Vela: conheça a história da modalidade

Não se sabe ao certo quando as embarcações a vela surgiram, há registros de que já eram usadas para transporte antes mesmo da Idade Média. Mas foi a partir do século 15 que a vela passou a ser usada como um meio para os povos europeus explorarem o restante do mundo.

Só durante o século 16, quando o rei da Inglaterra Carlos II visitou a Holanda e aprendeu a velejar, a vela tornou-se, de fato, um esporte, também conhecido como iatismo. Pois ao retornar ao seu país, Carlos II recebeu um iate de presente da Companhia das Índias e passou a praticar a modalidade como um hobby.

Em 1661 aconteceu a primeira disputa, na Inglaterra, no Rio Tâmisa. Foi entre o rei inglês e o Duque de York, seu irmão. A partir daí a modalidade foi se difundindo. Em 1720, por exemplo, foi criado o primeiro clube de vela na Irlanda.

Foi em 1845, que o iatismo ganhou mais visibilidade, o clube New York Yatch Club, de Nova York organizou a primeira regata dos Estados Unidos, a precursora de outros campeonatos. Seis anos depois aconteceu a primeira competição internacional, chamada de Copa de 100 Guinés. Os americanos venceram e a competição, que ocorre até hoje, ficou conhecida como “America’s Cup”.

A vela tornou-se um esporte olímpico em 1900, nos Jogos de Paris. Somente em 1948, nos Jogos de Londres, o Brasil levou uma equipe para disputar a modalidade, que foi apresentada ao país por meio dos imigrantes europeus.

Quando se tornou um esporte olímpico a vela tinha apenas três categorias, número que foi mudando com o tempo com os avanços tecnológicos dos barcos, que ficaram mais leves, mais rápidos, menores e que, consequentemente, deram margem para a criação de novas categorias.

As regras básicas determinam que os velejadores naveguem usando a força do vento, sem atrapalhar os adversários. As regatas são disputadas entre embarcações de mesmo modelo para que vença quem estiver mais bem preparado física e estrategicamente, já que é preciso usar o vento a seu favor.

Para realizar ultrapassagens também é preciso seguir algumas regras, que variam de acordo com o lado em que a embarcação está recebendo vento. Durante as competições, os percursos são delimitados por boias, a posição dos barcos em relação a elas varia de acordo com a classe, que pode ser luff (movimentos em ziguezague), outside (quando os barcos passam por fora das boias) ou inside (quando os barcos passam por dentro das boias).

 

…………………………………………………………..
*Fonte: webadventure

 

Anúncios

Qual foi o ataque de baleia mais marcante da história?

Foi uma investida feita por um cachalote enfurecido, no início do século 19, contra um navio baleeiro no meio do Pacífico. O cetáceo, de 26 metros, trombou violentamente duas vezes com a embarcação, apenas 1 metro maior do que o animal, até afundá-la de vez. Os marinheiros conseguiram escapar ao ataque, mas, após meses à deriva no mar, poucos sobreviveram – e isso após fazerem coisas inimagináveis para não morrer. Essa história acabou inspirando o escritor americano Herman Melville (1819-1891) a escrever um dos clássicos da literatura, Moby Dick. Veja como foi essa eletrizante vingança da caça!

Cetáceo vingador

Animal não deixou barato e afundou baleeiro que queria fisgá-lo

1. O baleeiro Essex deixou o porto de Nantucket, na costa de Massachusetts (EUA), em 1819, para uma expedição de caça no Pacífico Sul. Com 27 metros de comprimento e 238 toneladas, era liderado pelo capitão George Pollard Jr., de 28 anos, e levava a bordo outros 20 marujos

2. Em novembro de 1820, um ano após a partida, os marinheiros avistaram um grupo de baleias e já foram lançando seus arpões. Entre elas, estava um enorme cachalote de, estima-se, 26 metros e 80 toneladas. Com a cabeça cheia de cicatrizes, ele parecia não temer os caçadores

3. E não temia mesmo. Subitamente, o cetáceo vingador, que estava a 100 metros, sacudiu a cauda e nadou na direção do Essex, atingindo-o brutalmente na lateral. O barco balançou como se tivesse batido numa rocha, derrubando todos no chão

4. Após o primeiro choque, o cachalote enfurecido se distanciou uns 600 metros e mirou a embarcação de novo, espancando a água com a cauda. O animal então partiu como um míssil na direção do barco e deu o baque fatal. O Essex rachou e começou a afundar. A baleia desvencilhou-se das tábuas estraçalhadas e nadou para longe, sem nunca mais ser vista

5. Apavorados, os 21 homens embarcaram em três botes levando 65 galões de água e 100 quilos de biscoitos. Um mês depois, chegaram a uma ilha deserta, mas, pensando que não durariam muito ali, partiram em dois botes para tentar chegar à América do Sul. Três homens decidiram ficar

6. Os botes logo se perderam um do outro. No barco do capitão Pollard, os homens já padeciam de diarreia, desmaios e feridas por causa da dieta ruim. Sem água, eles passaram a beber o próprio xixi. Então, os mais fracos começaram a morrer. Os primeiros corpos foram jogados no mar, conforme a tradição naval

7. Porém, quando o rango acabou de vez, os náufragos se desesperaram. Para não morrer de fome, decidiram praticar canibalismo, se alimentando dos próprios companheiros mortos. Primeiro, cortavam a cabeça e, em seguida, devoravam o coração e o fígado

8. Algumas semanas se passaram e, como não houve mais baixas, os desesperados resolveram tomar uma decisão ainda mais extrema: tirar na sorte quem seria sacrificado para alimentar o grupo. O carrasco executor também foi sorteado

9. Finalmente, 95 dias após o ataque do cachalote, o bote do capitão Pollard foi resgatado por um barco. A essa altura, de tão desorientados, ele e o outro sobrevivente nem notaram a aproximação da embarcação salvadora – estavam roendo os ossos de um colega morto

• Dos 21 marujos, só oito sobreviveram: dois do bote do capitão, três do outro bote e três salvos da ilha. Dos 13 mortos, sete foram devorados pelos companheiros

• A força do impacto da baleia foi tão grande que equivaleria ao baque de um carro de 1 tonelada a 100 km/h!

……………………………….
*Fonte: mundoestranho

nocoracaodomar3