Agora os rolês também serão off road (mazáh!)

Em pleno de feriado de sexta-feira Santa e sem muito o que fazer depois do tradicional almoço em família nessa data, também tem a hora aproveitar para dar um rolê de moto. E como já havia mencionado em alguma postagem anterior, estava na vez de um test-drive off road com a Honda XRE 300. E o melhor ainda é que agora o Pretto, também está com uma moto igual. Sim, isso faz parte de um plano maligno nosso para conquistar o mundo. Ampliando os horizontes e perspectivas de muitos novos caminhos, especialmente na vibe off road.

Com o clima/tempo meio estranho, tipo aquela vibe de pode chover ou não qualquer momento, resolvemos então mudar de última hora o que seria a nossa primeira opção de roteiro para hoje. Optamos então por um um bem mais curto, ficarmos mais ou menos por perto, pelo interior de Venâncio Aires e andarmos por estradas de chão batido até Vila Deodoro e lá visitarmos o mirante que há pouco tempo construiram.

Nos encontramos conforme o combinado e sem muita embromação já saímos em seguida. Como mencionei, o tempo poderia rapidamente mudar para o modo “chuva” então o negócio era aproveitar logo essa chance de clima seco. Atravessamos a cidade, saída normal em direção até Vila Deodoro. Trecho que começa com asfalto e depois de alguns kms rodados vira estrada de chão batido com restos do que já foi algo tipo um asfalto anteriormente. Mas ok, a estrada estava tranquila (dia de feriado). O trecho é de subida e então quando a encosta, o mato ou então plantações da beira do caminho permitem, a vista lá de cima é cada vez mais bonita.

Viagem tranquila e sem nenhum problema e apesar dos buracos as motos responderam bem, tanto no qusito conforto como motor em dia para esse tipo de empreitada off road leve. Ah! E as minhas costas agradecem a esta suspensão.

Uma parada básica já na gruta da Santinha que há no caminho, mas sem demora seguimos em frente até Vila Deodoro, que era bem perto. aqui cabe um porém – Eu tinha impressão de que esse trajeto da cidade até lá era mais demorado do que foi hoje. Mas ok! Outra parada básica para uma foto também clássica, mas daí em frente ao antigo hotel da curva, em Vila Deodoro. Perguntamos para uma mulher que caminhava a beira da estrada – que se assustou com a gente (sic!), só para nos situarmos melhor em referência ao tal mirante. Ela nos disse que não era longe dali. E realmente, estávamos bem pertinho.

Chegamos na base do subida do local (poderia ser melhor sinalizado – hein!) epor pura dedução de viajantes entendemos que era ali mesmo onde deveríamos deixar as motos e seguir em frente a pé. Se bem que subir aquele resto de morro com as motos seria beeem divertido também. Mas ok, poderia virar esculhambação, melhor não!

O lugar é realmente bonito. Eu imginava que o mirante ficasse virado para o outro lado do morro (sic!). Mas a vista é mesmo muito bonita, dá para enxergar Venâncio Aires de lá – pequenininha é verdade, mas dá. Nessa hora gostaria de ter um binóculo daqueles potentes de lentes grossas azuladas, saca!? Seria muito bom.

Ficamos um tempo por lá e deu para perceber logo de cara de que há uma certa estrutura com bancos à sombra e churrasqueiras, para quem quiser curtir melhor o lugar. Em seguida chegou também mais pessoas para visitar o local. Uma boa ideia esse mirante. Parabéns! Só espero que o mantenham bem cuidado e que as pessoas que forem lá, assim também pensem. É importante manter o local limpo. Vai ser muito bom para o turismo da cidade e também para a habitantes da redondeza.

Sempre digo que a nossa serra também é tipo cartão de visitas, basta saber para onde olhar.

No trajeto de caminhada do morro de volta até as motos um pequeno entrevero. Havia um enxame de vespas em alvoroço bem no trajeto em que deveríamos cruzar. Certo! Vamos lá. Coisas assim fazem parte do pacote da aventura da vida, não é!? O Pretto que estava na frente me avisa das vespas e diz – coloca o capacete e vamos. Sim, não aguentei. Fiz uma foto disso, dando muitas risadas.

*Um porém – não fomos nós que atiçamos as vespas. Estava tudo bem tranquilo quando da nossa passagem pelo local na nossa subida. Deve ter sido coisa do pessoal que subiu logo depois da gente – aposto…rsrsrsrs (só para constar).

Depois do mirante seguimos de volta para casa, mas descemos por um outro caminho, passando por Santa Emília. O trajeto é bem bacanudo, ainda mais na parte logo do começo de descida que segue alguns kms com muitas curvas fechadas em sequência. Eu diria, espero que você me entenda – um bom trajeto para andar de moto. Ah! Saudades dos tempos de trilheiro com os Tutaloko, andando prá cima e prá baixo o tempo todo, por essa região.

Volta tranquila também. a chuva não apareceu, mas o clima ficou a tarde inteira fechado e com essa cara cinza e triste (sexta-feira Santa?). Já no final do trajeto um trecho com asfalto outra vez. Asfalto novo. Bom! Na chegada uma parada para bate-papo, novos planos, comentários e “essa merda de sempre”….kkkkkk

Valeu a tarde, valeu a companhia na empreitada. Mais um daqueles dias fantásticos. E desde já pensando para onde – na próxima vez?
Thanks.

*Como de costume, abaixo algumas imgs (em ordem cronológica) do rolê de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Motocross: o esporte que mais exige do psicológico?

Eu tenho lido algumas estatísticas que dizem que o Motocross é o esporte nº 1 quando se trata de exigir do seu psicológico, o que eu concordo. Alguns dizem que o futebol exige mais do psicológico. Eu suponho que tudo que foi consultado é baseado na opinião individual de cada um e na sua experiência com um esporte em particular.

Para mim, o motocross exige muito mesmo. Eu já pratiquei vários esportes diferentes por muitos anos, e o Motocross definitivamente foi o mais emocionante, excitante e pesado para o corpo.

Eu joguei baseball, futebol, futebol americano, golf, wrestling, corrida, escalada, musculação, ski, jet ski, ski na neve, surf na neve e mountain bike. Cada um desses esportes apresentam seus próprios desafios para a mente, espírito e corpo. Mas as competições que não tem uma pausa, um tempo de descanso, um banco para sentar e que “só acabam no final” são as mais exigentes.

A maioria das pessoas pensam “ah, você só senta e puxa o acelerador”, mas não é bem assim. No Motocross você uma cerca de 60% de todos os seus músculos, tudo desde seu pulso e ombros até tornozelos. Estudos mostraram que uma corrida completa de motocross, que dura cerca de 25 a 30min, é quase a mesma coisa que correr na sua máxima capacidade durante 25min. Agora, pode ser que seja só comigo, mas é uma resistência muito boa se você consegue fazer isso e ainda chegar entre os 10 primeiros da corrida.

Motocross o esporte que mais exige do psicológico

No Motocross, um piloto vai entrar numa corrida que consiste em 2 ou 3 corridas de qualificação. Cada moto corre entre 20 e 45 minutos, dependendo do evento/ localização/ ou pista. O que separa esse dos outros esportes é o peso da moto, as pistas insanas, você está constantemente puxando a alavanca da embreagem, do freio, mudando marchas, girando o acelerador, saltando pelo ar, jogando a moto para os lados nas curvas, e isso usa TODOS os músculos do seu corpo – inclusive seu cérebro – no período.

Tudo isso acontece durante 20 a 45 minutos seguidos, SEM PAUSA. Não tem tempo para descansar. Sem tempo de banco, sem pit stop. Se você nunca fez nada disso antes, então imagine só. Seus pulmões queimam, sua cabeça começa a pulsar, os músculos do seu braço começam a doer e ter cãibra (pela vibração do guidão e por puxar a alavanca mais de 100 vezes por corrida), seus bíceps, tríceps, peito, quadríceps, canela, e outros músculos QUEIMAM por meia hora ou mais… Depois tente segurar um moto de mais de 100kg e controlar todos os seus movimentos. Isso tudo é difícil, não importa quem você seja.

Para se destacar na competição, você precisa TREINAR MUITO, preparar seu corpo e mente e entrar na sua melhor forma através dos treinos DIÁRIOS. Musculação, natação, ciclismo, corrida, etc. Sendo que o treino alternativo consiste em 7 a 10 outros esportes – combinado

Eu costumo dizer que os caras e garotas que se dão melhor no esporte são aqueles que treinam muito e também tem o maior talento natural. Prodígios,se você quiser. Eles são os competidores que entenderam como gastar a menor quantidade de energia na maior quantidade de tempo, e encontraram as áreas certas na pista para se mover mais rápido durante a competição. Isso requer uma enorme percepção de profundidade, reflexos super rápidos para reagir as mudanças rápidas e movimentos, e integridade mental incomparável.

Os pilotos de motocross são feitos para operar com alta intensidade cardiovascular

Você pode nunca entender completamente essa dinâmica a não ser que experimente, então aqui vai um estudo.

Esse estudo mediu o rítmo cardíaco de pilotos de motocross enquanto completavam duas corridas (cada uma com 30min e 2 voltas). Os resultados mostraram que nas duas corridas, os pilotos operaram com 94% e 96% (respectivamente) do máximo das suas frequências cardíacas. Isso mostra que existe um incrível esforço cardiovascular no motocross. Isso supera outros esportes de mesma duração e alta intensidade, como por exemplo o mountain bike.

Imagine estar próximo do máximo da sua frequência cardíaca por quase 40min. Eu não consigo nem imaginar algum outro esporte que exige ação sem pausa por 40 minutos em que se espera 100% da performance durante todo o tempo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

…………………………………………………….
*Fonte: mxpartsblog