As 4 chaves para o bem-estar segundo o neurocientista que estudou a mente dos mestres budistas

Amigo e confidente do Dalai Lama, Richard J. Davidson é um especialista em neurociência contemplativa, o ramo que estuda o impacto da meditação e outras práticas semelhantes em nosso cérebro.

Este professor neurocientista da Universidade de Wisconsin dedicou mais de 10 mil horas ao estudo dos cérebros de grandes mestres budistas, entre eles o monge francês Matthieu Ricard e o mestre budista Mingyur Rinpoche.

Davidson chegou à conclusão de que existem quatro qualidades essenciais para alcançar o bem-estar, aquele estado de paz interior pelo qual todos nós ansiamos mas que tão escorregadio parece, especialmente quando temos que lidar com os problemas do dia-a-dia.

Na verdade, para Davidson, o bem-estar psicológico não é um estado atingido, mas uma habilidade que se desenvolve. É uma mudança de paradigma interessante porque implica que, se alguém pratica, pode-se desenvolver essa habilidade.

A chave está em estimular outras quatro habilidades que estão em sua base e estão enraizadas nos circuitos neurais. Ao fortalecer esses circuitos, também estaremos desenvolvendo bem-estar.

Como desenvolver um estado de bem-estar e paz interior duradoura?

1. Resiliência

Num mundo impermanente em contínua mudança, coisas desagradáveis ​​nos acontecem. Nem sempre podemos evitá-los, mas sempre podemos mudar a maneira como reagimos a elas.

A resiliência é a capacidade de recuperar-se da adversidade e emergir fortalecida dessa experiência. Davidson relaciona isso ao “não-apego”, porque implica a capacidade de fluir e não ficar preso nessas experiências negativas.

As pessoas mais resilientes, que se recuperam mais rapidamente, apresentam níveis mais altos de bem-estar. O interessante é que quanto mais resilientes somos, mais protegidos estaremos nas situações adversas da vida e mais confiamos na nossa capacidade de superar esses buracos.

Davidson descobriu que os circuitos cerebrais de resiliência podem ser modificados com a meditação da atenção plena, embora seja necessário dedicar muitas horas antes que haja uma mudança nesses circuitos.

2. perspectiva positiva

A segunda chave para o bem-estar é a perspectiva. É sobre a capacidade de ver coisas positivas, mesmo no meio da tempestade, a capacidade de desfrutar de experiências positivas e de perceber os outros com bondade.

Mesmo as pessoas que sofrem de depressão mostram uma ativação no circuito cerebral subjacente à perspectiva positiva, o problema é que essa ativação é muito fugaz, não dura o suficiente para melhorar seu humor.

Ao contrário da resiliência, a pesquisa de Davidson sugere que a prática da meditação e da compaixão pode alterar rapidamente esse circuito. Ele comparou os resultados de um grupo de pessoas que praticou meditação compassiva com outro grupo que recebeu treinamento em reestruturação cognitiva para aprender a desenvolver uma perspectiva mais positiva.

Eles analisaram os cérebros das pessoas antes e depois de duas semanas de treinamento e descobriram que, no grupo da compaixão, os circuitos cerebrais que estão na base da perspectiva positiva foram fortalecidos. Demorou sete horas, 30 minutos por dia durante duas semanas.

3. Atenção total

Uma mente errante é uma mente infeliz. Pesquisadores da Universidade de Harvard recorreram a celulares para as pessoas indicarem quando sua mente vagava. Eles tiveram que responder três perguntas de vez em quando:

O que está fazendo agora?

Onde está sua mente neste momento? Você está focado no que você está fazendo ou sua mente está em outro lugar?

Quão feliz você se sente neste momento?

Eles descobriram que as pessoas gastam 47% de suas vidas sem prestar atenção ao que estão fazendo. E o pior de tudo é que vagar sem rumo mental estava associado a um estado de infelicidade e insatisfação.

A capacidade de guiar suavemente a atenção para o presente é uma das chaves para o bem-estar. Não só nos permite prestar atenção ao que estamos fazendo, mas também nos ajuda a apreciar os pequenos detalhes e a sermos relaxados.

Portanto, quando se pergunta a um mestre zen qual é o caminho para a iluminação, eles freqüentemente respondem: “Quando você anda, anda. Quando você come, coma “. Parece simples, mas não é.

4. Generosidade

Muitas pesquisas tem mostrado que há mais prazer em dar do que em receber. Comportamento generoso e altruísta realmente ativa circuitos no cérebro que são fundamentais para o bem-estar. E o interessante é que esses circuitos são ativados mais duramente do que quando recebemos uma recompensa ou um presente.

Um estudo muito interessante desenvolvido na Universidade de Lübeck analisou a ressonância magnética funcional em um grupo de pessoas que se comprometeram a gastar dinheiro nas próximas 4 semanas com outras pessoas comparando-o com outro grupo que alocou o dinheiro para si. Os neurocientistas descobriram que decisões generosas ativam áreas do cérebro, como o estriado ventral, que tem sido associado a altos níveis de felicidade.

Davidson também provou que ser generoso e ajudar os outros a ter um efeito bumerangue, nos reverte rapidamente gerando um estado de bem-estar, equilíbrio mental e felicidade.

……………………………………………………….
*Fonte: revistapazes

Mentalização Positiva

– O QUE VOCÊ DEVE FAZER DE DENTRO PRA FORA –

Pense sempre, de forma positiva.
Toda vez que um pensamento negativo vier à sua cabeça, troque-o por outro!

Para isso, é preciso muita disciplina mental. Você não adquire isso do dia para a noite; assim como um “atleta”, treine muito.

Não se queixe.

Quando você reclama, tal qual um ímã, você atrai para si toda a carga negativa de suas próprias palavras.
A maioria das coisas que acabam dando errado, começa a se materializar quando nos lamentamos.

Risque a palavra culpa do seu dicionário.

Não deixe que interferências externas tumultuem o seu cotidiano.

Livre-se de fofocas, comentários maldosos e gente deprimida. Isto é contagioso. Seja prestativo com quem presta.

Sintonize com gente positiva e alto astral.

Não se aborreça com facilidade e nem dê importância às pequenas coisas.
Quando nos irritamos, envenenamos nosso corpo e nossa mente.

Procure conviver com serenidade e quando tiver vontade de explodir, conte até dez.

Viva o presente. O ansioso vive no futuro. O rancoroso, vive no passado. Aproveite o aqui e agora.

Nada se repete, tudo passa. Faça o seu dia valer a pena.
Não perca tempo com melindres e preocupações, pois só trazem doenças.

A água purifica. Sempre que puder vá a praia, rio ou cachoeira. Em casa, enquanto toma banho, embaixo do chuveiro, de olhos fechados, imagine seu cansaço físico e mental e que toda a carga negativa está indo embora por água abaixo.

Ande descalço quando puder, na terra de preferência. Em casa, massageie seus pés com um creme depois de um longo dia de trabalho. Os escalde em água morna. Acrescente um pouco de sal para se descarregar.

Mantenha contato com a natureza; tenha em casa um vaso de plantas pelo menos. Cuide dele com carinho. O amor que dedicamos às plantas e animais acalma o ser humano e funciona como relaxante natural.

Ouça músicas que o façam cantar e dançar. Seja qual for o seu estilo preferido, a vibração de uma canção tem o poder de nos fazer sentir vivos , aflorando a nossa emoção e abrindo o nosso canal com alegria.

Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo o impeça de tentar.

Liberte-se! Sempre que puder livre-se da rotina e pegue a estrada, nem que seja por um único dia.

Conheça novos lugares e novas pessoas.

Viva a Vida!

Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque… embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu. O medo nos afasta das derrotas….mas das vitórias também!

………
*Fonte: osegredo

otimismo1