Cientista sugere que a consciência humana cria a nossa realidade

Existe uma realidade física que é independente de nós? A realidade objetiva existe? Ou a estrutura de tudo, incluindo o tempo e o espaço, é criada pelas percepções do observador? A afirmação inovadora vem de um novo artigo cintífico publicado no Journal of Cosmology and Astroparticle Physics.

Os autores do artigo incluem Robert Lanza, especialista em células-tronco e medicina regenerativa, famoso pela teoria do biocentrismo, que argumenta que a consciência é a força motriz para a existência do universo. Ele acredita que o mundo físico que percebemos não é algo que está separado de nós, mas que é criado por nossas mentes enquanto o observamos. De acordo com sua visão biocêntrica, o espaço e o tempo são um subproduto do “turbilhão de informações” em nossa cabeça que é tecido pela nossa mente de uma maneira coerente.

Seu novo artigo, com a co-autoria de Dmitriy Podolskiy e Andrei Barvinsky, teóricos da gravidade quântica e cosmologia quântica, mostra como os observadores influenciam a estrutura de nossa realidade.

De acordo com Lanza e seus colegas, os observadores podem afetar dramaticamente “o comportamento de quantidades observáveis” tanto em escalas microscópicas quanto massivas. Na verdade, uma “mudança profunda em nossa visão de mundo cotidiana comum” é necessária, escreveu Lanza em uma entrevista ao Big Think. O mundo não é algo que se forma fora de nós, simplesmente existindo por conta própria. “Os observadores finalmente definem a estrutura da própria realidade física”, afirmou.

Como os observadores podem criar a realidade?
Como isso funciona? Lanza afirma que uma rede de observadores é necessária e é “inerente à estrutura da realidade”. Como ele explica, observadores — você, eu e qualquer outra pessoa — vivem em um universo gravitacional quântico e vêm com “um modelo cognitivo globalmente de acordo” com a realidade, trocando informações sobre as propriedades do espaço-tempo. “Pois, uma vez que você mede algo”, escreve Lanza, “a onda de probabilidade de medir o mesmo valor da quantidade física já sondada torna-se ‘localizada’ ou simplesmente ‘colapsa’”. É assim que a realidade se torna consistentemente real para todos nós. Uma vez que você continue medindo uma quantidade várias vezes depois, sabendo o resultado da primeira medição, você verá o mesmo resultado.

“Da mesma forma, se você aprender com alguém sobre os resultados de suas medições de uma quantidade física, suas medidas e as de outros observadores influenciam uns aos outros congelando a realidade de acordo com esse consenso”, acrescentou Lanza, explicando ainda que “um consenso de opiniões diferentes sobre a estrutura da realidade define sua própria forma, moldando a espuma quântica subjacente”, explicou Lanza.

Em termos quânticos, um observador influencia a realidade através da decoerência, que fornece a estrutura para ondas de probabilidade em colapso, “em grande parte localizadas nas proximidades do modelo cognitivo que o observador constrói em sua mente ao longo de sua vida”, acrescentou.

Lanza diz: “O observador é a primeira causa, a força vital que colapsa não só o presente, mas a cascata de eventos espaço-temporais que chamamos de passado. Stephen Hawking estava certo quando disse: “O passado, como o futuro, é indefinido e existe apenas como um espectro de possibilidades.”


O universo poderia ser uma simulação?

Poderia uma entidade artificialmente inteligente sem consciência estar sonhando nosso mundo? Lanza acredita que a biologia desempenha um papel importante, como ele explica em seu livro The Grand Biocentric Design: How Life Creates Reality, que ele escreveu com o físico Matej Pavsic.

Enquanto um robô poderia ser um observador, Lanza acha que uma entidade viva consciente com capacidade de memória é necessária para estabelecer a seta do tempo. “‘Um observador sem cérebro’ não experimenta tempo e/ou decoerência com qualquer grau de liberdade”, escreve Lanza. Isso leva à causa e efeito, relacionamentos que podemos notar ao nosso redor. Lanza acha que “só podemos dizer com certeza que um observador consciente realmente colapsa uma função de onda quântica”.

A Equação de Deus
Como Robert Lanza também escreveu ao Big Think, outro aspecto fundamental de seu trabalho é que ele resolve “a incompatibilidade exasperante entre a mecânica quântica e a relatividade geral”, que era uma impossibilidade até mesmo para Albert Einstein.

A aparente incongruência dessas duas explicações do nosso mundo físico — com a mecânica quântica olhando para os níveis moleculares e subatômicos e a relatividade geral nas interações entre estruturas cósmicas maciças como galáxias e buracos negros — desaparece uma vez que as propriedades dos observadores são levadas em conta.

Embora tudo isso possa parecer especulativo, Lanza diz que suas ideias estão sendo testadas usando simulações de Monte Carlo em poderosos aglomerados computacionais do MIT e em breve serão testadas experimentalmente. [Big Think]

*Por Marcelo Ribeiro

……………………………………………………………………………………….
*Fonte: hypescience

A cultura do Instagram retratada em seis ilustrações

O artista russo Anton Gudim retrata a cultura do Instagram em suas seis ilustrações que compila perfeitamente o que se passa naquela rede social.

Quantas vezes vemos fotos de alimentos, paisagens, produtos de beleza, coisas que não tem nada a ver com nada. E sempre com alguém posando no fundo, ou em destaque mesmo.

Tudo depende do ângulo. De fato, muitas vezes as pessoas que são viciadas em Instagram ou redes sociais em geral, preferem posar para uma foto, escolher o melhor filtro e ângulo ao invés de simplesmente aproveitar a vida, ou o local onde se encontra.

É um misto de narcisismo com insegurança, já que a corrida é para ver quem visitou lugares mais legais e tem a vida mais cool.

“Com base em minha própria experiência, vi milhões de fotos como essa no Instagram”, disse o artista em uma entrevista. “Não é minha intenção fornecer comentários sociais sobre os hábitos superficiais e narcísicos do mundo moderno, é para o leitor decidir com sua própria interpretação.”

Anton comenta que seus quadrinhos são uma maneira de descobrir as profundezas de sua própria imaginação e que ele está feliz por poder inspirar e entreter outras pessoas. “Não quero fazer as pessoas rirem, mas acredito que é importante para os artistas adicionar um pouco de humor em suas obras”, diz.

*Por Flavio Croffi

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

………………………………………………………………
*Fonte: geekness

Existe a realidade? O experimento que indica que, no nível quântico, não há fatos objetivos

Na vida cotidiana, há fatos que são indiscutíveis.

Se duas pessoas, por exemplo, observam uma bola de tênis, ambas aceitarão que ela é uma esfera. Se elas jogam uma pedra para cima, não poderão negar também que o objeto vai voar pelos ares e depois cairá no chão.

Esses são “fatos” e constituem o que chamamos de “realidade”. São coisas que continuarão sendo verdadeiras, independentemente de quem as observa, ou mesmo se ninguém as observar.

A questão, no entanto, se complica quando mudamos nosso foco para escalas nanométricas em que, de acordo com a física quântica, as regras que regem nosso mundo parecem não se aplicar da mesma maneira.

Nesse nível, acontecem coisas estranhas que até agora só foram formuladas de maneira teórica, mas um grupo de pesquisadores afirma que, pela primeira vez, foi capaz de demonstrar em um experimento que no nível quântico não há “fatos objetivos” e que a realidade depende de quem a vê.

Pontos de vista

A teoria quântica afirma que o observador de um fato influencia em como esse fato é percebido.

É como dizer que uma mesma bola de tênis para uma pessoa pode representar uma esfera, mas para outra, um cubo.

Para provar isso, físicos da Universidade Heriot-Watt, na Escócia, criaram uma experimento que envolveu quatro observadores: Alice, Amy, Bob e Brian.

Esses personagens não são pessoas. Eles são, na verdade, quatro máquinas sofisticadas em um laboratório.

No teste realizado com eles, Alice e Bob recebiam uma mensagem, que nesse caso era um fóton, ou seja, uma partícula quântica da qual a luz é composta.

Depois, Alice e Bob enviavam esse fóton a Amy e Brian, ou seja, transmitiam a mensagem a eles.

Eis o que surpreendeu os pesquisadores: apesar de Alice e Bob terem enviado a mesma informação a Amy e Brian, os dois últimos a interpretaram de maneira diferente.

O processo é bastante complexo, mas poderia ser exemplificado como um telefone quebrado em que uma mesma mensagem se transforma à medida que passa de uma pessoa para outra.

Este resultado está relacionado a um conceito de mecânica quântica que diz que as partículas podem se entrelaçar e mudar dependendo de quem as observa.

Para entender melhor as implicações do experimento, a BBC News Mundo, o serviço de notícias em espanhol da BBC, conversou com o físico Alessandro.

Qual é a principal contribuição deste experimento?

Esta é a primeira vez que alguém realiza um experimento mostrando que os fatos não são universais no nível quântico.

A mensagem é que na teoria quântica não há fatos objetivos. Isso quer dizer que um mesmo fato não é visto da mesma forma por diferentes observadores.

Isso é algo que normalmente não esperamos na ciência, porque na ciência é muito importante que os fatos sejam iguais para todos que os observam.

Quando falamos de fatos na vida real, são coisas que podem ser verificadas muito rapidamente. O que estamos dizendo é que na teoria quântica, em um nível profundo, os fatos não são objetivos.

Isso quer dizer que os fatos não existem?

Os fatos existem, mas podem ser subjetivos. Na ciência, é muito importante que haja fatos sobre os quais todos possamos estar de acordo, que é o que permite o desenvolvimento científico.

Ocorre que, na teoria quântica, talvez esse não seja o caso, ou seja, diferentes observadores podem ter acesso a diferentes fatos que podem coexistir entre eles.

Na vida cotidiana, isso dificilmente nos afetará, mas significa que teremos de reescrever ou mudar nossa compreensão do que a mecânica quântica realmente significa no nível fundamental.

Este experimento pode ser visto como prova de que ‘fatos alternativos’ existem?

Eu vi gente tomando este experimento como uma forma de dizer que existem realmente “fatos alternativos”. “Essas pessoas sempre vão dizer o que se encaixa em suas crenças, mas nada do que vimos em nossa pesquisa sustenta essas afirmações”, disse Fedrizzi.

Existe a realidade em nível quântico?

Ainda há debate sobre se sistemas quânticos têm uma realidade. Esse experimento não redefine o que é a realidade, mas questiona como percebemos essa realidade e afirma que a realidade observada por um indivíduo pode não ser a mesma que outro observa.

Os cálculos usados ​​na ciência não marcam uma linha entre o quântico e o que chamamos de clássico. As fórmulas não nos dão uma regra sobre em que ponto exatamente as coisas deixam de ser clássicas.

Em teoria, eu poderia descrever qualquer coisa, incluindo o universo inteiro, como um sistema quântico, no entanto, experimentalmente ainda estamos tentando descobrir se existe uma fronteira. Até agora, os sistemas que temos conseguido ver que são regidos pela mecânica quântica são muito pequenos, são sistemas de nanogramas ou microgramas.

Como assim?

Eu poderia descrever uma bola de tênis usando as regras da mecânica quântica, mas o que acontece é que as propriedades quânticas que ela possui são imperceptíveis em um objeto tão grande. As quantidades obtidas do tratamento quântico deste grande objeto tão grande nos dizem que os efeitos quânticos nessa escala simplesmente não podem ser observados no mundo real.

Isso não significa que não seja quântico, apenas significa que os efeitos não são visíveis nessa escala. Mas, atualmente, não podemos dizer se a bola de tênis é um sistema clássico ou um sistema quântico.

Qual é o próximo passo?

Gostaríamos de aplicar este experimento com observadores cada vez maiores, talvez um dia com observadores conscientes. Talvez falhe, nesse caso podemos concluir que na verdade existe uma escala acima da qual a mecânica quântica já não se aplica.

Mas se funcionar, uma conclusão pode ser que, mesmo para observadores humanos, as observações podem ser subjetivas.

Nesse ponto, possivelmente precisaremos questionar até mesmo a realidade dos fatos objetivos que percebemos em nossa vida cotidiana.

*Por Carlos Serrano

………………………………………………………………
*Fonte: bbc-brasil

Somos nós que criamos a nossa própria realidade – diz neurocientista

Ter uma mente tranquila em meio à agitação e aos estímulos que estamos expostos na era da informação pode parecer um luxo. Mas, segundo o neurocientista norte-americano Frederick Travis, este é um luxo que qualquer um pode arcar: basta praticar meditação, mais precisamente a meditação transcendental — ou MT, para os íntimos —, na qual ele é especialista.

Mestre em psicologia, Travis é um dos porta-vozes mundiais desta vertente, que é uma das mais praticadas no mundo, seja por pessoas comuns que querem mudar a percepção que têm da realidade, ou por artistas que querem trabalhar a criatividade, como Jerry Seinfeld, David Lynch, Paul McCartney e Ringo Starr.

Os benefícios em relação à mente — que, além de criatividade, incluem memória, foco e outras habilidades — também atraem administradores para os cursos do Centro de Cérebro, Consciência e Cognição da Universidade de Gestão Maharishi, do qual o Travis é diretor.

Para explicar à prática, que tem base no Oriente, o neurocientista recorre à uma analogia: “Nossa mente é como uma faca. Conforme você a usa, ela fica cega. Assim, você precisa forçá-la cada vez mais para que ela funcione. Então, alguém se oferece para amolar essa faca. Na correria, você diz que não tem tempo, e continua usando-a com dificuldade. O que você não sabe é que só leva vinte minutos para afiar a faca e que quando ela voltar tudo vai ficar mais fácil e rápido. É o que a MT faz com a nossa mente”.

Para entender melhor como a MT funciona, a GALILEU conversou com o especialista, durante sua passagem pelo Brasil, em um evento da Unifesp e a Associação Internacional de Meditação (SIM). Acompanhe a conversa:

O senhor acha que alguns conceitos de física e filosofia podem ajudar na compreensão da MT?

Na verdade, não. A MT é quase como um processo mecânico, não um processo intelectual. Fazendo uma analogia: é como nossa habilidade para correr ou andar. Com a MT acredito, no entanto, que podemos ficar mais preparados para entender o que a física está querendo nos dizer, por exemplo, porque os conceitos da mecânica quântica estão muito além da nossa experiência — como o princípio da incerteza que, afirma que os elétrons podem estar em vários lugares ao mesmo tempo.

Qualquer um que ouça isso vai pensar que é loucura. Mas, uma vez que você transcende sua mente para além do tempo e do espaço, você tem a sensação de que talvez este seja mesmo o caso. Talvez, o mundo em que vivemos seja só uma superfície, embaixo dele pode existir algo mais conectado, mais expandido.

Isso tem a ver com a analogia que David Lynch faz com a MT: “As idéias são como peixes. Se você quiser pegar o peixe pequeno, pode ficar na água rasa. Mas se você quiser pegar o peixe grande, tem que ir mais fundo”. Isso é cientificamente preciso?

Sim. Por exemplo, enquanto nós estamos falando agora, pequenas áreas do seu cérebro estão se ativando. Você tem que entender inglês, pensar em como vai traduzir isso para o português e em como as pessoas vão entender tudo.

Quando você transcende, o que você vê é que as áreas do cérebro se conectam, e o cérebro todo passa a funcionar como se fosse um. É o que acontece naquele momento “eureka”, em que você soluciona um problema, você tem a reestruturação completa de uma ideia. As palavras poéticas de Lynch vem dessa experiência que observamos na ciência.

Você acha que é possível entender melhor de MT assistindo às obras de David Lynch?

Há algum tempo, estive com ele conversando sobre o cérebro e a criatividade. E ele costuma dizer que, se você quiser ter algum envolvimento com MT, “não assista aos meus filmes”. [Risos.]

O que ele faz é explorar os sentidos e para algumas pessoas isso pode ser muito perturbador. Mas ele vai para além das emoções. É como se dissesse: O que aconteceria aqui se isso acontecesse ali? Como seria isso? O que acontece quando as pessoas saem da sua zona de conforto e começam a pensar de um jeito diferente? A maioria dos filmes dele não são sobre MT, mas sobre o que a MT pode fazer.

No filme A Montanha Sagrada, do cineasta chileno Alejandro Jodorowsky, aparece a frase: “Nossos pensamentos têm formas, e existe um monstro em nossa mente”. A neurociência pode explicar isso ou é puramente poesia?

Não sei sobre a parte dos monstros, mas, em relação às formas, o que se sabe é que quando lembramos de algo, em certo nível, é possível ver a forma dos pensamentos em termos de distribuição pelo cérebro e espaço, e como essa função de distribuição muda no tempo.

Então acho que essa ideia de pensamentos tendo formas pode ser verdade. As formas não são feitas de carbono e de átomos, não seria uma coisa que você pega na mão. Seria mais como uma distribuição de atividade, com análises de sinais você pode aproximar esse fluxo do tempo e ter uma noção da forma.

Em vários livros — como em Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?, que inspirou Blade Runner —, o escritor Philip K. Dick brinca com a forma como percebemos a realidade. Em várias de suas histórias, a “realidade” sequer é real. Com a MT podemos ter esse tipo de percepção também?

Sim. Na verdade, somos nós que criamos a nossa própria realidade. Ela não é formada por objetos concretos externos. O que acontece com esses objetos é que podemos conectá-los com o nosso entendimento de mundo, com experiências e impressões do passado. Constantemente estamos criando este tipo de realidade.

Quando você vê um indivíduo, você não o vê só como um objeto neutro, você o vê com toda carga emocional que temos dele. O problema é que essa carga emocional pode ser errada. E como isso se relaciona com a MT? Quando você acalma a mente, entende que existe um outro estado de consciência, um quarto estado, que não é o acordado, o dormindo e nem o sonhando. Para meditadores regulares, isso pode se tornar parte da vida diária.

Então, a pessoa passa a ter referências estáveis e começa a perceber o mundo de forma diferente. Em estados elevados de consciência, você passa a ver a natureza da mecânica quântica em tudo o que te cerca, você vê que tudo é criado a partir de um campo fundamental, e esse campo fundamental também é você.

Trouxe isso para falar que o mundo permanece o mesmo, mas, conforme mudamos, começamos a percebê-lo de uma forma diferente. Por exemplo, quando vamos ao trabalho e tem alguém que sempre critica o que fazemos, inicialmente, se você não medita, você vai ficar nervoso. Mas quando você se acalma, percebe que aquele é só o jeito como aquela pessoa funciona, e assim passa a percebê-la de outra forma.

Não é que você passa a pensar que tudo vai dar certo, que você tem que ter atitudes positivas. O que acontece é que você começa a perceber as coisas menos em termos de ameaças e mais em termos de que as pessoas tentam ser o melhor que elas podem. Então, você precisa dar o espaço necessário para que elas mudem.

Recentemente, estamos vivendo um boom nas pesquisas com psicotrópicos, que também são responsáveis por causar estados alterados de consciência. Esse tipo de estudo se relaciona com a TM?

Essa questão é de extrema importância. O que essas drogas fazem é aumentar o tamanho de um neurotransmissor específico do cérebro chamado serotonina, o que leva a uma mudança de percepção da realidade. O que elas fazem é dar esse senso de que existe alguma coisa a mais ali. Se você observar o cérebro durante uma experiência com ayahuasca, vai ver um crescimento de raios gama, por exemplo. Com a MT, temos outra frequência, a alfa. O resultado pode até ser parecido, mas fisiologicamente há diferenças.

Quando falo disso com meus estudantes, peço para eles imaginarem estar assistindo uma TV com uma fita que cobre 90% da tela. Com ayahuasca ou LSD, é como ver por baixo da fita, você percebe que existe mais coisa ali do que só os 10% que está vendo. Já com a MT, é como se você tirasse a fita e conseguisse ver tudo por completo. E essa habilidade de transcender é uma coisa que todos podem fazer, basta aprender.

……………………………………………………………
*Fonte: revistagalileu

Evito as redes sociais pela mesma razão que evito as drogas – diz o criador da realidade virtual

Jaron Lanier é uma das vozes mais respeitadas do mundo tecnológico. Um visionário, ele ajudou a criar nosso futuro digital e cunhou o termo realidade virtual, nos idos dos anos 1980. Além de ser um filósofo da internet, Lanier é um músico clássico, que tem uma coleção de mais de mil instrumentos.

A despeito do visual alternativo – com longos dreads nos cabelos que lembram o estilo rastafari – e de se comportar como um hippie, Lanier nunca usou drogas. Nem quando era amigo de Timothy Leary, o pioneiro do alucinógeno sintético LSD. Leary o chamava de “grupo de controle”, por sua rejeição a químicos.

Lanier é autor de vários livros sobre o impacto da tecnologia nos indivíduos e no comportamento coletivo. Neste mês, lançou The Dawn of the New Eveything (“O Despertar de Todas as Novas Coisas”, em tradução livre).

O título se refere ao momento em que o autor colocou, pela primeira vez, um desses capacetes que nos levam ao mundo da realidade virtual – momento que descreve como “transformador” e como a “abertura de um novo plano de experiência”.

Ele foi um dos primeiros a desenvolver produtos voltados à realidade virtual, no final dos anos 1980 e início dos anos 1990.

Mas, embora seja um dos protagonistas da história do Vale do Silício, é um crítico dos valores propagados por empresas como o Facebook e o Google, além de dizer que evita as redes sociais.

“Evito as redes pela mesma razão que evito as drogas – sinto que podem me fazer mal,” diz.

Lanier manifesta preocupação com o efeito “psicológico” do Facebook sobre os jovens, especialmente na formação da personalidades dos adolescentes e na construção de relacionamentos.

“As pessoas mais velhas, que já têm vários amigos e perderam contato com eles, podem usar o Facebook para se reconectar com uma vida já vivida. Mas se você é um adolescente e está construindo relacionamentos pelo Facebook, você precisa fazer a sua vida funcionar de acordo com as categorias que o Facebook impõe. Você precisa estar num relacionamento ou solteiro, tem que clicar numa das alternativas apresentadas”, explica.

“Isso de se conformar a um modelo digital limita as pessoas, limita sua habilidade de se inventar, de criar categorias que melhor se ajustem a você mesmo.”

Ele também critica a forma como Facebook, Google, Twitter e outros sites utilizam os dados de usuários.

“Existem dois tipos de informações: dados a que todas as pessoas têm acesso e dados a que as pessoas não têm acesso. O segundo tipo é que é valioso, porque esses dados são usados para vender acesso a você. Vão para terceiros, para propaganda. E o problema é que você não sabe das suas próprias informações mais.”

Busca por um mundo alternativo?

Lanier entrou pela primeira vez em contato com a ideia de realidade virtual na década de 1980. A empresa dele, a VPL, criada em 1985, foi pioneira em “capacetes com tela”, desenvolvidos para mostrar mundos gerados por computadores que enganam o cérebro.

Desde o primeiro momento, Lanier reconheceu que a realidade virtual teria duas “faces”- uma com “potencial para o belo” e outra “vulnerável ao horripilante”.

“O Despertar de todas as novas coisas” conta a história do surgimento da realidade virtual. Mas também é uma autobiografia de um homem cujos primeiros anos de vida foram absurdamente fora do comum, marcados pela tragédia, a extravagância e o perigo.

A mãe dele, nascida em Viena (Áustria), havia sobrevivido a um campo de concentração e ganhava a vida fazendo, remotamente – da casa da família no Novo México (EUA) – apostas na bolsa de valores de Nova York.

Para atender a uma inesperada ganância, ela comprou um automóvel novo da cor que Lanier escolheu. Mas, no dia em que foi aprovada no exame de direção, morreu num acidente que, depois se saberia, foi causado por uma falha mecânica daquele modelo de carro.

“Choramos durante anos”, escreveu Lanier sobre sua própria reação e a do pai. A tristeza foi agravada pelo antissemitismo e a intimidação de vizinhos e colegas de classe. Um professor disse que a mãe dele “merecia” o que aconteceu, por ser judia.

Depois que sua casa ardeu em chamas por um incêndio criminosamente provocado, foram viver em uma tenda de acampamento até que o pai sugeriu que ele desenhasse uma casa para os dois.

“Estava convencido de que nosso lar deveria ser feito de estruturas esféricas similares as que encontramos nas plantas”, conta, no livro.

Ele recorda que projetou modelos com cigarros, seu pai obteve permissão das autoridades para construir e, juntos, montaram uma edificação com formato de bola de golfe.

O pai de Lanier viveu naquela casa durante 30 anos. Um ano depois da construção, quando tinha 13 anos, Lanier foi à universidade local fazer um curso de verão de química.

Quando terminou, continuou assistindo às aulas durante o semestre, até que os professores não tiveram outra escolha senão aceitá-lo como estudante universitário. Ele aprendeu a fazer queijo de cabra para vender e pagar os custos com sua educação, e costurava suas próprias roupas.

Realidade alternativa

Seria natural pensar que, depois de tudo o que viveu, Lanier quisesse se dedicar a criar realidades alternativas, com cálculos e pixels no Vale do Silício.

Mas, ele nega que o objetivo tenha sido fugir do mundo real. Para Lanier, “a maior virtude da realidade virtual é que, quando você regressa, de repente percebe a realidade com frescor, como se fosse nova”.

“Em vez de conceber a realidade virtual como um lugar a que se vai para deixar algo para trás, a mim me parece que ela está subordinada à realidade”, explicou à BBC.

Ser lagosta

Enquanto estudava informática, leu o trabalho de Ivan Sutherland, que, na década de 1960, foi uma das primeiras pessoas a criar um capacete com tela que permitia a uma pessoa ver um mundo digital por meio de programas de computador.

Depois de uma temporada em Nova York, Lanier se mudou para a Califórnia e se uniu à incipiente indústria dos videogames. Com o dinheiro que ganhava, financiava experimentos de realidade virtual com outros matemáticos – junto com alguns deles fundou a empresa VPL.

Numa ocasião, Lanier e sua equipe ficaram obcecadas com a criação de avatares não humanos.

As lagostas representavam um grande desafio, pela quantidade de extremidades, mas eles descobriram que o cérebro humano se adapta a usar apêndices (como antenas, patas e garras) com muita rapidez.

“A maioria das pessoas aprende a ser uma lagosta com relativa facilidade”, escreve. “Para mim, foi mais fácil ser uma lagosta que comer uma.”

Um futuro virtualmente real

A empresa de realidade virtual de Lanier durou somente cinco anos, mas o legado dessa tecnologia se evidencia em cada vez mais áreas.

Por causa do alto custo, a realidade virtual não se desenvolveu de forma massiva. No entanto, fabricantes de automóveis e aviões (para provar novos desenhos de cabines), os médicos (para treinamento e tratamentos, como terapia para transtorno de stress pós-traumático), e os militares, continuam a usar a essa tecnologia.

Mas, para Lanier, a realidade virtual ainda está “presa ao passado” e não se desenvolveu plenamente.

“O que a maioria tem visto é uma versão de videogame ou um filme (com tecnologia de realidade virtual). Isso é típico de novos meios. No início, o cinema se parecia com uma peça de teatro. A realidade virtual ainda não teve a oportunidade de se libertar e ser o que é.”

O filósofo da internet também faz projeções preocupantes sobre o futuro, com o crescimento da automação e o desaparecimento de empregos.

Para ele, é preciso mudar o modo como a economia está organizada, para evitar que a robótica crie uma massa de pessoas com fome e sem ocupação.

“Uma ideia é criar um contrato social, pelo qual pagamos uns aos outros por coisas que nos interessam online. O objetivo é garantir o sustento das pessoas quando as máquinas forem boas o suficiente para dirigir os onibus e caminhões”, sugere.

“Ou nós monetarizamos o que as pessoas fazem ou adotamos o socialismo… Ou deixamos um monte de gente passar fome, porque não achamos que elas servem mais. A terceira opção parece ser a que está sendo adotada, pelo menos nos Estados Unidos.”

…………………………………………………………..
*Fonte: bbcbrasil