A madrugada pertence aos apaixonados, aos sonhadores e aos leitores:

Na madrugada nossos pensamentos voam como telegramas em busca de destinatários. Nessa linha mágica entre a noite e o dia onde habitam os leitores inveterados, os sonhadores melancólicos, as mentes criativas e esses amantes que, entre carícias e confidências, se despem das suas roupas e das suas emoções…

A madrugada, como podemos ver, não é apenas o território daqueles que tem insônia ou dos sonâmbulos. Na verdade, é um cenário especialmente evocador para o cérebro. É quando nos sentimos livres de estímulos exteriores para nos conectarmos com espaços muito mais íntimos, livres e criativos. De fato, até a bioquímica cerebral se vê encorajada por outros mecanismos muito diferentes dos que nos regem ao longo do dia.

“Os capítulos da madrugada derivam do seu rascunho ao nascer do dia.” -Gonzalo Santoja-

Sabemos que o ser humano rege seus ciclos biológicos através do ritmo circadiano. Somos sincronizados por essa pequena e fascinante estrutura chamada glândula pineal que, ao ser estimulada pela luz ou inibida pela escuridão, propicia a produção de melatonina para orquestrar nossos ciclos de sono e de vigília. A sua participação na entrada e a permanência nestes estados é bastante conhecida; contudo, também abre a porta a outros processos igualmente interessantes, mas menos conhecidos que o de vigília-sono.

Muitas são as pessoas que chegam na cama cansadas, mas em vez de dormir, em vez de se renderem ao prazeroso refúgio do travesseiro, sentem que suas mentes se ativam e se sintonizam. Como radares esperando captar sinais das estrelas. É um momento onde a leitura cai bem, porque se torna mais vívida, porque entre esse mar de letras e a mente existe uma artéria invisível que bombeia com mais força. A mesma coisa acontece com a criatividade ou mesmo com o amor.

Porque nessas horas em que a cidade se apaga, as emoções se acendem com mais intensidade.

Os horários atuais: inibidores da criatividade e da felicidade

As pessoas são criaturas cativas da afiada agulha do ponteiro. Vivemos constantemente atentos aos relógios que regem nossos tempos de trabalho, alimentação e ócio. Mas esses horários aceitos em nossa sociedade nem sempre atendem às nossas necessidades. Os turnos de trabalho rotativos ou as longas jornadas profissionais que impossibilitam a conciliação familiar são inimigos assumidos que impedem parte da nossa felicidade.

“A noite é a metade da vida, e a melhor metade.”-Goethe-

Neurocientistas como Paul Kelly, pesquisador do Instituto do Sono e Neurociência Circadiana da Universidade de Oxford, explicam que tanto o mundo profissional quanto o educacional pouco consideram os ritmos circadianos. Segundo ele, todos estes efeitos estão fazendo com que nos transformemos em “uma sociedade cansada”. Entrar cedo no trabalho ou na escola e nos submetermos a extensas jornadas profissionais saindo de madrugada e chegando em casa de noite é uma coisa desanimadora em todos os sentidos.

Vivemos uma modernidade onde se valoriza mais “estar presente” do que a eficácia. Estar fisicamente no posto de trabalho ou na carteira de escola não significa que a pessoa possa dar naquele momento o melhor de si mesma. O cansaço acumulado e o estresse destes horários pouco justos cerceiam por completo o potencial dos nossos próprios cérebros. Pouco a pouco ficamos abstraídos em uma utopia emocional até cair em uma triste letargia de infelicidade.

 

A madrugada, o lar dos sonhadores

Dizem que a madrugada é o lar dos sonhadores, esse momento em que as estrelas cochicham entre si e onde alguns têm o dom de poder ouvi-las. Incrustados como estamos nesses horários titânicos e pouco conciliadores que acabamos de descrever, mal temos tempo para esses momentos. Contudo, é comum que chegado o final de semana o cérebro nos demande um canto próprio, algumas horas a mais para se libertar.

O processo através do qual consegue fazer isto é simplesmente fascinante.

 

De noite o cérebro funciona em outro ritmo

O córtex cerebral é a área onde se concentram uma série de zonas responsáveis por tarefas como a atenção, planejamento, a memória de trabalho ou as recompensas.

É uma área muito ativa durante o dia graças a uma contribuição regular de dopamina. Contudo, quando a escuridão acaricia a glândula pineal, essa contribuição diminui e convida ao recolhimento.
O córtex cerebral, por dizer assim, se desliga ou entra em estado de “stand by” porque já não há tantos estímulos externos para processar, para administrar ou enfrentar.

A noite, assim como a madrugada, são momentos de sutil satisfação para um cérebro que deseja focar em outras áreas. É então que se abrem os limiares desses cantos fascinantes como é o caso da imaginação, da emoção, da introspecção ou da reflexão.

É o momento de outro tipo de energia

Com certeza você já experimentou isto mais de uma vez. Ir para a cama com algum problema, falta de ideias ou preocupado e, de repente, acordar ao amanhecer com a mente clara como a superfície de um espelho.

As respostas começam a chegar. A inspiração floresce, as emoções se afinam, nossa própria capacidade de sentir, conectar ideias ou visualizar imagens enquanto estamos abstraídos na leitura se intensifica ainda mais.
Não é magia ou alguma capacidade sobrenatural. É o motor da neuroquímica que vê na noite o instante perfeito para focar toda a sua energia e recursos no próprio cérebro.

A mente se esvazia e os pensamentos fluem em outro ritmo, existe uma maior conexão e a pessoa sente mais prazer com certas atividades que, durante o dia, nem sempre são possíveis.

Contudo, fica evidente que por causa dos nossos horários nem sempre podemos desfrutar desses instantes que muitas vezes nos tiram o sono. Contudo, nunca é demais se deleitar com esse recolhimento sutil e favorecedor que as noites e as madrugadas nos oferecem, momentos onde apenas a Lua ou o tímido Sol – ao amanhecer – são testemunhas dos nossos humildes prazeres: sonhar, ler, amar…

Texto Por Valeria Amado

 

…………………………………………………………
*Fonte: osegredo

Anúncios

Como pilotar a moto em situações de risco

Não é sempre que temos um asfalto liso, seco, com boa visualização e seguro para pilotar. Dirigir a moto em situações de risco é um desafio, e existem diversas condições que podem prejudicar o piloto na direção.

Veja aqui algumas das piores situações para pilotagem e entenda que atitudes tomar para não causar acidentes.

 

Chuva

A chuva é o maior inconveniente nas viagens de moto. Se ela começar à noite, a orientação é não seguir viagem, a não ser que você conheça a estrada, ela seja plenamente segura, você esteja bem protegido e falte pouco para o local de destino. Do contrário, procure um lugar para dormir e continue a viagem pela manhã.

Veículos trafegando em sentido contrário, com o pára-brisa molhado, são o melhor aviso de que há chuva à frente. Com este sinal, você deve se preparar para enfrentá-la. Vista uma capa de chuva da sua medida ou roupa impermeável antes que ela chegue até você.

Assim que a chuva começar, pare e espere que ela molhe a pista, lavando todos os detritos de óleo e areia que possam existir. Sob a chuva, reduza a velocidade e passe a frear com maior sensibilidade e menos potência. Se pressentir o início de travamento de uma das rodas, alivie o freio, voltando a acioná-lo até concluir a manobra.

Independente do susto que você levar na moto, não o transmita para o guidão a ponto de apertar o freio dianteiro, pois é uma forma bastante simples de causar um acidente grave. Os principais cuidados com relação à pista molhada são manter a distância de frenagem segura do veículo da frente (costuma ser até 50% maior em pista molhada) e se antecipar a situações de risco.

A água e os detritos lançados pelos pneus dos outros veículos podem sujar a viseira do capacete. Tenha sempre pedaços de papel absorvente ou papel higiênico para limpar sua viseira nestas situações. Se está carregando bagagens, esteja preparado para cobrí-las ou coloque seus itens internos dentro de sacos plásticos antes de acomodá-los na bolsa ou alforje.

 

Noite

Tudo fica mais difícil em viagens ou passeios à noite, desde um abastecimento até um socorro mecânico. A atenção deve ser redobrada e nem sempre é possível enxergar armadilhas, como buracos e manchas de óleo na pista.

Nunca saia à noite sem que farol, piscas e lanternas estejam em perfeitas condições. O farol deve ser regulado caso você esteja com garupa e bagagem, pois com mais peso, a moto fica mais baixa e o facho de luz sai do ajuste ideal.

Procure ter a viseira do capacete em perfeitas condições. Viseira suja e muito riscada acaba criando distorções e reflexos inconvenientes com a luz vinda dos outros veículos. Isso limita a capacidade de visão.

Em viagens, procure fazer as paradas para descanso em postos de gasolina ou outros lugares seguros e bem iluminados. Evite ao máximo paradas nos acostamentos das estradas.

Se for inevitável, procure se afastar o máximo possível da pista. Para ser visto pelos demais veículos, mantenha a lanterna ligada e os pisca-piscas sinalizando alerta.

 

Frio

O frio pode se tornar um grave problema se for preciso enfrentá-lo por horas seguidas ou em condições extremas. A baixa temperatura pode causar a hipotermia em mãos e pés, o congelamento desses pontos, com perda da sensibilidade e da movimentação, o que pode causar graves riscos.

Para se proteger, o ideal é usar luvas de couro ou luvas de tecidos impermeabilizantes. Nos pés, é necessário vestir meias e, algumas vezes, utilizar uma proteção com plástico por dentro da bota para evitar a umidade.

Em cima da moto, a temperatura sentida pode chegar a até cinco graus centígrados menor do que a temperatura ambiente. Por isso, agasalhe-se de acordo com essa diferença de temperatura. A respiração no frio também pode causar o embaçamento da viseira. Nesse caso, a dica é respirar pela boca, direcionando o ar para a parte inferior do capacete.

……………………………..
*Fonte: malucosporcustom

motochuva

Boa noite

Em muitos idiomas europeus, a palavra NOITE é formada pela letra N + o número 8 na respectiva língua. A letra N é o símbolo matemático de infinito e o 8 deitado também simboliza infinito, ou seja, noite significa, em todas as línguas, a união do infinito!

Português: noite = n + oito

Inglês: night = n + eight

Alemão: nacht = n + acht

Espanhol: noche = n + ocho

Francês: nuit = n + huit

Italiano: notte = n + otto

Interessante, não?
“Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina”.
(Cora Coralina)