para as editoras. A livraria deve R$ 18.638.315,67 para a Editora Companhia das Letras e R$ 18.241.167,49 para a Editora Record. Impagável, praticamente. Bancos sabem contabilizar à perfeição suas perdas (se brincar, viram lucros).

A Livraria Cultura deve menos — 285 milhões de reais. Mesmo assim, é um valor muito alto. Dificilmente terá condições de pagar a dívida e, aparentemente, a família não tem patrimônio suficiente para usá-lo para abatê-la.

Falência à vista? Não é o que espero. Mas o setor livreiro, o que se agigantou, dificilmente terá escapatória se não mudar o modelo de negócio — tornando-se menor e escapando do gigantismo dos shoppings. As livrarias decerto continuarão, ainda que menores, e com a expansão do negócio pela internet — seguindo o trabalho bem-sucedido tanto da Livraria Cultura quanto da Amazon.

Mas diga, leitor: quem não sofre com a crise das livrarias pode gostar de tudo, inclusive de sexo, mas não gosta de livros. O melhor amigo do homem, depois do cachorro e do gato, é o livro, portanto as livrarias.

*Por Euler de França Belém

……………………………………………………………………
*Fonte: revistabula

 

Na Islândia a tradição é trocar livros no Natal

O Natal pode ser uma época de muita ansiedade para alguns. Além das filas nas lojas, dos mil e um amigos-secretos e dos altos gastos com presentes, ainda é preciso escolher algo especial para cada pessoa. Na Islândia, uma antiga tradição é também uma ótima maneira de combater o consumismo e aliviar o estresse.

No país, é costume trocar livros na noite de Natal, o que estimula a cultura e desacelera o consumismo nessa época do ano. Após a ceia, é comum passar o restante da noite lendo. Graças a isso, cerca de 70% dos livros islandeses são publicados nos últimos três meses antes do fim do ano.

Segundo uma reportagem publicada pelo El País, o costume surgiu durante a Segunda Guerra Mundial. Nesta época, devido à restrição de importações, as pessoas passaram a trocar livros durante o Natal, pois estes eram impressos no próprio país.

A Islândia é detentora de diversos recordes relacionados à literatura. A ilha conta com o maior número de escritores por habitantes do mundo, bem como o maior número de livros publicados e lidos. Existe até uma estatística que calcula que cerca de 10% dos habitantes do país já publicaram ou vão publicar um livro algum dia.

……………………………………………………………….
*Fonte: hypeness

Katia Suman relembra papel da Ipanema em relação ao rock e garante: liberdade era total

O anunciado fim da Ipanema FM e o verdadeiro muro das lamentações que se tornou a caixa de comentários da brevíssima matéria era o pretexto óbvio para uma entrevista com Katia Suman. Porém, a ex-coordenadora e principal apresentadora da legendária emissora não é apenas seus quase 20 anos de Ipanema, é também os 16 anos de Sarau Elétrico, e os 5 de rádio Elétrica, além tocar vários projetos paralelos como o do Cais Mauá de Todos.

Katia, que se autodenomina uma “sub celebridade porto-alegrense” é a filha do zagueirão gaúcho Gago. O motivo no apelido é que ele gaguejava na hora das entrevistas, problema que ela não herdou. Ela nasceu em Salvador quando seu pai jogava no Vitória (BA) e agora está escrevendo um livro sobre seus anos na famosa 94.9. Mas sua entrevista ao Sul21 não se limita à nostalgia, focando também o modo como se faz o rádio tradicional, as novas formas e a série de projetos que Katia leva em frente. Tudo isso acompanhado das boas histórias de quem pode dar consultoria de como viver e trabalhar sem dinheiro.

Sul21: Como começou a tua história na Ipanema FM?

Katia Suman: Eu tinha voltado de uma temporada de 7 anos em São Paulo, tinha decidido não mais trabalhar com publicidade (fui redatora) e estava tentando achar meu rumo. Nesse processo havia sempre um rádio ligado, porque eu sempre gostei de ouvir. Descobri a rádio Bandeirantes, que era muito melhor do que qualquer emissora paulista, com um excelente repertório musical. E uma fala tão coloquial, tão verdadeira, tão fora dos padrões radiofônicos, fiquei realmente muito impressionada. Pensei que eu poderia fazer um programa nesta rádio. Elaborei um roteiro, levei para o Nilton Fernando e ele me recebeu, gostou da ideia, gostou do meu perfil. Pouco tempo depois, quando a rádio passou a se chamar Ipanema, eu comecei, ancorando o horário da noite, das 20h à meia-noite.
Esse negócio de “música de trabalho” que a indústria fonográfica inventou, não colava com a gente.

Sul21: Como a equipe (principais apresentadores) foi formada? Como o pessoal chegava?

Katia Suman: Quando eu cheguei o grupo era formado pelo Nilton, diretor, Mauro Borba, locutor da tarde, a Mary Mezzari, redatora. Tinha também o Ricardo Barão que fazia o Central Rock. A interação da rádio com os ouvintes sempre foi muito forte, muito antes da internet os ouvintes realmente tinham voz na Ipanema: eles participavam, opinavam, davam dicas, levavam discos e nos mantinham informados de tudo o que estava rolando pela cidade. Era já uma rede. Pois bem, em 85 eu criei o Clube do Ouvinte, programa que, como o nome diz, os ouvintes faziam. Eu explicava como fazer o roteiro e eles iam lá apresentar. Houve programas memoráveis, muita gente legal se dispôs a ir ao estúdio, compartilhar seus discos e artistas preferidos. Alguns que apresentaram esse programa acabaram entrando para a equipe da rádio: a Nara Sarmento, por exemplo, o Porã, o Cagê e o Cláudio Cunha. O Alemão Vitor Hugo começou como redator e depois virou locutor.

Sul21: Como se deu o crescimento da rádio?

Katia Suman: Era a rádio certa na hora certa. O país vivia o processo de redemocratização, estava saindo do período tenebroso da ditadura militar. Havia no ar um desejo de liberdade, de exorcizar toda aquela opressão. É nesse momento que surge a famosa cena dos anos 80: Barão Vermelho, Paralamas, Titãs, Blitz, Ultraje, Camisa de Vênus e tantas outras. E aqui TNT, DeFalla, Replicantes, Engenheiros, Taranatiriça, Cascavelettes e tantas outras. A sintonia entre o público e nós, que fazíamos a rádio, era total. Falávamos a mesma língua, tínhamos os mesmos interesses, íamos aos mesmos shows, assistíamos aos mesmos filmes, frequentávamos os mesmos bares, líamos os mesmos livros. Era uma comunicação muito horizontal, éramos, sem saber, já um coletivo. Não era uma relação “rádio aqui e público lá”, como costuma ser. A rádio falava de tudo: política, ecologia, economia, artes, drogas, religiões, tudo! Nunca subestimamos a inteligência da nossa audiência. Num contexto em que as outras rádios voltadas ao público jovem tinham aquele discurso padrão, aquela locução alegre, acelerada e superficial, aquele listão de músicas reduzido e predominantemente internacional, a diferença era gritante. Com o tempo, as outras rádios passaram a dar atenção também a essa nova cena que surgia e a incorporar algumas das nossas sacadas.

Sul21: Havia jabá ou a liberdade era total?

Katia Suman: Liberdade total. Nunca nos submetemos. Inclusive uma das características da rádio era rodar praticamente todas as faixas (era no tempo das faixas) de um disco. Esse negócio de “música de trabalho” que a indústria fonográfica inventou, não colava com a gente. E a gente se esmerava em oferecer o que havia de melhor na música. Não havia internet, as gravadoras deixavam de lançar muita coisa aqui no Brasil. Então era a “caça ao tesouro”: alguém viajava e trazia de fora, ou conseguíamos em lojas de discos importados, ou os ouvintes nos levavam e a gente gravava. Enfim, era uma batalha. E a gente rolava de tudo: rock, funk, blues, jazz, mpb, bossa nova, música erudita, rap, hip hop. Sobre jabá, quem se interessar, minha dissertação de mestrado é sobre o tema e está disponível aqui.
Naquele momento a nossa voz era mais forte que a da RBS.

Sul21: Qual foi o papel da emissora em relação ao rock gaúcho?

Katia Suman: Foi muito importante. O fato de a rádio rodar os artistas, dar visibilidade a eles, ajudou a criar público. Começaram a surgir várias bandas, vários estúdios de ensaio, estúdios de gravação, casas noturnas com espaço para shows, um circuito de shows pelo estado, enfim, uma cena. As bandas gaúchas num dado momento, lotavam o Gigantinho.

Sul21: Tu te tornaste uma rara celebridade porto-alegrense fora do mainstream da RBS.

Katia Suman: Sub celebridade, né? Mas sim, todos nós ficamos muito conhecidos. Naquele momento a nossa voz era mais forte que a da RBS.

Sul21: O resultado financeiro da Ipanema FM era aceitável ou ficava abaixo do esperado?

Katia Suman: Olha, não só era aceitável como chegou a ser excelente em alguns momentos. Nos anos 80 e 90 a rádio cresceu muito em audiência e faturamento. Todo mundo que tinha como alvo o público jovem, anunciava na Ipanema.

Sul21: E a tua primeira demissão na Ipanema? Foi mesmo por “contenção de custos”?

Katia Suman: Foi o que me disseram. Deve ter sido mesmo. Se foi outro o motivo, nunca soube e acho que nunca saberei.
Sou entusiasta de primeira hora da internet e de toda essa revolução que está em curso.

Sul21: O teu período de madrugadão — programa das 2h às 6h — na Atlântida equivaleu a uma temporada na Sibéria?

Katia Suman: Mais ou menos. Mas por outro lado aprendi a operar uma mesa de áudio, aprendi a falar no ar, inventei um jeito de me comunicar. Valeu. Esse estágio foi antes de eu entrar efetivamente para a Ipanema.

Sul21: É mesmo? Saíste de lá por ignorar o set list programado para tocar na rádio, fazendo a tua própria seleção musical?

Katia Suman: Sim. Eu ficava falando a noite inteira, lia e comentava notícias e rodava a programação musical que me deixavam. Acho que os porteiros de prédios, seguranças e taxistas que ficavam acordados de madrugada, gostavam. Eu comecei a enjoar da programação que era sempre a mesma, só alterava a ordem das músicas. E comecei a dar uma incrementada. Claro que o programador musical não gostou.
Me orgulho da rádio Ipanema ter sido a primeira emissora gaúcha a ter um site (e a segunda do país) e isso aconteceu na minha gestão.

Sul21: Antes de voltar à Ipanema, durante tua época na TV Com, criaste a rádio Elétrica na web. Durante um período, as duas rádios foram concomitantes, correto? Qual é o caráter deste projeto?

Katia Suman: A rádio Elétrica surgiu da minha necessidade de compartilhar o que eu leio, descubro e aprendo. É um lance meu, uma necessidade. Desde o tempo em que eu fazia a madrugada da Atlântida, eu tinha um caderno em que, durante o dia, anotava notícias e reportagens e trechos de livros e coisas do gênero para falar no ar. Então, quando eu fiquei sem rádio — nessa época eu estava na TV Com –, criei a Elétrica. Em dezembro de 2010. No começo eu fazia sozinha, 2 horas por dia, ao vivo, rolando música e falando. Aos poucos foram entrando pessoas, vários programas foram criados e transmitidos. Algumas pessoas saem, outras entram e assim segue. Eu fiz a escolha de uma a uma das milhares de músicas que rodam. E hoje apresento o Talk Radio mais ou menos ao meio-dia, de segunda a sexta, cada dia conversando com uma das pessoas de um grupo muito legal, de diversas formações e profissões. Participam comigo, ao meio-dia, a psicanalista Christiane Ganzo, o produtor cultural Fernando Zugno, a médica Cinthya Verri, o escritor e professor Diego Grando e a especialista em sustentabilidade, Fabíola Pecce.

Sul21: A rádio Elétrica dá alguma grana ou tu pagas para tê-la? Essa migração já faz parte de uma percepção tua de que não dá mais nas FMs e AMs da vida?

Katia Suman: Até agora eu paguei o custo da rádio que inclui serviço de streaming, hospedagem de dados e equipamento. Agora comecei uma parceria com um apoiador (obrigada, Newkeepers) e esses custos serão bancados. Sou entusiasta de primeira hora da internet e de toda essa revolução que está em curso. Me orgulho da rádio Ipanema ter sido a primeira emissora gaúcha a ter um site (e a segunda do país) e isso aconteceu na minha gestão. Em 1997, tínhamos uma webcam transmitindo do estúdio da rádio. Quase ninguém assistia, pois eram poucos os que já estavam conectados. Mas nós já estávamos lá. Portanto a rádio web é quase um caminho natural para mim. Me agrada muito esse espírito do it yourself da internet.

Há uma diferença primordial da web para o FM, que é a possibilidade de ouvir o conteúdo a qualquer momento.

Sul21: Há também o Sarau Elétrico, de longa vida para um projeto literário. Como surgiu e ganhou consistência?

Katia Suman: O Sarau Elétrico também está dentro daquela lógica de compartilhar informações, no caso, informações de alta cultura, de intelectuais como os professores Luís Augusto Fischer e Cláudio Moreno. Atualmente, enquanto o Fischer está fora, o professor Sergius Gonzaga entrou para a trupe, que tem ainda o poeta e professor Diego Grando e a querida Claudia Tajes. Ainda nos primórdios da Ipanema, eu tinha por hábito ler trechos de livros. Sempre li bastante e cheguei a cursar Letras, embora não tenha concluído. Eu pensei em fazer um evento aberto, público, para leituras e conversas. Convidei o Fischer e o Frank Jorge. Eles toparam e começamos. E lá se vão 16 anos. No decorrer do período fomos criando uma dinâmica, um jeito, um borogodó qualquer que funciona. A atividade é muito prazerosa, aprendo muito. E nos divertimos também.

Sul21: Como potencializar audiências em tempos de narrowcasting? Pois uma radioweb é radicalmente diferente das tradicionais AMs e FMs (broadcasting).

Katia Suman: Ah, pois é. Eu não sei como potencializar audiência e nem chego a pensar muito sobre isso. Talvez devesse. Sim, rádio web é bem diferente. Não vejo sentido em botar só música, por exemplo, já que com esses serviços tipo spotify e deezer é possível ouvir música da melhor qualidade de qualquer gênero. Sem falar nas milhares de rádios espalhadas pelo mundo todo. Por outro lado, quem ouve a rádio Elétrica deve gostar da minha curadoria musical, porque tudo o que roda foi escolhido a dedo por mim. Estou constantemente atualizando o repertório. Mas o que faz mais sentido pra mim é compartilhar ideias, trazendo pessoas interessantes para juntos pensarmos o mundo que construímos. Eu acho também que há uma diferença primordial da web para o FM, que é a possibilidade de ouvir o conteúdo a qualquer momento. Por isso, os programas da rádio são todos arquivados em podcast.
Parece que a faixa FM já está virando uma imensa AM

Sul21: Que futuro tu vês para as atuais FM e seus modelos?

Katia Suman: A migração das AMs para a faixa de FM está acontecendo antes mesmo do prazo estabelecido pelo governo. E de uma maneira meio esquisita, que é duplicar o sinal, ou seja, transmitir o mesmo conteúdo nas duas frequências. Com o mesmo custo, o empresário tem duas fontes de faturamento. Então parece que a faixa FM já está virando uma imensa AM, ou seja, notícias, futebol e comunicação bem popular. Rádio FM para público jovem, acho que já era. Adolescentes nem conhecem o objeto rádio, não sabem como ligar (não é touch) nem para que serve. Tudo o que eles precisam em termos de informação e música está na internet.

Sul21: Tu tens te envolvido em projetos e tomado posições claras em relação à cidade. Há a Festa da Leitura e o coletivo Cais Mauá de Todos, por exemplo.

Katia Suman: Na Festa da Leitura eu participei muito discretamente, sugerindo algumas atrações para a programação e fazendo assessoria de imprensa.
Daqui a pouco vou dar consultoria de como viver, trabalhar e produzir sem dinheiro.

Sul21: E o resto?

Katia Suman: Atualmente eu estou fazendo um doutorado em Letras e o meu trabalho final será um livro sobre a Ipanema, feito a partir de relatos feitos à época, por todos os integrantes da rádio. Eram cadernos que ficavam no estúdio e ali anotávamos tudo o que acontecia, nos comunicávamos internamente. Era o nosso e-mail. Eu tenho cadernos de 1984 a 1997. É um belo documento. Também quero finalizar um documentário que comecei em 2013, quando tomei contato com uma cena de festas que acontecem nas ruas de Porto Alegre. São ocupações do espaço público, bonitas, com arte, alegria. Gente jovem reunida. Durante 2013 e 2014 captamos mais de 40 horas de imagens dessas festas, entrevistei um monte de gente. Estou buscando formas de finalizar. Tentei o Fumproarte, mas não rolou. Estou esperando agora o resultado de um edital nacional. Se não rolar vou fazer sem dinheiro mesmo, como tudo foi feito até aqui. Eu daqui a pouco vou dar consultoria de como viver, trabalhar e produzir sem dinheiro.

Sul21: Como surgiu a necessidade de te envolveres com as questões da cidade e da orla? O fato de seres bastante conhecida facilita e dá maior visibilidade às causas?

Katia Suman: Eu era daquelas pessoas que andava sempre de carro. Fazia todos os meus trajetos de carro. Mas, à medida que o trânsito começou a ficar muito denso e travado, eu passei a me sentir tão incomodada que fui mudando a maneira de me locomover pela cidade. Passei a caminhar muito mais do que antes, a usar mais transporte público e a andar de bicicleta. A partir desse contato mais próximo com as ruas da cidade — no carro, a gente está numa bolha –, eu comecei a tomar consciência da realidade da cidade, do estado de abandono das ruas, da deterioração dos espaços públicos, da humilhação a que os pedestres são submetidos quando esperam longos minutos para terem direito a alguns poucos segundos para vencer ao menos uma faixa de uma avenida. Paralelo a isso, comecei a fazer um programa chamado Cidade Elétrica com a escritora Carol Bensimon e o arquiteto João Marcelo Osório. (Na rádio Elétrica, claro – tem os podcasts lá). Entrevistamos muitas pessoas envolvidas com urbanismo, eu passei a pesquisar o assunto, li livros, vi palestras, fui me informado. E quando a gente se informa e cai na real, não tem como não se envolver. A gente vive hoje uma situação inédita na história do planeta terra: pela primeira vez a população que vive em cidades é superior a que vive no campo. E os problemas que a gente costuma encarar como “globais”, como mudanças climáticas (80% da emissão de gases que causam o aquecimento global vem das cidades) ou crise energética (75% do consumo global de energia acontece nas cidades), são em muitos aspectos, problemas urbanos, problemas das cidades. Eles não serão resolvidos se as pessoas que vivem nas cidades não se envolverem ou se responsabilizarem.
Nós precisamos de uma revolução de participação. E rápido!

Sul21: E Porto Alegre, neste contexto.

Katia Suman: Pois é. Vou dar um exemplo dessa falta de envolvimento: Porto Alegre foi a primeira cidade brasileira a ter coleta seletiva de lixo. Desde 1990 há esse tipo de coleta e hoje toda a cidade está contemplada. 100%. Mas qual a porcentagem da população que efetivamente separa os seus resíduos? Apenas 25%!!!!! O que acontece com os outros 75%? Eles não se responsabilizam, eles não se envolvem. Eles não se interessam pelo assunto. Nós precisamos de uma revolução de participação. E rápido!

Sul21: E o movimento Cais Mauá de Todos?

Katia Suman: Aproveitando o espaço, eu convido o distinto leitor a conferir a página facebook.com/caismauadetodos e participar da discussão que nós estamos propondo. Somos um grupo de pessoas que, a exemplo de mobilizações passadas — como a que evitou que o Parcão virasse um lote de 40 prédios nos anos 50 e a que evitou a derrubada do Mercado Público nos anos 70 –, está lutando para que não se desfigure uma área de imensa importância histórica da cidade. Seguramente a mais importante. Porto Alegre só existe por causa do porto, que aliás dá nome à cidade. Se não fosse o porto, a capital seria Viamão, como de fato foi. Obviamente que nós não queremos que aquela área continue abandonada e degradada. Nós queremos sim progresso e desenvolvimento, geração de empregos, tudo isso. Mas não aceitamos shopping e torres naquela área da cidade. Queremos envolver a população nessa discussão.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por Milton Ribeiro
Foto: Guilherme Santos / Sul21

……………………………………………………………………
*Fonte: sul21

Casa de adolescente deve ter pelo menos 80 livros, diz estudo

Você já contou quantos livros tem em casa? Deveria. Um estudo da Universidade Nacional da Austrália afirma que crescer em um lar que tenha pelo menos 80 livros aumenta a chance de ser bem sucedido.

Para chegar a essa conclusão, o estudo analisou homens e mulheres de 25 a 65 anos. A pesquisa pediu às pessoas que tentassem se lembrar de quantos livros tinham em casa durante a adolescência. Em seguida, os cientistas analisaram as habilidades dessas mesmas pessoas em três categorias: interpretação de texto, matemática básica e capacidade de utilizar dispositivos eletrônicos. Depois de cruzar todos os dados, os pesquisadores chegaram a um número: 80. Essa é a quantidade mínima de livros que você deve ter em casa, durante a adolescência, para que as suas habilidades cognitivas se desenvolvam bem.

O interessante é que esse número, 80, era constante. Se a pessoa tivesse essa quantidade de livros em casa, suas habilidades cognitivas sempre melhoravam, independentemente do grau de educação que ela havia recebido. “Crescer em casas com bibliotecas aumenta as habilidades dos adultos nas áreas estudadas, indo além dos benefícios atrelados à educação parental, escolar e ocupações posteriores”, diz o estudo.

Outro ponto curioso é que, conforme a quantidade de livros aumentava, o desempenho dos voluntários também – mas existe um teto, que é 350 livros (mais do que isso não melhorou a habilidade cognitiva).

*Por Felipe Germano

…………………………………………………………
*Fonte: superinteressante

“Ler é sempre um ato de poder”, afirma o escritor argentino Alberto Manguel

O escritor argentino Alberto Manguel, reconhecido internacionalmente por honrarias como o título de Oficial da Ordem das Artes e das Letras, do Ministério da Cultura da França, Alberto Manguel é diretor da Biblioteca Nacional argentina e autor de obras como “Dicionário de lugares imaginários” e “Uma história da leitura”.

Para o escritor, “ler é sempre um ato de poder” e, em sua opinião, a isso se deve o fato do leitor ser temido em quase todas as sociedades.

Manguel nos faz peercorrer um caminho histórico sobre a capacidade de ler – e da liberdade de ler – e nos faz refletir sobre fronteiras, identidade, poder e literatura.

……………………………………………………………..
*Fonte: revistapazes

Milton Santos ganha homenagem do Google

Para minha surpresa hoje ao abrir a página do Google lá está uma bela homenagem ao geógrafo Milton Santos. Fiquei contente, me fez lembrar de que na época da faculdade eu li dois ou três livros dele e que de alguma forma, me foram bem impactantes. Tenho algumas referências dessas leituras que trago junto comigo na bagagem da vida até hoje. E o interessante é de que justamente há poucos dias atrás eu comentava com um amigo sobre um de seus livros.

Abaixo um texto da Isto É sobre Milton Santos, que acredito ser mais prático do que eu mesmo aqui escrever algo sem grande conhecimento ou profundidade sobre a sua vida ou mesmo a amplitude de sua obra. Fica portanto o reconhecimento do blog a mais um grande e ilustre personagem Brasileiro – Milton Santos.

>> E a quem interessar possa, aqui um link para download FREE de 13 de seus livros em PDF:
https://www.geledes.org.br/milton-santos-13-livros-em-pdf-para-download/

……………………………………………………………………………..

A geografia não é geralmente considerada uma disciplina acadêmica controversa. Mas o estudioso brasileiro Milton Santos criou uma escola de pensamento diferente que via a geografia em sua totalidade, investida de significado e valor críticos. Durante uma carreira que durou mais de 50 anos, Santos defendeu uma “Nova Geografia” que abrangia mais do que as características físicas da Terra, abordando a vida das pessoas que vivem lá, bem como a distribuição de espaço e recursos que molda sua vida.

Nascido em 3 de maio de 1926, no bairro de Brotas de Macaúbas, na Bahia, Santos era filho de dois professores do ensino fundamental e, como resultado, foi educado em casa. Embora o ensino superior não fosse facilmente acessível a Santos, ele foi motivado a estudar, pelas lembranças de seu pai, que eles descendiam de escravos. Santos continuou sua busca pela educação ensinando geografia do ensino médio para pagar suas mensalidades universitárias. Em 1958 obteve seu doutorado em Geografia pela Universidade de Estrasburgo, retornando da França para lecionar na Universidade Católica de Salvador e na Universidade Federal da Bahia.

Depois de décadas de contribuições para o seu campo, Santos tornou-se o primeiro brasileiro a ganhar o Prêmio Vautrin Lud International Geography, conhecido como o “Prêmio Nobel de Geografia” – em 1994. O prestigioso prêmio nunca foi concedido a um estudioso que escreveu em um idioma além do inglês. Nunca para descansar sobre os louros, a busca de Santos por conhecimento continuou com seu livro inovador The Nature of Space , que ganhou o Prêmio Jabuti do Brasil em 1997. Nesse mesmo ano ele também recebeu o título de Professor Emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Nem a velhice nem a doença amorteceram sua paixão pelas idéias em que acreditava. Em julho de 2000, Santos e alguns de seus alunos da Universidade de São Paulo publicaram um panfleto intitulado “O papel ativo da geografia: um manifesto”, que distribuíram em uma reunião nacional de geógrafos brasileiros. O texto provocativo desencadeou um debate apaixonado, assim como Santos pretendia sobre os efeitos sociais de uma dada geografia.

Embora seu trabalho ainda não tenha sido tão amplamente traduzido e distribuído como ele gostaria, o legado de Santos se destaca como um estudioso brilhante que se importava profundamente com as formas de criar um mundo melhor para toda a humanidade.

 

 

…………………………………………………………….
*Fonte: istoé

Tsundoku: Mania de acumular mais livros do que pode ler

Comprar livros, livros e mais livros. Investir na formação educacional e cultural é importante, mas e quando a gente “perde a mão” e acumula leituras que jamais chegará a ler? Para esta prática, os japoneses têm um nome e se chama Tsundoku. Com origem no século 19, “tsunde oku” significa empilhar e deixar de lado por um tempo e “doku” corresponde ao verbo ler.

Tsundoku é nada mais que a intenção de ler livros e eventualmente ir criando uma coleção. Qualquer pessoa que tenha em casa livros (empoeirados e nunca abertos) comprados na melhor das intenções vai entender. Apesar do termo não ter uma conotação negativa, o CicloVivo traz algumas reflexões sobre o tema. A intenção não é que você abandone seus livros, pelo contrário: que você invista mais tempo em leituras e menos em coleções sem propósito.

Cultura ou status?

O hábito de empilhar livros e mais livros em prateleiras é antigo. Parece que quanto maior a livraria, maior o conhecimento -, o que não é necessariamente verdade. Enquantos alguns gostam de se exibir, outros enganam a si próprios ao acreditar que lerá sim aquele novo livro super recomendado (por mais que o tema nem lhe chame tanta atenção).

Há ainda os que acreditam que ter mais livros do que é capaz de ler em uma vida é uma forma de humildade, algo como: “quanto mais leio, mais entendo que não sei de nada”. Em outras palavras, seria uma forma de manter-se ciente de que é impossível deter o conhecimento. Filosofias à parte, a prática de acumular publicações pode ser “cult”, mas é preciso se segurar para não ser vazio de sentido.

Sugestões para os maníacos por livros

O que você pode fazer para mudar isso? Primeiro, se você ainda não acumulou tantos livros quanto gostaria aproveite para refletir sobre a necessidade de cada desejo literário. Será que aquele livro que você tanto quer não está disponível online? Será que não há uma biblioteca em seu bairro onde você poderia pegá-lo emprestado? Aliás, essa dica também vale para o caso de você já ter uma quantidade razoável de livros em casa: empreste. Esqueça a besteira de ter ciúmes de livros. Conhecimento está aí para isso mesmo, ser compartilhado. Aqueles livros que você nunca leu – e nem tem a intenção de ler-, nem pense duas vezes: doe.

Aprenda a viver mais leve. Disponha as publicações organizadas e visíveis (será mais fácil se ela for menor). E por fim, sinta o prazer de ter uma biblioteca pequena, mas que é realmente usada. Afinal, pior que ter centenas de livros entulhados em caixas é deixá-los sem uso pegando pó. Se este for o seu caso, assuma nesta semana mesmo o compromisso de dar um jeito na bagunça e iniciar uma rotina de leitura diária. Não tem tempo? Não seja por isso: limite o tempo de uso de redes sociais ou TV à noite, faça um chazinho e curta seus minutos extras com uma aconchegante leitura.

*Por Marcia Souza

 

 

 

 

…………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

Universidade divulga ilustrações da Terra Média feitas por J.R.R. Tolkien

Além de acolher a exposição “Tolkien: Maker of Middle-Earth”, a Universidade de Oxford, no Reino Unido, acaba de lançar um livro homônimo sobre a vida e a produção de J.R.R. Tolkien.

A obra conta com os detalhes de suas ilustrações, mapas, correspondências com amigos e fãs, fotos de família e primeiros manuscritos. O material passou pela curadoria de Catherine McIlwaine, arquivista da Bodleian Libraries, editora da principal biblioteca da institutição.

Com mais de 300 imagens e seis ensaios, o livro aborda os principais temas que atravessaram a vida e obra de Tolkien, como a influência de línguas nórdicas e da literatura medieval que inspiraram seus trabralhos.

“Emergindo dos arquivos das coleções de Tolkien da Bodleian Libraries, Oxford, e da Marquette University, Milwaukee, assim como de coleções particulares, esse catálogo delicadamente produzido reúne os mundos de J. R. R. Tolkien, oferecendo uma compreensão rica e detalhada deste extraordinário autor”, descrevem os editores.

O produto importado pode ser adquirido em duas versões, a paperback (£ 25) e a de capa dura (£ 40).

Confira abaixo algumas ilustrações divulgadas pela editora Bodleian Libraries.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

………………………………………………………….
*Fonte: revistagalileu