Uma manobra extremamente arriscada salvou o telescópio espacial mais poderoso do mundo

A NASA finalmente consertou seu Telescópio Espacial Hubble depois de semanas passando por uma falha misteriosa.

Na sexta-feira, a agência anunciou que o Hubble havia ligado com sucesso o hardware de backup que parou de funcionar há mais de um mês. Agora os engenheiros da NASA estão lentamente retornando o telescópio para o estado totalmente operacional. O processo pode levar alguns dias.

“Eu estava muito preocupado”, disse o administrador associado da NASA Thomas Zurbuchen em uma entrevista na sexta-feira com Nzinga Tull, que liderou a equipe do Hubble através da solução de problemas. “Todos sabíamos que isso era mais arriscado do que normalmente fazemos.”

Hubble é o telescópio espacial mais poderoso do mundo, mas está ficando velho. Foi lançado em órbita em 1990. Ele fotografou o nascimento e mortes de estrelas, avistou novas luas circulando Plutão, e rastreou dois objetos interestelares atravessando nosso Sistema Solar.

Suas observações permitiram aos astrônomos calcular a idade e a expansão do Universo e observar galáxias formadas logo após o Big Bang.

Embora a NASA provavelmente tenha corrigido o problema, é um sinal de que a idade do Hubble pode estar começando a interferir com a ciência que ele nos permite realizar. O telescópio não é atualizado desde 2009, e parte de seu hardware tem mais de 30 anos.

“Esta máquina é antiga, e está meio que nos dizendo: Olha, eu estou ficando um pouco velho aqui, certo? Está falando conosco”, disse Zurbuchen. “Apesar disso, temos mais ciência para fazer, e estamos animados com isso.”

Astronautas visitaram o Hubble para reparos e manutenção em cinco ocasiões. (NASA)
Uma manobra arriscada salvou o telescópio espacial mais poderoso do mundo
O computador de carga do Hubble – uma máquina dos anos 1980 que controla e monitora todos os instrumentos científicos da espaçonave – de repente parou de funcionar em 13 de junho. Engenheiros tentaram e falharam em reiniciá-lo várias vezes.

Finalmente, depois de realizar mais testes de diagnóstico, eles perceberam que o computador não era o problema – algum outro hardware na sonda estava causando o problema.

Ainda não está totalmente claro qual peça de hardware foi a culpada. Os engenheiros suspeitam que uma falha na Unidade de Controle de Energia (PCU, na sigla em inglês) do telescópio instruiu o computador a desligar. A PCU poderia estar enviando a elétrica errada para o computador, ou o próprio sistema contra falhas poderia estar com defeito.

Mas a NASA estava preparada para questões como esta. Cada parte do hardware do Hubble tem um backup instalado no telescópio no caso de falhar. Então os engenheiros tiveram que mudar para o hardware de backup.

A NASA já reiniciou o Hubble usando este tipo de operação antes. Em 2008, após uma queda de computador que tirou o telescópio do ar por duas semanas, os engenheiros mudaram para hardware redundante.

Um ano depois, os astronautas repararam dois instrumentos quebrados enquanto estavam em órbita – essa foi a quinta e última operação de manutençãodo Hubble. (A NASA não tem mais como lançar astronautas para o telescópio espacial.)

Ainda assim, a troca de hardware desta semana foi uma manobra arriscada.

“Você não pode ver a espaçonave, você não pode ver enquanto acontece. Você tem que ter certeza de que seus uploads de comando farão exatamente o que você pretende fazer”, disse Paul Hertz, diretor da divisão de astrofísica da NASA, ao Insider na semana passada.

“Você simplesmente não quer estragar nada acidentalmente”, acrescentou.

O que não ajudou foi o fato que os engenheiros não poderiam simplesmente mudar a PCU com defeito. A unidade está conectada a muitos outros componentes, então a NASA teve que trocar outro hardware, também.

A agência também usou o computador de carga de backup em vez do original, apenas por segurança. Ele ligou corretamente, os engenheiros o carregaram com software atualizado, e agora está em “modo de operações normais”, disse a NASA em sua atualização de sexta-feira

“Eu me sinto super animado e aliviado”, disse Tull. “Fico feliz em ter boas notícias para compartilhar.”

Fazer o Hubble praticar ciência de novo levará alguns dias.
Agora a equipe do Hubble tem que começar a ligar os instrumentos científicos do telescópio. Pode levar até uma semana para voltar às operações completas, de acordo com Hertz.

Ainda há um mistério a ser resolvido: por que o telescópio parou de funcionar?

Seja qual for o hardware defeituoso, o Hubble não tem mais um backup agora. Se falhar de novo, isso pode ser o fim do Hubble.

“Seja qual for esse componente, está em muitos outros satélites”, disse Hertz. “Queremos sempre entender o que funciona e o que não funciona no espaço.” [Science Alert]

*Por Marcelo Ribeiro
……………………………………………………………………………………….
*Fonte: hypescience

Socorro! O computador de backup do Hubble também quebrou

Há quase duas semanas, a NASA tenta religar o Telescópio Espacial Hubble depois que ele misteriosamente parou de funcionar em 13 de junho.

Mas consertar o telescópio de 31 anos ficou muito mais complicado.

Após uma série de testes durante a última semana, pesquisadores descobriram que o computador de backup do Hubble — o computador para o qual eles planejavam mudar caso suas tentativas de consertar o telescópio falhassem — também parece danificado, de acordo com o Insider.

Possível Culpado
O computador de backup foi ligado “pela primeira vez no espaço”, desde que os astronautas o instalaram em 2009, disse a NASA em seu blog. Quando isso aconteceu, a agência descobriu que o computador de backup estava passando o mesmo problema que o computador principal.

Isso significa que o hardware principal nem o de backup são a fonte dos problemas do Hubble. Em vez disso, pode ser hardware em módulos separados, como o regulador que alimenta os computadores, ou um formatador de dados que está causando problemas.

“Como é altamente improvável que todos os elementos de hardware individuais tenham problema, a equipe agora está analisando outro hardware como o possível culpado”, disse a NASA na atualização.

A última viagem do Hubble
Desde que entrou em órbita em 1990, o icônico telescópio foi responsável por algumas das descobertas mais inovadoras e cativantes da história astronômica moderna, incluindo a descoberta de novas luas ao redor de Plutão, permitindo que os pesquisadores calculassem a idade do universo, e mostrando aos astrônomos imagens de galáxias que se formaram logo após o Big Bang.

Assim, a perda do Telescópio Espacial Hubble seria o fim de uma era para a exploração espacial moderna e a ciência como a conhecemos, não muito diferente da perda de Da Vinci para o mundo da arte.

Se isso sinalizar o fim do Hubble, a NASA usará um sistema instalado em 2009 para guiá-lo de volta à atmosfera da Terra, onde queimará na reentrada — dando ao telescópio uma última oportunidade para permitir que todos o admiremos enquanto nos despedimos.

*Por Marcelo Ribeiro
…………………………………………………………………………………
*Fonte: hypescience

Nasa lança missão Equidade

A NASA acaba de lançar sua mais nova e importante missão: “equidade”. Trata-se de um apoio para comunidades carentes em programas, contratos e subsídios, com o compromisso de recrutar “negros, latinos, indígenas e nativos americanos, asiáticos americanos e ilhéus do Pacífico, bem como “lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e queer (LGBTQ +) pessoas, além de “membros de minorias religiosas”, pessoas com deficiência e “pessoas de outra forma afetadas pela pobreza ou desigualdade persistente”.

Para iniciar este diálogo aberto, a NASA emitiu um pedido público de informação (RFI), intitulado Advancing Equity Racial and Support for Underserved Communities in NASA Programs, Contracts and Grants, cujo objetivo é o de entender, construir e melhorar as políticas, práticas e programas atuais. Com prazo determinado até o dia 12 de julho, o documento aborda as seguintes áreas:

Barreiras potenciais que comunidades e indivíduos mal atendidos e sub-representados podem enfrentar em aquisições, contratos e oportunidades de concessão de agências.
Se novas políticas, regulamentos ou orientações podem ser necessários para promover a equidade e as oportunidades nas ações e programas da agência.
Como os recursos e ferramentas da agência podem ajudar a aumentar a equidade, incluindo o avanço da justiça ambiental.
Este movimento da NASA acompanha a evolução histórica pela igualdade de oportunidade que lutamos, enquanto sociedade, e merece ser celebrada.

*Por Monica Gelbecke
…………………………………………………………………………………………
*Fonte updateordie

Dez tecnologias brilhantes da NASA usadas em nosso cotidiano

As pessoas muitas vezes pensam erroneamente que o trabalho feito pela NASA não tem efeito em suas vidas cotidianas. Isso não poderia estar mais longe da verdade. A NASA estava na vanguarda de algumas das maiores inovações tecnológicas do último meio século. Muitas das coisas que usamos no dia a dia saíram de inovações desenvolvidas pelo programa espacial. Você pode não associar essas coisas com o espaço, mas tem que ser grato às mentes brilhantes da NASA que ajudaram a trazer essas tecnologias para o público em geral.

1. Detectores de fumaça
Somos uma plataforma dedicada ao conhecimento que só poderá continuar a existir graças a sua comunidade de apoiadores. Saiba como ajudar.

Detectores de fumaça ajustáveis podem distinguir entre a fumaça de incêndios e gases nocivos. Eles foram desenvolvidos em 1973 com a Honeywell Corporation, e agora são encontrados na maioria dos lares.

2. Satélites
Como fazer chamadas telefônicas à longa distância? Felizmente a NASA estava por perto para desenvolver a tecnologia de satélites que nos permite manter contato com pessoas de todo o mundo.

3. Colchão
A espuma de seu colchão surgiu a partir do material desenvolvido para proteger aviões durante falhas. Agradeça à NASA por mais uma boa noite de sono.

4. Ferramentas movidas a bateria sem fio
Foram inventadas por funcionários da NASA e da empresa Black & Decker no início de 1960 e hoje são muito utilizadas por empreiteiros e construtores. Estes mesmos pesquisadores também foram cruciais para a construção das brocas furadeiras de pouco peso que os astronautas da Apollo usaram na Lua.

5. Pneus radiais
A NASA inovou melhorias aos pneus radiais com o objetivo de criar um veículo mais robusto para a exploração lunar e marciana. Isso melhorou os carros que conduzimos hoje.
Essa tecnologia foi usada pela primeira vez em uma queda de pára-quedas que ajudou a pousar a sonda Viking Lander em Marte em 1976.
Esses novos pneus foram usados pela primeira vez pela sonda Viking Lander em Marte, no ano de 1976.

6. Próteses robóticas
A NASA também tem ajudado a melhorar as vidas daqueles que experimentaram a perda de um membro. O desenvolvimento pela NASA dos sistemas musculares robóticos usados no espaço ajudou a progressão da tecnologia de prótese.

7. Cobertor Espacial
O cobertor espacial é a opção favorita dos corredores de maratona na hora de se aquecer. A tecnologia também é muito encontrada e utilizada em kits de primeiros socorros.

8. Tênis atléticos
Calçados esportivos modernos com uma melhor absorção de choque, estabilidade e controle de movimento possuem a mesma tecnologia das botas usadas na Lua durante as missões Apollo.

9. Óculos
A NASA desenvolveu um material resistente a riscos para proteger viseiras e capacetes dos astronautas, bem como todo o equipamento espacial. Esta tecnologia resistente a arranhões agora também é utilizada para proteger os óculos de grau e de Sol.

10. Usinas solares
A NASA também ajudou a tornar o nosso mundo mais verde, com a instalação de torres que usam a energia solar concentrada para produzir energia elétrica.12A próxima vez que alguma pessoa lhe perguntar se precisamos da NASA, mostre para ela estas 10 principais invenções. Nós todos dependemos de inovações passadas. Diante disso, eu só me pergunto o que a NASA tem para o futuro.

*Por Ruan Bitencourt Silva

………………………………………………………………………………….
*Fonte: universoracionalista

As imagens mais espetaculares na história da exploração espacial: o pouso da sonta Perseverance em Marte

A NASA divulgou um vídeo do Rover Perseverance em Marte enquanto ele descia pela atmosfera do planeta e pousou como planejado na Cratera Jezero na última quinta-feira.

Falando em uma coletiva de imprensa na segunda-feira, David Gruel, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, disse que a equipe de vídeo manteve suas expectativas modestas: “Conseguimos o que conseguimos e não ficamos chateados”.

O que eles fizeram estão entre as imagens mais espetaculares na história da exploração espacial.

Seis pequenas câmeras compõem o sistema EDL Cam (Entrada, Descida e Aterrissagem, na sigla em inglês). Elas sobreviveram à viagem e funcionaram perfeitamente, capturando a abertura do paraquedas da espaçonave, separação do escudo térmico, descida e o suave pouso do Rover Perseverance na superfície marciana.

Há detalhes extraordinários no vídeo. A espaçonave balança um pouco debaixo do paraquedas e estabiliza à medida que os propulsores do módulo de descida assumem e o paraquedas é lançado para longe. Uma câmera no módulo de descida mostra o Rover enquanto ele desce com a ajuda de três cabos. Uma câmera no Rover captura a mesma cena de baixo; uma vez na superfície os cabos desconectam e o módulo de descida voa para longe.

Havia também dois microfones na espaçonave. Gruel disse que não conseguiu capturar o áudio do pouso, mas uma vez na superfície um dos microfones gravou – pela primeira vez – sons de Marte. O clipe disponibilizado pela NASA contém um zumbido silencioso do funcionamento do Rover, e uma rajada de vento marciana varrendo o módulo de pouso. Outro clipe cancela o som do Rover, deixando apenas a brisa.

*Por Marcelo Ribeiro

……………………………………………………………………………
*Fonte: hypescience

A NASA transformou uma foto do Hubble em música e é absolutamente arrepiante

O Universo é um tecido complexo de presenças e ausências: há estrelas e galáxias inteiras, mas também temos vácuo e baixa densidade de partículas. Uma coisa que não existe no espaço é o som, que precisa de moléculas para se propagar.

Para contrabalancear todo esse silêncio, a NASA encontrou um jeito de produzir uma melodia a partir de uma imagem do espaço registrada pelo Telescópio Espacial Hubble em agosto de 2018. Sim, agora é possível escutar imagens do Hubble.

Os cientistas responsáveis pela imagem a descrevem como “um baú do tesouro galáctico”, pela alta concentração de galáxias espalhadas por ela. “Cada pontinho visível de galáxia é a casa de incontáveis estrelas”, diz a explicação da NASA sobre a imagem.

Algumas estrelas mais próximas de nós emitem forte brilho, enquanto um aglomerado massivo de galáxias se reúnem no centro da imagem. Cada elemento da imagem produz um som diferente na melodia espacial. As estrelas e galáxias compactas são representadas por sons cursos e claros, enquanto as galáxias espiraladas emitem notas mais complexas e longas.

“O tempo flui da esquerda para a direita e a frequência do som muda de baixo para cima, variando de 30 a 1.000 hertz”, explicou a NASA nos comentários que acompanham o vídeo.

O aglomerado de galáxias chamado RXC J0142.9+4438 no centro da imagem é o responsável pelos tons médios no meio do vídeo que tornam a melodia interessante.

*Por: Juliana Blume

…………………………………………………………………………..
*Fonte: ciencianautas

NASA pode ter detectado uma parede gigante no fim do sistema solar

A espaçonave New Horizons, da Nasa, ajudou cientistas a estudarem um misterioso fenômeno no limite do Sistema Solar, onde partículas do Sol e do espaço interestelar interagem.

Esta região, cerca de 100 vezes mais distante do Sol que a Terra, é onde átomos de hidrogênio não carregados do espaço interestelar se encontram com partículas carregadas do nosso Sol.

No ponto em que os dois interagem, acredita-se que haja um acúmulo de hidrogênio no espaço interestelar. Isso cria uma espécie de “parede”, que dispersa a luz ultravioleta.

Cerca de 30 anos atrás, as sondas Voyagers 1 e 2 da NASA detectaram pela primeira vez este muro, e agora a New Horizons encontrou novas evidências para ele.

A New Horizons fez a detecção usando seu espectrômetro Alice UV, fazendo medições de 2007 a 2017. Ela encontrou um brilho ultravioleta conhecido como uma linha Lyman-alfa, que é produzida quando partículas solares atingem átomos de hidrogênio.

Nós vemos esse brilho ultravioleta por todo o Sistema Solar. Mas nesta região chamada heliopausa, parece haver uma fonte adicional causada pela parede de hidrogênio, criando um brilho maior.

Além da parede, há mais luz ultravioleta do que na frente dela, sugerindo que ela está sendo espalhada pelo “muro”

“Essa fonte distante poderia ser a assinatura de uma parede de hidrogênio, formada perto de onde o vento interestelar encontra o vento solar”, escreveram os pesquisadores.

A teoria ainda não é definitiva. É possível que outra fonte de luz ultravioleta em nossa galáxia possa estar causando esse brilho de fundo. Para ter certeza, a New Horizons continuará procurando pelo muro duas vezes por ano.

Em algum momento, a sonda atravessará a parede, e se existir, a quantidade de luz ultravioleta detectada diminuirá. Isso forneceria alguma evidência adicional de que a parede está realmente lá.

A Voyager 1 e 2 já passaram pela parede agora, então não podem fazer mais detecções. Mas a New Horizons está apenas 42 vezes mais longe do Sol do que a Terra, uma distância que levou cerca de 12 anos para alcançar e está atualmente a caminho de explorar um novo alvo chamado Ultima Thule.

Se nossas estimativas estiverem corretas, então, quando a missão terminar em cerca de 10 a 15 anos, ela deve ter chegado à parede. Nesse ponto, podemos saber com certeza se ela está lá ou não.

*Por Davson Filipe

…………………………………………………………………………….
*Fonte: realidadesimulada

Esta animação da NASA mostra como é realmente viajar perto da velocidade da luz

Se você é um fã de ficção científica, é provável que tenha encontrado algumas franquias onde a humanidade se espalhou por todo o Universo conhecido. As naves que permitem isso, talvez usem um warp drive, talvez “dobrem espaço”, talvez tenham um drive mais rápido que a luz (FTL) ou “jump”.

É uma ideia legal, o pensamento de “ir interestelar!” Infelizmente, as leis imutáveis ​​da física nos dizem que isso simplesmente não é possível.

No entanto, a física que governa nosso Universo permite viagens próximas à velocidade da luz, embora chegar a essa velocidade requeira uma quantidade enorme de energia.

Essas mesmas leis, no entanto, também nos dizem que as viagens à velocidade da luz vêm com todos os tipos de desafios. Felizmente para todos nós, a NASA aborda isso em um vídeo animado recém-lançado que cobre todos os fundamentos da viagem interestelar!

Para resumir, de acordo com as leis imutáveis ​​da física (especificamente, a Teoria da Relatividade Especial de Einstein), não há como alcançar ou exceder a velocidade da luz.

Isso significa que se você vai tentar uma viagem interestelar, sua melhor aposta é se estabelecer para o longo curso (ou seja, um navio de geração) ou encontrar um meio de propulsão que pode permitir uma aceleração constante até uma fração da velocidade de luz (velocidade relativística) é atingida.

Por causa deste vídeo, intitulado “Guia da NASA para viagens à velocidade da luz” (mostrado acima), presume-se que o viajante interestelar (que parece ser uma criatura alienígena) construiu uma nave espacial capaz de viajar a 90 por cento da velocidade da luz (0,9 c).

O vídeo é apresentado como um vídeo informativo para um viajante interestelar. É apresentado com a seguinte mensagem:

“Então, você acabou de dar os retoques finais nas atualizações de sua nave espacial e agora ela pode voar quase à velocidade da luz. Não temos certeza de como você conseguiu, mas parabéns! Antes de voar em seu nas próximas férias, no entanto, assista a este vídeo útil para aprender mais sobre considerações de segurança na velocidade da luz, tempos de viagem e distâncias entre alguns destinos populares em todo o universo.”

Deixando de lado a questão de como a espaçonave é capaz de atingir esse tipo de velocidade, o vídeo então se move diretamente para abordar os grandes problemas que surgem com as viagens em um Universo relativístico.

Isso inclui a dilatação do tempo, a necessidade de proteção no meio interestelar e quanto tempo levaria para viajar até mesmo para os destinos mais próximos, como a estrela mais próxima (Proxima Centauri), a galáxia mais próxima (Andrômeda) ou a mais distante (GN- z11).

É certo que esses desafios são muito difíceis e as maiores mentes científicas do mundo ainda estão procurando uma solução. Um bom exemplo é Breakthrough Starshot, uma iniciativa que espera enviar uma vela de luz movida a laser para Alpha Centauri nos próximos anos. Baseando-se na propulsão de energia direcionada, a espaçonave proposta alcançaria 20 por cento da velocidade da luz (0,2 c) e faria a viagem em apenas 20 anos.

Naturalmente, esse plano envolveu pesquisas consideráveis sobre os perigos das viagens interestelares e levou a algumas soluções criativas de como lidar com eles.

Isso inclui (mas não está limitado a) blindagem, comunicações, os tipos de câmeras e instrumentos que produziriam os melhores resultados científicos, o tipo de vela empregada e o formato da vela em si e como a espaçonave desaceleraria quando chega lá.

Enquanto isso, é bom ter recursos educacionais que permitem às pessoas conhecer as realidades científicas que estão por trás (ou em muitos casos, minam) nossas franquias favoritas!

Também é útil quando se trata de aspirantes a físicos e cientistas que esperam ver viagens interestelares acontecerem durante suas vidas. Você tem que saber quais são os desafios se está pensando em vencê-los!

O vídeo foi o trabalho de cientistas e especialistas em mídia do Goddard Media Studios (GMS) do Goddard Space Flight Center (GSFC) da NASA. O esforço foi liderado por Chris Smith, produtor de multimídia e membro da Associação de Pesquisas Espaciais das Universidades (USRA) da divisão de Astrofísica de Goddard. Ele foi acompanhado pelo colega da USRA Krystofer Kim, que era o animador principal do vídeo.

A NASA Goddard também disponibilizou clipes mais curtos do vídeo e cartões postais imprimíveis para download aqui: https://svs.gsfc.nasa.gov/13653.

*Por Ademilson Ramos

…………………………………………………………………….
*Fonte: engenhariae

A Lua é fedida, segundo astronautas da Apollo

“Macia como a neve, embora estranhamente abrasiva”; “Cheira a pólvora queimada”; essas duas colocações sobre a Lua foram feitas pelo astronauta Eugene Cernan, da Apollo 17, a última missão para o satélite natural.

Não era possível sentir o odor lunar na Lua, claro, pois além da quase falta de atmosfera, eles utilizavam trajes. Mas ao chegar na nave, podiam sentir o cheiro da poeira aderida ao traje e das amostras coletadas; e não era nada bom.

“Tudo o que posso dizer é que a impressão imediata do cheiro era de pólvora queimada, não que fosse ‘metálica’ ou ‘picante’”, disse o astronauta Harrison Schmit, também da Apollo 17.

Buzz Aldrin, piloto do módulo lunar da primeira missão a pousar na Lua, relatou o cheiro como “carvão queimado”, ou “cinzas de uma lareira”.

Mas por que a poeira lunar tem esse cheiro?

A hipótese do engenheiro químico e astronauta Donald Pettit é de que, como na nave a poeira — que estava seca por bilhões de anos na superfície lunar — entra em contato com a água, são liberados esses odores “guardados”. Outra hipótese é de que ao entrar em contato com o oxigênio, ela oxide, semelhantemente a uma queima, dando-a esse cheiro de carvão ou pólvora queimada.

Risco de explosão?

Antes da Apollo 11, os cientistas se preocupavam com a coleta de poeira lunar, pois havia uma chance de que a poeira lunar fosse explosiva, ainda antes de se conhecer o cheiro. Caso isso fosse real, ela poderia entrar em combustão espontânea e explodir na nave após a pressurização, ao se encontrar com o ar.

Por isso, os astronautas da Apollo 11 ficaram atentos durante a pressurização. No caso de qualquer sinal de combustão, eles automaticamente encerrariam o processo e atirariam a poeira para fora da nave. Como nada aconteceu, as coletas puderam ser possíveis.

*Por Felipe Miranda

……………………………………………………………………….
*Fonte: ciencianautas

Cientistas da NASA detectam evidências de universo paralelo

Partículas estranhas observadas por um experimento na Antártica podem ser evidências de uma realidade alternativa em que as leis da física funcionam de maneira contrária

Em um cenário que parece ter saído de um filme de ficção científica, um grupo de cientistas da Nasa detectou evidências da existência de um universo paralelo, em que as regras da física são opostas às nossas.

Esse ‘mundo invertido’ foi descoberto durante um experimento realizado na Antártica.

Usando a Antena Impulsiva Transiente da Antártica (Anita), da Nasa, os especialistas tinham a intenção de detectar o constante “vento” de partículas de alta energia vindas do espaço.

O ar frio e seco do local oferecia o ambiente perfeito para que não houvessem distorções na captação desse fenômeno.

Devido à baixa energia e massa próxima a zero, os neutrinos subatômicos podem passar completamente pela Terra. No entanto, uma variante de alta energia é interrompida pela matéria sólida do nosso planeta.

Isso significa que elas só podem vir do espaço, já que, se estivessem por aqui, seriam barradas pelos elementos sólidos presentes. Porém, o que chocou os especialistas foi que detectaram um ruído vindo da Terra. Ao analisarem os dados, encontraram neutrino de alta energia saindo do chão.

Viagem no tempo

A descoberta implica que essas partículas podem estar realmente viajando para trás no tempo, sugerindo evidências de um universo paralelo, em que as leis da física funcionam de forma contrária às nossas.

Peter Gorham, físico experimental de partículas da Universidade do Havaí e um dos principais pesquisadores por trás do projeto Anita, sugeriu que a única maneira do neutrino de alta energia se comportar dessa maneira é se ele se transformasse em um tipo diferente de partícula antes de passar pela Terra.

Ao descrever o fenômeno, o especialista disse que alguns colegas que presenciaram o acontecido ainda estavam céticos, mas que ficaram intrigados com a descoberta.

De acordo com ele, a explicação mais simples para o acontecido é que, no momento do Big Bang, explosão que deu origem a tudo, dois universos foram formados: o nosso e um que, da nossa perspectiva, apresenta regras opostas da física.

Porém, pelo menos por enquanto, não há como ter certeza de que há um universo paralelo coexistindo com o nosso. Mesmo assim, essa descoberta não deve ser ignorada. Estudos mais aprofundados talvez possam esclarecer essa questão.

*Por Davson Filipe

……………………………………………………………………..
*Fonte:

Mulher ganhou valiosa amostra de poeira lunar de Neil Armstrong e processa NASA para manter sua posse

Uma moradora do Tenessee, nos EUA, entrou na justiça contra a NASA para tentar manter em sua posse um pequeno tubo que, segundo ela, contém poeira lunar que lhe foi dada como presente pelo famoso astronauta Neil Armstrong.

Laura Cicco disse que Armstrong era um amigo da família, e que sua mãe lhe deu um tubo contendo a valiosa poeira lunar quando ela tinha 10 anos. Junto com o tubo veio um bilhete que dizia:

“Para Laura Ann Murray – boa sorte – Neil Armstrong Apollo 11”.

Embora seu tubo de poeira da Lua não tenha sido confiscado pela NASA e continue em seu poder, Laura está processando a NASA preventivamente na esperança de aumentar suas chances de permanecer com seu valioso presente.

A dona do suposto tubo de poeira lunar dado por Amstrong justifica ter entrado com seu processo para evitar que a NASA possa tentar recuperar o material como já fez anteriormente em outros casos, como nesse que foi noticiado pelo site ‘Galeria do Meteorito’.

Processos preventivos são relativamente comuns nos EUA, onde os advogados alegam que tal estratégia aumenta as chances de ganhar uma causa e diminui o tempo de litígio.

Segundo noticiou o jornal norte-americano ‘The Washington Post’, embora tenha ganhado o presente quando ainda era criança, a valiosa amostra e o bilhete tinham ficado com sua mãe, e Laura só tomou posse deles recentemente quando finalmente teve acesso aos bens herdados de seus pais.

Não existe nenhuma lei que proíba pessoas comuns de possuírem materiais lunares, mas de acordo com alguns especialistas, a NASA já confiscou de alguns cidadãos supostos materiais de origem lunar anteriormente.

Por conta da extrema exclusividade de tais materiais e do comportamento tradicionalmente zeloso da NASA, até mesmo especialistas, estudiosos e cientistas têm muita dificuldade de terem acesso a qualquer tipo de amostra lunar.

 

 

………………………………………………………………………
*Fonte: curtoecurioso

Supercomputador da Nasa se junta ao combate contra o Covid-19

Agência espacial faz parte do consórcio montado pelo governo federal dos EUA para reunir parte da capacidade computacional de instituições públicas, universidades e empresas na busca de uma vacina

Um dos supercomputadores da Nasa, dedicado normalmente a executar modelos climáticos para prever o clima futuro da Terra, agora emprestará sua capacidade ao combate da pandemia do novo coronavírus. Em um anúncio feito nesta segunda-feira (23), a Casa Branca comunicou que a agência espacial se uniu aos esforços para fornecer aos pesquisadores acesso aos recursos de computação de alto desempenho na busca por tratamento e vacina para a Covid 19.

Além da Nasa e da National Science Foundation, fazem parte da iniciativa diversos laboratórios, instituições acadêmicas do Departamento de Energia e empresas, como a IBM, Amazon Web Services, Google Cloud, Microsoft e Hewlett Packard Enterprise.

“Estou orgulhoso de que a Nasa esteja emprestando sua expertise em supercomputação para ajudar na luta global contra o COVID-19”, disse o administrador da agência, Jim Bridenstine, em um post no Twitter. “Por mais de seis décadas, a agência usou sua experiência para enfrentar desafios que beneficiaram pessoas de todo o mundo de maneiras inovadoras”, completou.

Se acordo com o diretor e Missões Científicas da Nasa, Thomas Zurbuchen, o supercomputador da divisão de Ciências da Terra terá processamento e tempo redirecionados para a pesquisa do Covid-19. Os pesquisadores poderão enviar propostas de pesquisa relacionadas ao novo coronavírus através de uma inscrição online, que será analisada e combinado aos recursos de computação de uma das instituições parceiras.

“Os Estados Unidos estão se unindo para combater o Covid-19, e isso significa liberar toda a capacidade de nossos supercomputadores para avançar rapidamente as pesquisas científicas”, afirmou o diretor de Tecnologia do governo federal norte-americano, disse Michael Kratsios.

*Por Renato Mota

…………………………………………………………….
*Fonte: olhardigital

Filmes do pouso na Lua teriam sido impossíveis de falsificar. Aqui está o porquê.

Faz meio século desde o magnífico pouso na Apollo 11 na Lua, mas muitas pessoas ainda não acreditam que isso realmente aconteceu. As teorias de conspiração sobre o evento que datam da década de 1970 são de fato mais populares do que nunca. Uma teoria comum é que o diretor de cinema Stanley Kubrick ajudou a NASA a falsificar as imagens históricas de seus seis desembarques bem-sucedidos na Lua.

Mas seria realmente possível fazer isso com a tecnologia disponível na época? Segundo o cineasta Howard Berry , Chefe de Pós-Produção e Líder do Programa de Produção de Cinema e Televisão MA, Universidade de Hertfordshire, é impossível que sa imagens tenham sido falsificadas.

Aqui estão algumas das crenças e perguntas mais comuns – e por que elas não se sustentam.

 

1. “Os desembarques da lua foram filmados em um estúdio de TV.”

Existem duas maneiras diferentes de capturar imagens em movimento. Um é o filme, tiras reais de material fotográfico nas quais uma série de imagens é exposta. Outro é o vídeo, que é um método eletrônico de gravação em vários meios, como a movimentação de fita magnética. Com o vídeo, você também pode transmitir para um receptor de televisão. Um filme cinematográfico padrão grava imagens a 24 quadros por segundo, enquanto a transmissão de TV geralmente é de 25 ou 30 quadros, dependendo de onde você estiver no mundo.

Se concordarmos com a ideia de que os desembarques da lua foram gravados em um estúdio de TV, então esperamos que eles sejam vídeo de 30 quadros por segundo, que era o padrão de televisão na época. No entanto, sabemos que o vídeo do primeiro pouso na Lua foi gravado a dez quadros por segundo em SSTV (televisão Slow Scan) com uma câmera especial.

2. “Eles usaram a câmera especial Apollo em um estúdio e depois abrandaram a filmagem para dar a impressão de que havia menos gravidade.”

Algumas pessoas podem argumentar que, quando você olha para pessoas que se movem em câmera lenta, elas parecem estar em um ambiente de baixa gravidade. Retardar o filme requer mais quadros do que o normal, então você começa com uma câmera capaz de capturar mais quadros em um segundo do que em um normal – isso é chamado de overcranking ou captura-em-tempo-muito-lento. Quando isso é reproduzido na taxa de quadros normal, essa gravação é reproduzida por mais tempo. Se você não pode girar sua câmera, você pode gravar em uma taxa de quadros normal e pode artificialmente abrandar a filmagem, mas você precisa de uma maneira de armazenar os quadros e gerar novos quadros extras para retardá-lo.

No momento da transmissão, os gravadores de discos magnéticos capazes de armazenar filmagens em câmera lenta só podiam capturar 30 segundos no total, para uma reprodução de 90 segundos de vídeo em câmera lenta. Para capturar 143 minutos em câmera lenta, você precisaria gravar e armazenar 47 minutos de ação ao vivo, o que simplesmente não era possível.


3. “Eles poderiam ter um gravador de armazenamento avançado para criar filmagens em câmera lenta. Todo mundo sabe que a NASA recebe a tecnologia antes do público.

Bem, talvez eles tivessem um gravador de armazenamento extra secreto – mas um quase 3.000 vezes mais avançado? Duvidoso.


4. ‘Eles filmaram em filme e abrandaram a gravação. Você pode obter quantos filmes quiser para fazer isso. Então eles converteram o filme para ser exibido na TV.

Isso é um pouco de lógica, finalmente! Mas filmar em filme exigiria milhares de metros de rolo. Um rolo típico de filme de 35 mm – a 24 quadros por segundo – dura 11 minutos e tem 1.000 pés de comprimento. Se aplicarmos isso a um filme de 12 quadros por segundo (o mais próximo de dez que conseguiremos com o filme padrão) rodando por 143 minutos (esse é o tempo de duração da filmagem da Apollo 11), precisaríamos de seis e meio rolos.

Estes então precisariam ser colocados juntos. As junções de emenda, transferência de negativos e impressão – e potencialmente grãos, partículas de poeira, cabelos ou arranhões – instantaneamente cedem o jogo. Não há nenhum desses artefatos presentes, o que significa que não foi filmado em filme. Quando você leva em conta que os pousos subseqüentes da Apollo foram feitos a 30 quadros por segundo, então fingir seria três vezes mais difícil. Então a missão Apollo 11 teria sido a mais fácil.

5. Mas a bandeira está soprando ao vento e não há vento na lua. O vento é claramente de um ventilador dentro do estúdio. Ou foi filmado no deserto.

Não é. Depois que a bandeira é solta, ela se acomoda suavemente e, em seguida, não se move de forma alguma na filmagem restante. Além disso, quanto vento há dentro de um estúdio de TV?

Há vento no deserto, eu aceito isso. Mas em julho, o deserto também é muito quente e normalmente você pode ver ondas de calor presentes em imagens gravadas em lugares quentes. Não há ondas de calor nas imagens de pouso na lua, por isso não foi filmado no deserto. E a bandeira ainda não está se movendo de qualquer maneira.

MAIS SOBRE A LUA E ALÉM

Una-se a nós enquanto mergulhamos nos últimos 50 anos de exploração espacial e nos 50 anos que virão. Do primeiro passo histórico de Neil Armstrong na superfície lunar até os planos atuais de usar a Lua como plataforma de lançamento para Marte, ouça especialistas acadêmicos que dedicaram suas vidas a estudar as maravilhas do espaço.

……………………………………………………………………………………………………

‘A iluminação na filmagem claramente vem de um holofote. As sombras parecem estranhas.

Sim, é um holofote – um holofote a 150 milhões de km de distância. É chamado o sol. Olhe para as sombras na filmagem. Se a fonte de luz fosse um holofote próximo, as sombras se originariam de um ponto central. Mas como a fonte está tão distante, as sombras são paralelas na maioria dos lugares, em vez de divergirem de um único ponto. Dito isto, o sol não é a única fonte de iluminação – a luz também é refletida do solo. Isso pode fazer com que algumas sombras não apareçam paralelas. Isso também significa que podemos ver objetos que estão na sombra.

Bem, todos nós sabemos que Stanley Kubrick filmou isso.

Stanley Kubrick poderia ter sido solicitado a falsificar as aterrissagens lunares. Mas como ele era tão perfeccionista, ele teria insistido em filmar no local. E está bem documentado que ele não gostava de voar… Próximo?
“A Terra é plana. As imagens que vemos da Lua e do Sol, na verdade, são hologramas que são projetados no domo.”

Desisto.

*Por Felipe Sérvulo

…………………………………………………………………………………………….
*Fonte: misteriosdouniverso

 

NASA abre processo seletivo para classe de astronautas

Já pensou curtir uma temporada no espaço estando próximo da superfície da Lua e trabalhar na Estação Espacial Internacional? Agora é a chance de ir atrás desse sonho! A NASA abriu, oficialmente, vagas para a classe de astronautas de 2021, e o período de inscrições, que se iniciou ontem (3), estará aberto até o dia 31 de março, podendo ser realizada a matrícula no site USA Jobs.

A seleção faz parte de um dos meios de facilitar a operação do Programa Artemis, que busca levar astronautas à superfície lunar e lá realizar pousos até 2024. Além disso, há a missão Mars Recover, prevista para 2030, a qual coletará amostras do solo marciano para ser estudadas na Estação Espacial.

“Desde os anos 1760, a NASA selecionou 350 pessoas a fim de treiná-las como astronautas para suas crescentes missões desafiadoras de exploração espacial. Com 48 astronautas no corpo ativo, mais serão necessários para tripular espaçonaves com múltiplos destinos e impulsionar a exploração como parte das missões Artemis e além”, declarou a agência em comunicado oficial.

Teste para astronauta

É importante reforçar que o processo seletivo para trabalhar na agência espacial é um dos mais difíceis conhecidos atualmente, com milhares de aplicações, mas apenas uma dezena de selecionados. Caso seja necessário, utilize como referência a última seleção: houve 18,3 mil inscrições e apenas 12 indivíduos foram escolhidos para integrar o time. Dessa forma, pode-se estimar que, nessa atual oferta, de 8 a 12 candidatos serão aprovados pela agência.

Infelizmente, alguns brasileiros só vão ler a matéria até aqui, já que, para participar do processo, a cidadania americana ou a dupla cidadania (com a americana devidamente inclusa) é um requisito obrigatório para a participação nos testes. Além disso, é exigido um nível de mestrado em algum campo STEM, incluindo Engenharia, Ciências Biológicas, Física, Ciências da Computação e Matemática.

Para quem não tiver mestrado, mas tiver um mínimo de 2 anos de doutorado em campos STEM, doutorado completo em Medicina ou curso de piloto de testes reconhecido nacionalmente, ainda há chances de integrar a equipe de astronautas da NASA. Porém, não para por aí, já que é necessário 2 anos de experiência na área de atuação ou mil horas de voo como piloto de avião a jato, além do longo processo de entrevistas, exames e treinamentos.

*Por Andre Luis Dias Custodio

…………………………………………………………………..
*Fonte: megacurioso

Primeira ida ao espaço de 2020 tem equipe 100% feminina

A primeira viagem ao espaço de 2020 é também a segunda da história a ser conduzida inteiramente por uma equipe feminina – e esperamos ver muito mais! As astronautas pioneiras, Jessica Meir e Christina Koch, foram “lá pra cima” para substituir as baterias de matrizes solares da International Space Station e a NASA exibiu toda a missão ao vivo.

De acordo com a NASA, Meir e Koch substituíram a níquel-hidrogênio que geravam energia para a instalação para baterias de iões de lítio.

Na primeira meia hora de caminhada espacial, a câmera e o sistema luz ligados ao capacete de Koch acabaram escapando e dificultando as imagens para os espectadores, assim como a visualização da dupla na atividade técnica que estavam fazendo. Em uma breve conversa com o sistema de comando da agência espacial norte-americana, elas decidiram continuar trabalhando no escuro e concluíram a missão com maestria.

Se a troca de bateria funcionar como planejado nos próximos dias de monitoramento, a NASA vai enviar os astronautas Andrew Morgan e Luca Parmitano, da Agência Espacial Européia, para finalizar a instalação do Alpha Magnetic Spectrometer’s (AMS) um novo dispositivo de resfriamento para as matrizes lá no alto.

Esta foi a segunda viagem especial de Meir e a quinta de Koch. A segunda das duas juntas. A dupla fez história em outubro de 2019, ao completar a primeira missão da NASA completamente conduzida por mulheres – isso depois de um cancelamento em março por falta de trajes espaciais adequados para corpos femininos.

*Por Karol Gomes

…………………………………………………………………………..
*Fonte: hypeness

Livro gratuito da Nasa traz belas imagens da Terra à noite

Earth at Night também tem muita informação sobre os instrumentos disponíveis aos cientistas, como são usados e sua evolução.

Por muitos anos, as imagens de satélite da Terra à noite serviram como uma ferramenta fundamental de pesquisa, além de estimular a curiosidade do público. Essas imagens mostram como os seres humanos iluminaram e moldaram o planeta de maneiras profundas desde a invenção da lâmpada, há 140 anos.

O contraste entre as luzes e as trevas conta histórias sobre o nosso planeta, que são apresentadas no e-Book Earth at Night (Terra à Noite), desenvolvido pela Nasa e disponível gratuitamente.

Além de mostrar como os seres humanos e os fenômenos naturais iluminam a escuridão, o livro também mostra como e porque os cientistas observam as luzes noturnas da Terra há mais de quatro décadas, usando seus próprios olhos e instrumentos espaciais. Os leitores irão compreender a evolução na tecnologia de imagem, e como fenômenos como erupções vulcânicas, tempestades e incêndios florestais podem ser facilmente identificados.

Earth at Night tem 200 páginas, e está disponível em versões para o Kindle (formato MOBI), outros e-readers (EPUB) e PDF.

*Por Rafael Rigues

………………………………………………………………………………
*Fonte: olhardigital

35.000 dólares por uma noite literalmente de outro mundo

A Nasa anunciou na sexta-feira que abrirá a Estação Espacial Internacional para empreendimentos comerciais, incluindo o turismo espacial – com estadias de 35 mil dólares por noite -, à medida que busca se destacar financeiramente do laboratório de pesquisa em órbita.

“A NASA está abrindo a Estação Espacial Internacional para oportunidades comerciais e gerando oportunidades como nunca fizemos antes”, disse o diretor financeiro da NASA, Jeff DeWit, em Nova York.

Haverá até duas missões curtas de astronautas por ano, disse Robyn Gatens, vice-diretor da ISS.

As missões serão para estadias de até 30 dias. Cerca de uma dúzia de astronautas particulares agora poderão visitar a ISS por ano, disse a NASA.

Esses viajantes seriam transportados para o orbitador exclusivamente pelas duas empresas que atualmente desenvolvem veículos de transporte para a NASA: SpaceX, com sua cápsula Crew Dragon, e Boeing, que está construindo um chamado Starliner.

Essas empresas estão encarregadas de preparar os clientes e faturariam a viagem à ISS, que será a parte mais cara da aventura: cerca de US $ 58 milhões por uma passagem de ida e volta.

Essa é a taxa média que as empresas cobrarão da NASA por levar os aventureiros do espaço até a ISS. Mas os turistas também pagarão à NASA pela estadia no espaço, por comida, água e uso do sistema de suporte à vida no orbital.

Isso custará cerca de US $ 35.000 por noite por astronauta, disse DeWit. A estação espacial não pertence à NASA. Foi construído junto com a Rússia a partir de 1998, e outros países participam da missão e enviam astronautas. Mas os EUA pagaram e controlam a maioria dos módulos que compõem o orbitador.

Os novos turistas espaciais da ISS não serão os primeiros: o empresário americano Dennis Tito já teve essa honra em 2001. Ele pagou à Rússia cerca de US $ 20 milhões pela viagem.

*Por Philipe Kling David

…………………………………………………………………
*Fonte: mundogump

Veja os dois novos trajes espaciais da NASA para a missão Artemis

Esses são os dois novos trajes espaciais da NASA apresentados para o programa Artemis, que tem como objetivo pousar o próximo homem e a primeira mulher na Lua até o ano de 2024.

As informações dos trajes incluem:

O traje laranja é o traje do Orion Crew Survival System, também chamado de traje de voo ou de lançamento e entrada. Os novos recursos incluem um capacete que vem em mais de um tamanho e ternos personalizados. A cor visa facilitar a localização dos astronautas se eles acabarem no oceano, e o traje inclui um “conjunto de equipamentos de sobrevivência”.

Embora tenha sido projetado principalmente para lançamento e reentrada, o traje Orion pode manter os astronautas vivos se o Orion perder a pressão da cabine durante a viagem para a Lua, enquanto ajusta as órbitas no caminho de volta para casa. Os astronautas podem sobreviver dentro do traje por até seis dias enquanto retornam à Terra. Os trajes também são equipados com um conjunto de equipamentos de sobrevivência no caso de terem que sair de Orion após o desastre antes da chegada do pessoal de recuperação. Cada um levará seu próprio colete salva-vidas que contém um farol localizador pessoal, uma faca de resgate e um kit de sinalização com espelho, luz estroboscópica, lanterna, apito e bastões de luz.

O traje branco é a Unidade de Mobilidade Extraveicular da Exploração ou xEMU. O xEMU oferece amplitude de movimento dramaticamente superior aos trajes usados ​​em missões anteriores.

Como podemos ver, esses trajes contam com tecnologia de ponta e, ao mesmo tempo, muitos recursos de emergência e sobrevivência. Além de dar mais mobilidade aos astronautas.

……………………………………………………………….
*Fonte: geekness

Conheça a verdadeira origem dos “travesseiros da Nasa”

De tempos em tempos, alguém aparece revoltado no Twitter ao descobrir que foi enganado a vida inteira pelos “travesseiros N.A.S.A.”. Na embalagem de uma das marcas mais populares do produto — a que traz o ex-astronauta e hoje ministro Marcos Pontes —, o acrônimo não é “National Aeronautics and Space Administration”, que nomeia a agência espacial norte-americana, mas “Nobre e Autêntico Suporte Anatômico”.

Desnecessário dizer, a Nasa não fabrica os travesseiros nem os astronautas testaram esses itens enquanto tiravam um cochilo a caminho da Estação Espacial Internacional. Porém, nem tudo é enganação: a espuma viscoelástica, que é usada nesses produtos, foi mesmo inventada pela agência dos Estados Unidos e até entrou para o Hall da Fama Espacial.

Seu desenvolvimento começou em 1966, quando dois engenheiros terceirizados da Nasa, Charles Yost e Charles Kubokawa, criaram uma espuma de “alta dissipação de energia” para ser utilizada nos assentos das espaçonaves e que amortizaria o impacto nos astronautas em caso de colisões. Feito de poliuretano, o novo material absorvia até 340% mais energia do que as tecnologias disponíveis até então. Como se moldava ao corpo, a espuma distribuía o peso uniformemente, evitando o risco de lesões mais graves.

Mas a história de como o material saiu das naves espaciais em Houston para prateleiras e memes brasileiros começou cerca de dez anos depois, em 1976, quando a patente se tornou domínio público e mais empresas passaram a usá-la. A “espuma da Nasa” começou a aparecer em novos produtos, como acessórios esportivos — o time de futebol americano Dallas Cowboys usou-a em seus capacetes — e, claro, colchões e travesseiros. O Brasil não ficaria de fora dessa.

Em um ano com Marcos Pontes como garoto-propaganda dos “travesseiros N.A.S.A”, faturamento de empresa cresceu cinco vezes (Ilustração: Feu)

Um sonho brasileiro

O primeiro registro nacional da tecnologia em produtos voltados para o sono é de 1999, quando a fabricante norte-americana Tempur-Pedic começou a atuar no Brasil. Mas os travesseiros de viscoelástico só se tornaram os “travesseiros da Nasa” depois que a Marcbrayn, uma empresa de Santa Catarina, começou a fabricar o produto e contratou Marcos Pontes para promovê-lo. “Precisávamos de uma personalidade que preenchesse os requisitos da campanha”, diz o dono, Claudio Marcolino, em um vídeo de 2007 — que, pelo visual, poderia ter sido gravado durante a corrida espacial. “Marcos Pontes, o astronauta brasileiro, foi quem nos gerou mais confiança.”

Tenente-coronel da Aeronáutica e engenheiro formado pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Pontes conquistou a confiança da empresa de travesseiros ao realizar uma missão de dez dias no espaço, em 2006. Depois de anos de treinos na Nasa e adiamentos da viagem, que seria feita em um veículo norte-americano, o governo brasileiro optou por uma solução alternativa: fechou um acordo com a agência espacial russa e, por US$ 10 milhões, enviou Pontes ao espaço a bordo da nave Soyuz.

Assim que voltou à Terra, aos 43 anos, o astronauta se aposentou das Forças Armadas e iniciou uma nova carreira. Ele abriu uma empresa de turismo, tornou-se palestrante e passou a figurar nas embalagens dos travesseiros.

Segundo Marcolino, com o ex-astronauta como garoto-propaganda, em um ano seu faturamento foi multiplicado por cinco. Até hoje o contrato segue em vigor. A empresa não diz quantas unidades já vendeu nem quanto paga a Pontes.

Fora de moda?
Uma nova geração de empresas que fabricam produtos para o sono surgiu no Brasil nos últimos anos, e elas tentam desbancar a popularidade do viscoelástico. Em vez do material utilizado pela Nasa, a marca paulistana Guldi usa outra espuma, “de alta resiliência”, em seus colchões. A carioca Flow faz o mesmo. Outras, como a mineira IWS (“I Wanna Sleep”), afirmam ter desenvolvido um material próprio.

E mesmo aquelas que ainda usam a invenção da Nasa, como a empresa paulistana Zissou, fogem da estratégia de associar a tecnologia à agência espacial norte-americana, desgastada pelos anos de propaganda dos travesseiros. “A gente tenta ser transparente com os nossos clientes e também não ficar discutindo especificações técnicas e coisas com as quais eles não se importam. Preferimos falar sobre as sensações que os produtos causam- no consumidor”, diz Amit Eisler, um dos fundadores da empresa. Os “travesseiros da N.A.S.A”, afinal, são mesmo únicos.

*Por Bruno Fávero

…………………………………………………………….
*Fonte: revistagalileu

O que a lei espacial diz sobre o que você pode ou não levar para a Lua?

Obras de arte, sacos de cocô e até bolas de golfe. Existe uma lista imensa de objetos deixados na Lua pelos seres humanos. Mais recentemente, levamos amostras de DNA humano e uma multidão dos animais mais resistentes da Terra para lá, os tardígrados. Eles estavam na nave israelense que caiu na Lua em abril deste ano. Caso o pouso tivesse sido realizado com sucesso, os pesquisadores testariam a sobrevivência dos bichinhos no espaço. Como a nave se espatifou, agora eles moram lá em cima.

Mas onde estão os fiscais da Lua? Qualquer país pode deixar o que bem entender por lá?

Bem, quase tudo. Segundo Frans von der Dunk, professor de lei espacial da Universidade de Nebraska, a única coisa que os países não podem levar para a Lua de jeito nenhum (pelo menos legalmente) são armas.

Mas essa é apenas uma interpretação das leis espaciais existentes. A coisa é bem mais complicada. Não existe um documento listando os itens que você poderia levar na sua bagagem, mas algumas coisas são proibidas. Em entrevista ao LiveScience, o professor diz que a lei é permissiva. “A menos que algo seja especificamente proibido ou restrito, ele é considerado permitido”

Quem define isso são os tratados internacionais. O mais aceito ainda é o Tratado do Espaço Sideral, formulado na época da corrida espacial, em 1967, e assinado por diversos países. O Artigo 4 do documento diz claramente que nenhum tipo de arma, base, fortificação ou instalação com fins militares pode ser levada ao espaço (incluindo corpos celestes). Todo o tratado se baseia na exploração e uso pacífico do espaço.

Tirando essa, não há nenhuma grande restrição sobre o que cada país pode ou não deixar na Lua. O tratado também não proíbe a introdução de nenhum ser vivo, mas ressalta que as naves devem evitar contaminação de microorganismos no espaço. Já que os novos moradores super resistentes da Lua não são uma grande ameaça – porque o satélite, temos quase certeza, não abriga vida que possa ser ameaçada pelos bichinhos terráqueos –, está tudo bem

Apesar da falta de regulamentação, há uma preocupação crescente com a quantidade de lixo espacial. De acordo com der Dunk, se os países não começarem a se preocupar com o que deixam por lá, em 10 ou 20 anos será impossível viajar para o espaço sem correr o risco de bater em um satélite perdido.

Legalmente, nada impede que você jogue seu lixo na Lua (a menos que exista uma bomba nuclear escondida nele). Mas pelo bem das futuras missões, pedimos que guarde o papel de bala no bolso.

*Por Mariana Clara Rossini

……………………………………………………………..
*Fonte: superinteressante

NASA divulga impactante vídeo sobre a Lua

Apesar de a Lua ter sido uma obsessão da humanidade desde tempos remotos, ainda são muitos os detalhes que desconhecemos sobre nosso pequeno irmão cósmico.

Recentemente, a NASA publicou um vídeo da Lua com imagens obtidas desde 2009 pela sonda da missão Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO).

No vídeo, intitulado “Tour of the Moon 4K Redu”, é possível apreciar numerosas características da superfície lunar nunca antes vistas, capturadas pelas câmeras de alta resolução da agência espacial.

A edição, realizada como uma verdadeira viagem pelo satélite terrestre, percorre diversas regiões da Lua, tais como o Planalto Aristarco, os dois polos, diferentes crateras, além da grande Cratera Oriental. Também permite apreciar a área próxima ao polo sul, na qual foram encontradas evidências da existência de gelo de água superficial:

,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
*Fonte: history

Vídeo da Nasa revela ilhas de lixo no planeta

A garrafa vazia, a embalagem de comida, o bola que furou. Depois de um lindo dia na praia, muitas pessoas esquecem de recolher o lixo que ficou jogado ali na areia. Mas quando a maré sobe, todos estes dejetos acabam sendo levados para o mar. Assim como os banhistas, embarcações que navegam pelos mares também usam a água do mar como lixeira. E a cada novo resíduo descartado no oceano, aumentam ainda mais as imensas ilhas de lixo do planeta.

Recentemente, a Agência Espacial Americana (Nasa) divulgou um vídeo impressionante. Ele mostra como estas gigantescas lixeiras foram se formando em cinco pontos do oceano, ao longo dos últimos 35 anos. Estas áreas concentram uma quantidade enorme de detritos, que vão gradualmente aumentando sua extensão.

O que acreditava-se até pouco tempo era que estas ilhas eram móveis. Todavia, os pesquisadores sabem agora é que estão localizadas em cinco regiões subtropicais, onde as correntes marinhas se encontram. Nelas, o que há é principalmente resíduos de plásticos, micropartículas que já foram parcialmente decompostas pelos raios do sol.

ILHAS DE LIXO

Um estudo internacional, realizado no ano passado pela organização não-governamental 5 Gyres, denunciou que há mais de 5 trilhões de pedaços – grande e pequenos – de plásticos flutuando pelos oceanos do planeta. Seriam cerca de 269 mil toneladas de resíduos, que foram jogadas em nossos mares.

Segundo a pesquisa, que envolveu cientistas de seis países e coletou dados de 24 expedições ao redor do mundo, o plástico encontrado em maior quantidade é de redes de pesca e restos de boias. Mas os pesquisadores acharam também toneladas de garrafas, plásticos, escovas de dentes e uma série de outros detritos.

Além de matar peixes e outras espécies marinhas, o lixo acumulado nos mares contamina a água e acaba afetando também a qualidade do que comemos. É um grande círculo vicioso, já que estamos todos conectados. Por isso, evite usar embalagens plásticas e quando o fizer, sempre descarte no lugar certo.

*Por Suzana Camargo

 

……………………………………………………………………
*Fonte: conexaoplaneta

Vídeo da NASA mostra como Amazônia é fertilizada pelo deserto do Saara

Um vídeo recente disponibilizado pela NASA é mais uma das demonstrações de como a natureza surpreende cada dia mais. Um mar de areia saindo do Deserto do Saara em direção a floresta Amazônica, fazendo uma viagem de mais de 2000 km.

Os dados foram coletados entre os anos de 2003 a 2007, porém a sociedade só teve acesso as informações recentemente.

A estimativa é de que, aproximadamente, 182 mil toneladas de areia do Saara atravessem o oceano Atlântico para chegar até a América, sendo que desse total, cerca de 28 milhões chegam a cada ano na bacia amazônica.

O Dr. Hongbin Yu., coordenador da pesquisa relata que “Todo o ecossistema da Amazônia depende do pó do Saara para reabastecer suas reservas de nutrientes perdidos”.

*Por Rodrigo Andrade

……………………………………………………………………….
*Fonte: hotelurbano

O telescópio Kepler está ficando sem combustível

A NASA anunciou que seu revolucionário Telescópio Espacial Kepler, que descobriu milhares de exoplanetas, está perto do seu fim.

Em uma atualização, Charlie Sobeck, engenheiro da missão, revelou que o telescópio está ficando sem combustível. A equipe espera que ele fique completamente sem combustível e, portanto, seja inutilizável, dentro de alguns meses.

“Enquanto anteciparmos as operações de voo que terminam em breve, estamos preparados para continuar enquanto o combustível permitir”, disse Sobeck. “A equipe do Kepler está planejando coletar o maior número possível de dados científicos no seu tempo restante e transmiti-lo de volta à Terra”.

O Kepler não tem um medidor de combustível a bordo, mas ao monitorar a pressão do tanque de combustível e o desempenho de seus propulsores, a equipe consegue determinar o quanto de combustível ainda resta.

Além do telescópio precisar dos propulsores para apontar-se em estrelas distantes e procurar planetas, os propulsores também são utilizados para apontar a antena do telescópio para a Terra e nos enviar os dados coletados. Sem combustível isso é impossível, e posicionados a 151 milhões de quilômetros de distância da Terra, não podemos reabastecê-lo, então a missão chegará ao fim quando o combustível acabar. Quando isso acontecer, o telescópio simplesmente será deixado onde está atualmente.
Publicidade

Antes disto ocorrer, a equipe continua coletando dados. O telescópio está atualmente em sua segunda missão, chamada K2, que começou em 2014. Durante esta missão, excedeu as expectativas e atualmente está em sua 17ª campanha de observação — sete a mais do que o esperado.
Concepção artística do Kepler-186f, exoplaneta semelhante ao planeta Terra localizado na zona habitável da sua estrela. (Créditos da imagem: NASA Ames/JPL-Caltech/T. Pyle).

O telescópio Kepler tem apenas um instrumento a bordo: um fotômetro, usado para observar as luzes de estrelas distantes. Ao fazer isso, o Kepler pode detectar planetas enquanto eles transitam a sua estrela-mãe. Uma vez que um planeta é visto em trânsito três vezes, ele pode ser confirmado.

A técnica demonstrou grande eficácia. Antes do lançamento do Kepler conhecíamos menos de 100 exoplanetas. O Kepler confirmou mais de 2.500 exoplanetas até o momento, com mais 2.800 candidatos aguardando verificação.

*Por Giavani Almeida

 

 

 

……………………………………………….
*Fonte: ciencianautas

A NASA vai para a Lua novamente, desta vez para ficar

A NASA vai para a Lua novamente. E desta vez para ficar. É isso que a Agência Espacial dos EUA anunciou com um novo vídeo publicado na web, o qual celebra também os 60 anos de existência deles.

No vídeo, vemos inspiradoras palavras de progresso e exploração espacial. Momentos históricos que ocorreram e o que há de projeções e tecnologias para serem utilizadas no futuro.

Como se fosse um trailer de uma nova temporada, mas uma temporada para a humanidade. Eles vão voltar para a Lua provavelmente para estabelecer uma base lunar, e a partir de lá explorar o “além”. Marte, e certamente outros confins do universo.

Algo extremamente inspirador, com certeza.

*Por Flávio Croffi

 

……………………………………………………………..
*Fonte: geekness

Vídeo da NASA mostra como a Floresta Amazônica é fertilizada pelo Deserto do Saara

Uma grande quantidade de poeira do Saara “viaja” mais de 2.000 km para chegar à Amazônia, o fenômeno é mostrado em um vídeo divulgado recentemente pela National Aeronautics and Space Administration (NASA).

Os dados que fora coletado entre 2007 e 2013 pela NASA, mostram a relação entre o deserto e a floresta. Apesar de ser um fenômeno já conhecido pelos cientistas há anos, somente agora temos informações mais precisas deste comportamento ambiental.

Como a poeira do deserto do Saara fertiliza a Amazônia

Estima-se que aproximadamente 182.000 toneladas de poeira do Saara atravessem o Oceano Atlântico para chegar à América. Desse total, cerca de 27,7 milhões de toneladas de poeira precipitam a cada ano na bacia amazônica, sendo 0,08% correspondente ao fósforo (importante nutriente para as plantas), segundo pesquisadores da Universidade de Maryland (EUA), que é igual a 22.000 toneladas.

Essa quantidade de fósforo, de acordo com o estudo, é suficiente para suprir as necessidades nutricionais que a floresta amazônica perde com as fortes chuvas e inundações na região.

Todo o ecossistema da Amazônia depende do pó do Saara para reabastecer suas reservas de nutrientes perdidos”, diz o coordenador do estudo, Dr. Hongbin Yu. Confirma o que muitos, mesmo sem base científica, conhecem há muito tempo: “este é um mundo pequeno e estamos todos conectados”.

O pó que é rico em nutrientes, vem principalmente de uma região conhecida como Depressão Bodele, localizada no país africano Chade, formada após o maior lago da África ter secado há aproximadamente 1.000 anos.

No entanto, a maior parte da poeira permanece suspensa no ar, enquanto 43 milhões de toneladas viajam para o Mar do Caribe. O estudo, que só foi possível graças à coleta de dados do satélite CALIPSO, NASA, foi publicado na revista científica Geophysical Research Letters.

Aqui você pode ver uma animação 3D para ver o fenômeno de uma maneira mais didática:

Obs: o vídeo está em inglês.

*Por Arthur Oliveira

 

 

……………………………………………………………………………….
*Fonte: florestalbrasil

Como a NASA está presente em seu dia a dia sem você saber

De GPS, a câmera “selfie” em seu telefone celular ou até mesmo turbinas eólicas são alguns dos derivados dos desenvolvimentos tecnológicos da Nasa que, sem perceber, melhoraram significativamente nossas vidas.

A agência espacial dos Estados Unidos introduziu em muitas ferramentas a tecnologia originalmente criada para estudar e explorar o espaço. Para que os usuários possam descobrir como a NASA está presente no seu dia a dia, foi criada uma página web interativa onde todos esses elementos são exibidos.

Este novo espaço virtual, Nasa Home & City, mostra cerca de 130 dispositivos que, indiretamente, a NASA ajudou a desenvolver ou, em alguns casos, a melhorar. “A NASA está mais perto do que se acredita.

Os sistemas de filtragem de água foram projetados, inicialmente, para purificar a água dos astronautas. O mesmo vale para as turbinas eólicas. Agora, a NASA está analisando a energia de painéis solares para futuras missões tripuladas em Marte. Mas, no passado, ela estudou o uso da energia eólica para a exploração deste planeta . E, para isso, ela contribuiu com o primeiro programa de desenvolvimento sistemático com o qual ele procurou melhorar seu desempenho. Este design, melhorado com o passar do tempo, é o que podemos ver agora em qualquer parte do mundo.

Outra das invenções da agência espacial são as câmeras digitais dos telefones celulares que usamos atualmente. Em 1990, a NASA construiu um pequeno sensor de imagem que precisava de pouca energia para capturar imagens em suas diferentes missões espaciais . No entanto, a tecnologia para tirar essas fotos evoluiu muito nos últimos anos e esse desenvolvimento tem sido ideal para complementar nossos telefones.

Para o uso de espaçonaves, a NASA aprimorou o tecido de polímero com o qual são feitos os trajes espaciais, resistentes ao fogo. Alguns fatos que se tornaram parte do equipamento de proteção dos bombeiros devido ao material retardante de fogo com o qual são feitos.

Além disso, a Nasa também influenciou a vida de todos os esquiadores ou profissionais de snowboard que usam óculos para bloquear até 95% da luz azul refletida na neve branca. Um brilho que dificulta a visão e que, graças a um filtro projetado pela NASA, não é mais um problema para ver o terreno onde você esquia com clareza.

*Por Any Karolyne Galdino

 

………………………………………………………..
*Fonte: engenhariae

Nasa lança sonda que vai ‘tocar o Sol’ e deve marcar a história da ciência

A missão da Nasa, a agência espacial americana, em direção ao sol finalmente foi iniciada na madrugada deste domingo, depois de ser adiada três vezes.

O objetivo da sonda que decolou sem imprevistos nesta madrugada é inédito: a nave Parker Solar Probe (PSP) será o primeiro objeto construído por um humano a “tocar” o Sol.

O “tocar”, aqui e nos cuidadosos comunicados da Nasa, vai sempre entre aspas porque a engenhoca vai, tecnicamente, apenas se aproximar muito da corona solar. Trata-se da parte mais externa da atmosfera do Sol, que começa a 2,1 mil quilômetros da superfície da estrela do Sistema Solar – e não tem um limite preciso. A corona é aquela aura, composta de plasma e com temperatura que chega a 2 milhões de graus Celsius, que a gente consegue ver quando há um eclipse.

“Chegará mais perto do Sol do que qualquer outra missão anterior”, diz o astrofísico Adam Szabo, um dos cientistas que integram a missão, em conversa com a BBC News Brasil. De acordo com o cronograma da agência espacial americana, daqui a sete anos, a PSP estará no ponto mais próximo da estrela já alcançado por uma espaçonave terrestre: 6,3 milhões de quilômetros da superfície solar.

Se o número parece grande, é preciso pensar nas escalas astronômicas. A distância entre a Terra e o Sol, por exemplo, é de 150 milhões de quilômetros. Mercúrio, o planeta mais próximo do Sol, está a 58 milhões de quilômetros do astro. A atual recordista, a nave Helios 2, chegou, em 1976, a 43,5 milhões de quilômetros do Sol.

Para que servirá a missão

A ousada missão espacial, uma das mais complexas de toda a história de seis décadas da Nasa, deve custar cerca de US$ 1,5 bilhão e, esperam os cientistas, ajudar a responder uma série de dúvidas astronômicas.
Direito de imagem Johns Hopkins University Applied Physics Laborator
Image caption A nave Parker Solar Probe (PSP) será o primeiro objeto construído por um ser humano a “tocar” no Sol

Com os dados obtidos pela PSP, os pesquisadores querem conseguir compreender melhor a origem do vento solar – em termos práticos, essa informação pode ajudar a proteger o funcionamento dos nossos satélites artificiais, tão afetados por tais fenômenos. Vento solar é o nome que se dá para o fluxo de partículas com carga elétrica, como prótons, elétrons e íons, que o Sol irradia pelo Sistema Solar.

“Esta será a primeira vez que vamos estudar, de perto, nossa estrela Sol. Entender como funciona a corona e o vento solar vai nos ajudar a proteger nossa civilização, cada vez mais dependente de tecnologia e satélites de comunicação”, contextualiza o físico e engenheiro brasileiro Ivair Gontijo, cientista da Nasa, à BBC News Brasil. “Variações no vento solar podem causar sérios danos a esses satélites.”

“Esperamos com essa missão entender como a corona acelera o vento solar. Quem sabe poderemos no futuro prever quando o vento solar coloca nossos satélites em risco”, completa Gontijo.

Os cientistas também querem entender por que a corona, mesmo mais distante do núcleo solar, é tão mais quente do que a superfície – 2 milhões de graus Celsius, contra uma variação de 3,7 mil a 6,2 mil graus.

A PSP ainda deve trazer avanços à astrofísica. Com uma observação tão próxima do Sol, deseja-se obter dados que ajudem a compreender melhor como as estrelas funcionam.

“De forma mais geral, entendendo o Sol, estaremos também entendendo como funcionam as outras estrelas”, ressalta Gontijo. “Por isso esta missão trará resultados tanto práticos, para protegermos nossos satélites, quanto científicos, na área de astrofísica estelar.”

Objetivamente, conforme enfatiza o astrofísico Szabo, são três as questões que a missão deve responder. “Um: por que a corona é significativamente mais quente do que a superfície do Sol. Dois: por que o vento solar se afasta do sol a velocidades supersônicas. Três: como as partículas energéticas do sol se aceleram à velocidade próxima à da luz”, pontua.

Como funcionará a aproximação do Sol

“A missão Parker Solar vai se aproximar do Sol como nenhuma outra antes e um escudo protetor de quase 12 centímetros de espessura, feito de composto de carbono, vai protegê-la do intenso calor e da radiação presente”, explica o físico brasileiro.

De acordo com informações da Nasa, a nave PSP pesa 612 quilos e mede 3 metros de comprimento por 2,3 metros de largura. O tal escudo térmico mede 1,3 centímetro de espessura e foi feito com um composto de altíssima tecnologia. E, de acordo com o cientista Szabo, o desenvolvimento dessa proteção foi um dos pontos mais difíceis de todo o projeto. A nave será lançada pelo foguete Delta IV Heavy.

O segredo da aproximação solar da PSP está em Vênus. Na realidade, segundo o projeto dos cientistas, é a gravidade do planeta vizinho que irá “arremessar” a nave, que deve desenvolver uma órbita em espiral, aproximando-se cada vez mais do Sol.

Esse primeiro empurrãozinho de Vênus irá ocorrer em 3 de outubro, quando a PSP se aproximar do planeta. Então, no dia 6 de novembro, a nave vai realizar a primeira aproximação do Sol: estará a 24 milhões de quilômetros do astro, ou seja, já terá batido o recorde de artefato humano que mais se acercou do Sol em toda a história.

Essas órbitas vão se tornar recorrentes. E, então, conforme o cronograma desenvolvido pelos cientistas da Nasa, entre dezembro de 2024 e junho de 2025, em suas últimas voltas ao redor do Sol, é que a nave chegará aos pontos de maior aproximação.

E vai bater ainda outro recorde: terá embalado a 700 mil quilômetros por hora e se tornará o objeto mais rápido já fabricado pelo ser humano – para efeitos de comparação, o planeta Terra viaja a 1 milhão de quilômetros por hora.

O nome da nave

A Parker Solar Probe recebeu esse nome em homenagem ao astrofísico americano Eugene Parker, hoje com 91 anos. Ele foi o primeiro cientista a prever a existência do vento solar.

Em 1958, ele apresentou uma teoria mostrando como as altas temperaturas da corona solar acabavam disseminando partículas energéticas, formando o fenômeno, depois comprovado.

*Por Edison Veiga

 

………………………………………………………..
*Fonte: bbc

Novo traje espacial da Nasa foi projetado com “banheiro portátil”

Você já parou para pensar no que acontece quando bate a vontade de fazer o “número um” (ou,eventualmente, o “número dois”) em pleno espaço? Pois os engenheiros da NASA, a agência espacial norte-americana, estão projetando novas roupas espaciais justamente para contemplar essa questão. Chamado de Orion Crew Survival Systems Suits (OCSSS), o traje foi desenvolvido para os astronautas que ocuparão a nave Orion, capaz de transportar humanos a longas distâncias espaciais.

Com o início dos projetos para a realização de viagens de longa duração — e, em última instância, a exploração de Marte — é essencial que os equipamentos dos astronautas consigam fornecer a maior autonomia possível no caso de demora em retornar à nave. Com o OCSSS, os atronautas conseguirão ficar até seis dias em ambientes artificias: sem retirar o equipamento, os tripulantes poderiam realizar atividades básicas, como se alimentar e fazer xixi e cocô.

Antes de desenvolver o OCSSS, a NASA pediu a ajuda de colaboradores: a agência lançou um desafio chamado HeroX — apelidado carinhosamente de “Desafio do Cocô Espacial”, para reunir ideias a respeito das necessidades fisiológicas dos astronautas.

Além das colaborações, os engenheiros também recorreram aos ensinamentos da Missão Apollo, que levou os primeiros humanos à Lua. Principalmente em relação ao que não deu certo: os astronautas da Apollo defecavam em uma espécie de sacola acoplada ao traje de voo. O problema é que o sistema era extremamente rudimentar e propenso a falhas — para que defecassem pouco durante a missão, os astronautas foram submetidos a uma dieta especial.

Os dispositivos da OCSSS contam com maior tecnologia para que a experiência de realizar as necessidades fisiológicas não seja tão desconfortável assim. Para os homens, há uma espécie de camisinha acoplada no pênis responsável por recolher a urina. No caso das mulheres, o desafio é um pouco maior: como em ambientes de microgravidade os líquidos tendem a ficar “aderidos” nas superfícies, há o risco do fluxo de saída da urina ficar prejudicado por conta da presença dos pelos púbicos. Por isso, a engenharia da NASA estuda implantar uma espécie de tubo a vácuo de baixa intensidade capaz de coletar a urina com maior conforto.

Quando estão na Estação Internacional Espacial (ISS), por exemplo, os astronautas contam com um aparelho de sucção a vácuo que coleta a urina e a matéria fecal para despejá-la ou reciclá-la para consumo — o astronauta Scott Kelly bebeu 730 litros de sua própria urina e suor durante a estadia de 340 dias contínuos na nave. No caso das expedições espaciais, os trajes contam com uma espécie de fralda capaz de coletar os dejetos. Definitivamente, a vida de astronauta não é fácil…

 

 

 

 

 

 

 

 

………………………………………………….
*Fonte: revistagalileu

NASA está querendo comercializar a Estação Internacional Espacial

Enquanto o homem ainda não chega à Marte, uma segunda aposta da agência espacial dos Estados Unidos é arranjar formas de lucrar com sua Estação Internacional. Já pensou em ver os astronautas usando novos modelos da Nike nos pés e com cartazes de diversas marcas espalhadas por dentro da nave?

Com essa nova política comercial da NASA, empresas e companhias de capital privado ganham uma maneira de divulgar sua marca e produtos, o que, sem dúvida, vai impactar os cidadãos de todo o mundo.

Leia mais:
+Novo traje espacial da Nasa foi projetado com “banheiro portátil”
+ Empresas planejam instalar internet 4G na Lua

“Hoje, há um número de atividades que são proibidas. Não podemos fazer propaganda e marketing ou práticas com propósito de lucrar”, explicou o subdiretor da Estação Internacional Espacial, Robyn Gatens.

“Nós gostaríamos de abrir essa possibilidade, mas precisamos explorar quais mudanças legais precisam ser tomadas. Então, estamos embarcando nessa ideia e desenvolvendo políticas para tornar possível que entidades comerciais utilizem a Estação Internacional como uma nova possibilidade de mercado”, completou.

Isso não quer dizer que a NASA não tenha associação com nenhuma empresa privada. Pelo contrário, a agência tem contrato com as companhias SpaceX e Orbital ATK, que já lançaram missões para o laboratório em órbita. Outro exemplo é o modelo inflável da empresa Bigelow Aerospace, que foi acoplado à Estação Internacional Espacial em 2016.

Esse impulso de comercializar a Estação Internacional está aliado a um desejo de privatizar as atividades da órbita terrestre baixa (LEO, em inglês), uma prioridade do governo de Donald Trump.

Exemplo disso é o pedido de orçamento da Casa Branca para 2019, que elimina o financiamento direto para a Estação Internacional em 2025 e aloca cerca de 150 milhões de dólares para encorajar o desenvolvimento de marcas do setor privado a investir nas plataformas de órbita terrestre baixa.

Essa nova medida orçamentária está sendo vista com ressalva por alguns e ainda será discutida no Congresso norte-americano.

Também há quem diga que, mesmo que ela entre em vigor, isso não significa que a Estação Espacial será ‘desorbitada’ em 2025. “É possível que continuemos a operar certas partes da Estação, ou ela inteira, durante esse novo modelo. A questão é que, devido a forma com que nós administramos a Estação hoje, e considerando que o governo nos regula, a ideia é que ela se torne algo mais comercial”, explicou Gatens.

 

 

 

…………………………………………………..
*Fonte: revistagalileu

Por que o homem não pisou mais na Lua?

Foi, nas palavras de Neil Armstrong, um pequeno passo para o homem, mas um salto enorme para a humanidade.

Em 21 de julho de 1969, às 2h56 no horário local (0h56 no horário de Brasília), um ser humano – no caso, Armstrong – pisou pela primeira vez na Lua. A notícia estremeceu o mundo. Outras cinco expedições americanas chegaram ali até dezembro de 1972, quando Eugene Cernan fechou o ciclo de alunissagens, ou seja, de pousos na superfície da Lua. Depois dele, nenhum homem voltou ao satélite natural da Terra em mais de 45 anos.

Muitas teorias de conspiração foram criadas deste então para apoiar a ideia de que as alunissagens nunca aconteceram e que as imagens que se difundiram não foram nada mais do que montagens feitas em estúdios de televisão. Mas os motivos, na verdade, são outros: dinheiro, relevância científica e, é claro, questões políticas.

Mas quase meio século depois, o governo dos Estados Unidos anunciou que pretende voltar ao satélite em breve. E que isso pode ser só uma primeira parada em uma jornada para a conquista de Marte.

Na segunda-feira, o presidente Donald Trump aprovou a Diretriz de Política Espacial 1, uma ordem presidencial que autoriza a Nasa a enviar novamente missões tripuladas à Lua.

A previsão é que a diretriz, que foi firmada sem consulta prévia ao Senado, só entre em vigor quando restar ao presidente dois anos na Casa Branca. Mas tendo em vista os prazos para a aprovação dos orçamentos, muitos especialistas temem ela não será efetiva – a menos que Trump seja reeleito em 2020.

Entenda a seguir o que fez os Estados Unidos, e nenhum outro país, não enviarem uma tripulação sequer à Lua em quase meio século – e por que isso pode mudar agora.

Questão de orçamento

Com a façanha de Armstrong, os Estados Unidos foram coroados em sua batalha pela corrida espacial com a então União Soviética, que já havia colocado um cachorro e um tripulante, Yuri Gagarin, no espaço, mas não conseguiu chegar muito além da atmosfera terrestre.

A iniciativa foi, no entanto, extremamente dispendiosa.

“Enviar uma nave tripulada à Lua era extremamente caro, e realmente não há uma explicação verdadeiramente científica para sustentá-la”, explica à BBC Mundo Michael Rich, professor de Astronomia da Universidade da Califórnia em Los Angeles.

De acordo com o especialista, para além do interesse científico, por trás das missões à Lua encontravam-se razões políticas – basicamente a competição pelo controle do espaço.

Ao longo dos anos, com a Lua “conquistada” pelos Estados Unidos, pisar no satélite começou a perder o interesse. “Não havia justificativa científica ou política para retornar”, diz Rich.

George W. Bush propôs em 2004, durante seu mandato, um plano semelhante ao de Trump: enviar uma nova tripulação à Lua e, de lá, abrir as portas para a conquista de Marte.

Mas o projeto se desfez, segundo Rich, pela mesma razão pela qual não havia se repetido antes: seu custo.

O governo Barack Obama, que sucedeu Bush, não se mostrou disposto a gastar os US$ 104 bilhões (o equivalente a R$ 344,44 bilhões) calculados como o custo da empreitada.

“Na prática, é muito difícil convencer o Congresso a aprovar um orçamento tão exorbitante quando, a partir do ponto de vista científico, não havia razões suficientes para retornar à Lua. O projeto Apollo (para levar o homem até lá) foi grandioso, mas pouco produtivo cientificamente falando”, comenta.

Durante os anos do programa, o montante que o governo dos Estados Unidos destinava aos projetos da Nasa representava quase 5% do orçamento federal. Atualmente, corresponde a menos de 1%.

“Naqueles anos, os americanos estavam convencidos de que destinar tal quantia para esses projetos era necessário. Depois disso, acredito que a maioria da população não estivesse muito convencida da ideia de que seus impostos fossem destinados a um passeio pela Lua”, afirma.

Outra razão, comenta, é que a Nasa se viu envolvida em outros projetos mais importantes nos anos que se seguiram: novos satélites, sondas a Júpiter, pôr em órbita a Estação Espacial Internacional, investigações sobre outras galáxias e planetas, ou seja, projetos que tinham mais “relevância científica” do que uma potencial viagem de volta ao satélite.
A nova corrida espacial

As potenciais viagens à Lua começaram, no entanto, a ganhar novamente interesse nos últimos anos.

Há cada vez mais iniciativas estatais e privadas que não só anunciam um retorno ao satélite, mas também planos ambiciosos de colonização, a maioria baseada no barateamento de tecnologias e na fabricação de naves espaciais.

A China, por exemplo, planeja pousar na superfície da Lua em 2018, enquanto a Rússia anunciou que pretende ter uma nave ali em 2031.

Enquanto isso, muitas iniciativas privadas buscam um modelo de negócios espacial que englobe desde explorar os minerais que existem na Lua até vender fragmentos do satélite como pedras preciosas.

E, ao que parece, os Estados Unidos não querem ficar para trás.

Novas justificativas

A agência espacial americana sustenta há anos que ainda existem grandes razões para voltar à Lua.

A Nasa considera que o retorno do homem poderia trazer um maior conhecimento da ciência lunar e permitir a aplicação de novas tecnologias no solo.

Além disso, Laurie Castillo, porta-voz da Nasa, assegurou à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, que a agência continua na Lua – mesmo sem a presença humana.

“Temos hoje a Lunar Reconnaissance Orbiter (uma sonda especial americana lançada em 2009 para exploração da Lua), que está fazendo coisas impressionantes”, disse

“Mas quando se leva em conta o desenvolvimento tecnológico que alcançamos, você se pergunta se ainda é necessário enviar um homem fisicamente à Lua para comprovar qualquer tecnologia. Então você conclui que as razões para voltar fogem novamente ao meramente científico”, opina o professor Rich.

Logo, o anúncio feito por Trump tem fundo político, avalia.

“Acredito que ele queira dar a ideia de que os Estados Unidos não ficarão para trás na nova corrida espacial.”

Dados os avanços tecnológicos e a aposta do setor privado na conquista especial, Rich não acredita que uma base na Lua ou em Marte esteja longe da realidade.

“Em menos de cem anos, estou quase certo de que a Lua estará muito próxima e que estaremos explorando outros lugares do Universo.”

 

 

 

 

…………………………………………………….
*Fonte: bbc-brasil