Inteligência artificial cria um universo perfeito e assusta seus criadores

Astrofísicos usaram pela primeira vez inteligência artificial para gerar simulações em 3D do universo. Os resultados foram tão rápidos, precisos e robustos que nem os próprios pesquisadores entendem como eles aconteceram.

O projeto se chama Modelo de Deslocamento de Densidade Profunda, ou D3M. A velocidade e precisão do modelo não foram surpreendentes para os pesquisadores, mas sim a habilidade em simular de forma correta como o universo ficaria se alguns parâmetros fossem alterados.

O mais interessante é que o modelo nunca recebeu nenhum dado de treinamento sobre como esses parâmetros variavam.

“Seria como treinar um software de reconhecimento de imagem com várias imagens de gatos e cães, e aí ele consegue reconhecer elefantes”, compara Shirley Ho, co-autora do estudo e professora da Universidade Carnegie Mellon (EUA). “Ninguém sabe como ele faz isso, e é um enorme mistério a ser resolvido”, complementa ela.

O modelo foi apresentado no dia 24 de junho na publicação Proceedings of the National Academy of Sciences. O autor principal do estudo foi Siyu He, analista do Instituto Flatiron (EUA).

Ho e He trabalharam em colaboração com Yin Li e Yu Feng da Universidade da Califórnia em Berkeley, com Wei Chen do Instituto Flatiron, Siamak Ravanbakhsh da Universidade de British Columbia (Canadá) e Barnabás Póczos da Universidade Carnegie Mellon.

Esse tipo de simulação do D3M é muito importante para a astrofísica teórica.

Cientistas querem saber como o cosmo pode se desenvolver em vários cenários, como por exemplo se a energia escura do universo variasse com o passar do tempo.

Esse tipo de estudo exige que milhares de simulações sejam feitas, portanto um modelo computacional rápido e confiável é o sonho de consumo dos astrofísicos modernos.

Depois de treinar o D3M, pesquisadores fizeram simulações de um universo com formato de cubo com 600 milhões de anos-luz de lado e compararam os resultados com modelos rápidos e lentos que já existiam.

O modelo lento e mais confiável leva centenas de horas de cálculos, enquanto o sistema rápido leva poucos minutos. Já o D3M completou a simulação em 30 milissegundos.

Além disso, o D3M também teve precisão impressionante. Quando comparado com o modelo lento, ele teve uma taxa de erro de 2.8%.

Já o sistema rápido teve uma taxa de 9,3% de erros quando comparado com o modelo lento. Ou seja: o sistema rápido parece ter sido passado para trás pelo D3M.

Os pesquisadores agora querem saber por que o modelo que foi treinado para identificar “gatos e cachorros” está conseguindo identificar também “elefantes”.

“Nós podemos ser um playground interessante para um aprendiz de máquina ver porque esse modelo extrapola tão bem. É uma via de mão dupla entre ciência e deep learning”, diz Ho.

*Por Davson Filipe

……………………………………………………………………….
*Fonte:

Artista argentino cria tanque de guerra munido da arma mais poderosa: livros

Já dizia Nelson Mandela: “A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo”. Talvez esta frase tenha inspirado o artista argentino Raul Lemesoff, o responsável pela criação de uma arma que pode mudar a vida de muitas pessoas: ele transformou um antigo carro Ford Falcon, de 1979, em um tanque de guerra. Mas, ao invés de disparar balas, o veículo dispara livros.

O Razões e o Educa Mais Brasil te ajudam a conseguir bolsa de estudo para cursos técnicos e profissionalizantes, cursos de idiomas, entre outras, clique aqui.

O veículo funciona como uma verdadeira biblioteca itinerante. O formato é de tanque de guerra e tem até um canhão, mas toda a lateral é repleta de prateleiras, em que são dispostos até 900 livros, com os mais diversos temas e estilos.

Com a munição de livros pronta, o artista percorre as ruas de Buenos Aires, na Argentina, disparando livros por todos os lados e para todas as pessoas que cruzam o seu caminho. Não é necessário pagar nada pelos exemplares, apenas se comprometer com a leitura:

O projeto em que Lemesoff trabalhou nos últimos anos dá um novo significado a um dos principais símbolos de guerra, que foi batizado de “Arma de Instrução em Massa”.

*Por Vicente Carvalho

…………………………………………………………………
*Fonte: razoesparaacreditar

Como construir uma casa em uma Kombi (projeto / e-book)

Descrição do Produto

Esse livro-projeto é o manual que todo viajante sonhava em ter para viver no conforto do lar e desbravar o mundo ao mesmo tempo. Agora, qualquer leigo será capaz de construir sua própria Kombihome com banheiro seco, cozinha completa, cama de casal, chuveiro, armários, espaço para materiais de trabalho, frigobar e outros eletrodomésticos todos movidos por energia limpa e renovável através de painéis fotovoltaicos. Kombihome, o manual completo é mais do que um projeto, é uma oportunidade real, tangível e de fácil construção pois além de contar com todas as peças medidas e desenhadas, conta também com uma animação em 3D que revela passo a passo a ordem da montagem dos móveis, do sistema fotovoltaico, sistema hidráulico e do sistema gás de cozinha. Este livro também apresenta informações preciosas sobre a documentação, dicas, histórias da estrada e muito mais.

Agora só não desfruta de viver na estrada quem não quer!

Vantagens

Esse livro-projeto traz não só comodidade de ter acesso a um projeto de alta funcionalidade e praticidade, mas traz também possibilidade de uma economia dramática de tempo em projetação de uma casa na Kombi, que envolve complexos sistemas; economia de gastos, uma vez que peças cortadas erradas e desperdício de material, que são um ponto chave no custo de qualquer novo projeto; e possibilidades quiça de novas ideias a partir de uma estrutura bem enraizada nas necessidades básicas de uma casa.

Resumindo: economia de tempo e investimento, uma visão real sobre os custos do projeto, dicas e informações valiosas sobre temas burocráticos como a documentação, por exemplo, manual de construção de móveis, sistema hidráulico e sistema fotovoltaico, histórias das estradas e muito mais.

*Se ficou interessado, confira aqui como adquirir o E-book deste projeto: kombihome

Um sonho: casa móvel e amiga do ambiente permite viver em qualquer lugar

 

Já imaginou ter uma linda e confortável casa que pode ser levada para a beira da praia ou a um lugarzinho no meio das montanhas? Não é só você que já teve esse desejo, e finalmente estão conseguindo tirar a ideia do papel…

Uma startup alemã chamada LTG Lofts desenvolveu a Coodo, uma casa móvel que tem como objetivo justamente permitir uma vida mais próxima da natureza. a moradia tem versões de 36 a 96 metros quadrados, podendo ser vazia (apenas com instalação elétrica e piso), básica (com banheiro) ou completa (com cozinha, móveis e tudo mais).

Ela é construída em módulos, fazendo com que o cliente possa customizar a sua própria casa, retirando um incluindo espaços em relação ao projeto original.

Por isso, os arquitetos que a desenharam acreditam que a Coodo também possa servir como escritório, restaurante ou espaço durante eventos (num tipo de uso similar ao de contêineres, por exemplo).

O transporte pode ser feito com um caminhão e a instalação requer um guindaste, o que quer dizer que a mobilidade acaba ficando um tanto limitada – é preciso planejar um pouco quanto tempo passar em cada lugar. Ela já está sendo vendida para clientes da Europa, da Ásia e da América do Norte.

Uma das preocupações que os criadores ressaltam ter tomado é a de fazer do projeto o mais sustentável que conseguirem, aproveitando bastante materiais recicláveis e investindo em processos que economizem o máximo de energia possível durante a fabricação.

Apesar disso, placas de captação de energia solar, geradores elétricos ou turbinas de vento para gerar energia eólica ainda não estão disponíveis – embora eles garantam que vão disponibilizar isso em breve.

Mark Dare Schmiedel, fundador da LTG Softs, diz que a empresa “quer servir de exemplo ao provar que altos padrões ecológicos e de sustentabilidade não são opostos de qualidade, design e conforto”.

Os projetos da Coodo têm preços que variam de acordo com as características de cada encomenda. O modelo Coodo 18, de módulo único com 61 m², varia entre 49.900 euros na versão vazia, €53.900 na versão básica e €59.000 na versão completa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

…………………………………………………………
*Fonte: hypeness

Estudante que desenvolveu projeto para limpar oceanos deve colocá-lo em prática em 2018

A Ocean Cleanup, empresa fundada em 2013 pelo jovem empreendedor de 22 anos, Boyan Slat, com o objetivo de ajudar no processo de limpeza dos oceanos, confirmou no último mês, dia 11, que as primeiras atividades do grande projeto de coleta e remoção de lixo dos mares começará em 2018.

Com foco na captação da grande quantidade de material plástico presente nos oceanos, a empresa ratificou também que algumas de peças do sistema de limpeza já estão em produção e devem ficar prontas a tempo das primeiras ações oficiais no próximo ano.

Vale destacar que, desde o ano passado, a empresa vinha realizando uma série de testes na costa do território holandês, utilizando uma grande barreira para impedir que toneladas de lixo fossem descartadas em alto mar.

Na época, o sistema criado pelo jovem ambientalista restringia-se a uma versão reduzida de “apenas” 100 metros de comprimento e cobertura de até 4500 metros de profundidade. Para oficializar o lançamento de sua invenção, o desenvolvedor aplicou uma série de melhorias que elevaram o design do sistema, assegurando-lhe uma nova performance que fará com que, em até cinco anos, metade da área das ilhas de lixo globais seja limpada.

“Na Ocean Cleanup, estamos sempre procurando maneiras de fazer a limpeza mais rápida, melhor e mais barata. Hoje é um dia importante para se mudar nessa direção. A limpeza dos oceanos do mundo está muito próxima de acontecer”, destacou Boyan no evento de apresentação do projeto, em Utrecht, Holanda.

Outro dado comemorado pela Ocean Cleanup é o fato de que o projeto será iniciado dois anos antes do tempo estimado. De acordo com o cronograma, a primeira fase de instalação e testes com a nova tecnologia começa ainda no fim de 2017, na costa oeste americana. As instalações nas áreas que integram a chamada “Great Pacific Garbage Patch” serão realizadas até o fim do primeiro semestre do próximo ano.

“Devido à nossa atitude de ‘testar para aprender’ até que a tecnologia seja comprovada, estou confiante de que – com nossos parceiros especializados – teremos sucesso em nossa missão” concluiu Boyan.

 

……………………………………………………..
*Fonte: pensamentoverde

Projeto arquitetônico desenvolve fazenda orgânica em alto mar

Em 2015 foi divulgado um relatório pela Organização das Nações Unidas informando que hoje a população mundial é de 7,3 milhões, mas que em 2030 ela pode chegar a 8,5 milhões.

Essa projeção preocupou a empresa Forward Thinking Architecture em relação à produção de alimentos para o futuro. Caso a população chegue a esse número a demanda iria aumentar em até 50%. Foi então que o escritório desenvolveu o Smart Floating Farms (Fazendas Flutuantes Inteligentes), uma ideia inovadora que poderá ser a solução desse problema.

O projeto arquitetônico tem o intuito de criar fazendas flutuantes com 209 mil metros quadrados, que serão utilizadas para o plantio em alto mar ou em áreas alagadas próximas aos centros urbanos. No espaço seriam cultivados alimentos como frutas, legumes, verduras, ervas e peixes.
Sustentabilidade do começo ao fim do processo

Todo a construção será sustentável, usando energia solar para o seu abastecimento e duas técnicas para o cultivo dos alimentos: sistema hidropônico (cultivo de plantas sem solo) e aquicultura (cultivo e reprodução de peixes, algas, crustáceos ou moluscos).

Foi pensando também na falta de espaço dos grandes centros urbanos que eles decidiram criar essas fazendas em alto mar ou em locais alagados. A construção é dividida em três andares: no primeiro ficarão os pontos de água, englobando as piscinas para a aquicultura, armazenamento, usina de dessalinização e central de embalagens. No segundo andar estarão as estufas hidropônicas, o sistema de irrigação e a central de controle do microclima. E no terceiro e último andar vai estar a usina fotovoltaica, transformando toda a energia renovável captada em eletricidade.

A estrutura vai contar com diversas soluções sustentáveis para diminuir os impactos ambientais, como aberturas para a entrada de luz natural e um sistema de captação de água de chuva, além da utilização de energia eólica, reutilização de resíduos orgânicos para a produção de biomassa, redução do uso de combustíveis fosseis e eliminação da logística de importação de exportação de alimentos.
Fazenda vai disseminar a cultura da alimentação orgânica

Com muitos pontos positivos a fazenda flutuante vai aumentar de forma significativa a produção de alimentos orgânicos em um espaço bem maior que o usado no cultivo tradicional e ainda vai contar com a instalação de um sistema tecnológico de monitoramento e plantio, o que possibilita a automatização da maioria dos processos de preparo do plantio e da colheita.

Todos as fazendas serão capazes de produzir por ano cerca de 8.152 toneladas de vegetais e 1.703 toneladas de peixes de acordo com o projeto. Assim, cidades inteiras poderão contar com alimentos frescos e orgânicos.

 

……………………
*Fonte: pensamentoverde

fazenda-flutuante

Caminhão do Futuro da Audi? Veja esse projeto ousado (e bem polêmico) de designers!

Os projetos envolvendo carros do futuro, normalmente, já causam muitas discussões. Agora quando vemos propostas de caminhões do futuro, as polêmicas são ainda maiores. É justamente isso que está ocorrendo atualmente em relação a um novo projeto de caminhões revolucionários para (supostamente) a Audi.

Antes de tudo, é importante esclarecer que se trata de um trabalho realizado pelos designers independentes Artem Smirnov, da Bielorrússia, e Vladimir Panchenko, da Ucrânia.

A ideia era criar uma proposta de caminhão inédito para a Audi, apostando na premissa de caminhões autônomos. Além disso, ele é elétrico e não tem janelas.

A princípio, os designers começaram a trabalhar em duas propostas e não conseguiram selecionar apenas uma delas. O que fizeram então? Decidiram publicar os dois trabalhos no Behance, com o título de Truck for Audi.

Como você poderá ver, há pontos interessantes envolvendo algumas soluções de design dos caminhões, mas (como uma “boa” proposta futurista) há evidentemente aspectos totalmente impraticáveis na realidade. Aliás, eu não entendi ainda o lance de ter dois motoristas, considerando que é um caminhão autônomo.

………
*Fonte: autovideos

 

Projeto radical de caminhão da Mercedes Benz

Quando se pensa em robustez e superação de desafios impressionantes, é impossível não lembrar dos Mercedes-Benz Unimog e dos russos Kamaz. O assunto agora vai se concentrar no modelo alemão, que há algum tempo completou 60 anos de produção. E para celebrar essa data, a Mercedes-Benz desenvolveu um impressionante caminhão-conceito, o Unimog Concept.

Logo de cara, uma das características mais marcantes do modelo é o fato de ser conversível, assim como era o modelo original 1951 M-B. Parece inacreditável, mas o Unimgo Concept funciona e anda de verdade, tendo sido montado sobre um chassi do U 5000. A sua criação ocorreu na unidade da Mercedes-Benz de desenvolvimento de Caminhões Especiais (MBS), que inclui veículos como o próprio Unimog, o Econic e o Zetros. Aliás, você já viu aqui no AutoVídeos imagens impressionantes desses modelos em ação no offroad.

É interessante notar como o projeto parece ter respeitado os princípios fundamentais do valente e desbravador o Unimog. Aliás, será que este modelo pode indicar futuras tendências para o Unimog? Veja os vídeos abaixo e diga sua opinião. No último vídeo, imagens das festividades dos 60 anos desse lendário caminhão. Assista agora!

*Fonte/Textos: autovideos