7 maneiras de saber se um link é seguro

Quando você navega por sites pouco conhecidos, um escorregão basta para que seu computador seja contaminado por programas maliciosos. Basta clicar em um link perigoso para que o estrago seja feito. Saber exatamente aonde você vai com o mouse é o melhor jeito de evitar se meter em uma tremenda encrenca. Mas como ter certeza de que um link aparentemente inocente não é uma imensa cilada?

De abril a junho deste ano, o número de links considerados suspeitos chegou a 74,7 milhões, de acordo com dados do McAfee Labs. Isso representa aumento de 16% em relação ao período anterior (de janeiro a março), um crescimento alto em curto espaço de tempo.

Com tantos endereços com risco de contaminação, o perigo de cair em um deles por engano aumenta. E é essa a ideia dos criminosos virtuais: fazer com que internautas incautos entrem nessas páginas. Mas fique calmo. Se você seguir nossas dicas, vai dar um olé nos malfeitores:

1. Instale um bom antivírus

A regra número 1, antes de sair navegando, é ter um bom antivírus instalado em sua máquina. Softwares que oferecem proteção à navegação, como o UOL Antivírus, evitam que você entre em sites perigosos. Ao clicar no link, um alerta será disparado imediatamente. Você terá tempo para bloquear a ameaça antes que seja tarde demais.

2. Faça uma consulta online

Há algumas ferramentas bastante úteis na web, que permitem verificar sites suspeitos. Entre elas está o Site Advisor, da McAfee, que é gratuito. Basta entrar no endereço http://www.siteadvisor.com/sites/XXX, substituindo o XXX pelo link suspeito. Na mesma hora virá uma resposta sobre a página.

3. Use o Google Chrome

Dentre todos os navegadores, o Chrome é considerado um dos mais seguros. O Google mantém um banco de dados com sites maliciosos e, no momento do clique, pode aparecer uma mensagem de aviso. Aí, você terá tempo de analisar com cuidado se quer mesmo visitar aquele endereço.

4. Leia o endereço com atenção

Criminosos virtuais são peritos em modificar ligeiramente o endereço de uma página conhecida para enganar internautas desatentos. Leia com cuidado o link e desconfie de caracteres estranhos, como o número “1” no lugar da letra “l”.

5. Verifique se o site é seguro

Se estiver em uma loja virtual, confira se ao lado do endereço, na barra do browser, aparece um cadeado. A figura indica que a página é certificada e que os dados são criptografados. Hoje, toda loja virtual séria toma esse tipo de precaução. Se a figura não estiver presente, o site pode ser fajuto. Antes do endereço, deve também aparecer “https://”, em vez de “http://”. É outro sinal de que a loja é legítima.

6. Passe o mouse sobre o link

Uma das artimanhas adotadas por criminosos virtuais é dizer que o link vai para um lugar, mas direcionar o internauta para outro muito diferente. Leia o texto que aponta para o site e passe o mouse sobre ele, sem clicar – na parte inferior do navegador, você verá se a página para onde será direcionado é a que está descrita. Se tiver alguma dúvida, não clique.

7. Tome cuidado redobrado com URLs encurtadas

Golpistas costumam esconder as URLs maliciosas em encurtadores, porque os endereços desses serviços não permitem saber o destino do site. Aqui, uma boa solução é fazer uma consulta no Site Advisor ou outro serviço similar antes de clicar.

Dicas anotadas? Então boa navegação!

…………………………………………………………………..
*Fonte: segurancauol

Vela: conheça a história da modalidade

Não se sabe ao certo quando as embarcações a vela surgiram, há registros de que já eram usadas para transporte antes mesmo da Idade Média. Mas foi a partir do século 15 que a vela passou a ser usada como um meio para os povos europeus explorarem o restante do mundo.

Só durante o século 16, quando o rei da Inglaterra Carlos II visitou a Holanda e aprendeu a velejar, a vela tornou-se, de fato, um esporte, também conhecido como iatismo. Pois ao retornar ao seu país, Carlos II recebeu um iate de presente da Companhia das Índias e passou a praticar a modalidade como um hobby.

Em 1661 aconteceu a primeira disputa, na Inglaterra, no Rio Tâmisa. Foi entre o rei inglês e o Duque de York, seu irmão. A partir daí a modalidade foi se difundindo. Em 1720, por exemplo, foi criado o primeiro clube de vela na Irlanda.

Foi em 1845, que o iatismo ganhou mais visibilidade, o clube New York Yatch Club, de Nova York organizou a primeira regata dos Estados Unidos, a precursora de outros campeonatos. Seis anos depois aconteceu a primeira competição internacional, chamada de Copa de 100 Guinés. Os americanos venceram e a competição, que ocorre até hoje, ficou conhecida como “America’s Cup”.

A vela tornou-se um esporte olímpico em 1900, nos Jogos de Paris. Somente em 1948, nos Jogos de Londres, o Brasil levou uma equipe para disputar a modalidade, que foi apresentada ao país por meio dos imigrantes europeus.

Quando se tornou um esporte olímpico a vela tinha apenas três categorias, número que foi mudando com o tempo com os avanços tecnológicos dos barcos, que ficaram mais leves, mais rápidos, menores e que, consequentemente, deram margem para a criação de novas categorias.

As regras básicas determinam que os velejadores naveguem usando a força do vento, sem atrapalhar os adversários. As regatas são disputadas entre embarcações de mesmo modelo para que vença quem estiver mais bem preparado física e estrategicamente, já que é preciso usar o vento a seu favor.

Para realizar ultrapassagens também é preciso seguir algumas regras, que variam de acordo com o lado em que a embarcação está recebendo vento. Durante as competições, os percursos são delimitados por boias, a posição dos barcos em relação a elas varia de acordo com a classe, que pode ser luff (movimentos em ziguezague), outside (quando os barcos passam por fora das boias) ou inside (quando os barcos passam por dentro das boias).

 

…………………………………………………………..
*Fonte: webadventure

 

Qual foi o ataque de baleia mais marcante da história?

Foi uma investida feita por um cachalote enfurecido, no início do século 19, contra um navio baleeiro no meio do Pacífico. O cetáceo, de 26 metros, trombou violentamente duas vezes com a embarcação, apenas 1 metro maior do que o animal, até afundá-la de vez. Os marinheiros conseguiram escapar ao ataque, mas, após meses à deriva no mar, poucos sobreviveram – e isso após fazerem coisas inimagináveis para não morrer. Essa história acabou inspirando o escritor americano Herman Melville (1819-1891) a escrever um dos clássicos da literatura, Moby Dick. Veja como foi essa eletrizante vingança da caça!

Cetáceo vingador

Animal não deixou barato e afundou baleeiro que queria fisgá-lo

1. O baleeiro Essex deixou o porto de Nantucket, na costa de Massachusetts (EUA), em 1819, para uma expedição de caça no Pacífico Sul. Com 27 metros de comprimento e 238 toneladas, era liderado pelo capitão George Pollard Jr., de 28 anos, e levava a bordo outros 20 marujos

2. Em novembro de 1820, um ano após a partida, os marinheiros avistaram um grupo de baleias e já foram lançando seus arpões. Entre elas, estava um enorme cachalote de, estima-se, 26 metros e 80 toneladas. Com a cabeça cheia de cicatrizes, ele parecia não temer os caçadores

3. E não temia mesmo. Subitamente, o cetáceo vingador, que estava a 100 metros, sacudiu a cauda e nadou na direção do Essex, atingindo-o brutalmente na lateral. O barco balançou como se tivesse batido numa rocha, derrubando todos no chão

4. Após o primeiro choque, o cachalote enfurecido se distanciou uns 600 metros e mirou a embarcação de novo, espancando a água com a cauda. O animal então partiu como um míssil na direção do barco e deu o baque fatal. O Essex rachou e começou a afundar. A baleia desvencilhou-se das tábuas estraçalhadas e nadou para longe, sem nunca mais ser vista

5. Apavorados, os 21 homens embarcaram em três botes levando 65 galões de água e 100 quilos de biscoitos. Um mês depois, chegaram a uma ilha deserta, mas, pensando que não durariam muito ali, partiram em dois botes para tentar chegar à América do Sul. Três homens decidiram ficar

6. Os botes logo se perderam um do outro. No barco do capitão Pollard, os homens já padeciam de diarreia, desmaios e feridas por causa da dieta ruim. Sem água, eles passaram a beber o próprio xixi. Então, os mais fracos começaram a morrer. Os primeiros corpos foram jogados no mar, conforme a tradição naval

7. Porém, quando o rango acabou de vez, os náufragos se desesperaram. Para não morrer de fome, decidiram praticar canibalismo, se alimentando dos próprios companheiros mortos. Primeiro, cortavam a cabeça e, em seguida, devoravam o coração e o fígado

8. Algumas semanas se passaram e, como não houve mais baixas, os desesperados resolveram tomar uma decisão ainda mais extrema: tirar na sorte quem seria sacrificado para alimentar o grupo. O carrasco executor também foi sorteado

9. Finalmente, 95 dias após o ataque do cachalote, o bote do capitão Pollard foi resgatado por um barco. A essa altura, de tão desorientados, ele e o outro sobrevivente nem notaram a aproximação da embarcação salvadora – estavam roendo os ossos de um colega morto

• Dos 21 marujos, só oito sobreviveram: dois do bote do capitão, três do outro bote e três salvos da ilha. Dos 13 mortos, sete foram devorados pelos companheiros

• A força do impacto da baleia foi tão grande que equivaleria ao baque de um carro de 1 tonelada a 100 km/h!

……………………………….
*Fonte: mundoestranho

nocoracaodomar3