1 a cada 3 funcionários fará algo vergonhoso na festa da firma, diz estudo

Festa de fim de ano na firma é tradição para uns – e pesadelo para outros. Aqui na redação da SUPER mesmo, essa jovem repórter que vos fala sugeriu um “amigo secreto”, mas todos preferiram ficar só na comemoração com comida. Porque, acredite, vexames são muito mais comuns do que imaginamos.

De acordo com uma pesquisa conduzida pela empresa de marketing OnePoll em conjunto com o site de planejamento social Evite, um em cada três funcionários de escritório faz algo que lamenta (sente envergonha, no bom português) em uma confraternização de Natal do trabalho.

E já dá para imaginar por que as lembranças não são tão boas: bebida gratuita, atmosfera comemorativa e até brincadeiras que exigem uma intimidade além do seguro no ambiente de trabalho (leia-se “amigo secreto”) podem resultar em sinceridade demais. Dois em cada cinco entrevistados relataram ter passado por um grande drama na festa do escritório ou ouviram revelações bombásticas sobre os colegas.

Falando em revelações, as fofocas rolam soltas nesse ambiente: segundo o levantamento, feito em 2 mil escritórios americanos, um trabalhador ouve, em média, sete novas fofocas sobre colegas enquanto participa da festa de fim de ano – e muitas são rumores sobre relacionamentos no trabalho. Alguns deles, claro, acabam sendo verdadeiros. Dos entrevistados da pesquisa, 37% disseram que testemunharam dois colegas sendo “afetuosos demais” um com o outro em uma “confra” de fim de ano.

*Por Ingrid Luisa

…………………………………………………………
*Fonte: superinteressante

Temos que aprender a nos afastar de quem não precisa de nós

Temos que aprender a priorizar a nós mesmos e compreender que, para o bem ou para o mal, somos as únicas pessoas imprescindíveis em nossas vidas, e todos aqueles que nos prejudicam, sobram.

Se você está acostumado a usar as redes sociais, certamente já conhece esta opção chamada “bloquear amigo.” Em algumas ocasiões, acumulamos nestes espaços pessoas que não conhecemos de verdade, relações que nos trazem mais problemas do que benefícios.

Hoje em dia, e especialmente entre as pessoas mais jovens, é comum que as amizades terminem deste modo. Quem não existe nas suas redes sociais, não existe na sua vida. É uma forma fria e também impessoal de romper vínculos.

Pois bem, usando este exemplo, muitos de nós deveríamos fazer o mesmo na vida real. Em algumas ocasiões carregamos relações em nossas costas que atrapalham muito o nosso crescimento pessoal.

No entanto, também não se trata de ir chamando porta a porta para avisar que não queremos mais a amizade de alguém. Trata-se apenas de saber priorizar e não investir tempo e esforço em pessoas que não os merecem.

Aprender a nos afastar de quem não precisa de nós

Nem sempre é fácil perceber quando chega este momento no qual deixamos de ser importantes para alguém. E não é apenas isso, algo que também pode acontecer é que percam o respeito por nós, e que esta necessidade se transforme em algo baseado no interesse.

É necessário saber diferenciar entre quem precisa de você de forma autêntica e o ama, e em, na verdade, se “descolou” faz tempo de nosso coração.

Se você tem filhos, certamente já notou que sempre chega um instante no qual eles deixam de precisar de nós. Isso vem com a própria maturidade, com a sua capacidade de ser independentes.

Porque os filhos, na realidade, sempre irão precisar de nós. Estamos falando, é claro, do afeto.

Há amizades que aparecem sempre de forma pontual nos instantes em que precisam de algo. Quando querem um favor, quando precisam ser escutados e “só nós sabemos como fazê-lo”. Devemos ter muito cuidado nestes casos.

Mostraremos apoio, afeto e compreensão a nossas amizades, sempre e quando existir reciprocidade. Uma amizade, assim como todo tipo de relação, se baseia em um intercâmbio sincero de emoções, pensamentos, apoios…

Se você não sente nenhuma destas dimensões e vê que estas pessoas só lhe procuram quando querem algo em troca, não hesite em impor limites.

Não se trata, assim como falamos antes, de romper o vínculo da noite para o dia. Na realidade, basta dizer a verdade em relação ao que você sente e estabelecer limites para o relacionamento.

“Isso você não pode fazer porque não me faz bem”, “Estou notando que você só busca a minha amizade quando precisa de algo. Eu gostaria de ter mais reconhecimento à minha pessoa da sua parte”.

O prazer de ser importante para quem realmente importa

Não se preocupe se, ao longo dos anos, você tenha que deixar muitas pessoas pelo caminho. Na realidade, a vida é assim mesmo, ir avançando para ficarmos com o mínimo, com o que realmente importa e engrandece o nosso coração.

Quem anda com a mente mais leve e o coração mais carregado se sente mais feliz e, por isso, não devemos ter medo de deixar ir quem não precisa de nós.

Haverá momentos em que você sentirá uma verdadeira dor ao comprovar que alguém que era muito importante para você deixou de sentir o mesmo. Deixou de reconhecer-lhe, de precisar de você.

Curar esta dor por esta descoberta requer tempo mas, por sua vez, devemos nos lembrar sempre de que o maior amor de nossas vidas deve ser sempre o amor próprio. Se você mesmo não se ama e não se respeita, não será capaz de abrir a porta para outras oportunidades.

As pessoas que são realmente importantes para você, na verdade, são poucas, mas certamente são as melhores. Não se trata, portanto, de “acumular amigos” como fazemos nas redes sociais. Na vida real, devemos priorizar e amar o que temos diante de nós.

Os que precisam de você irão demonstrar isso. E irão fazê-lo de forma íntegra, sem egoísmos nem chantagens. Porque quem o ama e respeita sabe estabelecer este intercâmbio cotidiano no qual todos ganham e ninguém perde.

Se as pessoas que precisam de você sabem demonstrar isso, não se esqueça nunca de demonstrar reciprocidade, fazer com que eles notem que nós também precisamos deles é uma forma de reconhecimento muito poderosa, porque faz com que eles se sintam úteis, importantes, e peças imprescindíveis em nossa rede de amigos mais próxima.

As pessoas precisam de muitas coisas para viver: alimento, calor, uma casa, instantes de ócio e liberdade. Mas também não devemos nos esquecer de que as coisas mais importantes deste mundo não são “coisas”, e sim pessoas.

Daí vem a importância de saber cuidar, atender, reconhecer, sem dar lugar a dúvidas, deixar ir pesos inúteis que só podem causar danos e prejudicar o nosso crescimento pessoal.

Faça de você mesmo a sua prioridade. Olhe cada dia por você e por quem você realmente considera importante. Temos que aprender a nos afastar de quem não precisa de nós.

………………………………………………………..
*Fonte: bmm

Não permita ser julgado por quem não vive a sua história

É preciso coragem para se colocar no lugar das dores alheias, porque isso dói, isso traz consciência de que, muitas vezes, estamos sendo injustos com quem apenas necessita de apoio.

Olhar de longe os acontecimentos, como mero espectador, não dá a ninguém autoridade suficiente para julgar o que vê. Frequentemente, as pessoas são julgadas pelas atitudes que tomam, sofrendo olhares de censura e comentários reprovadores de quem não conhece o que se passou de fato até que se chegasse àquela tomada de decisão.

Um dos maiores favores que faremos aos outros será o de conhecer antes de julgar.
Quem rompe um relacionamento, quem larga o emprego, quem ama como quiser, quem fala o que pensa, são inúmeros os exemplos de comportamentos que acabam sendo alvo da maldade alheia, alvo do veneno de quem não consegue enxergar a si próprio e foge disso denegrindo o outro. Como podem emitir juízos de valor baseados somente no conhecimento superficial, sem ter vivido de perto nenhuma das histórias que não são suas?

Cada pessoa sente o mundo, os acontecimentos, a vida, de um jeito próprio, ajeitando aquilo tudo conforme o que possui dentro de si, de acordo com o que vem se tornando enquanto a vida lhe envia as bagagens. Ninguém sente igual, nem dor nem prazer, o que nos impede de querer que o outro aja como achamos que deveria ou como nós mesmos agiríamos. E quem disse que o que pensamos é o mais correto? É muita presunção mesmo.

Da mesma forma, bem como tanto se alerta, é preciso exercitar a empatia, colocando-se no lugar do outro, entendendo-o antes de criticá-lo. E é preciso coragem para se colocar nas dores alheias, porque isso dói, isso traz consciência de que, muitas vezes, estamos sendo injustos com quem apenas necessita de apoio. Atitudes extremas quase nunca são tomadas por quem está bem e tranquilo, mas sim por pessoas enredadas em meio à dor e ao desespero.

Portanto, não permita que ninguém o julgue sem ter vivido a sua história, sem ter compartilhado nada com você, sem nunca ter perguntado se precisava de algo.
Ignore quem ataca sem entender, quem julga sem conhecer, quem fofoca sem saber, porque a maioria das pessoas só está preocupada com o que acham serem erros alheios que poderiam ser evitados, embora elas próprias errem e tentem se esconder, apontando o dedo para fora de si. Afinal, ninguém conseguirá ser tão implacável quanto a nossa própria consciência.

*Por Marcel Camargo

……………………………………………………………………….
*Fonte: osegredo

Resiliência: A arte de superar os golpes da vida

A palavra resiliência tem sua origem na língua latina, no termo resiliência que significa voltar, saltar para trás, se destacar, se recuperar. O termo foi adaptado às ciências sociais para caracterizar aquelas pessoas que, apesar de nascerem e viverem em situações de alto risco, desenvolvem-se psicologicamente saudáveis ​​e bem-sucedidas.

Resiliência é a capacidade dos seres vivos para lidar com a adversidade, trauma, tragédia, ameaças ou tensão forte e superar períodos de dor emocional, emergindo mais forte e chegar a um estado de excelência profissional e pessoal. Considera-se que as pessoas mais resilientes apresentam maior equilíbrio emocional diante de situações de estresse, suportando melhor a pressão. Isso lhes permite um senso de controle diante dos eventos e maior capacidade de enfrentar desafios.

“Você não sabe o quão forte você é, até que ser forte é a única opção que lhe resta.”
-Bob Marley

Deve-se dizer que a resiliência não é uma qualidade inata, não é impressa em nossos genes, embora possa haver uma tendência genética que possa predispor a ter um “bom caráter”. A resiliência é algo que todos podemos desenvolver ao longo da vida. Há pessoas que são resilientes porque tiveram em seus pais ou alguém próximo a elas um modelo de resiliência a seguir, enquanto outras encontraram seu caminho por conta própria. Isso nos diz que todos podemos ser resilientes, contanto que mudemos alguns de nossos hábitos e crenças.

De fato, pessoas resilientes não nascem, elas são feitas , o que significa que elas tiveram que lutar contra situações adversas ou tentaram várias vezes o gosto do fracasso e não desistiram. Ao se encontrarem à beira do abismo, deram o melhor de si e desenvolveram as habilidades necessárias para enfrentar os diferentes desafios da vida.

Ser resiliente não significa não sentir desconforto, dor emocional ou dificuldade diante da adversidade. A morte de um ente querido, uma doença grave, perda de trabalho, sérios problemas financeiros, etc., são eventos que têm um grande impacto nas pessoas, produzindo uma sensação de insegurança, incerteza e dor emocional.

Mesmo assim, as pessoas conseguem, em geral, superar esses eventos e se adaptar bem ao longo do tempo.

O caminho para a resiliência não é um caminho fácil, mas envolve considerável estresse e sofrimento emocional, apesar de que as pessoas tirar força permitindo-lhes continuar com suas vidas em face da adversidade ou tragédia. Mas como elas fazem isso?

A resiliência não é algo que uma pessoa tem ou não possui, mas envolve uma série de comportamentos e maneiras de pensar que qualquer pessoa pode aprender e desenvolver.

Então … O que caracteriza uma pessoa resiliente?

Pessoas resilientes têm três características principais: elas sabem aceitar a realidade como ela é; elas têm uma crença profunda de que a vida faz sentido; e elas têm uma capacidade inabalável de melhorar.

Também …

– Elas estão cientes de seu potencial e limitações. O autoconhecimento é uma arma muito poderosa para enfrentar adversidades e desafios, e as pessoas resilientes sabem como usá-lo em seu benefício. Essas pessoas sabem quais são suas principais forças e habilidades, bem como suas limitações e deficiências. Desta forma, podem ser traçados objetivos mais objetivos que não só levam em conta suas necessidades e sonhos, mas também os recursos disponíveis para elas.

– Elas são criativas. A pessoa com uma alta capacidade de resiliência não se limita a tentar acertar o vaso quebrado, ela está ciente de que este nunca mais será o mesmo. O resiliente fará um mosaico com os pedaços quebrados e transformará sua dolorosa experiência em algo belo ou útil. Do vil, traga o precioso.

– Elas confiam em suas habilidades. Por estar ciente de seu potencial e limitações, as pessoas resilientes confiam no que são capazes de fazer. Se algo os caracteriza, elas não perdem de vista seus objetivos e têm certeza do que podem alcançar. No entanto, elas também reconhecem a importância do trabalho em equipe e não se trancam, mas sabem quando é necessário pedir ajuda.

– Elas tomam as dificuldades como uma oportunidade para aprender. Ao longo da vida, enfrentamos muitas situações dolorosas que nos desencorajam, mas as pessoas resilientes são capazes de enxergar além desses momentos e não desanimam. Essas pessoas assumem crises como uma oportunidade para gerar mudanças, aprender e crescer. Elas sabem que esses momentos não serão eternos e que seu futuro dependerá da maneira como reagem. Quando confrontados com a adversidade, se perguntam: o que eu posso aprender com isso?

– Praticam atenção plena ou plena consciência. Mesmo sem ter consciência dessa prática milenar, as pessoas resilientes têm o hábito de estar plenamente presentes, de viver no aqui e agora e de ter uma grande capacidade de aceitação. Para essas pessoas, o passado é parte de ontem e não é uma fonte de culpa e ansiedade, enquanto o futuro não as sobrecarrega com sua parcela de incertezas e preocupações. Elas são capazes de aceitar experiências à medida que surgem e tentam tirar o máximo proveito delas. Elas apreciam os pequenos detalhes e não perdem a capacidade de se impressionar com a vida.

– Elas veem a vida com objetividade, mas sempre através de um prisma otimista. As pessoas resilientes são muito objetivas, sabem qual é seu potencial, os recursos disponíveis para elas e seus objetivos, mas isso não significa que elas não sejam otimistas. Por estar ciente de que nada é completamente positivo ou negativo, se esforçam para se concentrar nos aspectos positivos e aproveitar os desafios. Essas pessoas desenvolvem um otimismo realista, também chamado otimismo, e estão convencidas de que não importa quão escuro seja o dia, o dia seguinte pode ser melhor.

– Elas estão cercadas por pessoas que têm uma atitude positiva. As pessoas que praticam a resiliência sabem como cultivar suas amizades, então elas geralmente são cercadas por pessoas que mantêm uma atitude positiva em relação à vida e evitam aqueles que se comportam como vampiros emocionais. Dessa forma, conseguem criar uma sólida rede de suporte que pode apoiá-las nos momentos mais difíceis.

– Elas não tentam controlar situações. Uma das principais fontes de tensão e estresse é o desejo de controlar todos os aspectos da nossa vida. É por isso que, quando algo nos escapa de nossas mãos, nos sentimos culpados e inseguros. No entanto, as pessoas resilientes sabem que é impossível controlar todas as situações, aprenderam a lidar com a incerteza e sentem-se à vontade mesmo que não tenham controle.

– Elas são flexíveis em face de mudanças. Mesmo que as pessoas resilientes tenham uma auto-imagem muito clara e saibam exatamente o que querem alcançar, elas também têm flexibilidade suficiente para adaptar seus planos e mudar seus objetivos quando necessário. Essas pessoas não se fecham para mudar e estão sempre dispostas a valorizar diferentes alternativas, sem se agarrarem obsessivamente aos seus planos iniciais ou a uma única solução.

– Elas são tenazes em seus propósitos. O fato de as pessoas resilientes serem flexíveis não implica que elas renunciem a seus objetivos, pelo contrário, se algo as distingue é sua perseverança e capacidade de lutar. A diferença é que elas não lutam contra os moinhos de vento, mas aproveitam o sentido e o fluxo da corrente com ela. Essas pessoas têm uma motivação intrínseca que as ajuda a se manterem firmes e a lutar pelo que elas propõem.

– Elas enfrentam a adversidade com humor. Uma das características essenciais das pessoas resilientes é seu senso de humor, elas são capazes de rir da adversidade e fazer uma brincadeira com seus infortúnios. O riso é o seu melhor aliado, porque o ajuda a permanecer otimista e, acima de tudo, permite que você se concentre nos aspectos positivos das situações.

– Elas buscam a ajuda de outros e apoio social. Quando as pessoas resilientes passam por um evento potencialmente traumático, seu primeiro objetivo é superá-lo, por isso, elas estão cientes da importância do apoio social e não hesitam em procurar ajuda profissional quando precisam.

Os benefícios da resiliência

* As pessoas mais resilientes têm uma melhor auto-imagem

* Elas se criticam menos

* Elas são mais otimistas

* Elas enfrentam os desafios

* Elas são fisicamente mais saudáveis

* São mais bem sucedidas no trabalho ou estudos

* Elas estão mais satisfeitas com seus relacionamentos

* Elas são menos predispostas à depressão

O que contribui para uma pessoa ser mais resiliente?

– O apoio emocional é um dos principais fatores. Tendo em sua vida pessoas que amam você e te apoiam e em quem você pode confiar, você fica muito mais resiliente do que se estivesse sozinho.

– Permita-se sentir emoções intensas sem temê-las ou fugir delas e, ao mesmo tempo, ser capaz de reconhecer quando precisa evitar sentir alguma emoção e centrar sua mente em alguma distração.

– Não fuja dos problemas, mas confronte-os e procure soluções. Implica ver problemas como desafios que você pode superar e não como ameaças terríveis.

– Tire um tempo para descansar e recuperar forças, sabendo o que você pode exigir e quando você deve parar.

– Confie em você e nos outros.

O principal objetivo de difundir o conceito de resiliência é contribuir para a consciência de que todas as pessoas têm essa característica, mas que a implantação depende de todos nós, se nos oferecermos oportunidades mútuas.

Eu terminarei este artigo com uma citação de Marc Levy que diz: O tempo cura todas as feridas, mesmo que isso deixe cicatrizes. Ou, se você me permitir modificar ligeiramente o compromisso:

“A resiliência cura todas as feridas, embora deixe cicatrizes.”

*Por: Karla Galleta

………………………………………………………
*Fonte: pensarcontemporaneo

Substitua os celulares e tablets de seus filhos por instrumentos musicais

A forma como criamos nossas crianças mudou muito de uns tempos para cá. Agora, a estratégia adotada por muitos pais para acalmar seus filhos é dar-lhes um tablet ou um smartphone. Dentro desse contexto, as brincadeiras ao ar livre a atividades manuais ficam cada vez mais esquecidas.

Essa forma de criação é contestada pelo neuropsicólogo espanhol Álvaro Bilbao, que em seu livro “El cerebro del niño explicado a los padres” (O cérebro da criança explicado aos pais – em tradução livre), diz que, se queremos criar crianças mais inteligentes, devemos substituir seus tablets por instrumentos musicais.

Bilba acredita que as aulas de música estimulam a capacidade de raciocínio das crianças, mais do que a tecnologia. Além disso, os pais têm um papel importante na inteligência de seus filhos. Um estudo que foi publicado na revista Psiquiatría Molecular afirma que 50% da inteligência da criança é determinada pelos genes, mas os outros 50% dependem dos estímulos que elas recebem.

“A chave do desenvolvimento potencial do cérebro da criança está na sua relação com os pais. Ainda que a genética tenha um peso importante, sem essa presença não se materializa”, diz Bilba.

Abaixo estão listadas algumas estratégias defendidas por especialistas para desenvolver a inteligência das crianças:

Estudar música
Pesquisadores da Universidade de Toronto realizaram um estudo, publicado na revista Psychological Science, que relacionou o desenvolvimento cognitivo com o estudo e a aprendizagem de música. Para o estudo, três grupos de crianças de seis anos estudaram, separadamente, durante um ano, canto, piano e expressão dramática. As crianças que se dedicaram a estudar música foram as que mostraram maiores padrões de inteligência.

Menor contato com a televisão
Anos atrás, filmes de desenhos animados que aliavam figuras desenhadas ao som da música clássica de compositores como Mozart e Beethoven eram muito populares. Diversos especialistas aprovavam esses filmes, afirmando que ajudavam a estimular a inteligência de bebês e crianças, mas essas teorias foram desmentidas por estudos internacionais. De acordo com a Associação Americana de Pediatria, crianças com menos de dois anos não devem ter contato com televisão.

Evitar jogos que afirmam ajudar no desenvolvimento cerebral
Recentemente vêm surgindo muitos jogos eletrônicos e aplicações móveis que afirmam ajudar no desenvolvimento do cérebro e da memória. No entanto, a maioria deles não são embasados cientificamente. Tenha cuidado.

Assistir a filmes/documentários em línguas estrangeiras
Crianças que são ensinadas a assistir filmes em línguas estrangeiras desde cedo tendem a adaptar-se mais facilmente a outros vocábulos e a outros sons.

Ler histórias com seus pais antes de irem para a cama
Quando os pais leem histórias para seus filhos antes de irem para a cama, é importante que convidem as crianças para participar. Por exemplo, o pai lê uma página e o filho outra, e assim sucessivamente. De acordo com um estudo canadense, este método ajuda as crianças a melhorarem sua capacidade de aprendizagem.

*Por Luiza Fletcher

………………………………………………………….
*Fonte: osegredo

Melhor lidar com pessoas ácidas e honestas do que com pessoas doces e hipócritas

Existem vários tipos de pessoas com quem conviveremos, ao longo de nossas vidas, no trabalho, nas redes sociais, na vida por aí. Pessoas com personalidades diferentes umas das outras, cada uma delas peculiar e única em suas características próprias. Termos o cuidado de manter por perto quem é sincero será um dos maiores favores que faremos a nós mesmos.

Não é fácil, infelizmente, saber em quem podemos confiar, desde o início, uma vez que máscaras costumam ser usadas durante os relacionamentos, de acordo com os interesses de cada um, de acordo com o quanto a pessoa pensa em si mesma e no outro. Pode demorar para conhecermos realmente a índole de alguém, pode levar muito tempo, porém, nunca será tarde demais para que consigamos nos proteger.

Muitos de nós costumamos confundir leveza com sinceridade e acidez com falsidade, erroneamente. Nem sempre as boas intenções se revestem de um verniz doce e calmo. Nem sempre a falsidade se atrela a um comportamento mais áspero e firme. Na verdade, a gente não conhece de fato as pessoas, mas apenas parte delas que nos são permitidas, de acordo com o que elas querem. E nem sempre o que elas querem nos faz bem.

As decepções serão invitáveis, onde e com quem estivermos. Perdoar será preciso, mas até o limite máximo de nossa dignidade. Teremos que tentar entender o outro, compreendendo que ele tem as próprias histórias, as próprias escuridões, uma luta interna que desconhecemos. Mesmo assim, o sofrimento alheio não poderá morar em nós demoradamente, a ponto de nos fazer mal. Tentar ajudar é necessário, porém, sem tomar como nossas as tempestades que o outro criou.

Por isso é que, muitas vezes, mesmo que não sejam simpáticas demais, será bem melhor lidar com pessoas transparentes, porque então saberemos que terreno pisamos. Ruim é pisar ovos, andar em areia movediça, enquanto não se percebe a crueldade por trás da doçura no tom de voz de certas pessoas. O que nos protegerá, afinal, será a honestidade, tanto a nossa quanto a do outro. Sempre.

*Por Marcel Camargo

……………………………………………………………….
*Fonte: contioutra

Qual é a diferença entre estar ansioso e ter ansiedade?

odos nós enfrentamos momentos de tensão na vida, seja na hora de esperar o resultado de uma prova ou, quem sabe, na hora de subir ao altar e dizer “sim” em frente a diversos convidados. Pode ser até uma tensão antes de uma entrevista de emprego ou, ainda, naquele domingo em que você vai conhecer a família do crush… A questão é: quando é que uma pessoa se sente ansiosa e quando se pode dizer que ela tem um transtorno de ansiedade?

De acordo com a Dra. Karen Cassiday, que falou sobre o assunto com a equipe do Mental Floss, o sentimento principal é o mesmo, e o que faz diferença mesmo entre uma coisa e outra é a intensidade do que se sente e a forma como isso afeta a vida da pessoa.

Ela explica que a sensação de ansiedade é uma experiência comum e que todos nós sentimos as sensações físicas e a apreensão que a ansiedade traz, mas que a questão é se conseguimos lidar com isso: “Em um transtorno de ansiedade, aqueles sinais de perigo saem do controle e você se sente como se tivesse que tomar ações preventivas para se proteger”, ela explicou.

Diagnóstico

O transtorno é muitas vezes diagnosticado por um médico quando o paciente se sente ansioso e preocupado por meses, apresentando sintomas como insônia e dificuldade de concentração no trabalho ou nos estudos.

Dra. Cassiday explica que algumas pessoas têm dificuldades no trabalho quando precisam realizar tarefas específicas, como falar em público, ou se precisam viajar, caso não se sintam confortáveis em aviões.

O transtorno da ansiedade pode se apresentar em três formas principais: ansiedade generalizada, quando a tensão se relaciona a qualquer evento; ansiedade social, quando a tensão tem a ver com a interação com outras pessoas; e síndrome do pânico, quando a pessoa tem crises de pânico e nem sempre sabe reconhecer quais foram os gatilhos.

O que fazer

“As pessoas que têm transtornos de ansiedade evitam atividades normais e experiências para evitar dar o gatinho para as suas ansiedades. Elas não conseguem escolher fazer coisas que normalmente apreciam ou que fazem suas vidas ricas. Elas perdem oportunidades de se conectar em relacionamentos em suas comunidades, oportunidades de ser produtivas, de se voluntariar, de fazer dinheiro ou de terminar os estudos”, resumiu ela.

O preocupante é que 25% das pessoas vivem dessa maneira e nem sempre falamos abertamente sobre assuntos relacionados à saúde mental, o que é um erro enorme.

Se você se identifica com essas descrições, saiba que é possível aprender a lidar com a questão através do acompanhamento psicológico e psiquiátrico. Cassiday também recomenda que pessoas ansiosas ou com transtornos de ansiedade se envolvam em atividades como meditação, yoga e a prática de exercícios físicos.

*Por Daiana Geremias

………………………………………………………
*Fonte: megacurioso

Sofomaníaca: pessoa estúpida que se acha extremamente inteligente

Todos nós conhecemos uma pessoa que, ainda que não tenha nenhum conhecimento sobre determinado assunto, insiste em mostrar “propriedade”, e fala sobre ele como se fosse a dona da verdade, jamais aceitando ser contrariada.
Conviver com pessoas assim é um verdadeiro teste de paciência, porque sua arrogância parece não conhecer limites.

Na era do Google e das redes sociais, os sabichões ganharam mais maneiras de espalhar seus discursos, e há até mesmo um termo para definir essas pessoas ignorantes que acreditam ser iluminadas pela verdade, “sofomaníacos”. Em uma rápida conferida nossas linhas do tempo, podemos ver várias pessoas comentando sobre temas sérios sem nenhum tipo de conhecimento, e julgando todos aqueles que não concordam.

A definição de sofomaníaco é: indivíduo estúpido que se acha extremamente inteligente, e podemos assumir que nesse caso, a palavra “estúpida” poderia ser substituída por “ignorante”, porque aqueles que comentam sobre temas dos quais não entendem o mínimo baseados apenas em superficialidades são pessoas que não possuem muita sabedoria dentro de si.

Qualquer notícia polêmica viraliza rapidamente nas redes sociais e provoca milhares de comentários, muitos deles sendo brigas e mensagens agressivas direcionadas às pessoas de pensamento contrário.
Perdeu-se o respeito pela opinião alheia, e as pessoas tentam provar que estão certas mesmo que tenham que abandonar a razão e apelar para o desrespeito.

Muitas pessoas são difamadas, humilhadas e muitas vezes têm suas vidas seriamente prejudicadas, graças aos desonestos que espalham notícias falsas apenas para denegrir a imagem de alguém e aos sofomaníacos, que perpetuam as mentiras porque não se dão ao trabalho de pesquisar, de buscar informação.

Tão sério é o efeito da sofomania, que as pessoas prejudicadas por ela estão buscando na justiça maneiras de encontrarem justiça. Chegou o momento de refletirmos até que ponto podemos permitir que a ignorância dite os nossos comportamentos.

Cada um tem o direito de ter os próprios pensamentos e opiniões sobre tudo. No entanto, expressar esses pontos de vista nas redes sociais ou em qualquer outro ambiente públicos requer muita responsabilidade, educação e respeito.
Nossa sociedade não aceita mais comportamentos negativos passarem despercebidos. Hoje em dia, as pessoas questionam, debatem e buscam justiça quando são ofendidas. Portanto, precisamos estar bem informados, precisamos procurar conhecimento e devemos sim aceitar opiniões contrárias e reconhecer quando estamos errados.

Conhecimento, educação e respeito nunca são demais. Portanto, comece a mudar em si mesmo os comportamentos sofomaníacos e dê exemplo para as pessoas ao seu redor.

Vivemos na era da informação, está na hora de usarmos isso a nosso favor. Seja consciente e não destrua relacionamentos por ignorância.

*Por Luiza Fletcher

……………………………………………………….
*Fonte: osegredo

A triste geração que virou escrava da própria carreira

E a juventude vai escoando entre os dedos.

Era uma vez uma geração que se achava muito livre.

Tinha pena dos avós, que casaram cedo e nunca viajaram para a Europa.

Tinha pena dos pais, que tiveram que camelar em empreguinhos ingratos e suar muitas camisas para pagar o aluguel, a escola e as viagens em família para pousadas no interior.

Tinha pena de todos os que não falavam inglês fluentemente.

Era uma vez uma geração que crescia quase bilíngue. Depois vinham noções de francês, italiano, espanhol, alemão, mandarim.

Frequentou as melhores escolas.

Entrou nas melhores faculdades.

Passou no processo seletivo dos melhores estágios.

Foram efetivados. Ficaram orgulhosos, com razão.

E veio pós, especialização, mestrado, MBA. Os diplomas foram subindo pelas paredes.

Era uma vez uma geração que aos 20 ganhava o que não precisava. Aos 25 ganhava o que os pais ganharam aos 45. Aos 30 ganhava o que os pais ganharam na vida toda. Aos 35 ganhava o que os pais nunca sonharam ganhar.

Ninguém podia os deter. A experiência crescia diariamente, a carreira era meteórica, a conta bancária estava cada dia mais bonita.

O problema era que o auge estava cada vez mais longe. A meta estava cada vez mais distante. Algo como o burro que persegue a cenoura ou o cão que corre atrás do próprio rabo.

O problema era uma nebulosa na qual já não se podia distinguir o que era meta, o que era sonho, o que era gana, o que era ambição, o que era ganância, o que necessário e o que era vício.

O dinheiro que estava na conta dava para muitas viagens. Dava para visitar aquele amigo querido que estava em Barcelona. Dava para realizar o sonho de conhecer a Tailândia. Dava para voar bem alto.

Mas, sabe como é, né? Prioridades. Acabavam sempre ficando ao invés de sempre ir.

Essa geração tentava se convencer de que podia comprar saúde em caixinhas. Chegava a acreditar que uma hora de corrida podia mesmo compensar todo o dano que fazia diariamente ao próprio corpo.

Aos 20: ibuprofeno. Aos 25: omeprazol. Aos 30: rivotril. Aos 35: stent.

Uma estranha geração que tomava café para ficar acordada e comprimidos para dormir.

Oscilavam entre o sim e o não. Você dá conta? Sim. Cumpre o prazo? Sim. Chega mais cedo? Sim. Sai mais tarde? Sim. Quer se destacar na equipe? Sim.

Mas para a vida, costumava ser não:

Aos 20 eles não conseguiram estudar para as provas da faculdade porque o estágio demandava muito.

Aos 25 eles não foram morar fora porque havia uma perspectiva muito boa de promoção na empresa.

Aos 30 eles não foram no aniversário de um velho amigo porque ficaram até as 2 da manhã no escritório.

Aos 35 eles não viram o filho andar pela primeira vez. Quando chegavam, ele já tinha dormido, quando saíam ele não tinha acordado.

Às vezes, choravam no carro e, descuidadamente começavam a se perguntar se a vida dos pais e dos avós tinha sido mesmo tão ruim como parecia.

Por um instante, chegavam a pensar que talvez uma casinha pequena, um carro popular dividido entre o casal e férias em um hotel fazenda pudessem fazer algum sentido.

Mas não dava mais tempo. Já eram escravos do câmbio automático, do vinho francês, dos resorts, das imagens, das expectativas da empresa, dos olhares curiosos dos “amigos”.

Era uma vez uma geração que se achava muito livre. Afinal tinha conhecimento, tinha poder, tinha os melhores cargos, tinha dinheiro.

Só não tinha controle do próprio tempo.

Só não via que os dias estavam passando.

Só não percebia que a juventude estava escoando entre os dedos e que os bônus do final do ano não comprariam os anos de volta.

*Por Ruth Manus

………………………………………………………………….
*Fonte: provocacoesfilosoficas

Por que as pessoas traem?

Partindo do princípio de que a maioria das pessoas prefere não causar o sofrimento alheio, tentamos averiguar o motivo de tanta gente ser infiel mesmo assim — sabendo que pode magoar profundamente o outro. E sabe o que nós descobrimos? Que a questão da infidelidade é bem mais complexa do que parece.

A Ciência tenta explicar

A traição já foi tema de inúmeros estudos científicos, e vários deles apontaram que existem certos aspectos primários que parecem tornar as pessoas mais propensas a serem infiéis. Um desses aspectos seria o gênero, já que os homens — por produzirem mais testosterona do que as mulheres — têm maior desejo sexual, o que, por sua vez, os torna mais inclinados a trair suas parceiras.

Além disso, algumas pesquisas revelaram, por exemplo, que existe a possibilidade de que determinadas variações genéticas tornem alguns indivíduos mais — ou menos — inclinados a serem infiéis com seus companheiros. Quanto às mulheres, há cientistas que acreditam que em muitos casos as “traidoras” são descendentes de pais mulherengos e herdaram esse comportamento de seus progenitores.

Uma pesquisa apontou ainda que determinadas pessoas — normalmente mais homens do que mulheres — traem pela necessidade de sentir que estão no controle, o faz com que elas se sintam poderosas.

Evolutivamente falando

De acordo com a teoria evolutiva, a propensão de os homens serem mais promíscuos teria sido fortemente influenciada pela necessidade de espalhar as suas “sementes”. As mulheres, por outro lado, seriam motivadas pela busca de parceiros com qualidades genéticas que pudessem garantir uma prole saudável.

Mas não pense que as nossas ancestrais não tinham mais de um parceiro também! A diferença é que elas os buscavam no intuito de criar uma espécie de “plano b” — ou seja, para que elas tivessem um substituto que pudesse fornecer comida, abrigo e proteção no caso de que os seus companheiros morressem.

Além disso, as mulheres que tinham mais de um parceiro tinham acesso a mais recursos — como alimentos e outras provisões — e talvez até gerassem mais filhos, criando uma maior variação genética em sua linhagem. Você percebe aqui a diferença nas motivações que levavam os nossos antepassados a serem promíscuos?

Mais explicações

De acordo com uma série de levantamentos, pessoas com orientações políticas mais conservadoras ou muito religiosas são menos propensas a serem infiéis, justamente por terem valores mais rígidos. Além disso, a personalidade exerce uma forte influência na hora da traição, já que indivíduos menos escrupulosos ou com determinados perfis costumam ser menos fiéis.

Pode acontecer também de uma pessoa não ser especialmente inclinada a trair e até estar superfeliz com seu relacionamento. No entanto, novos fatores podem surgir em sua vida, tornando-a mais vulnerável a cair na tentação. Algumas situações podem ser mais tentadoras do que outras, como o tipo e o ambiente de trabalho, por exemplo.

Nesse sentido, locais de trabalho com homens ou mulheres demais podem ser um fator de risco, assim como atividades que envolvam tocar outras pessoas, passar muito tempo a sós com alguém ou, ainda, que incluam a necessidade de conversas muito pessoais.

Ademais, quando o assunto é “pular a cerca”, pessoas que vivem em regiões urbanas costumam ser mais liberais do que aquelas de áreas rurais ou cidades pequenas. As grandes metrópoles, por serem muito mais populosas, também proporcionam um ambiente de maior anonimato, além de oferecer uma maior variedade de parceiros em potencial para possíveis aventuras amorosas.

Problemas no próprio relacionamento também podem levar à traição, e a falta de compatibilidade — seja em termos de personalidade, nível de educação e insatisfação, por exemplo — entre os parceiros é um fator muito importante, já que pode provocar conflitos que levam à infidelidade. Entretanto, apesar da influência genética e social, a verdade é que a traição é uma questão de escolha.

Motivações

De acordo com diversos especialistas, algumas das principais razões que levam homens e mulheres a trair são o tédio, a solidão, a vingança, a excitação que a situação desperta, a busca de liberdade e intensidade sexual — entre outras tantas. Contudo, as motivações que conduzem homens e mulheres à infidelidade são bem diferentes.

Quando o assunto são as emoções, os homens e as mulheres “funcionam” de forma bem distinta. Eles, quando traem suas companheiras, normalmente estão em busca de sexo e atenção, e não de um relacionamento afetivo. Os rapazes também tendem a pensar menos a respeito da situação e conseguem sair dela com mais facilidade. Sem falar que eles se arriscam mais e se preocupam menos com a possibilidade de serem descobertos.

As mulheres, em contrapartida, geralmente avaliam mais a situação e traem na tentativa de preencher lacunas emocionais. Sendo assim, elas muitas vezes criam laços afetivos com seus amantes e, além de pensarem mais antes de decidir ter um caso, as mulheres conseguem identificar o perigo de perderem seus companheiros se forem pegas.

Ainda sobre as motivações das mulheres, segundo os especialistas, muitas vezes elas são infiéis durante períodos de transição, quando desejam sair de um relacionamento ruim. As traições também acontecem com frequência em momentos de grande vulnerabilidade ou mudanças importantes — como a perda de alguém querido ou o surgimento de alguma doença grave na família, por exemplo.

E por que ela é tão dolorosa?

 

De acordo com Esther Perel — que apresentou a inspiradora palestra que você pode assistir acima (recomendamos fortemente que você assista!) —, o conceito de monogamia, assim como o de felicidade e o que os relacionamentos representam — bem como o que esperamos deles —, mudaram bastante ao longo da História.

Hoje em dia, quando buscamos um parceiro, nós não queremos um simples companheiro. Nós esperamos que o outro preencha uma longa lista de necessidades e que ele se torne o nosso amante, melhor amigo, companheiro emocional, confidente, par intelectual etc. Ao mesmo tempo, acreditamos que somos insubstituíveis, indispensáveis e únicos para o outro — e o problema é que a infidelidade prova que não somos nada dessas coisas.

Portanto, quando a traição acontece, invariavelmente nós vamos nos questionar sobre o que poderia haver de errado com o nosso relacionamento ou, pior, sobre o que há de errado conosco. Assim, segundo Esther, a traição sempre foi dolorosa. Entretanto, atualmente ela se tornou especialmente traumática porque ameaça a nossa autoestima, viola a nossa confiança e pode inclusive nos levar a ter crises de identidade.

Curando o coração

Infelizmente, em se tratando de relacionamentos, a verdade é que nós somos incapazes de controlar as vontades e as ações dos nossos parceiros. E, por mais que a gente tente completar a outra pessoa e fazê-la feliz, no fim das contas, se ela decidir nos trair, não há muito que possamos fazer a respeito.

No entanto, um bom começo é ter uma conversa franca com o seu parceiro, para que cada um de vocês defina o que é considerado como traição — sair para almoçar com outra pessoa sem avisar, ter conversas íntimas online com desconhecidos, trocar beijos, fazer sexo? Dessa forma, fica mais fácil identificar e estabelecer os limites da relação e, assim, causar menos sofrimento para os dois.

Por outro lado, se a traição acontecer, conforme disse Esther na palestra, para alguns relacionamentos, a infidelidade é um sinal de que eles já estão morrendo, enquanto, para outros, ela é o choque que serve de motivação para a busca de novas possibilidades.

Além disso, há quem consiga transformar a crise em uma nova oportunidade e, se vale de consolo, pense que a maioria dos casais que já passaram por esse tipo de experiência permaneceram juntos.

E mais: a traição nunca deixará de existir, e é importante lembrar que há muitas outras formas de trair o seu parceiro — através de violência, da negligência, do desprezo e da indiferença. Isso significa que a vítima da traição nem sempre é a vítima do relacionamento, portanto fique ligado!

……………………………………………………………………………
*Fonte: provocacoesfilosoficas

Às vezes, a frieza é uma defesa de quem já foi bonzinho demais

Costumamos julgar as pessoas, muitas vezes de maneira cruel e injusta, atentando-nos somente para o que vemos, mesmo que não as conhecemos o suficiente. Tiramos conclusões precipitadas, antecipando-nos à convivência com o outro, esquecendo-nos de dar tempo ao tempo, para que a verdade de fato se faça presente.

Todos nós passamos por muita coisa antes de chegarmos onde estamos, ou seja, o que somos carrega uma carga emocional e física imensa, que nos moldou e nos tornou o que vivemos no momento presente.

A gente vai se transformando ao longo de cada dia, todos os dias, aprendendo a conviver com as bagagens boas e ruins, adequando-nos ao que a vida nos apresenta – e nem sempre ela é gentil.

Por essa razão, não podemos criticar as pessoas pelo seu jeito de ser, pois todas elas estão tentando sobreviver, enfrentando batalhas, dentro de si, que nem imaginamos.

E, quando se trata das pessoas próximas de nós, que conhecemos de perto, será preciso prestar atenção aos sinais que seu comportamento nos envia a todo momento. Caso contrário, não conseguiremos responder aos pedidos, não nos ajustaremos às mudanças e assim perderemos quem não deveria se afastar.

Precisamos, sobretudo, entender o silêncio demorado de quem caminha conosco, lendo as entrelinhas daquilo que não mais retorna, percebendo a tristeza no fundo dos olhos, as mudanças mínimas que nos indicam que algo não vai bem.

Infelizmente, a maioria de nós só percebe a frieza cansada do parceiro quando o abismo emocional já se encontra praticamente irreversível. Então já nada mais importará. Então será tarde demais.

Conviver requer prestar atenção, cuidar, regar, importar-se, mais do que oferecer presentes e conforto material. Buscar as conquistas de vida sempre deverá incluir também o enriquecimento afetivo, o aumento de nosso potencial humano, nossa capacidade de amar e de ser amado.

Se nos esquecermos das relações humanas nesse caminho, sempre sairemos perdendo, pois as pessoas simplesmente se cansam de ser boazinhas e compreensivas além da conta, além do que o coração é capaz de suportar. As pessoas se cansam e fim.

*Por: Prof. Marcel Camargo

………………………………………………………………….
*Fonte: fasdapsicanalise

Por que pobre que deixa de ser pobre gosta de pisar em pobre?

Uma coisa que eu, infelizmente, observo muito: pessoas que melhoram sua situação financeira e sobem um ou alguns degraus da escada social parecem esquecer rapidamente que há pouco tempo também eram pobres e sofreram o mesmo desprezo que agora estão dispensando a quem é mais pobre que elas.

Já vi gente que saiu da favela e falava mal dos favelados e motorista de primeiro carro novo comprado em sessenta prestações rindo de quem esperava na chuva pelo ônibus, o mesmo ônibus que ele pegava para ir trabalhar, em um passado não muito remoto.

Tem gente frustrada em seu emprego por ser maltratada pelos patrões, mas que não perde a oportunidade de esnobar ela mesma outras pessoas, assim que se vê do outro lado (do lado “mais forte“), tratando mal vendedores em lojas, zeladores em prédios ou pedintes na rua.

Já é incompreensível ver gente rica de muito tempo tratando pobre como gente de segunda categoria, numa desumanidade que assusta. Isso já é difícil de entender, mas, agora, ver gente que conheceu a pobreza se vestindo de arrogância e prepotência para se achar melhor que outros que (ainda) não conseguiram sair da pobreza é que não dá para entender mesmo.

Parece que isso está enraizado na cabeça de nosso povo, essa mentalidade arcaica de que quem tem mais é mais, como se ter e ser fossem a mesma coisa. E quem quer ser mais necessita de alguém que seja menos, já que quem se compara precisa de uma referência e seria meio amargo alguém se comparar com quem tem mais que ele. Assim, a consequência lógica é rebaixar quem tem menos para se sentir mais elevado, enfeitando um pouco sua pobre existência.

Tem a história do Dr. Armando, que era advogado, mas não era doutor coisa nenhuma, porém, ele fazia questão de ser chamado assim. Um rapaz pobre do interior da Bahia, que foi para Salvador para estudar e que, para se formar, comeu o pão que o chifrudo amassou, limpou fossa e foi ajudante de pedreiro, serviu comilões no Habib’s na Praia de Piatã, foi placa de anúncio ambulante para os novos condomínios na Avenida Paralela e até picolé na praia ele vendeu.

Pois bem, esforçado ele foi, pisoteado também, e se formou em Direito aos troncos e barrancos. Com o canudo na mão, o Armandinho voltou para sua terra natal como Dr. Armando, o advogado, que, como dito, não era doutor, pois não tinha doutorado, mas que era cheio de doutorice e exigia que todos abaixo dele na hierarquia o tratassem dessa forma. Até de certos clientes ele exigia isso, numa arrogância sem fim. Agora, com um diploma que ele escondia na gaveta, pois suas notas não foram tão boas e ele se envergonhava disso, e um escritoriozinho perto do centro de uma cidade média de interior, ele se via flutuando numa nuvem, por cima dos mortais. Somente perante o juiz, o delegado ou os poderosos do lugar ele baixava a crista e parecia um menino nervoso que tinha feito algo errado.

O pior de tudo é que ele era colérico e tratava muito mal seus empregados, principalmente os domésticos, gritando com eles, os classificando de burros e preguiçosos e supondo que iriam morrer pobres, pois burrice e preguiça não levariam ninguém a lugar algum. E vivia dizendo que detestava pobreza.

Assustadora também era a passividade dos subalternos, que, calados, aceitavam as insultas do patrão. Por um lado, claro, eles eram dependentes, alguns até moravam em sua propriedade. Mas, por outro, seria bom ter mais coragem e impor limites ao novo rico que se comportava como um coronel de segunda categoria.

Mas nem precisamos de exemplos extremos como esse. Esse fenômeno acontece muitas vezes no dia-a-dia, quase despercebido, como aquele sujeito pobre que recebe um dinheiro extra, resolve ir jantar com a namorada num restaurante chique, com tudo que se tem direito, mas achando que tem o direito também de já entrar no restaurante tratando mal os garçons, sentindo-se rico por um momento e acreditando que “ser rico” implicaria também em tratar mal quem o serve.

Acredito que muita gente se comporta assim por não conhecer diferente. Quando ainda pobres, por terem sido explorados e maltratados e experimentado de perto a exclusão e os preconceitos contra a pobreza, aprenderam que é desse modo que a sociedade funciona: quem está em cima, pisa em quem está em baixo. E, agora, que conseguiram subir um pouco, eles também têm vontade de pisar. Se levo isso em consideração, até acho tal comportamento plausível. Mas plausível não quer dizer que seja bom.

Acho estranho e repudio qualquer ato que suponha a superioridade ou a inferioridade de quem quer que seja, mas, ao mesmo tempo, sei que todo efeito tem uma causa e que isso aí é efeito de alguma coisa. Não seria o efeito de um endurecimento de nossa sociedade, de uma mentalidade de consumo e de identificação social pelo que se possui, de dignidade comprada, onde quem tem pouco automaticamente vale menos? Não costumamos definir o sucesso de alguém pela riqueza que acumula? E ainda não fazemos a bobagem de aceitar essa ideia absurda como normalidade?

Penso que é essa distorção de valores, que afeta a sociedade como um todo, que faz com que também um pobre que emerge queira também pisar em outros para se sentir alguém.

Se queremos mudar isso, então seria essencial mudar exatamente essa mentalidade, essa forma estranha de convivência social que inventamos, mas que só serve para descaracterizar o lado humano de nossa sociedade.

Os pobres deixarão de tratar mal outros mais pobres no dia em que todos pararmos para perceber que é preciso bem mais que ter para ser e que poder material não torna ninguém melhor que ninguém. Os pobres aprenderão a respeitar outros mais pobres no dia em que eles mesmos perceberem que se é respeitado por ser quem é (um ser humano que tem uma dignidade inviolável!) e não pelo que se tem, já que ninguém aprende a respeitar se ele nunca foi respeitado.

Precisamos é retomar nossos valores e recuperar nossa humanidade, entendendo que a verdadeira superioridade não pode ser comprada e não se adquire através de riqueza material. A verdadeira superioridade nasce é dentro de nós. Uma pessoa verdadeiramente superior não é aquela que se acha melhor, mas sim que a entende que esse negócio de gente melhor ou pior não existe, tanto faz se rica ou pobre.

*Por Gustl Rosenkranz

……………………………………………………………..
*Fonte: agrandeartedeserfeliz

Ouça atentamente as dores físicas do seu corpo

Qualquer manifestação de nosso corpo são advertências que nos envia a nossa alma para gerar mudanças, não são punição, são alertas, são maneiras de nos dizer que estamos fazendo algo não consistente com nosso bem-estar.

Pode ser que estejamos tomando caminhos inconvenientes, podemos não estar estabelecendo limites saudáveis em nossas vidas e a influência dos outros nisso, podemos ter negligenciado a nós mesmos, podemos não saber como expressar o que sentimos, pode ser que nós estejamos nos apegando a algo que dói emocionalmente… Em suma, isso pode ter muitas conotações, mas acalmar a dor física através de agentes externos representará apenas um paliativo.

Somente quando olhamos para dentro, temos a oportunidade de nos curar, note que dizemos curar e não remediar. Remediar pode ser entendida como o caminho para um estado de normalidade física, enquanto a cura é o processo de transformação interior que nos permite afastar os alertas que manifesta nosso corpo.

Estamos acostumados a procurar um especialista em saúde física para resolver nosso desconforto, nós o silenciamos, mas não erradicamos o problema, se não conseguirmos nos libertar do fardo emocional, os problemas de saúde continuarão presentes, e talvez, e infelizmente de maneira cada vez mais intenso

Se eu lhe enviar uma mensagem de texto e você não a ler, se eu te escrever pelas redes sociais e você me bloquear, se eu ligar para você e desviar minha ligação, tanta insistência significa que eu realmente preciso te dar uma mensagem, e não vou desistir até que eu consiga. Imagine que é assim que nossa relação de alma, corpo e mente funciona, mas de um modo mais sublime.

De nada nos serve tomar um analgésico, a menos que, em paralelo, estejamos tentando resolver ou decifrar a mensagem, isso não significa que não devemos ir a um médico para tratar qualquer mal ou doença, só queremos deixar claro que a raiz do problema pode não está no corpo, mas apenas se manifestando de modo que decidimos mudar, curar, viver de maneira diferente.

O ideal é viajar neste caminho com uma bagagem leve, a culpa, os rancores, os medos, a sensação de que merecemos pouco, tudo isso nos fazem muito peso. É por isso que recomendamos que alivie esse peso qualquer ante qualquer doença. Por onde começamos? Por todos os pensamentos que geram desconforto físico.

Quando pensamos que algo vai dar errado, quando pensamos mal de alguém, quando nos sentimos incapazes, quando deixamos o medo nos dominar e decidir por nós, quando pensamos em nos vingar ou quando insultamos alguém, não nos sentimos bem, não sentimos paz, nosso corpo sente o desconforto, então aqui está a chave! Nós devemos começar mudando o que produz emoções negativas e basicamente a solução para todos os nossos conflitos são:

Aceitar, perdoar e deixar ir … Não é assim tão simples, mas com a prática torna-se habitual e, se a adotarmos como filosofia de vida, será mais fácil manter a nossa saúde e o nosso bem-estar integral.

………………………………………………………
*Fonte: revistapazes

Estamos formando uma geração de egoístas, egocêntricos, alienados e inconsequentes!

Acabaram as festas, janeiro começou e em breve o ano letivo ganhará vida. Novos calouros ávidos por uma “nova” vida de descobertas desembarcarão em Adamantina. Nem faz um ano uma garota, em sua primeira semana de aula na faculdade, teve suas pernas queimadas em um dia de acolhimento de calouros. Jovem, em seus 17 anos e feliz por realizar o sonho de ingressar em uma faculdade. Mas em um dia que deveria ser de festa foi interceptada por “colegas” veteranos. Foi pintada com tintas e esmalte até que sentiu que jogaram um líquido em suas pernas. Nada notou até que a água da chuva, por ironia, em lugar de lavar e limpá-la provocou uma reação química que resultou em queimaduras de terceiro grau em suas duas pernas. O mesmo aconteceu com uma colega de turma que teve as pernas queimadas e outro rapaz que correu o risco de perder a visão. O líquido? Uma provável mistura de creolina e ácido!

Casos amplamente noticiados pela imprensa local, regional e nacional. Mas relatos contam mais sobre este dia trágico, como inúmeros casos registrados de coma alcoólico, além de meninas que tiveram suas roubas rasgadas e sofreram toda uma série de constrangimentos.

Fatos como estes contribuem para nos trazer de volta a realidade e, guardadas as devidas proporções, ilustra que vivemos sim em um país onde a “barbárie” ganha força e impera em diversos núcleos de nossa sociedade e se alastra com uma rapidez de rastilho de pólvora. Casos se repetem em diversos estados e cidades, o caso dos calouros da FAI de Adamantina não é e nem será o último, quantas tristes histórias já foram relatadas, como a do o jovem morto atirado em uma piscina da USP, amanhã mais um gay ou um negro, ou mais uma mulher que não se “deu o valor” e andou por aí exibindo seu corpo.

Vivemos em uma sociedade de alienados, sujeitos que não conseguem sequer interpretar um texto, nossas crianças são “condicionados nas escolas” jamais educados. Infelizmente não há cultura neste país da desigualdade. Parece que perdemos a capacidade de raciocinar, de entender o contexto e complexidade de tudo os que nos cerca. Ninguém discute com seriedade o que está levando a nossa sociedade a viver na idade das trevas.

O apresentador Chico Pinheiro do Bom dia Brasil, revoltado com os trotes violentos, afirmou que estes alunos deveriam voltar para o ensino fundamental. Discordo radicalmente dele, estes alunos deveriam voltar para o seio de suas famílias e lá, sim, receber educação básica, educação para a vida.

Os pais estão terceirizando a educação de seus filhos e, em um mundo sem tempo e repleto de culpa delegam a educação de seus filhos a professores que não podem ser responsabilizados e muito menos tem competência e formação para isso. Professores são facilitadores da inteligência coletiva, pais são os educadores na/da/para a vida!

Nos dias de hoje o tempo passa rápido demais. Muito rápido, tão rápido que nem dá tempo de tentar entender e processar o que foi vivido nas poucas horas atrás.

A molecada acorda cedo, vai pra escola. Chega em casa, almoça ao mesmo tempo que assiste TV, atualiza a conversa no WhatsApp, checa sua ‘TimeLine’ no Facebook, curte páginas dos amigos, coloca em dia as curtidas do Instagram e comenta de forma superficial – pois não compreende o contexto e complexidade – as reportagens da TV. Se perguntar quem dividiu a mesa com eles (os pais também estão brincando com o celular) é possível que nem tenham se dado conta, pois estão mais próximos dos amigos “virtuais” do que daqueles que compartilham o mesmo espaço, a mesma mesa e a mesma comida com eles. Mas o mais trágico nisso tudo é que os pais, também, estão sentados à mesa assistindo TV, atualizando a conversa no WhatsApp, checando sua ‘TimeLine’ no Facebook, colocando em dia as curtidas do Instagram e comentando de forma superficial as reportagens da TV.

Depois do almoço os pais irão para o trabalho e os filhos para a aula de computação, inglês, academia…

À noite ficarão no quarto em frente ao note navegando por sites que jamais se lembrarão, conversando pelo skype, jogando on line, até a hora de dormir.

No final de semana estes jovens dormirão a maior parte do tempo para se preparar para a noite, para a balada, onde pegarão todos e todas e beberão até cair.

Estes jovens entram muito cedo em sua vida pretensamente “adulta”. Já “brincam” de papai e mamãe antes mesmo de brincar de casinha. Estes jovens são lançados da infância, cada vez mais curta, direto para a vida “adulta”, passando sem piscar pela adolescência.

Qual estrutura e base estes jovens terão para superar conflitos pessoais? Comportam-se como adultos aos 13, 14, 15 anos e, em muitos casos são tratados como adultos, mão não são adultos, são crianças e adolescentes que não sabem absolutamente nada da vida, mas são cobrados como se soubessem de tudo e pior, acreditam que sabem sobre tudo. Eles querem ser aceitos, infelizmente querem ser aceitos em um mundo irreal de aparências!

Nesse “nosso” mundo do “parecer”, do “fake”, do consumo do corpo perfeito, da mentira perfeita, do dinheiro a qualquer custo, do consumir e exibir, da exposição sem limites, da falsa propaganda que vende vidas “perfeitas” somos “forçados” a fazer parte dessa sociedade de “mentirinha”.

Na sociedade do consumo do corpo perfeito, da vida perfeita, do ser perfeito, não existe espaço pra “ser humano”, não existe lugar “para sermos quem somos”, aqueles que exibem suas imperfeições, pois o imperfeito não cabe na aparência perfeita do mundo da mentira.

Todos nós queremos fazer parte de algo, ser parte de algo. Principalmente quando somos jovens. Nossa turma é nossa razão de ser e estar no mundo. Comportamo-nos como tribos, somos territorialistas e, fazer parte deste “algo” nos confere identidade. E aí para fazer parte desse mundo, o jovem segue a turma, mesmo em muitos casos, sem saber por que está fazendo isso, mesmo sabendo que muitas coisas que fazem são erradas, vale a pena correr o risco para “ser” parte da turma!

E neste mundo, empoeirado, intenta-se forçar o sujeito a aderir sem contestação ao padrão de ser e estar neste “mundo”, reduzindo sublimes e maravilhosas peculiaridades e particularidades, ou seja, nossas magníficas diferenças, em uma uniformidade que se encaixa na perfeita adequação a uma sociedade tamponada, uniforme, opaca, moralista, hipócrita. É a construção de um mundo baseado em mentiras e sem alicerce.

As inquietudes de nossa alma deveriam ser tratadas em nossas relações cotidianas, primeiro no seio carinhoso da família, depois nas escolas, nos relacionando com os professores e com os colegas de aula, com os amigos e também com os inimigos, com os namorados, patrões… Vivendo nossas experiências boas e más, aprendendo a entendê-las. Passamos por frustrações a aprendemos a superá-las. Este é o ciclo natural das coisas, é preciso viver para compreender a vida, viver todas as emoções, boas e más, sorrir, chorar, vencer, perder, amar, rejeitar, ser rejeitado, ter amigos, inimigos, construir alianças, quebrá-las… Cabe a família dar o suporte, fornecer o alicerce para que este ser, mesmo em épocas de tempestade, não desmorone. E na convivência cotidiana, construirá seu edifício interno, com janelas, portas, divisórias, que poderá balançar em muitos casos, mas jamais desabar se bem estruturado.

Mas como educar se os pais não têm “tempo” para ajudar estes jovens a construir sua estrutura?

Os filhos não têm “tempo” para escutar o que os pais têm pra dizer, talvez uma conferência familiar pelo Whats ou Skype, quem sabe…

Os amigos não têm todas as respostas

E talvez o mais triste para esta geração

O Google não tem todas as respostas.

Nossos jovens produzem eventos para postar, ser curtido e comentado. Situações são criadas para movimentar e dar liquidez ao “mercado” da popularidade, as “ações pessoais na bolsa virtual” crescem conforme o número de “posts, comments e likes”. Uma sociedade baseada no consumismo, que valora cada ser humano por seus bens de consumo e potencial de exibição do produto, passou a consumir avidamente “vidas”. Vidas são colocadas em exposição, para o deleite do consumidor e regozijo daquele que se expõe, pois quanto mais visto, mais é consumido, assim, ganha popularidade, consequentemente “poder”. Uma sociedade sem amor, sem paz e sem alma.

A alma não está sendo vendida para o diabo, mas sim, depositada em sites de relacionamento e eventos que precisam ser constantemente alimentados para nutrir o mercado. Se não existe um evento, tudo bem, faz-se imagem de si mesmo, pois a imagem é tudo neste mundo baseado no TER, SER não importa, o que vale é PARECER e, para parecer e aparecer é preciso exibir.

É imperativo que estes jovens compreendam que eles NÃO têm o valor do que é “consumido” ou do que consomem em imagens, exposição, “likes”, compartilhamentos e “comments”. O seu valor não é “subjetivo e líquido”, pois este “valor” está na forma como ele se constitui enquanto ser humano real. SER REAL não é nada fácil no mundo “líquido”, mas precisamos tentar, não apenas com os jovens, mas também em relação a nossas vidas, pois creio que se hoje estas moças e moços vivem dessa forma, não são nada diferente de quem os criou, pois nossa sociedade vive de ter e exibir, nossa juventude nada mais é do que reflexo de uma sociedade “adoentada”.

Pois nossas crianças já nascem sem tempo, extremamente competitivas, presas em escolas integrais que garantirão seu “futuro”. E dessa forma continuarão a lubrificar as engrenagens de nossa sociedade doente e “medicada” que confunde saúde com remédios, consumo com qualidade de vida, amor com bens de consumo. Estamos formando uma geração de egoístas, alienados e inconsequentes, que se preocupam mais com sua imagem do que em “ser” humano.

Quando somos jovens, acreditamos que sabemos tudo, que estamos prontos para a vida, mas viver nos ensina que a gente não sabe NADA sobre a vida. Compreender e aceitar que não somos e nunca seremos perfeitos, que simplesmente não sabemos de quase nada e nem temos certeza de tudo, nos torna mais abertos, mais humanos, mais doces, mais amorosos e tolerantes, com nós mesmos e com os outros. Mas para que nossos jovens possam compreender tudo isso, precisamos cria-los para que sejam mais humanos, colaborativos, criativos, transgressores, mas para isso, precisarão ser ensinados que serão alguém, não pela quantidade de bens que possuírem e exibirem, mas sim, por “ser” humano, “ser” como verbo de ação!

*Por Isabel Cristina Gonçalves

 

………………………………………………………
*Fonte: revistapazes

As mentiras da personalidade são um fardo muito pesado para a essência, para a alma

Nenhum relacionamento pode crescer se você continuar evitando se expor. Se você continuar sendo astuto, erguendo salvaguardas, se protegendo, só as personalidades se encontrarão e os centros essenciais continuarão sozinhos. Só a sua máscara estará se relacionando, não você.

Sempre que algo assim acontece, existem quatro pessoas no relacionamento, não duas. Duas pessoas falsas continuam se encontrando, e duas pessoas verdadeiras continuam separadas uma da outra.

Existe um risco. Se você for verdadeiro, ninguém sabe se esse relacionamento será capaz de compreender a verdade, a autenticidade; se esse relacionamento será forte o suficiente para vencer a tempestade.

Existe um risco, e, por causa dele, as pessoas continuam se protegendo. Elas dizem o que deve ser dito, fazem o que deve ser feito. O amor se torna algo como um dever. Mas assim a realidade continua faminta, e a essência não é alimentada, e vai ficando cada vez mais triste.

As mentiras da personalidade são um fardo muito pesado para a essência, para a alma. O risco é real, e não existem garantias, mas eu lhe digo que o risco vale a pena.

No máximo, o relacionamento pode acabar. Mas é melhor se separar e ser verdadeiro do que ser falso e viver com outra pessoa, pois esse relacionamento nunca será gratificante. As bênçãos nunca recairão sobre vocês. Você continuará faminto e sedento, e você continuará se arrastando pela vida, só esperando que algum milagre aconteça.

Para que o milagre aconteça, você precisa fazer alguma coisa: comece sendo verdadeiro, com risco de que o relacionamento não possa ser forte o bastante para resistir a isso. A verdade pode ser dura demais, insuportável, mas nesse caso o relacionamento não vale a pena. Por isso é preciso passar pelo teste.

Depois que for verdadeiro, todo o restante se torna possível. Se você for falso — só uma fachada, uma coisa artificial, um rosto, uma máscara — nada é possível. Porque com o falso, só o falso acontece; com o verdadeiro, só a verdade. “

*Por Osho

Quando não souber o que fazer, não faça nada: a resposta está na quietude mental

Buda e seus discípulos empreenderam uma longa jornada durante a qual atravessariam diferentes cidades. Em certo dia muito quente, eles avistaram um lago e pararam, sitiados pela sede. Buda perguntou ao seu discípulo mais jovem, famoso por sua natureza impaciente.

– Tenho sede. Você pode me trazer um pouco de água daquele lago?

O discípulo foi até o lago, mas quando chegou, viu que, naquele momento, um carro de boi passava por ele. Como resultado, a água ficou muito turva. O discípulo pensou: “Não posso dar ao professor essa água barrenta para beber”.

Então ele voltou e disse a Buda:

– A água no lago é muito lamacenta. Eu não acho que possamos beber”.

Depois de meia hora, Buda pediu ao mesmo discípulo para voltar ao lago e trazer água para beber. O discípulo retornou ao lago.

No entanto, para seu espanto, ele descobriu que a água ainda estava suja. Ele retornou e disse a Buda, desta vez com um tom conclusivo:

– A água daquele lago não pode ser bebida, é melhor caminharmos até a vila para que os aldeões possam nos dar uma bebida.

Buda não respondeu, mas ele também não se mexeu. Depois de um tempo, ele pediu novamente ao discípulo que retornasse ao lago e lhe trouxesse água.

O discípulo foi para o lago porque não queria desafiar seu mestre, mas ficou furioso por tê-lo enviado para o lago, quando ele já sabia que a água barrenta não podia ser bebida.

No entanto, quando chegou, a água era cristalina. Então ele pegou um pouco e levou para Buda.

Buda olhou para a água e então disse ao seu discípulo:

– O que você fez para limpar a água?

O discípulo não entendeu a pergunta, ficou evidente que ele não havia feito nada. Buda explicou a ele:

– Espere e deixe tudo tomar o seu devido lugar. Depois de um tempo, a lama se instala sozinha e você tem água limpa. Sua mente também é assim! Quando estiver preocupado, perturbado, você apenas tem que deixar as coisas acontecerem. Dê-lhe algum tempo. Não seja impaciente e você encontrará o equilíbrio por si só. Você não precisa fazer nenhum esforço para acalmá-la. Tudo vai acontecer se você não se apegar.

Mente de macaco: a mente impaciente cercada por preocupações

Os budistas referem-se à nossa mente com a palavra xinyuan, um termo que pode ser traduzido literalmente como ” mente de macaco ” e que significa “não resolvido, inquieto, caprichoso, inconstante, confuso, indeciso ou incontrolável”.

Para o budismo, nossa mente é como um macaco pulando de galho em galho, sempre inquieto e confuso. Nós saltamos continuamente de um pensamento para outro pensamento, da preocupação para a preocupação, até que estamos em um estado de turbulência, confusão e exaustão.

Quando adicionamos emoções a essa mente imbuída de uma atividade frenética, temos todos os ingredientes para formar uma “tempestade perfeita” que nos levará a tomar decisões erradas. Nesses casos, é melhor esperar.

Quando você não sabe o que fazer, quando está confuso demais para tomar uma decisão, o ideal é que você não faça nada, espere e dê tempo ao tempo. Se você se deixar levar pela impaciência, frustração, opressão ou preocupações, é provável que acabe tomando uma decisão ruim da qual se arrependerá mais tarde.

Aquilo que acalma a mente, para o budismo, é equivalente, no campo da psicologia, a um distanciamento emocional do problema que atormenta sua mente. O objetivo é encontrar a serenidade mental essencial para analisar as múltiplos aspectos do problema.

Na prática, em vez de pressa para a ação, ou da inação preocupada, com o pensamento incessante de que “precisamos fazer algo urgentemente,” devemos fazer exatamente o oposto: serenar as água da nossa mente e esperar o tempo que for necessário para que vejamos a solução.

Por Jennifer Delgado Suárez

………………………………………………………………
*Fonte: revistapazes

Menos brinquedos, mais imaginação

Brinquedo é coisa séria quando o assunto é infância. Saber avaliar o que é um bom brinquedo para a criança depende primeiramente da compreensão do significado do brincar e do seu ciclo.

Brincar é o motor que move a infância. Brincar brota da alma. É um processo de ativação da criança. E como todo processo, é vivo, se manifesta numa sucessão de etapas e se expressa em gestos e formas maleáveis, moldáveis, permitindo a criança criar, construir, desmanchar e transformar.

Toda brincadeira parte de um desejo da criança, das suas narrativas e interesses pessoais. Ela pensa em brincar de determinada forma, e a partir dessa ideia, elabora maneiras possíveis de realizar a brincadeira, buscando reunir e compor materiais para alcançar seu objetivo. Na sequência, ela mesma constrói seu brinquedo, sua brincadeira e desfruta desse brincar, fechando assim o ciclo.

Estudos e pesquisas sobre as sinapses do brincar, apontam que criar um brinquedo prepara a criança para o desenvolvimento de estratégias na vida adulta e que a concentração exigida numa brincadeira, corresponde à mesma que será empregada em atividades profissionais no futuro.

Quando a criança brinca apenas com brinquedos industrializados, brinquedos prontos, inibimos seu impulso de transformar em brinquedo, elementos do cotidiano que estão à sua volta. O brinquedo pronto entregue nas mãos da criança quebra o ciclo do brincar indo direto para a etapa final do processo, desestimulando a imaginação, a criação livre, e o trabalho de construção.

Além disso, a criança perde rapidamente o interesse pelo brinquedo que lhe é dado pronto, pois com a ruptura desse ciclo, ela não se vincula ao brinquedo por não ter sido ativa no processo de criação.

Um bom brinquedo tem que ter plasticidade, de maneira que o mesmo objeto possa ser transformado pela imaginação da criança em várias coisas diferentes, de acordo com o enredo de suas brincadeiras.

Um bom brinquedo é aquele que funciona e é movido pela energia da própria criança, por sua imaginação e capacidade criadora. É a força interior da criança que coloca em movimento objetos, que reúne materiais e compõem um todo repleto de sentido, produzindo alegria. Essa mesma energia movimenta também o corpo da criança promovendo seu desenvolvimento e gerando saúde.

Num simples passeio ao parque, é possível descobrir o lúdico ao alcance das mãos – gravetos, sementes, folhas, pedrinhas, entre outras coisas, que magicamente podem se transformar em brincadeiras divertidas. Quer algumas dicas? Leia aqui.

Aqui vale a expressão “menos é mais”. Menos brinquedos prontos, é mais imaginação, criatividade, desenvolvimento e saúde na vida da criança.

*Por Ana Lúcia Machado

 

……………………………………………………………

Aprenda a não revidar, deixe que a vida faça isso por você

Aprenda a não revidar, deixe que a vida faça isso por você. E ela sempre fará, porque ninguém sai dessa vida sem pagar a devida conta de seus atos. Quando o erro não é seu, apenas relaxe.

Não é fácil mantermos a calma quando existe alguém nos incomodando com maldade, agressividade, falsidade ou tudo isso junto. Parece que a energia negativa da pessoa contamina o ambiente e quem estiver por perto, fazendo com que todo mundo ao seu redor fique se rebaixando ao seu nível. E isso não faz bem para ninguém.

Um dos maiores favores que conseguiremos fazer para nós mesmos será conseguirmos ignorar, deixar quieto, deixar pra lá. Silenciarmos, enquanto o outro espera que gritemos e nos desequilibremos, tem uma incrível capacidade de neutralizar o peso que gente ruim carrega para lá e para cá. Como ocorre com tudo nessa vida, o mal, ao não encontrar reciprocidade, vai embora.

A vida anda difícil, sobrecarregada, retirando-nos as forças, enquanto nos equilibramos em meio à correria célere do cotidiano esmagador que nos preenche os dias. Poucos conseguem obter real prazer enquanto se dedica ao trabalho, num ambiente em que as pessoas estão se tornando cada vez mais complicadas. O mundo policia cada um de nossos atos, cada palavra que falamos e escrevemos, aguardando algum possível deslize que possa ser usado contra nós.

Com isso, confiamos pouco no outro, quase não nos abrimos com as pessoas, por medo, insegurança e cautela. E isso tudo vai se acumulando dentro da gente, tornando nossos passos cada vez mais pesados e solitários. A gente acaba não aguentando tanto sentimento represado dentro do peito e, muitas vezes, desconta em quem não merece. A gente se isola e vive a solidão em meio a uma multidão solitária.

Isso contribui para que laços afetivos não se firmem, ou seja, não construímos um relacionamento verdadeiro com as pessoas. Assim, pouco nos importamos com os sentimentos do outro, pouco nos colocamos no lugar de alguém, pouco nos importa que magoemos as pessoas. Para muitos, o outro é apenas alguém que pode vir a ser interessante, caso possa ser usado em seu favor de alguma forma.

Há, como se vê, uma urgente necessidade de não propagar essa ausência de afeto que paira sobre nós, não entrando no jogo de quem só quer disseminar discórdia. Aprenda a não revidar, deixe que a vida faça isso por você. E ela sempre fará, porque ninguém sai dessa vida sem pagar a devida conta de seus atos. Quando o erro não é seu, apenas relaxe.

………………………………………………………..
*Fonte: resilienciamag

A gente sempre acha que terá tempo de sobra…

Recentemente recebi um texto lindo por Whatsapp intitulado “Vá aos encontros felizes”. Nele, a autora, Monica Moro Harger, fazia uma bela reflexão acerca da necessidade de irmos ao encontro daqueles que amamos, aproveitando as boas oportunidades de nos reunirmos na alegria, e não somente nos momentos tristes. Como ela ressaltava, “nos encontros tristes você irá. Quando alguém morre, todos vão. Por protocolo, por obrigação ou por amor (e dor). Mas é bom que seja assim também, e, principalmente, nos momentos felizes”.

O texto de Monica é perfeito, singular, redondo. Não quero aqui acrescentar nada ao que ela já disse, pois seria desnecessário. O texto _ curto, certeiro e muito bonito_ é um alerta àqueles que acham que têm tempo de sobra, tempo demais para brindarem a vida junto àqueles que amam ou simplesmente abraçar as pessoas que lhes são caras. Infelizmente, a verdade é que nunca há tempo suficiente.

Tive um namorado “muito confiante” que dizia que teríamos o resto da vida juntos, e por isso priorizava os amigos à nossa relação. Certamente era uma desculpa dele, mas o fato é que escolhemos aquilo que queremos priorizar, e muitas vezes deixamos para depois pessoas e momentos importantes que nunca mais irão voltar. Meu namoro não durou, é claro, mas o fato dele achar que teríamos tempo de sobra no futuro, fez com que o presente fosse deixado de lado, e isso contribuiu para nosso rompimento.

Como eu disse, nós escolhemos nossas prioridades. Escolhemos colocar trabalho à frente de família, rede social à frente de amigos verdadeiros, sofá à frente de oportunidades de brindar à vida. Nos acomodamos em nossas desculpas e argumentos vagos e não percebemos que nem tudo estará ao nosso alcance por muito tempo. Os filhos crescem, as pessoas se despedem, os amigos vão embora, as oportunidades de abraçar aqueles que amamos se esgotam.

No primeiro fim de semana de agosto terei meu anual encontro de turma. Lá se vão vinte e dois anos de formados, e me reabasteço a cada reunião. Sinto orgulho dos colegas que viajam centenas de quilômetros para estarem conosco. Alguns vêm de avião, outros, acompanhados de seus filhos pequenos, cortam estados inteiros na estrada para passarmos dois dias juntos. Ano passado, um dos nossos grandes amigos saiu do hospital, depois de um infarto, direto para o encontro! No olhar de cada um, enxergo a resolução de que nossas reuniões sejam prioridade. Apesar do cansaço, dos afazeres, da vida corrida e da falta de grana, uma vez por ano reservamos um fim de semana para estarmos juntos. Uma vez por ano, abrimos mão de tudo que poderíamos estar fazendo e declaramos que o mais importante é rever nossa velha família e voltar a ser quem éramos aos vinte anos.

Doutora Ana Claudia Quintana Arantes, médica especialista em cuidados paliativos, cita que, entre os cinco maiores arrependimentos das pessoas antes de morrer, estão: “Eu gostaria de não ter trabalhado tanto” _ Ela conta que ouviu isso de todos os pacientes homens com quem trabalhou. Eles sentiam falta de ter aproveitado mais a juventude dos filhos e a companhia de suas parceiras_ e “Eu gostaria de ter ficado em contato com meus amigos”. Segundo Ana Cláudia, “muitos tiveram muitos arrependimentos profundos por não ter dedicado tempo e esforço às amizades. Todo mundo sente falta dos amigos quando está morrendo.”

Assim, acredito que quando você diz que “não tem tempo” para alguma coisa, na verdade você está dizendo que não escolhe aquilo como prioridade. Simples assim.

“Falta de tempo” já virou desculpa para muita coisa: desinteresse, desimportância, descaso, desapego. As pessoas reservam vagas na agenda para aquilo que acham que merece atenção, envolvimento, tempo. Nem sempre fazem escolhas acertadas, e um dia, tarde demais, podem perceber que privilegiaram coisas supérfluas às coisas importantes.

A gente sempre acha que terá tempo de sobra, mas a verdade é que ninguém tem. De uma hora para outra percebemos que o correr da vida nos engole por completo, e por isso é urgente não adiar nem tardar o perdão, as manifestações de afeto, a nossa presença plena e integral junto àqueles que amamos.

No dicionário, priorizar é definido como “privilegiar”, “garantir vantagem”. Que você privilegie as coisas certas, eternas, valiosas. Que dê vantagem àquilo que realmente é importante, que não pode ser ignorado, que é relevante demais para ser considerado segunda opção. Que nunca se engane com a ordem das coisas, e coloque em primeiro lugar o que torna-se primordial hoje e nunca, jamais, poderá ser resgatado depois.

Pois depois… Depois a casa fica vazia, as marcas na parede denunciando o crescimento do menino se apagam, as músicas do velho amor são substituídas por uma batida barulhenta nova. Depois a porcelana quebra, a prata escurece e os guardanapos de uma noite feliz voltam para a gaveta. Depois os quintais perdem o encanto, os porta retratos empoeiram e a certeza de que a visita do tempo é implacável se consolida.

Então não deixe para depois o que merece ser reverenciado, amado, vivido. Não adie as mãos dadas, o beijo de boa noite, a conversa de boteco, a receita de família enchendo a cozinha de vapores. Não recuse a bola no quintal, a oração na cama dos pequenos, o ritual de enxugar a louça enquanto sua mãe lava. Troque o sofá pelos “encontros felizes” e nunca se esqueça que a contabilidade que realmente importa é baseada nas experiências vividas, nos laços criados e nas prioridades assumidas.

*Por Fabíola Simões

…………………………………………………………………..
*Fonte: psicologiadobrasil

Empatia depende do bom funcionamento do cérebro, diz estudo

Certamente você deve ter ouvido falar muito em empatia, definida como a capacidade de se colocar no lugar do outro, de perceber o estado ou a condição de outra pessoa e, por meio dessa habilidade, conseguir sentir a mesma emoção. Mas, nos últimos anos, a neurociência tem evidenciado que a empatia é na verdade uma combinação de atos conscientes e inconscientes do nosso cérebro e que depende do bom funcionamento de certas regiões cerebrais.

Um estudo, publicado na revista científica Plos One, mostrou que pessoas com traços específicos de personalidade, como altruísmo e afetuosidade, por exemplo, são mais bem habilitadas para reconhecerem os estados emocionais de outras pessoas, devido a uma maior atividade em regiões importantes do cérebro, como a junção temporoparietal e o córtex pré-frontal medial.

Outra pesquisa, publicada no Journal of Neuroscience, apontou que embora o egocentrismo seja uma característica considerada normal no ser humano, existe uma área do cérebro que ajuda a regular nosso egoísmo, chamada de giro supramarginal. Quando há pleno funcionamento dessa estrutura, por exemplo, a falta de empatia é identificada e corrigida. Por outro lado, danos nessa região reduzem de forma significativa a capacidade de se colocar no lugar do outro.

Empatia e tolerância andam juntas

Segundo a neuropsicóloga Thaís Quaranta, a empatia vai muito além da capacidade de se colocar no lugar do outro. “A primeira questão envolvida na empatia é entender que o outro é um ser independente de nós, como suas particularidades e diferenças. Assim, a empatia é quando imaginamos como seria estar no lugar do outro, compartilhamos seus sentimentos, mas permanecemos conscientes de que não é a nossa própria experiência”.

Isso quer dizer que ser empático não é imaginar o que você faria se estivesse no lugar do outro, mas sim entender e aceitar a decisão do outro para aquela questão.

“A empatia depende de uma outra habilidade, a tolerância. Aceitar as diferenças em todos os sentidos é ser empático. Precisamos levar em consideração o contexto de vida das outras pessoas, seus valores, suas crenças, sua personalidade, suas opiniões e saber interpretar corretamente cada situação e sem a tolerância isso não ocorre”, comenta Thaís.

Empatia pode ser aprendida?

Sabe-se que a empatia é multidimensional, ou seja, ela depende de conexões neuronais, assim como é influenciada pelo ambiente e pelas interações sociais. A infância é uma fase crucial para desenvolver habilidades empáticas.

Os processos neurais podem ser modificados por meio da estimulação social e emocional

“A criança deve ser ensinada a se importar com os sentimentos dos outros desde pequena. Por exemplo, se ela bate ou morde o amiguinho, é mais adequado dizer que o colega está triste porque doeu, porque lhe machucou, do que simplesmente obrigar a criança a pedir desculpas. Pedir desculpas apenas por pedir não ajuda a criança a reconhecer ou a se colocar no lugar do outro”, recomenda Thaís.

Mas, mesmo depois da chamada “janela de oportunidade”, que se dá na infância e na adolescência, a empatia pode ser desenvolvida, segundo um estudo publicado no Journal Social Neuroscience. A pesquisa mostrou que os processos neurais podem ser modificados por meio da estimulação social e emocional, independente da idade.

“A empatia abre portas para nossos relacionamentos em todos os âmbitos, como o familiar, o amoroso, o profissional e o social. É uma característica bastante valorizada nas empresas, assim como é essencial para construir e para fortalecer nossos vínculos. E, felizmente, pode ser treinada com a ajuda da psicoterapia”, finaliza Thaís.

………………………………………………………………
*Fonte: ciclovivo

Não existe o que não podemos discutir, mas existem pessoas com quem não devemos discutir

Não há quem não sinta dificuldade em conversar sobre assuntos vários, sem que seja contrariado de forma agressiva ou sarcástica. Isso tanto em rodas de amigos quanto nas redes sociais. Muitas pessoas querem defender suas opiniões a qualquer custo, qualquer mesmo, não se importando minimamente com os sentimentos alheios, ou com a fundamentação que utilizam para sustentar o que pregam.

Opinar sobre determinadas questões requer um conhecimento mínimo do assunto. O setor educacional, por exemplo, é bombardeado por recomendações e críticas de pessoas que nunca leram um texto pedagógico na vida. Lembremos o que recentes questionamentos à necessidade de vacinação provocaram, entre muitos outros exemplos de intromissão desnecessária em questões importantes. Opiniões leigas são admissíveis em conversas de botequim; na vida real e prática, podem ser um perigo.

Além disso, é preciso ter a consciência de que, quando se emitem pontos de vista, eles nunca serão unanimidade e, por isso mesmo, encontrarão discordâncias pelo caminho. A discordância é saudável, afinal, quando conhecemos outros lados, outras visões de mundo, poderemos ampliar e melhorar ainda mais nosso entendimento, reelaborando o que sentimos e como sentimos a vida. É no confronto que crescemos, deixando de lado o que não serve e abraçando o novo, o mais coerente.

No entanto, mesmo que seja difícil haver discussões sem alguma manifestação mais efusiva, pois o calor das emoções se eleva muito nessas horas, o respeito, sobretudo, deverá permanecer. Não podemos levar para o lado pessoal questões que tratam de assuntos lá de fora, tampouco deveremos nos sentir ofendidos por discordarem de nós. A forma como reagimos quando somos contrariados e a forma como o outro reage quando discorda de nós revelam a educação – e, muitas vezes, o caráter – de ambas as partes.

Cabe-nos, enfim, evitar entrar em discussões sem serventia, com pessoas que não ouvem ninguém além de si próprias. Nosso tempo é precioso demais para gastá-lo com o que não acrescenta, não enriquece, não leva a lugar algum. Tempo não se acha no lixo. Portanto, não existem assuntos que não podem ser discutidos, mas existem pessoas com quem não devemos discutir. Jamais.

*Por Marcel Camargo

………………………………………………………….
*Fonte: revistapazes

5 traços das pessoas negativas

Seria injusto afirmar que uma pessoa é negativa na sua essência. Todos os seres humanos têm algum valor e não existe nenhuma pessoa que poderíamos classificar como impossibilitada ou deficiente por si mesma. Quando falamos dos traços das pessoas negativas, o que se questiona é a atitude, não as pessoas em si.

Também é válido esclarecer que nada nos seres humanos é um estado puro nem ocorre de maneira contínua, sobretudo a nível emocional. Portanto, nenhuma pessoa é totalmente negativa ou positiva. Ambas as atitudes coabitam em cada um de nós. O que acontece é que cada um decide dar destaque a uma ou outra postura.

“Somos nosso próprio demônio e fazemos desse mundo o nosso próprio inferno.”
-Oscar Wilde-

Neste artigo, tentaremos expor as principais características que são identificadas em pessoas que têm posturas negativas. O principal prejudicado com essas atitudes é a própria pessoa. Por isso, vale a pena analisar se estamos cometendo algumas dessas atitudes e reconhecer que poderíamos ganhar muito mais se mudássemos a nossa postura. Para isso, vamos analisar os cinco principais traços das pessoas negativas.

Principais traços das pessoas negativas

1. Querer resolver o impossível, uma perspectiva muito negativa

Há muitas coisas impossíveis na vida, mas algumas pessoas não estão dispostas a aceitar este fato. Elas não aceitam que a frustração faz parte da existência e que nem sempre conseguimos aquilo que desejamos.

Talvez quiséssemos ter nascido numa família milionária ou ter crescido num ambiente com muita compreensão. Se não foi assim, não podemos fazer nada para mudar o passado. E se nos focarmos na nostalgia por tudo o que não foi, só conseguiremos nos encher de amargura e dor.

A mesma coisa acontece quando voltamos nosso olhar para objetivos impossíveis. Por exemplo, nos empenhamos em parecer jovens quando já somos mais velhos. Ou tentamos fazer com que outra pessoa se comporte como achamos que ela deve se comportar.

Os objetivos impossíveis trazem apenas frustração e, portanto, mal-estar e sofrimento. Esses são estados que alimentam uma atitude negativa.

2. Desistir quando houver obstáculos

Assim como não é sensato nos focarmos em objetivos impossíveis, também não é adequado nos rendermos quando tentarmos conseguir alguma coisa e nos depararmos com um obstáculo difícil. Não devemos nos esquecer de que todo grande objetivo exige grandes esforços, e de que boa parte das conquistas se baseiam na perseverança.

Muitas vezes, na vida, a tentação de se render nos persegue. Mas esta não é uma opção quando estamos diante de metas que, em termos objetivos, podem ser conquistadas, mesmo que impliquem a superação de muitas dificuldades. A psicóloga Hillary White afirma: “Desistir faz a pessoa se sentir derrotada. Não importa como vai acabar, enfrentar as dificuldades já aumenta a confiança”.

3. Levar as coisas muito a sério

Quando ainda não tivermos fortalecido suficientemente o nosso amor próprio e a nossa maturidade, teremos um ego muito sensível. Não suportamos passar vergonha e sentimos muito medo de parecer ridículos. As críticas também não nos caem bem, mesmo que sejam verdadeiras e tenham como objetivo nos ajudar.

Levar as coisas muito a sério só ajuda a aumentar uma atitude negativa em relação às pessoas e a si mesmo. É preciso humildade para não levar tão a sério esses pequenos disparates sociais. Parecer ridículo ou errar só marca pessoas que dão mais importância a essas situações do que elas realmente merecem.

4. As reclamações como forma de vida das pessoas negativas

Todos nós reclamamos uma vez ou outra. O problema surge quando se adota a reclamação como forma de vida. Nesses casos, a visão fica nublada e tudo o que se vê fica negativo. Não existem outras opções nem possibilidades. A atenção se volta para as desgraças, o sofrimento e a incapacidade do indivíduo.

Já não se trata de manifestar um estado de sofrimento, mas de adotar uma posição existencial negativa em relação ao mundo. Na verdade, é uma estratégia muito utilizada pelas pessoas negativas para justificar a ausência de progressos.

O mal-estar se transforma em uma permissão para não progredir, para evitar se comprometer com objetivos que incluam superação.
Compartilhar

5. Comparar a si mesmo e ser hostil com os outros

Viver em função das comparações com os outros é um dos maiores traços das pessoas negativas. Implica falta de autonomia e de critério próprio.

Através da comparação, o indivíduo analisa e julga o que faz apenas em função do que os outros fazem. Uma experiência injusta e frustrante que conduz apenas a uma postura de conflito constante.

O pior é que muitas dessas comparações têm como objetivo apenas menosprezar os outros como um meio para exaltar a si mesmo. Em outras palavras, as desgraças que acontecem com os outros se transformam em uma fonte de satisfação própria porque deixam os demais em um estado de carência ou erro, e a si mesmo em uma posição superior e privilegiada.

Como vemos, sustentar uma posição negativa frente à realidade nos leva apenas a um estado de insatisfação constante que impede de progredir e estabelecer relações positivas. Um círculo vicioso que não leva a nenhum lugar.

Se você percebeu algum destes traços das pessoas negativas em você, não hesite em trabalhar para mudar. Ter uma atitude negativa não traz nenhum ganho, apenas faz você se perder de si mesmo.

……………………………………………………………….
*Fonte: amenteemaravilhosa

Humilhar os outros não te faz forte, te faz infeliz

Como é de esperar, na vida nos deparamos com tudo, vivenciamos de tudo e aprendemos constantemente, isso é viver. Nas nossas relações durante a vida, nós iremos interagir com pessoas amáveis, generosas, que nos farão evoluir como seres humanos, mas, em contrapartida, nos depararemos também com pessoas amargas que, por se sentirem inseguras, ferem os outros.

Geralmente essas pessoas têm um complexo de inferioridade, consciente ou inconsciente, e por isso abusam de alguma posição entendida como privilegiada para descontar sua frustração em cima das outras, principalmente quando a vítima está em posição vulnerável.

Quando uma pessoa tenta humilhar outra de propósito, significa que:

1 – Ela tem um complexo de inferioridade em relação a quem ela tenta humilhar.

2 – Ela mesma é totalmente insegura sobre si mesma e em relação as realizações de quem ela tenta humilhar. Constranger e humilhar a outra pessoa é uma forma dela satisfazer seu complexo, criando uma falsa sensação de que seja superior.

3 – Sente-se ameaçada perante o potencial da suposta vítima e agir assim é uma forma de “botar o outro no seu devido lugar”.

Submeter outra pessoa a uma situação de humilhação não é um indicador de superioridade, mas o contrário é válido. A imagem que você vai conseguir passar de si mesmo é apenas a de uma pessoa fraca, frustrada e talvez com muito medo da outra pessoa a qual você esteja destratando.

Avalie-se e veja se o desdém, o descaso e o nojo que você coloca no seu tratamento em relação a uma pessoa de posição hierarquica inferior, não é apenas um modo de “marcar territótio”, um modo de mostrar quem manda, quando na verdade só está incoscientemente procurando se auto-afirmar perante si mesmo.

Humilhar outra pessoa não vai te blindar, não vai criar uma armadura impenetrável onde você possa se proteger de seus prórpios demônios. Fazendo isso você apenas estará escancarando sua personalidade frágil, mostrando aos outros o quanto é infeliz e que precisa pisar em alguém para se sentir um pouco melhor.

O certo é que você jamais terá o respeito daqueles a quem você constrange; talvez, no máximo, consiga despertar medo e, com certeza, muito ódio e desprezo daqueles a quem você humilha. Mas, se causar esse tipo de sentimento dos outros em relação a você é o que te apraz, deve ser porque, com certeza, você é uma pessoa com sérios problemas e deveria procurar ajuda.

Quem já esteve em situação de ser humilhado sabe que a “vítima” nunca enxerga aquele a quem lhe humilha como superior, portanto, tentar se impor por essas vias com o propósito de se afirmar sobre a outra, é apenas uma forma de mostrar sua fraqueza diante dela, que não reage por outros motivos que implicam em perdas e prejuízos a si ou a outrém a quem queira preservar e proteger, jamais pelo respeito que, evidentemente, não tem mesmo pelo humilhador.

……………………………………………………….
*Fonte: pensarcontemporaneo

5 Lições do Surf para a Vida

Em tudo na vida podemos tirar lições, principalmente da natureza. Quando a parte da natureza que você observa para entender sua vida é o mar… São oceanos de ensinamentos literalmente que chegam até você.

Surfar talvez seja a coisa que eu faça a mas tempo em minha vida, logo era o local onde eu mais poderia experienciar isso, então fiz dessa observação um hábito e em cada sessão de surf ou apenas uma caminhada na praia começaram a surgir sutilezas que sempre me ajudavam no momento que eu estava vivendo.

Algumas lições foram coisas tão sutis que seria impossível descreve-las aqui, outras tão específicas que dariam um post para cada uma delas. Então, para esse post selecionei 5 grandes lições que pude observar, meditar e sentir em cima da prancha.

1 – APROVEITAR O AGORA (Não se pré ocupe)

Foram longos anos sem a maturidade “surf-ciente” para entender isso. Por muito tempo fiquei no outside apenas de corpo, minha mente estava fora d’água devido os problemas que a vida nos traz.

Então se eu tivesse com algo não resolvido, minha mente vagava sobre o que iria fazer depois do surf, qual obrigação ainda tinha para terminar, problemas com a namorada, se alguém viu a vaca que eu levei… Qualquer coisa menos ficar dentro d’água. Foi quando percebi inutilidade da preocupação.

Analisando a palavra “preocupação” você entende o quanto é inútil você ficar pré ocupado. Você literalmente se ocupa com uma coisa que ainda nem aconteceu, ou que talvez nem aconteça.

Não estou falando de não se preparar para as coisas ou se importar com algo ou alguém. Se preparar é agir, é se ocupar trabalhando para aquilo que possa vir acontecer. Se importar é algo mais sutil, é trazer para dentro de si, ou seja, algo ou alguém importante para você é uma coisa ou uma pessoa que você importou para dentro de si.

Quando percebi que eu estava sempre pré ocupado com alguma coisa fora d’água da qual eu não podia resolver dentro dela, eu tinha duas possibilidades.

A primeira era sair do mar e resolver logo isso que estava ocupando minha mente, a segunda era saber que aquele era o momento de surfar e aproveitar a natureza com toda sua beleza e ao sair do mar poderia me dirigir a esse problema. Quase sempre eu escolhia a segunda opção.
qualidade de vida no trabalho e surf

Eu nem dentro nem fora d’água completamente
ANOTE E ESQUEÇA

Então, se você se identificou com esse mesmo problema seja em qualquer área da sua vida, fica uma dica para ajudar com suas preocupações. Mantenha uma agenda ou caderneta com todas as coisas que você precisa fazer ou resolver durante o dia, anote tudo e depois esqueça. Quando terminar o que está fazendo, abra a agenda e vá para o próximo item.

O hábito da agenda ajuda a mudar seu estado mental de ansiedade e lhe focará apenas onde você pode resolver as coisas, que é no presente. Deste modo, logo você estará agindo dessa forma naturalmente e aproveitando muito mais seu surf.

2 – RESPEITAR MEUS LIMITES (A dor é uma aliada)

Você pode saber surfar, mas saber surfar em todas condições é bem difícil. Às vezes entramos no excesso de autoconfiança ou na vaidade de achar que podemos fazer tudo, mas a realidade é bem diferente.

Podemos detonar em ondas até um certo tamanho e achar que estamos preparados para tudo, mas acredite a diferença entre surfar uma onda de 2 metros e uma onda de 4 metros ou mais, não é apenas o tamanho.

Muitas vezes envaidecido por estar surfando com amigos e não querer dar uma de “amarelão” eu me joguei em certas ondas que eu sabia que estavam acima da minha habilidade. Os resultados foram vacas históricas e muitas chegando até risco de morrer.

Eu poderia terminar como Narciso, afogado por minha vaidade. Porém, o que não nos mata nos fortalece, e levar umas vacas da vida às vezes é bom para nos vacinar contra certas atitudes idiotas no futuro.

“Violentar meus instintos e princípios é uma maneira forte e didática de, durante muito tempo, me vacinar contra estas mesmas atitudes no futuro.” – Sidão Tenucci (O surfista peregrino)

Logo logo a dor vai mostrar que estava errado.
A DOR

A sensação de dor em uma vaca seja na onda ou na vida é uma grande aliada, a dor nos mostra nossos limites. Você pode imaginar que uma vida sem dor seria um paraíso, mas não é bem assim. Se nós não sentíssemos dor, morreríamos em poucas horas.

É a dor que te avisa que sua mão está em cima de uma chapa quente e que se você não tirar a mão de lá, poderá perder a mão toda. Da mesma forma a dor de estômago te avisa que você ultrapassou seus limites na quantidade de feijoada.

A dor é apenas uma mensagem que seu corpo e sua vida te dão falando mais ou menos assim: “ Ei, amigo(a)! Para de fazer o que você está fazendo que está dando errado.” Tente levar isso para todos aspectos na sua vida. A dor emocional também é um aviso assim como a dor física. Então, toda vez que você sentir uma dor seja ela de qual origem for, repense suas atitudes para não morrer afogado nelas.

3 – NÃO PUXAR O BICO (O perigo de ser morno)
(Puxar o bico na gíria do surf é remar para a onda e na última hora desistir, na maioria das vezes por medo)

Pode parecer contraditório esse item com o segundo, mas a vida é quase sempre contraditória. Porém, quando eu falo de “não puxar o bico” me refiro a uma atitude não ceder ao medo e não de ser inconsequente e não respeitar seus limites. No fundo todo mundo sabe quando não faz uma coisa por medo ou por saber que não está ao seu alcance fazê-lo.

Quem já surfou ondas mais cavadas sabe que chega um certo momento que é um caminho sem volta, que é melhor arriscar tudo do que puxar o bico da prancha, pois a força da onda é tanta que mesmo tentando voltar ela vai te puxar por cima do lip e a vaca vai ser muito pior.

Tentando dropar aquele buraco você pode conseguir completar o drope ou vacar. De toda forma você sai ganhando experiência de como aquela onda funciona. Sabendo como se posicionar da próxima vez.

“Embora quem tente possa errar, quem não tenta já errou.”

Chega um momento que a pior atitude que você pode tomar é puxar o bico.

Na vida às vezes temos que arriscar tudo e muitas vezes sermos radicais em nossas visões. Muita gente pegou aversão a palavra radical, mas ser radical em suas atitudes nem sempre é ruim. Veja os exemplos de Jesus, Buda, Gandhi… entre outros líderes que foram radicais em seus posicionamentos pacifistas.

Se eles não fossem radicais e batessem o pé afirmando que o amor ao próximo era a saída, em pouco tempo eles seriam desacreditados. Porém, cuidado com o “extremismo” que força os outros a pensar da mesma forma que você pensa.
SE JOGUE

Então, se você quer realizar uma determinada coisa, foque nela e não puxe o bico. Não seja morno(a)! Ser morno é o caminho mais fácil é o caminho que a maioria das pessoas trilham.

Ser morno é a zona de conforto, é aceitar que você não pode superar aquilo que está a sua frente e não batalhar por isso. Ser morno é ser mais um e cair na mesmice das massas em vez acender o potencial único que existe dentro de cada pessoa.

No mundo competitivo de hoje, do marketing e do empreendedorismo muito se fala no “diferencial”. Quer ter um diferencial? Descubra seu potencial único e seja você mesmo, mas para isso é preciso não ser morno, principalmente paras as coisas que realmente importam na vida, que não são as coisas.

“A gente pode morar numa casa mais ou menos, numa rua mais ou menos, numa cidade mais ou menos, e até ter um governo mais ou menos. A gente pode dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos, e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro. A gente pode olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos… Tudo bem!

O que a gente não pode mesmo, nunca, de jeito nenhum… é amar mais ou menos, sonhar mais ou menos, ser amigo mais ou menos, namorar mais ou menos, ter fé mais ou menos, e acreditar mais ou menos. Senão a gente corre o risco de se tornar uma pessoa mais ou menos.” – Chico Xavier

4 – TUDO TEM SEU TEMPO

Quem surfa há algum tempo já sabe que tem que esperar a hora da maré que se ajusta melhor ao pico. Não adiantar se preparar todo, passar protetor solar, parafina na prancha… se a hora da maré ainda não bateu. Esse é um conceito básico para quem surfa, mas levando para o vida terminamos não pensando assim.

Podemos ir nos preparando para o momento de surfar e isso sempre é válido, mas precisamos saber que isso não vai mover em nenhum milímetro o ponteiro do relógio. Então, ajustes todas suas coisas antes e esteja sempre atento. Se prepare com cuidado, preste atenção em cada etapa que precisa passar, e viva ela. As únicas coisas que você pode fazer para garantir seu surf dê tudo certo está no agora.

“Se te contentas com os frutos ainda verdes,
toma-os, leva-os, quantos quiseres.
Se o que desejas, no entanto, são os mais saborosos,
maduros, bonitos e suculentos, deverás ter paciência.
Senta-te sem ansiedades.
Acalma-te, ama, perdoa, renuncia, medita e guarda silêncio. Aguarda. Os frutos vão amadurecer.” – Professor Hermógenes

SE AJUSTE COM A NATUREZA

Se você coloca uma semente hoje em um vazo com terra, não adianta olhar para terra a cada hora para ver se a semente brotou. Ela precisa do tempo dela. Assim como o primeiro surfista a chegar na praia, pode ser o primeiro a voltar. Simplesmente por que a maré ainda não está nas condições certas.

Assim como tentar subir na prancha antes da onda chegar, certamente você afundará por não respeitar o ritmo das coisas. Suas expectativas e suas ansiedades não vão ajudar em nada. Pelo contrário, apenas irão atrapalhar o seu momento atual.

Sempre que estiver ansioso(a) pergunte-se “Pra quê?”. De que vai adiantar tanta ansiedade? Até onde sei, isso não vai mudar em nada as condições da maré (vida).

A natureza tem seu tempo, e muito provavelmente é diferente do seu, simplesmente por que você tenta se impor diante dela. Relaxe! Nós não podemos mudar isso, o máximo que podemos fazer é surfar junto com ela.

5- RECONHECER E ACEITAR AS COISAS COMO SÃO (Deixar fluir)

Houve um tempo que alguns amigos ao chegar no pico em que as condições não estavam favoráveis ou até quando o vento maral entrava eles começavam a esbravejar, eu mesmo já fiz muito isso. Logo começa ficar um clima chato, era só errar uma manobra ou vacar que ficavam culpando as condições. Olhando de fora essas atitudes, podemos perceber que isso não faz muito sentido, não?

De ante de uma situação dessas, só existem duas coisas sensatas a se fazer. Você muda o que você não aceita (mudar de pico) ou aceita o que não pode mudar (curte o que tem). Porém, na vida muitas vezes não temos a opção de mudar e o que nos resta é aceitar as coisas como estão.

A aceitação que falo não é um conformismo, é fazer o que se pode fazer e saber que você não tem poder sobre tudo (Ler sobre isso). Então, depois de fazer tudo que pode, relaxe e aproveite o momento.
skate garota equilíbrio

Se sua vida não está dando onda, reconheça isso e abra os olhos para outras formas de surfar nela.

PARE DE RESMUNGAR

Em muitos mosteiros budistas existem placas com o aviso: “Proibido resmungar!”. Esse aviso deixa claro que o resmungar vai quebrar a energia do ambiente, além de não resolver nada. Um ótimo exercício é observar sua fala e seu próprio pensamento.

Pergunte se esse pensamento vai ajudar de alguma forma, se não vai, é apenas um resmungo ou uma fofoca. Esse tipo de hábito vai te ajudar a treinar sua mente, te deixando uma pessoa muito mais positiva, agradável e produtiva, já que com o tempo aprenderá a não perde tempo com pensamentos e conversas que não vão ajudar em nada.

Depois de silenciar mais a mente e aceitar as coisas da forma que elas se apresentam, você aprende a dar valor aos detalhes das coisas que está vivendo e assim realmente você aprende, seja no momento bom ou ruim. Posso dizer por experiência própria, nos momentos ruins é que aprendemos as coisas mais valiosas.

São em condições de mar ruins que você aprende a ter um melhor equilíbrio devido o maior balançado do mar, aprende a extrair o máximo da onda e aprende a se livrar de vários perrengues que só uma condição tenebrosa te traz.

Porém, para isso é preciso estar atento e trabalhar com o que tem, pois logo a maré ruim vai passar. Foi ruim, mas não foi em vão. Afinal quem gosta de arco-íris tem que aprender a gostar da chuva.

Arco-íris surf bem estar

DIVIDINDO PARA MULTIPLICAR

Compartilho essas lições por que me ajudaram e ainda me ajudam muito no meu dia a dia. Espero que você possa também testar na sua vida e sentir se isso lhe serve. Somos pessoas diferentes, mas sempre temos algumas conexões, algo que nos aproxima.

Quem sabe você e eu estamos compartilhando a mesma onda e dividindo essa experiência podemos multiplicar nossos conhecimentos. E aí? tem algo para contar?

Muitas lições ficaram de fora, mas onda é o que não falta nesse portal pra gente compartilhar. Em breve terão mais.

Até logo! 🙂
Boas ondas! Aloha \o/

*Por: Danillo Spindola

 

……………………………………………………………………..
*Fonte: alonesurf

Pessoas invejosas: o tributo da mediocridade ao talento

Era uma vez um homem a quem foi dado uma horta para que ele pudesse tirar seu sustento. No entanto, os dias passaram e o homem não cultivou. Semanas se passaram e ele não se preocupou em cultivá-la ou fertilizá-la. Depois de alguns meses, as ervas daninhas cobriram quase todo o campo.

Quando o inverno se aproximava e a hora da colheita chegava, o homem não tinha nada para colher. Desesperado e com raiva, ele olhou para o céu perguntando:

– O que eu fiz de errado, oh Deus, por você me tratar desse jeito? Que mal fiz para me enviar este infortúnio? Olhe para os campos do meu vizinho como eles são férteis e olhe para o meu quão seco e murcho!

Esta história, encontrada no livro “Diálogos com Abul Beka”, mostra-nos perfeitamente o modo de agir e raciocinar, muitas vezes bastante irracional, de pessoas invejosas.

Inveja, um dos sete pecados capitais, é um ressentimento profundo e muitas vezes hostil em relação a uma pessoa que possui algo que desejamos. É um anseio pelo que alguém tem, mas se sentindo inferior e incapaz de alcançá-lo.
Os 5 tipos de pessoas invejosas

1. O invejoso sarcástico.
Aparentemente, essa pessoa assume tudo com um grande senso de humor, mas na realidade elas estão camuflando sua inveja através do sarcasmo, que é sua arma favorita para fazer os outros se sentirem mal. Ela não atacará diretamente, mas sempre estará atento para destacar suas fraquezas ou erros com um sorriso em seus lábios. É a sua maneira de se sentir inferior. E se você perguntar a ela o que quis dizer, provavelmente ficará ofendida e aborrecida.

2. O direto invejoso.
Essa pessoa ataca diretamente, para fazer você se sentir mal. Normalmente são pessoas inseguras, com uma personalidade agressiva, que cuidam de detalhar seus defeitos para tentar que você não possa aproveitar o que conseguiu. Eles permanecem atentos, de modo que, a qualquer pequeno sinal de sucesso, o lembrarão de uma falha ou erro anterior. Este tipo de pessoas invejosas é muito cuidadoso porque não hesitará em colocar obstáculos no seu caminho, para evitar que você seja mais bem-sucedido.

3. O invejoso pessimista.
Seu objetivo é minar seu moral e arruinar sua motivação. Qualquer notícia positiva que você dê e que possa gerar inveja, irá refutá-la recorrendo a argumentos negativos com o único propósito de deprimi-lo.

4. O competitivo invejoso.
Essa pessoa não lhe dirá nada abertamente, mas sua atitude e ações dizem tudo. Ele está ciente de cada pequeno detalhe de sua vida, para imitar você. Se você comprar um celular, corre para comprar outro que seja muito melhor, se você trocar de sofá, corre para comprar outro maior e de melhor qualidade. É o tipo de pessoas invejosas que nunca estão satisfeitas com o que têm, então elas continuamente querem o que os outros têm e até fingem gerar inveja em você.

5. O invejoso à espreita.
Essa pessoa também não lhe dirá nada, pelo menos no começo. Ele se torna um tipo de voyeur silencioso, que assiste sua vida passar com inveja. Quando você finalmente cometer um erro, falhar ou algo der errado, aproveita esse momento de queda para colocar o dedo na ferida. Sua frase favorita é: “Eu lhe falei!”, Que esconde uma satisfação profunda porque se sente superior.
A inveja não é “invejável”: na mente da pessoa invejosa

Jorge Luis Borges destacou que em espanhol, para dizer que algo é muito bom, afirma-se que “é invejável”. No entanto, a inveja é um dos sentimentos mais prejudiciais que existe. Ela causa danos a quem a experimenta e também a quem quer que seja o objeto dela, porque muitas vezes essa pessoa é forçada a superar todos os tipos de obstáculos que pessoas invejosas colocam em seu caminho.

A inveja é um sentimento corrosivo que pode arruinar a vida. Carrie Fischer resumiu brilhantemente com estas palavras: “A inveja é como beber veneno e esperar que a outra pessoa morra”.

Agora os investigadores do Instituto Nacional de Ciências Radiológicas do Japão verificaram que, de fato, a inveja causa muito dano àquele que a alimenta. Esses neurocientistas pediram a um grupo de pessoas que imaginasse que eram protagonistas de diferentes dramas sociais nos quais eles tinham um status social muito baixo e outras pessoas aceitavam os méritos.

Eles descobriram que a inveja ativou as mesmas regiões do cérebro relacionadas à dor física. E quanto mais inveja os participantes relatavam, mais essas áreas eram ativadas.

Ao mesmo tempo, quando se pedia a essas pessoas que imaginassem que outras fracassaram, os circuitos de recompensa foram ativados em seus cérebros, o que significa que a infelicidade da pessoa invejada ativa os centros de prazer nos invejosos. Em outras palavras: aproveite a infelicidade dos outros.

O problema é que a pessoa com inveja tem dificuldade em apreciar as coisas boas de sua vida, simplesmente porque ela está muito ocupado se preocupando com as coisas boas que acontecem na vida dos outros. Harold Coffin disse: “A inveja é a arte de contar as bênçãos do outro em vez das próprias”.

A pessoa invejosa sente-se inferior, e no fundo acredita que nunca pode se tornar tão feliz, poderosa, capaz ou preparada como os outros, e é por isso que ela alimenta a inveja. De fato, um estudo muito interessante realizado na Universidade Carlos III de Madri revelou que pessoas otimistas ou que têm grande autoconfiança têm menos probabilidade de sentir inveja porque tendem a ser mais cooperativas e altruístas em suas relações sociais.

No entanto, as pessoas invejosas geralmente são muito competitivas, sempre querem ter mais do que outras, mas, ao contrário de outras, não escolhem estratégias colaborativas, mas preferem ir por conta própria, mesmo que isso signifique piores resultados para todos. Desta forma, alimentar a inveja é como cavar o poço onde decidimos enterrar a felicidade. Portanto, a inveja nunca é invejável.

Como lidar com pessoas invejosas?

Nós não podemos impedir alguém de nos invejar. E, em muitos casos, não podemos fazer nada para mitigar a inveja dos outros, porque essas pessoas têm uma maneira muito peculiar de entender o mundo. O sociólogo austríaco Helmut Schoeck disse: “O invejoso acha que se seu vizinho quebra uma perna, só pode ter sido para andar melhor”.

Pessoas invejosas têm uma maneira de ver o mundo tão egocêntrico e distorcido que até os erros dos outros às vezes parecem “bênçãos”. Portanto, o mais inteligente é tentar ficar longe delas e estar atento ao tropeço que pode nos colocar no caminho.

Outra alternativa é destacar suas próprias forças e sucessos, com a esperança de que a pessoa invejosa compreenda que somos todos diferentes e que temos habilidades diferentes. Não é necessário comparar porque não precisamos ser melhores que os outros, mas apenas melhores que nós mesmos.

………………………………………………………….
*Fonte: pensarcontemporaneo

Estudo prova que ser “esquecido” é, na verdade, um sinal de inteligência acima da média

Ter uma falha de memória é algo que não dá jeito nenhum na escola, quando estamos a realizar multiplicações matemáticas complicadas de cabeça… Pode também ser algo bastante útil quando estamos no local de trabalho, e nos tentamos recordar do nome de um colega…

Dito isto, esquecermo-nos de nomes, ou termos pequenos lapsos de memória é algo que acontece aos melhores!

Contudo, quando nos acontece, sentimo-nos sempre um pouco atordoados. Afinal de contas, não há nada pior do que nos deslocarmos ao supermercado ou à mercearia com um propósito e esquecermo-nos do que fomos lá fazer. Se, como todos nós, também tu te questionas porque te esqueces de pequenas coisas, a resposta é muito simples: não há nada de errado contigo.

Na verdade, um estudo divulgado, recentemente, pelo jornal científico Neuron Journal sugere que o esquecimento é um processo natural do cérebro que pode, até, tornar-nos mais inteligentes no final do dia!

O estudo, conduzido por um professor da Universidade de Toronto concluiu que ter uma memória perfeita não está, em nada, relacionado com o facto de ter mais ou menos inteligência. Na verdade, esquecermo-nos de pequenas coisas é algo que vai ajudar-nos a tornarmo-nos mais inteligentes.

Tradicionalmente falando, a pessoa que lembra sempre de tudo e que tem uma memória sem falhas, é tida como uma pessoa mais inteligente. O estudo, no entanto, conclui o contrário: as pessoas que têm pequenas falhas de memórias podem, a longo prazo, tornar-se mais inteligentes.

Os nossos cérebros são, na realidade, muito mais complexos do que pensamos. O hipocampo (a zona onde guardamos a memória), por exemplo, precisa de ser ‘limpo’, de vez em quando. Na verdade, como a CNN colocou a questão pode ajudar-te a entender:

“Devemos agarrar-nos ao que é importante e deixar fora o que não é.” Isto faz sentido quando pensamos, por exemplo, em como é importante lembrarmo-nos do rosto de uma pessoa, em detrimento do seu nome. Claro que, em contexto social serão sempre os dois importantes, mas se falarmos num contexto animal, o rosto será fundamental à sobrevivência e o nome não.

Portanto, o cérebro não só filtra o que é importante, como descarta o que não é, substituindo-o por memórias novas. Quando o cérebro está demasiado cheio de memórias, o mais provável é que entre em conflito na altura da tomada eficiente de decisões.

Reter grandes memórias está a tornar-se para nós, humanos, cada vez mais complicado, resultado do uso cada vez mais frequente das novas tecnologias e do acesso à informação. É mais útil para nós sabermos como se escreve no Google a expressão para procurar como se faz uma instalação de banheira do que é recordar como se fazia há 20 anos.

Portanto, não há qualquer problema ter pequenas falhas de memórias. Da próxima vez que te esqueceres de alguma coisa, lembra-te: é perfeitamente normal, é o cérebro a fazer apenas o seu trabalho!

…………………………………………………………
*Fonte: fasdapsicanalise

A sociedade corrupta que reclama da corrupção

O assunto político tem tomado grandes proporções ultimamente. As mídias sociais estão repletas de revoltas contra os políticos em geral e afirmações extremas sobre os mesmos, o ódio contra a corrupção que afeta a população é mais do que aceitável, é necessário. As páginas nas redes sociais pedindo impeachment (mesmo que escrito errado) da presidente e esbravejando contra a corrupção dos poderosos ganham milhares e milhares de seguidores todos os dias e defensores mais que calorosos. Pessoas que votaram em um candidato se sentem superiores e adoram gritar aos quatro ventos que não colaboraram com o caos regrado à corrupção que temos vivido atualmente. Será?

Quando nos perguntamos o porquê de ser praticamente impossível encontrar um candidato com a ficha limpa bem posicionado no Brasil, dificilmente obtemos respostas. O problema em geral está na população. É isso aí, somos nós mesmos, que não apenas tememos o desconhecido como colaboramos diretamente para a corrupção geral.

Sabe aquele dinheiro que você, mesmo vendo o rapaz derrubar, botou no bolso correndo antes que ele percebesse que caiu? Aquele dinheiro que, ao dar o troco, o atendente do supermercado te passou sobrando e você manteve silêncio e se sentiu satisfeito, sortudo? Àquele produto que você comprou baratinho mesmo desconfiando que era roubado, àquela prestação que você espera “caducar” no sistema de proteção de crédito e não pretende pagar nunca? E aquele dia que você fingiu estar dormindo no banco colorido do ônibus para não precisar ceder o lugar para a gestante ou o idoso que entrou? Você entrou pelas portas traseiras do ônibus se sentindo o maioral e ainda é cheio de desculpas? Pois é. Sabia que os políticos corruptos também inventam um monte de desculpas para justificar seus atos? Você é tão corrupto e egoísta quanto os odiosos políticos que você acusa com tanto ardor.

Você sai por ai, esbravejando contra todos e se sentindo vítima da corrupção que você mesmo alimenta, mas está sempre tentando levar vantagem em tudo. A diferença entre você e os nossos políticos é que você tem menos poder. Do contrário, seria mais um se divertindo com o dinheiro público. Se você aproveita todas as oportunidades, mesmo que incorretas, para se dar bem nas situações, comece a pensar em suas atitudes antes de sair acusando por aí. Vamos aprimorar nosso próprio caráter para garantir melhores pessoas no poder futuramente, a começar por nós mesmos?

*Por Jannine Dias

…………………………………………………………………
*Fonte: provocacoesfilosoficas

Sofomaníaco: indivíduo estúpido que se acha extremamente inteligente

Muitos indivíduos não têm o conhecimento necessário para opinar com propriedade sobre um fato e, mesmo assim, opinam, inclusive não aceitando que ninguém os contrarie.

Há dias, deparei-me com esse conceito, que eu desconhecia. De início, refleti sobre mim mesmo, para ver se eu não me encaixava como exemplo, mas percebi que tento conhecer bem minhas limitações intelectuais. Então, comecei a procurar exemplos de sofomaníacos por aí e, obviamente, constatei que as redes sociais estão lotadas deles.

A palavra “estúpido” possui muitos significados, mas, nesse caso, conclui-se o mais adequado é tomá-la como sinônimo de “ignorante”, referindo-se a indivíduos que não têm o conhecimento necessário para opinar com propriedade sobre um fato e, mesmo assim, opinam. E o fazem se baseando em juízos de valor, em achismos, sem se aprofundarem sobre aquilo que se discute.

Hoje, assistimos a muitos embates entre grupos com ideologias diferentes, nas redes sociais principalmente, no que diz respeito a assuntos vários, relacionados à política, à religião, à sexualidade, aos governos, a relacionamentos, entre tantos outros. Qualquer questão minimamente crítica inicia uma avalanche de comentários e de postagens, muitas vezes agressivas, pois cada lado quer que seu ponto de vista vença, mesmo que por meio de argumentos pífios.

Comum, nesse contexto, proliferarem as notícias falsas – fake news -, que, muitas vezes, denigrem a imagem de alguém que esteja na berlinda naquele momento, através de inverdades, de fatos mentirosos, de calúnia e difamação.

Isso porque a internet parece uma terra de ninguém, ou melhor, parecia, porque, recentemente, muitos processos estão sendo movidos e causas vêm sendo ganhas, em favor de quem vê sua reputação manchada por fofocas infundáveis. No entanto, calúnias virtuais não estão mais circulando livremente impunes.

Cada um tem o direito de pensar o que quiser, porém, quando os pensamentos vão parar em registros virtuais, há necessidade de moderação e um mínimo de educação. Da mesma forma, não cabem, em pleno novo milênio, posturas extremistas, preconceituosas, que incitam ao retrocesso, após tanta luta para a conquista dos avanços que já se firmaram.

Ninguém é obrigado a gostar, a concordar, mas respeito é fundamental, sim, e imprescindível. Caso a pessoa exponha opiniões publicamente, terá que saber assistir a muita gente contrariando suas ideias, pensando exatamente o contrário, e isso não deve levá-la a agredir estupidamente, em vez de argumentar.

É preciso ter a consciência de que nada apaga o que se posta na internet, ou seja, assim como se deve proceder na vida, é necessário debater muita cautela, pesar bem as palavras antes de digitar em frente ao computador. Ou isso, ou encarar gente esbravejando, ou até mesmo abrindo processos judiciais. Tudo indica, ultimamente, que não haverá mais impunidade para os arrogantes que disseminam ódio e difamação pelas redes sociais. E isso é bom demais da conta.

*Por Marcel Camargo

 

 

 

 

……………………………………………………..
*Fonte: psicologiadobrasil

Ninguém é obrigado a gostar de ninguém, mas respeito é fundamental!

Tem muita gente desocupada nesse mundo, não é possível; não há outra razão para que tantos se sintam incomodados com quem não cuida da vida de ninguém, com quem apenas vive as próprias verdades da forma que bem entende.

Parece que o mundo anda se esquecendo de uma regra básica da convivência em sociedade: o respeito.

Não dá para manter um mínimo de harmonia em qualquer ambiente, caso não se respeitem as diferenças de credo, de religião, de opinião, de tudo enfim. Não conseguiremos gostar de todo mundo nessa vida, mas respeitar o espaço do outro é uma obrigação de todos nós.

Basta dar uma zanzada pelos comentários que inundam posts polêmicos pelas redes sociais, para percebermos que as diferenças vêm sendo rechaçadas e menosprezadas, por meio de ofensas e de agressões explícitas. Tem muita gente que não tolera ser contrariado, ser discordado, como se sua opinião tivesse que prevalecer sobre as demais, de qualquer jeito. E assim vão condenando todos que apenas expõem um ponto de vista, simplesmente porque pensam o oposto e agem de forma antagônica ao que os donos da verdade postulam como o mais adequado e correto.

O pior é notar que grande parte dessa verborragia violenta que muitos utilizam contra opiniões diversas não contém um mínimo de estofo argumentativo, visto serem vazias de embasamento coerente, sendo tão somente ofensas isentas de base que não seja xingamento raso. Lotam-se as redes sociais de lugares comuns, de juízos de valor, cujo mote vem a ser um preconceito cego e infantil. Soam a brigas de pré-adolescentes, cujo vocabulário é sofrível e ínfimo.

*Por Prof. Marcel Camargo

 

……………………………………………………………
*Fonte: bmm

Japão, 30 mil suicídios por ano: riqueza, tecnologia, mas… Vazio na alma?

Bispo japonês atribui as causas dos suicídios à falta de sentido existencial, conectadas à profunda carência de espiritualidade e religiosidade.

Uma análise do período compreendido entre 1998 e 2010 apontou que mais de 30 mil pessoas se suicidaram no Japão em cada ano desse intervalo, taxa que, aproximadamente, continua se aplicando até o presente. Cerca de 20% dos suicídios se devem a motivos econômicos e 60% a motivos relacionados com a saúde física e a depressão, conforme recente pesquisa do governo.

O assunto é abordado pelo bispo japonês dom Isao Kikuchi em artigo divulgado pela agência AsiaNews. Ele observa que o drama se tornou mais visível a partir de 1998, “quando diversos bancos japoneses se declararam falidos, a economia do país entrou em recessão e o tradicional ‘sistema de emprego definitivo’ começou a colapsar”.

Durante os 12 anos seguintes, uma média superior a 30 mil pessoas por ano tirou a própria vida num país rico e avançado. O número, alarmante, é cinco vezes maior que o de mortes provocadas anualmente por acidentes nas rodovias.

Riqueza, tecnologia e… vazio na alma

Rodeados por riquezas materiais de todo tipo, os japoneses têm tido graves dificuldades em encontrar esperança no próprio futuro: perderam esperança para continuar vivendo, avalia o bispo.

Paradoxo: após histórica tragédia nacional, suicídios diminuíram

Um sinal de mudança, embora pequeno, foi registrado por ocasião do trágico terremoto seguido de tsunami que causou enorme destruição em áreas do Japão no mês de março de 2011: a partir daquele desastre, que despertou grande solidariedade e união no país, o número de suicídios, de modo aparentemente paradoxal, começou a diminuir. Em 2010 tinham sido 31.690. Em 2011, foram 30.651. Em 2012, 27.858. Em 2013, 27.283. A razão da diminuição não é clara, mas estima-se que uma das causas esteja ligada à reflexão sobre o sentido da vida que se percebeu entre os japoneses depois daquela colossal calamidade.

Motivos para o suicídio

Dom Isao recorda a recente pesquisa do governo que atrela 20% dos suicídios a motivos econômicos, enquanto atribui 60% a fatores de saúde física e depressão. Para o bispo, os estopins do suicídio são complexos demais para se apontar uma causa geral. No entanto, ele considera razoável e verificável afirmar que uma das razões do fenômeno é a falta de sentido espiritual na vida cotidiana dos japoneses.

O prelado observa que a abundância de riquezas materiais e o acesso aos frutos de um desenvolvimento tecnológico extraordinário são insuficientes para levar ao enriquecimento da alma. A sociedade japonesa focou no desenvolvimento material e relegou a espiritualidade e a religiosidade a um plano periférico da vida cotidiana, levando as pessoas a se isolarem e se sentirem vazias, sem significado existencial. E é sabido que o isolamento e o vazio de alma estão entre as principais causas do desespero que, no extremo, leva a dar fim à própria vida.

…………………………………………………………….
*Fonte:

5 tipos de pessoas que você deve pensar muito bem antes de confiar

Quando conhecemos pessoas novas surge em nossa frente uma folha em branco repleta de possibilidades. Cada novo encontro dá origem a um novo traço que, dia a dia, dá formas a um desenho antes inusitado.

Desses encontros surgem também as mais lindas paisagens, mas, do que antes poderia parecer o caminho para algo belo, podem surgir traços feios, ameaçadores e que nos machucam que vão além do saudável e aceitável.

O que queremos te ajudar a pensar nessa postagem é que, por mais difícil que pareça, existem maneiras de identificar o que não é bom, basta que esperemos o tempo necessário e estejamos atentos aos padrões que se repetem. Afinal, errar é humano, mas continuar errando releva traços importantes de caráter….ou mesmo da falta dele.

A partir disso, listamos abaixo 5 tipos de comportamento que devem servir como sinais de alerta. Confira e, no final, nos digam se vocês concordam ou não.

1. Pessoas que escolhem com quem serão educadas e charmosas

Tem gente que só trata bem quem identifica que pode lhe trazer ganhos pessoais. Quando essa pessoa não percebe serventia no outro, o seu tratamento é outro.

Quem usa do charme com fins de manipulação demonstra falsidade e pouca legitimidade de sentimentos. Normalmente são pessoas pouco leais e que se vendem. São aquele tipo que, se achar um “amigo melhor”, ignora o anterior.

Se você estiver próximo de alguém que faz isso esteja atento porque quem se comporta assim com o outro, dia ou outro, fará o mesmo com você.

2. Pessoas que demonstram frieza com o próximo

Falta de empatia é o maior mal dos tempos modernos. Existe tanta competição e individualismo que não olhar para quem está ao redor, em alguns lugares, é até considerado uma qualidade.

Pessoas que demonstram frieza e indiferença com o que acontece com o ser humano que está próximo são sérias candidatas a não estarem presentes quando você precisar de algo, mesmo.

Lembre-se que as relações envolvem cuidado mútuo.

3. Pessoas invasivas e que não respeitam os limites e nem a privacidade do próximo

Respeito é algo fundamental em qualquer relação e esse só existe se os limites entre as pessoas forem estabelecidos.

A gente percebe isso quando alguém faz coisas sabendo que você não gostará e que aquilo te magoará, quando contam coisas que são da sua intimidade, quando debocham do que lhe causa sofrimento.

Ah, e detalhe, se falam do outro para você, falam de você para o outro.

4. Pessoas que pensam que o mundo gira ao seu redor

Os famosos “narcisistas” possuem traços de manipulação e apenas nos tratam bem para conseguir o que querem: a nossa atenção. Depois, quando precisamos de algo, eles sempre terão um outro compromisso ou urgência. Nós não podemos contar com eles ao menos que os atos deles se revertam a plateia e ganhos secundários de atenção. Exemplo: ajudar instituições de caridade e serem considerados caridosos.

5. Pessoas que oscilam demais

Ok, sabemos que a oscilação é normal. Também sabemos que oscilar demais pode ser fruto de um transtorno de humor que é uma doença psicológica, mas nós também temos que aprender a nos protegermos dessas oscilações porque pessoas que oscilam demais vão do céu ao inferno em segundos. E, se nós não soubermos dar limites e nos protegermos, nós somos arrastados para o abismo junto com eles.

Os limites devem ser claros.

…………………………………………………………….
*Fonte: psicologiadobrasil

Conversar consigo mesmo pode ser um sinal de inteligência superior, segundo estudos científicos

Você já falou sozinho? Você se pega fazendo perguntas e até se dando conselhos? Você tem medo de ser rotulado como uma aberração?

Bem, não se preocupe. De acordo com algumas pesquisas científicas, conversar consigo mesmo pode ser um sinal de inteligência superior e maior QI que a média.

Uma pesquisa científica mostrou que as pessoas que tendem a falar consigo mesmas têm, na verdade, um QI maior do que as que não falam sozinhas.

Segundo Einstein.org, Einstein “costumava repetir suas frases para si mesmo com suavidade”. Continue lendo para descobrir as 5 razões que falar consigo mesmo é um ato de inteligência.

5 benefícios da autoconversa, de acordo com a ciência:

1. Seu cérebro funciona melhor.

De acordo com um estudo publicado no Jornal Trimestral de Psicologia Experimental, Daniel Swigley e Gary Lupyan, renomados psicólogos, descobriram que conversar consigo mesmo é realmente saudável.

Um experimento interessante foi conduzido, onde cerca de 20 pessoas receberam o nome de uma coisa; uma batata, uma maçã ou um queijo, e foi pedido para encontrarem o item no supermercado.

No primeiro caso, eles tiveram que fazê-lo silenciosamente, enquanto no segundo caso eles foram autorizados a falar e dizer o nome do objeto atribuído.

Na segunda vez, eles completaram a tarefa com muito mais eficiência, porque falar em voz alta ajudou o ouvido a ouvir o item e tornou mais fácil para o cérebro retê-lo.

Então, da próxima vez que você quiser se lembrar de algo melhor e mais rápido, repita em voz alta.

2. Dá maior clareza mental.

Gary Lupyan, um psicólogo cognitivo popular da Wisconsin Madison University, diz:

“Falar consigo mesmo não é sempre útil, se você não souber realmente como é um objeto, dizer o nome dele pode não ter efeito ou até mesmo te atrasar. Se, por outro lado, você souber que as bananas são amarelas e têm uma forma particular, ao dizer banana, você está ativando essas propriedades visuais no cérebro para ajudá-lo a encontrá-las”.

Assim, apenas pensar sobre o que você está procurando não é suficiente, porém, quando você diz o nome, visualiza automaticamente e dá uma forma para o objeto.

Isso torna mais fácil para a sua mente ter em perspectiva o que você está realmente procurando, e lhe dá clareza para pensar de uma forma muito realista e realizável.

Ao pensar em voz alta, você está ajudando sua mente a visualizar seus pensamentos e a pensar sobre eles de maneira muito mais clara.

3. Ajuda você a aprender melhor e mais rápido.

De acordo com a Live Science, “o discurso autodirecionado pode ajudar a orientar o comportamento das crianças, com as crianças muitas vezes fazendo o passo a passo em tarefas como amarrar os cadarços, como se lembrassem de se concentrar no trabalho”.

Tente lembrar da primeira vez que você jogou um jogo de tabuleiro. Você deve ter ficado confuso, já que é um novo processo, e então, enquanto você dizia os passos em voz alta enquanto jogava, passou a entender melhor a situação.

Esta é a razão pela qual você se lembrou da vez seguinte que jogou.

É exatamente assim que falar consigo mesmo ajuda você a aprender melhor, sua mente reexamina o que você aprendeu e ensina a si mesma.

Este processo de aprendizagem, avaliação e ensino cria uma compreensão muito melhor sobre o assunto que você aprendeu.

4. Organiza a conversa caótica em sua mente.

A psicóloga Linda Sapadin diz que, quando pensamos, pesamos silenciosamente as possibilidades. Isso é importante. Você deve falar consigo mesmo porque consegue priorizar o que quer.

Quando está preso em uma encruzilhada, você tem que escolher apenas um caminho e falar em voz alta vai torná-lo mais ordenado.

Você aprenderá a gerenciar melhor a sobrecarga de responsabilidade de muitas opções.
Ao conversar consigo mesmo, está dando ordem aos seus pensamentos e, ao dar ordem, você consegue ver e comparar melhor as diferentes escolhas.

Isso lhe dá uma escolha mais rápida e melhor, exigindo muito menos energia do que enfrentar muitas opções diferentes silenciosamente.

5. Motiva você a conseguir o que deseja.

Todos nós temos certas coisas que sonhamos alcançar. Apenas ter uma ideia não fará seus sonhos realidade. Você precisa agir e, às vezes, agir é difícil. Você não tem inspiração, motivação e vontade. Todos nós temos momentos de fraqueza.

Em tais casos, ter um mentor ou alguém para incentivá-lo pode fazer a diferença entre alcançar seus objetivos e desistir. Mas como nem todos nós temos alguém para nos incentivar nesses momentos, falar consigo mesmo é a melhor coisa.

Conversar consigo mesmo, dar conselhos e motivar a si mesmo pode lhe dar impulso suficiente para dar aquele passo extra quando não tiver motivação e vontade.

E quem te conhece melhor do que você, quem conhece seus gatilhos e botões, quem conhece o fogo de suas emoções? Ninguém. Você se conhece melhor do que ninguém!
É por isso que você precisa se motivar. E ao fazer isso em voz alta, está enganando sua mente a pensar que alguém está te empurrando para frente. Dessa forma, você ficará motivado e perderá menos tempo. Você vai se concentrar nas coisas que importam e não nas pequenas coisas.

Então, se você fala consigo mesmo, não se preocupe. Ande no caminho do sucesso de Einstein e logo você alcançará seus objetivos. Continue falando!

………………………………………………………….
*Fonte: vidaemequilibrio

Mantenha distância de quem não torce por você

Já se disse que manter por perto as pessoas que nos tornam melhores será uma das melhores atitudes que poderemos tomar nesta vida. Isso porque essa é uma forma certa de nos cercarmos de boas energias, de sentimentos verdadeiros, de sorrisos sinceros. Quem torce verdadeiramente por nós raramente irá nos decepcionar.

Por outro lado, se prestarmos atenção, sempre existirá alguém que parece torcer contra os nossos sonhos, como se desejasse que nunca saíssemos do lugar. Trata-se daquela pessoa que joga baldes diários de água fria sobre nossas cabeças, sempre que sonhamos alto ou conquistamos algo. Em vez de parabenizar, já listam tudo o que pode vir a dar errado dali em diante.

Infelizmente, existe muita maldade por aí, dentro de pessoas que jamais imaginávamos poder agir de uma forma cruel. Sim, há pessoas cruéis disfarçadas de bondade e companheirismo, mas que se mostram o oposto do que eram, a partir do momento em que avançamos na vida, ou mesmo traçamos sonhos maiores para nós. Não conseguem animar, motivar, muito pelo contrário.

Talvez sejam pessoas infelizes demais e desejam jogar para fora de si aquele sentimento ruim, pois não conseguem respirar direito, não se aguentam. Não aceitam, com isso, que o outro consiga sorrir, sonhar, avançar e conquistar, uma vez que elas próprias não conseguem sair do lugar, de tanto que prestam atenção na vida alheia, deixando suas vidas passarem em branco.

Pensar somente em si mesmo nunca será saudável para ninguém, porém, o excesso oposto também não. Quem se esquece de si mesmo, focando somente as vidas ao lado, fatalmente acabará se achando pior do que todo mundo. E, como esse tipo de gente nunca aprendeu a correr atrás dos seus desejos, somente poderá tentar atrapalhar o sucesso do outro, muitas vezes de maneira desumana, plantando fofoca e maldade.

Sendo assim, o tipo de pessoa com quem convivermos de perto determinará o tanto de momentos felizes que pontuarão nossa jornada. Sempre será providencial nos afastarmos de gente invejosa, pois é assim que sobrará espaço para aconchegarmos aqueles que torcem pela nossa felicidade com verdade e amor. É isso que nos move, afinal.

………………………………………………………..
*Fonte: resilienciamag

Pessoas mais felizes conversam com desconhecidos no transporte público

Se você é incapaz de ficar muito tempo em silêncio, adora fazer novos amigos e não resiste a uma boa conversa no ônibus ou no metrô, mesmo com estranhos, saiba que, de acordo com a ciência, você é pessoa muito feliz.

Conversar com estranhos no ônibus ou metrô pode te deixar feliz

Pesquisadores orientaram participantes de um estudo a conversarem com desconhecidos em um trem, se sentar sozinhos e em silêncio ou agir normalmente para, depois, responder a um questionário sobre seus sentimentos. Os dados foram recolhidos em viagens em meios de transporte público de Chicago, EUA.

O levantamento, divulgado pelo site Scientific American, mostrou que as pessoas que conversavam com estranhos relataram ter experiências mais prazerosas do que as que ficaram sozinhas e caladas.

Perguntados sobre os cenários opostos, os passageiros que agiram normalmente no experimento concordaram que o bate-papo no coletivo poderia realmente deixar o dia deles mais feliz.

A pesquisa ainda descobriu que, apesar de ser considerado um hábito prazeroso, as pessoas evitam puxar conversa com estranhos no transporte público porque acreditam que os colegas de assento não estão dispostos a dialogar.

………………………………………………………
*Fonte: corujaprof

Brasil é o país mais deprimido e ansioso da América Latina

Nos últimos dez anos, o número de pessoas com depressão aumentou 18,4% — hoje, isso corresponde a 322 milhões de indivíduos, ou 4,4% da população da Terra. Os dados vieram à tona em um relatório recente realizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para piorar, os brasileiros estão levando esses índices para o alto. No nosso país, 5,8% dos habitantes sofrem com a desordem, a maior taxa do continente latino-americano. A faixa etária mais afetada varia entre 55 e 74 anos.“Apesar de a depressão atingir sujeitos de todas as idades, o risco se torna maior na presença de pobreza, desemprego, morte de um ente querido, ruptura de relacionamento, doenças e uso de álcool e de drogas”, atesta o relatório.

O Brasil também é campeão mundial no índice de ansiedade: 9,3% da população manifesta o quadro. Essa disfunção engloba várias outras, como ataques de pânico, transtorno obsessivo-compulsivo, fobias e estresse pós-traumático.

O sexo feminino é o que mais sente as consequências — 7,7% das mulheres são ansiosas e 5,1% são depressivas. Quando se trata dos homens, a porcentagem cai para 3,6% em ambos os casos.

O documento ainda mostra uma possível causa para a taxa elevada de problemas mentais que o mundo presencia atualmente: “Esse crescimento é sentido principalmente em países com menor renda, porque a população está aumentando e mais gente está vivendo até a idade em que depressão e ansiedade são mais comuns”.

………………………………………………………
*Fonte: resilienciamental

Por que pessoas que se sentem mais jovens do que são podem viver mais

Imagine por um momento que você não tenha uma certidão de nascimento e que sua idade pudesse ser determinada apenas pela maneira como você se sente por dentro. Quantos anos você diria que tem?

Assim como sua altura ou tamanho de sapato, o número de anos que se passaram desde que você chegou ao mundo é um fato que não pode ser mudado. Mas as experiências diárias sugerem que nós frequentemente não vivemos a idade da mesma forma, com muitas pessoas se sentindo mais velhas ou mais jovens do que realmente são.

Cientistas estão cada vez mais interessados nisso. Eles estão descobrindo que nossa “idade subjetiva” pode ser essencial para entender porque algumas pessoas parecem ficar mais jovens com a idade e outras esmorecem com o passar do tempo.

“O quão mais jovens adultos mais velhos se sentem pode influenciar em decisões importantes para seu presente e futuro”, diz Brian Nosek, professor de Psicologia da Universidade de Virgínia.

Há estudos que mostam que nossa “idade subjetiva” pode ser um indicador antecedente importante para questões relacionadas à saúde, incluindo as estimativas de risco de vida. De certa forma, dizem os especialistas, você realmente “é tão velho quanto sente que é”.

Motivados por esses resultados, muitos pesquisadores estão tentando determinar os fatores biológicos, psicológicos e sociais que moldam a experiência do envelhecimento – e como esse conhecimento pode nos ajudar a ter vidas mais longas e saudáveis.

Esses esforços estão em marcha há décadas. Alguns dos primeiros estudos sobre a diferença entre “idade psicológica” e a cronológica apareceram nos anos 1970 e 1980.

O ritmo se intensificou nos últimos dez anos, quando um grande volume de novos estudos investigou os potenciais efeitos psicológicos e físicos dessa discrepância.

Uma das correntes mais intrigantes dessa pesquisa tem explorado a forma como a “idade subjetiva” influencia nossa personalidade. O atual senso comum diz que as pessoas tendem a amadurecer conforme envelhecem, se tornando menos extrovertidas e abertas a experiências novas.

Essas mudanças, contudo, seriam menos acentuadas em pessoas “jovens de alma” e mais nítidas em pessoas com “idade subjetiva” mais avançada que a biológica, de acordo com os cientistas.

O interessante é que pessoas com “idade subjetiva” menor, por outro lado, também seriam mais cuidadosas e menos neuróticas – transformações positivas que constumam vir naturalmente com o envelhecimento biológico.

Assim, ter uma “idade subjetiva” menor não seria necessariamente sinônimo de uma permanente imaturidade.

Se sentir mais jovem que a idade real teria ainda impacto positivo sobre a saúde mental e reduziria o risco de depressão e de doenças como a demência.

Yannick Stephan, da Universidade de Montpellier, na França, examinou dados de três estudos longitudinais – conduzidos no decorrer de vários anos, para avaliar o impacto do tempo sobre os resultados – que, juntos, avaliaram mais de 17 mil pessoas de meia idade e idosos.

Neles, a maioria dos entrevistados se sentia oito anos mais jovem do que sua idade cronológica real.

Alguns, contudo, sentiam-se mais velhos – e as consequências, nesses casos, eram sérias. Uma “idade subjetiva” entre 8 e 13 anos maior que a idade biológica elevava o risco de morte entre 18% e 25% durante os períodos do estudo, mesmo quando controlados outros fatores demográficos como educação, raça e estado civil.

Para Stephan, o peso da “idade subjetiva” sobre nossa saúde pode ser um resultado direto das mudanças que ela provoca no nossa personalidade. Alguém mais jovem “de espírito” estaria aberto a um leque mais amplo de atividades – viajar, aprender um hobby novo, por exemplo -, mesmo com a passagem do tempo. “Estudos apontaram, por exemplo, que a ‘idade subjetiva’ prediz padrões de atividade física”, acrescenta o pesquisador.

Ele ressalta que o mecanismo que liga bem-estar físico e mental à “idade psicológica” atua em ambas as direções. Se você se sente deprimido e fisicamente vulnerável, é provável que se sinta mais velho. O resultado disso pode ser um ciclo vicioso, com fatores psicológicos e físicos contribuindo para uma “idade subjetiva” mais avançada e uma saúde pior, o que faz com que nos sintamos ainda mais velhos e mais vulneráveis.

A análise de Stephan, que foi publicada no Journal of Psychosomatic Medicine – publicação da American Psychosomatic Society -, é o maior estudo dedicado ao efeito da “idade subjetiva” sobre as taxas de mortalidade até hoje. “Essas associações são comparáveis ou mais fortes que a contribuição da idade cronológica (para as questões relacionadas à saúde)”, diz ele.

Em outras palavras, a “idade subjetiva” pode ser um indicativo melhor sobre a situação da nossa saúde do que a data impressa na certidão de nascimento.

Com isso em mente, muitos cientistas estão tentando identificar os fatores sociais e psicológicos que determinam esse complexo processo. Quando passamos a sentir que nossos corpos e nossas mentes estão operando em escalas diferentes? E por que isso acontece?

Juntamente com a professora Nicole Lindner, Nosek, da Universidade da Virgínia, investigou as formas como a discrepância entre as idades subjetiva e cronológica evoluem durante a vida.

Eles constataram, por exemplo, que a maioria das crianças e adolescentes se sentem mais novos do que realmente são, algo que só aumenta com o tempo. Conforme Nosek e Lindner escrevem no estudo, “é como se o envelhecimento subjetivo acontecesse em Marte, e um ano na Terra valesse 5,3 anos marcianos”.

Alguns psicólogos acreditam que uma “idade subjetiva” mais jovem seria uma forma de autodefesa, nos protegendo de estereótipos negativos de idade – como visto em um estudo feito por Anna Kornadt, da Universidade de Bielefeld, na Alemanha.

Em sua pesquisa, ela perguntou aos participantes se eles se sentiam mais velhos ou mais jovens do que realmente são em diferentes áreas da sua vida – no trabalho, na vida pessoal, por exemplo.

E constatou que as “idades subjetivas” das pessoas eram mais baixas quando os estereótipos negativos de idade eram mais prevalentes – como trabalho, saúde e finanças -, reforçando a ideia de que esse pensamento ajudaria as pessoas a se distanciarem das conotações negativas do seu grupo etário.

Acreditar que “eu posso ter 65, mas me sinto com 50” pode significar que você está menos preocupado com sua performance no trabalho, por exemplo. Kornadt também descobriu que pessoas com uma “idade psicológica” menor tendem a imaginar seu futuro eu de uma forma mais positiva.

 

 

 

 

…………………………………………………
*Fonte: resilienciamental

O mal do século não é a depressão, mas a falta de empatia

Acredito que, de todos os enfrentamentos por que uma pessoa passa, nesse período, a depressão vem a ser o mais difícil deles, por conta da incompreensão.

Nesses momentos, tenho a sensação de que surgem pessoas com aquela necessidade incrível de rotular quem está passando por um momento de luta, no caso, a depressão. Quando eu passei por essa fase, escutei o discurso cansado de que eu precisava ocupar a minha cabeça; também ouvi o tal “isso aí é falta de fé” e que, de certa forma, eu não estava confiando em Deus. Outras vezes, ouvia que eu não estava me ajudando e que “ah, você precisa se levantar dessa cama”, como se isso fosse tão simples.

Quantas e quantas vezes escutei falas que mais me afundaram do que propriamente me ajudaram. Eu já estava me amando de menos e todas essas frases, em tom de “ajuda”, na verdade faziam com que eu me achasse ainda mais o problema, afinal, tudo era tão simples aos olhos dos outros, mas tão doloroso e complicado aos meus olhos. Então, eu chegava à conclusão de que o problema estava comigo.

Cansei-me de tanto escutar a frase: “Existem pessoas em condições tão piores que a sua e você aí, com problemas pequenos e se entregando por tão pouco.” Claro, isso certamente me ajudou bastante (ironia). A verdade é que ninguém entendia o quanto era difícil sair do meu quarto, o quanto eu queria dormir para aliviar aquela dor e ver o tempo passar depressa. Aliás, eu sentia que o tempo não passava e a angústia fazia cada vez mais morada em mim.

E, embora isso tudo tenha acontecido um bom tempo atrás, é triste ver que esses discursos permeiam ainda os dias de hoje. Até quando as pessoas vão acreditar que ir ao psicólogo é coisa de louco? Sabe, eu tenho visto muita gente deixando de procurar ajuda por vergonha, por achar que quem precisa de um psicólogo é realmente louco – ideia totalmente errônea. Mas, que atire a primeira pedra quem não tem nada a melhorar, quem não tem angústias, conflitos e quem não precisa de mudança. Todos nós precisamos, o erro está em procurar ajuda apenas quando adoecemos.

Então, eu percebo que se fala tanto em depressão, mas pouco em empatia. Damos muita atenção às doenças do corpo, mas nos esquecemos da alma e da mente, como se não ter disposição para ir ao trabalho por conta da depressão fosse de fato encarado como preguiça. Não se leva em conta as noites sem dormir por conta da insônia, ou o excesso de sono causado pelos remédios, ou até mesmo a falta de energia.

De uma vez por todas, que fique bem claro que depressão não é frescura, depressão não é preguiça, não é desculpa, não é falta de fé e não tem nada a ver com religiosidade. Depressão é luta.

Por isso, eu partilho da ideia de que o mal do século não é a depressão, mas a falta de empatia. É a incompreensão de pessoas que soltam suas falas que mais doem do que curam, que mais machucam do que saram, que mais pesam do que aliviam, que mais empurram para o buraco do que ajudam alguém a sair dele. Afinal, incompreensão também mata.

*Por Thamilly Rozendo

……………………………………………………………..
*Fonte: contioutra

Por que pobre que deixa de ser pobre gosta de pisar em pobre?

Uma coisa que eu, infelizmente, observo muito: pessoas que melhoram sua situação financeira e sobem um ou alguns degraus da escada social parecem esquecer rapidamente que há pouco tempo também eram pobres e sofreram o mesmo desprezo que agora estão dispensando a quem é mais pobre que elas.

Já vi gente que saiu da favela e falava mal dos favelados e motorista de primeiro carro novo comprado em sessenta prestações rindo de quem esperava na chuva pelo ônibus, o mesmo ônibus que ele pegava para ir trabalhar, em um passado não muito remoto.

Tem gente frustrada em seu emprego por ser maltratada pelos patrões, mas que não perde a oportunidade de esnobar ela mesma outras pessoas, assim que se vê do outro lado (do lado “mais forte“), tratando mal vendedores em lojas, zeladores em prédios ou pedintes na rua.

Já é incompreensível ver gente rica de muito tempo tratando pobre como gente de segunda categoria, numa desumanidade que assusta. Isso já é difícil de entender, mas, agora, ver gente que conheceu a pobreza se vestindo de arrogância e prepotência para se achar melhor que outros que (ainda) não conseguiram sair da pobreza é que não dá para entender mesmo.

Parece que isso está enraizado na cabeça de nosso povo, essa mentalidade arcaica de que quem tem mais é mais, como se ter e ser fossem a mesma coisa. E quem quer ser mais necessita de alguém que seja menos, já que quem se compara precisa de uma referência e seria meio amargo alguém se comparar com quem tem mais que ele. Assim, a consequência lógica é rebaixar quem tem menos para se sentir mais elevado, enfeitando um pouco sua pobre existência.

Tem a história do Dr. Armando, que era advogado, mas não era doutor coisa nenhuma, porém, ele fazia questão de ser chamado assim. Um rapaz pobre do interior da Bahia, que foi para Salvador para estudar e que, para se formar, comeu o pão que o chifrudo amassou, limpou fossa e foi ajudante de pedreiro, serviu comilões no Habib’s na Praia de Piatã, foi placa de anúncio ambulante para os novos condomínios na Avenida Paralela e até picolé na praia ele vendeu.

Pois bem, esforçado ele foi, pisoteado também, e se formou em Direito aos troncos e barrancos. Com o canudo na mão, o Armandinho voltou para sua terra natal como Dr. Armando, o advogado, que, como dito, não era doutor, pois não tinha doutorado, mas que era cheio de doutorice e exigia que todos abaixo dele na hierarquia o tratassem dessa forma. Até de certos clientes ele exigia isso, numa arrogância sem fim. Agora, com um diploma que ele escondia na gaveta, pois suas notas não foram tão boas e ele se envergonhava disso, e um escritoriozinho perto do centro de uma cidade média de interior, ele se via flutuando numa nuvem, por cima dos mortais. Somente perante o juiz, o delegado ou os poderosos do lugar ele baixava a crista e parecia um menino nervoso que tinha feito algo errado.

O pior de tudo é que ele era colérico e tratava muito mal seus empregados, principalmente os domésticos, gritando com eles, os classificando de burros e preguiçosos e supondo que iriam morrer pobres, pois burrice e preguiça não levariam ninguém a lugar algum. E vivia dizendo que detestava pobreza.

Assustadora também era a passividade dos subalternos, que, calados, aceitavam as insultas do patrão. Por um lado, claro, eles eram dependentes, alguns até moravam em sua propriedade. Mas, por outro, seria bom ter mais coragem e impor limites ao novo rico que se comportava como um coronel de segunda categoria.

Mas nem precisamos de exemplos extremos como esse. Esse fenômeno acontece muitas vezes no dia-a-dia, quase despercebido, como aquele sujeito pobre que recebe um dinheiro extra, resolve ir jantar com a namorada num restaurante chique, com tudo que se tem direito, mas achando que tem o direito também de já entrar no restaurante tratando mal os garçons, sentindo-se rico por um momento e acreditando que “ser rico” implicaria também em tratar mal quem o serve.

Acredito que muita gente se comporta assim por não conhecer diferente. Quando ainda pobres, por terem sido explorados e maltratados e experimentado de perto a exclusão e os preconceitos contra a pobreza, aprenderam que é desse modo que a sociedade funciona: quem está em cima, pisa em quem está em baixo. E, agora, que conseguiram subir um pouco, eles também têm vontade de pisar. Se levo isso em consideração, até acho tal comportamento plausível. Mas plausível não quer dizer que seja bom.

Acho estranho e repudio qualquer ato que suponha a superioridade ou a inferioridade de quem quer que seja, mas, ao mesmo tempo, sei que todo efeito tem uma causa e que isso aí é efeito de alguma coisa. Não seria o efeito de um endurecimento de nossa sociedade, de uma mentalidade de consumo e de identificação social pelo que se possui, de dignidade comprada, onde quem tem pouco automaticamente vale menos? Não costumamos definir o sucesso de alguém pela riqueza que acumula? E ainda não fazemos a bobagem de aceitar essa ideia absurda como normalidade?

Penso que é essa distorção de valores, que afeta a sociedade como um todo, que faz com que também um pobre que emerge queira também pisar em outros para se sentir alguém.

Se queremos mudar isso, então seria essencial mudar exatamente essa mentalidade, essa forma estranha de convivência social que inventamos, mas que só serve para descaracterizar o lado humano de nossa sociedade.

Os pobres deixarão de tratar mal outros mais pobres no dia em que todos pararmos para perceber que é preciso bem mais que ter para ser e que poder material não torna ninguém melhor que ninguém. Os pobres aprenderão a respeitar outros mais pobres no dia em que eles mesmos perceberem que se é respeitado por ser quem é (um ser humano que tem uma dignidade inviolável!) e não pelo que se tem, já que ninguém aprende a respeitar se ele nunca foi respeitado.

Precisamos é retomar nossos valores e recuperar nossa humanidade, entendendo que a verdadeira superioridade não pode ser comprada e não se adquire através de riqueza material. A verdadeira superioridade nasce é dentro de nós. Uma pessoa verdadeiramente superior não é aquela que se acha melhor, mas sim que a entende que esse negócio de gente melhor ou pior não existe, tanto faz se rica ou pobre.

*Por Gustl Rosenkranz

 

 

 

………………………………………………..
*Fonte: fasdapsicanalise

Tsundoku: Mania de acumular mais livros do que pode ler

Comprar livros, livros e mais livros. Investir na formação educacional e cultural é importante, mas e quando a gente “perde a mão” e acumula leituras que jamais chegará a ler? Para esta prática, os japoneses têm um nome e se chama Tsundoku. Com origem no século 19, “tsunde oku” significa empilhar e deixar de lado por um tempo e “doku” corresponde ao verbo ler.

Tsundoku é nada mais que a intenção de ler livros e eventualmente ir criando uma coleção. Qualquer pessoa que tenha em casa livros (empoeirados e nunca abertos) comprados na melhor das intenções vai entender. Apesar do termo não ter uma conotação negativa, o CicloVivo traz algumas reflexões sobre o tema. A intenção não é que você abandone seus livros, pelo contrário: que você invista mais tempo em leituras e menos em coleções sem propósito.

Cultura ou status?

O hábito de empilhar livros e mais livros em prateleiras é antigo. Parece que quanto maior a livraria, maior o conhecimento -, o que não é necessariamente verdade. Enquantos alguns gostam de se exibir, outros enganam a si próprios ao acreditar que lerá sim aquele novo livro super recomendado (por mais que o tema nem lhe chame tanta atenção).

Há ainda os que acreditam que ter mais livros do que é capaz de ler em uma vida é uma forma de humildade, algo como: “quanto mais leio, mais entendo que não sei de nada”. Em outras palavras, seria uma forma de manter-se ciente de que é impossível deter o conhecimento. Filosofias à parte, a prática de acumular publicações pode ser “cult”, mas é preciso se segurar para não ser vazio de sentido.

Sugestões para os maníacos por livros

O que você pode fazer para mudar isso? Primeiro, se você ainda não acumulou tantos livros quanto gostaria aproveite para refletir sobre a necessidade de cada desejo literário. Será que aquele livro que você tanto quer não está disponível online? Será que não há uma biblioteca em seu bairro onde você poderia pegá-lo emprestado? Aliás, essa dica também vale para o caso de você já ter uma quantidade razoável de livros em casa: empreste. Esqueça a besteira de ter ciúmes de livros. Conhecimento está aí para isso mesmo, ser compartilhado. Aqueles livros que você nunca leu – e nem tem a intenção de ler-, nem pense duas vezes: doe.

Aprenda a viver mais leve. Disponha as publicações organizadas e visíveis (será mais fácil se ela for menor). E por fim, sinta o prazer de ter uma biblioteca pequena, mas que é realmente usada. Afinal, pior que ter centenas de livros entulhados em caixas é deixá-los sem uso pegando pó. Se este for o seu caso, assuma nesta semana mesmo o compromisso de dar um jeito na bagunça e iniciar uma rotina de leitura diária. Não tem tempo? Não seja por isso: limite o tempo de uso de redes sociais ou TV à noite, faça um chazinho e curta seus minutos extras com uma aconchegante leitura.

*Por Marcia Souza

 

 

 

 

…………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo