Árvores conversam entre si, detectam perigos ao redor e ajudam as plantas mais velhas a se alimentar, garante estudo

As árvores têm amigos, sentem-se solitárias, gritam de dor e se comunicam por debaixo da terra via woodwide web. É o que afirma o engenheiro florestal Peter Wohlleben, no livro The Hidden Life of Trees (A Vida Oculta das Árvores, em português).

Segundo Wohlleben, algumas árvores agem como pais das outras e como boas vizinhas. Outras fazem mais do que projetar sombras: elas são verdadeiras defensoras contra espécies rivais. As mais novas correm riscos na ingestão de líquidos e na queda das folhas – e então mais tarde se lembram dos erros cometidos.

Certamente, sua próxima caminhada no parque será diferente, se você imaginar que embaixo dos seus pés as raízes das árvores estão crepitando com um bate-papo cheio de energia! O autor acredita que nós não sabemos nem metade do que está acontecendo debaixo da terra e das cascas das árvores: “Nós estamos olhando para a natureza há mais de 100 anos como se ela fosse uma máquina”, argumenta.

Wohlleben – sobrenome que, coincidentemente, quer dizer “viver bem” – desenvolveu seu pensamento ao longo da última década, enquanto observava o poderoso, e interessante sistema de sobrevivência da floresta de faia antiga, que ele gerencia nas montanhas Eifel, na Alemanha. “A coisa que mais me surpreendeu é quão sociais as árvores são. Eu tropecei em um velho toco um dia e vi que ainda estava vivo, embora tivesse 400 ou 500 anos, sem qualquer folha verde. Todo ser vivo precisa de nutrição. A única explicação é que ele foi mantido com uma solução de açúcar dada pelas árvores vizinhas, a partir de suas raízes. Como engenheiro florestal, eu aprendi que as árvores são concorrentes que lutam umas contra as outras, pela luz, pelo espaço, e ali eu vi que acontece o contrário. As árvores são muito interessadas em manter todos os membros de sua comunidade vivos”.

A chave para isso, ele acredita, é a chamada woodwide web (numa alusão à rede mundial de computadores, a worldwide web). Quando estão sob ataque, as árvores comunicam sua angústia para as outras a seu redor emitindo sinais elétricos a partir de suas raízes e de redes formadas por fungos (algo que se assemelha ao nosso sistema nervoso). Pelos mesmos meios, elas alimentam árvores atingidas, alimentam algumas mudas (seus “filhos mais amados”) e restringem outras para manter a comunidade forte.

“As árvores podem reconhecer com suas raízes quem são suas amigas, quem são seus familiares e onde estão seus filhos. Elas também podem reconhecer árvores que não são tão bem-vindas”, ele explica. Na análise de Wohlleben, é quase como se as árvores tivessem sentimentos e caráter. “Nós pensamos que as plantas são robóticas, seguindo um código genético. Plantas e árvores sempre têm uma escolha sobre o que fazer. As árvores são capazes de decidir, ter memórias e até mesmo personas diferentes. É possível que existam os mocinhos do bem e os do mau”, completa.

O livro The Hidden Life of Trees, What They Feel, How They Communicate, de Peter Wohlleben, foi publicado pela editora Greystone Books e está disponível em alemão e inglês.

*Por Eco Rede Social
…………………………………………………….
*Fonte: thegreenestpost

Estudante irlandês cria “imã” que atrai microplásticos

Na busca por limpar as praias que frequentava, Fionn criou um método inédito e recebeu um prêmio do Google

Depois do brasileiro Gabriel Fernandes Mello Pereira ser premiado no Stockholm Junior Water Prize 2021, outro jovem estudante recebeu um prêmio internacional por uma solução para combater a poluição por microplásticos. O irlandês Fionn Ferreira venceu a Feira Internacional de Ciências do Google criando uma espécie de “imã” que coleta microplásticos.

Fionn vive no sul da Irlanda e tem uma forte ligação com a natureza. Adora remar em seu caiaque e, nestes passeios, observa a grande quantidade de plástico, em diferentes tamanhos, presente na água e no solo. A quantidade crescente de poluição plásticas nas praias que ele frequentava desde criança despertou no jovem de 18 anos a vontade de resolver problema.

“Eu estava em nossa praia e vi uma rocha com resíduos de derramamento de óleo e partículas de plástico presas a esse óleo”, disse Fionn em uma apresentação de vídeo para a Fundação Sopa de Plástico.

“Eu me perguntei por que isso está acontecendo. Descobri que as partículas de plástico são o que chamamos de apolares, e o óleo também é apolar e, então, eles se atraem”, explica ele.

Depois, ele ouviu falar de algo chamado ferrofluido, que era uma espécie de água magnética combinando óleo vegetal com pó de óxido de ferro magnetizado.

Com esta informação, ele decidiu misturar óxido de ferro magnetizado e óleo vegetal e criou uma substância que atrai as partículas de plástico. Este “ímã líquido” coleta microplásticos que podem ser removidos da água por magnetismo. Na mesma apresentação em vídeo, ele mostra que o óleo atraiu os microplásticos, e a imersão de um ímã sugou tudo.

Fionn desenvolveu sua pesquisa em casa, criando seu próprio laboratório. Foto: Reprodução | YouTube
“Comecei como um inventor solitário”, disse Ferreira à BBC . “Depois da Feira de Ciências do Google, de repente pude falar com os cientistas – eles me deram crédito pelo que fiz. Minha ideia não era mais um brinquedo inventado por uma criança.”

De fato, depois de 5 mil testes, foi comprovado que o método criado por Fionn é capaz de limpar de 87% a 93% dos microplásticos da água.

Ele demonstrou seu método na Google Science Fair de 2019 e ganhou uma bolsa de US$ 50 mil que usou para estudar química na Universidade de Groningen, na Holanda.

Fionn agora está tentando encaixar seu método em um dispositivo que ser conectado a dutos de água domésticos, ou aos canos de uma estação de tratamento de esgoto, permitindo que o ferrofluido limpe continuamente a água que passa por ele. O dispositivo também pode ser instalado em uma máquina que seria montada em barcos.

“Sua invenção, baseada em componentes muito simples, é inovadora. Ele tem um potencial poderoso para fornecer soluções que contribuirão para o esforço mundial de remoção de microplásticos do meio ambiente”, comemora Larissa Kelly, ex-professora de ciências de Ferreira no Schull Community College.

No vídeo abaixo, em inglês, Fionn explica como desenvolveu sua ideia:

*Por Natasha Olsen
……………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

UE decide impor carregador único para dispositivos portáteis a partir de 2024

A norma será a entrada USB-C para todos os dispositivos; o objetivo é limitar os resíduos tóxicos gerados por milhares de cabos de vários formatos

Os países da União Europeia (UE) e os negociadores do Parlamento Europeu anunciaram nesta terça-feira, 7, um acordo para impor um carregador único e universal para smartphones, tablets e dispositivos portáteis no bloco até o outono boreal de 2024.

A norma será uma entrada USB-C para todos estes dispositivos com o objetivo de limitar os resíduos tóxicos de milhares e milhares de cabos de vários formatos, e defender o direito dos consumidores, obrigados a acumular vários carregadores.

O projeto enfrentou forte oposição da gigante de tecnologia Apple, que defende sua conexão e tecnologia de carregamento Lightning.

O comissário europeu da Indústria, Thierry Breton, saudou o acordo e mencionou no Twitter que “o interesse geral da União Europeia prevaleceu”.

O acordo significa “mais economia para os consumidores da UE e menos resíduos para o planeta”.

Em um comunicado à imprensa, o Parlamento Europeu observou que o projeto “faz parte de um esforço mais amplo da UE para tornar os produtos mais sustentáveis, reduzir o lixo eletrônico e facilitar a vida dos consumidores”.

Assim, “os consumidores não precisarão mais de um dispositivo e cabo de carregamento diferentes toda vez que comprarem um novo dispositivo e poderão usar um carregador para todos os seus dispositivos eletrônicos portáteis de pequeno e médio porte”, acrescentou a nota.

O Parlamento destacou ainda que a velocidade de carregamento será “harmonizada para dispositivos que suportam carregamento rápido, permitindo aos utilizadores carregarem os seus dispositivos à mesma velocidade com qualquer carregador compatível”.

O eurodeputado conservador búlgaro Andrey Kovatchev, um dos principais negociadores do acordo, destacou que “este novo regulamento facilitará a vida dos consumidores europeus e também será melhor para o meio ambiente”.

“Chegou a hora de acabar com as gavetas de cabos que todos temos e reduzir cerca de 11 mil toneladas de lixo eletrônico por ano”, disse.

De acordo com a UE, os consumidores europeus gastam um total de cerca de 2,4 bilhões de euros (cerca de 2,8 bilhões de dólares) anualmente em cabos e adaptadores para carregar seus dispositivos móveis.

Em 2009, a Comissão Europeia promoveu um acordo de adoção voluntária com a indústria para reduzir o enorme custo dos cabos, mas não conseguiu convencer a Apple a aderir. A empresa alega que a adoção de um único carregador é um freio à inovação.

…………………………………………………………………..
*Fonte: exame

Cientistas conseguem cultivar madeira em lab sem cortar uma única árvore

Em um mundo onde 15 bilhões de árvores são cortadas todos os anos, uma equipe de pesquisadores do MIT afirma que é possível cultivar madeira em laboratório a fim de substituir os produtos que impulsionam o desmatamento florestal.

Para realizar isso, eles desenvolveram uma técnica em que a madeira pode ser produzida em qualquer formato e tamanho dentro de um laboratório sem cortar uma única árvore. A nova descoberta promete ajudar a reduzir o desmatamento e permitir que as pessoas criem móveis de madeira sem afetar a natureza.

Como foi possível cultivar madeira em laboratório?
No estudo, os pesquisadores do MIT pegaram células das folhas de zínia comum e as mantiveram em um líquido por alguns dias. Após isso, eles trataram as células vegetais em um meio à base de gel repleta de nutrientes e hormônios.

As células eventualmente deram origem a novas células vegetais. Os pesquisadores também descobriram que poderiam alterar as características físicas e mecânicas das células recém-geradas, modificando os níveis hormonais no meio do gel. O material vegetal com altas concentrações de hormônio endureceu ao longo do teste.

Sobre o papel dos hormônios no crescimento das células vegetais, a pesquisadora Ashley Beckwith explicou que “no corpo humano, você tem hormônios que determinam como suas células se desenvolvem e como surgem certas características. Da mesma forma, alterando as concentrações hormonais no caldo nutriente, às células vegetais respondem de forma diferente. Apenas manipulando essas pequenas quantidades químicas, podemos provocar mudanças bastante dramáticas em termos de resultados físicos”.

Usando um processo de bioimpressão 3D, Beckwith e seus colegas também conseguiram imprimir em 3D estruturas personalizadas a partir das células cultivadas no gel. O material vegetal impresso em laboratório foi nutrido no escuro por três meses, e os resultados foram surpreendentes. Não só a madeira do laboratório sobreviveu, mas também cresceu o dobro da taxa de uma árvore normal.

A descoberta também é livre de resíduos
De acordo com uma estimativa, o atual método de fabricação de móveis resulta em um desperdício de quase 30% de toda a quantidade de madeira. Surpreendentemente, a técnica de bioimpressão 3D para cultivar madeira em laboratório não produz resíduos e pode ser usada para produzir material vegetal de qualquer forma ou tamanho.

“A ideia é que você possa cultivar esses materiais vegetais exatamente na forma que você precisa, então você não precisa fazer nenhuma fabricação subtrativa após o fato, o que reduz a quantidade de energia e desperdício”, disse Beckwith.

Por enquanto, os cientistas demonstraram que é possível cultivar madeira em laboratórioe que suas propriedades mecânicas podem ser manipuladas. No entanto, a pesquisa ainda está em seus estágios iniciais, o que indica que mais pesquisas e testes serão necessários antes que a técnica possa ser desenvolvida e usada para produzir móveis 3D em um ambiente comercial.

*Por Leticia Silva Jordao
…………………………………………………………..
*Fonte: socientifica

Salamandras da Califórnia aprenderam a “cair de paraquedas”

Animais que vivem em copas de sequoias, conhecidas por serem as árvores mais altas do mundo, foram observadas por pesquisadores planando no ar; veja vídeo

Salamandras moradoras das copas das árvores mais altas do mundo — as sequoias da costa da Califórnia — desenvolveram habilidades impressionantes de “paraquedismo”. O dom inusitado das criaturas foi flagrado por pesquisadores em vídeo e relatado na revista Current Biology em 23 de maio.

De acordo com as gravações feitas pelos especialistas, os animais adquiriram um comportamento adaptado para planar e manobrar no ar. A habilidade, segundo a equipe, é um modo de se mover pelas árvores, evitando predadores terrestres. A capacidade permite até que as salamandras fiquem de cabeça para baixo — e sem perder a postura.

“Elas são capazes de manter aquela postura de paraquedismo e meio que bombear sua cauda para cima e para baixo para fazer manobras horizontais” descreve Christian Brown, primeiro autor do estudo sobre os anfíbios, em comunicado. “O nível de controle é simplesmente impressionante.”

Algumas salamandras Aneides vagrans, coletadas por biólogos em sequoias, passaram por uma simulação de queda livre dentro de um túnel de vento na Universidade da Califórnia, Berkeley, nos Estados Unidos. As habilidades de “paraquedismo” delas foram comparadas com as de três outras espécies nativas do Norte da Califórnia.

A A. vagrans, que provavelmente passa toda a vida em uma única árvore, se mostrou como a paraquedista mais habilidosa. A A. lugubris, que vive em árvores mais baixas, como carvalhos, foi quase tão eficaz em “paraquedismo” e planagem quanto a espécie anterior. Veja no vídeo as salamandras realizando os saltos:

Por outro lado, salamandras menos arborícolas, como a moradora do chão da floresta, Ensatina eschscholtzii, e a criatura da espécie A. flavipunctatus, que ocasionalmente sobe em árvores, foram ineficazes ao se debaterem no túnel de vento, conseguindo ficar nele somente por poucos segundos.

Todas as salamandras foram filmadas com uma a câmera de vídeo a 400 quadros por segundo. As que realizaram paraquedismo reduziram sua velocidade de queda livre em cerca de 10%. Os anfíbios normalmente caíam em um ângulo acentuado, apenas 5 graus da vertical, o que era suficiente para poderem alcançar um galho ou tronco antes de atingirem o solo.

O comportamento impressionou Robert Dudley, especialista em voo animal, que participou do estudo. Segundo ele, o fenômeno é algo enraizado na resposta motora das salamandras e deve ocorrer em frequências razoavelmente altas para afetar a seleção de tal habilidade. “E não é apenas um paraquedismo passivo, elas não estão apenas saltando de paraquedas. Também estão claramente fazendo o movimento lateral, que é o que chamaríamos de planar”, destaca.

Os pesquisadores ainda querem descobrir em pesquisas futuras se existem muitos outros animais com dons semelhantes e saber como é possível que as salamandras consigam saltar mesmo sem terem adaptações anatômicas óbvias para planar.

A divulgação das habilidades extraordinárias das criaturas pode também contribuir para salvar as sequoias, visto que as árvores estão ameaçadas pela extração de madeira. “Talvez isso ajude não apenas os esforços de conservação de sequoias, mas também a restauração das sequoias, para que possamos realmente ter ecossistemas de copa de árvores”, afirma Brown.

………………………………………………………..
*Fonte: revistagalileu

Físicos preveem que a Terra pode se tornar um mundo caótico em breve

A espécie humana está tornando a Terra não apenas mais quente, mas caótica, sugere um novo estudo.

Uma nova pesquisa, publicada no dia 21 de abril na base de dados arXiv, traz um panorama geral sobre o potencial total do impacto da atividade humana no clima – um panorama desagradável e preocupante.

Ainda que o estudo não demonstre uma simulação completa de um modelo climático, ele apresenta um panorama geral de para onde estaremos indo se não alterarmos nosso curso atual nesse impacto das mudanças climáticas e no uso de combustíveis fósseis, segundo os autores do estudo, cientistas do Departamento de Física e Astronomia da Universidade de Porto, em Portugal.

“As implicações das mudanças climáticas são bem conhecidas (secas, ondas de calor, fenômenos extremos, etc.)”, disse o pesquisador Orfeu Bertolami. “Se o Sistema Terrestre adentrar na região de comportamento caótico, poderemos toda a esperança de resolver o problema de alguma maneira”.

As mudanças no clima da Terra
A Terra passa periodicamente por grandes mudanças nos seus padrões climáticos, indo de um ponto de equilíbrio a outro. Essas mudanças normalmente ocorrem devido a fatores externos, como mudanças na orbita terrestre, ou um aumento massivo de atividade vulcânica.

Contudo, pesquisas prévias sugerem que estamos agora entrando numa nova fase, dirigida pela atividade humana. A medida que os humanos lançam mais carbono na atmosfera, criamos uma nova era, o Antropoceno, um período em que os sistemas climáticos são influenciados pelo homem, algo que o planeta nunca viveu antes.

No novo estudo, os pesquisadores modelaram a introdução do Antropoceno como uma nova fase de transição. Assim como as fases de transição num material, que passam de um estado a outro, como líquido para gasoso, outros sistemas podem passar por fases de transição – nesse caso, o sistema do clima terrestre.

Um determinado ponto de equilíbrio no clima terrestre gera estações e climas previsíveis pelo planeta, enquanto que uma fase de transição leva a um novo padrão nessas estações e climas. Quando o clima terrestre passa por uma fase de transição, significa que a Terra está passando por uma mudança repentina e rápida em seus padrões climáticos.

A logística da ordem e do caos no clima terrestre
Se a atividade humana está originando uma fase de transição no clima terrestre, isso significa que estamos fazendo o planeta desenvolver um novo conjunto de padrões climáticos. E definir que padrões são esses é um dos maiores problemas na ciência climática.

Para onde se encaminha o clima da Terra? Isso depende significativamente da nossa atividade nas próximas décadas. Os cientistas usaram uma ferramenta matemática chamada de mapa logístico para analisar a questão, onde usam variáveis que podem crescer até certo limite, medindo seus efeitos.

Nossa influência no meio-ambiente está crescendo, algo que ocorre há mais de um século. Mas isso terá um limite, segundo os pesquisadores, como no aumento da população humana, ou no nível máximo de atividades emissoras de carbono. Num certo ponto, a emissão de carbono no futuro vai chegar a um limite, e os pesquisadores encontraram um mapa logístico que pode capturar a trajetória futura dessa emissão.

Eles exploraram diferentes formas de evolução nesse mapa logístico, analisando variáveis como a população humana, a introdução de estratégias redutoras de carbono e tecnologias melhores e mais eficientes.

Quando descobriram como a emissão de carbono pelo homem poderia evoluir com o tempo, eles usaram a informação para examinar como o clima terrestre evoluiria através dessa fase de transição causada por nossa espécie.

No melhor dos casos, quando a humanidade atingisse esse limite na emissão de carbono, o clima se estabilizaria numa nova temperatura, que seria mais alta, mas ainda assim estável. Essa temperatura alta, de maneira geral, é ruim para a espécie humana, porque aumenta o nível do mar, assim como eventos climáticos extremos.

Seca devido às mudanças climáticas.
Todavia, pelo menos é estável: o Antropoceno se pareceria com outras épocas climáticas que vieram antes, sendo apenas mais quente, e teria padrões climáticos regulares e previsíveis.

No pior dos casos, os pesquisadores descobriram que o clima da Terra chega a um estado caótico – um caos inclusive matemático. Nesse sistema caótico, não há equilíbrio, nem padrões previsíveis.

Um clima caótico teria estações que mudariam rapidamente a cada década (ou a cada ano). Tornar-se-ia impossível determinar para onde o clima do planeta estaria indo.

“Um comportamento caótico significa que vai ser impossível prever o comportamento do Sistema Terrestre no futuro, mesmo que tenhamos certeza absoluta do seu estado atual”, disse Bertolami. “Vai significar que qualquer capacidade de controlar e dirigir o Sistema Terrestre a um estado de equilíbrio que favoreça a habitabilidade da biosfera será perdida”.

O que preocupa ainda mais é que os pesquisadores descobriram que, ao ultrapassar um certo ponto crítico na temperatura da Terra, um ciclo de feedback pode ter início, tornando o resultado caótico algo inevitável.

Há sinais de que talvez já tenhamos passado desse ponto, mas ainda não é tarde demais para evitar o desastre total.

*Por Dominic Albuquerque
……………………………………………..
*Fonte: socientifica

4 Mentiras sobre a Reciclagem do Plástico que você sempre ouviu

De acordo com Plastic Pollution Facts, estima-se que o mundo produza mais de 380 milhões de toneladas de plástico todos os anos, dos quais 50% dele é para uso único, ou seja, utilizado por apenas alguns momentos antes de ser descartado.

Desse número, pelo menos 14 milhões de toneladas de plástico acabam no oceano todos os anos, sendo que o material leva cerca de 150 anos para se decompor na natureza, causando enchentes, matando animais e destruindo ecossistemas naturais.

Visando reduzir os impactos no meio ambiente, desde a década de 1970 campanhas de reciclagem de plástico foram disseminadas por empresas e ambientalistas pelo mundo todo, estabelecendo programas como o de coleta seletiva para conscientização em massa.

No entanto, existe muita coisa que você, provavelmente, sempre acreditou sobre esse processo de reciclagem, que gera uma folha de pagamento anual de quase US$ 37 bilhões, faturando mais de US$ 236 bilhões anuais. Essas são quatro mentiras disseminadas pela indústria de reciclagem do plástico:

1. Todos os plásticos são recicláveis

Você sabe que o símbolo com as três setas em forma de triângulo significa que o plástico é reciclável, e provavelmente já o confundiu com esse da imagem acima. Isso é comum por ser quase igual ao de reciclagem, exceto pelo meio do triângulo que contém um número entre 1 e 7, o Código de Identificação de Resina (RIC), indicando o tipo de plástico que estamos lidando — e que não tem em nada a ver com reciclagem.

Essa confusão foi criada de propósito em 1988 pela Society of Plastics Insititute (SPI) como uma fachada para a indústria de petróleo e plástico evitarem que seus negócios fossem afetados por movimentos anti-plástico e pró-reciclagem.

2. Todos os países reciclam seu plástico

Segundo a Environmental Protection Agency, 69% dos plásticos usados nos Estados Unidos acabam em aterros sanitários porque se enquadram no tipo 3 a 7 de matéria, sendo que dos 31% restantes, as empresas só conseguem reciclar 8,4%. Em fevereiro de 2020, um relatório divulgado pelo Greenpeace descobriu que apenas garrafas plásticas são recicladas regularmente nas 367 instalações de recuperação de materiais espalhadas pelos EUA.

Ou seja, os demais tipos de plásticos, como tubos de detergentes e embalagens de produtos de limpeza, eram exportados para a China, que em 2018 baniu sua entrada devido às altas taxas de contaminantes presentes no lixo americano. No entanto, pelo tempo em que o plástico entrou no país por centenas de contêineres, os chineses recicladores simplesmente os despejaram em aterros sanitários, no oceano ou incineraram.

Após a proibição, os EUA, Canadá, Austrália e Coreia do Sul recorreram à Malásia, Tailândia, Vietnã, Indonésia e Filipinas para depositarem seu lixo plástico, aumentando em 362% os níveis de importações dos resíduos. As usinas desses países não conseguem lidar com a quantidade do lixo, recorrendo ao mesmo destino que a China.

3. Reciclar é a melhor opção

Para os especialistas, o problema na reciclagem está nas falhas de iniciativas, visto que, infelizmente, são unilaterais. Para Emmanuel Katrakis, secretário-geral da Confederação das Indústrias de Reciclagem Europeia (EuRIC), o processo tem grandes benefícios econômicos porque, quando reciclamos, é altamente intensivo em empregos.

No entanto, toda a ênfase no setor é equivocada, porque em vez de facilitar a reutilização e a reciclagem de algumas coisas, as pessoas devem pensar se precisam de fato consumir aquilo, saindo de um comportamento cíclico de encorajamento à minimização do nosso impacto negativo no meio ambiente, como os programas de reciclagem fazem.

Além disso, o meio ambiente é imediatamente afetado por essa indústria de conscientização, porque os caminhões e navios usam combustível para transportar plástico para os países asiáticos que sofrem para reciclar o próprio material, sendo que 20% a 70% dos plásticos que despejam contêm contaminantes, impedindo todo o processo de reciclagem. No final das contas, esses lotes são carregados para aterros sanitários, despejados no oceano ou queimados, gerando mais poluição no processo.

E você se engana também se pensar que a situação melhora um pouco com os plásticos que conseguem ser reciclados, porque são usados muito combustível e produtos químicos durante o processo de reciclagem, liberando poluentes que contaminam a água e o ar.

4. É possível reciclar infinitamente

Muito diferente do que a indústria de reciclagem faz a população acreditar, o plástico não pode ser reciclado infinitamente, porque o processo enfraquece sua composição química. Por isso a maioria dos plásticos é transformada em um produto de qualidade inferior e menos útil para as pessoas, ganhando mais espaço em prateleiras e recebendo o mesmo destino, no final das contas.

As garrafas de refrigerante são um bom exemplo para isso. Ao serem recicladas, podem se tornar até canos de esgoto porque não são fortes o suficiente para comporem outra garrafa. Os plásticos dos tipos 3, 4 e 6 podem ser reciclados apenas uma vez, mas, geralmente, são jogados em aterros sanitários. Enquanto os do tipo 5, que pode ser reciclado até 4 vezes, tem apenas 1% reciclado.

*Por Julio Cezar de Araujo
………………………………………………….
*Fonte: megacurioso 

Como os animais conseguem sobreviver ao frio?

O clima do inverno pode ser bastante imprevisível e trazer sérias ameaças a vários tipos de vida. Por esse motivo, nós costumamos passar boa parte da temporada de temperaturas baixas dentro de casa ou de baixo de muita roupa e cobertores. Na natureza, entretanto, essa não é exatamente uma opção.

Se aguentar temperaturas geladas pode ser um verdadeiro pesadelo para os seres humanos, os animais selvagens desenvolveram-se para conseguir suportar as temperaturas congelantes do inverno com seus próprios corpos. São três estratégias principais: migrar, resistir ao frio por conta própria ou reduzir a taxa metabólica para entrar em um estado de torpor. Vamos entender mais sobre elas!

Migração
Em geral, uma mesma espécie pode desenvolver estratégias mútuas de sobrevivência ao frio. Um grande exemplo disso são os mamíferos e os pássaros, que possuem sangue quente como estratégia de resistência ao frio, mas podem combinar isso com outros tipos de ação.

Algumas dessas criaturas tendem a misturar a migração com o torpor. Morcegos e aves de alta latitude, por exemplo, locomovem-se de uma região para outra durante períodos do ano para escapar do frio e encontrar alimento. Depois dessa fase, podem entrar em hibernação ou em estado de dormência para conversar energia.

As andorinhas, os beija-flores e as toutinegras são clássicas amostras de como esse processo funciona. Ao fim do inverno, essas espécies voltam ao seu habitat natural e recomeçam suas vidas.

Hibernação
A hibernação é uma estratégia bem comum na natureza para criaturas que desejam aumentar as taxas de sobrevivência no frio congelante e garantir o futuro de sua espécie. Nessa estratégia, o corpo desses animais se desenvolveu para reduzir todas as taxas metabólicas e entrar em um estado completo de conservação de energia.

Isso não necessariamente significa que a criatura estará em um sono profundo como a Bela Adormecida, mas sim que ela está se mantendo segura sem gastar recursos desnecessários em um período de escassez. Exemplos disso são os esquilos orientais, que alteram entre um estado de torpor e de atenção total dependendo do estoque de alimento.

Caso tenham conseguido uma boa reserva de comida no frio em seus esconderijos, esses pequenos roedores se manterão acordados por mais tempo. Porém, logo mudarão a chave de seus organismos quando sentirem que a situação está ficando crítica.

Resistência natural
É difícil encontrar um padrão na natureza quando o assunto é resistência ao frio. Porém, podemos dizer que certas espécies simplesmente foram feitas para suportar baixas temperaturas muito melhor do que outras. Nesses casos, a única proteção contra o clima gelado é peitar o frio de frente.

O pinguim-imperador talvez seja o maior exemplo de todos e a única criatura no mundo capaz de se reproduzir em temperaturas beirando os -40 °C. Com meros 1,20 metro de altura e singelos 35 kg, essas pequenas aves da Antártica possui a maior densidade de penas em toda a natureza.

Isso faz com que consigam reter 90% do calor corporal para se manter quente o tempo todo. Eles levantam suas penas quanto estão em terra firme, retendo ar nesse espaço e usando-o como isolante térmico. Além disso, o comportamento de colônia ajuda bastante no clima gelado. Grupos de pinguins podem se ajudar bastante na hora de se esquentar e sobreviver ao inverno extremo.

*Por Pedro Freitas
…………………………………………………………..
*Fonte: megacurioso

Os 10 animais mais perigosos do mundo

Os animais estão por toda parte, e há milhões de diferentes espécies em todo o planeta. Devido á proximidade de alguns, às vezes nos esquecemos de como certas espécies e grupos podem ser perigosos.
Nesse artigo, listamos os animais mais perigosos do mundo, de acordo com o número de mortes anuais pelas quais são responsáveis, assim como os percentuais de agressividade e ataques fatais, bem como fatores similares.

10. Tubarões
Os tubarões possuem uma grande fama como animais perigosos, mas ficam na última colocação na lista dos animais mais perigosos do mundo. Anualmente, os tubarões são responsáveis por apenas seis ou sete mortes, um número menor do que se poderia esperar devido a sua reputação.

Nos Estados Unidos, os tubarões causam uma morte a cada dois anos. As espécies responsáveis pelos percentuais mais altos de ataques fatais são o tubarão branco , o tubarão-touro e o tubarão-tigre.

9. Elefantes
Imaginamos os elefantes como criaturas amigáveis e inteligentes, e eles de fato possuem uma inteligência e estrutura social complexas. Contudo, eles são os maiores animais terrestres hoje em dia, e há um potencial de risco que se associa a esse fator.

Elefantes em cativeiro são capazes de retaliar contra humanos, e os que se encontram na natureza podem ser territoriais e muito protetores em relação a seus grupos. Cerca de 500 pessoas por ano são mortas em encontros com elefantes.

8. Hipopótamos
Os hipopótamos ficam em terceiro lugar em termos de tamanho dentre os animais terrestres, ficando atrás dos rinocerontes e elefantes, e são responsáveis por cerca de 500 encontros fatais com humanos a cada ano. Contudo, eles ocupam uma posição mais alta que os elefantes devido à sua reputação como criaturas agressivas e violentas, e por serem extremamente territoriais.

7. Mosca tsé-tsé
A mosca tsé-tsé é apenas um dos vários insetos presentes na lista. Mas não é a picada em si da mosca que mata humanos, e sim a infecção que se origina dela. A mosca tsé-tsé habita nas regiões tropicais da África, e sua picada infecta o hospedeiro com um parasita que causa a doença do sono.

Devido à falta de recursos na área, é difícil tratar a doença, e ela pode ser fatal. As estimativas de mortalidade variam entre 500.00 a 10.000 ao ano.

6. Insetos assassinos (barbeiros)
Os insetos assassinos são um coletivo de 150 espécies de insetos que possuem um tipo específico de probóscide. Eles usam o probóscide como uma ferramenta de defesa ou caça, e a propensão desses animais de atingirem as regiões macias em torno da boca humana é o que lhes deu a fama, em alguns países, de “insetos beijadores”.

Além de uma mordida muito dolorosa, eles podem transmitir a doença de Chagas, uma infecção com 5% de fatalidade que causa entre 12.000 a 15.000 mortes por ano.

5. Crocodilos
Além de ser um predador alfa, o crocodilo é responsável por entre 1.000 a 5.000 mortes anualmente, e é um dos animais mais perigosos do mundo. Eles podem pesar até 90kg, possuindo uma mordida forte e fatal. O crocodilo é o único animal da lista que caça ativamente humanos, e o que habita pelo Nilo é a espécie mais perigosa do animal.

4. Caramujos de água doce
Os caramujos de água doce não são perigosos por si, mas pela doença que transmitem. Segundo a Organização Mundial de Saúde, milhões de pessoas são diagnosticadas com uma doença parasitária chamada esquistossomose todo ano, e entre 20.000 a 200.000 dos casos são fatais.

A esquistossomose causa dor abdominal e sangue na urina, e costuma ser fatal em países subdesenvolvidos.

3. Cães/lobos
O melhor amigo do homem também é uma das maiores ameaças a ele. Contudo, mortes fatais causadas por cães e lobos são raras quando comparadas ao número de mortes oriundas de infecções de raiva transmitidas pelos cães.

A maioria das mortes, contudo, ocorre em países com poucos recursos, onde não há as maneiras apropriadas de se lidar com a infecção.

2. Cobras
As cobras são responsáveis por mais de 100.000 mortes todo ano, segundo estimativas. A escassez em escala mundial de soro antiofídico, assim como as localidades remotas onde habitam algumas das espécies venenosas, contribuem para esse número alto.

Ainda que as pessoas tenham mais medo das cobras grandes, como a anaconda, as cobras responsáveis pelo maior número de mortes são as víboras do gênero echis, presentes na África, Oriente Médio e Índia.

A víbora pode soltar uma neurotoxina que causa um grande número de amputações nas vítimas que ela não mata instantaneamente.

1. Mosquitos
O mosquito é o animal mais perigoso do mundo, e um dos menores. Os mosquitos são responsáveis por entre 750.000 e 1 milhão de mortes ao ano, e são vetores de muitas doenças, como a malária, a dengue e o vírus zika.

A malária por si conta por quase metade as infecções fatais ao ano. Alguns cientistas estimam que metade das mortes humanas desde o surgimento da nossa espécie são causadas por doenças transmitidas pelos mosquitos.

Com o avanço da ciência e a melhoria econômica e de recursos nos países, é possível que o número de mortes causadas por alguns animais dessa lista diminua com o tempo.

*Por Dominic Albuquerque
………………………………………………………….
*Fonte: socientifica

Crise climática pode causar pior extinção em massa nos oceanos desde o fim dos dinossauros

A vida nos oceanos enfrenta o maior risco desde que um asteroide atingiu a Terra há cerca de 66 milhões de anos e provocou a extinção dos dinossauros, segundo estudo publicado na última quinta-feira (28) pela revista Science.

O artigo, feito pelos pesquisadores Justin L. Penn e Curtis Deutsch, ambos das universidades Princeton e Washington (EUA), afirmam que, se os níveis atuais de emissões de carbono não forem controlados, as zonas tropicais sofrerão perda de biodiversidade e as polares passarão por uma extinção em massa. Isso se dará à medida que a vida nos oceanos fica sem oxigênio e nutrientes, sendo restrita a uma água muito quente.

“À medida que as emissões de gases-estufa continuam a aquecer os oceanos do mundo, a biodiversidade marinha pode despencar nos próximos séculos para níveis não vistos desde a extinção dos dinossauros”, afirma a dupla de cientistas, em comunicado à imprensa.

Para sedimentar a análise, os pesquisadores estudaram períodos de grandes extinções da história terrestre como a “Great Dying” (a grande morte, em português), ocorrida há 252 milhões de anos. Neste evento, também conhecido como a extinção do Permiano-Triássico, 95% das espécies marinhas e 70% das espécies terrestres desapareceram.

Se as emissões não cessarem, é possível, na análise dos cientistas, que a Terra alcance níveis parecidos até 2300. Isso porque, à medida que as temperaturas aumentam, a riqueza das espécies irá diminuir próxima dos trópicos, com alguns animais migrando para latitudes mais altas. As espécies polares são as que mais estão em risco diante de um “nicho climático em extinção”, explica a pesquisa.

Ainda há, porém, tempo para mudanças
Por outro lado, há notícias levemente boas: segundo os pesquisadores, ainda há tempo para evitar os piores cenários de extinção.

“O lado bom é que o futuro não está escrito em pedra”, diz Penn. “Ainda há tempo suficiente para mudar a trajetória das emissões de CO2 e evitar a magnitude do aquecimento [dos oceanos] que causaria essa extinção em massa.”

Trabalhos anteriores da equipe por trás da pesquisa revelaram que o aquecimento global descontrolado e a perda de oxigênio nos oceanos teriam sido a causa da extinção do Permiano-Triássico. Os resultados do modelo foram combinados com padrões obtidos por paleontólogos nos registros fósseis do período, dando-lhe credibilidade.

Anteriormente, cientistas sabiam, a partir de dentes fossilizados de antigos animais, que as temperaturas da superfície na Grande Morte subiram cerca de 10 ºC nos trópicos, levando muitos animais marinhos à extinção. Eles acreditam que erupções vulcânicas desencadearam as mudanças climáticas nesta época.

*Por Lucas Berredo
…………………………………………………………
*Fonte: olhardigital

Do deserto à floresta: entenda como o Saara beneficia a Amazônia

O deserto do Saara, na África, está há milhares de quilômetros de distância da América do Sul e, mesmo assim, os dois continentes continuam completamente conectados. Na realidade, a floresta amazônica só sobrevive por conta do deserto e, há alguns anos, cientistas conseguiram entender a importância dessa união.

Os cientistas sabiam que os ventos levavam poeira do Saara para diversas regiões do mundo, mas foi graças a um estudo publicado em 2015 que foi possível entender a importância dessa viagem transatlântica. Pesquisadores descobriram que a poeira possui quantidades significativas de fósforo, um nutriente extramente relevante para a sobrevivência da floresta da Amazônia.

Poeira que alimenta a Amazônia

Em um estudo publicado na revista científica Geophysical Research Letters, cientistas usaram o satélite CALIPSO (Cloud-Aerosol Lidar and Infrared Pathfinder Satellite Observation) para quantificar em três dimensões a quantidade de poeira que faz a viagem intercontinental. Os dados foram obtidos entre 2007 e 2013.

O satélite usa a tecnologia LIDAR para descobrir a quantidade de material e distinguir a poeira de outras partículas. Assim, eles descobriram que o fósforo também faz a viagem intercontinental junto com a poeira e, assim, ajuda a nutrir a Amazônia.

De acordo com o principal cientista do estudo, professor da Universidade de Maryland e colaborador da NASA, Hongbin Yu, parte da poeira foi coletada na depressão africana de Bodelé, no Chade, um lugar repleto de minerais rochosos compostos de microorganismos mortos carregados com fósforo — também coletaram o material em Miami e Barbados. Assim, eles conseguiram entender a estimativa da quantidade de fósforo presente na poeira.

“Primeiro temos que tentar responder a duas perguntas básicas. Quanta poeira é transportada? E qual é a relação entre a quantidade de poeira transportada e os indicadores climáticos?”, disse Yu.

É estimado que a bacia amazônica receba 27,7 mil toneladas de poeira do Saara por ano e cerca de 22 mil toneladas de fósforo caem nos solos amazônicos. Os dados também mostram que, anualmente, os ventos e o clima carregam em média 182 milhões de toneladas de poeira para diferentes regiões — equivalente a cerca de 689 mil caminhões cheios.

Alimento para o planeta
O cientista Chip Trepte, do projeto CALIPSO, disse que a observação da poeira levada pelo vento é importante para entender se existem padrões nessa movimentação. Assim, os pesquisadores podem tentar compreender se esses padrões serão usados em cenários climáticos futuros.

No estudo, os cientistas conseguiram detectar a poeira sendo transportada do Saara, através do Oceano Atlântico, até a América do Sul. Outra quantidade de poeira também acabou sendo levada até o Mar do Caribe.

“As correntes de vento são diferentes em diferentes altitudes. Este é um passo à frente para fornecer a compreensão de como é o transporte de poeira do Saara em três dimensões e, em seguida, comparar com esses modelos que estão sendo usados para estudos climáticos”, disse Trepte.

Os solos amazônicos são escassos em nutrientes e a maioria deles são encontrados em processos de decomposição de matéria orgânica da própria floresta. Contudo, é muito comum que as chuvas “lavem” os solos e levem embora nutrientes como o fósforo.

Então, as 22 mil toneladas de fósforo que atingem a Amazônia todos os anos são muito importantes para alimentar a floresta. Inclusive, a quantidade é aproximadamente a mesma de fósforo perdido durante as chuvas e inundações na área.

“Sabemos que a poeira é muito importante em muitos aspectos. É um componente essencial do sistema terrestre. A poeira afetará o clima e, ao mesmo tempo, as mudanças climáticas afetarão a poeira. Se você não tiver esse transporte de poeira africana para a Amazônia, em 10 anos, ou em 100 anos, a Amazônia terá perdido muito fósforo”, afirma Yu.

*Por Lucas Vinícius Santos
………………………………………………
*Fonte: tecmundo

Twitter banirá propagandas negacionistas sobre o clima

Nesta sexta-feira (22) é comemorado o Dia da Terra, com o objetivo de conscientizar a população sobre o efeito das ações danosas contra o nosso planeta. Por conta disso, o Twitter se mobilizou para banir propagandas que incitem o negacionismo a respeito das mudanças climáticas.

Em uma página do blog da rede social, Séan Boyle e Casey Junod, diretor e gerente de sustentabilidade do plataforma, comentam que o “negacionismo climático não deve ser monetizado no Twitter, e que anúncios de má fé não devem prejudicar conversas importantes sobre a crise climática”.

Os banimentos ocorrerão após uma análise das propagandas veiculadas, desde que as mesmas violem as regras de fontes autorizadas, como o Greenpece, Voice for the Planet e o IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças das Nações Unidas). Fora isso, a companhia salientou que continuará informando como esse processo funcionará de maneira mais detalhada nos próximos meses.

O Twitter ressaltou que desde 2019 vem trabalhando para que 100% dos seus data centers usem apenas fontes de energia livre de carbono, além de ter se comprometido a investir em energia renovável em suas operações.

Situação do planeja pode ficar “irreversível”

Mudanças climáticas

Nos últimos meses a comunidade científica vem alertando sobre os riscos iminentes de um colapso no clima global, e que caso nada seja feito, as consequências serão irreversíveis. O sexto relatório do IPCC mostra que enchentes e ondas de calor de grandes proporções serão cada vez mais comuns nos próximos anos.

A esperança, de acordo com centenas de cientistas, é manter o aumento temperatura média do planeta abaixo de 1,5ºC, assim como o estipulado pelo Acordo de Paris em 2015.

*Por Felipe Vidal
………………………………………………………
*Fonte: tecmundo

Microplásticos foram detectados no sangue humano

Num artigo publicado na Environment International, pesquisadores descrevem que encontraram a impressionante quantidade de 17 pessoas dentre 22 com microplásticos no sangue. Isso totaliza quase 80% dos participantes.

Partículas de plástico são poluidores encontrados em quase toda a parte do planeta. Cientistas já encontraram microplástico quase no topo do Monte Everest e na Fossa das Marianas — o ponto mais alto e o ponto mais baixo do mundo.

Pelo que o novo estudo aponta, não são apenas animais marinhos a sofrerem com plástico ingerido: nós também nos tornamos vítimas.

A descoberta mostra que as partículas podem viajar pelo corpo humano e se abrigar em órgãos. Até então, não se sabe quais os impactos disso na saúde, mas os pesquisadores se preocupam, pois se sabe que o microplástico causa danos em células humanas testadas em laboratório.

Além disso, partículas poluidoras no ar já são conhecidas por adentrar no corpo humano e causar milhões de mortes precoces todo ano.

Como foi o estudo dos microplásticos detectados em sangue humano
Os cientistas analisaram amostras de sangue de 22 doadores anônimos, todos adultos saudáveis, e encontraram partículas de plástico em 17.

A metade das mostras continha plástico PET, que é comumente usada em garrafas de bebidas. Um terço continha poliestireno, usado para embalar comida e outros produtos.

Um quarto ainda continha polietileno, que é usado para fazer sacolas.

“Nosso estudo é o primeiro indício de que temos partículas de polímero em nosso sangue – é um resultado dramático”, disse o professor Dick Vethaak, um ecotoxicologista da Vrije Universiteit Amsterdam, na Holanda.

“Mas nós precisamos expandir a pesquisa e aumentar o tamanho das amostras, o número de polímeros avaliados, etc”. Novos estudos feitos por diversos grupos já estão em ação, ele disse.

Sobre os microplásticos detectados em sangue humano, “certamente é razoável se preocupar”, Vethaak contou. “As partículas estão lá e são transportadas pelo corpo”.

Ele acrescentou que pesquisas prévias demonstraram que microplásticos estão dez vezes mais presentes nas fezes de bebês quando comparado a adultos, e que bebês alimentados com garrafas de plástico estão ingerindo milhões de partículas de microplástico por dia.

Vethaak reconhece que a quantidade e tipo de plástico variou consideravelmente entre as amostras de sangue. “Mas esse é um estudo pioneiro”, ele disse, e agora precisa-se de mais trabalho sobre o tema.

Ele disse ainda que as diferenças podem refletir uma exposição a curto prazo antes das amostras terem sido tomadas, como alguém ter bebido de um copo plástico de café, ou ter usado uma máscara facial de plástico.

“A questão principal é ‘o que está acontecendo no nosso corpo’”, apontou o pesquisador. “As partículas são retidas no corpo? Elas são transportadas para certos órgãos, passando pela barreira hematoencefálica? E esses níveis são altos o suficiente para originar doenças? Precisamos urgentemente de investir em mais pesquisas para descobrirmos isso”.

Um estudo recente descobriu que microplásticos podem agarrar-se ao exterior das membranas de glóbulos vermelhos e limitar sua capacidade de transportar oxigênio. As partículas também foram encontradas em placentas de mulheres grávidas.

Por fim, um novo artigo de revisão com coautoria de Vethaak, avaliou o risco de câncer e concluiu:

“Mais pesquisas detalhadas sobre como micro e nanoplástico afetam as estruturas e processos do corpo humano, e se e como eles podem transformar células e induzir carcinogênese, é urgentemente necessário, particularmente devido ao crescimento exponencial na produção de plástico. O problema está se tornando mais urgente a cada dia”.

*Por Dominic Albuquerque
…………………………………………………………………
*Fonte: socientifica

Proteção de 30% do alto-mar fracassa na ONU

Os países membros da ONU não chegaram a um acordo sobre um tratado para proteger o alto-mar da exploração, com cientistas, ambientalistas e organizações de conservação culpando países que estavam “arrastando os pés” pelo “ritmo glacial” das negociações. Venceu a pesca industrial inescrupulosa, e muitas vezes ilegal que domina este espaço considerado, no direito internacional, ‘res communis usus’, ou ‘área de uso comum a todos’. É a parte dos oceanos que pode ser livremente utilizada. Trata-se de cerca de 60% dos 364 milhões de Km2 de oceanos globais. Proteção de 30% do alto-mar fracassa na ONU.

Alto-mar continuará a ser saqueado
Por definição o alto-mar é um conceito definido como sendo todas as partes não incluídas no mar territorial e na zona econômica exclusiva de um estado costeiro, nem nas águas arquipelágicas de um estado insular. Mas o alto-mar continuará a ser saqueado apesar do assunto ser preocupação mundial.

O tema já foi discutido no Fórum Econômico Mundial, em 2015. Uma das conclusões foi esta:

A pesca no alto mar também é injusta – as grandes empresas de pesca multinacionais podem efetivamente pescar fora das águas nacionais das nações mais pobres, deixando-as com menos peixes para pegar. Pesquisas publicadas recentemente na Nature Scientific Reports mostram que o fechamento do alto-mar para a pesca ajudaria a proteger as unidades populacionais de peixes e tornar a pesca mais justa.

Alto-mar é uma ‘dor de cabeça’
O alto-mar é uma dor de cabeça para as pessoas que gerenciam a pesca. A biomassa ali existente é de recursos comuns, acessíveis por qualquer pessoa e não sujeitos aos mesmos controles que se aplicam à pesca nas águas nacionais. Historicamente, isso levou à sobre-exploração.

2018, ONU aprova resolução 72/249
Por estas razões, em 2018 a ONU aprovou a resolução 72/249 que permitiu iniciar negociações sobre a adoção de acordos para assegurar a conservação e uso sustentável da biodiversidade marinha em águas internacionais. Em outras palavras, a esperada criação de áreas marinhas protegidas em alto-mar.

Aumento das frotas pesqueiras de alto-mar de 1950 para 2020
O aumento insustentável das frotas pesqueiras de alto-mar de 1950 para 2020. Imagem, http://www.seaaroundus.org.

De lá para cá, cerca de trinta chefes de Estado e de governo de todo o mundo comprometeram-se em colocar a defesa e a proteção dos mares como uma prioridade na agenda europeia e internacional. O compromisso foi assumido na cidade de Brest, durante o último dia da cúpula “One Ocean”.

Enquanto os países que depredam o alto-mar faziam lobby, outros levaram o tema adiante. Mas a ONU não conseguiu chegar a um entendimento sobre um acordo global para proteção. As negociações, a quarta rodada desde 2018, terminaram em março de 2022 e sem cronograma definido para novas discussões.

Segundo o jornal The Guardian, ‘agora cabe à Assembleia Geral das Nações Unidas dar luz verde para outra rodada de negociações. Os observadores esperam que um acordo seja alcançado antes do final deste ano e pediram aos líderes políticos que trabalhem com a ONU para que isso aconteça’.

Fevereiro de 2022
No mês passado, diz o Guardian, quase 50 países formaram uma “ coalizão de alta ambição ” em uma cúpula francesa em Brest com o objetivo de concluir o acordo rapidamente. Mas o lobby dos países que saqueiam esta área prevaleceu.

Rena Lee, a presidente de Cingapura da conferência BBNJ, comentou ao site da Oceanographic Magazine: “Acredito que, com compromisso, determinação e dedicação contínuos, seremos capazes de construir pontes e fechar as lacunas restantes”.

Já o chefe de oceanos do Greenpeace, Will McCallum, disse: “O ritmo glacial das negociações na ONU nas últimas duas semanas e a falta de acordo sobre uma série de questões-chave simplesmente não refletem a urgência da situação. O colapso climático está transformando nossos oceanos. As populações de vida selvagem estão diminuindo.”

Oceanos em crise
“E à medida que a pesca industrial esvazia os mares de vida, as comunidades costeiras de todo o mundo estão vendo seus meios de subsistência e segurança alimentar ameaçados. Não são hipóteses, nossos oceanos estão em crise agora e precisam urgentemente de um plano de resgate.”

E acrescentou: “As promessas do governo de proteger pelo menos um terço dos oceanos do mundo até 2030 já estão saindo dos trilhos. Está claro que nossos oceanos estão em crise e, se não conseguirmos o forte Tratado Global dos Oceanos de que precisamos em 2022, não há como criar santuários oceânicos em águas internacionais para permitir que eles alcancem essa meta de 30×30. Este tratado é crucial porque todos nós dependemos dos oceanos: do oxigênio que eles oferecem aos meios de subsistência e segurança alimentar que eles fornecem.”

Segundo o Greenpeace, ‘O Canadá faz parte da High Ambition Coalition de 47 membros que se comprometeram a garantir um Tratado Global do Oceano que entregue 30% de proteção, mas estamos preocupados que a delegação não tenha sido encarregada de negociar a partir de uma posição de ambição ousada. O Canadá deve desempenhar um papel de liderança para superar a falta de consenso sobre questões-chave do tratado e trabalhar com países progressistas sobre o assunto para garantir que o melhor cenário para nossos oceanos seja acordado’.

Já o Guardian diz que ‘Alguns países, incluindo a Rússia e a Islândia, pediram que a pesca fosse excluída do acordo’. Como assim, a ideia não era de proteção de 30% do alto-mar?

Por aí se notam as dificuldades em conseguir o apoio necessário para que o saque ao alto-mar seja detido.

Sandices praticadas em alto-mar
Atirar com armas de fogo em baleias dentadas que ‘roubam’ as presas do espinhel; cortar os bicos de albatrozes que usam este mesmo artifício e jogá-los ao mar para morrerem de fome; decepar barbatanas de tubarões e de novo atirá-los ao mar para morrerem; ou prosseguir com subsídios insustentáveis que atingem o montante de US$ 35 BILHÕES de dólares ao ano são apenas algumas delas.

Subsídios mundiais à pesca
A indecência insustentável e escancarada.
Para saber mais sobre as sandices praticadas em alto-mar recomendamos o livro do jornalista Ian Urbina, do New York Times, traduzido e publicado no Brasil. O nome antecipa: “Oceanos Sem Lei“, da editora Intrínseca. A história das baleias dentadas se parecem a contos da carochinha perto das que ele conta no livro.

Também recomendamos o filme já comentado nestas páginas, Seaspiracy, um chocante, ainda que superficial, documentário que mostra a pesca nos oceanos (pode ser visto na Netflix).

Assista à animação sobre o aumento das frotas pesqueiras, enquanto a proteção de 30% do alto-mar segue nos ‘porões’ dos navios pesqueiros.

*Por João Lara Mesquita
………………………………………………………….
*Fonte: marsemfim

Bruxelas vai pagar até 900 euros para quem abandonar carro

Cidade quer incentivar uso de bicicleta, transporte coletivo e compartilhado.

Os cidadãos que vivem na região de Bruxelas, capital da Bélgica, vão receber até € 900 (euros) para cancelarem o registro de seus automóveis. A medida faz parte do “Bruxell’Air”, um programa de apoio financeiro para quem deseja adotar outros modos de transporte.

O Bruxell’Air funciona como um incentivo para que os interessados testem diferentes meios de transporte. Sem colocar a mão no bolso, o beneficiário poderá usar o orçamento para descobrir qual a melhor alternativa ao carro para sua família.

O valor a ser concedido varia de acordo com o perfil familiar. Se o requerente é uma pessoa com deficiência, por exemplo, receberá os € 900 independentemente de seus rendimentos. Este perfil, ou categoria de renda, aparece automaticamente quando a pessoa faz a solicitação.

Ao solicitar a participação, o residente de Bruxelas já preencherá um formulário informando quais alternativas irá testar. Entre as possibilidades, é possível subsidiar o transporte público, se inscrever em um serviço de compartilhamento de carros e até adquirir equipamentos de ciclismo. Ou seja, o dinheiro terá destinações já definidas, não sendo possível gastá-lo como quiser ou para outros fins.

De acordo com o site Time Out, o programa de incentivo está em vigor em Bruxelas desde 2006. A novidade é que, recentemente, o valor máximo quase dobrou de € 500 para € 900.

Apostando em transportes alternativos
Mudar a forma como nos movemos é um verdadeiro desafio, mas é um exercício que muitos podem fazer. Mesclar as diversas opções de mobilidade pode ser uma alternativa viável para desafogar o trânsito e melhorar a qualidade do ar.

Apostar em modais mais ativos, como a bicicleta ou até mesmo andar a pé, ainda contribui para a melhoria na saúde. Em 2017, uma pesquisa revelou que 6 em cada 10 motoristas abririam mão do carro se houvesse transporte público de qualidade. Cabe aos planejadores, criar estruturas adequadas para facilitar esta transição.

*Por Marcia Sousa
………………………………………………………………
*Fonte: ciclovivo

Energia geotérmica: o que é e quão sustentável pode ser para o planeta

Com o avanço do efeito estufa e, consequentemente, do aquecimento global, tornou-se mais importante do que nunca ter formas de produzir energia que sejam minimamente sustentáveis. A energia geotérmica, por exemplo, tem se mostrado uma opção promissora. Seu nome vem do grego: “geo” significa “terra” e “thermós” quer dizer “calor”.

Mas como ela funciona exatamente? Para responder essa pergunta, reunimos abaixo tudo o que você precisa saber sobre a geração de energia geotérmica.

O que é energia geotérmica?

O calor proveniente do magma forma nascentes de água quente e gêiseres de vapor na superfície terrestre.

A energia geotérmica é um tipo de energia renovável gerada a partir do calor existente no interior da Terra. Esse calor está contido no magma, uma das camadas do planeta que chega a atingir 6 mil ºC. Ele é composto por rochas em estado líquido e pastoso e forma o que chamamos de manto terrestre.

Como o calor proveniente do magma é muito intenso, ele acaba se manifestando em diversas áreas da superfície terrestre através de fendas e erupções vulcânicas. Assim, ocorre o surgimento de nascentes de água quente e gêiseres de vapor, por onde é possível obter o calor para a geração de energia geotérmica.

Como a energia geotérmica é produzida?

O processo de produção desse tipo de energia é feito por meio de usinas geotérmicas. Elas são instaladas em lugares com grande quantidade de vapor ou água quente para captá-los e armazená-los em reservatórios. Essa captação costuma ser feita através de tubos. O material drenado emerge na superfície com uma pressão tão alta, que consegue girar a turbina, ativando um gerador e, assim, produzindo eletricidade.

Mas esse não é o único processo que pode ser feito pelas usinas. Muitas delas injetam água no subsolo para que ela aqueça e se transforme em vapor. Esse vapor então, depois de ser captado, gera energia exatamente da mesma forma que o primeiro processo.

Para que serve a energia geotérmica?
A energia geotérmica pode ser utilizada em diversas atividades. Além de gerar eletricidade, ela é capaz de fornecer calor, por exemplo. Em áreas residenciais, serve para aquecer a água de casas, prédios, parques e piscinas, cozinhar e manter o sistema de aquecimento geral funcionando. Estufas de plantas também podem ser abastecidas por ela.

No Brasil, a energia geotérmica é aplicada somente em áreas de lazer. As cidades turísticas de Caldas Novas (GO) e Poços de Caldas (MG) atualmente são os maiores exemplos dessa utilização. As famosas fontes térmicas de ambos os lugares são aquecidas por meio da geotermia e apresentam grande quantidade de minerais benéficos para o corpo humano.

Quais são as vantagens e desvantagens da energia geotérmica?

A energia geotérmica é um tipo de energia renovável e praticamente inesgotável.

Assim como qualquer outro tipo de geração energia, a geotérmica também conta com vantagens e desvantagens que precisam ser analisadas criteriosamente. Entre os prós, está o fato de que ela é uma fonte renovável e inesgotável de energia, diferentemente dos combustíveis fósseis por exemplo. Por emitir menos gases poluentes na atmosfera, gera pouquíssimo impacto ambiental, sem contribuir para o efeito estufa e o aquecimento global.

Usinas geotérmicas também não são afetadas pelo clima, produzindo energia sob sol, chuva e vento da mesma maneira. Elas também não requerem uma área de terra extensa para serem instaladas. Apesar disso, demandam um investimento muito alto, o que configura como desvantagem.

Outro contra que precisa ser destacado é a poluição sonora causada pelo barulho das turbinas. Além disso, mesmo sendo menos poluente, se a drenagem da água e do vapor quente for realizada de forma irregular, pode contaminar rios e lagos. Usinas geotérmicas também emitem ácido sulfídrico (H2S), um gás bastante prejudicial à saúde.

Em quais locais do mundo a energia geotérmica é mais utilizada?
A energia geotérmica é produzida em maior quantidade pela Indonésia, Filipinas e Estados Unidos. Esse último gera cerca de 3,7 gigawatts (GW) de eletricidade, o necessário para abastecer mais 1 milhão de casas. Dentre os países que também se destacam na produção desse tipo de energia estão Islândia, China, Japão, Chile, México, França, Alemanha, Suíça e Hungria.

Os três países que mais produzem energia geotérmica são Indonésia, Filipinas e Estados Unidos.

O Brasil, além de explorar pouco a geotermia devido às suas características geológicas (o país não está localizado em áreas de transição entre placas tectônicas, onde a maior parte das usinas é instalada), recebe pouco incentivo formal para tal. Isso ocorre porque a principal fonte de energia brasileira é a hídrica, seguida pelo gás natural.

Onde a energia geotérmica foi usada pela primeira vez?
Durante o século XIX, a energia geotérmica foi utilizada industrialmente pela primeira vez. Mas somente no século seguinte, XX, que se tornou possível gerar eletricidade a partir dela.

A primeira usina geotérmica do mundo foi fundada em 1904, na cidade de Larderello, na Itália. Até a década de 1960, ela liderou a produção mundial de energia geotérmica, deixando o topo do pódio apenas devido ao surgimento de novas tecnologias que espalharam a produção pelo mundo.

*Por Roanna Azevedo
…………………………………………………………………………..
*Fonte: hypeness

Polos derretendo ao mesmo tempo: Antártida e Ártico registram aquecimento recorde

Um alerta recente revelou que os dois polos da Terra registraram simultaneamente recordes de aquecimento nos últimos dias, marcando picos de calor ao mesmo tempo. Na Antártida, foram documentadas temperaturas até 40ºC acima do esperado em alguns pontos para essa época do ano, enquanto estações meteorológicas na região do Polo Norte apresentaram indícios de derretimento ainda mais intenso, com os termômetros marcando até 30ºC a mais do que o normal, alcançando marcas normalmente só atingidas meses depois. O fenômeno sem precedentes ilustra a noção global do aquecimento pelo qual o planeta vem atravessando, provocando colapsos climáticos por toda parte.

A informação foi publicada pela agência Associated Press e, segundo especialistas, o aumento exacerbado das temperaturas nas extremidades da Terra é mais um indício claro de desequilíbrio no sistema climático do planeta, com quadros que podem se confirmar irreversíveis, como o derretimento das calotas polares. Para esse período do ano era esperado que o Polo Sul estivesse esfriando rapidamente com o fim do verão, enquanto o Ártico, no extremo norte, iniciasse um processo lento de conclusão do inverno, com os dias passando a durar mais tempo que as noites.

O aquecimento e derretimento do Ártico vem provocando quadros irreversíveis na região

“O aquecimento do Ártico e da Antártida é motivo de preocupação, e o aumento de eventos climáticos extremos – dos quais estes são um exemplo – também preocupa”, afirmou Michael Mann, diretor do Centro de Ciências do Sistema Terrestre da Universidade Estadual da Pensilvânia, nos EUA. “Os modelos climáticos projetaram o aquecimento geral, mas acreditamos que eventos extremos estão excedendo as projeções dos modelos. Esses eventos mostram a urgência da ação”, concluiu. Segundo informações do Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo dos EUA, a camada de gelo da Antártica registrou sua menor dimensão desde que as medições por satélite começaram a ser realizadas, em 1979, com área inferior a 2 milhões de km².

A Estação Concórdia, que registrou a temperatura recorde para o período na Antártida

A temperatura comum para o continente antártico nesse período do ano seria de -27,8ºC, mas a estação Concordia registrou marca de -12,2ºC, com o continente como um todo apresentando temperatura em média 4,8ºC mais quente. Já a estação Vostok aguardava um frio de -47,7ºC, mas chegou a registrar -17,7ºC, com a região em geral marcando 3,3ºC acima da média registrada entre 1979 e 2000. “São estações opostas. Você não vê o polo norte e o sul derretendo ao mesmo tempo”, afirmou Walt Meier, cientista do Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo em Boulder, no Colorado.

*Por Vitor Paiva
……………………………………………………………………..
*Fonte: hypeness

Pesquisa mostra que mais de 40% pretende passar mais tempo em contato com a natureza e em praças e espaços ao ar livre

A pandemia de Covid-19 fez com que muitas pessoas refletissem sobre o próprio estilo de vida e formas de melhorá-lo. Após o isolamento imposto pela crise sanitária, grande parte da população manifesta a intenção de fortalecer hábitos ligados à saúde e qualidade de vida, o que deve impactar de forma positiva na visitação de parques, tanto naturais como urbanos.

A pesquisa “Parques e a Pandemia – Comportamentos e Expectativas”, produzida pelo Instituto Semeia, revela as atividades que os brasileiros pretendem realizar mais do que costumavam fazer antes da pandemia. Quatro delas, todas com mais de 40% de menções, tiveram destaque: “estar em contato com a natureza” (46%), “ter uma alimentação mais saudável” (46%), “frequentar praças e locais ao ar livre” (43%) e “conviver com familiares e amigos” (43%).

Neste sentido, a pandemia intensificou a preocupação com a saúde e a valorização de atividades ao ar livre ligadas ao contato com a natureza. Por outro lado, opções de lazer em lugares fechados estão entre as práticas que as pessoas pretendem diminuir. No caso de bares e restaurantes, por exemplo, 32% declararam essa intenção; já os shoppings devem ser menos visitados por 29% das pessoas.

“Essas mudanças de comportamento e atitude podem representar uma oportunidade para os parques, na medida em que parcelas da população passam a reconhecer sua importância na implementação ou ampliação das práticas desses novos estilos de vida. A pesquisa revela que há uma forte propensão da população a frequentar parques quando a pandemia terminar. Caso isso se concretize, teremos um aumento no número de visitantes e também um incremento qualitativo, representado pelo desejo e motivação em se relacionar de forma diferenciada com a natureza e com o que essas áreas podem oferecer”, diz o diretor-presidente do Instituto, Fernando Pieroni.

Expectativas para o pós-pandemia
Segundo o levantamento, entre aqueles que já visitaram parques naturais (66% da população), 57% pretendem frequentá-los mais do que faziam antes da pandemia. A justificativa para tal intenção reúne um mix dos principais benefícios desse tipo de atividade: principalmente o gosto pela natureza (40%) e aproveitar mais a vida ao ar livre (16%).

Ainda no grupo de pessoas que já foram a parques naturais, apenas 4% declaram que pretendem diminuir sua frequência, 21% vão manter a intensidade de visitas que já realizavam e uma parcela de 18% ainda não sabe qual será sua atitude.

Entre os que nunca tiveram a experiência de visitar um parque natural (34% da população), 65% dizem que tentarão fazê-lo ao final da pandemia. Esse grupo destaca uma afinidade com os atrativos e benefícios já presentes nesses equipamentos: gostar da natureza (35%), atividade com família e amigos (14%) e aproveitar a vida ao ar livre (11%).

Uma hipótese para ainda não os ter visitado pode ser a impossibilidade (por falta de tempo ou recursos) de operacionalizar essas afinidades. Nesse grupo, chama a atenção a declaração de compensar o tempo que esteve em casa (7%), o que pode vir a ser um importante “empurrão” para motivar uma primeira visita.

Também é bastante significativo o impacto da pandemia na intenção de frequência a parques urbanos. Entre os que já visitaram esses equipamentos (85% da população), 48% pretendem intensificar as visitas e apenas 7% consideram diminuir as idas quando a pandemia terminar.

As pessoas que declaram que pretendem frequentar parques urbanos mais do que faziam antes da pandemia justificam essa decisão pela atitude positiva em relação à natureza (gosto da natureza, 23%; e aproveitar mais a vida ao ar livre, 11%) e pela relação já construída com os parques (gosto de frequentar, 12%), além de compensar o tempo que passaram em casa (11%).

Já entre os que nunca visitaram um parque urbano (15% da população), prevalece a incerteza e a dúvida sobre como agirão em relação a essa questão: 59% não sabem ainda o que pretendem fazer.

Nesse mesmo grupo, 28% vão tentar visitar um equipamento desse tipo. Aqueles que manifestam interesse em conhecer essas áreas mencionam como principal razão a intenção de aprender e conhecer (17%) mais sobre um parque desse tipo. Outra motivação é a possibilidade de acessar uma opção de lazer (15%), o que pode ser combinado com uma confraternização entre família e amigos (10%).

Impactos diretos na frequência em parques
O estudo também avaliou qual foi o impacto da pandemia na visitação de parques naturais e urbanos. Enquanto a frequência em parques naturais sofreu uma drástica queda, os parques urbanos mantiveram o nível de visitação.

No caso dos parques naturais, entre 2019 e 2021, o percentual de pessoas que havia feito sua última visita a um parque natural nos últimos 12 meses passou de 53% para 27%. Já em relação aos parques urbanos, antes e durante a pandemia, não há mudanças significativas: o percentual dos que visitaram o parque ao menos uma vez ao ano passou de 55% para 52% no período. Houve também um pequeno aumento naqueles que passaram a frequentá-los mais raramente (27% para 32%, respectivamente em 2019 e 2021).

Avaliação das visitas durante a pandemia
Como os números mostram, uma parcela da população manteve as visitas aos parques naturais e urbanos durante a pandemia. E, apesar de todos os problemas advindos do momento, os usuários tiveram uma percepção predominantemente positiva dessa experiência, especialmente se considerados os quesitos “manutenção e conservação de trilhas e equipamentos de lazer”; “manutenção e conservação da infraestrutura básica (banheiros, bebedouros, estacionamento e centro de visitantes); “informação sobre as medidas adotadas pelo parque durante a pandemia”; “condições de higiene”; “adoção de medidas de distanciamento social”; “controle de número de visitantes”; e “atendimento e orientação para visitação durante a pandemia”.

Segundo a pesquisa, 18% conseguiram visitar parques naturais durante a pandemia. Para todos os quesitos, prevalece uma avaliação satisfatória sempre superior a 55% (ótimo e bom). Cerca de um terço das pessoas avaliaram os atributos como regular e apenas uma parcela entre 10% e 15%, em média, consideraram a experiência insatisfatória.

Os parques urbanos, por sua vez, foram visitados por 51% da população durante a pandemia e também proporcionaram uma experiência bastante satisfatória, com índices bem próximos ao dos naturais. De forma geral, as atribuições de “ótimo” (média de 18%) são menos intensas no caso dos parques urbanos, mas também prevalece uma percepção positiva quando se considera a soma de “ótimo” e “bom” (média de 52%). Nos itens básicos de manutenção a avaliação foi positiva. Apenas uma pequena parcela – entre 10% e 15% dos usuários – declarara-se insatisfeita, classificando esses itens como “péssimo” e “ruim”.

Construindo uma nova relação
Os dados indicam que os desdobramentos da pandemia têm potencial de mudar a relação das pessoas com os parques e outras áreas verdes. Nesse sentido, o relatório apresenta três aspectos para reflexão e possíveis ações dos agentes que lidam com esta temática.

Em primeiro lugar, com a crise sanitária, as questões ligadas a saúde, alimentação saudável, contato com o verde e vida ao ar livre entraram mais intensamente na vida de muitas pessoas. A pandemia se mostrou, portanto, um momento de reflexão e propensão à mudança, abrindo oportunidades para valorização e reposicionamento do papel dos parques no cotidiano da população. Mas a conexão entre as novas demandas das pessoas e aquilo que os equipamentos podem oferecer precisa ser construída. Com isso, cabe aqui reforçar a produção e a divulgação de informações que estimulem os questionamentos e a oportunidade de mudanças atitudinais e comportamentais da população em função da pandemia.

Além disso, os parques podem contribuir com soluções para recuperar e manter a saúde física e mental das pessoas no pós-pandemia por meio do contato com áreas verdes e da vida ao ar livre. Entre as ações que ajudariam a impulsionar essa relação estão melhorar a divulgação dos parques, com ênfase sobre como e onde as pessoas podem encontrar informações; incentivar, apoiar e divulgar estudos que analisem o ecossistema mais amplo onde os parques estão inseridos; e comunicar de forma clara e didática a relação entre frequência a parques e seus benefícios.

Por fim, os parques precisam se preparar para o aumento de frequência que tende a acontecer no pós-pandemia. Isso passa pela manutenção de cuidados sanitários especiais e pela construção do parque como um espaço de encontro e coesão social, com uma infraestrutura de serviços capaz de oferecer o conforto adequado a seus visitantes e a atender aos diversos interesses de seus públicos.

Playground adaptado em Curitiba.
“Os parques podem desempenhar – e talvez sejam chamados a isso – um leque grande de atividades no pós-pandemia, incluindo algumas funções que nem estão entre os seus principais objetos de atuação. A saída para dar conta de todas essas demandas talvez passe pelas parcerias com o setor privado ou com organizações da sociedade civil. Além do apoio para a manutenção e o desenvolvimento de atividades, essas parcerias podem trazer como benefício adicional um maior engajamento da comunidade no cuidado e na preservação dos parques”, completa Pieroni.

…………………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

Alerta de desmatamento na Amazônia bate recorde em fevereiro

Com 199 km² desmatados, Deter 2022 registra o pior fevereiro da série histórica.

Dados do sistema Deter, do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), divulgados nesta sexta-feira (11), reafirmam que o desmatamento na maior floresta tropical do planeta segue fora de controle. Entre os dias 1º e 28 de fevereiro, os alertas apontam para um total de 199 km² desmatados.

O desmatamento em fevereiro aponta um aumento de 62% em relação ao mesmo mês de 2021. É a maior área com alertas para o mês desde 2016, quando foram iniciadas as medições do Deter-B. Os alertas de desmatamento se concentram principalmente nos estados de Mato Grosso, Pará e Amazonas.

“Os dois primeiros meses deste ano tiveram áreas recordes da série histórica, no acumulado já são 629 km² mais do que o triplo do que foi observado no ano passado, 206 km² desmatados. Isso tudo em um período no qual o desmatamento costuma ser mais baixo por conta do período chuvoso na região. Este aumento absurdo demonstra os resultados da falta de uma política de combate ao desmatamento e dos crimes ambientais na Amazônia, impulsionados pelo atual governo. A destruição não para”, afirma o porta-voz de Amazônia do Greenpeace Brasil, Rômulo Batista.

Amazônia fevereiro
Área dos alertas de desmatamento do programa DETER-B do mês de fevereiro | Fonte: INPE
Publicado na última segunda-feira (7), um estudo da Universidade de Exeter revelou que a floresta amazônica está perdendo sua capacidade de manutenção, chegando em um “ponto de não retorno”. De acordo com o estudo, três quartos da floresta estão apresentando uma resiliência cada vez menor contra secas e outros eventos climáticos adversos e, portanto, estão menos capazes de se recuperar.

A previsão é de que grandes áreas irão começar a se transformar em um bioma mais parecido com uma área de floresta degradada e mais seca, gerando riscos para a biodiversidade e para o clima em escala global e intensificando a ocorrência de eventos climáticos extremos.

“Na mesma semana em que milhares de pessoas se reuniram em Brasília, no Ato pela Terra, para exigir que o governo e o Congresso parem com o Pacote da Destruição, esse estudo publicado, a aprovação de urgência do PL da mineração em terras indígenas e os recordes dos alertas de desmatamento nos levam a refletir sobre o destino da Amazônia e seus povos”, ressalta Batista.

Segundo ele, quanto mais desmatamento, maior é a contribuição do país com a emissão de gases do efeito estufa, “agravando ainda mais a crise climática e acelerando os eventos extremos como as chuvas torrenciais que vimos esse ano no Brasil. Os dados de fevereiro apontam para mais um ano em que o Brasil caminha na contramão do combate à destruição ambiental e dos direitos dos povos indígenas”, finaliza.

……………………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

IPCC: não estamos prontos para os impactos das mudanças climáticas

É urgente implementar medidas eficientes de adaptação às mudanças climáticas que já estão acontecendo

A conscientização sobre os riscos climáticos e as ações para reduzi-los aumentaram globalmente. A implementação de medidas de adaptação, contudo, ainda é insuficiente diante da magnitude dos impactos das mudanças climáticas que já têm sido observados em todas as regiões habitáveis do planeta e que podem se agravar em um cenário de aquecimento global acima de 1,5 ºC dos níveis pré-industriais.

A avaliação é de um grupo internacional de cientistas autores do novo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), sobre impactos, adaptação e vulnerabilidade, lançado nesta segunda-feira (28/02).

Entre os autores estão cinco cientistas brasileiros, dos quais quatro participaram da elaboração do Sumário para os Tomadores de Decisão (SPM) publicado conjuntamente com o relatório.

“Há uma série de medidas que foram adotadas nos últimos anos em diferentes regiões do mundo com o objetivo de reduzir os riscos climáticos, mas que estão mais associadas à mitigação, como a redução das emissões de gases de efeito estufa”, diz à Agência FAPESP Jean Ometto, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e autor-líder do capítulo 12 e do capítulo especial sobre florestas tropicais do relatório.

“As medidas de adaptação, porém, têm sido muito pontuais e localizadas”, afirma Ometto, que também é membro da coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais.

Sobrevoo em Sena Madureira sob inundação (Acre, Brasil). Foto: © Alexandre Noronha | Greenpeace
Na avaliação dos autores da publicação, os governos nacionais e locais, bem como as empresas e a sociedade civil, têm reconhecido a crescente necessidade de adaptação às mudanças climáticas. Pelo menos 170 países – entre eles o Brasil – e muitas cidades, como São Paulo, incluíram a adaptação em suas políticas e processos de planejamento relacionados ao clima.

O progresso nesse tema, no entanto, tem sido desigual e há grandes lacunas entre as medidas de adaptação tomadas e as que são necessárias em muitas regiões do mundo, especialmente em países com menor renda. Essas lacunas são causadas pela falta de financiamento, compromisso político, informações confiáveis e senso de urgência. Isso tem tornado as pessoas e ecossistemas mais vulneráveis a serem atingidos pelos impactos das mudanças do clima, sublinham os cientistas.

“A adaptação tem de ser uma ação objetiva e efetiva. E para que aconteça é preciso primeiro reconhecer que os impactos das mudanças climáticas já estão ocorrendo”, diz Ometto.

Também há grandes lacunas na compreensão da adaptação às mudanças climáticas, como quais ações têm o potencial de reduzir o risco climático e se podem ter consequências não intencionais ou efeitos colaterais, causando mais malefícios do que benefícios – chamadas de má adaptação.

Entre essas ações está a construção de muros marítimos, que podem proteger em curto prazo áreas costeiras do avanço do mar, mas podem destruir durante as obras ecossistemas inteiros, como recifes de coral.

“A má adaptação pode ser evitada com planejamento e implementação de ações de adaptação flexíveis, multissetoriais, inclusivas e de longo prazo, com benefícios para muitos setores e sistemas”, ressaltam os cientistas.

Limites à adaptação
Os autores do relatório também apontam que a adaptação é essencial para reduzir danos, mas, para ser eficaz, deve ser acompanhada de reduções ambiciosas das emissões de gases de efeito estufa uma vez que, com o aumento do aquecimento, a eficácia de muitas opções de adaptação diminui ou pode tornar-se inviável.

“Há algumas regiões no mundo que já estão vivendo uma situação de não retorno, apresentando uma margem de manobra para adaptação muito baixa”, diz Ometto.

A pobreza e a desigualdade, que são questões sensíveis a países como o Brasil, também impõem limites de adaptação significativos, resultando em impactos inevitáveis para mulheres, jovens, idosos, minorias étnicas e religiosas, além de povos indígenas e refugiados, destacam os cientistas.

“A desigualdade, não só socioeconômica, mas também de acesso a serviços básicos como água e saneamento, aumenta a vulnerabilidade de núcleos sociais. Sociedades com altos níveis de desigualdade são menos resilientes às mudanças climáticas”, diz Ometto.

De acordo com números apresentados no relatório, quase metade da população global – entre 3,3 e 3,6 bilhões de pessoas – vive hoje em países com alta vulnerabilidade humana a mudanças climáticas.

Concentrações globais de alta vulnerabilidade estão surgindo em áreas transfronteiriças que abrangem mais de um país como resultado de questões interligadas relativas a saúde, pobreza, migração, conflito e desigualdade.

Desde 2008, mais de 20 milhões de pessoas em todo o mundo foram deslocadas anualmente por condições extremas relacionadas a eventos de clima, sendo as tempestades e inundações as causas mais comuns.

“A diminuição da disponibilidade de água e da capacidade de cultivo agrícola em algumas regiões já tem induzido movimentos migratórios em algumas regiões do mundo”, afirma Ometto.

Globalmente, a exposição a impactos causados pelo clima, como ondas de calor, precipitação extrema e tempestades, em combinação com a rápida urbanização e falta de planejamento estão aumentando a vulnerabilidade de populações urbanas marginalizadas.

A pandemia de COVID-19 deverá aumentar as consequências adversas das mudanças climáticas, uma vez que os impactos financeiros levaram a uma inversão nas prioridades e restringiram a redução da vulnerabilidade, indica o relatório.

O relatório completo e o sumário para decisores políticos podem ser acessados AQUI

*Por Elton Alisson
…………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Ciclo da água da Terra está mudando mais rápido que previsto

Um dos fatores que mais preocupa toda a humanidade é a preservação da água potável. Isso porque a mudança climática está modificando o ciclo da água que é depositada na terra.

Uma nova pesquisa, publicada na revista Nature, apontou que o ciclo da água está mudando mais rápido do que estava estimado, com base nas mudanças nos oceanos. Essa constatação mostra a necessidade de diminuir as emissões de gases que aquecem a atmosfera, antes que o ciclo da água mude de forma definitiva.

A mudança do ciclo da água
À medida que a Terra se aquece, o ciclo da água começa a intensificar-se no padrão em que o molhado fica mais molhado e seco ainda mais seco. Isso significa que a água doce está deixando as regiões mais secas do planeta e focando em regiões úmidas.

Isso representa que as áreas relativamente secas, ficarão secas com mais frequência, assim como as regiões úmidas podem ter mais tempestades e inundações extremas.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, sigla em inglês) da Organização das Nações Unidas (ONU) apresentou que as mudanças do ciclo da água já estão acontecendo. Um exemplo pode ser as inundações sem precedentes na Alemanha e o aumento das chuvas em Mumbai, na Índia.

No entanto, essas mudanças são apenas o começo. Nas próximas décadas, a intensificação do ciclo da água pode tornar mais difícil para as pessoas conseguirem água potável em muitas regiões do planeta.

O problema é que mesmo que o ciclo da água esteja se intensificando, não se sabe com qual rapidez isso está acontecendo.

A utilização do oceano como um pluviômetro
O principal motivo para ser difícil medir as mudanças no ciclo da água é que não existem medidas suficientes de chuvas e evaporação da Terra. Resumidamente, é muito difícil instalar pluviômetros permanentes ou tanques de evaporação em 70% das superfícies de água do nosso planeta. Além disso, ao analisar as mudanças, é preciso de medições de décadas atrás.

Por isso, os cientistas decidiram usar o oceano, visto que eles podem ser mais ou menos salgados dependendo da região. Um exemplo é que o Atlântico é mais salgado que o Pacífico, isso porque quando a chuva cai no oceano, dilui a água e ajuda a torná-la menos salgada. No entanto, quando a água evapora da superfície, o sal fica no oceano, aumentando a salinidade.

Isso significa que as mudanças mais bem registradas na salinidade do oceano podem ser usadas como um pluviômetro para detectar modificações no ciclo da água. Estudos anteriores usaram esse método para rastrear as mudanças na salinidade na superfície do oceano. Essa nova pesquisa apontou que o ciclo da água está se intensificando cada vez mais.

Porém, o oceano não fica parado como um pluviômetro convencional, já que as correntes e ondas mantêm as águas dos oceanos em constante movimento. Por causa disso, fica uma incerteza sobre a ligação entre a salinidade e a mudança do ciclo da água.

Após isso, foram desenvolvidos novos métodos, que permitem vincular com precisão as mudanças na salinidade do oceano, isso por meio das modificações no ciclo da água, em que a água doce é levada das regiões mais quentes para as mais frias.

As estimativas apontam que o ciclo mais amplo da água está mudando na atmosfera, sobre a terra e por meio dos oceanos. O estudo apontou que de 46.000 a 77.000 quilômetros cúbicos de água mudaram dos trópicos para as áreas mais frias desde 1970.

Isso simboliza uma intensificação do ciclo da água de até 7%. Isso representa a mesma porcentagem de mais chuva em áreas mais úmidas e de menos chuva, ou mais evaporação, em locais mais secos. Isso é bem superior às estimativas que estavam entre 2 e 4%.

Como seria o futuro com a mudança do ciclo da água ?
A mudança no ciclo da água significa secas extremas e chuvas mais fortes e mais frequentes. Mesmo que os governos mundiais mantenham o aquecimento global em um teto de 2℃, prevê-se que a Terra terá eventos extremos em média 14% mais fortes em comparação aos anos de 1850-1900.

O relatório do IPCC aponta que algumas pessoas e ecossistemas serão mais atingidos do que outros. Por causa disso, foi notado que as nações mediterrâneas, o sudoeste e sudeste da Austrália e a América Central ficarão mais secas, já as regiões de monções e os pólos ficarão mais úmidos ou mais nevados.

Em áreas mais secas atingidas pela mudança no ciclo da água, pode-se esperar ameaças reais de viabilidade das cidades.

Década de pesquisa científica aponta a relação entre as emissões de gases de efeito estufa e o aumento das temperaturas globais, o que provoca a mudança no ciclo. Essa é a principal razão que os cientistas apontam para a diminuição desses gases e diminuir os danos das mudanças climáticas.

*Por Nathália Matos
…………………………………………………………………..
*Fonte: fatosdesconhecidos / Science Alert

ONU reconhece povos indígenas como os melhores guardiões das florestas

Novo relatório da ONU aponta taxas de desmatamento muito mais baixas em territórios indígenas reconhecidos e protegidos

As taxas de desmatamento na América Latina e no Caribe são significativamente mais baixas em áreas indígenas e de comunidades tradicionais onde os governos reconhecem formalmente os direitos territoriais coletivos. Melhorar a segurança da posse desses territórios é uma maneira eficiente e econômica de reduzir as emissões de carbono.

Essa é uma das principais conclusões do novo relatório Povos indígenas e comunidades tradicionais e a governança florestal, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Fundo para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas da América Latina e do Caribe (FILAC).

Com base em uma revisão de mais de 300 estudos publicados nas últimas duas décadas, o documento revela pela primeira vez até que ponto a ciência tem mostrado que os povos indígenas e comunidades tradicionais em geral têm sido melhores guardiões de suas florestas em comparação com os responsáveis pelas demais florestas da região.

A pesquisa também sugere que este papel protetor está cada vez mais em risco, à medida que a Amazônia se aproxima de um ponto de inflexão, o que pode ter impactos preocupantes nas chuvas e na temperatura e, eventualmente, na produção de alimentos e no clima global.

Proteção global

“Os povos indígenas e comunidades tradicionais, e as florestas em seus territórios, desempenham um papel vital na ação climática global e regional e na luta contra a pobreza, a fome e a desnutrição. Seus territórios contêm cerca de um terço de todo o carbono armazenado nas florestas da América Latina e do Caribe e 14% do carbono armazenado nas florestas tropicais do mundo”, disse o representante regional da FAO, Julio Berdegué.

Os melhores resultados foram observados nos territórios de povos indígenas com títulos legais coletivos reconhecidos: entre 2000 e 2012, as taxas de desmatamento nesses territórios na Amazônia boliviana, brasileira e colombiana foram apenas da metade a um terço das de outras florestas com características ecológicas semelhantes.

O relatório convida governos, financiadores climáticos, o setor privado e a sociedade civil a investirem em iniciativas que fortaleçam o papel dos povos indígenas e comunidades tradicionais na governança florestal, reforcem os direitos territoriais comunais, compensem as comunidades indígenas e tradicionais pelos serviços ambientais que prestam e que facilitem o manejo florestal comunitário.

O documento afirma a importância de revitalizar culturas e conhecimentos tradicionais, fortalecendo a governança territorial e apoiando organizações de povos indígenas e tradicionais, reconhecendo o papel fundamental da juventude indígena e das mulheres indígenas.

Territórios titulados
De acordo com um dos estudos analisados no relatório da FAO/FILAC, a taxa de desmatamento dentro das florestas indígenas onde a propriedade da terra foi assegurada é 2,8 vezes menor do que fora dessas áreas na Bolívia, 2,5 vezes menor no Brasil e 2 vezes menor na Colômbia.

Os territórios coletivos titulados evitaram entre 42,8 e 59,7 milhões de toneladas métricas (MtC) de emissões de CO2 a cada ano nesses três países; essas emissões combinadas são equivalentes a tirar de circulação entre 9 e 12,6 milhões de veículos durante um ano.

Dos 404 milhões de hectares ocupados por povos indígenas, os governos reconheceram formalmente seus direitos de propriedade coletiva ou de usufruto sobre cerca de 269 milhões de hectares. Embora o impacto de garantir a segurança da posse seja grande, o custo é muito baixo: são necessários apenas 6 dólares para titular um hectare de terra na Colômbia e 45 dólares na Bolívia.

O documento afirma que o custo de titulação de terras indígenas é de 5 a 42 vezes menor do que o custo médio de evitar o CO2 por meio da captura e armazenamento de carbono fóssil, tanto para usinas a carvão como a gás.

Agentes contra as mudanças climáticas
“Quase metade (45%) das florestas intactas da bacia amazônica é encontrada em territórios indígenas”, disse Myrna Cunningham, presidente da FILAC. “A evidência de seu papel vital na proteção da floresta é cristalina: enquanto a área de floresta intacta diminuiu apenas 4,9% entre 2000 e 2016 nas áreas indígenas da região, nas áreas não indígenas diminuiu 11,2%. Isso deixa claro porque sua voz e visão devem ser levadas em consideração em todas as iniciativas e estruturas globais relacionadas às mudanças climáticas, biodiversidade e silvicultura, entre muitos outros temas”.

Os povos indígenas e comunidades tradicionais participam da governança comunal de 320 a 380 milhões de hectares de florestas na região, que armazenam cerca de 34 bilhões de toneladas métricas de carbono. Isto é mais do que todas as florestas da Indonésia ou da República Democrática do Congo.

Enquanto os territórios indígenas na bacia amazônica perderam menos de 0,3% do carbono em suas florestas entre 2003 e 2016, as áreas protegidas não indígenas perderam 0,6% e outras áreas que não eram territórios indígenas ou áreas protegidas perderam 3,6%. Como resultado, apesar de os territórios indígenas cobrirem 28% da bacia amazônica, eles geraram apenas 2,6% das emissões brutas de carbono da região.

*Por Natasha Olsen
…………………………………………………………………………………
*Fonte: ciclovivo

Nova teoria sugere que Planeta Terra é um ser inteligente

No artigo os pesquisadores discutem o que chamam de “inteligência planetária”.

Um planeta pode ser inteligente? Essa parece ser a questão central de uma nova teoria proposta por astrobiólogos, de que os planetas também são entidades inteligentes. Este experimento mental se baseia na noção de que a atividade coletiva da vida, na forma de micróbios ou plantas, mudou planetas como a Terra e permite que eles tenham vida própria.

No artigo publicado no International Journal of Astrobiology, os pesquisadores discutem o que chamam de “inteligência planetária” – a ideia de atividade cognitiva operando em escala planetária – para levantar novas ideias sobre as maneiras pelas quais os humanos podem lidar com questões globais, como as mudanças climáticas, por exemplo.

Se a atividade coletiva da vida – conhecida como biosfera – pode mudar o mundo, a atividade coletiva da cognição e a ação baseada nessa cognição também podem mudar um planeta? Uma vez que a biosfera evoluiu, a Terra ganhou vida própria. Se um planeta com vida tem vida própria, ele também pode ter mente própria?

Inteligência planetária
Conhecemos a inteligência como um conceito que descreve indivíduos, grupos coletivos, até mesmo os comportamentos curiosos de vírus ou fungos. As redes subterrâneas de fungos, por exemplo, formam um sistema de vida que reconhece as mudanças nas condições climáticas e responde ativamente a elas. Essas coisas alteram profundamente a condição de todo o planeta.

“O que importa é quando a inteligência coletiva é colocada para trabalhar em direção ao propósito coletivo mais essencial da vida: a sobrevivência. Tal como a concebemos, a inteligência planetária é medida pela capacidade da vida em um planeta de se sustentar em perpetuidade”, observaram os pesquisadores.

“Ainda não temos a capacidade de responder comunitariamente pelos melhores interesses do planeta”, disse Adam Frank, professor de física da Universidade de Rochester e coautor do artigo, em um comunicado à imprensa.

A noção de um planeta ganhando vida própria foi observada pela primeira vez através da percepção da “biosfera” na ciência. “A biosfera nos diz que uma vez que a vida aparece em um mundo, esse mundo pode ganhar vida própria”, escreveram os pesquisadores.

Tecnosfera imatura
Curiosamente, a teoria observa que a Terra pode estar cheia de vida inteligente – mas “não parece muito inteligente”. “Ainda não temos a capacidade de responder comunitariamente pelos melhores interesses do planeta”, diz o astrofísico Adam Frank, da Universidade de Rochester. “Há inteligência na Terra, mas não há inteligência planetária.”

A Terra parece estar presa em um estágio chamado de “tecnosfera imatura”. Este é um cenário em que a atividade tecnológica está plenamente desenvolvida e enraizada – mas ainda não está integrada harmoniosamente com outros sistemas, como o ambiente físico. É importante integrar essas duas esferas, pois somente quando os processos biológicos e tecnológicos estiverem em sincronia podemos garantir a produtividade e o futuro do ser humano neste planeta.

“A biosfera descobriu como hospedar a vida por si mesma bilhões de anos atrás, criando sistemas para movimentar nitrogênio e transportar carbono”, diz Frank. “Agora temos que descobrir como ter o mesmo tipo de características de auto-manutenção com a tecnosfera.”

…………………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Entenda por que o azul é a cor mais rara do planeta

Quem olha para o céu em um dia de verão, ou para o mar limpo e calmo, pode ser levado a pensar que a cor azul é bastante comum e natural. Contudo, menos de 10% de todas as plantas do planeta têm essa coloração. Para os animais, ainda, os números não chegam a 1%. Aqui, portanto, vamos entender a real raridade de tons azuis na natureza.

Primeiramente, é preciso lembrar um pouco das aulas de física, sem medo. As ondas eletromagnéticas, assim, compõem um espectro, que também inclui todas as luzes visíveis ao olho humano. Os pássaros, por exemplo, podem enxergar a luz ultravioleta (UV) devido a um tipo extra de célula em seus olhos.

Acontece que o azul está perto da ponta mais energética do espectro da luz. Ou seja, esse tipo de onda luminosa é extremamente energética, com um comprimento de onda bastante curto. É por esse motivo, aliás, que as plantas absorvem a luz azul, mais energética, e refletem a verde, mais fraquinha. Isso permite uma eficiência energética maior.

Quando falamos de animais, a situação é ainda mais extrema. De quantos vertebrados azuis você consegue se lembrar, nesse momento?

Acontece que muitos animais adquirem suas cores a partir do ambiente. Exemplo disso, ademais, são os flamingos, que nascem cinza mas adquirem a cor rosa ao longo da vida pela alimentação. Acontece que essas aves consomem camarões e algas que possuem uma variação rosa de caroteno. Quando falamos de minerais, portanto, a cor azul é bastante escassa no planeta.

Assim, animais dificilmente podem adquirir essa cor do seu ambiente. Por esse motivo também pedras preciosas de cor azul são tão raras, como o lápis-lazuli, que chegava a ser mais caro que o próprio ouro durante a idade média.

O azul “verdadeiro” é quase inexistente na Terra
Existem, contudo, diversos exemplos de organismos azuis, como os mortais sapos da família Dendrobatidae. No entanto, a maioria dos animais azuis na verdade não são, realmente, azuis.

Acontece que pigmentos (como a melanina ou a clorofila) azuis também são extremamente raros, justo pela ausência de minerais azuis no planeta. O que acontece, então, é que muitos animais refletem diversos tipos de luz que, combinados, formam tons de azul. As borboletas do gênero Morpho, por exemplo, usam essa estratégia para criar a cor azulada em suas asas.

Assim, a maioria dos organismos azuis usam essa estratégia de criação de um falso azul (sem pigmentos), provavelmente porque a evolução de um pigmento azul seria muito mais difícil do que a primeira opção.

*Por Mateus Marchetto
…………………………………………………………………………………
*Fonte: socientifica

Sérvia ganha outdoor que absorve CO2 e libera oxigênio

Apesar de não substituir árvores, produto contribui para melhorar o ar da cidade.

Um fotobiorreator capaz de capturar partículas de CO2 (dióxido de carbono) na atmosfera foi instalado nas ruas da Sérvia. Parece um outdoor, mas, ao invés de propaganda, o maquinário proporciona ar puro para a cidade.

Criado e projetado pelo Instituto de Pesquisa Multidisciplinar da Universidade de Belgrado, capital da Sérvia, o produto foi batizado de LIQUID3. O fotobiorreator usa microalgas e luz solar para absorver CO2, realizar fotossíntese e produzir O2 (oxigênio).

As algas marinhas são responsáveis pela produção de 54% do oxigênio do mundo, segundo dados do Instituto Brasileiro de Florestas. O fotobiorreator replica esta função com o LIQUID3.

Equipado com 600 litros de água, cada outdoor opera como uma árvore de 10 anos ou “equivale” a 200 m² de área verde. É o que afirma Ivan Spasojevic, um dos autores do projeto.

Ainda que uma árvore desempenhe serviços ecossistêmicos inestimáveis, o LIQUID3 é benéfico ao contribuir para reduzir o CO2, que é um dos principais gases de efeito estufa.

Esta “ajuda” é especialmente bem vinda em Belgrado, que é a quarta cidade mais poluída da Sérvia, sobretudo porque em seus arredores há duas grandes usinas de carvão.

A situação do país como um todo não é boa. Em 2019, a Sérvia foi classificada como o quinto país mais poluído da Europa. No mesmo ano, cientistas afirmaram que o país tinha o pior recorde per capita da Europa para mortes relacionadas à poluição, sendo de 175 por 100 mil pessoas.

O LIQUID3 foi premiado com o Green Concept Award em 2022, que destaca produtos e serviços sustentáveis que ainda não estão no mercado.

Infraestrutura verde
Apesar de não substituir árvores, o LIQUID3 contribui para melhorar o ar da cidade. Sendo assim, pode integrar positivamente a infraestrutura de áreas urbanas – a exemplo dos já conhecidos pontos de ônibus com telhado verde.

A bancada, integrada ao LIQUID3, serve de abrigo e paradinha para descanso – elemento que geralmente falta no espaço urbano. Quando a noite cai, o espaço se transforma em uma luz verde neon que ilumina a rua.
Cada ponto ainda pode ser equipado com tomadas para a população carregar seus dispositivos.

Ou seja, ao invés de simples abrigos e bancos feitos de metal e/ou concreto, pode-se criar estruturas que abarquem mais funções, atuando proativamente na construção de cidades mais sustentáveis.

*Por Marcia Sousa
………………………………………………………………………………
*Fonte: ciclovivo

Chega de plásticos! França proíbe venda de frutas e verduras em embalagens plásticas

Seguindo o exemplo da Espanha, a França baniu as embalagens plásticas de frutas e verduras. O objetivo é reduzir a produção de plásticos que são utilizados apenas uma vez, contribuindo para a poluição do meio ambiente.

Verduras e frutas já podem ser encontrados nos supermercados livres de plásticos desde janeiro de 2022. Entre elas: alho-francês, curgetes, berinjelas, pimentos, pepinos, batatas e cenouras, tomates redondos, cebolas e nabos, couves, couves-flores, abobrinhas, pastinagas, rabanetes, alcachofras, tubérculos, maçãs, peras, laranjas, kiwis, limão, frutas cítricas, ameixas secas, melão, abacaxi e manga.

Atualmente há algumas exceções à lei, tais como framboesas, morangos, mirtilos e sementes germinadas (como alfafa, lentilha e soja), mas até junho de 2026 a lei será aplicada para todas as frutas e verduras. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, Agricultura e Finanças, o intuito é retirar de circulação, por ano, um bilhão de embalagens plásticas, graças à nova medida vigente.

A França foi também o primeiro país do mundo a proibir a venda de pratos e talheres descartáveis – dando exemplo mundial de políticas públicas sobre o tema. Que o mesmo aconteça agora!

*Por Jessica Miwa
…………………………………………………………………………..
*Fonte: thegreenestpost

Os seis insetos mais violentos do mundo

Muitas pessoas não gostam de insetos – e por alguns bons motivos. Esses pequenos animais podem ser nojentos, asquerosos e até mesmo perigosos. Os insetos que compõem esta lista têm um motivo a mais para serem temidos: eles podem ser muito violentos, causando medo até mesmo em quem se sente indiferente a essas criaturas.

Se você é do tipo de pessoa que não aprecia os insetos, talvez encontre certa dificuldade para ler este artigo até o final, mas se está morrendo de curiosidade para saber quais são os pequenos animais mais violentos do mundo, continue a leitura e surpreenda-se com os integrantes desta lista.

1. Formiga colhedora Maricopa
Essa espécie de formiga é muito comum na América do Norte e Central, nos Estados Unidos e México. Acredita-se que o veneno desse inseto seja um dos mais tóxicos do mundo; porém, o que chama atenção é a sua agressividade, já que o esse pequeno animal ataca violentamente qualquer criatura que chegue perto de seus ninhos.

2. Vespa-mandarina
A vespa-mandarina, também conhecida como vespa-gigante-asiática, é a maior de sua espécie e pode chegar a 5,5 cm. Trata-se de um inseto nativo do sudeste asiático e de partes do extremo oriente russo. O seu comportamento agressivo, com veneno potente e ataque coordenado em enxames, já foi responsável por dezenas de mortes em lugares onde o animal esteve presente.

3. Lagarta da espécie Megalopyge opercularis
É difícil imaginar uma mariposa compondo a lista dos insetos mais violentos, ainda mais se estivermos falando de sua forma larval. Porém, os estágios iniciais da Megalopyge opercularis conta com um inseto vagaroso, mas extremamente perigoso, que libera esporos responsáveis por causar queimaduras graves apenas com o menor contato. Além de utilizar isso como mecanismo de defesa, a larva usa para ataque.

4. Formiga-cabo-verde
Com seu tamanho avantajado (cerca de 2,5 cm) e picada severa, a formiga Paraponera clavata é utilizada no processo de iniciação de algumas tribos indígenas no Brasil. Uma luva recheada desses pequenos insetos é colocada na mão daqueles que estão passando para a fase adulta, um evento doloroso e muito perigoso. Não há registros de mortes causadas pela formiga-cabo-verde, mas os relatos das pessoas que sofreram suas picadas destacam dor intensa e violência do inseto.

5. Abelha africanizada
Também conhecida como “abelha assassina”, esse inseto é extremamente territorialista e ataca qualquer um que chegar perto de sua colmeia. Embora o seu veneno não seja muito tóxico, o seu ataque, por meio de enxames, é o que torna esse animal tão perigoso. Há diversos casos de mortes na América do Norte e do Sul, regiões em que esses insetos são mais comuns.

6. Formiga-correição
O nome, na verdade, é uma designação para um grupo de cerca de 200 espécies de formigas carnívoras. Esses insetos são notórios por conta de seu comportamento nômade, ou seja, não estabelecem colônias em nenhum lugar e vagam de forma contínua. No cardápio desses animais estão outros insetos, além de pequenas aves e mamíferos.

*Por Eduardo Harada
…………………………………………………………………………….
*Fonte: megacurioso

6 Animais que conseguem prever o tempo

Um dos maiores desafios de meteorologistas é fazer uma previsão do tempo acertada. Afinal, não é nada fácil interpretar os diversos sinais atmosféricos — relacionados a temperatura, pressão e outros fatores — para “adivinhar” se vai estar fazendo sol ou chovendo nas próximas horas, dias ou meses.

Porém, acredite se quiser, alguns animais têm essa habilidade de forma nata, conseguindo prever algumas condições climáticas. Não acredita? Então confere esta lista com seis animais que podem nos ajudar a criar uma previsão do tempo bastante confiável.

1. Ursos
Ursos que saíram da temporada de hibernação podem indicar a chegada de tempos mais quentes.

Por serem animais que hibernam durante o inverno, os ursos podem ajudar a prever quando a temporada de frio está chegando ao fim. Em regiões onde esses bichos são comuns, observá-los com mais frequência andando pelas florestas em dias gelados pode indicar que a primavera está se aproximando.

Porém, também é comum alguns ursos acordarem durante a hibernação “por engano”. Se isso acontecer e o animal voltar a dormir, é um indicativo de que a temporada de frio ainda vai demorar um pouco para passar.

2. Esquilos
Esquilos constroem os seus ninhos em árvores mais baixas durante o inverno.

Os esquilos também são animais que, de alguma forma, são capazes de prever quando a temporada de frio está chegando a fio. Durante o inverno, esses bichos inteligentes constroem seus ninhos em árvores mais baixas para se proteger dos ventos congelantes. Quando sentem que o frio está acabando, passam a montar as casas em lugares mais altos.

3. Sapos e rãs
Como amantes de ambientes úmidos, os sapos e rãs são um bom indicativo de chuvas.

Os sapos e as rãs gostam de ambientes úmidos e, por isso, a chuva é um dos maiores aliados desses anfíbios. É normal encontrar esses animais em lugares que acabaram de receber chuvas, mas a permanência dos bichos nessas áreas por mais tempo é um indicativo de que o sol pode demorar um pouco mais para aparecer.

Portanto, se você ouvir o coaxar de sapos e rãs perto de sua casa, é provável que a chuva esteja a caminho.

4. Corvos
Quando estiverem voando baixo, os corvos podem indicar a chegada de uma tempestade.

Assim como muitas outras aves, os corvos são animais muito inteligentes quando o assunto é previsão do tempo. Isso acontece porque os pássaros são muito sensíveis à pressão atmosférica. Ao voarem mais baixo do que o normal, os corvos podem estar passando a mensagem de que uma tempestade está a caminho.

5. Formigas
As formigas se recolhem para o formigueiro quando a chuva está chegando.

O comportamento das formigas também pode indicar a mudança do tempo. Ao fugir para o formigueiro e tampar os buracos para evitar inundações, esses animais dão um indicativo claro de que uma chuva está a caminho. A construção de um formigueiro também indica que os insetos “pressentem” que os próximos dias serão favoráveis a esse trabalho.

6. Tubarões
Ao sentir variações na pressão atmosférica, os tubarões nadam em águas mais profundas.

Da mesma forma que as aves, os tubarões (e alguns peixes) também são capazes de sentir variações mínimas na pressão atmosférica. Quando essas mudanças indicam a chegada de uma tempestade, esses grandes animais preferem nadar em águas mais profundas para fugir da turbulência causada por ventos e chuvas.

O retorno desses animais para águas mais superficiais também indica a bonança do tempo, mostrando que eles entendem que o pior já passou.

*Por Eduardo Harada
……………………………………………………………………………………..
*Fonte: megacurioso

Uma nota de 150 anos de Darwin está mudando a forma como plantamos florestas

Mais de 150 anos atrás, o biólogo vitoriano Charles Darwin fez uma observação poderosa: que uma mistura de espécies plantadas juntas geralmente cresce mais fortemente do que espécies plantadas individualmente.

Demorou um século e meio – ironicamente o tempo que leva para cultivar um carvalho – e uma crise climática fez com que os legisladores e proprietários de terras levassem a sério a ideia de Darwin e a aplicassem às árvores.

Não existe tecnologia humana que possa competir com as florestas pela absorção do dióxido de carbono atmosférico e seu armazenamento. A ideia de Darwin de cultivar muitas plantas diferentes juntas para aumentar o rendimento geral está agora sendo explorada por acadêmicos renomados, que pesquisam florestas e mudanças climáticas.

Cientistas e legisladores da Austrália, Canadá, Alemanha, Itália, Nigéria, Paquistão, Suécia, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos se reuniram recentemente para discutir se a ideia de Darwin fornece uma maneira de plantar novas florestas que absorvem e armazenam carbono com segurança.

Por que plantar mais florestas
Plantar mais florestas é uma ferramenta potente para mitigar a crise climática, mas as florestas são como máquinas complexas com milhões de peças. O plantio de árvores pode causar danos ecológicos quando realizado de forma inadequada, principalmente se não houver compromisso com a diversidade do plantio. Seguindo o pensamento de Darwin, há uma consciência crescente de que as melhores e mais saudáveis ​​florestas são aquelas com a maior variedade de árvores – e árvores de várias idades.

As florestas que seguem esse modelo prometem crescer duas a quatro vezes mais fortes, maximizando a captura de carbono e, ao mesmo tempo, maximizando a resiliência a surto de doenças, mudanças climáticas rápidas e condições meteorológicas extremas.

Em florestas mistas, cada espécie acessa diferentes fontes de nutrientes das outras, levando a rendimentos mais elevados em geral. E esses caules mais grossos são feitos principalmente de carbono.

As florestas mistas também costumam ser mais resistentes a doenças ao diluir as populações de pragas e patógenos, organismos que causam doenças.


A observação presciente de Darwin está escondida no capítulo quatro de seu famoso livro de 1859, A Origem das Espécies. Estudos desse “efeito Darwin” geraram uma vasta literatura ecológica. No entanto, ainda está tão fora do pensamento dominante sobre silvicultura que, até agora, poucos financiamentos importantes estiveram disponíveis para estimular o uso dessa técnica.

Darwin também descreveu a evolução por seleção natural, um processo pelo qual os genes evoluem para se adequar ao ambiente. Infelizmente para o planeta, a mudança ambiental induzida pelo homem ultrapassa a evolução dos genes para organismos maiores e de reprodução mais lenta, como as árvores.

Técnicas modernas de edição de genes – manejo direto do DNA – podem ajudar a acelerar as coisas, uma vez que um cuidadoso trabalho de laboratório identifica os genes-chave. Mas apenas a evolução da prática humana – isto é, mudar o que fazemos – é rápida e abrangente o suficiente para reequilibrar o ciclo do carbono e nos trazer de volta aos limites planetários seguros.

Árvores mais saudáveis ​​capturam mais carbono
Em nossa reunião, discutimos um estudo da propriedade de Norbury Park no centro da Inglaterra, que descreve como – usando o efeito Darwin e outras medidas sensíveis ao clima – a propriedade agora captura mais de 5.000 toneladas de dióxido de carbono por ano, tornando-a possivelmente a maior quantidade de carbono negativo em terra no Reino Unido. Estatísticas tão impressionantes não acontecem por acidente ou colocando algumas árvores no chão e esperando; é preciso cuidado e consciência ecológica.

Árvores de diferentes idades também fornecem continuamente madeira para colheita e, portanto, empregos estáveis, em total contraste com os outros métodos de silvicultura, onde grandes áreas são derrubadas e desmatadas ao mesmo tempo.

O governo do Reino Unido, como outras administrações, estabeleceu requisitos para o plantio responsável de árvores em grande escala. Esses requisitos continuam a ser revisados ​​e aprimorados. Ainda há questões vitais sobre quais árvores devemos plantar, onde devemos plantá-las e o que fazer com elas depois de crescerem.

Já foi dito que é impossível plantar uma floresta, mas certamente seria possível projetar uma plantação que florescerá em floresta para as gerações futuras. Precisamos que as florestas sejam uma resposta prática, confiável e justa às nossas crises de clima e biodiversidade, e Darwin nos mostrou o caminho.

*Por Julio Batista
……………………………………………………………………
*Fonte: universoracionalista

É fundamental pensar sobre o futuro…

Você já percebeu que sempre estamos pensando no futuro, fazendo projetos para ele, e mesmo tentando prevê-lo? Pois é… Essa é uma característica natural do ser humano, ou seja, a necessidade de procurar antecipar os tempos vindouros sempre está presente em nós. Assim, sempre proliferaram magos, adivinhos, horóscopos, etc. Tal comportamento faz parte de nossa natureza de seres pensantes, mas, segundo um provérbio árabe “aquele que prevê o futuro mente mesmo quando fala a verdade.”

Então sabemos que é impossível prever o futuro. Mas podemos prospectá-lo, com ferramental adequado, e então determinar com razoável precisão o que está para vir de encontro a nós. E mais: desvelando prováveis futuros, será possível preparar e moldar o futuro que nos toca mais proximamente… E isso é tremendamente importante! Mas o que seria prospectar? Segundo a OCDE – Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – o ato de prospectar, ou prospectiva, é realizar “tentativas sistemáticas para observar a longo prazo o futuro da ciência, da tecnologia, da economia e da sociedade com o propósito de identificar tecnologias emergentes que provavelmente produzam maiores benefícios econômicos e sociais”. Repare no verbo observar, para procurar identificar futuras tendências que possam resultar em progresso e “maiores benefícios econômicos e sociais”… Ou seja, segundo Maurice Blondel (1861 – 1949), polêmico filósofo francês que, dentre várias teorias por ele desenvolvidas, procurou estudar as relações entre a ação e o pensamento humanos e sua orientação histórica e social: “O futuro não é previsto. Ele é preparado”. Que afirmativa importante e verdadeira!

Pois é… Para tal, a prospectiva utiliza um ferramental bastante amplo, envolvendo várias áreas do conhecimento humano e observações detalhadas na área que se quer prospectar. Na realidade, ela não se preocupa com o futuro em si, mas sim com as tendências que possam ser aproveitadas com proveito para moldar o futuro, como Blondel citou. Um exemplo, mesmo que simples e carinhoso: é comum perguntar a uma criança: “O que você vai ser quando crescer”? Pergunta impossível de responder, mesmo para nós adultos, em relação ao que nos resta de tempo nesse mundo… No entanto, se observarmos bem a resposta e continuamente monitorarmos o comportamento da criança, poderemos descobrir nela tendências para uma moldagem de futuro, como dotes artísticos, habilidades marcantes, etc. E aí, quem sabe, ajudá-la em sua evolução, através da educação e formação acadêmica adequadas.

Outro exemplo, também muito comum: eu estava acompanhando minha esposa em algumas compras de roupas em uma loja de fábrica. Nós, maridos, sabemos como isto pode ser complicado e demorado, não é? Mas então, conversando com uma vendedora, perguntei como atualizam o estoque, e ela me respondeu que através do estudo detalhado de revistas femininas, viagens a grandes centros, observação de concorrentes, conversas com clientes, etc. Ou seja, prospectiva da próxima moda, na descoberta das novas tendências, para que os negócios da loja não sejam ultrapassados pela concorrência, ou mesmo para se sobrepujar a ela…

Ou seja, procurar enxergar as tendências nos permitirá planejar o que fazer para moldar nosso futuro, reduzindo incertezas e melhorando nosso conhecimento sobre algo que possa nos interessar em nossa carreira, no futuro de nossos filhos, no sucesso de nosso negócio. Prospectar é não esperar que a mudança aconteça para tomar providências, que podem ser tardias, mas sim atuar proativamente, até mesmo provocando a mudança desejada.

*Por Ademilson Ramos
…………………………………………………………………………………….
*Fonte: engenhariae

Um futuro sustentável e sem pobreza é possível para toda a humanidade, revela estudo

Existem recursos suficientes neste planeta para sustentar uma população três vezes maior do que a atual, e ainda fornecer um padrão de vida decente para todos, descobriram uma nova pesquisa.

Longe de nos levar de volta à ‘idade da pedra’, amplas reformas ambientais e econômicas poderiam levar nosso consumo global de energia de volta ao que era na década de 1960, quando o mundo era o lar de apenas 3 bilhões de pessoas.

Se fizermos isso da maneira certa, os pesquisadores pensam que até 2050, poderíamos sustentar uma população quase três vezes maior, com cada um de nós recebendo abrigo, alimentação, higiene adequada, saúde de alta qualidade, educação, tecnologia moderna e acesso limitado a veículos particulares e viagens aéreas.

Ao mesmo tempo, também poderíamos cortar nosso consumo global de energia em 60%.

Isso é apenas um quarto do que atualmente estimamos consumir até 2050 e, nesse cenário utópico, todos receberão a mesma fatia de bolo.

“Enquanto os funcionários do governo estão levantando acusações de que os ativistas ambientais ‘ameaçam nosso estilo de vida’, vale a pena reexaminar o que esse modo de vida deve implicar”, disse a economista ecológica Julia Steinberger da Université de Lausanne, na Suíça.

“Tem havido uma tendência de simplificar a ideia de uma vida boa na noção de que mais é melhor. Está claramente ao nosso alcance proporcionar uma vida decente para todos, ao mesmo tempo protegendo nosso clima e ecossistemas.”

O que “vida boa” significa é obviamente subjetivo, mas os autores dizem que se concentrarmos nossos esforços em moradias de baixo consumo de energia, transporte público generalizado e dietas pobres em alimentos de origem animal, poderemos estar no caminho certo para alcançar o “bem ‘para o maior número.

Embora alguns estudos sugiram que a Terra não está equipada para lidar com a vida de mais de 7 bilhões de pessoas , essas projeções são freqüentemente baseadas no crescimento econômico global contínuo, estilos de vida modernos de alto consumo e uma capacidade de carga fixa para o planeta.

Na realidade, abrir espaço igual para todas as novas pessoas esperadas em nosso planeta exigirá mudanças massivas e em grande escala nos hábitos de consumo global, implantação generalizada de tecnologia moderna e a eliminação da desigualdade global em massa, dizem os pesquisadores.

Mas os confortos diários da vida moderna podem não ter que mudar tanto. Na verdade, o novo estudo é uma refutação contra a “objeção populista clichê” de que os ambientalistas querem que todos nós voltemos aos tempos das cavernas.

“Sim, talvez”, escrevem os autores , irônico, “mas essas cavernas têm instalações altamente eficientes para cozinhar, armazenar alimentos e lavar roupas; iluminação de baixa energia em toda a extensão; 50 litros de água limpa fornecidos por dia por pessoa , com 15 litros aquecidos a uma temperatura confortável de banho; eles mantêm uma temperatura do ar em torno de 20 ° C ao longo do ano, independentemente da geografia; têm um computador com acesso a redes globais de TIC; estão ligados a extensas redes de transporte que fornecem ~ 5000-15.000 km de mobilidade por pessoa a cada ano através de vários modos; e também são servidos por cavernas substancialmente maiores, onde a saúde universal está disponível e outras que fornecem educação para todas as pessoas entre 5 e 19 anos. ‘”

Parece idílico para uma caverna, mas também é muito bom para o nosso planeta.

Hoje, apenas 17% do consumo global de energia vem de fontes renováveis, mas os autores dizem que isso é quase metade do que precisaríamos até 2050 para que seu cenário de ‘vida boa’ se concretize.

Para descobrir isso, os pesquisadores construíram um modelo de energia baseado em materiais considerados necessários para os humanos – desde um abastecimento regular de comida e água até conforto térmico e mobilidade. A forma como as mudanças climáticas impactarão esses fatores nos próximos anos também foi levada em consideração.

O modelo não é exatamente realista ou prático, mas mostra como poderíamos reorganizar nosso planeta para abrir espaço para uma população crescente.

Por um lado, o modelo exige que todo o estoque de moradias do mundo seja completamente substituído por novos edifícios avançados, que exigem muito pouco aquecimento ou resfriamento. Isso se aplica também a outros edifícios, incluindo aqueles para educação, saúde e indústria.

As chances de uma reforma global da habitação realmente acontecer são muito mais do que mínimas, e os autores admitem que a remoção de todos esses edifícios poderia consumir mais energia em um nível prático.

Ainda assim, quando o modelo da equipe já presumia que esses ‘retrofits’ avançados haviam sido construídos, suas previsões de energia finais quase não mudaram.

“No geral, nosso estudo é consistente com os argumentos de longa data de que as soluções tecnológicas já existem para apoiar a redução do consumo de energia a um nível sustentável”, disse o cientista ambiental e ambiental Joel Millward-Hopkins da Universidade de Leeds.

“O que acrescentamos é que os sacrifícios materiais necessários para essas reduções são muito menores do que muitas narrativas populares sugerem.”

O estudo atual é baseado em um grande modelo global e amplo, portanto, apresenta muitas limitações. A visão geral está focada apenas no consumo final de energia do mundo até 2050 e não aconselha as nações sobre como realmente chegar lá, o que é realmente a parte mais difícil.

Em vez disso, mostra-nos o que pode ser alcançado se nos empenharmos nisso. Ele traça a linha de chegada e agora cabe a nós cruzá-la.

“O trabalho atual tem pouco a dizer aqui em termos de especificidades” , admitem os autores , “mas há algumas coisas que podem ser ditas com mais certeza”.

O consumismo verde, por exemplo, que é notoriamente de classe média e branco, foi considerado uma resposta privilegiada e inadequada à crise climática.

A “busca indefinida” do crescimento econômico, junto com o desemprego e as enormes desigualdades, estão em oposição direta ao ambientalismo, dizem os autores, não importa o quanto as pessoas ricas tentem limitar suas pegadas individuais.

No momento, o mundo gasta a maior parte de sua energia durante o ano muito antes de realmente terminar , e muito disso está sendo impulsionado pelos ricos.

Sacrifícios claramente precisam ser feitos para um bem maior, não apenas para nivelar o campo de jogo para todos os humanos, mas para reduzir nossa dependência dos combustíveis fósseis e do materialismo em geral.

“Erradicar a pobreza não é um impedimento para a estabilização do clima, mas sim a busca pela riqueza não mitigada em todo o mundo”, argumenta Narasimha Rao, da Universidade de Yale.

*O estudo foi publicado na Global Environmental Change
……………………………………………………………………………………………………………………….
*Fonte: pensarcontemporaneo

Cientistas revelam locais que precisamos preservar para evitar caos climático

Pequena proporção da Terra hospeda toneladas de carbono em vegetação e solos irrecuperáveis até 2050

Um novo mapeamento detalhado identificou as florestas e turfeiras ricas em carbono que a humanidade não pode destruir se quiser uma catástrofe climática. A pesquisa foi publicada na revista Nature Sustainability e traz informações fundamentais.

Os cientistas identificaram 139 bilhões de toneladas (139 Gt) de carbono em árvores, plantas e solos como “irrecuperáveis”, o que significa que a regeneração natural não poderia substituir sua perda até 2050, data em que as emissões globais líquidas de carbono devem terminar para evitar os piores impactos de aquecimento global.

Entre as áreas que precisam ser preservadas estão as vastas florestas e turfeiras da Rússia, Canadá e Estados Unidos e as florestas tropicais na Amazônia, no Congo e no sudeste da Ásia. Pântanos de turfa no Reino Unido e manguezais e florestas de eucalipto na Austrália também estão na lista.

Só na última década, a agricultura, a extração de madeira e os incêndios florestais causaram a liberação de pelo menos 4 Gt de carbono irrecuperável, disseram os pesquisadores.

Além de combater o uso de combustíveis, acabar com o desmatamento é crucial para enfrentar a crise climática. Ao mesmo tempo em que o compromisso assumido na COP26 por grandes nações Brasil, China e Estados Unidos, em fazer isso até 2030 traz esperança, existe o receio em saber que uma promessa semelhante foi feita em 2014 e nunca foi cumprida.

“A PROTEÇÃO DO CARBONO IRRECUPERÁVEL, JUNTAMENTE COM A DESCARBONIZAÇÃO GENERALIZADA DAS ECONOMIAS MUNDIAIS, TORNARÁ MAIS PROVÁVEL UM CLIMA SEGURO, AO MESMO TEMPO QUE CONSERVA ÁREAS IMPORTANTES PARA A BIODIVERSIDADE.”

O carbono irrecuperável da Terra é altamente concentrado, mostraram os pesquisadores. Metade dela é encontrada em apenas 3,3% das terras do mundo, tornando os projetos de conservação focados altamente eficazes.

Segundo a pesquisa, apenas metade do carbono irrecuperável está atualmente em áreas protegidas, mas incluir 5,4% das terras do mundo nestas áreas de proteção a garantiria 75% do carbono irrecuperável.


Indígenas: os melhores guardiões

Os povos indígenas foram reconhecidos pela ONU como os melhores protetores da terra, mas apenas um terço do carbono irrecuperável é armazenado em seus territórios reconhecidos. Os estoques irrecuperáveis ​​de carbono se sobrepõem fortemente às áreas de rica vida selvagem, portanto, sua proteção significa a preservação em massa da vida selvagem.

“Essas são as áreas que realmente não podem ser recuperadas em nossa geração – é o carbono de nossa geração que deve ser protegido. Mas com o carbono irrecuperável concentrado em uma área relativamente pequena de terra, o mundo poderia proteger a maioria desses lugares essenciais para o clima até 2030”, explica a principal autora do estudo, Monica Noon, da Conservation International.

“DEVEMOS PROTEGER ESSE CARBONO IRRECUPERÁVEL PARA EVITAR UMA CATÁSTROFE CLIMÁTICA – DEVEMOS MANTÊ-LO ENTERRADO.”

A pesquisa descobriu que 57% do carbono irrecuperável estava em árvores e plantas e 43% em solos, principalmente turfa. As turfeiras globais armazenam mais carbono do que as florestas tropicais e subtropicais, concluiu.

Segundo os cientistas, a proteção do carbono irrecuperável deve envolver o fortalecimento dos direitos dos povos indígenas, encerrando as políticas que permitem a destruição e ampliação das áreas protegidas.

Carbono irrecuperável em áreas ameaçadas

A Rússia, fortemente atingida por incêndios florestais nos últimos anos, abriga o maior estoque de carbono irrecuperável com 23%. O Brasil está em segundo lugar e os índices de desmatamento do país vem batendo recordes sucessivos desde a eleição de Jair Bolsonaro. O Canadá e os EUA ocupam o terceiro e quinto lugares – juntos, os países que também vêm sendo palco de grandes incêndios florestais, acumulam 14% do carbono irrecuperável do mundo. As áreas úmidas do sul da Flórida são outro importante depósito de carbono irrecuperável.

A Austrália abriga 2,5% do carbono irrecuperável do mundo, em seus manguezais costeiros e ervas marinhas, bem como florestas no sudeste e sudoeste, que foram também foram atingidas por grandes incêndios em 2019 e 2020. No Reino Unido, as turfeiras cobrem 2 milhões de hectares e armazenam 230 milhões de toneladas de carbono irrecuperável há milênios, mas a maioria está em más condições.

As turfeiras e os manguezais são focos de carbono irrecuperável, devido à sua alta densidade de carbono e ao longo período que precisariam para se recuperar, que podem chegar a séculos.

As florestas tropicais são menos densas em carbono e crescem relativamente rápido, mas permanecem críticas por causa das áreas muito grandes que cobrem.

*Por Natasha Olsen
…………………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Mudanças climáticas: bebês de hoje enfrentarão 7 vezes mais ondas de calor no mundo que seus avós

Um bebê recém-nascido ainda nem teve tempo de contribuir – como todos nós fazemos, com nossos hábitos de consumo e alimentares e uso de combustíveis – para as emissões de gases poluentes que causam o aquecimento global.

Apesar disso, esse bebê vai sofrer exponencialmente mais do que seus avós com as mudanças climáticas em curso no planeta.

Na prática, crianças nascidas em 2020 devem enfrentar, ao longo de sua vida, uma média de sete vezes mais ondas de calor extremo do que alguém que nasceu em 1960. Em alguns países, esse aumento é de até dez vezes.

As conclusões são de um estudo recente publicado na revista Science, a partir de projeções sobre tamanho e idade da população global, temperaturas futuras e eventos climáticos extremos, com base nas informações do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC na sigla em inglês).

Se, além das ondas de calor, outros tipos de eventos climáticos extremos forem colocados nessa conta, estima-se que a nova geração passará por uma incidência média 2 a 7 vezes maior de queimadas, secas, enchentes, tempestades tropicais e quebras de safras (colheitas menos proveitosas) ao longo de suas vidas, em comparação com a geração nascida 60 anos atrás.

“Quanto mais jovem você for, maior será o aumento da exposição a extremos climáticos. Ou seja, as gerações mais jovens são as que têm mais a perder, especialmente os recém-nascidos”, explica à BBC News Brasil o principal autor do estudo, o cientista climático Wim Thiery, da Universidade Vrije de Bruxelas (Bélgica).

“Também podemos pensar ao contrário: quanto mais jovem você for, mais você pode se beneficiar se aumentarmos nossas ambições e reduzirmos o aquecimento global”, principalmente se for possível manter o aquecimento dentro do limite de até 1,5°C estabelecido no Acordo Climático de Paris em 2015, que tem se tornado uma meta cada vez mais remota, na visão de muitos observadores climáticos.

“Para as gerações mais jovens, aumentar as ambições tem um efeito direto sobre suas vidas”, conclui Thiery.

Do calor de quase 50°C no verão do Canadá a enchentes na Alemanha e secas mais prolongadas no Brasil, os eventos climáticos extremos são uma das principais consequências diretas das mudanças climáticas.

Segundo um importante relatório do IPCC divulgado em agosto, todo o planeta já enfrenta alterações no ciclo da água, que provocam desde chuvas mais volumosas – e enchentes -, até secas mais intensas.

“Sob um aquecimento global de 1,5°C, haverá aumento de ondas de calor, estações quentes mais longas e estações frias mais curtas”, explicou o painel da ONU em agosto.

Se esse aumento da temperatura global for ainda maior, sob 2°C, “extremos quentes vão, com mais frequência, alcançar limites de tolerância para a agricultura e a saúde”.

‘Vida sem precedentes’

Se, por terem mais tempo de vida pela frente, as crianças serão as mais afetadas, Thiery e seus colegas afirmam que o aquecimento global já deixa toda a população global sujeita a uma “vida sem precedentes”.

“Descobrimos que todas as pessoas que têm entre zero e 60 anos hoje viverão uma vida sem precedentes, sob mais ondas de calor e quebra de safra, independentemente de sua idade ou do alcance das mudanças climáticas”, diz o cientista.

“Os que têm menos de 40 anos, além disso, sofrerão com muito mais enchentes e secas, mesmo no cenário mais ambicioso de aquecimento de até 1,5°C. Os mais jovens são os que têm mais a perder, mas todos os que estão vivos hoje estão sob condições que chamamos de um ‘território ainda não navegado’.”

Para mostrar isso de modo mais concreto, a Universidade Vrije criou uma calculadora chamada My Climate Future (meu futuro climático).

Nela, uma pessoa pode prever o aumento dos eventos climáticos em sua vida a partir do ano em que nasceu, do lugar onde vive e com base em três cenários – o mais otimista, de um planeta 1,5°C mais quente; o mediano, em média 2,4°C mais quente, com base na trajetória atual e nas promessas e compromissos climáticos assumidos até agora; e um mais pessimista e altamente quente.

As regiões do mundo onde o sofrimento vai ser mais agudo e sentido por mais pessoas, segundo os cálculos de Thiery, são o Oriente Médio e o norte da África e a África Subsaariana.

Mas as estimativas para o resto do mundo estão longe de serem animadoras.

Na América Latina, uma criança nascida em 2020 vai enfrentar, em relação a alguém nascido em 1960:

– 50% mais chances de sofrer com incêndios

– Duas vezes e meia mais chances de viver sob quebras de safras

– O dobro de secas e enchentes

– 4,5 vezes mais ondas de calor

“E temos motivos científicos para crer que os números estão subestimados. Porque nós só analisamos mudanças na frequência em eventos extremos, mas eles também mudam em intensidade (como furacões mais intensos) e em duração (como ondas de calor mais longas e mais quentes)”, prossegue Wim Thiery.


Injustiças climáticas

Os efeitos disso são sentidos em cadeia: ondas de calor prejudicam a saúde, deixando crianças e idosos, em especial, mais sujeitos a hospitalizações. Quebras de safras afetam o preço e a oferta de comida. Enchentes, inundações e secas intensificam movimentos migratórios globais.

E, novamente, quanto mais jovens e mais pobres forem as pessoas afetadas, maior será o seu fardo.

“Embora não quantifiquemos isso em nosso estudo, não há dúvidas de que esse aumento na exposição a mudanças climáticas tem consequência, por exemplo, na habilidade de aprender, na saúde, na mortalidade e na produtividade laboral”, aponta Thiery.

“Por isso dizemos que limitar o aquecimento global é uma questão de proteger o futuro das jovens gerações.”

As conclusões do cientista e seus colegas ajudaram a embasar um relatório da ONG Save the Children a respeito do peso desigual e injusto das mudanças climáticas sobre quem contribuiu menos com a crise.

“Quando ranqueados por renda, os países 50% mais ricos são responsáveis por 86% do cumulativo das emissões globais de CO2, enquanto a metade mais pobre é responsável por apenas 14%”, diz a ONG.

“Apesar disso, são as crianças de países de renda média e baixa que vão enfrentar o maior peso das perdas e danos à saúde e ao capital humano, à terra, à herança cultural, ao conhecimento indígena e local e à biodiversidade que resultam das mudanças climáticas. (…) Elas herdaram um problema que não foi causado por elas.”

Thiery usa mais números para evidenciar esse peso desigual, primeiro sobre as crianças e, em segundo lugar, sobre as crianças pobres, em regiões que ainda estão em fase de crescimento populacional.

“Na Europa e na Ásia Central, nasceram 64 milhões de crianças entre 2015 e 2020. Essas crianças vão enfrentar quatro vezes mais extremos climáticos nas condições atuais do que alguém que vivesse num mundo sem mudanças climáticas”, diz.

“No entanto, nesse mesmo período de 2015 a 2020, nasceram 205 milhões de crianças na África Subsaariana, que vão enfrentar seis vezes mais extremos climáticos. Então elas não apenas sofrerão mais, como também são um grupo mais numeroso.”

Por isso, argumenta o cientista, mitigar os efeitos das mudanças climáticas é uma questão de “justiça intergeneracional e internacional”.

A conferência mais recente do clima (COP26), em Glasgow, foi concluída em 13 de novembro com avanços e limitações.

De um lado, o acordo final do evento fala em cortar as emissões de CO2 em 45% até 2030 em comparação com 2010 e exige que os países apresentem já no ano que vem novos compromissos de redução de gases do efeito estufa.

No entanto, não houve consenso em torno de pôr fim ao uso do carvão e a subsídios a combustíveis fósseis, um dos principais “vilões” do aquecimento global.

De modo geral, a percepção de ambientalistas é de que os compromissos assumidos até o momento pelos países parecem ser insuficientes para assegurar que a Terra não vai esquentar mais de 1,5°C.

Não por acaso, argumenta Thiery, os formuladores desses compromissos são pessoas mais velhas, que não terão tempo de sentir na pele a maior parte dos efeitos climáticos do futuro.

“Por isso os mais jovens viraram organizadores de protestos e greves pedindo políticas climáticas mais ambiciosas – porque as pessoas que hoje ocupam os espaços de poder não devem sentir as consequências de suas decisões, gerando um potencial conflito intergeracional”, afirma.

Ele lembra que já existe uma onda internacional de processos judiciais de cunho climático sendo abertos contra governos de várias partes do mundo – muitos desses processos movidos por jovens que se sentem feridos em seus direitos humanos por conta de políticas climáticas.

De modo geral, diz o cientista, tem mudado a percepção de que as mudanças climáticas são um problema de um futuro distante, que prejudicarão pessoas abstratas, ainda não nascidas.

“Os dados mostram que é (um problema que) está aqui, agora, afetando todas as pessoas do mundo: todas as gerações vivendo hoje, em todos os países, especialmente os mais jovens, sofrerão as consequências negativas”, ele agrega, para concluir:

“As perspectivas são sombrias, mas há também uma mensagem clara de que se reduzirmos as mudanças climáticas, vamos reduzir essa escalada de extremos climáticos e proteger o futuro de pessoas reais, que já estão vivas.”

………………………………………………………………………
*Fonte: epocanegocios

Estudo da NASA afirma que teremos mais inundações até 2030 por conta da órbita da Lua

Um estudo da National Aeronautics and Space Administration (NASA) afirma que teremos mais inundações até 2030, por conta da oscilação na órbita da Lua.

A pesquisa foi publicada no Nature Climate Change, onde afirma que até a década de 2030, o número de inundações deve aumentar entre três e quatro vezes.

De acordo com a pesquisa realizada, é devido ao derretimento acelerado das partes geladas, causado pelo aquecimento global, que as inundações serão mais evidentes.

Como resultado, com o nível do mar subindo de forma crescente, a Lua poderá exercer ainda mais a sua influência nas marés.

Mais inundações até 2030 é quase inevitável
A Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos realizou um anúncio, onde informou que o mar já está apresentando recordes de elevação.

Do ano de 1880 até hoje, o nível do mar subiu aproximadamente 24 centímetros (cm) e até 2100, o nível aumentará entre 0,3 metros e 2,5m.

Essa diferença (0,3 m a 2,5 m), depende da nossa capacidade de gerenciar emissões de gases do efeito estufa. No entanto, também há a interferência da Lua.

A oscilação na órbita da Lua tem um período que é capaz de causar mais marés altas e menos marés baixas.

Segundo a agência espacial norte-americana, essa oscilação é responsável por inverter a chamada “influência lunar” nas marés, uma vez a cada 18,6 anos.

A previsão é que na década de 2030 o aquecimento global já terá aumentado o nível do mar em um nível em que as cheias de rios, inundações, transbordamentos de córregos e outros desastres deverão causar um grande problema.

“É o efeito cumulativo disso ao longo do tempo que trará o maior impacto. Se tivermos 10 a 15 inundações por mês, um negócio não poderá operar com o seu estacionamento submerso em água. As pessoas perderão empregos porque não conseguirão sair de casa. Fossas sépticas transbordarão dejetos e se tornarão um problema de saúde pública”

Phil Thompson, autor do estudo e professor na Universidade do Havaí

Em seu estudo, a NASA recomendou medidas de planejamento para a situação que deverá ocorrer, pois acredita que a situação beira o inevitável.

Segundo Ben Hamlington, outro autor da pesquisa e também cientista do Laboratório de Propulsão a Jato da agência, é importante compreender que todos esses eventos poderão ocorrer de forma próxima.

Segundo Hamlington, podem ocorrer em um mês ou dois de proximadade, ou então poderá haver inundações mais severas na segunda metade de um ano, por exemplo.

*Por Rafael Pires Jenei
………………………………………………………………………………………
Fonte: engenhariahoje

Protótipos movidos a energia solar que coletam água do ar podem ajudar bilhões de pessoas

Mesmo quando não há nuvem no céu, sempre há água circulando na atmosfera.

Comparado com todo o H2 0 na Terra, não há muito lá em cima – apenas cerca de 0,001 por cento – mas em áreas de alta umidade, mesmo essa pequena quantidade de umidade pode ser suficiente para fornecer água potável para um bilhão de pessoas.

A hidratação está aí para ser tomada. Tudo o que precisamos fazer é descobrir como obtê-la.

Se pudermos criar um dispositivo econômico e fora da rede que usa energia solar para coletar líquidos do céu, um novo jornal estima que poderíamos produzir 5 litros de água por dia em regiões sem fontes de água potável.

Infelizmente, não funcionará em todos os lugares. Parece estar havendo uma diminuição no retorno dos dispositivos de coleta de água atmosférica em locais que são muito secos, especificamente aquelas regiões que estão abaixo de 30% de umidade relativa.

Nos trópicos, entretanto, esses dispositivos hipotéticos poderiam hidratar milhões. Dois terços das pessoas sem água potável gerenciada com segurança vivem atualmente em áreas tropicais, especialmente na África, Sul da Ásia e América Latina.

No Google e em algumas pequenas start-ups, os pesquisadores já estão trabalhando em protótipos. O dispositivo de propriedade da Alphabet tem apenas um metro quadrado e usa apenas algumas células solares fotovoltaicas para gerar energia e liquidificar a água retirada do ar.

Quando a equipe testou a tecnologia emergente no ano passado, eles produziram 150 mililitros de água por hora por metro quadrado.

Um novo artigo dos autores agora usa uma ferramenta geoespacial para calcular o potencial desses dispositivos, dados os padrões globais de umidade, temperatura do ar e radiação solar.

Suas conclusões iniciais precisarão ser verificadas por mais trabalho, mas as descobertas sugerem que se um dispositivo fora da rede e econômico pode ser projetado, dimensionado e executado ao longo do dia, ele poderia servir para hidratar cerca de metade de todas as pessoas em o mundo que atualmente não tem acesso a fontes de água limpa.

A água retirada do ar não será suficiente para as pessoas usarem nas plantações ou para cozinhar ou limpar, mas com o contínuo desenvolvimento tecnológico, os pesquisadores acreditam que esses protótipos poderão um dia fornecer água potável suficiente para cerca de um bilhão de pessoas.

Infelizmente, a partir de agora, esses dispositivos são muito caros para tornar isso uma realidade. Ainda assim, pesquisadores da “Moonshot Factory” do Google argumentam que os protótipos atuais têm o potencial de ser de baixo custo.

Esses dispositivos incluem apenas algumas peças móveis e são feitos de materiais amplamente disponíveis. O processo de fabricação só precisa ser ampliado e, embora isso exija tempo e dinheiro dos investidores, os autores argumentam que vale a pena o esforço.

Atualmente, cerca de 2,2 bilhões de pessoas no mundo não têm acesso a água potável gerenciada de forma segura. As áreas do interior separadas do litoral são especialmente vulneráveis, mas mesmo no Pacífico tropical, o aumento dos mares devido às mudanças climáticas ameaça engolir as fontes de água doce em várias ilhas.

Um dispositivo que permite aos habitantes locais derramar uma bebida do céu pode salvar milhões de vidas e manter algumas regiões do mundo habitáveis ​​por muito mais tempo em meio a uma crise climática global.

Dada a incerteza de água potável no futuro, seríamos tolos se não continuássemos a buscar o potencial desses protótipos.

O maior sonho é criar um coletor de água atmosférico que possa funcionar em regiões áridas e úmidas, produzindo água a um custo de um centavo por litro.

No momento, os pesquisadores da empresa de propriedade da Alphabet, X, estão estagnados em 10 centavos o litro, então eles decidiram compartilhar os projetos com o mundo. Sua esperança é que alguém possa pegar o que aprendeu até agora e torná-lo lucrativo.

O estudo foi publicado na Nature

………………………………………………………………………………..
*Fonte: sabersaude

Copo comestível de café substitui descartáveis

Startup na Austrália desenvolve copinho à base de biscoito que resiste a bebidas quentes e frias.

Beber um cafezinho e após o último gole saborear o próprio copo. Esta é a proposta da startup australiana Good Edi, responsável por desenvolver copos comestíveis. O produto é feito de aveia, grãos e outros ingredientes naturais.

O negócio surgiu como uma alternativa de redução à produção de lixo gerado pelos copos descartáveis de café disponibilizados “para viagem”. A ideia foi das amigas Aniyo Rahebi e Catherine Hutchins, que se uniram nesta empreitada após mais de uma década de experiência profissional em embalagem e processamento de alimentos. Foram necessários 18 meses de desenvolvimento para se chegar ao copo à base de biscoito. O mais difícil, segundo elas, foi garantir que o copo comestível resistisse a líquidos quentes.

Com apoio de financiamento coletivo, as ideias e pesquisas saíram do papel. O copo pode manter sua forma por várias horas e é projetado para suportar uma bebida quente por até 45 minutos sem perder a crocância.

Além disso, o copinho é livre de sabores artificiais ou conservantes e produzido 100% com ingredientes livres de origem animal. Apesar de pensado para ser consumido, o copo se quebrará naturalmente se for descartado.

Financiamento
O copo Good-Edi ganhou o primeiro lugar no Programa Hatch Accelerator do Taronga Zoo, que apoia a inovação destinada a enfrentar os desafios ambientais urgentes. O prêmio garantiu o principal subsídio de financiamento. Em seguida veio o bem sucedido financiamento coletivo, baseado em recompensas, e por fim a dupla ainda realizou uma rodada de financiamento inicial que atraiu investidores.

Leia também: Na Nova Zelândia, um modelo de copo comestível já foi testado em voos comerciais.

*Por Marcia Sousa
……………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

Poluição por plásticos deve duplicar até 2030

A cada ano, até 37 milhões de toneladas de lixo vão parar nos oceanos. Reverter tal cenário é possível.

Como parte das ações prévias à COP26, que terá início no próximo domingo (31) em Glasgow, na Escócia, o Pnuma (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) divulgou um relatório em que afirma que a poluição causada por plásticos pode duplicar até 2030. As consequências são terríveis para a saúde, economia, biodiversidade e clima.

Os dados são do relatório “Da Poluição à Solução: Uma Análise Global sobre Lixo Marinho e Poluição Plástica”.

Para reduzir a poluição por plásticos, a agência da ONU propõe o fim dos subsídios e que os combustíveis fósseis sejam substituídos por fontes de energia renovável. O Pnuma acredita ser possível reverter essa crise, desde que haja vontade política e ação urgente.

O relatório mostra que em 2015, as emissões de gases de efeito estufa causadas por plásticos eram equivalentes a 1,7 gigatoneladas de CO2. Mas até 2050, a projeção é de que as emissões aumentem para 6,5 gigatoneladas.

Os autores do estudo destacam que algumas alternativas para a crise dos plásticos também são nocivas ao meio ambiente, incluindo plásticos biodegradáveis, que causam “uma ameaça similar aos plásticos convencionais”.

O documento do Pnuma também apresenta algumas falhas do mercado, como os baixos preços de combustíveis fósseis virgens, na comparação com preços de materiais reciclados, e falta de esforços para o manejo do lixo causado por plásticos. A agência pede a “redução imediata na produção e no consumo de plásticos”.

A diretora-executiva do Pnuma, Inger Andersen, afirma que o levantamento traz “argumentos científicos fortes sobre a urgência em agir pela proteção dos oceanos”.

Atualmente, os plásticos representam 85% do lixo marinho, mas até 2040, esse volume irá triplicar. A cada ano, até 37 milhões de toneladas de lixo vão parar nos oceanos, representando 50kg de plástico por cada metro de área litorânea.

Por conta disto, plânctons, mariscos, pássaros, tartarugas e mamíferos enfrentam graves riscos de sufocamento, intoxicação, problemas de comportamento e fome.

O Pnuma revela que o corpo humano também está vulnerável à poluição por plásticos, já que partículas são ingeridas durante o consumo de peixes, de bebidas e até do sal comum. Os microplásticos podem também penetrar nos poros e serem inalados quando estão suspensos no ar.

O relatório revela ainda os impactos para a economia: até 2040, poderá haver um risco financeiro anual de US$ 100 bilhões para as empresas, se os governos exigirem que a indústria cubra os custos do manejo do lixo.

Um aumento nos resíduos plásticos também pode levar a um aumento do descarte ilegal de resíduos a nível nacional e internacional.

O relatório pede a redução imediata dos plásticos, incentiva a transformação de toda a cadeia de valor envolvida e indica que há necessidade de reforçar os investimentos em sistemas de monitoramento muito mais abrangentes e eficazes para identificar a origem, escala e destino do plástico, bem como o desenvolvimento de uma estrutura de risco, que atualmente não existe globalmente.

O estudo conclui que é necessária uma mudança para abordagens circulares, incluindo práticas de consumo e produção sustentáveis, o desenvolvimento e adoção rápida de alternativas pelas empresas, e uma maior conscientização do consumidor para encorajar escolhas mais responsáveis.

Uma redução drástica do plástico desnecessário, evitável e problemático é crucial para enfrentar a crise global de poluição, segundo o relatório que pode conferir na íntegra, em inglês: From Pollution to Solution: A Global Assessment of Marine Litter and Plastic Pollution.

As informações são da Pnuma.

……………………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo