O reconhecimento facial abre caminho para o pesadelo de George Orwell

Alguém pode tirar sua foto na rua e conseguir saber quem você é para contatá-lo. Acontece na Rússia. Alguém pode atravessar a faixa de pedestres quando não for permitido e ver que as autoridades lhe multam e pegam sua foto atravessando indevidamente nas paradas de ônibus após identificá-lo com a imagem captada por uma câmera de segurança. Acontece na China. Uma pessoa pode receber a visita inoportuna da polícia porque o algoritmo falhou e a identificou erroneamente. Aconteceu nos Estados Unidos, em cinco ocasiões, com cinco pessoas, em 2015, como admitiu a polícia de Nova York. Tudo isso pode ter acontecido em outros momentos da história, mas nunca foi tão fácil como agora. A tecnologia do reconhecimento facial tem inúmeras comodidades, sim, de promessas de uma maior segurança, certo. Mas, paralelamente, a expansão de toda uma indústria de segurança que gira em torno dela transforma o pesadelo orwelliano de uma sociedade de pessoas controladas em algo mais do que uma possibilidade futura.

Derivada da inteligência artificial, ela deu seus primeiros passos em meados dos anos sessenta. Aquelas primeiras tentativas de usar um computador para reconhecer um rosto humano resultaram em uma tecnologia que alcançou um nível de plenitude assombroso. Prova disso é o iPhone X, que realiza algo que anos atrás pertencia ao domínio da ficção científica: desbloquear um celular com a imagem de nosso rosto. “Quando você encontra uma tecnologia como essa em um aparelho de consumo como o celular”, afirma Enrique Dans, professor de Inovação no IE Business School, “quer dizer que já se pode fazer de tudo com ela”.

Na China, país que fixou como meta se transformar no líder em pesquisa e aplicativos de inteligência artificial em 2030, as pessoas já podem escanear o rosto com o aplicativo para celular Xiaohua Qianbao e pedir um empréstimo ao banco virtual operado pela Xiaohua; ir a um Kentucky Fried Chicken da cidade de Hangzhou e pagar com um sorriso – o Smile to Pay (“sorria para pagar”) é o mais recente sistema desenvolvido pela empresa de pagamentos online Alipay −, e controlar a frequência às aulas de alunos da Universidade de Comunicações de Nanquim.

Ali, a tecnologia avança com os passos firmes da Face++, startup chinesa que derrotou no fim de outubro equipes do Facebook, Google e Microsoft em provas de reconhecimento de imagem na Conferência Internacional de Visão por Computador realizada na Itália. Naquele mesmo mês, a companhia levantou 460 milhões de dólares (1,5 bilhão de reais) em uma rodada de financiamento.

Mas a expansão do fenômeno não se limita a esse território. Lojas de Toronto utilizam a tecnologia para detectar ladrões. O Facebook a usa faz tempo para etiquetar quem aparece nas fotos. De fato, em 2015 já anunciou que podia identificar uma pessoa com 83% de sucesso sem ver sua cara: o tipo de corpo, o penteado e a postura são elementos suficientes. Agora, o novo desafio dos pesquisadores é conseguir identificar pessoas que usem óculos escuros, véu, máscara, balaclava (espécie de gorro com finalidades esportivas): na Universidade da Basileia, Suíça, o professor Bernhard Egger trabalha em um sistema que cria um padrão do rosto em 3D a partir das zonas descobertas da face.

Assim, o mercado do reconhecimento facial já movimenta mais de 3,3 bilhões de dólares (10,6 bilhões de reais) no mundo e poderia chegar a 7,7 bilhões de dólares (24,8 bilhões de reais) em 2022, segundo a consultora MarketsandMarkets. Bancos, companhias aéreas, telefônicas, fabricantes de computadores, todos se abrem a esta nova forma de identificação biométrica que significa um salto à frente em comparação com a impressão digital e a íris.

Mas o rosto não é a mesma coisa que a impressão digital. Quando vamos renovar nosso documento de identidade, concordamos em ceder esse dado biométrico às autoridades. Mas nosso rosto pode ser captado por qualquer um sem nosso consentimento. Por meio de qualquer câmera na rua, em qualquer lugar.

Esta tecnologia tem duas modalidades básicas, como explica por telefone de Michigan o grande especialista Anil K. Jain, professor de engenharia informática e diretor do grupo de pesquisas biométricas da Universidade de Michigan. Uma é a de autenticação ou detecção de rosto (face detection), na qual o sistema compara duas imagens: a que temos armazenada no telefone − no caso do iPhone − e um modelo em 3D criado a partir do rosto que se apresenta diante da tela. E a outra é a de busca de rosto (face search), na qual se cruza uma imagem com as que estão armazenadas em um banco de dados para ver se coincidem − para identificar desconhecidos. “Nesta segunda é muito mais fácil cometer erros”, explica Jain. “São necessários computadores potentes e grandes bancos de dados com milhões de rostos.”

Essa segunda modalidade foi a que desencadeou um debate inflamado sobre a privacidade e as liberdades. Sua combinação com a crescente autoexposição nas redes sociais está acabando com a era do anonimato. O melhor exemplo é dado pelo aplicativo FindFace, que no ano passado causou muita polêmica na Rússia: uma pessoa pega o celular e tira uma foto do passageiro à sua frente no metrô; o algoritmo do aplicativo compara a imagem com as existentes na rede social Vkontakte (que conta com mais de 400 milhões de perfis) e, com uma eficácia de 70%, permite saber quem é essa pessoa. Uma ferramenta perigosa em tempos marcados pelo assédio.

Tecnologia permite identificar em tempo recorde terroristas que acabam de cometer um atentado

E tem mais. Em 2014, os professores Alessandro Acquisti, Ralph Gross e Fred Stutzman demonstraram com o estudo Reconhecimento Facial e Privacidade na Era da Realidade Aumentada o quanto é fácil identificar um desconhecido na era das redes sociais. Com uma webcam e um bom programa de reconhecimento facial, puderam identificar um de cada três alunos que circulavam pela Universidade Carnegie Mellon. Tiveram apenas de cruzar a imagem obtida com as oferecidas pelo mecanismo de busca do Google ou pelos perfis do Facebook. Em alguns casos, o algoritmo permitia até mesmo acessar o número do Seguro Social da pessoa fotografada.

Dito isso, nem tudo é perigoso. O aperfeiçoamento dos algoritmos e das técnicas de análise de dados e a ampliação exponencial dos bancos de imagens de rostos têm proporcionado às forças de segurança um instrumento formidável para identificar em tempo recorde criminosos e terroristas que acabam de cometer um atentado. O professor Anil K. Jain, de fato, publicou em 2013 um trabalho científico no qual demonstrou que era possível identificar um dos dois irmãos que detonaram duas bombas na maratona de Boston em abril de 2013 usando, simplesmente, as imagens divulgadas pelos canais de televisão. “A precisão da detecção de rostos chega às vezes a 90% com as imagens analisadas nas delegacias”, diz. Ou seja, na modalidade de face detection. No entanto, quando se trabalha com imagens de uma câmara de vídeo de segurança da rua (face search), a coisa muda. “Aí tudo dependerá da qualidade da imagem que se obtenha.”

Para que o aparato de segurança que está sendo configurando neste início do século XXI funcione a plena capacidade, são necessários algoritmos cada vez mais precisos, sim. Mas a chave é manter os bancos de dados bem abastecidos. De rostos. E a China já dispõe de um banco de dados com um bilhão de fotos de seus cidadãos, o maior do mundo. O gigante asiático conta, além disso, com uma ampla rede de câmeras para captar imagens na rua. A Face++, segundo o Financial Times, está ajudando o Governo chinês a rastrear o 1,3 bilhão de habitantes do país através de imagens de câmeras de segurança. Escanear placas de carro, escanear rostos. O pesadelo imaginado por Orwell em seu livro 1984 vai tomando forma.

Os norte-americanos não ficam atrás. Um relatório feito no ano passado pelo Law’s Center on Privacy and Technology, o centro sobre privacidade e tecnologia da faculdade de direito da Universidade de Georgetown, estima que 117 milhões de cidadãos já estejam nos bancos de dados que a polícia pode usar. Em conversa telefônica de Nova Iorque, o diretor executivo do centro, Álvaro Bedoya, afirma que o total a esta altura já chega a 125 milhões. “Isto nunca ocorreu na história dos EUA”, protesta. “Os bancos de dados de DNA e impressões digitais eram compostos por pessoas com antecedentes penais. Está sendo criado um banco de dados biométricos de pessoas que respeitam a lei, atravessou-se o Rubicão.”

Bedoya, um destacado jurista, considera que a tecnologia só deve ser usada para crimes graves, não de forma ilimitada: “Na Rússia ela é usada para identificar manifestantes. Nos EUA, também. Caminhamos para uma sociedade de controle. Pode-se identificar qualquer um, a qualquer momento, por qualquer motivo”.

A tecnologia também é usada em ações de policiamento preventivo. O uso de inteligência artificial permite seguir alguém através das câmeras de segurança existentes em espaços públicos e analisar seus movimentos, sua linguagem corporal. Com essa enorme coleta de dados se pretende, por meio de modelos estatísticos, prever onde pode ocorrer um crime e quem pode cometê-lo.

“Na Rússia ela é usada para identificar manifestantes. Nos EUA, também”, alerta o jurista Álvaro Bedoya

O problema é onde vai parar nosso rosto. O jornal britânico The Guardian teve acesso a documentos que indicam que o procurador-geral da Austrália manteve conversas com empresas telefônicas e bancos para o uso privado de seu serviço de verificação facial em 2018. E os especialistas em proteção de dados se preocupam com o uso que as empresas possam fazer dos bancos de rostos de seus clientes. Uma investigação do jornal The Washington Post revelou em novembro que Apple estava compartilhando informações de rostos com alguns aplicativos e, como consequência da investigação jornalística, realizou uma mudança, exigindo que um aplicativo informasse seus usuários sobre isso em sua política de privacidade.

Facebook, Google e Snapchat, por sua vez, são três das empresas que já foram processadas em Illinois por capturar e armazenar imagens dos usuários sem seu consentimento. Por acaso podemos confiar em que as empresas da nova economia digital não comercializarão nossos rostos?

“O problema é que há uma total falta de transparência”, diz Kelly Gates, professora da Universidade da Califórnia em San Diego e autora do livro Our Biometric Future: Facial Recognition Technology and the Culture of Surveillance (“nosso futuro biométrico: tecnologia do reconhecimento facial e a cultura da vigilância”). “A polícia, assim como o Exército, experimenta, mas não sabemos o que estão fazendo.”

Essa pesquisadora, que agora estuda as técnicas de análise forense de vídeo, ressalta que há uma proliferação de vídeos e dados procedentes de drones, câmeras de rua e de estabelecimentos comerciais cuja análise é terceirizada para empresas privadas. “Os cientistas dizem que é uma tecnologia com a qual se cometem muitos erros. Não há uma ciência que a respalde e, mesmo assim, ela continua sendo utilizada”, assinala Gates.

Que seja feito tudo para que não aconteça na realidade o que ocorre na distopia assinada por Terry Gilliam, Brazil, filme de 1985 no qual um erro de dados leva à detenção do senhor Buttle quando o objetivo era deter o senhor Tuttle. Algo que, nas mãos de um integrante do Monty Python, é muito engraçado, mas no mundo real, não tem graça nenhuma. Gates é incisiva: “Está sendo buscada uma segurança perfeita que nunca será alcançada. Pensar que, em contextos de violência, tudo isto é a grande solução é como comprar mais aparelhos de ar condicionado para resolver os problemas representados pela mudança climática”.

No fim das contas, a questão é em quais mãos recai o uso desta tecnologia e de nossos dados. Com ela, países com problemas de direitos humanos e restrições às liberdades têm um tremendo instrumento de perseguição de dissidentes. O controle, como se não fosse suficiente aquele que pode ser exercido por meio dos dispositivos que já temos, atravessa uma nova fronteira. Alguém imagina esta tecnologia nas mãos de um Governo de extrema direita na Europa? Ou em um país governado por fundamentalistas muçulmanos?

*Por Joseba Elola

…………………………………………………………..
*Fonte: elpais

Estudo diz que as pessoas com “letra feia” são mais espertas

Se alguém criticar sua caligrafia… é porque inveja sua inteligência!

Se já zombaram de quão mal você escreve, e você nunca entendeu nada, parabéns, é hora de se gabar do seu intelecto superior. De acordo com pesquisa realizada pela Universidade de Yale (Estados Unidos) e publicada pelo American Journal of Psychology, as pessoas com as letras mais feias são geralmente as mais inteligentes.

O relatório indica que os alunos com melhores qualificações costumam expressar suas ideias em textos escritos com menos elaboração.

A deficiência no desenvolvimento da escrita deve ser por conta de que seus cérebros ganham velocidade em suas mãos, tentando acrescentar tanta informação no menor tempo possível, é por isso que, quem escreve mais feio também escreve rápido.

“Crianças com letras ruins mostraram altas habilidades mentais e agilidade mental acima da média. Para eles, a informação que receberam foi mais importante do que lutar por uma boa letra.” -Psicólogo Arnold L. Gesell, da Universidade de Yale

O conceito de inteligência nos diz que é mais inteligente quem resolve os problemas no menor tempo possível, o que requer uma grande virtude: a agilidade mental. Crianças com maior agilidade mental em teoria devem ser as mais inteligentes. É por isso que a inteligência está relacionada à deficiência na escrita.

Apesar do problema ter uma solução, Gessel também afirmou que, com a prática, coordenando corretamente a visão, o cérebro e a mão, a escrita pode ser melhorada. Mas as pessoas raramente se preocupam em melhorar a compreensão de sua escrita.

……………………………………………………………..
*Fonte: contioutra

Não permita ser julgado por quem não vive a sua história

É preciso coragem para se colocar no lugar das dores alheias, porque isso dói, isso traz consciência de que, muitas vezes, estamos sendo injustos com quem apenas necessita de apoio.

Olhar de longe os acontecimentos, como mero espectador, não dá a ninguém autoridade suficiente para julgar o que vê. Frequentemente, as pessoas são julgadas pelas atitudes que tomam, sofrendo olhares de censura e comentários reprovadores de quem não conhece o que se passou de fato até que se chegasse àquela tomada de decisão.

Um dos maiores favores que faremos aos outros será o de conhecer antes de julgar.
Quem rompe um relacionamento, quem larga o emprego, quem ama como quiser, quem fala o que pensa, são inúmeros os exemplos de comportamentos que acabam sendo alvo da maldade alheia, alvo do veneno de quem não consegue enxergar a si próprio e foge disso denegrindo o outro. Como podem emitir juízos de valor baseados somente no conhecimento superficial, sem ter vivido de perto nenhuma das histórias que não são suas?

Cada pessoa sente o mundo, os acontecimentos, a vida, de um jeito próprio, ajeitando aquilo tudo conforme o que possui dentro de si, de acordo com o que vem se tornando enquanto a vida lhe envia as bagagens. Ninguém sente igual, nem dor nem prazer, o que nos impede de querer que o outro aja como achamos que deveria ou como nós mesmos agiríamos. E quem disse que o que pensamos é o mais correto? É muita presunção mesmo.

Da mesma forma, bem como tanto se alerta, é preciso exercitar a empatia, colocando-se no lugar do outro, entendendo-o antes de criticá-lo. E é preciso coragem para se colocar nas dores alheias, porque isso dói, isso traz consciência de que, muitas vezes, estamos sendo injustos com quem apenas necessita de apoio. Atitudes extremas quase nunca são tomadas por quem está bem e tranquilo, mas sim por pessoas enredadas em meio à dor e ao desespero.

Portanto, não permita que ninguém o julgue sem ter vivido a sua história, sem ter compartilhado nada com você, sem nunca ter perguntado se precisava de algo.
Ignore quem ataca sem entender, quem julga sem conhecer, quem fofoca sem saber, porque a maioria das pessoas só está preocupada com o que acham serem erros alheios que poderiam ser evitados, embora elas próprias errem e tentem se esconder, apontando o dedo para fora de si. Afinal, ninguém conseguirá ser tão implacável quanto a nossa própria consciência.

*Por Marcel Camargo

……………………………………………………………………….
*Fonte: osegredo

Na Islândia a tradição é trocar livros no Natal

O Natal pode ser uma época de muita ansiedade para alguns. Além das filas nas lojas, dos mil e um amigos-secretos e dos altos gastos com presentes, ainda é preciso escolher algo especial para cada pessoa. Na Islândia, uma antiga tradição é também uma ótima maneira de combater o consumismo e aliviar o estresse.

No país, é costume trocar livros na noite de Natal, o que estimula a cultura e desacelera o consumismo nessa época do ano. Após a ceia, é comum passar o restante da noite lendo. Graças a isso, cerca de 70% dos livros islandeses são publicados nos últimos três meses antes do fim do ano.

Segundo uma reportagem publicada pelo El País, o costume surgiu durante a Segunda Guerra Mundial. Nesta época, devido à restrição de importações, as pessoas passaram a trocar livros durante o Natal, pois estes eram impressos no próprio país.

A Islândia é detentora de diversos recordes relacionados à literatura. A ilha conta com o maior número de escritores por habitantes do mundo, bem como o maior número de livros publicados e lidos. Existe até uma estatística que calcula que cerca de 10% dos habitantes do país já publicaram ou vão publicar um livro algum dia.

……………………………………………………………….
*Fonte: hypeness

Melhor lidar com pessoas ácidas e honestas do que com pessoas doces e hipócritas

Existem vários tipos de pessoas com quem conviveremos, ao longo de nossas vidas, no trabalho, nas redes sociais, na vida por aí. Pessoas com personalidades diferentes umas das outras, cada uma delas peculiar e única em suas características próprias. Termos o cuidado de manter por perto quem é sincero será um dos maiores favores que faremos a nós mesmos.

Não é fácil, infelizmente, saber em quem podemos confiar, desde o início, uma vez que máscaras costumam ser usadas durante os relacionamentos, de acordo com os interesses de cada um, de acordo com o quanto a pessoa pensa em si mesma e no outro. Pode demorar para conhecermos realmente a índole de alguém, pode levar muito tempo, porém, nunca será tarde demais para que consigamos nos proteger.

Muitos de nós costumamos confundir leveza com sinceridade e acidez com falsidade, erroneamente. Nem sempre as boas intenções se revestem de um verniz doce e calmo. Nem sempre a falsidade se atrela a um comportamento mais áspero e firme. Na verdade, a gente não conhece de fato as pessoas, mas apenas parte delas que nos são permitidas, de acordo com o que elas querem. E nem sempre o que elas querem nos faz bem.

As decepções serão invitáveis, onde e com quem estivermos. Perdoar será preciso, mas até o limite máximo de nossa dignidade. Teremos que tentar entender o outro, compreendendo que ele tem as próprias histórias, as próprias escuridões, uma luta interna que desconhecemos. Mesmo assim, o sofrimento alheio não poderá morar em nós demoradamente, a ponto de nos fazer mal. Tentar ajudar é necessário, porém, sem tomar como nossas as tempestades que o outro criou.

Por isso é que, muitas vezes, mesmo que não sejam simpáticas demais, será bem melhor lidar com pessoas transparentes, porque então saberemos que terreno pisamos. Ruim é pisar ovos, andar em areia movediça, enquanto não se percebe a crueldade por trás da doçura no tom de voz de certas pessoas. O que nos protegerá, afinal, será a honestidade, tanto a nossa quanto a do outro. Sempre.

*Por Marcel Camargo

……………………………………………………………….
*Fonte: contioutra

4 ensinamentos do Tao para lidar com pessoas difíceis

Dentro dos ensinamentos do Tao estão também aqueles sábios conselhos para tratar e lidar com pessoas difíceis, aquelas presenças que nos roubam energia e que muitas vezes colocam uma cerca nos nossos caminhos. De acordo com os princípios de Lao-Tse, nestes casos, é melhor manter a serenidade, esvaziada de emoções negativas e remover o poder de quem gosta de arrebatar a calma.

Se dermos uma olhada nas publicações mais recentes que falam sobre como melhorar nosso estilo de comunicação e como alcançar o sucesso no trabalho, há um tema recorrente: a necessidade de aprender a gerenciar pessoas difíceis. Agora, estamos cientes de que este rótulo dá nome a uma pequena caixa de desastre e que, portanto, é conveniente definir, em primeiro lugar, o que entendemos por personalidades difíceis.

Dentro do mundo dos negócios e do coaching, temos a prova de que, para sobreviver em nossos contextos sociais, devemos coexistir vigorosamente com perfis de personalidade muito específicos. Referimo-nos a pessoas passivo-agressivas e pessoas narcisistas. São presenças que pululam em quase todos os cenários, que fazem uso do abuso verbal, da manipulação e que, às vezes, sua mera presença já nos obscurece.

Nos últimos anos, muitas das publicações que visam nos ensinar como lidar com esse tipo de situação são nutridas pelos ensinamentos do Tao por várias razões. O primeiro pelo bom manejo das emoções, o segundo pelo manejo adequado dos estados com os quais podemos, em última análise, enfrentar o abuso de poder, estabelecer limites e melhorar nossos estilos de comunicação.

Não importa que os textos de Lao-Tse tenham tantos séculos. Este legado continua sendo muito útil.

1. Controle pessoas difíceis sem ter que lutar com elas

“Controlar o inimigo sem lutar com ele é a maior habilidade.”
-Gichin Funakoshi-

Dentro dos ensinamentos do Taoísmo é exaltado o símile de que viver é como fluir através de um rio. Deixar-nos guiar pelo seu canal sem resistência faz parte dessa harmonia que todos devemos desfrutar.

No entanto, conceitos como luta, confronto ou resistência são a antítese dessa ideia, desse conceito em que somos simplesmente encorajados a avançar com coragem e flexibilidade. Assim, quem escolher, por exemplo, fazer uso da discussão, da constante afronta com pessoas difíceis, só terá mais desânimo e tremenda frustração.

Optar por “não lutar” não significa ceder ou deixar-se sobrecarregar. Significa, acima de tudo, não dar poder àqueles que não o merecem, escolhendo a sabedoria sobre a violência e optando pela calma antes de abrir as comportas, bem abertas, para que a ansiedade nos inunde.

2. Esvazie sua taça de emoções negativas

“O vazio é o melhor ponto de partida … Então abandone todos os seus preconceitos e seja neutro. Você sabe por que esse copo é tão útil? Porque está vazio. ”
-Bruce Lee-

Pessoas difíceis muitas vezes estragam nosso dia com uma única palavra ou um comentário. Não importa quão irracional seja sua mensagem, a inadequação de suas ações nos afeta sim ou sim. Uma das dicas que transmite os ensinamentos do Tao é que quanto menos reativos somos, mais espaço teremos para fazer uso do julgamento.

Vamos, portanto, tentar controlar a angústia, as emoções negativas. Uma vez que a pessoa difícil tenha realizado sua manobra, contaremos até 10 e respiraremos profundamente. Ninguém tem o direito de estragar o nosso dia, por isso vamos nos esvaziar de raiva, despeito e mau humor, um por um …

A mente deve permanecer como uma sala clara, onde o vento contaminado entra através de um portal e desaparece no segundo através do outro.

3. Seja proativo, não reativo

Pessoas difíceis às vezes nos fazem vítimas de suas artes doentias. Pouco a pouco, acumulamos tanto ódio, desconforto e frustração que corremos o risco de reagir da pior maneira possível. Não é adequado. Mais cedo ou mais tarde, vamos nos arrepender dessa reação e, especialmente, não ter definido limites de antemão.

“Não seja escravo de nada nem de ninguém, alcance a verdadeira liberdade.”
-Certo do Jeet Kune Do-

O Tao recomenda que aprendamos a ser proativos. O que isso significa exatamente? Isso significa que devemos aprender a assumir o controle dos eventos, em vez de observar as coisas acontecerem.

Um conselho que Tao nos ensina é que toda vez que vemos uma pessoa difícil, tentemos nos colocar em seu lugar usando a seguinte frase: “não deve ser fácil”.

Essa frase pode nos ajudar a entender muitas coisas: “Não deve ser fácil para o meu colega de trabalho adoecer a todos, ter tão pouca paciência e tão pouco controle de suas emoções”. “Não deveria ser fácil para o meu irmão ficar sem trabalho, com uma dívida e também ter aquele caráter complicado”.

Compreender a perspectiva dos outros nos permitirá estar preparados para controlar melhor a situação. Isso fará com que, quando estivermos prontos para dar ajuda, isso seja mais oportuno do que quando fazemos uma crítica construtiva … isso é mais preciso e motivador.

4. A força do bambu

“Há momentos em que, quando tudo o mais falha, não há escolha senão ser contundente. Como o bambu que ganha força depois de ser dobrado “.
O Tao da Liderança

Às vezes acontece, nossas circunstâncias com pessoas difíceis atingem um limite e nós não somos apenas encurralados, mas nos sentimos inclinados, até mesmo completamente humilhados. Nesses momentos, o Tao nos recomenda visualizar um bambu.

Eles também se dobram, eles também recebem o impacto do vento forte que quer controlá-los e tê-los sob seu poder. No entanto, isso nunca acontece, porque o bambu obtém sua força de sua flexibilidade. O fato de que ele se inclina torna mais forte a reação.

Nós também podemos fazer isso. Quando sentimos que alcançamos o limite, é hora de subir com mais força para gerar uma mudança. Não usaremos violência, porque força não é violência, é capacidade de resposta, é saber nos posicionar com coragem diante daqueles que ousam nos tornar algo que não somos: pessoas fracas.

Para concluir, os ensinamentos do Tao contêm maravilhosas brasas de conhecimento que continuam a inflamar nossa capacidade de aprender, iluminando-nos com sua temperança para lidar com maior sabedoria com as complexidades do mundo de hoje.

……………………………………………………………………
*Fonte: pensamentocontemporaneo

Existem pessoas cruéis disfarçadas de boas pessoas

Existem pessoas cruéis disfarçadas de boas pessoas. São seres que machucam, que agridem por intermédio de uma chantagem emocional maquiavélica baseada no medo, na agressão e na culpa. Aparentam ser pessoas altruístas, mas na verdade escondem interesses ocultos e frustrações profundas.

Muitas vezes ouve-se dizer que “quem machuca o faz porque em algum momento da vida também já foi machucado”. Que quem foi magoado, magoa. No entanto, ainda que por trás destas ideias exista uma base verídica, existe outro aspecto que sempre nos custa admitir: A maldade existe. As pessoas cruéis, por vezes, dispõem de certos componentes biológicos que as empurram em direção a determinados comportamentos agressivos.

“Não há maldade mais cruel que a que nasce das sementes do bem.”
-Baldassare Castiglione-

O cientista e divulgador Marcelino Cereijudo nos assinala algo interessante. “Não existe o gene da maldade, porém há certos aspectos biológicos e culturais que a podem propiciar”. A parte mais complexa deste tema é que muito frequentemente tendemos a buscar rótulos e patologias em comportamentos que simplesmente não entram dentro dos manuais de psicodiagnóstico.

Os atos maliciosos podem ocorrer sem que exista necessariamente uma doença psicológica subjacente. Todos nós, em algum momento da nossa vida, já conhecemos uma pessoa com este tipo de perfil. Seres que nos presenteiam com bajulação e atenção. Pessoas agradáveis, com êxito social, mas que em privado delineiam uma sombra obscura e alargada. Na profundeza dos seus corações respira a crueldade, a falta de empatia, e até mesmo a agressividade.

As pessoas cruéis e a molécula da moral

Tal como dissemos anteriormente, até hoje ninguém conseguiu identificar a existência do gene da maldade. No entanto, nos últimos anos aumentaram os estudos sobre um aspecto fascinante: a denominada “molécula da moral”. Para compreender melhor o que é esta estrutura, iremos nos contextualizar a partir de uma história real. Uma história terrível, que lamentavelmente acontece com muita frequência.

Hans Reiser é um programador norte-americano famoso por ter criado os arquivos ReiserFS. Atualmente, e desde 2008, está na prisão de Mule Creek por ter assassinado sua esposa. Ele não teve problema em se declarar culpado e em revelar onde enterrou o corpo de Nina Reiser. Como dado curioso, vale a pena dizer que este especialista em programação dispõe de uma inteligência prodigiosa, ao ponto de ter iniciado os seus estudos universitários ainda adolescente.

Depois de um julgamento rápido e de ter ingressado na prisão de San Quintín, decidiu preparar ele próprio o seu recurso. Através de 5 folhas escritas à mão, argumentou que o seu cérebro funcionava de maneira diferente. Reiser tinha conhecimento dos estudos que estavam a ser realizados sobre a oxitocina e a utilizou como argumento. Segundo ele, tinha nascido com o seguinte problema: o seu cérebro não produzia a chamada molécula da moral. Carecia de empatia.

Obviamente, e como era de se esperar, este argumento não o impediu de cumprir a pena perpétua. No entanto, o tema sobre a origem da maldade voltou a entrar em debate. Nos dias de hoje, dá-se pleno valor ao fato de que a oxitocina é o hormônio que faz de nós seres “humanos” na sua vertente mais autêntica. Pessoas educadas e preocupadas em ajudar, cuidar e empatizar com os nossos semelhantes.

Como se defender da crueldade camuflada

No nosso cotidiano, nem sempre nos relacionamos com pessoas tão cruéis como a anteriormente citada. Porém, somos vítimas de outro tipo de interações: as de falsa bondade, a agressividade encoberta, a manipulação, o egoísmo sutil, a ironia mais daninha, etc.

“O mundo não está ameaçado pelas pessoas más, e sim por aquelas que permitem a maldade.”

-Albert Einstein-

Estes comportamentos podem ser resultado de vários aspetos. Carência de inteligência emocional, um ambiente pouco afetivo onde a pessoa cresceu ou até mesmo um déficit na liberação da oxitocina. Tudo isto talvez determinará essa agressividade mais ou menos encoberta. De qualquer forma, não podemos esquecer que quando falamos de agressividade, não estamos nos referindo exclusivamente ao dano físico.

A agressão emocional, a instrumental ou a verbal são feridas menos denunciáveis devido à necessidade de serem provadas, mas são mais corriqueiras e por isso temos que nos defender. Explicaremos como.

Pessoas cruéis: saber reconhecê-las e evitá-las

Todos podemos ser vítimas das pessoas cruéis. Não importa a idade, o status ou as nossas experiências anteriores. Este tipo de pessoa pode ser encontrado no meio da família, em ambientes de trabalho e em qualquer outro cenário. No entanto, podemos identificá-las de várias formas.

•A pessoa de coração obscuro nos seduzirá com a mentira. Elas irão se camuflar por trás de palavras bonitas e atos nobres, mas pouco a pouco surgirá a chantagem. E mais tarde, a criação do medo, da culpa e da violência mental.

•Perante estes mecanismos, cabe apenas uma opção: a não-tolerância. Não importa que seja a nossa irmã, nossa parceira ou um colega de trabalho. Os perturbadores da calma e do equilíbrio só buscam uma coisa: acabar com a nossa autoestima para ter o controle.

•Teremos a sensação clara de que não há saída. De que elas nos têm sob suas redes. No entanto, vale recordar que “é mais poderoso aquele que é dono de si mesmo”. Por isso, é importante acabar com o jogo da dominação e da agressividade com determinação.

Os jogos da dominação e da agressividade encoberta são muito complexos. No entanto, é necessário agir com rapidez para remover armadilhas e reagir a ameaças veladas. No momento em que sentirmos desconforto ou preocupação em relação a certos comportamentos, só existe uma opção: a distância.

*Por Valéria Amado

………………………………………………………………
*Fonte: resilienciamag

5 traços das pessoas negativas

Seria injusto afirmar que uma pessoa é negativa na sua essência. Todos os seres humanos têm algum valor e não existe nenhuma pessoa que poderíamos classificar como impossibilitada ou deficiente por si mesma. Quando falamos dos traços das pessoas negativas, o que se questiona é a atitude, não as pessoas em si.

Também é válido esclarecer que nada nos seres humanos é um estado puro nem ocorre de maneira contínua, sobretudo a nível emocional. Portanto, nenhuma pessoa é totalmente negativa ou positiva. Ambas as atitudes coabitam em cada um de nós. O que acontece é que cada um decide dar destaque a uma ou outra postura.

“Somos nosso próprio demônio e fazemos desse mundo o nosso próprio inferno.”
-Oscar Wilde-

Neste artigo, tentaremos expor as principais características que são identificadas em pessoas que têm posturas negativas. O principal prejudicado com essas atitudes é a própria pessoa. Por isso, vale a pena analisar se estamos cometendo algumas dessas atitudes e reconhecer que poderíamos ganhar muito mais se mudássemos a nossa postura. Para isso, vamos analisar os cinco principais traços das pessoas negativas.

Principais traços das pessoas negativas

1. Querer resolver o impossível, uma perspectiva muito negativa

Há muitas coisas impossíveis na vida, mas algumas pessoas não estão dispostas a aceitar este fato. Elas não aceitam que a frustração faz parte da existência e que nem sempre conseguimos aquilo que desejamos.

Talvez quiséssemos ter nascido numa família milionária ou ter crescido num ambiente com muita compreensão. Se não foi assim, não podemos fazer nada para mudar o passado. E se nos focarmos na nostalgia por tudo o que não foi, só conseguiremos nos encher de amargura e dor.

A mesma coisa acontece quando voltamos nosso olhar para objetivos impossíveis. Por exemplo, nos empenhamos em parecer jovens quando já somos mais velhos. Ou tentamos fazer com que outra pessoa se comporte como achamos que ela deve se comportar.

Os objetivos impossíveis trazem apenas frustração e, portanto, mal-estar e sofrimento. Esses são estados que alimentam uma atitude negativa.

2. Desistir quando houver obstáculos

Assim como não é sensato nos focarmos em objetivos impossíveis, também não é adequado nos rendermos quando tentarmos conseguir alguma coisa e nos depararmos com um obstáculo difícil. Não devemos nos esquecer de que todo grande objetivo exige grandes esforços, e de que boa parte das conquistas se baseiam na perseverança.

Muitas vezes, na vida, a tentação de se render nos persegue. Mas esta não é uma opção quando estamos diante de metas que, em termos objetivos, podem ser conquistadas, mesmo que impliquem a superação de muitas dificuldades. A psicóloga Hillary White afirma: “Desistir faz a pessoa se sentir derrotada. Não importa como vai acabar, enfrentar as dificuldades já aumenta a confiança”.

3. Levar as coisas muito a sério

Quando ainda não tivermos fortalecido suficientemente o nosso amor próprio e a nossa maturidade, teremos um ego muito sensível. Não suportamos passar vergonha e sentimos muito medo de parecer ridículos. As críticas também não nos caem bem, mesmo que sejam verdadeiras e tenham como objetivo nos ajudar.

Levar as coisas muito a sério só ajuda a aumentar uma atitude negativa em relação às pessoas e a si mesmo. É preciso humildade para não levar tão a sério esses pequenos disparates sociais. Parecer ridículo ou errar só marca pessoas que dão mais importância a essas situações do que elas realmente merecem.

4. As reclamações como forma de vida das pessoas negativas

Todos nós reclamamos uma vez ou outra. O problema surge quando se adota a reclamação como forma de vida. Nesses casos, a visão fica nublada e tudo o que se vê fica negativo. Não existem outras opções nem possibilidades. A atenção se volta para as desgraças, o sofrimento e a incapacidade do indivíduo.

Já não se trata de manifestar um estado de sofrimento, mas de adotar uma posição existencial negativa em relação ao mundo. Na verdade, é uma estratégia muito utilizada pelas pessoas negativas para justificar a ausência de progressos.

O mal-estar se transforma em uma permissão para não progredir, para evitar se comprometer com objetivos que incluam superação.
Compartilhar

5. Comparar a si mesmo e ser hostil com os outros

Viver em função das comparações com os outros é um dos maiores traços das pessoas negativas. Implica falta de autonomia e de critério próprio.

Através da comparação, o indivíduo analisa e julga o que faz apenas em função do que os outros fazem. Uma experiência injusta e frustrante que conduz apenas a uma postura de conflito constante.

O pior é que muitas dessas comparações têm como objetivo apenas menosprezar os outros como um meio para exaltar a si mesmo. Em outras palavras, as desgraças que acontecem com os outros se transformam em uma fonte de satisfação própria porque deixam os demais em um estado de carência ou erro, e a si mesmo em uma posição superior e privilegiada.

Como vemos, sustentar uma posição negativa frente à realidade nos leva apenas a um estado de insatisfação constante que impede de progredir e estabelecer relações positivas. Um círculo vicioso que não leva a nenhum lugar.

Se você percebeu algum destes traços das pessoas negativas em você, não hesite em trabalhar para mudar. Ter uma atitude negativa não traz nenhum ganho, apenas faz você se perder de si mesmo.

……………………………………………………………….
*Fonte: amenteemaravilhosa

Uma risada falsa é identificada por pessoas de qualquer lugar do mundo

Não importa em qual lugar do globo você esteja – uma risada forçada não engana ninguém. Essa é a conclusão a que chegaram pesquisadores da Universidade da Califórnia em Los Angeles, nos Estados Unidos. O principal autor do artigo, Greg Bryant, estuda há quase uma década a risada e o que ela diz sobre a evolução humana. Para ele, esse é um sinal universal que dá pistas sobre nosso comportamento e afinidade com outras pessoas.

Nesse último estudo, publicado em julho de 2018 na revista científica Psychological Science, a ideia era provar que indivíduos de qualquer parte do mundo sabem identificar um riso genuíno de um forçado. O experimento incluiu 884 homens e mulheres de 21 países, localizados em todos os continentes.

Primeiramente, Greg e sua equipe extraíram trechos de risadas verdadeiras de amigas que conversavam em inglês. Já os risos falsos foram tirados de gravações em que as mulheres tinham que rir quando recebessem um comando. Os áudios foram expostos aleatoriamente aos voluntários, e todos conseguiram distinguir as risadas reais daquelas que não saíram naturalmente. Mas alguns tiveram um pouco mais de dificuldade: habitantes de Samoa, uma ilha na Oceania, acertaram que uma risada era verdadeira em 56% das vezes; os japoneses, por sua vez, miraram na opção correta em 69% das oportunidades.

No geral, quem vive em países menos industrializados se saiu melhor em reconhecer um “riso falsiane”. Segundo Bryant, isso sugere que, nesses lugares, as pessoas se ligam emocionalmente umas às outras com maior frequência e usam sinais como a risada para prever o comportamento alheio. Já em regiões mais desenvolvidas, o sorriso falso é tido como um ato de educação no caso de relações entre indivíduos que não se conhecem, mas convivem apenas por status.

Mecanismos diferentes

Rir de forma espontânea e forçada não se difere apenas na expressão do seu rosto – cada uma dessas manifestações vem de mecanismos vocais diferentes e tem características próprias.

……………………………………………………………..
*Fonte: superinteressante

Quando uma pessoa tem energia boa, é agradável, amorosa, tem luz, todo mundo quer tê-la por perto!

Ao invés de culpabilizar as pessoas que se afastaram de você, atribuindo a elas características de insensibilidade, frieza, falta de compaixão, confira se você é uma pessoa suficientemente agradável para as pessoas desejarem estar perto de você, não por obrigações protocolares, mas por afinidade genuína.

Tenha a coragem de olhar para si mesmo e se encarar, ao invés de atribuir a responsabilidade ao outro, fazendo-se de vítima.

Quando uma pessoa tem energia boa, é agradável, interessante, amorosa, tem luz, bom humor, todo mundo quer tê-la por perto e aí ela é quem vai escolher quem ela quer ou não quer por perto se baseando na dignidade relacional.
Mas opções não irão faltar, porque a pessoa emana luz! Quem não quer gente de luz por perto? Todo mundo quer gente com energia boa por perto!! Aquela pessoa que só de estar sentada em silêncio do seu lado torna seu dia muito melhor.

Quando a pessoa é, por exemplo, despótica, invasiva, autoritária, controladora, pouco perceptiva, narcisista, ninguém aguenta ficar perto, a não ser por opressão ou necessidade, o que implica em convívio compulsório.

O que acontece, muitas vezes, é que a autopercepção da pessoa é tão baixa, que ela não vê que ela mesma criou isso para ela, então prefere se fazer de vítima ao invés de se perceber nos espelhos relacionais que ela julga.

É tão absurdo como um senhor de escravos ficar se lamentando que os escravos se libertaram e não quiseram mais saber dele.

Oras, é uma questão de amor-próprio, a menos que o escravo seja masoquista e queira cultivar a indignidade.

Quer atrair pessoas interessantes para o seu convívio? Medite! Mude sua energia, expresse seu melhor, emane alegria, amor, luz, bom humor.
Certamente, se você estiver numa boa vibração, não faltarão pessoas interessantes querendo se aproximar de você não por interesse ou por protocolos sociais, mas por afeto genuíno.

Com amor, leveza e alegria,
*Por Gisela Vallin

…………………………………………………………….
*Fonte: osegredo

Casa inclina e gira de acordo com os movimentos de quem estiver nela

Os artistas Alex Schweder e Ward Shelley decidiram criar um conceito totalmente inusitado de residência, e o resultado desse trabalho é uma casa totalmente funcional, conhecida como ReActor, e que se mexe conforme os movimentos das pessoas em seu interior, podendo ficar mais inclinada ou girar.

A estrutura é pequena, mede 12,8m por 2,4m e é feita toda de concreto. A ideia é que a casa se mexa tanto pela movimentação interna quanto por interferências externas, como ventos fortes, que podem fazer tanto com que ela gire quanto que se incline.

………………………………………………….
*Fonte: megacurioso

Ninguém é obrigado a gostar de ninguém, mas respeito é fundamental!

Tem muita gente desocupada nesse mundo, não é possível; não há outra razão para que tantos se sintam incomodados com quem não cuida da vida de ninguém, com quem apenas vive as próprias verdades da forma que bem entende.

Parece que o mundo anda se esquecendo de uma regra básica da convivência em sociedade: o respeito.

Não dá para manter um mínimo de harmonia em qualquer ambiente, caso não se respeitem as diferenças de credo, de religião, de opinião, de tudo enfim. Não conseguiremos gostar de todo mundo nessa vida, mas respeitar o espaço do outro é uma obrigação de todos nós.

Basta dar uma zanzada pelos comentários que inundam posts polêmicos pelas redes sociais, para percebermos que as diferenças vêm sendo rechaçadas e menosprezadas, por meio de ofensas e de agressões explícitas. Tem muita gente que não tolera ser contrariado, ser discordado, como se sua opinião tivesse que prevalecer sobre as demais, de qualquer jeito. E assim vão condenando todos que apenas expõem um ponto de vista, simplesmente porque pensam o oposto e agem de forma antagônica ao que os donos da verdade postulam como o mais adequado e correto.

O pior é notar que grande parte dessa verborragia violenta que muitos utilizam contra opiniões diversas não contém um mínimo de estofo argumentativo, visto serem vazias de embasamento coerente, sendo tão somente ofensas isentas de base que não seja xingamento raso. Lotam-se as redes sociais de lugares comuns, de juízos de valor, cujo mote vem a ser um preconceito cego e infantil. Soam a brigas de pré-adolescentes, cujo vocabulário é sofrível e ínfimo.

*Por Prof. Marcel Camargo

 

……………………………………………………………
*Fonte: bmm

5 tipos de pessoas que você deve pensar muito bem antes de confiar

Quando conhecemos pessoas novas surge em nossa frente uma folha em branco repleta de possibilidades. Cada novo encontro dá origem a um novo traço que, dia a dia, dá formas a um desenho antes inusitado.

Desses encontros surgem também as mais lindas paisagens, mas, do que antes poderia parecer o caminho para algo belo, podem surgir traços feios, ameaçadores e que nos machucam que vão além do saudável e aceitável.

O que queremos te ajudar a pensar nessa postagem é que, por mais difícil que pareça, existem maneiras de identificar o que não é bom, basta que esperemos o tempo necessário e estejamos atentos aos padrões que se repetem. Afinal, errar é humano, mas continuar errando releva traços importantes de caráter….ou mesmo da falta dele.

A partir disso, listamos abaixo 5 tipos de comportamento que devem servir como sinais de alerta. Confira e, no final, nos digam se vocês concordam ou não.

1. Pessoas que escolhem com quem serão educadas e charmosas

Tem gente que só trata bem quem identifica que pode lhe trazer ganhos pessoais. Quando essa pessoa não percebe serventia no outro, o seu tratamento é outro.

Quem usa do charme com fins de manipulação demonstra falsidade e pouca legitimidade de sentimentos. Normalmente são pessoas pouco leais e que se vendem. São aquele tipo que, se achar um “amigo melhor”, ignora o anterior.

Se você estiver próximo de alguém que faz isso esteja atento porque quem se comporta assim com o outro, dia ou outro, fará o mesmo com você.

2. Pessoas que demonstram frieza com o próximo

Falta de empatia é o maior mal dos tempos modernos. Existe tanta competição e individualismo que não olhar para quem está ao redor, em alguns lugares, é até considerado uma qualidade.

Pessoas que demonstram frieza e indiferença com o que acontece com o ser humano que está próximo são sérias candidatas a não estarem presentes quando você precisar de algo, mesmo.

Lembre-se que as relações envolvem cuidado mútuo.

3. Pessoas invasivas e que não respeitam os limites e nem a privacidade do próximo

Respeito é algo fundamental em qualquer relação e esse só existe se os limites entre as pessoas forem estabelecidos.

A gente percebe isso quando alguém faz coisas sabendo que você não gostará e que aquilo te magoará, quando contam coisas que são da sua intimidade, quando debocham do que lhe causa sofrimento.

Ah, e detalhe, se falam do outro para você, falam de você para o outro.

4. Pessoas que pensam que o mundo gira ao seu redor

Os famosos “narcisistas” possuem traços de manipulação e apenas nos tratam bem para conseguir o que querem: a nossa atenção. Depois, quando precisamos de algo, eles sempre terão um outro compromisso ou urgência. Nós não podemos contar com eles ao menos que os atos deles se revertam a plateia e ganhos secundários de atenção. Exemplo: ajudar instituições de caridade e serem considerados caridosos.

5. Pessoas que oscilam demais

Ok, sabemos que a oscilação é normal. Também sabemos que oscilar demais pode ser fruto de um transtorno de humor que é uma doença psicológica, mas nós também temos que aprender a nos protegermos dessas oscilações porque pessoas que oscilam demais vão do céu ao inferno em segundos. E, se nós não soubermos dar limites e nos protegermos, nós somos arrastados para o abismo junto com eles.

Os limites devem ser claros.

…………………………………………………………….
*Fonte: psicologiadobrasil

Estudo liga exposição crônica à poluição a redução nos níveis de inteligência

A exposição crônica à poluição do ar está associada a danos à inteligência, revela um novo estudo conduzido por pesquisadores da China e dos Estados Unidos.

A pesquisa identificou que a relação entre poluição e performance cognitiva aumenta com a idade e afeta especialmente homens com menor nível de educação.

Foram usados dados de 20 mil pessoas que vivem na China e que, em 2010 e 2014, fizeram testes de matemática e de linguagem como parte da CFPS (sigla em inglês para Painel de Estudos da Família da China), uma pesquisa nacional conduzida anualmente e financiada pelo governo chinês com famílias e indivíduos.

“A pesquisa (CFPS) também fornece informações exatas sobre as localizações geográficas e as datas das entrevistas, o que nos permite comparar as pontuações dos testes com os dados da qualidade do ar local com mais precisão”, explicam os autores do estudo, divulgado pela publicação acadêmica americana PNAS.

O estudo comparou os resultados dos testes de performance cognitiva com medições de dióxido de enxofre, dióxido de nitrogênio e de partículas menores que 10 micrômetros de diâmetro dos locais onde os participantes viviam quando fizeram as provas.

Não está claro o quanto cada um desses três poluentes seria culpado pela perda na performance. Monóxido de carbono, ozônio e partículas maiores não foram incluídos na análise.

Cautela

Apesar de o estudo ligar poluição às notas mais baixas, a pesquisa não prova a relação de causa e efeito.

Os pesquisadores avaliam, contudo, que os resultados não estão restritos à China. Eles acreditam que as conclusões podem ser aplicadas globalmente, uma vez que 80% da população urbana mundial respira níveis considerados inseguros de poluição do ar.

Descrita como uma ameaça invisível que é capaz de matar, a poluição causa cerca de 7 milhões de mortes prematuras por ano em todo o mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

“Fornecemos evidência de que o efeito da poluição do ar nos testes verbais fica mais evidente à medida que as pessoas envelhecem, especialmente os homens e os com menos educação”, diz o estudo.

Acredita-se que muitos poluentes afetem diretamente a química do cérebro de diversas maneiras – partículas podem, por exemplo, transportar toxinas através de pequenas passagens e entrar diretamente no órgão.

Alguns poluentes também podem ter um impacto psicológico, aumentando o risco de depressão.

A poluição também aumenta o risco de doenças degenerativas como o mal de Alzheimer e outras formas de demência, indica o estudo.

Estar exposto a altos níveis de poluição do ar pode estar ligado “à redução do nível de educação por um ano… o que é demais”, segundo declarou um dos autores do estudo, Xi Chen, integrante da escola de saúde pública de Yale, ao jornal britânico The Guardian.

Pesquisas anteriores já haviam identificado que a poluição do ar tem um impacto negativo nas habilidades cognitivas de estudantes.

Trabalho ao ar livre

Os pesquisadores de Yale e Pequim analisaram os resultados das provas de homens e mulheres com mais de dez anos de idade, que responderam 24 questões de matemática e 34 de linguagem.

Os pesquisadores acreditam que uma das explicações para homens com menos educação serem os mais afetados pela exposição crônica de poluição é o fato de que, na China, eles são maioria nos trabalhos manuais realizados ao ar livre.

“Nossas descobertas sobre o efeito prejudicial da poluição na cognição”, conclui o estudo, “particularmente no envelhecimento cerebral, implicam que o efeito indireto sobre o bem-estar social pode ser muito maior do que se pensava anteriormente”.

Segundo o pesquisador Xi Chen, os efeitos para os idosos, que no estudo são os com idade acima de 55 anos, podem ser muito difíceis de compensar, dada a exposição cumulativa no longo prazo.

“Isso é muito preocupante, pois todos nós sabemos que as pessoas muitas vezes precisam tomar decisões financeiras importantes na velhice, como quando devemos nos aposentar, qual plano de seguro de saúde é melhor”, completa.

O estudo sugere que, embora os resultados da pesquisa sejam específicos para a China, ela pode lançar luz sobre outros países em desenvolvimento com poluição do ar severa.

Os autores dizem que 98% das cidades com mais de 100 mil pessoas em países de baixa e média renda que não atendem às diretrizes de qualidade do ar da OMS.

Poluição do ar ao redor do mundo

– 7 milhões de pessoas morrem todos os anos por exposição à poluição do ar

– Poluição do ar provocou 4,2 milhões de mortes no mundo em 2016

– 91% da população mundial mora em lugares onde a qualidade do ar não atende às exigências mínimas estipuladas pela OMS

– 14 cidades da Índia estão entre as 20 mais poluídas do mundo

– 9 entre cada 10 pessoas no mundo respiram ar poluído

…………………………………………………………….
*Fonte: bbc

Integrantes da Geração Z ultrapassarão Millennials a partir de 2019

No próximo ano, a Geração Z representará 32% da população global de 7,7 bilhões, enquanto os nascidos entre 1980 a 2000 corresponderão a 31,5%

A geração Z, grupo de pessoas nascidas a partir de 2001, está prestes a ultrapassar em número os Millennials, indivíduos que vieram ao mundo entre os anos de 1980 a 2000.

É isso que indica análise feita pela empresa de tecnologia Bloomberg com dados da Organização das Nações Unidas (ONU). Segundo a pesquisa, em 2019, a Geração Z representará 32% da população global de 7,7 bilhões, enquanto a “geração do milênio” corresponderá a 31,5%.

Os indivíduos nascidos em 2001 completarão 18 anos no próximo ano, o que significa que estarão em ambientes universitários, poderão votar e – dependendo do país – beberão álcool sem infringir a lei. Por outro lado, a Geração Z nunca conheceu um mundo não-digital e cresceu em meio a eventos como a “Guerra ao Terror” e a recessão econômica global.

“O fator chave que diferencia esses grupos, além da idade, é um elemento de autoconsciência versus egocentrismo”, escreveu Marcie Merriman, diretora executiva da empresa de serviços profissionais Ernst & Young no relatório ‘Ascensão da Gen Z: novo desafio para varejistas’.

Quem se beneficiará com esse novo cenário demográfico são os serviços de entrega (delivery), fabricantes de aparelhos eletrônicos e a economia de trabalhos temporários. Enquanto isso, surgem novos desafios para educadores, planejadores de eventos e para as marcas.

“Cada geração vem com um conjunto único de comportamentos e apresenta um conjunto de desafios para aqueles que querem chegar até eles”, diz relatório da empresa de pesquisa de mercado Nielsen Media. “Os indivíduos da Geração Z são bombardeados com mensagens e conseguem facilmente detectar o que é e o que não é relevante para eles.”

Apesar de existirem diferentes definições, durante a comparação, a Bloomberg definiu os Millennials como pessoas nascidas em 1980 até 2000 e a Geração Z como os nascidos a partir de 2001. Mesmo usando essa demarcação, os dados demográficos diferem dependendo da localização geográfica.

Por exemplo, nas quatro maiores economias do mundo – Estados Unidos, China, Japão e Alemanha – os Millennials representarão a maior parte da população.

Outro exemplo é a Índia, que tem cerca de 1,3 bilhão de cidadãos versus 1,4 bilhão de chineses e verá sua a Geração Z de sua população subir para 472 milhões em 2019, 51% a mais da projeção para a China.

De acordo com pesquisa sobre jovens feita pela empresa de serviços Deloitte Touche Tohmatsu, “os entrevistados da Geração Z aparecem como um pouco mais felizes do que os indivíduos Millennials.

……………………………………………………….
*Fonte: revistagalileu

Pessoas mais felizes conversam com desconhecidos no transporte público

Se você é incapaz de ficar muito tempo em silêncio, adora fazer novos amigos e não resiste a uma boa conversa no ônibus ou no metrô, mesmo com estranhos, saiba que, de acordo com a ciência, você é pessoa muito feliz.

Conversar com estranhos no ônibus ou metrô pode te deixar feliz

Pesquisadores orientaram participantes de um estudo a conversarem com desconhecidos em um trem, se sentar sozinhos e em silêncio ou agir normalmente para, depois, responder a um questionário sobre seus sentimentos. Os dados foram recolhidos em viagens em meios de transporte público de Chicago, EUA.

O levantamento, divulgado pelo site Scientific American, mostrou que as pessoas que conversavam com estranhos relataram ter experiências mais prazerosas do que as que ficaram sozinhas e caladas.

Perguntados sobre os cenários opostos, os passageiros que agiram normalmente no experimento concordaram que o bate-papo no coletivo poderia realmente deixar o dia deles mais feliz.

A pesquisa ainda descobriu que, apesar de ser considerado um hábito prazeroso, as pessoas evitam puxar conversa com estranhos no transporte público porque acreditam que os colegas de assento não estão dispostos a dialogar.

………………………………………………………
*Fonte: corujaprof

A vida é aprender a conviver com uns e sobreviver sem outros

A vida é como uma viagem de trem, com suas estações e mudanças de pista, alguns acidentes, surpresas agradáveis em alguns casos e tristezas profundas em outros… Quando nascemos, pegamos o trem e conhecemos nossos pais, acreditamos que eles sempre viajarão ao nosso lado, mas eles vão sair em alguma estação e continuaremos a viagem. De repente nos encontraremos sem sua companhia e amor insubstituível.

No entanto, muitas outras pessoas especiais e significativas estarão no caminho da nossa vida. Alguns tomarão o trem para descer na próxima estação e passarão despercebidos, nem sequer notamos que eles desocuparam seus assentos. Outros vão azedar a viagem, são aqueles parceiros irritantes que queremos sair o mais rápido possível.

Outros, ao descerem, deixarão um vazio definitivo. E até verão que alguns, embora sejam pessoas que você ama, ficarão em carros diferentes dos nossos. Durante toda a jornada eles permanecerão separados, a menos que decidamos nos aproximar e nos sentarmos ao seu lado. De fato, se realmente nos importamos, é melhor corrermos para fazer isso antes que outra pessoa chegue e assuma essa posição.

A jornada continua cheia de desafios, sonhos, fantasias, alegrias, tristezas, esperas e despedidas … No entanto, é importante tentar manter um bom relacionamento com todos os passageiros, procurando em cada um o melhor que eles têm para oferecer. Com o tempo, precisamos aprender a conviver com alguns e sobreviver sem os outros. Temos de aprender a lidar com as pessoas que não queremos ter ao nosso lado e também devemos avançar, apesar das perdas e da dor.

Quando você não pode coexistir com pessoas que te incomodam…

Ao longo da vida, encontraremos muitas pessoas que não compartilham nossos valores e pontos de vista. Essas são pessoas que podem ser profundamente egoístas, manipuladoras ou mesmo totalmente tóxicas. No entanto, ficar com raiva não vai ajudar. Pelo contrário, isso vai nos prejudicar.

Precisamos aprender a viver com essas pessoas sem afetar nosso equilíbrio emocional. Nós não podemos mudar de lugar toda vez que uma pessoa faz algo que nos incomoda. Se o fizermos, vamos acabar correndo de um carro para outro no caminho de nossas vidas, permanecendo oprimidos e com raiva.

De fato, um dos maiores ensinamentos da vida é precisamente aprender a lidar com as pessoas que nos incomodam. Com o passar do tempo, não apenas nos tornamos pessoas mais tolerantes, mas também aprendemos a nos concentrar nos aspectos positivos daqueles que nos rodeiam. Não se trata de sofrer passivamente, mas de se tornar mais sábio e mais equilibrado. Com o passar do tempo, entendemos que outras pessoas cometem erros e são imperfeitas, como nós, e aprendemos a nos concentrar em pontos em comum, em vez de diferenças. Assim tudo fica mais fácil.
Quando você não pode sobreviver sem as pessoas que se foram…

Há pessoas que gostaríamos de ter sempre ao nosso lado. Infelizmente, isso quase nunca acontece. Todo mundo tem sua própria estação e devemos aprender a deixá-los ir. É difícil, mas se não curarmos essa ferida, ela permanecerá continuamente aberta. Desta forma, não permitiremos que outras pessoas fantásticas se aproximem, pois cada vez que o fizerem, a ferida supurante arderá e nós recuaremos.

Essas novas pessoas não vão tomar o lugar daqueles que nos deixaram. Temos muito espaço em nossos corações para armazenar memórias e criar novos laços. Nós apenas temos que aprender a deixar ir e praticar o desapego um pouco mais. Se ficarmos presos nessa dor, o trem da vida continuará enquanto perdemos as belas paisagens e a companhia dos viajantes.

De fato, o grande mistério é que não sabemos em que época devemos viajar, e trancados nessa dor, podemos perder tudo o que temos para oferecer às pessoas que continuam ao nosso lado. Quando não podemos deixar ir aqueles que nos abandonaram, seja por nossa própria decisão ou por razões da vida, nossa viagem perderá seu significado e não valerá a pena.

Portanto, vamos fazer essa viagem ser melhor. Não devemos apenas nos esforçar para criar boas lembranças para aqueles que estão ao nosso lado, mas também para nos fornecer boas lembranças. Tenha sempre em mente que há outra estação além, e você não sabe quando será a última. Portanto, aproveite cada momento da viagem.

…………………………………………………………..
*Fonte: psicologiasdobrasil

Como identificar e se proteger de pessoas arrogantes

Aqueles que se sentem confortáveis com pessoas arrogantes levantem suas mãos. Se fizermos essa pergunta em um grupo de 10, 100 ou 1000 pessoas, não nos surpreenda que ninguém tenha levantado a mão.

A maioria das pessoas não gosta de pessoas arrogantes, entre outras coisas porque nos fazem sentir mal, nos desprezam e geram o sentimento de inferioridade. De fato, a arrogância é uma crença de superioridade e autoestima exagerada que se manifesta com afirmações excessivas e presunçosas.

No entanto, a atitude arrogante se desenvolve muito cedo na vida. Um estudo realizado na Universidade de Yale descobriu que crianças entre 5 e 7 anos já demonstram algum pensamento arrogante porque acreditam que podem saber mais sobre adultos. Em algum ponto do desenvolvimento, abandonamos essa postura autocentrada e formamos uma imagem mais objetiva de nós mesmos e do mundo.

Aparentemente, a pessoa arrogante não dá esse passo amadurecendo, ainda acredita que sempre pode vencer e, o que é pior, acredita que merece vencer sempre. Isso indica que, na base da arrogância, existe uma atitude infantil e um problema de autoestima. De fato, pensar-se superior é geralmente um mecanismo de defesa que mostra que, na realidade, essa pessoa não tem tanta autoconfiança. A este respeito, Fulton John Sheen disse que “a arrogância é a manifestação da fraqueza, o medo secreto em relação aos rivais”.

Como é uma pessoa arrogante?

A pessoa arrogante pode parecer atraente e agradável no começo, pois geralmente transmite uma imagem de segurança e confiança. Portanto, é normal que caíssemos em suas redes, até percebermos que tudo começa a girar em torno deles e paramos de nos sentir bem em sua companhia, porque nos sentimos menores e cada vez mais inferiorizados.

1. Desejo exagerado de receber elogios

Uma característica distintiva das pessoas arrogantes é que elas constantemente buscam a admiração dos outros. A arrogância se alimenta de lisonja, então essas pessoas sempre tentarão trazer à tona suas conquistas, sejam elas reais ou fictícias. Portanto, não gostam das pessoas seguras que são indiferentes e não caem a seus pés.

2. Fale constantemente sobre você

A arrogância está intimamente ligada ao egocentrismo. Portanto, o assunto favorito de uma pessoa arrogante é sobre si mesma. Essa pessoa tentará monopolizar a conversa para atrair a atenção para si. Quando o assunto muda, ele tentará redirecioná-lo para suas realizações, mesmo que isso signifique interromper os outros. Obviamente, essa pessoa não demonstra muita empatia, assume relações interpessoais em uma direção: os outros devem dar e ela só deve receber.

3. Intolerância para com os diferentes

Pessoas arrogantes criticam os outros, enfatizam os erros e fraquezas daqueles que não cumprem seus altos padrões. O problema é que sua autoestima é baseada nos “defeitos” dos outros porque elas precisam sentirem superiores. Na base dessa intolerância está um pensamento arrogante e dicotômico. Muitas vezes essas pessoas pensam que as coisas só podem ser feitas de uma maneira, o que revela uma falta de profundidade e discernimento para apreciar a diversidade.

Como tratar uma pessoa arrogante?

Se você permitir que pessoas arrogantes entrem em sua vida e lhes dê demasiada importância, elas podem acabar destruindo sua autoestima, fazendo você se sentir inferior e de pouco valor. No entanto, desde que você não possa escapar delas, a coisa mais inteligente a fazer é aprender a lidar com suas atitudes arrogantes.

1. Não desista do controle. Ninguém pode fazer você se sentir inferior sem o seu consentimento. Portanto, trata-se de detectar os mecanismos psicológicos postos em prática pela pessoa arrogante e não permitir que eles afetem você. Aprenda a dar cada comentário ou atitude, a importância que merece, nem mais nem menos. Não culpe o outro por fazer você se sentir inferior, em vez disso, pergunte a si mesmo qual botão tocou dentro do que você precisa reforçar.

2. Não siga o jogo. O orgulho é nutrido por elogios e admiração. Portanto, a atitude arrogante é combatida pela eliminação do combustível que permite que ela cresça. Isso significa que você não deve ficar impressionado com suas supostas conquistas e habilidades.Para lidar com uma pessoa arrogante, devemos estar cientes de que somos todos diferentes, temos diferentes capacidades e fraquezas. E isso não nos faz melhores ou piores que os outros.

3. Defenda sua posição. É importante saber quais batalhas valem a pena lutar e quais só relatam um desconforto desnecessário. Quando valer a pena, fique firme em sua posição. Se você perceber que não é possível manter uma discussão civilizada, pode resolver o problema dizendo que respeita a posição deles, mas não a compartilha.

4. Faça-o olhar no espelho. Se as palavras ou atitudes da pessoa arrogante o tiverem prejudicado, não tenha medo de colocá-lo diante de um espelho, no sentido figurado. Explique o que você pensa sobre a atitude dela e os efeitos que tiveram em você. Não se trata de tomar um tom recriminatório e acusativo, mas de expressar sua opinião e sentimentos, para que essa pessoa possa perceber o dano que causa com sua atitude arrogante.

5. Rir. O senso de humor é um excelente escudo contra pessoas que, consciente ou inconscientemente, querem nos prejudicar. Portanto, use seu senso de humor como uma arma a seu favor para proteger sua integridade psicológica. Encontrar o lado absurdo dos comentários e atitudes de pessoas arrogantes ajudará você a não se sentir intimidado.

*Texto traduzido e adaptado de Rincon Psicologia

………………………………………………………
*Fonte: psicologiasdobrasil

Síndrome de sabe-tudo: o ego excessivo que impede o crescimento

*Este texto é uma tradução adaptada de Rincon Psicologia
Há pessoas inteligentes e sensíveis que, embora tenham mais conhecimento e recursos, não deixam as outras desmotivadas , mas gerenciam bem os protocolos para que os outros não se sintam desconfortáveis. E há também o sabe-tudo que adota uma atitude arrogante, que presume saber demais e, portanto, diz explicar tudo, em qualquer momento ou lugar, beirando a insolência, e acaba frequentemente ofendido, abatido ou desesperado por aqueles que o escutam.

Os psicólogos da Universidade de Michigan analisaram essa atitude para determinar se os sabe-tudo sabem realmente mais do que outras e se essa crença de superioridade lhes permite aplicar melhores estratégias de aprendizagem que lhes permitam aprofundar o conhecimento. Em outras palavras, eles queriam saber se essa arrogância intelectual nasceu do conhecimento e trouxe-lhes algum benefício.

Eles descobriram que algumas pessoas, mesmo quando não entendiam direito algo, afirmavam saber mais do que outras e insistiam em buscar informações para confirmar sua visão parcial, ignorando os dados que as tornavam menos especialistas. Em outras palavras, essa atitude arrogante intelectualmente não vem do conhecimento, mas sim da sua ausência.

Quanto menos sabemos, mais nos apegamos às nossas crenças
Na pesquisa, os participantes tiveram que preencher uma série de questionários para demonstrar seus conhecimentos sobre política, mas os psicólogos inseriram algumas armadilhas: termos inventados. Curiosamente, as pessoas inteligentes selecionaram mais termos falsos e insistiram que os conheciam. Pelo contrário, as pessoas que demonstravam um conhecimento mais sólido costumavam assumir uma atitude mais humilde e às vezes até subestimavam seus conhecimentos.

Isso lembra as palavras do filósofo britânico Betrand Russell: “O maior problema do mundo é porque os ignorantes e os fanáticos estão muito seguros de si mesmos e as pessoas inteligentes estão cheias de dúvidas”. Em psicologia, isso é conhecido como efeito Dunning-Kruger.

Em outra fase da investigação, alguns participantes leram um artigo sobre um tema controverso que concordava com seu ponto de vista e outro grupo leu um ensaio que diferia de suas ideias.

Uma pessoa inteligente, quando encontra informação que contradiz seus pontos de vista, deve buscar um ponto de equilíbrio e refletir sobre suas crenças iniciando um pensamento crítico. No entanto, os psicólogos descobriram que pessoas que se dizem especialistas costumavam escolher os dados que sustentavam suas crenças e ignoravam aqueles que os contradiziam.

Obviamente, esse modo de lidar com a realidade alimenta seu senso de superioridade intelectual, além de fazê-los perder oportunidades de ampliar conhecimentos integrando outros pontos de vista. Em outras palavras, as pessoas que sabem tudo, se trancaram em seu sistema de conhecimento e crenças, que assumem como uma verdade absoluta, e se recusam a valorizar outras ideias que não combinam com as deles.

Um “eu” maduro quando está errado, reconhece e muda
Até certo ponto, todos nós tendemos a fugir dos argumentos que refutam nossas crenças porque nosso cérebro odeia a dissonância cognitiva. Não há dúvida de que validar nossas crenças é bom, ao passo que vê-las desafiadas gera desconforto, especialmente quando se trata de crenças importantes ou profundamente arraigadas.

No entanto, uma pessoa inteligente permanece aberta a novas oportunidades e, se cometer um erro, reconhece o seu erro, porque sabe que, para crescer e progredir, é necessário deixar muitas certezas. As pessoas inteligentes, ao contrário, caem em sua própria armadilha: baseando sua auto-estima em seu “conhecimento vasto”, quando são questionadas, sentem-se inferiores, entram em crise e precisam desesperadamente validar esse conhecimento para voltar a se sentir importante.

O problema com esperteza é que, no final, essa estratégia de intimidação intelectual é uma máscara para esconder uma profunda insegurança pessoal. Para reconhecer nossos erros e mudar nossas crenças, precisamos de um “eu” maduro e autoconfiante que não tenha medo de constantes atualizações ou de deixar de lado as certezas para se abrir à incerteza.

A solução para as pessoas espertas está em quebrar esse círculo vicioso. Entenda que se apegar a certas crenças na verdade impede que continuemos explorando, descobrindo e aprendendo. É um passo difícil, mas não impossível.

……………………………………………………….
*Fonte: revistapazes

7 truques envolvendo linguagem corporal que te ajudarão em diversas situações

A linguagem corporal é uma forma de comunicação não-verbal muito importante pois fornece uma incrível quantidade de informações. Através dela, é possível comunicar qualquer mensagem utilizando expressões faciais, movimentos com as mãos e gestos corporais.

Em muitas situações importantes que passamos, como uma entrevista de emprego ou uma conversa importante, a linguagem corporal pode ser usada a nosso favor. No entanto, se você não souber utilizá-la de forma correta, ela poderá te atrapalhar e sua mensagem não será captada.

1 – Dê um aperto de mão firme
Muitas mensagens positivas podem ser transmitidas através de um aperto de mão firme. Através do gesto você consegue demonstrar confiança e honestidade. As impressões negativas criadas no primeiro contato com uma pessoa, podem ser totalmente modificadas através de um aperto de mão. Lembre-se que o gesto não pode ser nem muito delicado e nem forte demais.

2 – Olhe diretamente para a pessoa que você está conversando
O contato visual é de extrema importância em todas as situações de nossas vidas. Mudar a direção do olhar para o relógio ou para o pé por exemplo, pode causar a impressão de que você não está tão interessado no assunto ou não está levando a sério aquela pessoa ou situação.

3 – Evite cruzar as pernas
É recomendado que os dois pés fiquem apoiados no chão quando estamos conversando com alguém ou até mesmo aguardando alguma pessoa. Quando ficamos com as pernas cruzadas por muito tempo, acabamos cansando e descruzamos com frequência. Ao fazermos isso, podemos causar uma impressão de inquietação. Não é essa imagem que você deseja passar, certo?

4 – Sente-se em linha reta
Uma boa postura é fundamental em qualquer situação pois transmite coragem, confiança e capacidade de liderança. Mesmo estando em pé ou sentado, é necessário manter as costas retas e o peito aberto, da forma mais natural possível.

5 – Sinta-se à vontade para sorrir quando apropriado
Um sorriso pode abrir muitas portas. Além de ser um gesto de simpatia, ele pode gerar interações, boas conversas e quem sabe iniciar grandes amizades. Com ele, a mensagem que está sendo transmitida, é recebida com mais disposição. É importante ressaltar que existem situações que não cabem um sorriso, mas quando apropriado é interessante usar esse truque.

6 – Varie seus padrões de voz
Falar de forma monótona pode cansar as pessoas a sua volta. Mudar os padrões de voz pode lhe ajudar a deixar uma conversa ou um momento menos cansativo. A dica é falar usando uma variedade de tons pois através desses, é possível manifestar melhor suas emoções.

7 – Use gestos para enquadrar suas palavras, mas não exagere
É fato que os humanos são atraídos pelo movimento. Usar as mãos para enquadrar uma palavra pode ser um truque bastante útil para demonstrar positividade e sensatez. Quando você afirma algo como uma capacidade sua por exemplo, ao falar e gesticular ao mesmo tempo, é bem provável que as pessoas que estão te ouvindo levarão você mais a sério. Contudo, exagerar nos gestos pode parecer que você está tentando chamar a atenção das pessoas de forma bastante forçada. Usá-los com equilíbrio é o grande segredo.

 

 

 

 

…………………………………………………
*Fonte:

OMO lança embalagem feita de plásticos retirado dos oceanos e reciclado

Diminuir o consumo de embalagens plásticas descartáveis é um desafio que cidadãos e empresas precisam aceitar o quanto antes para evitar que a previsão de especialistas que os oceanos tenham mais plástico que peixes em 2050.

Apenas 26% do plástico utilizado no Brasil é reciclado. É pouco, mas estamos bem acima da média mundial, de 14%. Iniciativas para reverter esse quadro são sempre bem-vindas, e a Unilever está prestes a lançar no mercado uma embalagem do sabão líquido OMO feita a partir de plástico coletado do litoral brasileiro e reciclado.

Serão 18 mil unidades produzidas em parceria com cooperativas país afora, que devem chegar às prateleiras no mês de agosto. A ação começou em maio, quando, em parceria com a WWF, a empresa recrutou mais de mil voluntários, que fizeram mutirões de limpeza e retiraram mais de 1,5 tonelada de plástico de praias em Rio de Janeiro, Fernando de Noronha e Recife.

A iniciativa faz parte de um plano maior, em que a Unilever se compromete a usar ao menos 25% de plástico reutilizado em suas embalagens até 2025, o que significaria uma redução do uso de 500 toneladas de plástico virgem por ano apenas nos produtos OMO. Ações nas linhas Seda, Tresemmé e Dove também estão sendo planejadas e devem ser executadas em breve.

 

 

 

 

 

…………………………………………………..
*Fonte: hypeness

Pessoas mais felizes conversam com desconhecidos no transporte público

Conversar com estranhos no ônibus ou metrô pode te deixar feliz

Pesquisadores orientaram participantes de um estudo a conversarem com desconhecidos em um trem, se sentar sozinhos e em silêncio ou agir normalmente para, depois, responder a um questionário sobre seus sentimentos. Os dados foram recolhidos em viagens em meios de transporte público de Chicago, EUA.

O levantamento, divulgado pelo site Scientific American, mostrou que as pessoas que conversavam com estranhos relataram ter experiências mais prazerosas do que as que ficaram sozinhas e caladas.

Perguntados sobre os cenários opostos, os passageiros que agiram normalmente no experimento concordaram que o bate-papo no coletivo poderia realmente deixar o dia deles mais feliz.

A pesquisa ainda descobriu que, apesar de ser considerado um hábito prazeroso, as pessoas evitam puxar conversa com estranhos no transporte público porque acreditam que os colegas de assento não estão dispostos a dialogar.

 

 

 

 

…………………………………………….
*Fonte: corujaprof

6 sinais de que você está lidando com uma pessoa de coração maldoso:

Existem nesse mundo muitas pessoas incríveis e do bem, que se esforçam para deixar um bom legado e serem exemplos com suas vidas.

No entanto, nem todos reconhecem essas pessoas pelo que realmente são. Existem aqueles que não conseguem encontrar o próprio propósito e a própria luz, e por isso tratam aqueles ao seu redor com falsidade e negatividade.

Pessoas assim são geralmente gentis e cuidadosas à primeira vista, mas em seu interior são egoístas, pensam em obter vantagem em tudo o que puderem e têm intenções ruins.

Elas são presas por seu próprio mundo, pensando apenas em si mesmas e no que podem tirar da vida. Não são capazes de entender que estamos todos em unidade. Ao invés disso, pensam que estão contra o mundo e que para serem felizes, todos os outros têm que sofrer e viver em negatividade.

O relacionamento com pessoas de coração maldoso nos prejudica em todas as áreas da vida, e nos impede de evoluir.

Abaixo estão 6 características dessas pessoas. Se reconhecer alguns deles em alguém próximo, você pode estar em um relacionamento com uma pessoa maldosa:

1. Elas distorcem as coisas
Elas sempre distorcem tudo aquilo que ouvem de você de uma maneira que o torne culpado ou errado em uma situação. Elas enxergam esse comportamento como uma força e uma maneira de conseguirem vantagem, porque fará as pessoas duvidarem ou perderem a confiança em você.

2. Mentem para aqueles ao seu redor
As pessoas de coração maldoso não são autênticas consigo mesmas, e por isso também não conseguem ser com os outros. Inventam mentiras que as beneficiam e as ajudam a apoiar sua vida de fachada.

3. Irresponsabilidade com os próprios erros
Elas nunca reconhecem as próprias responsabilidade pelos erros cometidos ou por suas ações que tomam rumo inesperado. Ao invés disso, culpam aqueles ao seu redor por suas falhas, pois acreditam que tudo o que fazem é certo.

4. Incapacidade de sentir culpa
Essas pessoas sabem que suas atitudes machucam aqueles ao seu redor, mas mesmo assim não conseguem se sentir mal por isso. Na realidade, elas não se importam nem um pouco com as consequências que você sofre. Se você é sua única fonte para conseguirem algo, vão usá-lo sem nada de piedade.

5. Retenção intencional de informação
As pessoas de mau coração sentem prazer em vê-lo infeliz. Por esse motivo, omitirão informações que possam despertar alegria em seu coração, e lhe dirão apenas coisas que despertam sentimentos tristes e negatividade.

6. Resistência em aceitar a realidade
Essas pessoas só aceitam enxergar as coisas que lhe são convenientes. Se algo está andando contra seus planos, mesmo que alguém esteja conseguindo coisas boas com isso, elas vão distorcer a realidade para que o jogo vire a seu favor.

Essas pessoas são tóxicas e não devem ter um espaço em sua vida, pois suas boas intenções nunca serão suficientes para fazer com que elas mudem seu padrão de comportamento.

Para viver da forma mais autêntica e iluminada que puder, afaste-se! Você não merece mentiras e manipulação, merece ser feliz e completo!

 

 

 

……………………………………………
*Fonte: osegredo

Essas 11 dicas vão soltar o freio de mão da sua vida

1. A rotina pode e deve ser sua aliada.
Saber que existe uma rotina simples, mas com detalhes que te agradam e confortam, ajuda muito a diminuir a ansiedade e aumentar a segurança para lidar com todos os obstáculos que possam surgir no dia a dia. Desde pegar um caminho que passa por flores que você goste ou ler algo durante o café da manhã, qualquer pequeno detalhe pode fazer muita diferença.

Saber que existe uma rotina simples, mas com detalhes que te agradam e confortam, ajuda muito a diminuir a ansiedade e aumentar a segurança para lidar com todos os obstáculos que possam surgir no dia a dia. Desde pegar um caminho que passa por flores que você goste ou ler algo durante o café da manhã, qualquer pequeno detalhe pode fazer muita diferença.

2. Na educação financeira, sinceridade é a primeira lição.
Sem papo furado, descubra qual a quantia de dinheiro ideal para cobrir todas as suas despesas básicas. Assim, ficará muito mais fácil organizar o resto do seu dinheiro para todo os outros gastos. Quer dar mais rolês? Separe a grana deles. Prefere gastar em brusinhas? Então organize o dinheiro delas. Seu orçamento precisa estar alinhado ao que é prioridade na sua vida, mas sem comprometer seu orçamento básico.

Sem papo furado, descubra qual a quantia de dinheiro ideal para cobrir todas as suas despesas básicas. Assim, ficará muito mais fácil organizar o resto do seu dinheiro para todo os outros gastos. Quer dar mais rolês? Separe a grana deles. Prefere gastar em brusinhas? Então organize o dinheiro delas. Seu orçamento precisa estar alinhado ao que é prioridade na sua vida, mas sem comprometer seu orçamento básico.

3. Anote ai: anote tudo.
É fácil falar que é preciso se organizar, mas começar a fazê-lo é muito difícil. Por isso, inicie com esse passo: Anote tudo. Deve comprar algo? Anote. Tem que pagar uma conta? Anote. Precisa anotar algo? Anote. Fazendo isso, você consegue lidar com todos aqueles pequenos problemas que só te fazem procrastinar, sobrando mais dia no seu dia e menos problemas na sua cabeça.

É fácil falar que é preciso se organizar, mas começar a fazê-lo é muito difícil. Por isso, inicie com esse passo: Anote tudo. Deve comprar algo? Anote. Tem que pagar uma conta? Anote. Precisa anotar algo? Anote. Fazendo isso, você consegue lidar com todos aqueles pequenos problemas que só te fazem procrastinar, sobrando mais dia no seu dia e menos problemas na sua cabeça.

4. Procrastinar é produtivo.
Não se engane, fazer vários nadas não é assim tão ruim. Você não tem que estar o tempo todo fazendo algo, você precisa é gastar seu tempo de maneira inteligente. A procrastinação te ajudar a focar em outras informações que antes você não via pois estava com a cabeça enterrada em problemas. "Enrolar" te ajuda a criar novas soluções para problemas antigos. Só cuidado para não procrastinar até ter um problema de prazo.

Não se engane, fazer vários nadas não é assim tão ruim. Você não tem que estar o tempo todo fazendo algo, você precisa é gastar seu tempo de maneira inteligente. A procrastinação te ajudar a focar em outras informações que antes você não via pois estava com a cabeça enterrada em problemas. “Enrolar” te ajuda a criar novas soluções para problemas antigos. Só cuidado para não procrastinar até ter um problema de prazo.

5. Deixe pra trás o que não te leva pra frente.
Desapego é a palavra. Às vezes mantemos coisas nas nossas vidas pelo simples pensamento de que mais pra frente precisaremos delas, mas se já passou dias, meses e anos e você nunca mais lembrou delas, então é hora de dar tchau. Além de ocupar espaço, te impedem de conhecer coisas novas. E sim, aqui estamos falando de roupas, objetos, sentimentos e pessoas. #ficaadica

Desapego é a palavra. Às vezes mantemos coisas nas nossas vidas pelo simples pensamento de que mais pra frente precisaremos delas, mas se já passou dias, meses e anos e você nunca mais lembrou delas, então é hora de dar tchau. Além de ocupar espaço, te impedem de conhecer coisas novas. E sim, aqui estamos falando de roupas, objetos, sentimentos e pessoas. #ficaadica

6. Sair da zona de conforto é ruim, mas é bom.
Ninguém gosta de mudanças. Mas é um fato que uma vez fora da zona de conforto, você se sente muito melhor. Dê uma chance para aquele estilo musical que você não costumava ouvir, ou para aquela comida que você sempre teve medo de não gostar ou aquela pessoa com quem você sempre teve um crush de amizade. O mundo fora da zona de conforto é lindo.

Ninguém gosta de mudanças. Mas é um fato que uma vez fora da zona de conforto, você se sente muito melhor. Dê uma chance para aquele estilo musical que você não costumava ouvir, ou para aquela comida que você sempre teve medo de não gostar ou aquela pessoa com quem você sempre teve um crush de amizade. O mundo fora da zona de conforto é lindo.

7. Conheça seu bairro e descubra a si mesmo.
Tire 10 -15 minutos na semana para passear pela sua vizinhança. Além de conhecer e descobrir as mais diversas coisas que a rotina esconde, o passeio ainda ajuda a se concentrar em si mesmo e nas suas escolhas.

Tire 10 -15 minutos na semana para passear pela sua vizinhança. Além de conhecer e descobrir as mais diversas coisas que a rotina esconde, o passeio ainda ajuda a se concentrar em si mesmo e nas suas escolhas.

8. Ouça mais e fale menos.
Você criará laços verdadeiros com as pessoas, aprenderá a aceitar as diferenças e conhecerá diversas visões de realidade. E qual vantagem disso? Não importa. Empatia é a maturidade de deixar a si mesmo de lado e é essa maturidade que fará as pessoas se sentirem confortáveis e seguras com a sua presença.

Você criará laços verdadeiros com as pessoas, aprenderá a aceitar as diferenças e conhecerá diversas visões de realidade. E qual vantagem disso? Não importa. Empatia é a maturidade de deixar a si mesmo de lado e é essa maturidade que fará as pessoas se sentirem confortáveis e seguras com a sua presença.

9. Tenha medo.
O bom do medo é que ele te deixa alerta as possibilidades e consequências de tudo o que você faz. É tendo medo que você descobre a coragem para ir além do que você imaginou que seria capaz. Tenha medo sim, mas não deixe o medo te freiar, use ele de incentivo para estar sempre se superando.

O bom do medo é que ele te deixa alerta as possibilidades e consequências de tudo o que você faz. É tendo medo que você descobre a coragem para ir além do que você imaginou que seria capaz. Tenha medo sim, mas não deixe o medo te freiar, use ele de incentivo para estar sempre se superando.

10. Mude o seu referencial.
Se cerque daquilo que te inspira. Siga pessoas que você admira, busque referências naquilo que você faz, curta postagens que te entusiasmem e livre-se daquilo que for tóxico. São esses bons exemplos que vão te fazer driblar a falta de incentivo e evitar que você desanime dos seus objetivos. Se inspire e respire. 😉

Se cerque daquilo que te inspira. Siga pessoas que você admira, busque referências naquilo que você faz, curta postagens que te entusiasmem e livre-se daquilo que for tóxico. São esses bons exemplos que vão te fazer driblar a falta de incentivo e evitar que você desanime dos seus objetivos. Se inspire e respire. 😉

11. Dizer “sim” é bom, mas já experimentou dizer “não”?
O "não" é libertador. Dizer "não" é ter clareza dos seus objetivos e do que precisa -ou não- ser feito para alcançá-los. E saber o que se quer é o primeiro passo para não deixar que as outras pessoas tomem as decisões da sua vida por você. Camarão que só diz sim, a onda leva.

O “não” é libertador. Dizer “não” é ter clareza dos seus objetivos e do que precisa -ou não- ser feito para alcançá-los. E saber o que se quer é o primeiro passo para não deixar que as outras pessoas tomem as decisões da sua vida por você. Camarão que só diz sim, a onda leva.
🙂

 

 

 

 

…………………………………………………….
*Fonte: buzzfeed

Por que os sensitivos se sentem mal perto de algumas pessoas?

Os sensitivos são seres humanos que possuem sensibilidade emocional aumentada.

Esse conceito foi apontado pela psicóloga Dra. Elaine Aron em 1991, que apontou através de estudos que entre 15% e 20% da população mundial possui esse tipo de sensibilidade mais aflorada porque os seus cérebros processam informações sensoriais de forma diferente e por isso possuem habilidades e expressas de maneira mais intensas que os demais.

Os sensitivos – também chamados de empatas – são portanto mais sensíveis a emoções, comportamentos e energias de pessoas e lugares. A presença de algumas pessoas ou a entrada em lugares específicos podem fazer com que um empata se sinta mal. Entenda mais sobre isso.

A sensibilidade aflorada dos sensitivos e o que isso pode causar

Normalmente, quem é considerado um sensitivo considera isso como uma qualidade, uma habilidade positiva.

São normalmente excelentes ouvintes, pessoas caridosas com muita clareza de pensamento, conhecidos por darem bons conselhos.

Mas devido à sua sensibilidade emocional aumentada eles são muito influenciáveis pelo ambiente ou por pessoas, são capazes de detectar energias carregadas que estão impregnadas no lugar, detectam mais facilmente comportamentos falsos e não conseguem lidar com pessoas pretensiosas e/ou mentirosas.

Comportamentos e situações em que um sensitivo se sente mal

Todo mundo pode ser capaz de identificar sinais de falsidade no discurso humano, os empatas possuem maior facilidade devido à sua extrema sensibilidade.

Lidar com alguém hipócrita ou falso pode ser tolerável para pessoas comuns, mesmo que eles saibam dessa característica da pessoa, para os sensitivos, isso é praticamente uma tortura, um desconforto intenso.

Sentem-se cansados, sentem que sua energia foi drenada, sentem-se frustrados, muitas vezes ficam com as mãos úmidas, com o coração disparado e o bocejo é uma reação muito freqüente.

Veja abaixo algumas situações que fazem com que um sensitivo se sinta mal:

•Falsos elogios – eles detectam logo a falsidade e mal conseguem disfarçar a sua decepção

•Pessoas que aumentam suas vitórias para ganhar aprovação e reconhecimentos dos outros

•Pessoas que renunciam à sua personalidade ou tentam ser aquilo que não são para se sentirem por cima

•Falsas delicadezas com intenção de receber algo em troca

•Pessoas que estimulam a inveja e o ressentimento

•Quem age de forma dura e insensível para ocultar dos outros a própria dor ou sensibilidade

Reações comuns dos sensitivos nestas situações

Muitas vezes os sensitivos nem conseguem explicar o porquê de estar se sentindo mal e o que está causando isso nele.

Alguns deles conseguem identificar o foco, mas outros só conseguem pensar em se afastar do ambiente e das pessoas que ali estão, e normalmente ouvem: “O que aconteceu? O que ele(a) te fez de mal?” sem saber explicar exatamente o porquê. Ficam nervosos, tensos e têm dificuldades de formar frases com clareza, o que em situações normais eles têm muita facilidade.

Se o sensitivo precisa estar em um ambiente ou perto de alguém que lhe faz mal, ao se afastar ele se sente enjoado, tonto, podendo inclusive ter ânsia de vômito. Ficam muito calados, sem querer continuar a conversa e muitas vezes, ao se afastar da pessoa ou do ambiente sentem um inexplicável sentimento de culpa.

 

 

 

…………………………………………………
*Fonte: resilienciamag