Árvores podem fazer cidades pouparem 500 milhões de dólares ao ano

Quando se fala dos benefícios das árvores nas cidades sempre tem aqueles que pensam “lá vem o ecochato”. O que tais pessoas não imaginam é que os benefícios ambientais se estendem também para o bolso, o que garante mais economia em muitos setores cruciais para o funcionamento de uma cidade. Um estudo publicado em 2017 mostrou os resultados aproximados deste ganho em dólares.

Após estudar 10 megacidades em cinco continentes e levando em consideração a poluição do ar, as águas pluviais, energia e emissões de carbono, os pesquisadores descobriram que as árvores têm um benefício econômico de cerca de 505 milhões de dólares a cada ano.

Estudiosos do SUNY College of Environmental Science and Forestry e Parthenope University of Naples descobriram que as árvores valem 1,2 milhão de dólares por quilômetro quadrado ou 35 dólares per capita.

Usando um aparelho de cobertura de árvores chamado i-Tree, os pesquisadores conseguiram estimaram os diversos benefícios. “As árvores têm benefícios diretos e indiretos para resfriar edifícios e reduzir o sofrimento humano durante as ondas de calor”, afirma o principal autor do estudo, Dr. Theodore Endreny, da Faculdade de Ciências Ambientais e Florestas (ESF) de Nova York.

“O benefício direto é a sombra que mantém a área urbana mais fria, o benefício indireto é a transpiração de águas pluviais que transforma o ar quente em um ar mais frio”, completa Theodore.

A cobertura de árvores em áreas metropolitanas varia de 8.1% para 36%, mas o potencial de tais cidades é muito maior, começando com 15,6%. Para Endreny, as megacidades podem aumentar esses benefícios em média em 85% apenas plantando mais árvores.

Confira alguns números levantados na pesquisa:

– Reduções da poluição do ar gera economia de 482 milhões de dólares por ano

– Redução da quantidade de águas pluviais processadas pelas usinas de águas residuais economiza 11 milhões de dólares

– Redução das emissões de carbono economiza 8 milhões de dólares por ano

– Redução no aquecimento e resfriamento de energia economiza 500 mil dólares por ano.

“Uma consciência mais profunda do valor econômico dos serviços gratuitos fornecidos pela natureza pode aumentar a nossa vontade de investir esforços e recursos na conservação, de modo que a riqueza social, a estabilidade econômica e o bem-estar também aumentariam. Com esta pesquisa conjunta, criamos na nossa universidade um Laboratório de Bem-estar Urbano, administrado conjuntamente por pesquisadores e stakeholders locais”, afirma um dos co-autores, o professor Sergio Ulgiati da Parthenope University of Naples, na Itália.

As cidades estudadas foram: Pequim, China; Buenos Aires, Argentina; Cairo, Egito; Istambul, Turquia; Londres, Grã-Bretanha; Los Angeles, Estados Unidos; Cidade do México, México; Moscou, Rússia; Mumbai, Índia; e Tóquio, Japão.

Falar que é preciso mais espaços verdes para tornar as cidades mais habitáveis ou humanas pode não ser o melhor argumento para os gestores públicos, apesar de serem muito válidos. Neste caso, quando a única conversa que se entende é do dinheiro, vale usar esta pesquisa.

*Por Marcia Sousa

…………………………………………………………………………
*Fonte: ciclovivo

Níveis crescentes de dióxido de carbono podem nos tornar mais burros

Novas pesquisas sugerem que as concentrações de dióxido de carbono na atmosfera podem levar ao comprometimento da cognição humana até o final do século.

É claro que esse destino poderá ser evitado se o mundo reduzir com êxito as emissões de carbono, embora ironicamente esse impacto da mudança climática possa realmente prejudicar nossa capacidade de resolver o problema em si.

O ar com uma alta concentração de dióxido de carbono pode elevar os níveis de dióxido de carbono no sangue, reduzindo a quantidade de oxigênio que chega ao cérebro, aumentando a sonolência, os níveis de ansiedade e prejudicando a função cognitiva.

É um efeito semelhante à sensação sonolenta que você sente após ficar sentado em um quarto abafado por horas.

Desde que começamos a queima excessiva de combustíveis fósseis no século 19, os níveis de dióxido de carbono em nossa atmosfera aumentaram e atualmente alcançam mais de 410 partes por milhão (ppm), maior do que em qualquer ponto dos últimos 800.000 anos .

Em 2100, os níveis de dióxido de carbono ao ar livre podem chegar a 930 ppm, se as tendências atuais de emissões continuarem, enquanto as concentrações em ambientes fechados podem chegar a 1400 ppm – um nível muito superior aos níveis já experimentados pelos seres humanos.

Relatados na revista GeoHealth , cientistas liderados pela Universidade do Colorado Boulder acreditam que este último nível interno de dióxido de carbono será mais que suficiente para ver algum declínio na função cognitiva.

Pelas estimativas, as habilidades básicas de tomada de decisão podem ser reduzidas em cerca de 25% e o pensamento estratégico complexo pode ser reduzido em 50%.

“Nesse nível, alguns estudos demonstraram evidências convincentes de comprometimento cognitivo significativo”, disse a coautora Anna Schapiro, professora assistente de psicologia da Universidade da Pensilvânia, em comunicado.

“Embora a literatura contenha algumas descobertas conflitantes e muito mais pesquisa seja necessária, parece que domínios cognitivos de alto nível, como tomada de decisão e planejamento, são especialmente suscetíveis ao aumento das concentrações de CO2”.

A equipe de pesquisa analisou as tendências atuais das emissões globais e as emissões urbanas localizadas para ver como isso afetaria os níveis de dióxido de carbono em ambientes internos e externos e, por sua vez, o impacto na cognição humana.

Eles admitem que esse é um problema complexo, portanto, suas pesquisas podem não levar em consideração todas as variáveis.

No entanto, eles observam que atualmente não há muita pesquisa sobre a conexão entre a função cognitiva e o aumento das emissões de dióxido de carbono.

*Por Dadvson Filipe

………………………………………………………………
*Fonte: realidadesimulada

Biopack, a caixa de ovos que você pode plantar e produzir legumes

Parece uma caixa normal de ovos convencional. No entanto, uma vez terminada, sua tarefa não acaba no lixo, pois essa embalagem é capaz de fazer brotar e oferecer novas vidas. Chama-se Biopack e ganhou recentemente o prêmio Young Balkan Designers 2019.

Projetada por George Bosnas, a Biopack é um caixa compacta feita de polpa de papel, farinha, amido e sementes orgânicas de legumes . Uma vez utilizados os ovos contidos no interior, não deve ser simplesmente jogada fora, mas regadas ou plantadas diretamente no solo.

Dessa forma, as sementes contidas em suas fibras são transformadas dia após dia em plantas.

“A reciclagem é uma forma de gerenciamento de resíduos que envolve a conversão de resíduos e outros materiais usados ​​em produtos reutilizáveis. Mas vale a pena? É um processo de várias etapas, que envolve o transporte, classificação, processamento e produção de materiais em novos produtos. É difícil avaliar seu consumo total de energia “, explica o criador no site oficial.

De fato, segundo Bosnas, a reciclagem ainda apresenta inúmeros desafios, uma vez que os processos atuais ainda são complicados, caros e nem sempre totalmente ecológicos. Em vez disso, é necessário repensar o conceito de descartável, mesmo em muitos recipientes clássicos de ovos, geralmente feitos de plástico.

Daí a opção de dar vida nova a um produto imediatamente, em vez de aumentar a quantidade de resíduos:

“O Biopack é uma embalagem projetada para ser ecológica em todos os níveis. O objetivo é criar um produto verdadeiramente ecológico “.

A caixa pode conter até quatro ovos. Uma vez esvaziada, não deve ser jogada fora, mas plantada e regada. Em 30 dias, as sementes vão brotar para dar vida a novas plantas

As embalagens sustentáveis ​​não apenas criam um sistema de ciclo completo que transforma um produto em uma planta, mas, segundo Bosnas, o crescimento de leguminosas também aumentará a fertilidade do solo.

Uma invenção que provavelmente não mudará o mundo, mas oferecerá uma pequena contribuição para torná-lo mais limpo e mais verde.

 

 

 

……………………………………………………………….
*Fonte: pensarcontemporaneo

Abelhas são declaradas os seres vivos mais importantes do mundo

A ciência já descobriu que as abelhas podem estar viciadas em agrotóxicos. Os pesticidas causam a morte das produtoras de mel e seu desaparecimento pode acabar com a humanidade. Graças a isso, não foi uma grande surpresa quando, há 10 anos, o Royal Geographical Society de Londres declarou as abelhas como seres vivos insubstituíveis.

O anúncio fez parte de uma competição denominada Earthwatch, cuja final foi entre as abelhas e os plânctons. Durante a apresentação, cientistas apresentavam argumentos para defender cada uma das espécies e as pessoas presentes deveriam votar em qual ser elas consideravam mais importante.

As abelhas foram defendidas pelo Dr. George McGavin. Ele explicou ao público que 250 mil espécies de flores dependem das abelhas para se reproduzir. Além disso, muitas frutas e vegetais também ganham uma ajudinha delas, que tem impacto em cerca de 90% da produção de alimentos no mundo.

Sua importância é tanta que a cidade de Curitiba está espalhando abelhas sem ferrão em seus parques, como uma forma de disseminar árvores nativas. Na Suécia, foi erguido até mesmo um monumento para celebrar nossas amigas voadoras.

 

…………………………………………………………………..
*Fonte: contioutra

Drones no Canadá vão plantar 40 mil árvores em 1 mês

A restauração florestal no Canadá ganhou um aliado tecnológico. Os pequenos veículos aéreos vão sobrevoar uma área queimada por incêndios ao norte de Toronto, a maior cidade do país. O objetivo é plantar 40 mil árvores só neste mês.

O projeto é conduzido pela empresa canadense de reflorestamento Flash Forest. Sua maior meta é plantar um bilhão de árvores até 2028. Para tanto, garante que consegue plantar 10 vezes mais rápido e com 20% dos custos das técnicas tradicionais.

Muitos especialistas defendem que o plantio de árvores é a maneira mais rápida e barata de frear as mudanças climáticas. Um estudo publicado na Science em 2019 afirmou que, além de preservar as florestas que já existem, a solução contra o aquecimento global seria o mundo plantar 1,2 trilhão de árvores.
Tecnologia

Alcançar números tão grandiosos requer mais que força humana. E as inovações tecnológicas junto a ciência são essenciais neste processo. No caso da Flash Forest, o foco do plantio é em áreas pós-colheita e pós-incêndio. A empresa usa software de mapeamento aéreo, tecnologia de drones, pneumática, automação e ciência ecológica.

Durante testes do projeto-piloto, em outubro de 2019, a companhia plantou 165 árvores em apenas três minutos com o uso de um único drone. Também o despejo de nutrientes no solo é feito com drones.

Após o plantio, a empresa retorna para acompanhar o andamento das mudas.

Outro ponto importante é a priorização das espécies nativas. Para isso, trabalham com bancos de sementes locais.

Drones em projetos ambientais

Monitoração, fiscalização e preservação ambiental são apenas algumas das áreas que podem ser auxiliadas pelo uso de drones. No CicloVivo já trouxemos exemplo de seu uso na coleta de lixo nas praias, na fiscalização da Amazônia peruana e também como meio de chegar a áreas remotas – como no ambicioso plano de Madagascar em plantar 60 milhões de árvores e no transporte de medicamentos em Ruanda.

*Por Marcia Sousa

………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Sujar-se de terra é o mais moderno e eficaz antidepressivo de acordo com este estudo

Com a depressão já diagnosticada como a doença do século XXI, em um mundo cada vez mais tomado por medicamentos como a agomelatina, amitriptilina, escitalopram, mirtazapina e paroxetine – entre tantos outros – , a busca por tratamentos e terapias alternativas e naturais, que não provoquem dependência nem efeitos colaterais, cresce na mesma proporção com que se fabricam mais e mais remédios para a depressão. Para além da ingestão de ingredientes naturais, certas práticas podem também ser eficazes no combate a esse mal – e uma delas é tão antiga e natural quanto nossa própria existência enquanto espécie: fazendo jus ao nome do planeta em que vivemos, sujar as mãos na terra pode ter um efeito contra a depressão mais salutar do que poderíamos imaginar.

Engana-se, porém, quem pensa que tal tratamento em potencial se restringe ao prazeroso efeito terapêutico que o ato de mexer na terra, cuidando de plantas, por exemplo, pode nos trazer. Uma pesquisa conduzida por cientistas do Departamento de Fisiologia Integrada e do Centro de Neurociência da Universidade do Colorado, e publicada na revista Neuroscience, sugere que, para além do prazer desse bom hábito de sujar as mãos, uma bactéria específica do solo pode ajudar a combater diversos processos inflamatórios – inclusive transtornos psiquiátricos e outros males psíquicos ligados, por exemplo, ao estresse.

Intitulada Mycobacterium vaccae, a bactéria estudada pode ter um papel importante na regulação de nosso comportamento emocional. “Os seres humanos co-evoluíram com estas bactérias por mais de mil anos, e elas têm demonstrado afetar o sistema imunológico de uma maneira a eliminar inflamações. Isto significa que estas bactérias podem ser úteis na prevenção ou no tratamento de doenças com processos inflamatórios”, diz Christopher Lowry, professor e um dos líderes da pesquisa. Lembrando que os ser humano é um ecossistema que precisa dos muitos microbios presentes no nosso corpo. “As pessoas geralmente assumem que os benefícios para a saúde da exposição aos espaços verdes são devidos ao exercício. Na verdade dois grandes estudos agora demonstram que, embora o exercício seja definitivamente bom para você, o contato com a biodiversidade microbiana é a explicação mais provável para o efeito do espaço verde.”, diz.

As pesquisas ainda não definem, no entanto, quanto tempo de exposição e qual a melhor maneira de vivenciar essas atividades para alcançar maiores benefícios à saúde. De todo, a exposição através não só do contato manual, mas da própria respiração a esses organismos ambientais presentes na natureza possuem a capacidade reduzir inflamações. Naturalmente que o combate à depressão deve ser feito com o devido acompanhamento médico – mas sujar as mãos na terra pode e deve ser seguido como uma recomendação científica.

*Por Vitor Paiva

……………………………………………………………………………………
*Fonte: hypeness

A natureza no mundo pós-Covid-19

“Quando vier a Primavera, se eu já estiver morto, as flores florirão da mesma maneira e as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada.” – Alberto Caeiro.

Desde o início da pandemia causada pela Covid-19, estou com esse poema do Alberto Caeiro na cabeça. Ele diz muito, não só sobre a sabedoria da vida simples do autor (um dos pseudônimos de Fernando Pessoa), mas sobre o nosso lugar no mundo. O novo coronavírus tem nos mostrado como somos frágeis. Um organismo microscópico foi capaz de desacelerar a economia dos países, nos prender em casa, desestabilizar instituições.

Na coluna anterior, mencionei que a chave para evitarmos pandemias desse tipo – e outras mazelas como a crise climática – é ter uma agenda global sustentável, exatamente como propõem os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Pensar na sustentabilidade como elemento transversal a todas nossas atividades e setores da sociedade é imperativo e acho que essa pandemia tem mostrado as consequências de não se pensar assim.

No entanto, também acho que o buraco é mais embaixo. Tenho visto muita gente comentar que essa doença vai aumentar nossa percepção sobre o papel da natureza. Que vai nos fazer repensar nosso impacto no mundo. Será?

Infelizmente, não ando tão otimista. Pode ser efeito do isolamento social, mas minha impressão é que vamos sair piores, pelo menos do ponto de vista ambiental. Isso porque imagino que os países vão querer “tirar o atraso” de uma economia estagnada ou em retrocesso. Uma busca desenfreada pelo aumento do PIB, entre outros indicadores, vai criar uma pressão ainda maior sobre os recursos naturais, aumentando nosso impacto e gerando ainda mais desigualdade social – um dos grandes problemas no enfrentamento da Covid-19.

‘Mas Rafael, e a diminuição da poluição atmosférica? E os peixes e águas vivas nos canais de Veneza? E os golfinhos aqui e acolá? E as cabras nas ruas?’ Bom, primeiro, tudo isso é muito interessante, mas vai desaparecer novamente quando retomarmos o ritmo frenético do avanço econômico. Em segundo lugar, para mim, o que temos visto é nada mais, nada menos que a prova de que o grande problema do mundo somos nós mesmos. É difícil constatar isso, mas precisamos sair de nossa visão antropocêntrica. A natureza não precisa de nós. Ao contrário, somos nós que precisamos dela.

“O Ailton Krenak escreveu que o novo coronavírus discrimina a humanidade e que o pé de melão-de-são-caetano continua crescendo ao lado da casa dele”

O que o Alberto Caeiro diz é exatamente isso. Se desaparecermos do planeta, a primavera virá da mesma maneira. O Ailton Krenak escreveu que o novo coronavírus discrimina a humanidade e que o pé de melão-de-são-caetano continua crescendo ao lado da casa dele. Fato. Essa nossa ideia de que a natureza precisa de nós para não desaparecer é tão desatinada quanto aquela um homem que ateia fogo em sua casa, para depois se dizer herói por ter controlado o incêndio.

Esse contrassenso não nos exime, entretanto, da responsabilidade moral de conservar e reparar os estragos que fizemos na natureza. Até porque, quando se ateia fogo em casa, mas não se vive sozinho, você pode ser responsabilizado pelas mortes que se sucedem antes do controle do incêndio. O próprio Ailton diz que somos piores que a Covid-19. É difícil discordar. Portanto, é preciso retomar nosso lugar no mundo como parte da natureza e não como seres acima dela. Sem essa percepção, não há ODS que resolva, não há pandemia que nos faça refletir, não há ambientalismo que seja suficiente.

Será que vamos aprender algo com essa situação? Quantos irão associar as condições nas quais estamos vivendo ao uso insustentável do planeta? Será que vamos apenas adiar nossos compromissos e retomar tudo como era antes? São muitas perguntas para refletir durante esses dias. Se ignorarmos tudo o que vem acontecendo, seguiremos o pensamento indutivista de que tudo é como sempre foi e viveremos no (e do) passado.

Olhar para o futuro requer repensar nossas escolhas e definir novos caminhos. As economias fragilizadas precisarão de planos para sua retomada. Que momento será melhor que esse para desenvolver um plano “verde”? Um plano que considere o desenvolvimento sustentável, a primazia dos serviços ecossistêmicos e a manutenção da natureza como componente essencial à nossa sobrevivência? Assim como no século passado, precisamos (agora o mundo inteiro) de um “New Deal” do século 21.

“Será que vamos aprender algo com essa situação? Quantos irão associar as condições nas quais estamos vivendo ao uso insustentável do planeta?”

 

Esse plano deveria incluir programas que prevejam investimentos maciços em obras públicas, mas com matéria-prima, processos e tecnologia sustentáveis; que garantam a ampliação de uma agricultura sustentável e de baixo carbono e o controle das cadeias de valor e produção para que sejam justas e ambientalmente amigáveis; que tenha como objetivo a valorização do trabalho à distância (incluindo home office), visando abrir novos postos e, finalmente, que traga um apelo à diversidade, a fim de integrar em nossa sociedade minorias produtivas, mas atualmente (e tradicionalmente) marginalizadas. Vejam, mais uma vez, que essa ideia já faz parte dos ODS e da agenda 2030 da ONU.

Finalmente, retomo minha ideia inicial: tudo isso seria para que nós mesmos pudéssemos sobreviver em meio à natureza. Se nos formos, o mundo continuará igual. É na crise que as decisões mais importantes são tomadas. Torço agora para que essas decisões – que já foram sugeridas há décadas – sejam, finalmente, entendidas como corretas.

*Por Rafael Loyola

……………………………………………………………………………..
*Fonte: oeco

Energia renovável reduzirá 97% do consumo de água na geração elétrica

Além do seu papel fundamental na descarbonização do setor elétrico mundial, as fontes de energia renováveis também ajudariam a reduzir o seu consumo de água em até 97%.

É o que mostra o resultado de um estudo feito por um time de pesquisadores da Universidade de Tecnologia da Lappeenranta, na Finlândia, e divulgado na revista Nature Energy.

De acordo com o estudo, para produzir os mesmos 1 megawatt-hora (MWh) de energia, a tecnologia fotovoltaica consome entre 2% e 15% da água utilizada por usinas nucleares e a carvão.

Turbinas eólicas, por sua vez, consomem entre 0,1% e 14% dessa mesma quantidade.

Segundo os pesquisadores, essa demanda insignificante de água representa um ganho duplo para as tecnologias renováveis, que já apresentam quase zero emissões de CO2 na geração.

Para o estudo, o time coletou dados de 13.863 usinas termoelétricas acima de 50 Megawatts (MW) de capacidade, que juntas somaram mais de 4,1 Gigawatts (GW).

Isto representa mais de 95% da geração térmica mundial, disseram os pesquisadores, que utilizaram essa informação para traçar projeções do consumo de água no setor elétrico mundial dentro do período 2015-2050.

Caso o melhor cenário de políticas fosse adotado, o estudo afirma que o consumo de água na geração elétrica mundial poderia ser reduzido em 75,1% até 2030, em relação aos níveis de 2015.

Para 2050 essa redução poderia chegar a 97,7%, mas exige que muitas termelétricas nucleares e por combustão fóssil sejam desativadas e substituídas por fontes de geração limpas.

No entanto, o estudo revela que o gás natural continuará crescendo em regiões como a China, Coréia do Sul e Rússia, onde o consumo de água deverá permanecer grande.

Em 2015, os Estados Unidos foi o maior consumidor de água para geração de energia convencional, com uma participação mundial de 35,7%, seguidos pela China com 31,5%.

Os pesquisadores concluem que água poupada pelas fontes renováveis poderia ser destinada para a produção de alimentos ou para o cultivo de ecossistemas aquáticos.

Este artigo foi originalmente publicado em EcoDebate. 

………………………………………………………………………………..
*Fonte: socientifica

Lixo no Brasil, um problema ainda longe da solução

Análise do Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2018/2019, lançado em novembro de 2019 pela Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) é de assustar. Em 2018, o Brasil produziu, em média, 79 milhões de toneladas de lixo, uma variação de pouco menos de 1% em relação ao ano anterior. Na América Latina somos os campeões. Está previsto que em 2030 alcançaremos a cifra de 100 milhões de toneladas. Vale ressaltar que o Panorama continua sendo o único relatório de âmbito nacional com números atualizados anualmente, oriundos de fonte primária, compilados e tratados com base em critérios científicos. É deste relatório os dados que ora apresentamos.
infográfico sobre o lixo no brasil (Fonte: Abrelpe).

 

 

 

 

Dos 79 milhões de toneladas de lixo no Brasil, quantas foram coletadas?

Quem responde é a Abrelpe: “os dados revelam que, em 2018, foram geradas no Brasil 79 milhões de toneladas. Um aumento de pouco menos de 1% em relação ao ano anterior. Desse montante, 92% (72,7 milhões) foi coletado.”A associação comenta: “Por um lado, isso significa uma alta de 1,66% em comparação a 2017. Ou seja, a coleta aumentou num ritmo um pouco maior que a geração. Por outro, evidencia que 6,3 milhões de toneladas de resíduos não foram recolhidas junto aos locais de geração.”

A destinação do lixo no Brasil

“A destinação adequada em aterros sanitários recebeu 59,5% dos resíduos sólidos urbanos coletados: 43,3 milhões de toneladas, um pequeno avanço em relação ao cenário do ano anterior. O restante (40,5%) foi despejado em locais inadequados por 3.001 municípios.”

29,5 milhões de toneladas acabaram nos lixões

“Ou seja, 29,5 milhões de toneladas de RSU (Resíduos Sólidos Urbanos) acabaram indo para lixões ou aterros controlados, que não contam com um conjunto de sistemas e medidas necessários para proteger a saúde das pessoas e o meio ambiente contra danos e degradações.”

Saiba quanto produz de lixo, em média, cada cidadão

Somos todos partes do problema. É como no caso do aquecimento global, ou a acidificação dos oceanos. Estes fenômenos não foram criados por um ente demoníaco, mas são consequências de usos e costumes de oito bilhões de terráqueos. Quem são os responsáveis se não nós mesmos? Este site se esmera em mostrar que nossas chagas jamais serão resolvidas por um salvador da pátria que aguarda a hora de sair de seu casulo e resolver nossos problemas. Eles só serão sanados quando todos, cidadãos e governos, fizerem suas partes. Aos números da Abrelpe: “Entre 2017 e 2018, a geração de RSU no Brasil aumentou quase 1% e chegou a 216.629 toneladas diárias. Como a população também cresceu no período (0,40%), a geração per capita teve elevação um pouco menor (0,39%). Isso significa que, em média, cada brasileiro gerou pouco mais de 1 quilo de resíduo por dia.”
Lixo no Brasil e a coleta seletiva segundo a Abrelpe

“A pesquisa permite estimar que quase três quartos dos municípios brasileiros fazem algum tipo de coleta seletiva. Em muitos deles, porém, essas atividades são incipientes e não abrangem todos os bairros. A quantidade de cidades que dispõem de tais serviços elevou-se em todas as regiões, com destaque para o Nordeste e o Centro-Oeste (aumento de 8% e 9%, respectivamente).”

Aterros e lixões, chagas nacionais, recebem mais de 80 mil toneladas de resíduos por dia

“Das 72,7 milhões de toneladas coletadas no Brasil em 2018, 59,5% tiveram disposição final adequada e foram encaminhadas para aterros sanitários – uma expansão de 2,4% em relação ao valor total do ano anterior. Porém, unidades inadequadas como lixões e aterros controlados ainda têm participação significativa (23% e 17,5%, respectivamente). Estão presentes em todas as regiões e recebem mais de 80 mil toneladas de resíduos por dia, com elevado potencial de poluição ambiental e impactos negativos à saúde.”

Recursos aplicados na gestão do lixo

Eis aí um dado que pode ajudar os eleitores. É preciso ficar de olho nos políticos, e respectivas plataformas. Afinal, trata-se de dinheiros públicos, ou seja, nossos impostos. Vejamos o que fizeram em 2017/2018. “Apesar de o percentual de resíduos coletados ter crescido em todas as regiões entre 2017 e 2018, os investimentos na coleta e nos demais serviços de limpeza urbana recuaram. Na coleta foram aplicados R$ 10 bilhões por ano (média de R$ 4 por habitante ao mês).

Aportes por região do Brasil

A tendência de queda mostrou um pouco mais de força no Sul (queda de 2,0%) e no Sudeste (-1,5%). Os aportes tiveram ligeira alta no Centro-Oeste (1,2%) e no Norte (1,4%). Contudo, mesmo nessas duas regiões, se for considerado o aumento da população, o investimento per capita ficou estável. No país, o declínio foi de 1,47%. Quando se consideram outros serviços (varrição, limpeza e manutenção de parques e jardins, limpeza de córregos…), a queda é mais expressiva: 2,17% no Brasil (2,54% no índice per capita).

Alguns comentários

Segundo o Estadão, ‘A produção de lixo no Brasil tem avançado em ritmo mais rápido do que a infraestrutura para lidar de maneira adequada com esse resíduo’. Carlos Silva Filho, diretor presidente da Abrelpe, falou ao jornal. Para ele ‘o tipo de material consumido atualmente, que é mais descartável, é o grande responsável por esse avanço da produção de lixo.’ Também vale ressaltar que passaram-se nove anos da vigência da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que trazia como meta o fim dos lixões até 2014. Somo o País do futuro, ou o das promessas? Arriscamos, os dois.

Aumento de consumo e descarte indiscriminado

Segundo Carlos Silva Filho, “Há um aumento do próprio consumo e do descarte indiscriminado. Não há uma separação dos resíduos no descarte dentro de casa, não há um processo de sensibilização da população para consumir produtos mais sustentáveis”, afirmou. “O Brasil ainda tem um processo de produção, consumo e descarte de resíduos do século passado.”

Investimento em infraestrutura

Carlos Silva Filho: “Enquanto o mundo fala em economia circular e avança na energia renovável a partir de resíduo, nós ainda temos um déficit no Brasil de lixão a céu aberto em todas as regiões e pouca coleta seletiva na cidade. É preciso agilizar o investimento de infraestrutura adequada para receber esse resíduo e tratar esse resíduo como recurso. Aproveitá-lo melhor na reciclagem, geração de energia, transformação em matéria-prima e não simplesmente um material descartado que não tem serventia.”

A quem cabe a gestão dos resíduos?

Carlos Filho responde: “A gestão de resíduos no Brasil é de titularidade dos municípios. A grande maioria é pequena e não consegue fazer uma gestão de maneira isolada. Portanto, precisam buscar solução conjunta para esse tema, principalmente buscar uma fonte de remuneração contínua para que possam justamente não só ter infraestruturas necessárias, planta de reciclagem e unidade de aproveitamento energético, mas também para custear todo esse serviço que é feito diariamente.”

*Por João Lara Mesquita

……………………………………………………………………..
*Fonte: marsemfim

Nossos avós sabiam viver sem plástico: um mundo sem ele é possível

A presença de plástico na vida das pessoas hoje registra níveis preocupantes e causa grandes conseqüências para o meio ambiente.

Não é segredo para ninguém que o plástico representa um dos elementos mais poluentes do planeta devido à sua difícil decomposição e longa durabilidade.

Um estudo da Science Advances revelou que 8 milhões de toneladas métricas de plástico acabam no oceano a cada ano. O equivalente à presença de cinco sacolas de compras para cada 30 centímetros nas costas do mundo.

Isso ocorre porque a produção em massa de plástico excede 8,3 bilhões de toneladas. Dos quais 6.300 foram convertidos em resíduos plásticos, enquanto apenas 9% foram reciclados.

Proteja o planeta do plástico

A presença crescente de plástico representa uma grande ameaça para os seres humanos, animais e o meio ambiente. Uma vez que sua forte composição causa efeitos negativos nos ecossistemas e até a morte de espécies como tartarugas ou pinguins.

Embora seu uso represente um benefício imediato na rotina diária, na realidade, a longo prazo, torna-se um elemento perigoso. Afetar e modificar a vida dos seres vivos e o ambiente em que estão. Especialmente considerando que raramente é armazenado ou reciclado corretamente.

É por isso que nos últimos anos, governos mundiais e organizações ambientais recomendam o uso de outras alternativas. Ao recorrer a materiais biodegradáveis ou reutilizáveis ​​que, ao contrário do plástico, não têm consequências para a Terra.

Sob essa premissa, vários especialistas criaram novas alternativas para substituir, tanto quanto possível, o uso desse elemento na vida cotidiana. Com o objetivo de erradicar completamente a presença de plástico em nossas vidas e no meio ambiente.

No entanto, a resposta para esse problema pode estar em nossas casas. Desde os tempos antigos, os ancestrais conseguiam realizar suas atividades diárias sem a necessidade de plástico. Utilizar alternativas naturais ou caseiras (como bolsas de pano), para as quais não era necessária a presença de sacolas, contêineres ou garrafas desse elemento perigoso.

Sem dúvida, um mundo livre de plástico, é possível, leva apenas as ideias, educação e conscientização certas. Para que as novas gerações conheçam os perigos que o plástico oferece ao nosso planeta, às nossas vidas e ao meio ambiente em geral.

*Por Viviane Regio

………………………………………………………………………..
*Fonte: sabedoriapura

Os animais estão se tornando noturnos para evitar humanos

A atividade humana está fazendo com que os mamíferos do planeta fujam da luz do dia para a proteção no escuro da noite, de acordo com um novo estudo da Universidade da Califórnia em Berkeley (UC Berkeley).

O estudo, publicado na revista científica Science, e apoiado em parte pela National Science Foundation (NSF), representa o primeiro esforço para quantificar os efeitos globais da atividade humana nos padrões diários de atividade da vida selvagem. Os resultados destacam o processo poderoso e amplamente difundido pelo qual os animais alteram seu comportamento ao lado das pessoas: a perturbação humana está criando um mundo natural mais noturno.

“As perdas catastróficas em populações de animais selvagens e habitats como resultado da atividade humana estão bem documentadas, mas as maneiras mais sutis pelas quais afetamos o comportamento animal são mais difíceis de detectar e quantificar”, disse em um comunicado da UC Berkeley a estudante de doutorado e principal autora do estudo, Kaitlyn Gaynor.

Gaynor, juntamente com os coautores Justin Brashares e Cheryl Hojnowski, da UC Berkeley, e Neil Carter, da Boise da State University, aplicaram uma abordagem de meta-análise, usando dados de 62 espécies em seis continentes para procurar mudanças globais no tempo de atividade diária de mamíferos em resposta a influência dos seres humanos. Esses dados foram coletados por várias abordagens, incluindo câmeras disparadas remotamente, GPS e colares de rádio e observação direta. Para cada espécie em cada local de estudo, os autores quantificaram a diferença na noturnalidade animal sob baixa e alta perturbação humana no ambiente.

Em média, segundo o estudo, os mamíferos foram 1,36 vez mais noturnos em resposta a distúrbios humanos. Isso significa que um animal que naturalmente divida sua atividade uniformemente entre o dia e a noite aumentou sua atividade noturna para 68% quando em ambiente próximo a pessoas.

Esse achado foi consistente entre espécies de carnívoros e herbívoros de todos os tamanhos de corpos maiores que um quilograma (pequenos mamíferos não foram incluídos no estudo). O padrão também se aplica a diferentes tipos de distúrbios humanos, incluindo atividades como caça, caminhadas, mountain biking e infraestrutura, como estradas, assentamentos residenciais e agricultura.
Castor-europeu (Castor fiber) no centro de uma grande cidade francesa. (Créditos da imagem: Lauren Gesli).

“Nós examinamos os efeitos antropogênicos sobre os padrões de atividade dos mamíferos, conduzindo uma meta-análise de 76 estudos de 62 espécies de seis continentes. Nosso estudo global revelou um forte efeito dos seres humanos nos padrões diários da atividade da vida selvagem. Os animais aumentaram a sua noturnalidade por um fator médio de 1,36 em resposta a perturbações humanas”, relataram os pesquisadores.

De acordo com Brashares, professor do Departamento de Ciência, Política e Administração Ambiental e principal autor do estudo, as consequências da mudança comportamental na vida selvagem podem ser vistas através de lentes contrastantes. “Do lado positivo, o fato de que a vida selvagem está se adaptando para evitar humanos temporariamente pode ser visto como um caminho para a coexistência de humanos e animais selvagens em um planeta cada vez mais lotado”, disse Brashares. “No entanto, os padrões de atividade animal refletem milhões de anos de adaptação — é difícil acreditar que podemos simplesmente espremer a natureza na metade escura de cada dia e esperar que ela funcione e prospere”.

No artigo, os autores descrevem uma gama de potenciais consequências negativas das mudanças que relatam na vida selvagem, incluindo desequilíbrios entre o ambiente e as características de um animal, perturbação do comportamento normal de forrageamento, aumento da vulnerabilidade a predadores não humanos e aumento da concorrência. Eles ressaltam, no entanto, que, embora muitos dos estudos incluídos em sua meta-análise tenham documentado um claro aumento na atividade noturna, poucos examinaram as consequências para os animais, populações ou ecossistemas individuais.

“Esperamos que nossas descobertas possam abrir novos caminhos para a pesquisa da vida selvagem em paisagens dominadas por humanos. Ainda temos muito a aprender sobre as implicações dos padrões alterados de atividade para o manejo de populações de animais selvagens, interações entre espécies e até mesmo a evolução induzida pelo homem”, disse Gaynor.

*Por Igor Almeida

………………………………………………………………………
*Fonte: ciencianautas

Crise hídrica pode assolar o Brasil em 2030, afetando milhões de pessoas

Em 2030, aumento da demanda de água poderá conduzir milhões de brasileiros a uma crise hídrica, aponta relatório.

No dia Mundial da Água (22/3), a Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES) lançou o relatório temático “Água: biodiversidade, serviços ecossistêmicos e bem-estar humano no Brasil”. O Brasil é o país com a maior reserva mundial de água, concentrando 12% da disponibilidade hídrica superficial do planeta, vastos reservatórios de água subterrânea e uma circulação atmosférica que distribui umidade entre diversas regiões, sendo capaz de regular o clima de todo o continente sul-americano. Embora a pujança neste recurso, o estudo aponta que diferenças regionais e o mal-uso causam escassez e baixa qualidade da água no país. De acordo com o documento, em 2030, a demanda de água terá aumentado 2000% em relação aos últimos 100 anos, o que conduziria milhões de brasileiros a uma crise hídrica, caso nenhuma ação seja tomada.

A economia brasileira é extremamente dependente de seus recursos hídricos e da biota aquática. Cerca de 65% da energia no país é gerada por meio de usinas hidrelétricas e a agricultura, que contribui com 25% do PIB nacional, consome aproximadamente 750 mil litros de água por segundo, sem considerar o abastecimento humano e o uso da água pela indústria. O estudo aponta que a distribuição e a demanda são muito desiguais no país pelos mais diferentes aspectos, tais como ocorrência de secas, inundações, ameaças à biodiversidade, aplicação de instrumentos políticos, além do monitoramento da qualidade e quantidade das águas superficiais e subterrâneas.

O relatório foi preparado por 17 especialistas vinculados a instituições públicas e privadas de diversos setores relacionados à temática. No documento são apontadas as principais ameaças (mudanças climáticas, mudanças no uso do solo, fragmentação de ecossistemas e poluição) e direções para um melhor manejo e conservação dos recursos hídricos no país (mudanças na gestão, integração entre agências e setores envolvidos e desenvolvimento de estratégias de conservação focadas nos múltiplos usos da água).

O trabalho aborda a questão da água sob a dimensão de sua importância como recurso hídrico, mas também como um componente-chave da biodiversidade. Estima-se que cerca de 40% do território nacional possua níveis de moderado a elevado para a biodiversidade aquática. Cerca de 10% das espécies de peixes continentais está sob risco de extinção e mais de 50% das espécies identificadas como ameaçadas no país são de peixes e invertebrados aquáticos. O diagnóstico é acompanhado pelo Sumário para Tomadores de Decisão, documento que traz as principais informações-chave para gestores púbicos e privados.

………………………………………………………………………
*Fonte: socientifica

Enzima mutante pode decompor resíduos plásticos em poucas horas

A cada dia que passa, nós chegamos mais perto do colapso ambiental. Problemas no meio ambiente, como aquecimento global e buraco na camada de ozônio, são uma ameaça à vida humana, como também é um perigo para a permanência de qualquer ser vivo no planeta Terra. Mas um dos problemas ambientais que mais preocupam é a poluição, e suas consequências.

Dessas, uma forma que está mais evidente é a poluição de plástico que é descartado na natureza. O material pode demorar até mais de 600 anos para se decompor no meio ambiente. De acordo com o estudo de especialistas no assunto, o tempo médio de biodegradação do plástico é de 50 anos para copos plásticos, 200 anos para canudinhos e cerca de 450 anos para garrafas plásticas.

A poluição de plástico acarreta uma infinidade de consequências naturais. Por isso mesmo, o homem deveria ter mais cuidado com o que faz com os produtos ou resíduos de plástico.

Para tentar resolver esse problema, pesquisadores da empresa de desenvolvimento industrial Carbios criaram uma enzima bacteriana mutante que consegue quebrar garrafas de plástico para serem recicladas em apenas algumas horas.
Ação

A reciclagem é uma forma de reaproveitar as matérias-primas que são descartadas e nesse sentido, reciclar significa diminuir a quantidade de resíduos que vêm dos produtos que já foram consumidos pelo ser humano.

A enzima criada pela empresa consegue quebrar garrafas PET de plástico em seus compostos químicos individuais. E eles podem ser neutralizados depois para que se possa fazer novas garrafas.

O plástico reciclável que é feito pelo processo convencional, chamado “termomecânico”, não tem uma qualidade suficientemente alta para que possa ser usado de novo para fazer outras garrafas. Por isso ele é suado para fazer outros produtos, como por exemplo roupas e tapetes.

A reutilização desse plástico também não é só uma questão ambientalista. As empresas podem economizar se beneficiando dessa enzima. Por isso a Carbios fez uma parceria com os principais líderes da indústria, incluindo grandes empresas como Pepsi e L’Oreal, para que eles a ajudassem a desenvolver a tecnologia. E a revista “Nature” publicou um artigo falando sobre essa descoberta.
Enzima

Chamada “PET hydrolase” essa enzima pode quebrar 90% dos polímeros PET em somente 10 horas. “Esta enzima otimizada e altamente eficiente supera todas as hidrolases de PET relatadas até agora”, diz o resumo do artigo.

Essa nova enzima foi identificada pela primeira vez em 2012 em um monte de folhas compostadas.”Foi completamente esquecido, mas acabou sendo o melhor”, disse Alain Marty, da Université de Toulouse, na França, e o diretor científico da Carbios.

Além da vantagem conhecida, essa nova enzima é bem econômica em termos de produção. Segundo os pesquisadores, fabricar um plástico novo a partir do petróleo seria 25 vezes mais caro.

“É um verdadeiro avanço na reciclagem e fabricação de PET”, disse Saleh Jabarin, professor da Universidade de Toledo, Ohio e membro do Comitê Científico da Carbios.

De acordo com Marty, os pesquisadores esperam conseguir testar o potencial industrial e comercial desse material em 2021.

“Nosso objetivo é estar em operação até 2024, 2025, em larga escala industrial”, disse o vice-executivo da Carbios Martin Stephan.

*Por Bruno Dias

……………………………………………………………………………
*Fonte: fatosdesconhecidos

National Geographic lança série de animação com biomas brasileiros

A National Geographic Brasil estreia no Dia Mundial da Terra, 22 de abril, o Nat Geo Ilustra, projeto de vídeos animados com duração de 1 minuto que apresenta os biomas brasileiros. Uma série de reportagens sobre os biomas também será publicada no site oficial da National Geographic.

Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pantanal e Pampa são representados em pílulas televisivas que destacam suas floras e faunas – com animais como a ararinha-azul da Caatinga e o mico-leão-dourado da Mata Atlântica. Os vídeos irão ao ar no dia 22 de abril, a partir das 10h, no National Geographic e National Geographic Wild.

Os conteúdos mostram também as particularidades e características dos biomas de forma didática, facilitando o entendimento de quem assiste, ao mesmo tempo em que entretêm.

“É um prazer apresentar esse projeto que é totalmente produzido por colaboradores da National Geographic, com ilustrações de Keryma Lourenço. A proposta do Nat Geo Ilustra é ter uma animação abstrata com narração informativa”, explica Mariana Balieiro, produtora da área digital.

Este projeto foi idealizado pelas equipes de Creative Services e Online da National Geographic no Brasil e liderado por Keryma Lourenço e Mariana Balieiro. Os vídeos serão exibidos durante os comerciais da programação especial do #DiadaTerra, ao longo do dia, e também vão estar disponíveis no canal do Youtube do National Geographic.

Além disso, para enfatizar a importância dos biomas para a preservação do meio ambiente e de milhares de espécies que neles vivem, o canal publicará uma série de reportagens com informações completas sobre cada um dos biomas em seu site.

Escritas por João Paulo Vicente, as reportagens serviram como base para os roteiros dos vídeos do #NatGeoIlustra e completam a imersão no mundo dos biomas brasileiros. Para desenvolver os materiais, a equipe realizou entrevistas com dezenas de pesquisadores, elaborou infográficos e buscou referências para definir a identidade visual.

As matérias oferecem ao leitor uma visão ampla sobre cada bioma, além de abordar sua importância, as dificuldades que existem em estudá-los e o que pode ser feito para ajudar na preservação desses ecossistemas únicos.

……………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Agricultores voltam ao método antigo: combater pragas plantando flores silvestres em vez de usar produtos químicos

O uso de pesticidas já comprovou que prejudica o meio ambiente. Com isso, muitos agricultores estão voltando a utilizar antigos métodos para controlar o número de pragas existentes em plantações. Essa método antigo, se chama método biológico de controle das pragas. Muito eficaz, o método consiste em plantar flores que evitam de maneira natural que as pragas destruam as plantações.

Os métodos que comprovam riscos para a saúde de um modo geral e até mesmo para o cultivo, são os típicos de agricultura que utilizam os pesticidas para controlar as pragas que interferem do crescimento e no lucro das lavouras.

Outras questão que causa preocupação são os prejuízos que os pesticidas nocivos causam para as abelhas, além disso estes afetam ainda a saúde os trabalhadores que estão trabalhando nas lavouras. Como se não bastasse as pragas acabam se fortalecendo e aumentando suas capacidades para suportar a exposição contínua dos pesticidas. Espera-se portanto, que esse método antigo seja muito mais eficaz contra os pragas nas plantações.

O método de plantar flores silvestres estão em volta das novas plantações. De fato é um processo utilizado desde muitos anos pelos antigos agricultores e fazendeiros. De modo que os canteiros de flores oferecem um lar para os predadores benéficos de pragas, como é o caso de vespas parasitas. As vespas são insetos que agem beneficiando porque gostam de comer pulgões e suas larvas.

As tiras de flores que agora estão sendo cultivadas se chamam “estradas dos insetos”. Elas ficam plantadas entre as plantações. Para se ter uma ideia, quando misturados com ervas, estudos evidenciam que essas tiras de flores são muito ativas na diminuição de prejuízos das folhas associado às culturas.

Nesse sentido, constata-se que o método antigo acrescenta a biodiversidade e solicita o controle seguro e natural de pragas, embora esse método não combata inteiramente a existência de algumas pragas nas lavouras, no entanto colabora para uma população de pragas fraca a ponto de não danificar expressivamente e nem interferir no desenvolvimento da colheita. Um fator muito importante quanto o controle de pragas.

*Por Rejane Regio

………………………………………………………………..
*Fonte: cantinholive

Não, o Sol não é responsável pelo aquecimento global

O gráfico abaixo compara as mudanças globais de temperatura da superfície (linha vermelha) e a energia do Sol recebida pela Terra (linha amarela) em watts (unidades de energia) por metro quadrado desde 1880.

As linhas mais claras / mais finas mostram os níveis anuais enquanto as mais pesadas / linhas mais grossas mostram as tendências médias de 11 anos. As médias de onze anos são usadas para reduzir o ruído natural de um ano para outro nos dados, tornando as tendências subjacentes mais óbvias.

A quantidade de energia solar recebida pela Terra seguiu o ciclo natural de 11 anos de pequenos altos e baixos do Sol, sem aumento líquido desde os anos 50. Durante o mesmo período, a temperatura global aumentou acentuadamente. Portanto, é extremamente improvável que o Sol tenha causado a tendência de aquecimento global observada nos últimos meio século.

O Sol pode influenciar o clima da Terra, mas não é responsável pela tendência de aquecimento que vimos nas últimas décadas. O Sol é um doador da vida; ajuda a manter o planeta quente o suficiente para sobrevivermos. Sabemos que mudanças sutis na órbita da Terra ao redor do Sol são responsáveis pelas idas e vindas das eras glaciais. Mas o aquecimento que vimos nas últimas décadas é rápido demais para ser associado a mudanças na órbita da Terra e grande demais para ser causado pela atividade solar.

Uma demonstração que nos diz que o Sol não está causando o aquecimento global vem da observação da quantidade de energia do Sol que atinge o topo da atmosfera. Desde 1978, os cientistas monitoram isso usando sensores em satélites e o que eles nos dizem é que não houve tendência de aumento na quantidade de energia do Sol que chega à Terra.

Uma segunda demonstração é que, se o Sol fosse responsável pelo aquecimento global, esperaríamos ver aquecimento em todas as camadas da atmosfera, desde a superfície até a atmosfera superior (estratosfera). Mas o que realmente vemos é o aquecimento na superfície e o resfriamento na estratosfera. Isso é consistente com o aquecimento causado por um acúmulo de gases que retêm o calor perto da superfície da Terra, e não pelo sol ficando “mais quente”.

 

……………………………………………………………………
*Fonte: socientifica

Copenhague vai plantar árvores frutíferas em áreas públicas da cidade

Já pensou em encontrar frutas na sua cidade, para colher livremente? Esta vai ser a realidade dos moradores de Copenhague, capital da Dinamarca. A cidade vai plantar árvores frutíferas em áreas públicas como parques e praças conectando a as pessoas e a natureza.

A prefeitura da cidade aprovou o plantio de árvores frutíferas para garantir que os cidadãos tenham esta oportunidade de um contato mais próximo com a natureza e conheçam o sabor das frutas colhidas no pé – uma ação de bem estar e saúde pública.

Desde a idade média o plantio de frutas e ervas é uma tradição na Dinamarca e é permitido no país que isso corra em áreas públicas, assim como é permitido que qualquer pessoa colha alimentos que estejam nestes locais, mas este era um costume mais forte em áreas rurais.

A ideia agora é fortalecer este costume também na capital do país, fazendo com que os moradores da metrópole resgatem este hábito.

Parte do projeto consiste em um aplicativo chamado Vild Mad, comida selvagem em português, que apresenta a natureza local aos cidadãos e turistas que ainda não conhecem as frutas e árvores nativas. No aplicativo estão as instruções de colheita para frutas e ervas, além de uma série de receitas onde se aproveitam estes ingredientes naturais.

Uma solução simples, que promove a conexão com a natureza, a arborização da cidade e garante uma alimentação saudável e gratuita.

*Por Natasha Olsen

………………………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

À medida que a camada de ozônio da Terra continua se recuperando, os cientistas relatam alegremente boas notícias

Faz mais de 30 anos que o mundo baniu os produtos químicos que estavam destruindo a camada protetora de ozônio da Terra e simultaneamente provocando algumas mudanças preocupantes na circulação atmosférica no Hemisfério Sul.

Agora, uma nova pesquisa publicada esta semana na Nature descobriu que essas mudanças foram interrompidas e podem até estar se revertendo por causa do Protocolo de Montreal – um tratado internacional que eliminou com sucesso o uso de produtos químicos que destroem a camada de ozônio.

“Este estudo aumenta as evidências crescentes que mostram a profunda eficácia do Protocolo de Montreal. O tratado não apenas estimulou a cura da camada de ozônio, mas também está causando mudanças recentes nos padrões de circulação de ar no Hemisfério Sul ”, disse a autora Antara Banerjee, pesquisadora visitante do CIRES da Universidade do Colorado Boulder, que trabalha na Divisão de Ciências Químicas da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA).

O buraco no ozônio, descoberto em 1985, vem se formando a cada primavera na atmosfera alta da Antártica. A destruição do ozônio resfria o ar, fortalecendo os ventos do vórtice polar e afetando os ventos até a camada mais baixa da atmosfera da Terra. Por fim, o esgotamento do ozônio mudou a corrente de jato de latitude média e as regiões secas na borda dos trópicos em direção ao Polo Sul.

Estudos anteriores vincularam essas tendências de circulação às mudanças climáticas no Hemisfério Sul, especialmente chuvas na América do Sul, África Oriental e Austrália, e às mudanças nas correntes e salinidade dos oceanos.

O Protocolo de Montreal de 1987 eliminou gradualmente a produção de substâncias destruidoras da camada de ozônio, como clorofluorcarbonetos (CFCs). A partir de 2000, as concentrações desses produtos químicos na estratosfera começaram a diminuir e o buraco na camada de ozônio começou a se recuperar. Neste estudo, Banerjee e seus co-autores mostraram que, por volta do ano 2000, a circulação do Hemisfério Sul também parou de se expandir em direção aos polos – uma pausa ou uma ligeira reversão das tendências anteriores.

“O desafio deste estudo foi provar nossa hipótese de que a recuperação do ozônio está de fato impulsionando essas mudanças na circulação atmosférica e não é apenas uma coincidência”, disse Banerjee.

Para fazer isso, os pesquisadores usaram uma técnica estatística de duas etapas chamada detecção e atribuição: detectar se é improvável que certos padrões de mudanças observadas no vento sejam devidos apenas à variabilidade natural e, nesse caso, se as alterações podem ser atribuídas a causas humanas. fatores, como emissões de produtos químicos que destroem a camada de ozônio e CO2.

Usando simulações em computador, os pesquisadores primeiro determinaram que a pausa observada nas tendências de circulação não poderia ser explicada apenas pelas mudanças naturais nos ventos. Em seguida, isolaram os efeitos do ozônio e dos gases de efeito estufa separadamente.

Eles mostraram que, embora o aumento das emissões de CO2 continue expandindo a circulação perto da superfície (incluindo a corrente de jato), apenas as mudanças de ozônio poderiam explicar a pausa nas tendências de circulação. Antes de 2000, o esgotamento do ozônio e os níveis crescentes de CO2 impulsionavam a circulação na superfície próxima. Desde 2000, o CO2 continua impulsionando essa circulação, equilibrando o efeito oposto da recuperação do ozônio.

“Identificar as tendências de pausa na circulação impulsionadas pelo ozônio em observações do mundo real confirma, pela primeira vez, o que a comunidade científica do ozônio há muito tempo previu a partir da teoria”, disse John Fyfe, cientista do Environment and Climate Change Canada e um dos co-autores do artigo.

Com a recuperação da camada de ozônio e os níveis de CO2 continuando a subir, o futuro é menos certo, inclusive para as regiões do Hemisfério Sul, cujo clima é afetado pela corrente de jato e para as que estão nas margens das regiões secas.

“Nós chamamos isso de ‘pausa’ porque as tendências de circulação em direção contrária podem retomar, permanecer uniformes ou reverter”, disse Banerjee. “É o cabo de guerra entre os efeitos opostos da recuperação do ozônio e o aumento dos gases de efeito estufa que determinarão as tendências futuras”.

No entanto, um relatório de 2018 da Organização das Nações Unidas diz que o famoso buraco na camada de ozônio pode ser totalmente curado na década de 2060 – e em algumas áreas do mundo, pode ser em 2030.

……………………………………………………………………..
*Fonte: pensarcontemporaneo

Islândia inaugura a primeira usina que captura a poluição e limpa o ar

Essa tecnologia desenvolvida na usina é capaz de reverter até as mudanças climáticas.

Notícias como essa acabam passando despercebidas por muitas mídias, mas, na realidade, essas que merecem ser compartilhadas e não as Fake News que se vê por aí. Na Islândia, eles criaram a primeira usina capaz de capturar CO2 e convertê-lo em minério sólido, o que impede sua liberação na atmosfera. Ou seja, ela transforma o ar poluído em ar limpo.

A usina inovadora foi lançada na planta geotérmica CarbFix2 em Hellisheidi, na Islândia, cuja tecnologia pode ser capaz de nos ajudar a reduzir a quantidade de poluentes no ar no mundo inteiro, caso seja replicada em outros países.

Uma das empresas que faz parte desse grande projeto é a Climeworks, que já atua há algum tempo alertando o público em geral sobre a necessidade de eliminar o carbono que contamina o meio ambiente para conseguirmos atingir as metas de sustentabilidade propostas. Graças à sua nova tecnologia nessa usina islandesa, que opera sem nenhum tipo de emissão prejudicial na atmosfera, ela acabou conquistando o interesse de alguns outros governos e empresários. Segundo Climeworks, a usina é uma alternativa segura, economicamente viável e escalável – para quem se preocupava com os custos.

A usina funciona assim: primeiro os módulos tecnológicos capturam dióxido de carbono no ar, junto do sulfeto de hidrogênio do próprio ambiente. Depois eles são diluídos em água e enviados a mais de 700 metros de profundidade, onde, graças às rochas basálticas do local, produz-se um fenômeno pelo qual tudo é transformado em um mineral sólido, onde esses gases são ficam armazenados no solo permanentemente.

O processo realizado pela usina é baseado em um fenômeno natural que é acelerado por causa do filtro criado exclusivamente pela Climeworks. Desta forma, é possível alcançar o processo de mineralização natural da terra, que levaria séculos por exemplo, em cerca de menos de dois anos. A capacidade dessa usina é transformar 900 toneladas de CO2 por ano.

A usina na Islândia por enquanto é a primeira desse tipo, mas é espera-se que seja apenas o começo. As empresas que colaboraram com o projeto querem aumentar o número de usinas existentes por todo o globo. A principal condição é encontrar regiões onde essas formações rochosas semelhantes existem para construí-las.

…………………………………………………………………………
*Fonte: asomadetodososafetos

Camada de ozônio está se recuperando

A recuperação da camada de ozônio acima da Antártica continua lenta e constante. Um sintoma claro desta recuperação é a mudança na circulação atmosférica registrada por pesquisadores da Universidade de Colorado Boulder e publicada na revista Nature.

Com a destruição da camada observada no século XX, padrões dos ventos de latitudes médias se alteraram no hemisfério sul, gradualmente se concentrando no Polo Sul. A célula de Hadley, circulação diretamente relacionada com os ventos alísios, às zonas tropicais úmidas e desertos subtropicais, estava ocupando uma área cada vez maior.

Alterações nesses fluxos influenciam o clima por alterar a temperatura atmosférica e as chuvas, o que pode causar mudanças na temperatura e na concentração salina do oceano.

A pesquisadora Antara Benerjee e sua equipe de pesquisadores constataram que essas duas tendências atmosféricas começaram a se reverter ligeiramente em 2000 e continuam até hoje. Esta reversão começou 12 anos após a aprovação do Protocolo de Montreal, que baniu a produção de substâncias que destroem a camada de ozônio.

Apesar de já termos ultrapassado o ponto de reversão há duas décadas, hoje observamos uma camada de ozônio equivalente aos níveis da década de 80. A regeneração completa da camada deve acontecer apenas em 2030 no hemisfério norte e em 2050 no hemisfério sul, sendo que o buraco da Antártica deve ser recuperar no final da década de 2060.

A regeneração da camada é lenta porque as substâncias destruidoras de ozônio têm vidas muito longas na atmosfera. [New Scientist]

*Por Juliana Blume

……………………………………………………………………………….
*Fonte:

Geladeira de argila ecológica atinge -8º Celsius e se tornou a melhor invenção da década

Depresa é uma empresa mexicana que visa em criar produtos que podem facilitar a vida de seus consumidores, principalmente aqueles mais ecológicos ou que possuem baixa renda, por isso desenvolveram a Ecoplanet, uma ‘geladeira’ feita com lama e pedra, 100% ecológica que chega a atingir -8º Celsius.

A marca tem como foco principal abranger aquelas famílias que moram em residências humildes onde não há eletricidade, para que assim os alimentos possam ser conservados por mais tempo.

A geladeira parece um jarro, visualmente falando e funciona com a física básica: uma mistura de cascalho, granzol, mármore, areia úmida e terra é depositada entre dois contêineres e colocada em meia sombra, assim os raios solares evaporam a água da areia úmida, removendo também o calor dos alimentos armazenados ali.

Desde 2015 os produtos da empresa podem ser encontrados no mercado e a boa notícia é que a Ecoplanet foi aceita pelos governos nos planos de desenvolvimento social, com objetivo de garantir uma melhor qualidade de vida para os menos favorecidos ou que moram em áreas rurais.

Os fabricantes distribuíram algumas dessas geladeiras ecológicas pelas cidades mais carentes do México, mas afirmam que a ajuda do governo é essencial para garantir a produção em massa do produto.

*Por Rafael Dávila

………………………………………………………………………
*Fonte: criatives

Robert Plant retira-se do festival das Ilhas Faroé devido a caça às baleias

A nova banda de Robert Plant, a lenda do Led Zeppelin, Saving Grace, saiu do G! Festival nas Ilhas Faroé devido à caça às baleias.

O Saving Grace, com Robert Plant e Suzi Dian, deve se apresentar no evento no sábado, 18 de julho, no entanto, os organizadores divulgaram uma declaração forte na sexta-feira (28 de fevereiro), confirmando que não estarão mais tocando.

Embora Saving Grace e Robert Plant não tenham comentado sobre o cancelamento, G! Os organizadores do festival disseram que o Saving Grace foi retirado devido a ‘Robert Plant ter recebido publicidade / pressão negativas da organização de conservação ambiental Blue Planet Society em relação à unidade piloto de baleias das Ilhas Faroé, conhecida como “moagem”.

Organizados pelas comunidades locais, centenas de baleias-piloto de barbatanas longas e vários golfinhos do Atlântico são mortos anualmente nas Ilhas Faroé, levando-os a uma praia ou fiorde de barco.

As caçadas, chamadas grindadráp em feroês, são amplamente condenadas por grupos de defesa dos direitos dos animais, no entanto, algumas pessoas faroenses consideram a carne de baleia um aspecto importante de seus alimentos e cultura.

Sigvør Laksá, diretor administrativo da G! Festival, disse que era hipócrita o fato de Robert Plant desistir, considerando que ele participou de eventos na Noruega e na Islândia – países que também praticam caça comercial.

Laksá disse: “Estamos desapontados e irritados com o cancelamento. Ficamos entusiasmados e felizes com o enorme interesse e a recepção positiva do anúncio de Saving Grace, especialmente a febre de Robert Plant que naturalmente vem com ela.

“Parece um pouco pouco profissional que esses atos saiam de uma reserva sem aviso prévio ou tentativa de diálogo construtivo, o que pode ter nos permitido abordar as preocupações do artista. Também parece contraditório quando um artista gosta de tocar em países como a Noruega e a Islândia que praticam baleias comerciais, o que Plant já havia feito no passado, mesmo em 2019.

“Este é um duro golpe para o festival, o que nos obriga a repensar nossa abordagem na produção do G! Festival”.

Formada no ano passado, a Saving Grace realizou um show secreto no The Sparc Theatre em Shropshire em janeiro de 2019 e apoiou o Fairport Convention em shows em Basingstoke, Bath e St Albans no mês seguinte.
Hoje G! O Festival deve anunciar o cancelamento de Saving Grace, com Robert Plant e Suzi Dian.

……………………………………………………………………..
*Fonte: webrocknroll

Aumento do nível do mar acelerou e já é incontrolável, advertem especialistas da ONU

É incontrolável e está se acelerando. O aumento do nível do mar disparou por causa do degelo nos extremos norte e sul do planeta, conclui o IPCC, o painel de cientistas que, sob o guarda-chuva da ONU, analisa os impactos da mudança climática geradas pela ação do homem. Os gases de efeito estufa emitidos pelo ser humano até agora fazem que o degelo e o aumento do nível do mar continuem além deste século, conclui o IPCC em um relatório apresentado nesta quarta-feira.

O dilema que esta geração enfrenta agora tem a ver com o tamanho da hipoteca —que também inclui fenômenos meteorológicos extremos mais frequentes, ameaça à segurança alimentar e impactos na biodiversidade— que deixará para as futuras gerações. Que seja uma carga menor, destacam os especialistas, dependerá da rapidez com que a humanidade pare de emitir esses gases que superaquecem o planeta e estão vinculados principalmente aos combustíveis fósseis. Ao apresentar o relatório, Hoesung Lee, presidente do IPCC, conclamou os países a reduzirem suas emissões de gases, para que os impactos, embora não possam mais ser eliminados, pelo menos sejam atenuados e se tornem “mais manejáveis para as pessoas mais vulneráveis”. Porque, como destaca o IPCC, “as pessoas mais expostas e vulneráveis são frequentemente aquelas que contam com menor capacidade de resposta”.

Esse dilema geracional, apresentado em um relatório especial do IPCC, chega numa semana intensa na batalha contra a mudança climática. Depois das gigantescas manifestações estudantis de 20 de setembro e da cúpula da ONU da última segunda-feira em Nova York, espera-se na sexta-feira um grande protesto global contra a inação frente ao aquecimento. O relatório especial do Painel Intergovernamental para a Mudança Climática sobre o aquecimento e os oceanos é parte de uma série de análise temáticas. Este grupo internacional de especialistas revisa e compila o conhecimento sobre a mudança climática partindo dos estudos científicos publicados. Nesta ocasião participaram mais de 100 autores de 36 países, que revisaram 7.000 publicações.

“O aumento do nível do mar se acelerou devido ao aumento combinado da perda de gelo das camadas da Groenlândia e da Antártida”, conclui o estudo. A perda de gelo na Antártida por causa do aumento da temperatura no período entre 2007 e 2016 triplicou com relação à década anterior; na Groenlândia, duplicou.

Esse degelo acelerado levou a uma taxa de aumento do nível do mar também mais rápido, até 2,5 vezes mais veloz na última década em relação à média do século passado. Mas as projeções do relatório falam de um problema que se agravará, mesmo que seja cumprido o Acordo de Paris, que determina que o aumento médio da temperatura do planeta não deve superar os dois graus em relação aos níveis pré-industriais. No cenário mais otimista, com esse limite em dois graus estipulado em Paris, o IPCC prognostica um aumento do nível do mar de 43 centímetros até 2100 (entre 1902 e 2015 foi de 16 centímetros). No cenário mais adverso, em que as emissões continuem crescendo como até agora, a elevação do nível do mar chegaria a 84 centímetros e poderia superar um metro. Além disso, durante os próximos séculos esse ritmo continuará ganhando velocidade e intensidade.

A análise destaca os “perigos relacionados ao clima” que ameaçam as populações costeiras: ciclones tropicais, níveis extremos do mar, inundações e perda de gelo. E recorda que nas zonas costeiras baixas vivem atualmente cerca de 10% da população mundial (680 milhões de pessoas). Além disso, 65 milhões de outras pessoas habitam pequenos Estados insulares. E quase outros 10% da população (670 milhões) vivem em regiões de alta montanha, outra das áreas analisadas no relatório.

Aumento de eventos extremos

Esses quase 1,5 bilhão de indivíduos estão na zona vermelha dos impactos climáticos relacionados aos oceanos e à água. São impactos que ocorrem, por exemplo, pela combinação do aumento do nível do mar com tormentas ou ciclones. O relatório alerta que até 2050 “os eventos extremos do nível do mar”, até agora considerados excepcionais, que costumavam ocorrer uma vez a cada século, irão se tornar habituais e ocorrerão “pelo menos uma vez por ano” em muitos lugares do planeta. “Especialmente em regiões tropicais”, embora também em zonas como a mediterrânea. O IPCC prognostica, além disso, uma maior frequência das ondas de calor marítimas e dos eventos extremos do El Niño e La Niña.

O estudo analisa também as ações de adaptação (fundamentalmente investimentos) necessárias para enfrentar a elevação do mar, que pode engolir cidades costeiras. E explica que esses investimentos podem ser rentáveis para as áreas urbanas densamente povoadas (Nova York, por exemplo, tem um plano para investir dez bilhões em defesas). Mas é muito difícil que áreas rurais e mais pobres, como os pequenos Estados insulares, possam arcar com isso.

O problema não é só o aumento do nível do mar. Associados aos fenômenos meteorológicos há também a elevação da temperatura da água – que desde 1970 subiu sem cessar – e outros problemas decorrentes da mudança climática. A análise mostra que durante o século XXI os oceanos alcançarão “condições sem precedentes” pelo aumento da temperatura, uma maior acidificação e a diminuição do oxigênio. Isto terá um impacto, por exemplo, na pesca, o que afetará “os meios de vida e a segurança alimentar” das comunidades que dependem dos recursos marítimos para sobreviver.

“As populações de peixes se moverão em direção aos polos para localizar suas temperaturas preferidas; isto afetará particularmente os países tropicais em termos de pesca, mas na Europa vimos a cavala e o bacalhau já se afastando para o norte”, explica por e-mail o professor de Biologia Alex Rogers, da Universidade de Oxford. “Os peixes também se tornam menores à medida que aumentam as temperaturas”, acrescenta esse especialista, referindo-se aos efeitos para a indústria pesqueira.

Acidificação dos oceanos

Entre 20% e 30% do dióxido de carbono emitido pelo homem foi absorvido pelos oceanos desde 1980, algo que deverá aumentar durante este século. Ao absorver mais CO2 “o oceano experimentou uma crescente acidificação” e ocorreu “uma perda de oxigênio”. “A mudança climática está impactando os oceanos não só no aumento do nível do mar”, observa Gladys Martínez, membro da Associação Interamericana para a Defesa do Ambiente (AIDA). “O oceano está colapsando, e o tempo está se esgotando para nós”, alerta esta especialista, que pede mais atenção também aos efeitos da perda de biodiversidade. O relatório do IPCC observa, por exemplo, o alto risco a algumas espécies e ecossistemas sensíveis, como os corais.

Impactos nas geleiras

A perda das geleiras também influi no aumento do nível do mar. Mas, além disso, tem consequências além das costas. Essa perda representa, segundo o IPCC, uma alteração da “disponibilidade e qualidade da água doce”, que tem implicações na agricultura e na produção de energia hidrelétrica.

Outro dos fenômenos analisados é o desaparecimento do permafrost (a camada de solo permanentemente congelado) devido ao aquecimento. Os especialistas prognosticam que ele continuará diminuindo, e que isso, por sua vez, permitirá a liberação dos gases do efeito estufa que vinham sendo guardados nesse tipo de terreno.

Todas estas mudanças longe da costa levarão a um aumento significativo dos incêndios florestais durante o século XXI na maioria das regiões de tundra e boreais, e também em algumas regiões montanhosas, adverte o IPCC.

*Por Manuel Planelles

……………………………………………………………………..
*Fonte: elpais

App ensina crianças a identificarem árvores por meio de contos

Aprender a identificar espécies nativas da Mata Atlântica, como embaúba, ipê-amarelo, jequitibá, pau-brasil e pau-ferro, usando o celular. Esta é a proposta do aplicativo Natu Contos, criado em parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica, ele traz cinco contos sobre tais árvores narrados por grandes cantores brasileiros.

Com o Natu Contos, o público pode realizar uma “caça ao tesouro” por árvores. Depois de baixar o aplicativo e escolher o local de sua expedição, ele seguirá um mapa na tela do celular, integrado ao GPS, até a árvore identificada. Essa caminhada já é uma ótima oportunidade para prestar atenção à natureza local, relaxar e desfrutar dos benefícios que ela oferece.

Quando uma árvore é encontrada, um universo lúdico se abre: um vídeo animado a apresenta e, depois, um conto fica disponível para o adulto ler/ouvir com a criança embaixo da sua copa. Uma vez coletadas, as histórias e as fichas técnicas de cada árvore vão para uma biblioteca e podem ser relidas e ouvidas quantas vezes quiser, em qualquer lugar. A plataforma Natu Contos traz árvores mapeadas em parques e praças das cidades de São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Uberaba (MG). No futuro, seus desenvolvedores esperam expandir o projeto para mais cidades do Brasil. Veja como funciona:

Financiamento coletivo

Disponível gratuitamente na plataforma IOS , o aplicativo agora precisa da ajuda do público para seu desenvolvimento na versão Android. Para isso, foi aberto um financiamento coletivo no Catarse. A meta é alcançar R$ 16.522,00. Com doações a partir de R$ 15 quem participar do financiamento terá recompensas, como o plantio de mudas pela SOS Mata Atlântica, livro infantil, poster com ilustração do artista Arthur Daraujo, entre outras.

“Nosso maior objetivo é democratizar o aplicativo, tornando o material educacional acessível para mais adultos, crianças e escolas. Quando o criamos, pensamos em disponibilizar um conteúdo lúdico e original sobre o universo da natureza para reconectar as pessoas com o meio ambiente, principalmente as crianças, que estão cada vez mais distantes do verde nas grandes cidades”, afirma Fernanda Sarkis Coelho, idealizadora do aplicativo.

“Há alguns anos, as pessoas adoravam sentar em uma árvore para ler um livro. Esperamos que muitas pessoas ainda façam isso, mas por quê não aproveitar esta tecnologia tão presente na vida de todos para ouvir algumas histórias sobre aquela espécie que acabou de descobrir? Ao apoiar este aplicativo, queremos propor para as pessoas observarem, sentirem e se relacionarem mais com a natureza de suas cidades. Vivemos tempos em que parece que a natureza não existe mais ou que as árvores não fazem mais sentido, principalmente em ambientes urbanos. Queremos mostrar justamente o contrário”, afirma Cesar Pegoraro, biólogo e educador ambiental da Fundação SOS Mata Atlântica.

Algumas histórias

Nos contos do aplicativo é possível lembrar como as pessoas já tiveram uma relação diferente com as árvores, qual a relação dos animais com elas e saber mais das transformações que cada espécie passa em cada estação do ano.

Em “Amélia e seu Ipê-amarelo”, de autoria de Índigo com narração de Tiê, por exemplo, Amélia que tinha tudo amarelo, até seu cabelo, adorava um eucalipto, mas não ligava para um ipê-amarelo que tinha em seu sítio. Quando ele floresceu na primavera, isso mudou. Já em “Árvore de Estimação”, de Tiago de Melo Andrade e narração de Lenine, uma menina fica triste por ter perdido o gramado e a sombra fresca de sua árvore de estimação queimada em um incêndio, onde ela tinha seu balanço. Em “À procura do Pau-Brasil”, de Andrea Pelagagi com narração de Fernanda Takai, um irmão e uma irmã tentam de todas as formas descobrir se a árvore que eles acharam era mesmo a espécie que deu nome ao nosso país.

No conto “O pica-pau e o Pau-ferro”, de João Anzanello Carrascoza e narração de Mart’nália, um pica-pau se aventura até a cidade e acha uma árvore diferente das do bosque que morava, pois ela era muito dura. E em “Simãozinho e o pé de Embaúba”, de Claudio Fragata e narração de Ney Matogrosso, o macaco Simãozinho tem medo de altura, mas sonha em subir na árvore para comer seus lindos frutos.

A Mata Atlântica é casa da maioria dos brasileiros, abriga cerca de 72% da população. Além disso, o bioma está presente na maioria dos estados brasileiros (17) e em 3.429 cidades. Ou seja, essa é a floresta que dá oportunidade para boa parte da população ter algum contato com a natureza, além de contribuir para a purificação do ar, a regulação o clima, a proteção do solo, de rios e nascentes, favorecendo o abastecimento de água nas cidades. Por tudo isso, sua conservação é fundamental, pois restam hoje apenas 12,4% da floresta que existia originalmente em bom estado de conservação.

>> Clique aqui para contribuir para o financiamento coletivo

 

Vídeo explica como as árvores conversam silenciosamente entre si

Você nunca perceberá, mas existe uma conversa secreta entre as árvores. Essa ‘conversa’ acontece no subsolo, através de uma rede de fungos e longos filamentos que conseguem conectar cerca de 90% das plantas terrestres.

Desta forma, além das árvores trocarem informações, compartilham nutrientes e enviar seus recursos restantes de volta à rede para outras plantas, e se comunicar sobre perigos, como por exemplo infestações de insetos. Essa incrível descoberta foi explicada através de um vídeo produzido pela BBC News.

Fungos

Essa relação que existe entre fungos e as plantas é milenar, em grande parte é de mutualismo um suconjunto de simbiose no qual ambos os organismo se beneficiam de sua associação. Em outras palavras, na natureza os seres de espécies difererentes criam uma corrente invisível de ajuda mútua, que nós seres humanos muitas vezes ignoramos, mas que existem, e inclusive é conhecida cientificamente como The Wood Wide Web.

No caso descrito no vídeo, os fungos sugam os alimentos das árvores, retirando parte do açúcar rico em carbono que produzem durante a fotossíntese. As plantas, por sua vez, obtêm nutrientes como fósforo e nitrogênio que os fungos adquiriram do solo, por meio de enzimas que as árvores não possuem. Desta forma, árvores que estão morrendo podem enviar seus nutrientes para que a corrente possa se beneficiar deles.

Mas assim como na internet, esta corrente também possui o lado que é chamada de ‘dark web’, pois algumas plantas conseguem ‘hackear’ o sistema e capturar os nutrientes das outras árvores.

Com certeza após assistir esse vídeo, você passará a enxergar a natureza através de uma nova perspectiva. As árvores não são ‘apenas’ árvores, mas sim organismos com inteligência, que conseguem se comunicar e fazem parte de um grande sistema colaborativo. A natureza é realmente surpreendente!

The Wood Wide Web

Essa revelação da Wood Wide Web, nos leva a um questionamento importante: Onde as espécies começam e terminam? Uma floresta é mais do que um agrupamento diversos indivíduos independentes, mas sim um único organismo vivo e consciente, capaz de compartilhar – e, por que não de estabelecer uma relação de amizade?

……………………………………………………………………………..
*Fonte: sabervivermais

As lagartixas são grandes aliadas na hora de cuidar da sua casa, preserve-as!

As lagartixas são grandes conhecidas de todos nós. Vivem pelas paredes da varanda e dentro de casa, alimentando-se de mosquitos, aranhas e outros insetos.

Muitas pessoas sentem medo ou nojo das lagartixas, e por isso acabam matando-as, mas o mais aconselhado é fazer delas nossas aliadas, porque elas podem ser de grande ajuda no cuidado com a casa!

Elas são caçadoras muito focadas e se alimentam de insetos dos quais normalmente tentamos nos livrar, moscas, baratas, aranhas e até mesmo pequenos escorpiões. Elas podem não ser muito bonitas e nem transmitir uma sensação tão agradável, mas sua presença em nossas casas pode nos ajudar bastante a reduzir presenças indesejadas.

As lagartixas comem bastante, apenas uma delas pode comer de dezenas a centenas de pequenos insetos em apenas uma noite. Geralmente ficam próximas à luz porque os insetos se acumulam nesses locais e elas podem fazer sua refeição completa por ali mesmo.

Outra coisa interessante é que as lagartixas conseguem capturar os insetos durante o voo, devido à sua velocidade.

Elas são muito parceiras e tê-las em seu lar pode poupar-lhe o trabalho de gastar com venenos e inseticidas. Uma solução natural contra os insetos e produtos químicos que podem fazer mal para a saúde de sua família.

Ah, mas e as doenças que ela pode transmitir? Você deve estar se perguntando. Mais uma boa notícia: as lagartixas não são perigosas para nós! Além de não possuírem nenhum tipo de veneno, também não são portadoras de doenças, embora seja prudente lavar as mãos, se por caso encostar nelas, visto que andam por muitos lugares.

Como são naturalmente sozinhas, elas não vão fazer questão de proximidade. Vai ser um relacionamento à distância e que beneficiará ambos os lados!
Salve as lagartixas e ainda deixe sua casa livre dos insetos incômodos. Pense nisso da próxima vez que uma lagartixa aparecer em sua parede!

*Por Luiza Fletcher

…………………………………………………………………………..
*Fonte: osegredo

Conceitos muito importantes para os dias de hoje…

Atualmente, muito se fala em resiliência. Esta palavra exprime uma característica pessoal que está sendo cada vez mais requisitada a nós nos dias de hoje e, principalmente nos tempos que já estão próximos… Vamos conversar um pouco sobre isto?

Tudo tem a ver com a disrupção que estamos vivendo, a tecnológica e suas consequências no nosso dia a dia. Já conversamos sobre isto neste espaço, mas vamos recordar um pouco: nossa evolução, como seres humanos, é lenta, sempre foi, comportando-se de modo linear; mas com o advento das novas tecnologias, que evoluem de modo exponencial (cada vez mais rapidamente…), podemos ficar meio perdidos. Pois é: esta diferença entre a velocidade atual da evolução das coisas e as consequentes mudanças das condições de nosso entorno e a possibilidade de convivermos com ela é a disrupção…

E então onde está o problema? Aí podemos examinar outros conceitos de importância nesta discussão: a adaptação e a estagnação.

Adaptação, segundo o dicionário (1), é a “integração de uma pessoa ao ambiente onde se encontra”. Ou ”adaptação ao meio, ação modificadora dos fatores externos sobre o comportamento e a estrutura dos organismos vivos”. Aliás, algo que sempre ocorreu…

Já estagnação, conforme o mesmo dicionário, é algo “que não flui nem se movimenta”, ou, em sentido figurado, algo que “não progride ou evolui; ausência completa de atividade ou movimento; paralisação”. Algo extremamente perigoso, como atitude, nos dias de hoje…

Então, se consideramos estes dois conceitos, no sentido de encarar o problema da disrupção, aparecem duas possibilidades: ou estagnamos, ou procuramos nos adaptar. Se estagnarmos, poderemos estar perdendo algo muito bom, que são as benesses que toda a tecnologia moderna está nos oferecendo, e até poderemos chegar a um ponto em que não estaremos mais entendendo o mundo em que vivemos – uma espécie de alienação… Mas se procurarmos nos adaptar, poderemos gozar de tudo o que nos está sendo oferecido, e aproveitar o que este mundo novo põe à nossa disposição.

Mas aí, temos que estar no comando, e pensar no que realmente queremos fazer com as novas tecnologias, ou no que elas poderão nos ajudar. A tecnologia em si é neutra – é como uma afiada faca de cozinha: pode cortar um delicioso churrasco, compartilhado com nossos amigos, ou pode matar: depende da intenção de quem a empunha… Vejamos as redes sociais, como exemplo: ou as utilizamos bem, ou elas se tornam um problema, que nem vou comentar, pois isto já é fato já bem conhecido de todos.

Aí quero chegar a um ponto que também me parece bem importante: neste novo mundo temos que desenvolver resiliência, que, do dicionário, é, dentre outras definições: “Capacidade de quem se adapta às intempéries, às alterações ou aos infortúnios. Tendência natural para se recuperar ou superar com facilidade os problemas que aparecem”.

Pois é: com a rápida e inevitável evolução tecnológica que se reflete, sem dúvida alguma, na nossa vida profissional, familiar, social, e nas relações entre as pessoas, temos que aprender a “levar trancos” existenciais e a constantemente aprender muitas coisas novas. E mais: temos que nos acostumar com tudo isto, mas sem precisar mudar nossos valores tradicionais. Não é fácil, mas fundamental. Pense nisto, e haja resiliência…

*Por Mario Augusto

……………………………………………………………………..
*Fonte: engenhariae

Por que a maioria das pessoas não se importa com problemas ambientais?

As pessoas se importam com questões de sustentabilidade? Como educadora e engenheira ambiental, essa é uma pergunta recorrente em minha cabeça. E tenho certeza que se você está lendo este artigo, já se perguntou isso também.

Fazendo uma rápida busca por pesquisas realizadas sobre o tema, vemos indícios que sim, as pessoas se importam com questões relacionadas ao meio ambiente no Brasil. Uma pesquisa realizada em 2012 pelo Ministério do Meio Ambiente aponta, por exemplo, que 82% das pessoas discordam da seguinte frase: “O conforto que o progresso traz para as pessoas é mais importante do que preservar a natureza” e esse índice veio crescendo desde 1997, quando eram apenas 67%. Em 2018, o “meio ambiente e riquezas naturais” apareceu como maior orgulho nacional para o brasileiro em pesquisa realizada pelo IBOPE e WWF.

Porém, existe uma diferença clara entre o discurso e a prática. Falar que se importa é uma coisa, mas de fato ter uma mudança de comportamento é outra história. Somos um dos países com maiores índices de desmatamento, reciclamos menos de 5% dos nossos resíduos e elegemos governos com claro descaso por questões ambientais.

Se as pessoas dizem se importar, por que não agem e cobram devidamente?

O ser humano prioriza problemas imediatos.
As mudanças climáticas, por exemplo, parecem algo muito distante do presente e acabam não representando uma ameaça factível para muitos.

Desconexão com a natureza.
Cuidamos apenas daquilo que conhecemos e temos vínculo. Quanto mais distantes do meio natural, menos as pessoas se importam com sua preservação e conservação.

A população não tem conhecimento suficiente.
Conhecimento é diferente de informação. Enquanto a informação está cada vez mais acessível, ainda não está claro para muitos os reais desafios, causas, consequências e possibilidades de soluções.

Muitos não sofrem ou percebem diretamente as consequências.
O problema do plástico no oceano, por exemplo, despertou incômodo nas pessoas quando começaram a literalmente ver o lixo na praia e nas ruas de sua cidade.

É mais trabalhoso sair da zona de conforto.
Como seres vivos otimizamos ao máximo nosso gasto de energia e por isso priorizamos aquilo que nos é mais fácil e cômodo.

Sistema baseado em crenças e valores insustentáveis.
Ganância, individualismo, egoísmo, medo, impotência e desconexão ainda são valores presentes em nossa sociedade e base para nosso modo de vida, gerando crenças, comportamentos e culturas insustentáveis.

O desafio é complexo, mas um dos principais papéis da educação para sustentabilidade é, justamente, compreender as causas da distância entre o discurso e a prática e traçar estratégias para minimizá-las. Também é papel da educação para sustentabilidade aproximar as pessoas da natureza; facilitar práticas e soluções para que as pessoas se desafiem a sair de sua zona de conforto; fortalecer valores humanos como cooperação, respeito e solidariedade; levar a informação de maneira mais clara e convidativa; e gerar mais empatia e conexão entre aqueles que causam e os que hoje começam a sofrer as consequências.

*Por Lívia Ribeiro

…………………………………………………………………
*Fonte: autossustentavel

Ford apresenta van que usa combustível de óleo de cozinha usado

A Europa adotou metas rigorosas para reduzir as emissões dos veículos novos, abrindo espaço para a introdução dos carros elétricos. Mas o mercado continua a investir em outras opções para substituir os derivados de petróleo.

A Ford anunciou que a sua linha de vans Transit foi aprovada para rodar com HVO (Hydrotreated Vegetable Oil), um tipo de diesel renovável que, além de óleo de cozinha usado, pode incluir gordura animal, óleo de peixe e subprodutos de processos industriais em sua composição.

Vantagens do HVO

Por usar hidrogênio como catalisador no processo de produção, o HVO queima mais limpo e tem uma vida útil mais longa que o biodiesel convencional. Ele reduz em até 90% os gases de efeito estufa, emite menos NOx e partículas e também facilita a partida do motor em baixas temperaturas.

Há empresas na Europa dedicadas à coleta de óleo de cozinha usado em restaurantes, indústrias e escolas, e a União Europeia mantém um programa, chamado RecOil, para aumentar o seu reaproveitamento na produção de biodiesel.

A Ford testou o uso do HVO no motor EcoBlue 2.0 da Transit para garantir seu desempenho e durabilidade, sem a necessidade de nenhuma modificação no combustível.

Combustível é encontrado em postos selecionados

O HVO é vendido em postos de combustível selecionados da Europa, principalmente na Escandinávia e nos países bálticos, tanto na forma pura como adicionado ao diesel comum. Em outros mercados, ele também é adotado por frotistas que precisam melhorar sua pegada ecológica, adquirido diretamente de fornecedores especializados.

Se o veículo precisar abastecer em uma região onde o HVO não é disponível, o motorista pode usar diesel convencional – os combustíveis podem se misturar no tanque sem problemas.

“Permitir que nossas vans funcionem com combustível feito de resíduos, como óleo de cozinha usado, pode parecer absurdo, mas o HVO é, de fato, uma solução para os motoristas e frotistas ajudarem a melhorar a qualidade do ar para todos”, diz Hans Schep, gerente geral de Veículos Comerciais da Ford Europa.

Biodiesel no Brasil

Junto com a Europa, o Brasil é um dos maiores produtores de biodiesel do mundo. No ano passado, a ANP – Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis autorizou o aumento de 10% para 11% da mistura de biodiesel no diesel. A meta é elevar a mistura para 15% (B15) até 2023. Atualmente, cerca de 80% do biodiesel no Brasil é produzido a partir do óleo de soja.

………………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

Adidas usou 1,8 milhão de garrafas plásticas para construir um campo de futebol sustentável

Os jogadores de futebol da Miami Edison High School poderão apreciar o barulho dos pellets no campo de futebol enquanto correm sabendo que estão em um campo sustentável.

A empresa de roupas esportivas, Adidas, construiu o campo composto por 1,8 milhão de garrafas de plástico. Tudo isso é reciclado em ilhas, costas e praias remotas – em uma tentativa de impedir que o plástico polua nossos oceanos.

Campo de futebol sustentável

O que a Adidas fez de diferente foi usar garrafas de plástico que já estavam poluindo nosso meio ambiente e reutilizá-las para construir um campo de futebol em uma escola.

James Carney, vice-presidente de estratégia de marca global da Adidas, disse à CNN que “o campo sustentável que a empresa construiu foi feito de garrafas plásticas originárias de ilhas remotas, praias, comunidades costeiras e linhas costeiras – tudo com o objetivo de impedir que poluísse os oceano.”

O plástico foi lavado e tratado adequadamente antes de ser usado como preenchimento para o campo.

O preenchimento é usado nesses tipos de campos e se parece com pequenos pellets. Isso é crucial para o gramado, pois aumenta a jogabilidade do campo. Os jogadores têm melhor tração e são mais protegidos quando caem pois aumenta o amortecimento no chão.

Há uma mensagem forte e positiva para os atletas que jogarão neste campo: “Acreditamos que, através do esporte, temos o poder de mudar vidas, e esse campo é uma demonstração de nossa ação nessa sentido”, disse Cameron Collins, diretor de futebol da Adidas.

“Mais do que um lugar para esses jovens atletas jogarem, é um lembrete de nossa responsabilidade coletiva de acabar com o lixo plástico”, continuou Collins.

Os jogadores que usarão o campo sustentável doado são estudantes da Miami Edison High School, na Flórida.

A Adidas é conhecida por tentar reutilizar e reciclar plásticos poluentes em roupas esportivas e esportivas. Abaixo está um vídeo de como a empresa usou plásticos para fazer tênis de corrida sustentáveis:

 

……………………………………………………………………………..
*Por Ademilson Ramos
*Fonte: engenhariae

França começa a banir plástico descartável

Em plena véspera de Natal, o governo da França publicou um decreto que marca o início da proibição do uso de plásticos descartáveis. A lei, que quase passou despercebida, já entrou em vigor no dia 1o de janeiro.

Nesta primeira fase três produtos plásticos descartáveis foram proibidos: pratos, copos e cotonetes. A partir de 2021 serão banidos também canudos e talheres. A meta é eliminar gradualmente todos os plásticos de uso único até 2040.

A lei, é claro, passa por um período de adaptação. As lojas que transportam os descartáveis – agora proibidos – ainda poderão vendê-los pelos próximos seis meses, desde que os mesmos tenham sido produzidos ou importados anteriormente. O decreto também isenta alguns setores até julho de 2021, tais como instalações sanitárias e no uso em transportes como trens e aviões. Produtos compostáveis, com ao menos 50% de materiais orgânicos em sua constituição, também terão isenção temporária.

Além do objetivo de retirar de circulação todos os plásticos descartáveis nas próximas duas décadas, a França tem como objetivo reciclar 100% dos plásticos até 2025. Os planos vão ao encontro das novas diretrizes propostas pela União Europeia e o caminho que segue as maiores economias do mundo. Até mesmo a China, maior produtor de plástico, anunciou que vai eliminar os descartáveis.

*Por Marcia Sousa

………………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

Várias simulações sobre mudança climática entraram em modo apocalíptico

Vários modelos computacionais que tentam prever o futuro das mudanças climáticas tiveram uma guinada negativa radical recentemente. Equipes diferentes tiveram como resultado de suas análises que o planeta vai se aquecer de forma muito mais catastrófica do que o antecipado.

Dezenas de modelos climáticos apontavam que a ação humana provavelmente iria causar um aquecimento médio de 3°C, e isso já seria um cenário terrível para o nosso modo de vida.

Em 2019, porém, esses modelos começaram a mostrar que a temperatura média deve subir em 5°C, um cenário apocalíptico para a humanidade e incontáveis outras formas de vida.

Estranhando essas projeções, eles começaram a entrar em contato com outros grupos de pesquisadores para comparar resultados. O principal grupo de pesquisa do Reino Unido, o Met Office Hadley Centre, concluiu que uma duplicação de CO2 liberado provocaria um aquecimento de 5,5 °C. Uma equipe do Departamento de Energia dos EUA terminou com 5,3 °C e o modelo canadense alcançou 5,6 °C. O Centro Nacional de Pesquisas Meteorológicas da França viu sua estimativa subir para 4,9 °C a partir de 3,3 °C.

Este trabalho de confirmação das projeções ainda vai levar alguns meses para ser encerrado, e ainda não há um acordo sobre como interpretar os modelos.

O mais preocupante em relação a este fenômeno é que esses modelos conseguiram projetar o aquecimento global de forma correta desde 1970. Eles continuam a utilizar dados oficiais de governos e objetivos de emissão de gases de efeito estufa, incluindo o Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática mais atualizado da ONU.

O que esses modelos estão dizendo é que a mesma quantidade de poluição climática pode trazer um aquecimento mais rápido que imaginado anteriormente, e a humanidade teria menos tempo para evitar os piores impactos ambientais, econômicos e de saúde pública.

Uma estimativa com maiores temperaturas “provavelmente não é a resposta correta”, aponta Klaus Wyser, pesquisador sênior do Instituto Sueco de Meteorologia e Hidrologia. O modelo de Wyser produziu um resultado de 4,3°C de aquecimento, um aumento de 30% em relação à atualização anterior. “Esperamos que esta não seja a resposta correta”, diz ele.

Esses modelos ajudam cientistas a testarem ideias sobre o impacto do derretimento de geleiras, umidade do solo, correntes marítimas e nuvens.

Há mais de cem modelos usados para prever a relação entre o dióxido de carbono e o aquecimento, desenvolvidos por cerca de 25 grupos independentes.

Esses cálculos complexos são feitos em supercomputadores que criam modelos para o ar, terra e mar e analisa as interações entre eles. Caso haja consenso entre os pesquisadores de que as estimativas estão corretas, isso pode alterar a forma que governos e empresas respondem ao risco climático. [Bloomberg]

*Por Juliana Blume

……………………………………………………………………
*Fonte: hypescience

O inovador plano para transformar ar poluído em combustível para aviões

“Este é o futuro da aviação”, diz Oskar Meijerink em um café no aeroporto de Roterdã.

A empresa dele, em parceria com os proprietários do aeroporto, está planejando a primeira produção comercial de combustível para aviação feita, em parte, a partir de dióxido de carbono (CO2).

Com base no aeroporto, esse projeto funcionará capturando CO2 do ar, o principal gás que contribui para o aquecimento global.

Em um processo separado, a eletrólise separa a água em hidrogênio e oxigênio. O hidrogênio é misturado com o CO2 capturado para formar gás de síntese (syngas), que pode ser transformado em combustível de aviação.

O projeto piloto, que tem como objetivo produzir 1 mil litros de combustível de aviação por dia, receberá energia de painéis solares.

Os parceiros do projeto esperam produzir o primeiro lote de combustível em 2021.

Eles argumentam que o combustível de aviação produzido por eles terá um impacto de CO2 muito menor que o combustível comum.

“A beleza da captura direta de ar é que o CO2 é reutilizado de novo, e de novo, e de novo”, diz Louise Charles, da Climeworks, empresa que fornece a tecnologia de captura direta de ar.

Alto custo

Meijerink admite que esse processo de produção do combustível ainda está longe de ser competitivo comercialmente.

“O principal elemento é o custo”, diz Meijerink, da empresa de combustível de aviação SkyNRG.

“O combustível fóssil é relativamente barato. Capturar CO2 do ar ainda é uma tecnologia incipiente e cara.”

Outras empresas estão trabalhando em sistemas semelhantes de captura direta, incluindo a Carbon Engineering, do Canadá, e a Global Thermostat, dos Estados Unidos.

No entanto, os ativistas ambientais são altamente céticos.

“Com certeza soa incrível. Parece uma solução para todos os nossos problemas. Mas não é”, disse Jorien de Lege, do Friends of the Earth.

“Se você pensar bem, este projeto pode produzir mil litros por dia com base em energia renovável. São cerca de cinco minutos de voo em um Boeing 747.”

Enquanto as empresas estão testando ferramentas de alta tecnologia para capturar CO2 do ar, já existe uma maneira muito simples e eficiente de fazer isso: o cultivo de plantas.

E muitas aeronaves já estão voando com combustíveis renováveis ​​feitos a partir de biomassa vegetal.

Cana de açúcar, grama ou óleo de palma e até resíduos de animais — de fato, qualquer coisa que contenha carbono — podem ser processados ​​e usados.

Mas será que esses combustíveis alternativos substituirão totalmente o tradicional combustível fóssil de aviação?

“Sim, mas é muito difícil estabelecer um prazo”, diz Joris Melkert, professor de engenharia aeroespacial da Delft University of Technology.

Ele diz que os combustíveis alternativos se tornarão competitivos se os custos ambientais forem incluídos na tarifa do voo, mas isso significará passagens mais caras.

“Vai depender muito da pressão social, mas não há objeções técnicas”, diz. “Basicamente, se você observar as maneiras de tornar o transporte mais sustentável, a aviação é a mais difícil de mudar.”

As viagens aéreas representam de 3% a 5% por cento das emissões globais de CO2. E essas emissões estão crescendo rapidamente.

Alternativas

Em resposta, a Associação Internacional de Transportes Aéreos (Iata, na sigla em inglês) estabeleceu metas para reduzir as emissões em 50% até 2050 e as companhias aéreas estão estudando muitas maneiras de reduzir o uso de combustíveis fósseis.

A companhia aérea escandinava SAS pretende fazer voos domésticos com biocombustíveis e reduzir as emissões em 25% na próxima década.

A KLM está incentivando as pessoas a não voarem, e sugere que os clientes façam viagens de trem ou realizem videoconferências pela internet.

Recentemente, a holandesa low-cost Transavia começou a pesar passageiros no aeroporto de Eindhoven, em um experimento projetado para calcular melhor a quantidade de combustível necessária, com o objetivo de reduzir as emissões de CO2.

A Transavia também será o primeiro cliente do combustível de aviação produzido pela operação experimental no aeroporto de Roterdã.

Alguns esperam que aviões elétricos ou híbridos sejam a resposta.

A EasyJet, em parceria com a Wright Electric, com sede nos EUA, está desenvolvendo aviões elétricos que poderiam fazer rotas de curta distância a partir de 2030.

Mas Joris acredita que os biocombustíveis têm mais chance de reduzir a dependência da indústria de combustíveis convencionais.

“Não há bala de prata”, diz Joris. “Mas os combustíveis renováveis ​​darão os maiores passos para reduzir o impacto ambiental da aviação.”

“No momento, é muito caro. O tamanho da pressão vai ditar a rapidez com que as companhias aéreas vão se ajustar.”

‘Escolhas difíceis’

Nem todo mundo está convencido de que essas mudanças tecnológicas serão a solução para tornar os voos mais sustentáveis.

“A única solução que temos é simplesmente voar menos”, diz Lege, da Friends of the Earth.

“Compreendo as razões pelas quais precisamos voar ao redor do mundo, mas as mudanças climáticas estão acelerando a um ritmo assustador. Precisamos fazer escolhas difíceis. Precisamos pensar em mudanças no sistema. Estou confiante de que podemos viver nossas vidas de forma muito confortável ​​sem voar, será apenas diferente.”

*Por Anna Holligan

………………………………………………………………………..
*Fonte: bbc-brasil

Três anos após descarte, sacola biodegradável permanece quase intacta

As sacolinhas biodegradáveis surgiram como alternativa às sacolas plásticas convencionais. No entanto, um estudo conduzido na Universidade de Plymouth, na Inglaterra, levanta dúvidas sobre a solução. Uma sacolinha biodegradável, três anos depois de ser descartada no ambiente natural, pode transportar produtos em sua máxima capacidade -, o que mostra a resistência das propriedades do material.

Os pesquisadores examinaram a degradação de cinco sacos plásticos amplamente disponíveis no Reino Unido: duas sacolas oxibiodegradáveis, uma sacola biodegradável, uma sacola compostável e um polietileno de alta densidade, ou seja, uma sacola plástica convencional. Eles foram então deixados expostos ao ar, solo e mar, ambientes em que, potencialmente, podem ser encontrados quando descartados como lixo.

As sacolas foram monitoradas em intervalos regulares, analisando até as mudanças mais sutis na resistência à textura da superfície e estrutura química.

Resultados

Pesquisadores de Pesquisa de Lixo Marinho da universidade afirmam que o estudo provoca uma série de questões. O saco compostável, por exemplo, desapareceu completamente no ambiente marinho dentro de três meses, mas, apesar de mostrar alguns sinais de deterioração, ainda estava presente no solo após 27 meses.

 

 

 

 

 

 

Já as formulações plásticas biodegradáveis, oxi-biodegradáveis ​​e convencionais mantiveram sua funcionalidade mesmo após três anos no solo ou no ambiente marinho. Elas ainda eram capazes de transportar uma caixa de cereais, massas, biscoitos, latas de refrigerante, bananas e laranjas.

“Esta pesquisa levanta uma série de questões sobre o que o público pode esperar quando vê algo rotulado como biodegradável. Nós demonstramos aqui que os materiais testados não apresentaram nenhuma vantagem consistente, confiável e relevante no contexto do lixo marinho. Preocupa-me que estes novos materiais também apresentem desafios na reciclagem”, afirmou o professor Richard Thompson, que é chefe da Unidade Internacional de Investigação de Lixo Marinho.

À National Geographic, Thompson afirmou que não é contra as sacolas biodegradáveis, mas que “considera importante que a sacola certa seja compatível com a situação”. Isso porque as sacolas são projetadas para se degradarem em condições específicas. “Descartar um produto no ambiente ainda é lixo, compostável ou de outra forma. Enterrar não é compostagem. Materiais compostáveis ​​podem compostar com cinco condições principais – micróbios, oxigênio, umidade, calor e tempo””, afirmou o porta-voz da empresa Vegware, que fabrica as sacolas compostáveis ​​usadas no estudo.

“Depois de três anos, fiquei realmente impressionada com o fato de que qualquer uma das sacolas ainda pudesse ser usada. Inclusive para uma sacola biodegradável, era possível. O mais surpreendente. Quando você vê algo rotulado dessa forma, eu acho que você automaticamente assume que ela irá degradar mais rapidamente do que os sacos convencionais. Mas, depois de três anos, pelo menos, nossa pesquisa mostra que pode não ser o caso”, disse a pesquisadora Imogen Napper, que liderou o estudo como parte de seu PhD.

*Por Marcia Sousa

…………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

As cidades devem pensar nas árvores como uma infraestrutura de saúde pública

Plantar árvores é uma forma de melhorar a saúde das pessoas, e uma medida muito fácil e barata de se tomar. As árvores, além de embelezar uma cidade, proporcionam ar fresco e limpo. Por isso deveria se pensar nelas como uma infraestrutura de saúde pública.

Todas as pessoas deveriam poder respirar ar puro. Isso deveria ser possível também nas grandes cidades. As árvores não só ornamentam as ruas como ajudam a manter a saúde física e mental dos seus habitantes, ajudando a criar um ambiente mais saudável.

A organização The Nature Conservancy questiona por que não são incluídos esses conceitos nos orçamentos governamentais direcionados à saúde pública.

Esta organização elaborou recentemente um documento que explica com cifras as razões pelas quais se deve mudar o paradigma das verbas públicas, para incluir o investimento em criação e manutenção de áreas verdes nos gastos de saúde.

Para elaborar este documento usou-se o exemplo dos Estados Unidos, já que nesse país se dedica apenas 1% do seu orçamento para o plantio e manutenção das áreas verdes – e somente um terço disso é realmente investido. Como consequência, as cidades do país norte-americano perdem cerca de 4 milhões de árvores por ano.

Este é um documento oficial que detalha o problema, suas causas, conceitos e as soluções para lutar contra ele.

Se estima que com uma média de 8 dólares por pessoa em cada ano seria possível impedir a perda de árvores no país.

Também seria possível aumentar o aproveitamento dos benefícios que elas geram. O número não sugere o valor, senão apresenta uma mostra de que esse investimento necessário também é possível.

Investimento verde diminuindo

Com respeito aos investimentos, o informe indica que, atualmente, os municípios estão gastando menos com o plantio e o cuidado das árvores, em comparação com o que era gasto em décadas anteriores.

A falta ou presença de árvores em um local muitas vezes está ligada ao nível de renda de um bairro. Isso também cria uma enorme desigualdade nas cifras de saúde.

Nos Estados Unidos, a diferença nas expectativas de vida entre bairros de uma mesma cidade que estão próximos geograficamente pode chegar a ser de até uma década.

Embora a diferença nos índices de saúde não tem a ver somente com a questão das árvores, os investigadores asseguram que os bairros com menos áreas verdes têm piores resultados com relação à saúde de seus residentes. Desta forma, é possível concluir que a desigualdade urbanística pode se refletir em piores níveis saúde.

Entretanto, há outras cidades (como é o caso de Londres) ou países (como é o caso da China ou da Nova Zelândia) onde existe sim uma preocupação em promover o reflorestamento de forma mais massiva.

Medidas para aumentar as áreas verdes numa cidade

O documento propõe uma série de conselhos que podem ser usados pelo poder público e privado, entre os quais estão os seguintes:

Implementar políticas que incentivem o semear de árvores, seja por iniciativa privada ou pública.

Intercâmbios municipais que visem facilitar a colaboração de organismos de saúde pública e agências ambientais.

Relacionar o financiamento de árvores e parques a objetivos e metas das políticas de saúde pública.

Educar a população sobre os benefícios das áreas verdes para a saúde pública, e também sobre o impacto econômico das mesmas.

 

………………………………………………………………………
*Fonte: cartamaior