Rolling Stones relançam clássico “Tattoo You”, com vários bônus e inéditas

A banda Rolling Stones relançou nessa sexta-feira, 22 de outubro, o álbum clássico “Tattoo You”, com diversos bônus e inéditas. O lançamento faz parte da comemoração pelos 40 anos do disco de 1981, que trouxe hits como “Start Me Up”. Ouça no player mais abaixo.

Disponibilizado pela Universal Music, a nova versão de “Tattoo You” inclui a inédita “Living in the Heart of Love”, a remasterização de clássicos como “Hang Fire” e uma versão inicial com uma pegada reagge de “Start Me Up”. Também foi incluído um show realizado pelos Rolling Stones em Londres, no ano de 1982, com covers como “Just My Imagination” (Temptations) e Twenty Fight Rock (Eddie Cochran).

Um dos formatos disponíveis do novo lançamento é o “Tattoo You 40th Anniversary Super Deluxe”, com quatro discos ao todo. O novo álbum conta com 9 músicas inéditas, lançadas sob o nome de “Lost & Found”. Fazem parte desse grupo canções como “Drift Away” e “Shame, Shame, Shame”.

O relançamento de “Tattoo You” dos Rolling Stones
Os Rolling Stones está comemorando os 40 anos do lançamento de um dos seus maiores clássicos. Em seu sita oficial, a banda postou um texto relembrando a época da gravação do disco, no início dos anos 1980.

“No outono de 1980, Mick se encontrou com Kimsey em um subúrbio de Paris. Em um armazém úmido e cavernoso, com o caminhão Rolling Stones Mobile estacionado dentro, eles começaram a trabalhar seriamente no que viria a se tornar o ‘Tattoo You’. Após vários meses de gravação, Mick se reuniu com Keith Richards em Nova York para dar os toques finais ao álbum”, diz o texto.

Confira o tracklist completo abaixo:

Disco 1 – Tattoo You (2021 Remaster)

Start Me Up – Remastered 2021
Hang Fire – Remastered 2021
Slave – Remastered 2021
Little T&A – Remastered 2021
Black Limousine – Remastered 2021
Neighbours – Remastered 2021
Worried About You – Remastered 2021
Tops – Remastered 2021
Heaven – Remastered 2021
No Use in Crying – Remastered 2021
Waiting on a Friend – Remastered 2021
Disco 2 – Lost & Found: Rarities

Living in the Heart of Love
Fiji Jim
Troubles a’ Comin
Shame Shame Shame
Drift Away”
It’s a Li
Come to the Ball
Fast Talking Slow Walking
Start Me Up” (Early Version)
Disco 3 – Still Life (Wembley Stadium Concert 1982)

Under My Thumb
When the Whip Comes Down
Let’s Spend the Night Together
Shattered
Neighbours
Black Limousine
Just My Imagination (Running Away With Me)
Twenty Flight Rock
Going to a Go Go
Chantilly Lace
Let Me Go
Time Is on My Side
Beast of Burden
Let It Bleed
Disco 4 – Still Life (Wembley Stadium Concert 1982)

You Can’t Always Get What You Want
Band Introductions
Little T&A
Tumbling Dice
She’s So Cold
Hang Fire
Miss You
Honky Tonk Women
Brown Sugar
Start Me Up
Jumpin’ Jack Flash
(I Can’t Get No) Satisfaction

*Por Gustavo Maiato
……………………………………………………………………….
*Fonte: guitarload

Neil Young anuncia novo álbum ‘Barn’ com Crazy Horse

Neil Young anunciou o lançamento de um novo álbum com o Crazy Horse, intitulado Barn. O trabalho está previsto para sair em 10 de dezembro, via Reprise.

O lendário músico anunciou o projeto através de seu site oficial, lançando a faixa “Song of the Seasons” exclusivamente para assinantes.

A canção foi produzida por Young e Niko Bolas, que faz os vocais, guitarra e gaita; além de Nils Lofgren no acordeon e na voz; Billy Talbot no baixo e na voz; e Ralph Molina na bateria e na voz.

A última colaboração de Neil Young com o Crazy Horse ocorreu no álbum Colorado, de 2019.

Tracklist de Barn:

01. “Song Of The Seasons”
02. “Heading West”
03. “Change Ain’t Never Gonna”
04. “Canerican”
05. “Shape Of You”
06. “They Might Be Lost”
07. “Human Race”
08. “Tumblin’ Thru The Years”
09. “Welcome Back”
10. “Don’t Forget Love”

*Por Marcos Chapeleta
……………………………………………………………………….
*Fonte: ligadoamusica

Google lança nova ferramenta de afinador on-line

O famoso site de buscas Google já apresenta uma enorme diversidade de funções, como mapa, conversor de moedas, armazenamento de dados e editor de texto. Para alegria dos guitarristas, a empresa passou a disponibilizar agora também a função de afinador. O novo recurso pode ser encontrado aqui.

O afinador cromático pode ser acessado tanto pelo PC ou notebook como também em tablets e smartphones. Para obter um melhor resultado, é necessário que o ambiente ao redor esteja sem ruídos ou interferências. O afinador é simples e prático, sem necessidade de baixar aplicativo ou instalar programa.

Dessa forma, é possível afinar instrumentos como guitarra e baixo por meio de um cabo ou apenas tocando as notas perto do notebook ou smartphone. Para utilizar o afinador o usuário deve permitir que o Google acesse o seu microfone.

O novo afinador do Google
Outra forma de acessar a nova ferramenta de afinação é por meio do Google Assistente, com o uso de um comando de voz. O recurso utiliza o padrão de afinação 440Hz para a nota Lá (A) e funciona como um afinador digital convencional, mostrando na tela se a nota desejada está correta ou se é necessário “aumentar o agudo” ou “aumentar o grave”. Caso a afinação esteja certa, o ponteiro do afinador ficará na cor verde.

*Por Gustavo Maiato
……………………………………………………………………………………………
*Fonte: guitarload

Como a pandemia, a televisão e o Spotify ‘mataram’ os grupos musicais

Qualquer um que tenha crescido com os grandes grupos de rock e pop do passado se contorcerá na cadeira diante de uma evidência tão funesta: atualmente não há bandas como Queen, The Jam, The Police, Nirvana ou Oasis. Há escassez de novas formações —surgidas, digamos, nos últimos cinco anos— que se igualem às de antigamente em proezas comerciais. São tempos de Sheerans, Lipas, Swifts, Weeknds, Bunnies, Eilishs. De Rosalías, Tanganas, Alboranes, Aitanas, Amaias … Os solistas, ao que parece, se apoderaram das paradas.

Em março, após declarações de Adam Levine, cantor do Maroon 5 (“Dá a sensação de que não há mais bandas, somos uma espécie em extinção”, lamentou), o jornal britânico The Guardian dedicou um artigo à questão, com o seguinte título expressivo: “Por que os grupos estão desaparecendo”. O pessimismo de Levine pode ser sustentado por dados. Os 30 artistas mais ouvidos no Spotify em 2020 eram todos solistas, exceto um, o combo sul-coreano BTS (com sete integrantes que não tocam instrumentos). Foi preciso fazer uma minuciosa inspeção do ranking para localizar o Maroon 5 em 33º e o Queen em 34º. Desde março de 2019, quando o Jonas Brothers foi o número um com Sucker, até hoje, passados dois anos, apenas um outro grupo liderou a parada de singles da Billboard (Estados Unidos): o já citado BTS.

Eu, eu, eu!
Ao contrário do que acontecia décadas atrás, pop e rock não são os estilos mais em voga. Rap, trap, R&B e reggaeton… —gêneros interpretados por solistas— ganharam terreno. Todo o rock novo já é alternativo; não é mais mainstream. “À medida que o pop e o rock morrem, no que se refere a vendas milionárias, morrem as bandas, que são as que fazem pop e rock”, explica Javier Portugués, veterano A&R (responsável por Artistas e Repertório) que trabalha com a Sony Music. Colaborou com solistas como Joaquín Sabina, Marwan, Dani Martín, Rozalén e Malú e grupos como Estopa e Maldita Nerea. “Tem a ver com as idiossincrasias dos gêneros”, acrescenta. “No rap, antes de começar com o primeiro verso, você já disse seu nome e o nome do produtor 10 vezes. É uma exaltação de si mesmo.”


Os festivais podem ser considerados o último reduto de grupos de pop e rock, mas, apesar da natureza nostálgica de muitos desses eventos, mesmo os mais importantes não têm escolha a não ser seguir a corrente dominante. Na última edição do Primavera Sound (Barcelona), sete dos nove artistas de destaque eram solistas: Erykah Badu, os rappers Future e Cardi B, Solange, Janelle Monáe, J Balvin e Rosalía (os grupos eram o Interpol, formado em 1997, e Tame Impala , na verdade, um projeto do cantor e multi-instrumentista australiano Kevin Parker).

Essa mudança de regime foi bem recebida pela indústria: lidar com solistas é mais prático. “Para uma gravadora, quando se trata da promoção de um evento, mudar um cara ou uma garota em vez de uma banda inteira é mais ágil e mais barato”, diz Pablo Cebrián, produtor de David Bisbal e Amaia Romero, entre outros. Também é mais eficaz. “Em termos de marketing, é mais fácil vender uma única pessoa, um ícone”, diz Alizzz, produtor de C. Tangana.

A dinâmica interna das bandas às vezes é bastante complexa, o que contrasta com a flexibilidade dos solistas. “Cada pessoa em um grupo tem seus movimentos, e para a indústria é muito mais cômodo lidar com solistas”, continua Cebrián. “De um disco para outro, um solista pode mudar de produtor. Numa banda, essas voltas são muito mais difíceis: quando uns querem ir para um lado e outros para outro, surgem tensões.”

Discos feitos no quarto
Os avanços tecnológicos tornam mais fácil para qualquer adolescente que sente vontade de compor canções não só conseguir fazer uma gravação muito correta com as ferramentas digitais, como também postá-la nas plataformas, sem intermediários. “Agora a música é feita em um quarto”, explica Pablo Cebrián. “Pelo que tenho visto ao meu redor, as novas tecnologias têm uma grande influência”, concorda Alizzz. “Muitos artistas produzem as próprias músicas, por exemplo, eu mesmo. O que estou acostumado é a trabalhar no estúdio com um cantor, só ele ou ela e eu. Para as gravadoras, além disso, gravar uma banda sai mais caro.”


Miguel Blanes, 22 anos, vocalista e guitarrista do Mentira, banda emergente que desde 2020 lançou vários singles e um EP pela Subterfuge Records, reconhece essa supremacia: “É uma tendência superevidente. Surgiam muito mais bandas na década de 2010 do que agora. Em parte, acho que é porque a forma de compor está mudando. Com todos os recursos que temos, uma única pessoa pode fazer uma canção supercompleta. Não precisa se reunir com mais instrumentistas para formar um projeto”.

Os membros do Trashi (entre 21 e 23 anos) realizam uma mistura original de indie pop e música urbana com autotune, e lançaram vários singles pelo selo independente Helsinkipro. Cresceram admirando grupos como The 1975 e The Vamps no YouTube, “bandas formadas por amigos que se juntavam para fazer música”, dizem quase em uníssono. Eles atribuem a atual hegemonia dos solistas ao fato de que “agora qualquer um pode fazer música em casa. Trabalhar sozinho é sempre mais fácil do que em grupo: você pode fazer o que te agrada. As pessoas buscam mais projetos solo por causa disso “, declaram.

O imediatismo proporcionado pelas tecnologias modernas vai bem com os novos hábitos de consumo. “Hoje você começa a ver uma série, no segundo capítulo você se desinteressa um pouco e deixa de segui-la. É a mesma coisa com a música “, compara Pablo Cebrián. Como exemplo de velocidade, ele cita o caso de Billie Eilish, que alcançou o primeiro lugar nas paradas nos Estados Unidos em abril de 2019 com seu primeiro álbum, When we all fall asleep, where do we go?. “Uma menina que, com o irmão, no quarto de casa, escreve músicas e as sobe na internet … Encurta-se um caminho que há 30 anos era uma via crucis: você tinha que ensaiar a música com o seu grupo, arranjar alguém para bancar um estúdio, masterizar seu disco, editá-lo… Agora isso está nas mãos das pessoas. Todos os anos você vê casos de garotos que postam algo que criaram e recebem uma quantidade brutal de reproduções.” Como diz Javier Portugués, “90% do mercado acaba se concentrando no que está bombando em nível de streaming [reproduções em plataformas como o Spotify], e são todos solistas”.

Solistas colaborando com solistas
As individualidades encontram acomodação especial em uma prática dominante ultimamente: as colaborações. Em geral, os grupos não tomam parte delas. “Desde que entramos na era do consumo digital, nove entre 10 lançamentos, para ter um volume de streaming significativo, são colaborações. Solistas colaborando entre si. É o novo protótipo de artista”, afirma Javier Portugués. No Top 100 Canções da Promusicae de 25 de março a 1º de abril, apenas quatro singles dos 20 mais vendidos não eram colaborações, mas faixas solo.


Não se deve esquecer o papel que desempenham neste cenário desequilibrado os programas de talentos na televisão, uma plataforma de lançamento de novos artistas já faz algum tempo. “Os shows de talentos são focados no artista individual. O que mais chama a atenção do público, que não se detém para analisar outras coisas, é o cantor”, diz Natalia Lacunza, 22 anos, que ficou em terceiro lugar no OT 2018. Após assinar contrato com a Universal Music, foi número um em vendas com seu álbum EP2 e escolhida Artista Revelação Pop pelos Prêmios Odeón 2020. Lacunza escolheu fazer carreira solo simplesmente porque, depois de se mudar para Madri (ela é de Navarra), não conhecia ninguém com quem começar uma aventura em conjunto. Só agora recrutou uma banda que deseja que participe da composição e dos arranjos. “O mais marcante agora são os nomes de artistas solo”, opina, “mas a importância das bandas ainda continua aí, mesmo que de maneira implícita nos projetos dos solistas. Apesar de terem ficado em segundo plano, contribuem muito para o momento ao vivo”.

No entanto, as apresentações ao vivo foram reduzidas ao mínimo por causa da pandemia. Apesar da situação transitória, muitos fãs podem ter se acostumado a escutar música no computador em vez de em uma sala de shows, o que também não ajuda a resgatar as bandas. “Assim como o trabalho remoto se normalizou, na música se tornou normal a ausência de shows ao vivo”, se queixa o produtor Pablo Cebrián.

Para completar o quadro, as redes sociais, onde os artistas combinam a promoção de sua música com cenas de sua intimidade, potencializam a autonomia. Como observa Javier Portugués, “a última rede social em que havia sentimento de grupo era o MySpace. Era um lugar onde grupos musicais postavam suas canções. Não havia ali o exibicionismo público que alimenta a vaidade. Era uma rede a serviço do grupo. O Instagram, e agora o TikTok, trazem tudo de volta ao aspecto pessoal. Nas redes, a diferença de seguidores entre a conta do líder do grupo e a da banda é enorme. Sempre foi um pouco assim: todos nós entendíamos que The Police era o Sting, mas sabíamos quem era o baterista e quem era o guitarrista. Hoje, as redes sociais teriam eliminado os dois componentes que não eram o Sting”.

Um futuro só de solistas?
Com esse panorama, as bandas se sentem, como Levine comentou, uma espécie em extinção? “Poderiam dizer que sim”, responde Miguel Blanes, da Mentira. “Não acho que vão começar a desaparecer, mas, sim, perder a popularidade que costumavam ter. Existe uma tendência de mudança de formato. Eu mesmo estou consumindo mais música de solistas.” O produtor Pablo Cebrián, que começou como guitarrista do grupo Fabula (com quem lançou dois álbuns pela Warner Music e foi banda de abertura de shows do REM), teria formado uma banda se agora estivesse dando seus primeiros passos na música? “Como não sou cantor, tenho certeza que teria começado como produtor muito antes e não teria passado por uma banda. Com certeza Iván, que era nosso cantor, teria feito carreira solo e eu seria seu produtor. Não há mais referências”, afirma.

Cabe questionar se essa ausência de modelos de banda de sucesso pode incutir nos mais jovens com ambições musicais a noção de que é “normal” adotar a configuração solista. “Na nossa infância, os ídolos eram os Beatles, os Stones, o Supertramp, o Pink Floyd … As grandes bandas de rock e pop da vida toda”, argumenta Javier Portugués. “E você dava como certo que se quisesse se dedicar à música tinha que comprar uma bateria, um amplificador de guitarra, encontrar um lugar para ensaiar … Era assim que você tinha que fazer para ser parte daquele universo mágico que tinha te deslumbrado desde pequeno. Agora, esse universo é um talent show de solistas. Não sentem necessidade de se reunir para bolar um projeto. Esse é o novo paradigma e temos que conviver com isso.”

*Por Miguel Ángel Bargueño
……………………………………………………………………………….
*Fonte: bbc-brasil

Essa música de Mozart acalma o cérebro. Agora se sabe o motivo

Música é uma das formas de arte mais difundidas do mundo. Além do entretenimento em si, ouvir música pode também trazer alguns benefícios para seu bem-estar. Ela não só ajuda a relaxar, mas também pode servir de estimulante para as atividades físicas.

Além disso, ela também pode ter um papel importante na saúde. Um exemplo disso é uma sonata de Mozart que tem o poder de acalmar a atividade cerebral epilética. De acordo com um estudo, ela consegue esse feito graças a melodias que criam uma sensação de surpresa.

Estudo

O estudo foi feito com 16 pacientes hospitalizados com epilepsia que não responderam bem à medicação. Isso fez com que as esperanças ficassem maiores. Se podendo usar a música em tratamentos não invasivos.

“Nosso maior sonho é definir um gênero musical ‘antiepiléptico’ e usar a música para melhorar a vida das pessoas com epilepsia”, disse Robert Quon, do Dartmouth College, co-autor do estudo.

Embora se conheça os efeitos sobre a cognição e outras atividades cerebrais da chamada Sonata para Dois Pianos em Ré Maior K448 de Mozart, os pesquisadores ainda estão tentando entender o motivo.

Música

Nesse estudo, os pesquisadores tocaram a música para os pacientes que estavam com sensores de implantes cerebral para que se pudesse monitorar a ocorrência de eventos cerebrais breves, mas prejudiciais, que são sofridos por epilépticos entre as convulsões (IEDs).

Feito isso, se descobriu que os IEDs diminuíram depois de 30 segundos de música. Além disso, aconteceram efeitos significativos em partes do cérebro relacionadas com as emoções.

Então, os pesquisadores compararam a resposta com a estrutura da obra. Eles descobriram que os efeitos aumentavam nas transições entre as fases musicais mais longas. Naquelas que duravam 10 segundos ou mais.

Desde 1993, quando os cientistas afirmaram que as pessoas ouviam K488 por 10 minutos mostravam habilidades de raciocínio espacial aprimoradas, se estuda esse chamado “efeito Mozart”.

Observações

Várias outras pesquisas foram feitas depois para testar os efeitos da música em várias funções e distúrbios cerebrais. Dentre eles, a epilepsia. No entanto, o autores disseram que esse foi o primeiro estudo a quebrar as observações se baseando na estrutura da música.

Assim como nos estudos anteriores, os pacientes não mostrara nenhuma mudança na atividade cerebral quando foram expostos a outros estímulos auditivos ou músicas que não eram a Sonata para Dois Pianos em Ré Maior K448 de Mozart.

Nesse estudo em específico, os pacientes ouviram 90 segundos de uma obra de Wagner que também se caracteriza pela mudança de harmonias, mas sem nenhuma melodia reconhecível. E ouvi-la não produziu nenhum efeito calmante nos pacientes.

Isso fez com que os pesquisadores se concentrassem na melodia importante da Sonata para Dois Pianos em Ré Maior K448 de Mozart. Se observou que os testes adicionais podiam usar outras peças de música que foram selecionadas cuidadosamente para comparação. Com isso, eles pretendem identificar os componentes terapêuticos da sonata.

*Por Bruno Dias
……………………………………………………………………………………
*Fonte: fatosdesconhecidos

Alan Lancaster R.I.P.- (Status Quo)

Quando era piá uma das primeiras bandas de rock que me chamaram a atenção foi o status Quo – banda inglêsa (junto com AC/DC e Eric Clapton – não me pergunte porque). Esse rock’n roll ganchudo com essa pegada três acordes e muito shuffle é meio que tiro certo para chamar a atenção de qualquer um. Depis de um tempo essa banda meio que ficou de lado em meu gosto musical, dando espaço para novas descobertas musicais, mas nunca esquecida – diga-se. Agora leio nas notícias de que o baixista Alan Lancaster (um dos fundadores do grupo) faleceu aos 72 anos. De certa forma também foi uma grande influência para mim no começo de minhas atividades como baixista.
Descanse em paz!