Um impactante curta nos brinda com uma das lições mais importantes da vida: saber quando desistir

A vida não é uma corrida de velocidade, mas de resistência. Isso significa que para chegar mais longe e em melhor forma é necessário manter um certo equilíbrio: saber quando é hora de apertar o passo e quando é necessário desacelerar ou mesmo parar para recuperar a força. No entanto, a verdade é que manter esse equilíbrio é difícil, especialmente quando as emoções são mediadas.

A armadilha do “investimento emocional”
Uma das armadilhas mortais em que normalmente caímos está na “inversão emocional”. Na prática, não queremos abandonar um projeto, um relacionamento ou qualquer outra coisa a que nos sentimos amarrados, simplesmente porque investimos tempo, esforço e sentimentos nele.

Na verdade, é uma armadilha muito comum no campo dos negócios. Uma pessoa investiu tanto em uma atividade que, embora não funcione mais e gere perdas, a pessoa se recusa a reconhecê-la e continua investindo em uma barca furada.

No campo dos relacionamentos, isso também acontece. Muitas pessoas pensam que passaram tantos anos juntos que não há como separar. Elas acreditam que perderão esse “investimento emocional”, e ainda estão imersos em um relacionamento que está realmente desgastando e que tira o desejo de viver.

Este curta-metragem mostra-nos, de maneira inequívoca, que às vezes não sabemos quando é hora de parar e permanecemos obcecados com o nosso objetivo, sem perceber que a vida pode ser desperdiçada nele. Também nos mostra a enorme influência que os hábitos podem ter nas decisões que tomamos, então preferimos permanecer ligados a eles, em vez de mudar.


Desistir a tempo não é fracassar

Embora associemos a palavra “desistir” com o fracasso ou falta de vontade, a verdade é que às vezes é a decisão mais inteligente. Você tem que saber quando você pode continuar a investir emocionalmente e quando é hora de parar. Se não formos capazes de reconhecer esse ponto, podemos literalmente arruinar nossas vidas.Felizmente, existem alguns sinais que indicam que talvez tenha chegado a hora de mudar de rumo:

1. Os resultados esperados estão cada vez mais distantes. Se você está dando o seu melhor e tem lutado por um longo tempo, mas os resultados que espera estão cada vez mais longe, talvez seja melhor reavaliar seus objetivos ou o caminho que você tomou.

2. O desgaste que você está sofrendo não vale a pena. Cada objetivo geralmente representa um desafio, para alcançar algo que realmente vale a pena, um certo nível de compromisso e esforço é necessário. No entanto, tudo tem um limite, então se o desgaste que você está sofrendo é muito grande, você pode ter que se perguntar se realmente faz sentido continuar se sacrificando.

3. As circunstâncias mudaram. Às vezes você pode estar tão absorvido em um projeto ou em um relacionamento que você perde de vista o contexto e não percebe que as circunstâncias mudaram, fazendo o seu esforço em vão. Portanto, de vez em quando, é conveniente parar e reavaliar a viabilidade de seus objetivos.

Estou Aprendendo A Não Reagir A Tudo Que Me Incomoda

Lentamente estou aprendendo que a energia que eu gasto para reagir a cada coisa ruim que acontece me esgota e me impede de ver o lado bom da vida. Eu estou aprendendo que não preciso machucar de volta quem me machucou.

Às vezes, o sinal máximo de maturidade é virar as costas ao invés de pagar na mesma moeda. Eu estou aprendendo que não posso agradar todo mundo, e tudo bem com isso. Eu estou aprendendo que tentar ganhar a afeição de todo mundo é uma perda de tempo e de energia, e que me enche apenas de vazio.

Eu estou aprendendo que não reagir não significa que eu estou bem com as coisas, e sim que eu apenas estou lidando com elas. Eu estou escolhendo tirar isso como lição e aprender com a situação. Eu estou escolhendo ser melhor. Escolhendo a minha paz de espírito porque é o que eu realmente preciso.

Não quero mais drama. Não preciso de ninguém me fazendo sentir que não sou boa o suficiente. Eu não preciso de brigas e discussões. Eu estou aprendendo que, de vez em quando, não dizer nada diz tudo.

Eu estou aprendendo que reagir ao que me faz mal dá poder para outra pessoa sobre as minhas emoções. Você não pode controlar o que os outros fazem, mas pode controlar como você responde, como você lida, como você interpreta e quanto disso você leva para o lado pessoal. Eu estou aprendendo que na maior parte do tempo, essas situações não dizem nada a respeito de mim, mas sim a respeito do outro.

Eu estou aprendendo que talvez todas essas decepções são simplesmente para me ensinar a me amar, porque esse amor é a armadura e o escudo que eu preciso contra quem tenta me derrubar. É o que me salva quando alguém tenta diminuir minha confiança ou questionar o meu valor.

Eu estou aprendendo que mesmo que eu reaja, isso não vai mudar nada, não vai fazer ninguém me amar ou respeitar e não vai magicamente mudar a mente de ninguém. Às vezes é melhor simplesmente deixar estar, deixar pessoas irem, não lutar por fechamento, não pedir explicações, não procurar respostas e não esperar que alguém entenda a minha história.

Eu estou aprendendo que a vida é melhor vivida quando eu não foco no que está acontecendo ao meu redor, e sim quando eu foco em mim mesma. Trabalhar em mim e na minha paz interior me faz perceber que não reagir a toda pequena coisa que me incomoda é o primeiro ingrediente para viver uma vida feliz e saudável.

……………………………………………………………………………………………………….
*Texto de Thought Catalog, traduzido e adaptado por Portal Raízes

Tédio social ou por que não vamos mais com a cara de ninguém depois da pandemia

Já sabemos que a pandemia impactou em mais áreas da nossa vida, além da nossa saúde. Obviamente, também o fez em nossa economia e em nossas perspectivas de curto prazo. Mas também o fez em nossas relações pessoais. Com amigos, parceiros ou familiares. Mas se déssemos uma olhada nas redes sociais, poderíamos dizer que o fenômeno é um pouco maior, algo mais generalizado. Existe um tédio social. Algo como se depois da pandemia fôssemos um pouco menos com a cara de todo mundo do que antes. Como se estivéssemos decepcionados com a sociedade.

“As consequências sociais da pandemia foram variadas, marcadas pela ambivalência entre o positivo e o negativo”, explica Juan Antonio Roche Cárcel, presidente do Comitê de Sociologia das Emoções da Federação Espanhola de Sociologia (FES). O sociólogo, que publicou vários estudos sobre as consequências sociais do coronavírus, insiste que houve uma “tensão entre as forças individualizantes e comunitárias”. Em outras palavras, “existem aspectos de maior egoísmo individual e aspectos de maior sentido comunitário”. Mas parece que, no final das contas, alguns nos impactaram mais do que outros.

Os confrontos não aconteceram apenas nas varandas dos bares ou nas reuniões familiares. Tampouco apenas nos grupos de WhatsApp. Toda a sociedade parece ter se polarizado na hora de opinar sobre novos assuntos, como o uso correto ou não das máscaras ou a aplicação das vacinas. Cada um com seus argumentos. “Houve uma polarização do político que também afeta a esfera privada”, insiste Juan Antonio Roche Cárcel. Pois o debate de nossos políticos passou das discussões nos meios de comunicação às nossas videoconferências. Mas principalmente às nossas discussões no Twitter, com muitos desconhecidos. “As redes sociais serviram, por um lado, para conectar famílias ou amigos, mas também para gerar fake news, uma exacerbação das emoções, uma intensificação dos ódios, o desrespeito pelo diferente. Esta situação gerou medo e solidariedade, que são duas das grandes respostas sociais que estiveram presentes nestes meses”, insiste o sociólogo.

Tudo isso impactou também nos meios de comunicação. No início da pandemia, nos aferrávamos às imagens dos aplausos para os profissionais da saúde, das comunidades de moradores fazendo compras para os idosos ou dos restaurantes distribuindo refeições gratuitas aos mais necessitados. A estas alturas, as imagens predominantes da pandemia são as de festas ilegais, as frases com desculpas impossíveis para desrespeitar as restrições ou as pessoas que chegaram a enfrentar até mesmo a polícia. Ambas as realidades representam apenas grupos de pessoas e nem sempre as maiorias. No entanto, onde o foco da atenção é colocado, marca a nossa forma de entender a sociedade em seu conjunto.

Amplificação das emoções
Para além de todos os fatores externos, o tédio social também tem a ver com o cansaço emocional que implicou ver nossas vidas transtornadas durante um tempo tão longo. Como exemplo, o estudo da Ipsos Digital para a Unilever concluiu que 61% dos espanhóis consideram que seu bem-estar mental diminuiu.

“Depois deste longo período de pandemia, embora pareça que finalmente começamos a ver a luz e deveríamos ter muita vontade de nos relacionarmos, existe um estado de apatia social generalizada”, reflete a psicóloga Eli Soler. “A situação de confinamento minou o moral de muitas pessoas. Algumas até se acostumaram com o pouco contato social e afirmam que têm preguiça de voltar a se relacionar”.

A especialista acrescenta que a pandemia trouxe uma maior suscetibilidade e uma amplificação das emoções. Ficamos trancados, com uma rotina restrita. Algo parecido com o que aconteceu nas primeiras edições do Big Brother, em que os participantes repetiam que “aqui dentro tudo se intensifica”. “Esta semelhança é um exemplo muito bom, principalmente a primeira edição. Nós, como sociedade, também não esperávamos um confinamento tão longo nem tão estrito. Depois da primeira fase de euforia e da sensação de aproveitar o tempo que nos era dado, com o passar das semanas veio o desespero e o desgaste. Veio aquilo de ficar em casa usando um eterno pijama, como os participantes desse reality show, e de não ter vontade de fazer nada além de comer e assistir Netflix”.

O ambiente de polarização e a sensação de desgaste individual também marcaram a forma como nos comunicamos e nos entendemos. Ou melhor, a forma de gerar mal-entendidos. Principalmente nas redes sociais, onde a falta de linguagem não verbal, de expressões e entonações muitas vezes leva a perverter as mensagens.

“Estivemos muito mais irritáveis, tensos e tudo isso nos levou a discutir mais com nossa família ou com nosso parceiro”, insiste Eli Soler a respeito dos casos que continua atendendo em seu consultório. “As redes sociais foram uma janela externa para a vida social, mas em muitas ocasiões foram usadas mais como via de escape do que como ferramenta social funcional.” Acontece que em um momento que socializávamos, o fazíamos justamente com os assuntos que mais nos levavam a discutir. Tudo isso levou a que nos fechássemos mais em nós mesmos e em nossas opiniões, a que perdêssemos o contato e a confiança com algumas pessoas próximas e, definitivamente, que perdêssemos a perspectiva sobre algo fundamental: a empatia. Porque nem todo mundo atravessava a mesma situação, nem tinha as mesmas circunstâncias familiares ou financeiras ou não sabia administrar suas emoções da mesma forma.

“Mas está terminando, pouco a pouco”, acrescenta como um raio de luz a psicóloga, tendo em vista a realidade europeia. Ela insiste que agora que as vacinas estão chegando para proteger nossa saúde física é um bom momento para abordar nossa saúde mental. “Por isso, para sair desse estado cinza, a melhor coisa a fazer é se ativar, entrar em movimento. Obrigar-se a reencontrar os amigos, voltar a fazer as atividades que antes nos motivavam e obrigar-se a seguir uma rotina regular. Porque cuidar das nossas emoções é cuidar da nossa saúde mental”, conclui a especialista.

*Por Silvia C. Carpallo
…………………………………………………………………………………………….
*Fonte: elpais

Seis comportamentos que fazem as pessoas se afastarem de nós

A maioria de nós gosta de ter sucesso em nossas relações pessoais. Mas ter a atitude certa é crucial para esse fim. Na verdade, existem certos comportamentos que, se reiterados, podem acabar afastando os demais do nosso convívio. O psicólogo José Elías Fernández González, membro do Colégio de Psicólogos de Madri, na Espanha, nos conta quais são os mais habituais desses comportamentos, e o que podemos fazer para melhorar essas características caso as tenhamos.

1. Levar as coisas a ferro e fogo

Podemos nos magoar, por exemplo, quando um chefe reconhece os resultados de um colega, mas não os nossos. É preciso, porém, aprender a relativizar essas pequenas punhaladas no ego e “não autoquestionar nosso valor nem se subvalorizar”, recomenda o especialista.

Para lidar com isso, é preciso ser capaz de pensar que não somos os melhores em tudo. Só assim conseguiremos tirar um grande peso de cima: “Seria exaustivo se todos sempre recorressem a nós”, diz o psicólogo. “Além disso, não podemos ser especialistas em todos os aspectos profissionais e pessoais. Há pessoas que têm ideias melhores que as nossas em determinados assuntos.”

Também devemos tentar não levar tudo para o terreno pessoal, porque não somos o umbigo do mundo. Devemos tentar manter o controle sobre nossas emoções e não reagir exageradamente aos acontecimentos cotidianos.

2. Ser ciumento por natureza

O monstro de olhos verdes tampouco ajuda a criar um círculo de amizades saudável. No âmbito social, muitas vezes o ciúme é entendido como uma amostra de que nos importamos com os outros, mas neles só encontramos frustração e mal-estar. “Geram sentimentos de inveja, obsessão ou controle que de maneira inconsciente e involuntária se manifestam e projetam nos outros, o que pode levá-los a fugir de nós”, esclarece Fernández González.

Para combater o ciúme, devemos aprender a valorizar nossos pontos fortes e virtudes, assim como as coisas boas que nos acontecem. “É preciso evitar comparações com os outros.”

3. Necessitar de constantes elogios

Todo mundo gosta de receber elogios ou afagos de quem nos cerca. Mas cuidado, porque, se nossa autoestima depender da validação constante por parte dos outros, ela se voltará contra nós. Ser viciado em elogios também pode turvar suas amizades.

Fernández González afirma que não cabe às pessoas que nos cercam nos manter motivados e com o ego alimentado. “Cada um é único e irrepetível, e não temos por que sempre contentar a todos, e sim a nós mesmos.”

O amor próprio é a chave. Isso tampouco significa que devamos nos tornar vaidosos ou egocêntricos, só que tenhamos consciência de que a forma como os outros nos veem é apenas uma amostra da realidade, que nem sempre é a correta.

4. Não aceitar críticas construtivas

Ninguém gosta de ter suas falhas ressaltadas, mas de vez em quando vai bem que nos chamem a atenção para elas. Entretanto, não devemos confundir isso com a atitude daquelas pessoas que só veem o que está ruim, já que isso pode acabar sendo negativo para o crescimento pessoal.

Como disse Joe E. Brown a Jack Lemmon em Quanto Mais Quente Melhor, “ninguém é perfeito”. “Reconhecer nossos defeitos é uma força que gera autoestima e nos ajuda a adotar mecanismos para superá-los”, observa Fernández González.

O psicólogo afirma que, se não aprendermos a aceitar os comentários negativos, nunca tentaremos superar e eliminar nossas desvantagens. Também insiste na necessidade de uma boa comunicação com os outros, já que são os bons amigos que nos ajudam a ter uma visão mais objetiva dos nossos comportamentos e nos motivam a melhorá-lo: “É fundamental para o sucesso nas relações, e também para ter uma visão saudável sobre nós mesmos”.

5. Fazer-se constantemente de vítima

Assumir esse papel para causar pena ou compaixão funcionará durante pouco tempo. Segundo o especialista, há uma realidade: “Todos queremos estar com pessoas alegres e felizes”. Isto não significa que você nunca possa compartilhar as fases ruins ou as coisas negativas com seus amigos. Porém, se abraçarmos a negatividade como filosofia e o vitimismo como atitude perante a vida, os outros fugirão de nós “como da peste”.

“Alguns só podem ver a parte negativa das coisas que lhes acontecem, ou sempre se antecipam ao que vai acontecer no futuro, e isso não lhes permite ser felizes. Se dependesse deles, o mundo já não existiria mais”, afirma o psicólogo.

Para evitar isso, não podemos atribuir ao exterior ou ao destino tudo o que nos acontece de ruim, pois determinadas variáveis estão ao nosso alcance e devemos ter consciência de que muitas das coisas que nos ocorrem são consequência de nossos pensamentos e ações. Só uma atitude positiva poderá nos ajudar e também fará os outros confiarem em nós.

6. Ser muito sincero, mesmo se ninguém tiver pedido a sua opinião.

Disseminar nossa opinião sobre qualquer tema sem que ninguém peça —por exemplo, como é horrorosa a calça do seu amigo ou o penteado da sua colega de trabalho— nos transforma em seres odiosos.

O que se conhece como “não ter filtro”, ou seja, emitir juízos gratuitos a torto e a direito, pode magoar os que nos cercam ou fazê-los se sentirem incômodos. Em geral, falar demais não é uma qualidade elogiada socialmente, segundo o especialista: “Não se pode dizer a primeira coisa que nos passa pela cabeça nem julgar as pessoas levianamente, sem pensar que podemos ofender”, afirma Fernández González.

É preciso aprender a ser mais prudente, respeitoso e empático, recomenda o especialista. Também é bom saber valorizar as qualidades e capacidades dos outros: “Melhor pecar por prudência que por excesso nos julgamentos que emitimos sobre os outros. Não temos só que estar atentos ao que dizemos, mas também ao jeito que empregamos”, esclarece.

*Por Alejandra Sánches Mateos
………………………………………………………………………………………….
*Fonte: elpais

Por que é mais difícil fazer amigos depois dos 30 (e como resolver isso)?

Quando criança, fazer amigos era fácil. Eram os vizinhos, os colegas de escola ou os primos, pessoas da sua idade com as quais você ficava muito tempo e a quem muitas vezes bastava perguntar diretamente se queriam ser seus amigos. Na adolescência e aos 20 anos, a situação continuava propiciando o surgimento de novas amizades: no colégio, à noite, na universidade… No entanto, depois dos 30 anos muita gente começa a sentir que fazer novos amigos é quase impossível. Além disso, muitos dos amigos de toda a vida começaram a desaparecer, exatamente como na canção 20 de abril, da banda espanhola Celtas Cortos: “Hoy no queda casi nadie de los de antes, y los que hay, han cambiado” (Hoje não resta quase ninguém de antes, e os que ficaram, mudaram).

Um estudo realizado pelas universidades de Aalto (Finlândia) e Oxford (Reino Unido) em 2016 confirmou essa sensação de que com a idade nosso círculo de contatos se reduz. Os pesquisadores analisaram os telefonemas feitos dos celulares dos participantes do estudo e concluíram que nossos círculos de amizades atingem seu pico aos 25 anos. A partir daí começa uma queda vertiginosa, especialmente no caso dos homens, que mantêm menos amigos quando entram nos trinta. O problema não é apenas perdermos os contatos, mas também não os substituirmos.

Natàlia Cantó, especialista em sociologia das emoções e professora da Universidade Aberta da Catalunha (UOC), também confirma que a sensação de que é mais difícil fazer amigos depois dos 30 anos é verdadeira. Mas acredita que “não tem tanto a ver com a idade como com as circunstâncias da vida”. Não perdemos habilidades sociais, mas geralmente “começamos a trabalhar regularmente” e, às vezes, “deixamos de morar com nossos pais, por nossa conta ou dividindo moradia para viver com nosso parceiro e/ou nossos filhos”.

Segundo a pesquisadora, isso faz com que “o horizonte de nossas responsabilidades” mude completamente e “o tempo que podemos dedicar para cultivar novas amizades, e até para cuidar daquelas que já temos, se torna escasso”.

Maternidade e afinidades
Cristina Vidal, psicóloga e diretora do centro PsiCo Lleida, explica que as amizades de adultos vêm mais de afinidades do que dos acasos da infância. “Para conhecer gente depois dos 30 é mais fácil procurar pessoas em contextos afins ou que desempenhem papéis semelhantes aos nossos”, diz ela. “Se temos filhos, com pessoas com filhos, e se não, com pessoas sem filhos.” Da mesma forma, se, por exemplo, você leva “uma vida saudável e pratica esportes”, você se encaixará mais “com as pessoas que têm esse mesmo estilo de vida”.

Borja Carrasco, de 35 anos, de Madri, está ciente de que na sua idade é mais difícil fazer amigos porque socialmente “você se relaciona com menos gente”. No entanto, diz que conseguiu “na base de ir todo fim de semana no mesmo bar” e sempre se encontrar “com as mesmas pessoas”. Agora também estão fora desse contexto: “Saímos para comer e convidamos uns aos outros para aniversários e tudo mais”, diz ele.

Outro local em que as amizades podem surgir a partir dos 30 anos é no trabalho. Embora a pesquisadora Natàlia Cantó ressalve que “às vezes é um ambiente cheio de armadilhas para a amizade”, é um lugar em que as pessoas passam mais horas do dia. Juan Vázquez, 45 anos, conheceu um de seus melhores amigos assim, de forma inesperada. “No começo eu me sentia péssimo, coisas do trabalho. Depois comecei a perceber que tínhamos um senso de humor parecido, ríamos com as mesmas coisas e tínhamos interesses parecidos. E papo vai, papo vem, chegou à intimidade. E era meu chefe!”

Marta Cabrera é das que fizeram amizades com outras mães. Esta moça de 35 anos da Galícia, morando em Saragoça, cercou-se de “outras mães com as quais compartilha a forma de educar”. No começo da “escola ou da piscina, ou música, entre centenas de pais” com os quais convive, os que têm afinidades se aproximam e “surge e amizade”.

Antia Paz, também de 35 anos, está em situação de vida parecida. Para ela, “a maternidade é muito solitária”, especialmente quando não se está perto da família. “Percebi muito a necessidade de criar novas amizades”, conta. E conseguiu um pouco por acaso, quando lhe deram de presente um sling (porta-bebê) e não tinha ideia de como usá-lo. Então, ela foi assistir a uma aula na qual não só aprendeu sobre esse sistema de transporte que garante contato constante entre o bebê e o adulto, mas a garota que dava o curso lhe explicou que as mães constituíam “uma pequena tribo”. Lá ela encontrou pessoas com interesses comuns e, pouco a pouco, a amizade foi surgindo.

Carlos Álvarez, de 46 anos, fez amizades entre os pais dos amigos de seu filho. Além disso, acrescenta uma outra nuance: “A ideia que têm de você os amigos que você faz depois de uma certa idade é radicalmente diferente daquela dos de toda a vida”.

Mais improvável, mas mais segura
As novas amizades de maturidade tendem a ser diferentes das dos jovens. Geralmente, como já mencionamos, são amizades mais baseadas em afinidades. Mas, também, explica a psicóloga Cristina Vidal, nessa idade as pessoas são mais “seletivas” porque cada um “se conhece melhor e sabe melhor o que lhe agrada”.

Isso retarda um pouco a passagem da amizade superficial para a íntima — não se faz amizade com qualquer um —, o que faz com que seja “menos provável”, mas “mais segura”. “Depois dos 30 anos, acumulamos decepções e somos mais cautelosos quando se trata de confiar”, acrescenta Vidal.

Nessas novas amizades, Borja Carrasco, o entrevistado que fez um círculo de amigos frequentando um mesmo lugar, afirma que quando mais velhos temos a vantagem de nos conhecermos melhor e não precisar fingir. “Isso os demais agradecem e você agradece que façam o mesmo. Se você conhece alguém de quem gosta e com quem tem química, é provável que a amizade se mantenha, já que você não vai mudar da noite para o dia”, comenta.

Juan Vázquez, aquele que fez amizade com o chefe, diz que “uma vantagem de ter mais de 35 anos é que se vai deixando de lado algumas pessoas: essas amizades que se faziam aos 20, com as quais nem sequer havia muito em comum, a não ser ir à mesma escola ou faculdade”. Além disso, com estes novos amigos não há “nostalgia absurda e ninguém julga o outro por ser alguém que não era”.

*Por Ana Bulnes
…………………………………………………………………………………………..
*Fonte: elpais

O Verdadeiro Charme De Uma Pessoa: “Seus Traços De Loucura”

*Gilles Deleuze disse certa feita que “O verdadeiro charme das pessoas reside nos seus traços de loucura”. Algo parecido diz o suíço, Alain de Botton, o qual fala que “As pessoas só ficam realmente interessantes quando começam a sacudir as grades de suas gaiolas”. Essas ideias referem-se ao que há de belo no ser humano, não em sua superficialidade, e sim, nas suas entranhas, no seu interior.

A loucura citada pelos filósofos pode ser traduzida como as idiossincrasias que formam uma pessoa. Ou seja, tudo aquilo que ela possui de único e insubstituível. As características peculiares, as quais nos tomam o pensamento e nos fazem sentir saudade. Aquilo que quando vemos parecido em alguém, automaticamente nos faz lembrar a pessoa. Todavia, é bom que se diga parecido, porque as idiossincrasias são únicas e singulares, de modo que se torna impossível buscar em outros lugares, o que apenas o ser carrega dentro de si.

Por isso, Deleuze afirma que só amamos de verdade uma pessoa quando percebemos a sua loucura. A bem da verdade, é extremamente difícil encontrar pessoas que demonstrem a sua loucura e outras capazes de percebê-las. A maior parte de nós prefere viver de acordo com a normalidade, seguindo as regras, os padrões, se adequando e, portanto, sendo igual. Dessa forma, os traços de loucura, as idiossincrasias, são sufocados, quando não, mortos, pois acreditamos que a demonstração das nossas longitudes é um disparate sem tamanho, uma verdadeira “loucura”.

Sendo assim, acabamos nos tornando completamente iguais uns aos outros e, por conseguinte, desinteressantes, já que, como dito, o que nos faz enxergar alguém de um modo diferente e se sentir atraído está naquilo que percebemos de singularmente novo e que nos faz perceber que será inútil procurar em outros lugares aquilo que sabemos onde encontrar.

É por isso que existem pessoas insubstituíveis em nossas vidas, porque elas guardam dentro de si uma espécie de magia que se reverbera no encanto das suas peculiaridades. Entretanto, sentimos enorme dificuldade em perceber isso como a maior beleza que existe nas pessoas. Acreditamos que são defeitos, coisas que devem permanecer ocultas, mas as idiossincrasias significam intimidade, entrega, libertação, desejo e poesia. É o que permite que as lembranças sejam criadas, que a saudade se instaure, porque convenhamos, saudade do absolutamente igual não possui rosto.

Sabe, o que eu acho é que temos medo de descobrir que as nossas loucuras são maravilhosas, que não precisamos de tralhas para nos destacarmos, precisamos sacudir as grades e assumir o que somos, demonstrar sem medo as nossas “imperfeições” e enxergar no outro as suas coisas simples, bobas e unicamente maravilhosas, porque é sempre magnífico quando as águas saem do subterrâneo e explodem na superfície e, então, nos tornamos rios profundos de loucuras idiossincraticamente belas, como um quadro pintado na lucidez de um sonho.

PS – Gilles Deleuze nasceu na França e viveu de 1925 a 1995. Notável filósofo e professor de Filosofia em diversas Faculdades, publicou estudos sobre pensadores como Nietzsche, Kant e Spinoza, sendo apontado como um dos responsáveis pelo crescente interesse pela obra de Nietzsche. Habituado a ler e a espreitar de perto esses grandes pensadores, Deleuze tem como certo que “todos nós somos meio dementes” e que não se pode se apaixonar por uma pessoa quando não se percebe, nela, um essa “demência”, que é o seu “charme”.

*Por Erik Morais
…………………………………………………………………………………….
*Fonte: portalraizes

Ame sem possuir, acompanhe sem invadir e viva sem depender

O maior sinal do amor é deixar a pessoa amada ser ela mesma. É também uma enorme amostra de maturidade psicológica. E é algo muito difícil de alcançar, já que nossa sociedade “nos programa” para a posse. Em uma cultura onde vale mais quem tem mais, é difícil não extrapolar esse conceito para as relações interpessoais. Então nos tornamos possessivos.

A origem da possessividade está no medo da perda
Basta-nos apenas termos algo, apenas sentirmos que algo é nosso, que já somos tomados pelo medo de perdê-lo. E quanto mais nos apegamos a essa posse ou quanto mais amamos a pessoa, maior é esse medo.

Em muitos casos, esse medo da perda remonta a experiências passadas, especialmente a infância, que deixaram cicatrizes dolorosas em nosso cérebro. Apreciou-se que as pessoas que sofreram perdas na infância ou que não receberam atenção suficiente tendem a desenvolver um apego inseguro que as leva a depender dos outros ou a controlar suas vidas. Essas pessoas exigem atenção constante e não querem compartilhar a pessoa especial com mais ninguém por medo que lhe “roubem” e desapareçam com ela de sua vida, o que as fará experimentar os sentimentos de desamparo que sentiam quando crianças.

No entanto, pode haver outras razões para uma pessoa desenvolver esse relacionamento possessivo. De fato, a possessividade sempre implica em insegurança e baixa auto-estima. Pessoas inseguras tendem a ser mais possessivas porque têm mais medo de perder o que conquistaram porque, no fundo, acham que não merecem isso.

O problema é que essas pessoas, em vez de analisar de onde vem essa possessividade, tentam neutralizar seus medos e inseguranças com mais controle.

A dinâmica perversa do controle
Houve uma vez um monge seguidor de Buda. O monge costumava perambular dia e noite em busca de iluminação. Ele carregava consigo uma estátua de madeira de Buda que ele próprio esculpira e todos os dias queimava incenso em frente à estátua e adorava o Buda.

Um dia ele chegou a uma cidade tranquila e decidiu passar alguns dias lá. Ele se estabeleceu em um templo budista onde havia várias estátuas de Buda. O monge seguiu sua rotina diária, assim também queimou incenso em frente a sua estátua no templo, mas não gostou da ideia de que o incenso que queimava por sua estátua chegasse às outras estátuas.

Então uma ideia lhe ocorreu: ele colocou um funil na frente de sua estátua para que o cheiro do incenso só chegasse a ela. Depois de alguns dias, ele percebeu que o nariz de sua estátua estava preto e feio da fumaça do incenso.

Essa simples parábola nos mostra o que pode acontecer quando a possessividade nos cega. Na verdade, não é difícil cair em um comportamento do monge e acabar sufocando a pessoa que amamos. No entanto, o curioso sobre o controle é que quanto mais você aplicá-lo, mais controle você quer, porém mais ilusório se torna.

Para amar e deixar ser, é necessário mudar nossa mentalidade

– Não confunda apego com amor. A possessividade geralmente vem da confusão: interpretamos erroneamente nosso apego como amor. O apego é uma emoção superficial que nos une, enquanto o amor é uma emoção mais profunda que nos liberta. Amar alguém é deixá-lo ir, amarrar alguém é experimentar apego. É por isso que a possessividade é uma forma de apego que não reflete o amor, mas sim nosso desejo e necessidade de controle.

– Deixe a necessidade de controle. Possessividade surge da insegurança, que tentamos atenuar através do controle, porque nos dá a falsa ilusão de segurança. No entanto, quando você percebe que na realidade o controle que você exerce é mínimo, porque a qualquer momento a vida pode arrebatar qualquer coisa ou qualquer pessoa, então você entende que não faz sentido desperdiçar tanta energia inutilmente. Naquele momento, um pequeno milagre ocorre: em vez de se esforçar para controlar, você se esforça para desfrutar mais dessa pessoa ou de suas posses.

– Cultive seu “eu”. A dependência emocional do outro e o desejo de controlá-lo surgem quando sentimos que não somos capazes de satisfazer nossas necessidades. Quando temos um “eu” amadurecido, quando confiamos em nossas habilidades e nos conectamos com nossas emoções, a possessividade desaparece, simplesmente porque não precisamos disso, não tem razão de ser. Portanto, para amar sem dominação ou dependência, é necessário realizar um profundo trabalho interior.

– Suponha que todos tenham o direito de ser. Nós não fazemos bem aos outros quando impomos nossas opiniões e maneiras de fazer. Portanto, não caia no erro de tentar impor sua maneira de ver o mundo para “ajudar” o outro. Ninguém é obrigado a atender às nossas expectativas, de modo que o maior presente que podemos dar àqueles que amamos é deixá-los ser e aceitá-los incondicionalmente.

……………………………………………………………………………………..
*Fonte: pensamentocontemporaneo

O Que Você Herdou Dos Seus Filhos?

O que você herdou dos seus filhos? Eu herdei paciência. Capacidade de suportar desorganização e caos. Frieza pra lidar em situações críticas, como fraturas e cortes com sangue jorrando.

Herdei “desnojo” para limpar vômito e caca, e comer biscoito babado. Herdei medo de morrer. Medo de trânsito. Medo da noite. E o único medo de perder verdadeiro. Mas herdei coragem também. Muita.

De um, herdei a necessidade de desacelerar. De outro, herdei atenção difusa. E de outro, sagacidade para responder questões difíceis. Eu herdei vontade de montar árvores de natal, de aprender a fazer bolo de festa e assistir desenho animado.

Herdei a capacidade de fazer remédio a partir de beijo, desespero e lágrimas. Eu herdei rugas, varizes, olheiras e estrias. E as gargalhadas mais incríveis. Herdei emoções colhidas nas coisas mais bobas. Herdei força sobre-humana. Herdei sentidos mais apurados. Herdei um grito que se acha poderoso o suficiente para parar um trem
Herdei uma capacidade ilimitada de sentir culpa. E o cacoete irremediável de sempre olhar quando alguém grita ‘mãe’”.

Texto de Rita Almeida, psicóloga e psicanalista com ênfase nos seguintes temas: psicanálise, saúde pública, saúde mental, educação, educação inclusiva, teorias da aprendizagem

……………………………………………………………………………………….
*Fonte: portalraizes

Reflita “Migalhas afetivas: a pessoa conversa com você ou só te responde?”

Quando me deparei com esse texto, entendi a importância de refletir as migalhas afetivas. A pessoa realmente conversa contigo, ou só te responde? Sabe a diferença?

Esse texto foi escrito por Fabiola Simões no site A SOMA DE TODOS OS AFETOS. Lá tem o texto na integra!

“Em maior ou menor grau, somos seres que esperam. Que desejam e fazem planos. Que acreditam ou têm fé no que virá. Em diferentes proporções, somos pessoas que vivem não somente no hoje, mas também no amanhã. E, querendo ou não, nosso futuro ficou incerto, nebuloso; foi, de alguma forma, cancelado. E mesmo que estejamos tirando de letra esse período, há momentos em que a impossibilidade – de qualquer coisa – nos aflige.

Se antes podíamos ir e vir, com a quarentena muita coisa se reduziu ao espaço da nossa casa, e grande parte da nossa conexão com o mundo ficou restrita à tela do celular. Assim, toda ansiedade, angústia e excesso de expectativas que tínhamos antes, ganhou proporções ainda mais agudas com o novo arranjo dos dias.

No meio disso, as relações que temos uns com os outros – mas principalmente com aqueles que nos interessam – se somou à incerteza do momento e tornou-se ainda mais difícil, ganhando contornos nem sempre explícitos, nem sempre claros, muitas vezes confusos e incompreensíveis.

Não é errado você querer se sentir bem, sem angústia ou ansiedade. Não é ruim você desejar que sua expectativa em algo se resolva, e que você possa adquirir um tipo de prazer que vai dar novo sentido ao seu dia, à sua semana. Porém, muitas vezes esse momentâneo prazer será seguido por uma gigantesca frustração que pode lhe arrastar como uma onda desoladora.

Às vezes é preciso abrir mão do prazer imediato, que é o prazer que vou ter em mandar aquela mensagem ou visualizar aquele story… e entender que depois pode vir uma ressaca moral ainda maior, gerada pela falta de reciprocidade.

Os sinais existem, e a gente sabe disso. Porém, muitas vezes preferimos não enxergar. Ou enxergamos, mas ainda não estamos prontos para aceitar. Pois criamos expectativas. E mesmo dizendo para nós mesmos que não esperamos nada, lá dentro ainda há uma vozinha de esperança. […]

Muitas vezes nos contentamos com migalhinhas afetivas porque simplesmente estamos tão angustiados com nossas incertezas que acreditamos que aquele prazer em receber um “bom dia” seco e sem graça pode aliviar um pouco nossa inquietação. Mas não alivia. Na verdade, só piora.

Às vezes precisa doer de uma vez para parar de doer. Contentar-se com migalhinhas afetivas, com respostas monossilábicas à mensagens elaboradas, com falta de posicionamento da outra pessoa, com falta de conexão e conversas mais abrangentes, além de um simples “bom dia” ou “boa noite”… é sofrer de forma parceladinha. Às vezes é preferível ter um sofrimento total, com uma boa dose de tristeza e luto, do que ficar preso à uma dor a conta gotas, que não nos liberta para seguir em frente.

Pare de falar que não vai criar expectativas. Só de falar isso, você já as criou. Talvez fosse mais honesto encarar que você espera sim, que você aguarda uma resposta sim, que você deseja mais desse alguém que só responde suas mensagens, mas nunca, em hipótese nenhuma, conversa realmente com você.

Admitir que isso dói, que isso não te faz bem, que isso aumenta sua angústia ao invés de aliviá-la é o primeiro passo para arcar com as consequências das expectativas que você cria. Respeite sua tristeza, sofra total e não parceladamente, e decida, de uma vez por todas, se isso lhe basta.”

…………………………………………………………………………………….
*Fonte: floresepoesias

O Que Você Herdou Dos Seus Filhos?

O que você herdou dos seus filhos? Eu herdei paciência. Capacidade de suportar desorganização e caos. Frieza pra lidar em situações críticas, como fraturas e cortes com sangue jorrando.

Herdei “desnojo” para limpar vômito e caca, e comer biscoito babado. Herdei medo de morrer. Medo de trânsito. Medo da noite. E o único medo de perder verdadeiro. Mas herdei coragem também. Muita.

De um, herdei a necessidade de desacelerar. De outro, herdei atenção difusa. E de outro, sagacidade para responder questões difíceis. Eu herdei vontade de montar árvores de natal, de aprender a fazer bolo de festa e assistir desenho animado.

Herdei a capacidade de fazer remédio a partir de beijo, desespero e lágrimas. Eu herdei rugas, varizes, olheiras e estrias. E as gargalhadas mais incríveis. Herdei emoções colhidas nas coisas mais bobas. Herdei força sobre-humana. Herdei sentidos mais apurados. Herdei um grito que se acha poderoso o suficiente para parar um trem
Herdei uma capacidade ilimitada de sentir culpa. E o cacoete irremediável de sempre olhar quando alguém grita ‘mãe’”.

Texto de Rita Almeida, psicóloga e psicanalista com ênfase nos seguintes temas: psicanálise, saúde pública, saúde mental, educação, educação inclusiva, teorias da aprendizagem.

……………………………………………………………………………………………………
*Fonte: portalraizes

7 sinais de que você tem uma personalidade forte, que assusta as pessoas invejosas

Descubra estes grandes sinais que mostram que você é uma pessoa forte, correta e que não permite nenhum tipo de inveja e negatividade em sua vida!

Você já percebeu que sua personalidade assusta algumas pessoas ao seu redor e as afasta de sua vida antes mesmo que tentem algum tipo de aproximação? Se sim, provavelmente isso pode deixá-lo um pouco confuso ou até mesmo magoado, acreditando que existe algo de errado com você.

No entanto, se você sabe que é uma pessoa autêntica e boa para aqueles à sua volta, não deve permitir que isso o magoe, porque pode ser algo muito positivo, um presente do Universo para a sua vida, mostrando-lhe que você é uma pessoa verdadeiramente forte.

Os fortes e honestos dispõem de elevado poder pessoal e uma luz interior incrível, que afastam todos os mal-intencionados. Eles sentem-se assustados com esse brilho e poder, por isso desistem de lhes fazer qualquer coisa negativa.

Abaixo estão sete sinais de que sua personalidade é forte e de que você pode parar de se preocupar com os invejosos.


1. É extremamente honesto
A verdade e a honestidade são algumas das coisas que você mais valoriza. Compromete-se a ser verdadeiro em todas as ocasiões, pois sabe que essa é uma de suas maiores forças que o ajudarão a construir uma vida de muito sucesso e alegria. Sua honestidade não tem preço e você jamais trairá a si mesmo por nada ou ninguém.

2. Quando um problema surge, você não fica parado, mas resolve-o
Se você se encontra em uma situação difícil, não fica esperando a solução cair do céu e muito menos se queixando de tudo o que vem dando errado em sua vida. Em vez disso, começa a trabalhar na solução do seu problema, porque sabe que a sua felicidade e realização estão em suas mãos.


3. Você não compromete o seu tempo

Certamente, você entende a importância da amizade e do companheirismo, mas sabe que tão importante quanto cuidar daqueles que ama é cuidar de si mesmo. Por esse motivo, estabelece um equilíbrio saudável, para que não se doe demais e se esqueça de cuidar de seu corpo, mente e espírito.

4. Reconhece as pessoas mentirosas ao seu redor
É como se você fosse um detector de mentiras em forma humana. Sempre que alguém tenta mentir para você ou se comporta de maneira desonesta, a sua intuição o avisa de que essa não é a melhor companhia para você, e o aconselha a se afastar, o que o impede de passar por muitos momentos complicados.

5. É decidido e não aceita menos do que realmente merece
Qualquer que seja a situação em que se encontre, você sabe que tipo de resultado precisa e nunca concordará em se contentar com menos. Seus objetivos estão sempre em primeiro lugar, e esse é um dos grandes motivos pelos quais sempre tem iniciativas bem-sucedidas e mantém as pessoas que desejam manipular você bem longe.

6. É fiel aos hábitos positivos
Uma rotina diária saudável e consistente, com tempo para si mesmo e para as pessoas importantes em sua vida, oferece-lhe uma base sólida para a sua vida. Você sabe analisar exatamente o que lhe faz ou não bem, e mantém-se fiel às boas coisas que lhe trazem paz e felicidade.

7. Não está interessado em relacionamentos vazios
Você toma muito cuidado com cada parte de seus dias, para que sejam significativos e promovam a sua evolução. As companhias são uma parte importante de sua rotina, por isso você só aceita relacionamentos maduros e sábios, que agregam algo positivo à sua vida. Você deixa longe de si todas as pessoas vazias e fúteis, que não lhe trazem nada de bom.

Se você se identifica com os itens acima, é porque é uma pessoa forte, por isso pode afastar de si os invejosos.

*Por Luiza Fletcher

……………………………………………………………………………………..
*Fonte: osegredo

Certifica-te de que és um fator de soma na vida das pessoas que participas

O ser humano carrega a necessidade de buscar para si um ideal. Geralmente, recorre à procura de aquilo que lhe falta. De acordo com Platão, existem dois tipos de bens que são preciosos na vida do homem: os bens divinos e os humanos.

O ideal do homem seria, portanto, conciliar essa balança procurando o “justo meio” entre ambos. Isto é, não se pode voltar, apenas, para o viés espiritual porque o ser humano vive em sociedade e, como tal, tem o dever de respeitar as leis e manter o estado harmônico de convivência com os seus pares. Por outro lado, o homem não poderia voltar os seus interesses, unicamente, para o viés materialista porque, ao encarar as pessoas ou situações da vida como objetos, perderia a sensibilidade e o senso de altruísmo para com o seu semelhante.

Assim como a árvore precisa do ar que está acima dela e das raízes que estão fincadas no solo abaixo, nós, seres humanos, temos a necessidade de nos conectarmos com os valores espirituais que trazemos conosco e, ao mesmo tempo, precisamos garantir o nosso sustento material.

O ideal espiritual deve estar presente em todos os nossos atos. O ser humano está ciente de que o viver envolve a responsabilidade de tomar a consciência dos seus próprios atos. Vive não apenas para si, mas também para ajudar todos os seres que estão no seu entorno. Reconhece, portanto, que está interconectado com o universo ao seu redor. A força viva da sua natureza o move ao desejo irresistível de propagar o bem refletido por suas ações.

Jung nos fala que é mais fácil começar do zero e levar o homem à lua do que começar do zero e levar o homem ao interior de si mesmo. Entretanto, não há como correr do encontro com a sua essência. A conscientização do dever moral requer momentos de introspecção, no qual o homem entra em contato consigo e decide aprender a gostar do que lhe faz bem. Se está apto a conviver melhor consigo, naturalmente, irá conviver melhor com as outras pessoas. Deixará de ver o outro como um ser à parte, mas passará a percebê-lo como um companheiro de jornada. As pessoas ou situações que parecem difíceis de serem enfrentadas, passarão a ser vistas como provas que irão contribuir para o seu crescimento.

Afinal, o homem possui um magnetismo e atrai para si as experiências que precisa passar para se tornar um ser melhor. Se alguma situação chegou até ele, por mais difícil que seja, é porque o mesmo tem perfeitas condições de enfrentá-la.

O homem constrói a si mesmo por meio dos seus atos. Cabe a cada um de nós refletirmos o ideal de ser humano que estamos formando.

Quem você imagina ser? Quais são os seus sonhos mais grandiosos para com a vida? Como você tem contribuído para a evolução da humanidade?

Você é aquele que decide ser – o ato de vontade decide para onde você deve ir.

Até onde você quer chegar?

Conhece-te a ti mesmo, domina-te a ti mesmo, transforma-te a ti mesmo para que, então, concluas, como afirmou Cícero, de que:

“És um fator de soma na vida das pessoas que participas.”

*Por Dr. Saulo de Oliveira

………………………………………………………………………………………………
*Fonte: vidaemequilibrio

Nossos Filhos Nos Esquecerão!

“O tempo, pouco a pouco, me liberou de ter filhos pequenos. Das noites sem dormir e dos dias sem repouso. Mas não fez esquecer das mãos gordinhas que me agarravam sem parar, subiam no meu pescoço, me agarravam, me conquistaram sem restrições e sem duvidar. Dos corpinhos que encheram meus braços e dobraram minhas costas. Das muitas vezes que me chamavam e não permitiam atrasos, espera, nem vacilações.

O tempo há de me devolver o ócio dos domingos e das chamadas repetidas de “mãe, mãe, mãe…”, que deram-me o privilégio e afastavam o medo da solidão. O tempo talvez alivie o peso da responsabilidade que me oprime o peito. O tempo, sem embargo, inexoravelmente esfriará outra vez minha cama que já esteve quente de corpos pequenos e respiros apressados. Esvaziará os olhos dos meus filhos que transbordaram um amor poderoso e incontrolável.

Mas o tempo tirará de seus lábios meu nome que fora gritado e cantado, chorado e pronunciado cem, mil vezes. Cancelará, pouco a pouco, a intimidade da sua pele com a minha e a confiança absoluta que nos fez um único corpo, com o mesmo cheiro, o mesmo espírito e coragem.

O Tempo separou, para sempre, o pudor e a vergonha com o prejulgamento da consciência adulta de nossas diferenças. Como se fosse um rio que escava o seu leito, o tempo colocará em risco a confiança de seus olhos em mim, como se eu já não fosse uma pessoa onipotente, capaz de parar o vento e acalmar o oceano, regular o não regulável e curar o incurável.

Deixarão de me pedir ajuda, porque não acreditarão mais que eu possa salvá-los. Pararão de me imitar porque não desejarão mais se parecer comigo. Deixarão de preferir a minha companhia pelas dos outros (e, olhe, tenho que buscar preferir outras companhias também).

Foram-se as paixões, as raivas passageiras e o zelo, o amor e o medo. Apagaram-se os ecos dos risos e das canções. O acalanto e os “Era uma vez…” hoje ecoam na eternidade. Porque, com o passar do tempo, meus filhos descobriram que tenho muitos defeitos e, se eu tiver sorte, algum deles me perdoará.

Sábio e cínico, o tempo fará com me esqueçam. Esquecerão ainda que não queiram. Esquecerão as cócegas e o “corre-corre”, os beijos nas pálpebras e os choros que, de repente, cessavam com um abraço. As viagens e os jogos, as caminhadas e a febre alta. As danças, as tortas, as carícias enquanto dormiam.

Meus filhos se esquecerão que os amamentei e os protegi durante um tempo até que o sono chegasse; que lhes dei de comer, que os consolei e os levantei quando caíram. Esquecerão que dormiram sobre meu peito; que houve um tempo em que necessitaram tanto de mim como o ar que respiram. Esquecerão, porque isto é o que fazem os filhos, porque é isso que o tempo faz. E eu, eu tenho que aprender a recordar esse tempo também por eles, com ternura e sem arrependimentos, sem cobranças e com imensa gratidão! E que o tempo, astuto e indiferente, seja amável com esta mãe que não quer esquecer seus filhos”.

Texto originalmente publicado no Rincon del Tibet, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

………………………………………………………………………………….
*Fonte: sabervivermais

9 lições que todo mundo deveria saber antes do 30, mas ninguém te conta!

Sabendo isso, talvez você não desperdice tempo e energia nas escolhas erradas.

Aos 57 anos de idade, eu consigo olhar para trás e ver minha vida sob uma luz totalmente diferente de quando eu tinha 40, 30 ou 20 anos.

Muito do que eu acreditava que era crucial para o meu sucesso e felicidade quando eu estava em meus 20 e 30 anos provou ser errado e equivocado.

E a maioria dessas noções equivocadas baseou-se nos “deverias” que somos ensinados e ouvimos todos os dias – o que a sociedade, nossas famílias ou o “pensamento coletivo” considera “sucesso” (significando: ganhar muito dinheiro, ter uma grande casa, subir para um alto nível corporativo, buscar poder e influência, etc.).

O problema é que essas medidas externas de “sucesso” simplesmente não podem e não nos darão a satisfação, o significado, o contentamento sincero e a paz que estamos desejando.

Curiosamente, eu consegui todas essas medidas de sucesso em um ponto ou outro, e literalmente nenhuma delas chegou perto de produzir a felicidade e satisfação que eu desejava.

Por outro lado, os esforços que fizeram de mim quem eu sou hoje (e abriu o caminho para muito mais alegria e profunda satisfação) estão por toda parte.

Experimentando amor sincero, honestidade, compaixão, cura, construindo limites fortes, reunindo intenso comprometimento, assumindo grandes riscos, e corajosamente defendendo quem eu realmente sou em meu núcleo, e fazendo o melhor uso possível do mundo.

Eu vi, ao trabalhar e treinar milhares de pessoas nos últimos 12 anos, que são as mesmas coisas que a sociedade nos adverte contra tendem a produzir os retornos mais poderosos em nossas vidas.

A sociedade tende a nos instruir sutilmente ou abertamente a NÃO arriscar, NÃO seguir nossas paixões, NÃO se levantar e defender a autenticidade de nós mesmos (ainda mais se você for uma mulher) ou fazer a coisa “estúpida” que você sente em seu coração que o levará a ser quem realmente é.

Mas o pensamento da sociedade muitas vezes está errado.

Olhando para trás, descobri que há 9 lições poderosas da minha vida que eu gostaria de ter entendido muito antes.

Se eu soubesse disso há 30 anos, não teria desperdiçado tanto tempo e energia nas escolhas erradas.

As 9 principais lições que precisamos aprender antes da meia-idade são:

1. Tome uma decisão corajosa sobre o que você quer representar

Eu já trabalhei com centenas de adultos, filhos de narcisistas ao redor do mundo, e muitos outros que foram tratados terrivelmente e emocionalmente manipulados quando crianças e adultos.

Quando isso acontece quando somos crianças pequenas, nosso desenvolvimento é frustrado, e achamos muito difícil acreditar que somos “bons o suficiente” ou defender quem realmente somos (ou até nos atrever a descobrir).

Mesmo os que não foram maltratados quando criança, muitos não assumem uma posição na vida que querem viver.

Somente aos 41 anos eu comecei a falar e defender a mim e a minha vida, e nunca mais deixarei os outros me definirem ou me suprimirem.

Antes que seja tarde demais, você precisa “encontrar sua coragem” e tomar uma posição firme sobre quem você quer ser no mundo e o que você representa.

Também é hora de parar de tolerar e permitir o que você não pode mais aceitar, em sua vida e no mundo.

Tome a decisão hoje de se tornar a pessoa que você terá orgulho e honra de ser, para que você não se arrependa quando chegar a hora de deixar esta vida.

O que você quer representar, começando agora?

2. Nunca comprometa sua alma

Há coisas que podem ser comprometidas – talvez o tamanho da sua casa, a localização geográfica do seu trabalho, a duração do seu trajeto ou para onde você irá nas férias de verão.

Mas não é legal comprometer sua alma. Se você fizer isso, resultados desastrosos acontecerão.

Saiba o que mantém seu espírito vivo e honre isso com tudo o que você tem.

Para mim, isso é verdade, transparência, compaixão, força e integridade. Por anos eu não pude expressar livremente nada disso sem punição ou supressão.

Se não posso viver essas qualidades no meu trabalho ou nos meus relacionamentos, começo a murchar, falhar e desaparecer. Mas eu aprendi o que é necessário para honrar minha alma, e não vou comprometê-la novamente.

O que você precisa fazer para manter seu espírito vivo?

3. Envolva sua sabedoria e discernimento quando escolher quem amar e confiar

As pessoas com as quais você escolhe se relacionar – seja através de casamento, amizade, parcerias de negócios, colegas de trabalho e pessoas contratadas para trabalhar com e para você – terão um impacto dramático na qualidade e condição de sua vida.

Não deixe pessoas que irão te ferir, rebaixar, diminuir e maltratar entrarem na sua vida. Simplesmente não permita isso.

Se você atrai continuamente pessoas que o magoam ou abusam, você precisa olhar para o que está dentro de você que precisa ser curado, para que você não continue se agarrando a padrões abusivos repetidas vezes.

Seja incrivelmente perspicaz sobre a quem você dará seu coração e confiará.

E se e quando eles violarem sua confiança, cuidado e respeito, não espere para fazer algo autoafirmativo e firme sobre isso.

Quem está em sua vida hoje que você precisa se afastar?

4. Não espere nem mais um minuto para expressar e honrar sua criatividade

Por muitos anos, não me vi como criativa – eu me considerava os “sacos de dinheiro” da minha família.

Eu pensei que outras pessoas na minha família e na minha vida eram criativas. Mas isso simplesmente não é verdade. Eu apenas não me permiti ver o que há dentro de mim.

Ou, mais apropriadamente, deixei que muitas das habilidades criativas da minha infância e adolescência fossem para o subterrâneo – eu não entendia o quanto elas são valiosas.

Uma vez que comecei a honrar e nutrir a força criativa dentro de mim, meu mundo mudou da noite para o dia, e meu trabalho se tornou um veículo através do qual eu podia expressar meus anseios e habilidades criativas.

Eu seria milionária se ganhasse um dólar por cada mulher que me disse que está morrendo de tédio e sem sentido em seu trabalho, e que há um lado criativo dela que está sedento para aflorar.

A verdade é esta:

Escritores escrevem, pintores pintam, dançarinos dançam. Apenas FAÇA aquilo que você está desesperado para fazer.

Você não tem que jogar toda a sua carreira pela janela para honrar sua criatividade. Basta pegar o pincel e começar a se comprometer com a pintura, hoje.

Apenas esse passo irá melhorar sua vida.

Que desejo criativo você está desesperado para trazer para sua vida hoje?

5. Procure ajuda quando não tiver força ou poder para mudar o que é necessário

Esta é realmente simples. Quando você achar que não consegue fazer o que quer sozinho, então procure ajuda. Não espere.

Procure por um mentor, um amigo, um aliado, alguém que ama e respeita você.

Não espere durante anos e anos pensando: “Eu não tenho o que é preciso para fazer isso”.

A verdade é que talvez você não tenha o que é preciso agora, mas com o tipo certo de ajuda, você terá.

Que ajuda você pode pedir agora mesmo em sua vida, para se mover em direção ao que você realmente quer?

6. Não se vire contra a realidade

Durante anos, eu fiquei presa em situações, empregos e relacionamentos ruins porque eu não queria encarar a realidade – que eu precisava de uma GRANDE mudança na minha vida e em como eu estava operando no mundo, se eu quisesse ser feliz.

Eu me virei contra a minha realidade, em vez de seguir o fluxo dela, e mudar de rumo, ou mesmo fazer pequenos pivôs e revisões que me tirariam dos cenários ruins que eu atraía continuamente.

Não se vire contra a sua realidade – mude-a. E fazer isso não significa que você tem que jogar o bebê para fora com a água do banho.

Descubra alguns pequenos passos que você pode dar para fazer uma diferença perceptível em sua situação e comece a realizá-los. Com qual realidade você está se rompendo hoje?

7. Cure seu relacionamento com dinheiro e não se envenene com isso

Ao olhar para o que eu aprendi sobre dinheiro quando criança, e como comecei a me relacionar com ele, vejo agora que desenvolvi algumas ideias muito negativas e doentias sobre dinheiro.

O pior ideia foi essa: “Eu sempre ganho muito dinheiro no meu trabalho, mas me sinto como uma prostituta fazendo isso”.

Ou seja, eu comecei a sentir na minha vida corporativa que a única maneira de ganhar muito dinheiro era vender minha alma, odiar o que eu fazia e as pessoas com quem eu fazia, e comprometer quem eu realmente era – me vender para o dólar todo-poderoso.

Essas crenças negativas controlam como você se relaciona e atrai (ou repele) dinheiro.

Olhe para trás em sua infância e pergunte-se: “O que eu aprendi com minha família e minha infância sobre como ver e se relacionar com dinheiro?”

Foi com poder ou fraqueza, sigilo ou abertura, vergonha ou orgulho, coragem ou medo, amor ou ódio, ressentimento ou expectativa feliz?
Quem controlou o dinheiro e quem desistiu do controle?

Quando você escreve a sua história do dinheiro desde o início dos tempos até agora, você verá padrões que estão vivos hoje e que estão impedindo você de abraçar o dinheiro como uma forma de energia positiva em sua vida.

Qual é a sua história do dinheiro e como isso está impedindo você de ter um relacionamento saudável com ele?

8. Não perca um segundo em “deveria”

Como alguém que explora questões de identidade de gênero, preconceito inconsciente e conformidade, vejo agora com clareza como as regras da sociedade (e da nossa tribo) sobre o que é feminino e o que as mulheres “deveriam” fazer e agir têm sido tão constrangedoras para mim, pessoalmente e profissionalmente.

E vejo agora como as expectativas e projeções sobre o que é “masculino” suprimem os homens de seus eus autênticos também.

Vejo também como meu papel na minha família me levou a me concentrar intensamente em viver de acordo com o que eu sentia que os outros queriam de mim, para fazê-los orgulhosos ou sentirem-se amados e aceitos.

Todos esses são os “deverias” da minha vida, e ceder aos “deverias” (as expectativas e exigências dos outros sobre como você deve viver e se comportar) simplesmente não pode levar a uma vida feliz.

Como alguém tão sabiamente disse: “Pare de ‘deverizar’ a si mesmo.“

Pare de responder ao que você sente que é obrigação e comece a fazer o que você realmente quer fazer, da maneira que você quer fazer. E lide de maneira firme com os resultados disso.

Como você está se comportando hoje que é uma questão de “deveria” e não uma questão do que você realmente quer fazer?

9. Deixe de lado a dor, raiva e ressentimento

Uau. Eu, como você, estou supondo, tenho experimentado tanta dor, raiva, ressentimento e confusão na minha vida.

De relacionamentos que me devastaram a empregos que me esmagaram, a colegas que se voltaram contra mim – experimentei um desgosto que me pôs de joelhos. E eu sei que você também.

A vida é cheia de obstáculos incrivelmente difíceis que podem nos deixar quebrados e sangrando.

Mas a vida também pode ser tão bela, brilhante e radiante que você fica de joelhos com incrível gratidão e humildade diante da beleza e da maravilha.

Eu aprendi que é uma escolha – ser consumido pela terrível dor e raiva ou encontrar uma maneira de curar e liberar.

Ficar preso, afogando-se no veneno do ódio e dos sonhos devastados, ou perdoar em seu coração, ver a sua parte, deixar-se levar e continuar construindo uma vida significativa e recompensadora.

Eu aprendi que segurar a dor e a raiva perde todo o sentido de vida. Nós não viemos aqui, neste planeta, para passar toda a nossa vida aqui em um estado de raiva e desilusão.

Viemos aqui para aprender, crescer e prosperar. Então, que dor e raiva você está agarrando que você precisa se libertar?

Eu continuo aprendendo essas 9 lições todos os dias, a cada minuto, mas reaprendê-las transformou minha vida. Eu só queria ter aprendido antes.

*Por

………………………………………………………………….
*Fonte: awebic

Os fatores que predizem relacionamentos de sucesso (e por que o amor não é um deles)

O coração pode ter razões que a razão desconhece, mas isso não impediu os cientistas de tentarem encontrar o segredo da felicidade nos relacionamentos.

E graças à ajuda da inteligência artificial, uma equipe internacional de 85 pesquisadores diz acreditar ter identificado os principais fatores para um relacionamento de sucesso.

O estudo – o maior do tipo até hoje – usou algoritmos de aprendizado de máquina para analisar quase 12 mil casais em 43 bancos de dados de 29 laboratórios diferentes.

“Analisamos basicamente todas as informações que encontramos sobre o assunto”, diz Paul W. Eastwick, professor de psicologia da Universidade da Califórnia (EUA) e um dos coordenadores da pesquisa, à BBC News Mundo, o serviço de notícias em espanhol da BBC.

E uma das principais conclusões do estudo é que as características individuais não são tão decisivas quando se trata de prever o sucesso de um relacionamento. Mais importante são os julgamentos que se faz sobre ele.

Na verdade, não há nada mais importante para o sucesso de um relacionamento do que a convicção sobre o comprometimento do outro.

Outro indicador importante é o nível de intimidade: nas palavras de Eastwick, “aquela sensação de que seu parceiro o entende e realmente entende quem você é”.

E entre os cinco principais “preditores específicos do relacionamento” estão também o nível de gratidão ou reconhecimento, a satisfação sexual de alguém e a percepção de satisfação do outro parceiro com o relacionamento.

“Os julgamentos das próprias pessoas sobre o relacionamento em si, como o quão satisfeitas e comprometidas se sentiam com seus parceiros, ou quão gratas se sentiam por eles, explicam aproximadamente 45% de sua satisfação”, indica o estudo, publicado na edição de agosto da revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, PNAS.

Em contrapartida, as diferenças individuais representaram apenas 21% da satisfação nos relacionamentos analisados.

Fator distal

“Os preditores individuais têm a ver com o que alguém pensa sobre si mesmo e, em princípio, são independentes de qualquer relacionamento; por exemplo, o que costumamos chamar de personalidade ou as ideias abstratas que alguém pode ter sobre como gostaria que seu parceiro fosse romântico”, explica Eastwick.

“Em contraste, preditores específicos de relacionamento são construções que exigem que pensemos sobre uma pessoa em particular, geralmente nosso parceiro: esta é uma pessoa em quem posso confiar, alguém que amo, alguém que me valoriza … E eles têm dois ou mais três vezes mais impacto quando se trata de prever o quão satisfeito você está com o relacionamento do que diferenças individuais”, diz ele à BBC News Mundo.

Isso não significa que diferenças individuais – que incluem, entre seus principais preditores, satisfação com a vida, negatividade, depressão e problemas de apego – não desempenhem um papel na felicidade de um casal.

Mas, como argumenta Eastwick, eles fazem isso sobretudo com base em sua própria experiência e condicionando o julgamento que se pode fazer do relacionamento, que é o que acaba sendo importante.

“Por exemplo, se eu sou um misantropo, o mais provável é que não confio nas pessoas e, portanto, não posso ser feliz em meu relacionamento”, esclarece Eastwick.

Mas, para o sucesso do relacionamento, o fator chave não é tanto a misantropia (aversão à convivência social), que seria um fator distal, mas a confiança, um importante preditor que, como o amor, não alcançou o “top 5” mas chegou ao “top 10” em termos de importância.

Essa classificação relativamente baixa foi uma surpresa para os pesquisadores?

‘Não somos videntes’

“O amor realmente se saiu muito bem, o que acontece é que é algo tão próximo da satisfação, o que estávamos tentando prever, que em muitos casos nem sequer o incluímos como candidato”, explica Eastwick.

“Em outras palavras, não é que isso não importe, mas é o que essencialmente estávamos procurando”, diz ele à BBC News Mundo.

Eastwick também destaca que, quando falam de “preditores”, não significa que os cientistas se sintam capazes de prever o futuro.

“Não somos videntes”, diz ele. “Mas os aspectos das relações que destacamos são coisas em que podemos trabalhar e assim melhorar a relação no presente”, conclui.

…………………………………………………………………………………………
*Fonte: bbc-brasil

As pessoas que falam mal da sua vida em suas costas estão exatamente onde deveriam estar: atrás de você

Em nossas vidas sempre existem aquelas pessoas que falam mal de nós por absolutamente tudo o que fazemos. Essas pessoas possuem uma energia negativa muito intensa e parece que encontram sentido em sua existência apenas quando fofocam sobre os outros por trás.

Elas podem causar grandes complicações em nossas vidas e até mesmo fazer com que nos sintamos tristes e desanimados, mas nunca conseguirão conquistar os seus objetivos verdadeiramente, porque quem fala mal dos outros pelas costas nunca conseguirá andar à sua frente.

Na maioria das vezes, as pessoas que falam mal de nós pelas costas são motivadas pelo desejo que sentem de ter vidas como as nossas. Elas falam mal do nosso trabalho porque gostariam de ser bem-sucedidas como nós, falam mal de nossas roupas porque não têm o mesmo estilo e criticam os nossos relacionamentos porque são incapazes de encontrar alguém que permaneça ao seu lado por muito tempo.

São infelizes consigo mesmas e, na grande maioria das vezes, não buscam nenhuma maneira de melhorar e de criar uma relação interior mais saudável, concentrando-se apenas em fofocar, porque é muito mais fácil do que tomar uma atitude e mudar a própria vida.

Por mais que seja extremamente desagradável conviver com pessoas que falam mal da gente pelas costas, não devemos dar muita atenção a elas, porque sempre estarão atrás de nós.

Aqueles que precisam ofender ou prejudicar o outro para sentirem-se bem consigo mesmos nunca chegarão no lugar desejam, porque as melhores oportunidades da vida são oferecidas para as pessoas que mantêm a pureza em seus corações, até nos momentos mais difíceis.

Se existe uma pessoa ao seu redor que está sempre falando mal de você, contenha o seu desejo de se vingar, porque isso apenas consumirá suas energias. Entenda que essa pessoa fala de você porque não pode ser como você, e quanto mais se ocupa com as fofocas, mais ela se afasta do crescimento e de uma vida com propósito e felicidade.

As pessoas que falam mal de você em suas costas estão exatamente onde deveriam estar: atrás de você. Elas apenas observam as suas conquistas enquanto estão cada vez mais longe de viverem suas vidas ideais.

Quando se deparar com alguma delas em seu caminho, apenas sorria e siga, na certeza de que nunca poderão lhe fazer mal de verdade, porque você sempre estará à frente.

*Por Luiza Fletcher
………………………………………………………………………..
*Fonte: osegredo

Pessoas sem argumentos costumam desqualificar os outros

“Grandes mentes discutem ideias, mentes medíocres debatem eventos, mentes pequenas falam sobre os outros”, disse Eleanor Roosevelt. E não estava errado. Quando lhe falta altura intelectual, ele cai na lama pessoal.

Infelizmente, a tendência de desqualificar os outros quando não temos argumentos sólidos é cada vez mais comum em todas as esferas de nossa vida social, tendência que põe em risco a nossa capacidade de chegar a um entendimento porque destrói pontes em seu caminho. Essa tendência é conhecida como falácia ad hominem.

Qual é a falácia ad hominem?

Presenciamos praticamente todos os dias a falácia ad hominem. Podemos ver isso na mídia ou nas redes sociais, quando há duas partes que defendem argumentos contrários e uma tenta desacreditar a outra recorrendo a argumentos irrelevantes para a questão como aparência pessoal, gênero, opção sexual, nacionalidade, cultura e / ou religião.

A falácia ad hominem é a tendência de atacar o interlocutor, em vez de refutar suas ideias. Quem o usa, desqualifica os argumentos do outro por meio de ataques pessoais destinados a minar sua autoridade ou confiabilidade.

Você pode recorrer a insultos pessoais, humilhação pública ou até mesmo trazer à tona os erros que aquela pessoa cometeu no passado.

Também é comum que sejam atacadas características pessoais do interlocutor que, aparentemente, estão em contradição com a posição que defendem. E há quem recorra à mentira ou exagere supostos defeitos do outro para desvalorizar suas ideias.

O objetivo principal dessa falácia é desacreditar quem defende uma ideia, redirecionando o foco da atenção para um aspecto irrelevante que nada ou pouco tem a ver com a situação em questão.

Muitos exemplos de falácias ad hominem ocorreram e continuam a ocorrer ao longo da história.

Arthur Schopenhauer, por exemplo, era um misógino, mas isso não significa que muitas de suas ideias filosóficas não fossem extremamente interessantes.

Ayn Rand era uma defensora ferrenha do capitalismo, mas isso não significa que não possamos encontrar valor em seu objetivismo.

Como assinalou o político García Damborenea:

“É compreensível que a ideia possa desagradar, mas se Hitler afirmava que dois mais dois são quatro, ele teria que estar certo”.

Afinal, mesmo um relógio parado diz a verdade duas vezes por dia. Se não aceitamos essa realidade, simplesmente nos fechamos para a diversidade e complexidade que existe no mundo. E provavelmente perderemos a oportunidade de crescer, sendo apanhados pelas ideias daqueles que pensam como nós e compartilham nosso sistema de valores, engolfando uns aos outros.

Desqualificações pessoais dizem mais sobre o atacante do que sobre o atacado

A falácia ad hominem costuma ser o resultado da falta de argumento e da frustração.

Usar essa estratégia é como quando um jogador de futebol não consegue alcançar a bola e tropeça em seu oponente para cair.

Não é um jogo justo. E, sem dúvida, diz muito mais sobre quem ataca do que sobre quem é atacado.

Quando você não tem ideias sólidas, você recorre à desqualificação e à humilhação.

Esses ataques podem ser extremamente virulentos e pessoais, pois visam fazer a outra pessoa se sentir envergonhada e permanecer em silêncio ou perder sua credibilidade com os outros.

Porém, os ataques pessoais também desqualificam o agressor, pois mostram sua irracionalidade e sua trama de pobreza.

Quem não consegue lutar no plano das ideias, mas quer vencer a todo custo, vai arrastar seu interlocutor para o plano pessoal.

Somos muito vulneráveis ​​a argumentos ad hominem

O principal problema é que, embora gostemos de nos ver como pessoas altamente racionais e sensatas, somos na verdade particularmente vulneráveis ​​à falácia ad hominem, como descobriram os pesquisadores da Montana State University.

Esses pesquisadores pediram a várias pessoas que lessem declarações científicas e indicassem suas atitudes em relação a elas. Em algumas declarações, foi adicionado um ataque direto à base empírica da afirmação científica; em outras, um ataque ad hominem foi inserido ao cientista que fez a afirmação.

Os pesquisadores descobriram que ataques ad hominem têm o mesmo impacto em nossas opiniões que ataques baseados em argumentos lógicos e científicos. Isso significa que não somos objetivos avaliando os argumentos.

Em parte, essa tendência se deve ao fato de que a credibilidade e os valores compartilhados do emissor são características que consideramos positivas e determinam a influência que uma mensagem terá sobre nós.

Se alguém ataca a fonte da informação a sua credibilidade ou questiona os seus valores, isso semeará a dúvida e é provável que demos menos importância e credibilidade às suas ideias e opiniões.

Quando uma atitude de rejeição é provocada em relação ao oponente, também desenvolvemos uma certa rejeição em relação às suas palavras.

É um fenômeno psicológico de transferência exacerbado por nossa tendência de ver as discussões ou debates como competições nas quais deve haver um vencedor. E em nossa sociedade, para vencer nem sempre é preciso estar certo, mas prevalecer, mesmo com as desqualificações.

Como escapar da falácia ad hominem?

Se algum dia estivermos no meio de um debate e formos tentados a atacar pessoalmente nosso interlocutor, é conveniente que paremos por um segundo para pensar sobre que emoção está nos levando a fazê-lo.

Provavelmente é raiva ou frustração.

Em vez disso, devemos pensar que um debate construtivo não é aquele em que vencedores e perdedores são declarados, mas aquele em que ocorre crescimento.

Ser vítima desse tipo de ataque também pode ser muito frustrante. Portanto, a primeira coisa é conter o impulso de revidar e levar o conflito para o nível pessoal.

Jorge Luis Borges contou uma anedota em “História da eternidade” em que um homem foi atirado uma taça de vinho no meio de uma discussão.

A vítima, entretanto, não vacilou. Ele simplesmente disse ao ofensor: “Isso, senhor, é uma digressão; Aguardo seu argumento” .

Devemos também nos proteger desse tipo de “argumento” enganoso, que visa manipular a opinião das massas para que não dêem ouvidos a idéias valiosas.

Portanto, trata-se de manter a mente aberta e alertar-nos para qualquer ataque pessoal, pois isso provavelmente implica que por trás existe uma opinião ou ideia sólida e difícil de desmontar.

……………………………………………………………………………
*Fonte: seuamigoguru

Autocontrole, inteligência emocional e uma dose de maturidade, por favor!

Maturidade não está relacionada à idade. O que faz uma pessoa madura é a bagagem de experiências de vida que ela carrega e não os aniversários que ela comemora.

Como comprovação disso, temos nossos círculos de relações sociais, profissionais e familiares. Note que as pessoas mais maduras (e incríveis) que você conhece, nem sempre, são as mais velhas.

Não adianta ser chefe de uma multinacional, trabalhar de terno e usar sapatos italianos, se toda vez que é contrariado, faz charminho, humilha e diminui o outro. Não adianta ter dinheiro na conta, conhecer o mundo e falar quatro línguas, se em nenhuma delas sabe o significado da palavra respeito.

Não adianta estudar no exterior, ter o carro do ano e usar roupas de marcas, se não se emociona com a dor do outro.

A principal característica de uma pessoa madura está relacionada ao desenvolvimento da tolerância diante das adversidades e das frustrações inevitáveis e não à idade que ela possui.

Vale ressaltar aqui que, tolerar bem as frustrações não significa não sofrer com elas, significa apenas saber lidar com isso e tirar aprendizagens que só são proporcionadas nos momentos críticos.

Outro aspecto relevante na personalidade das pessoas maduras é o senso de responsabilidade sobre si mesmo. Uma pessoa madura não joga no mundo, na vida ou no Universo a culpa dos próprios erros. Entende que tudo acontece por meio dela e arca com as consequências das próprias escolhas.

Uma pessoa madura é doce, agradável e inteligente, já que desenvolveu a capacidade de tirar das piores dores as maiores lições.

Ser maduro não é gostar de MPB, usar óculos e ter uma opinião formada sobre todos os assuntos. Ser maduro é ser equilibrado. É ser capaz de sair da zona de conforto, de mudar de opinião, de aceitar outras ideologias e de respeitar a opinião do outro como se fosse a própria. Até porque, o verdadeiro amadurecimento traz novos níveis de consciência que nos fazem questionar sobre, absolutamente, tudo.

Ser maduro é ser sensível à dor alheia, ser compreensivo com as falhas humanas e ser corajoso o suficiente para sair, frequentemente, da zona de conforto.

Como dizia Albert Einstein: “A maturidade começa a se manifestar quando sentimos que nossa preocupação é maior pelos demais que por nós mesmos.”

*Por Pamela Camocardi

……………………………………………………………………………………
*Fonte: osegredo

Manias BOBAS que cada Signo possui para acabar com o clima do amor!

Todo mundo já sabe que ninguém é perfeito e precisamos admitir que mesmo quando alguém se destaca por ser super legal, existem momentos em que essa pessoa pode se tornar irritante! Isso porque a nossa personalidade se manifesta de diferentes formas de acordo com cada área da vida.

Para servir de exemplo, vamos supor que alguém é super competitivo no ambiente de trabalho e está sempre querendo se sobressair entre os demais. Isso não significa que essa pessoa vai agir da mesma forma nos relacionamentos amorosos ou entre os amigos.

E você, já parou para pensar em alguma mania chata que possui? O zodíaco pode ajudar a entender melhor isso.

Obviamente, apenas a leitura completa do Mapa Astral é capaz de dar detalhes sobre o comportamento dos nativos, mas neste artigo vamos nos basear apenas nos signos solares e em quais manias atrapalham o clima no amor!

Está pronto para descobrir as particularidades inconvenientes dos signos? Então confere a lista a seguir!


MANIAS QUE CADA SIGNO TEM NO AMOR E PODEM IRRITAR OS OUTROS


ÁRIES
Os nativos de Áries são conhecidos por sua impaciência e intolerância com situações bobas. É fácil que esse nativo se irrite e essa atitude pode atrapalhar o clima de romance. Hora de controlar os ânimos, não é mesmo ariano?

Quando está acompanhado, o nativo de Áries pode simplesmente surtar ao ter que esperar o parceiro se arrumar para sair. Outra coisa que o deixa muito irritado é ligar para a pessoa e não ser atendido!


TOURO
Com Touro é uma ciumeira atrás da outra e isso é sem dúvidas o que mais interfere no clima de romance! Por sempre buscar estabilidade, esses nativos enxergam na possibilidade de serem traídos algo assustador! Pra falar a verdade, eles bem que estão certos a não ser que o combinado seja uma relação aberta.

Os taurinos só precisam ter cuidado para isso não se tornar uma possessão. Ninguém é proprietário de ninguém e fica muito difícil de manter a convivência com alguém que encasqueta por qualquer coisa!


GÊMEOS
Esses nativos são ícones da comunicação e por terem a mania de fazer amizades por onde passam, podem ser mal interpretados pelos seus parceiros. Isso porque, aos olhos de uma pessoa ciumenta, não há nada mais difícil do que aturar o seu parceiro sendo o centro das atenções.

Dependendo dos casos, o alto astral geminiano pode ser enxergado como um sinônimo de infidelidade, o que gera uma problemática entre o casal. Ainda que esse comportamento cause descontentamento no amor, a facilidade em se relacionar é um ponto positivo para os geminianos.

CÂNCER
Esses nativos são extremamente emotivos e a mania que mais atrapalha nas relações amorosas é o uso da chantagem emocional para conseguir o que querem. Todos sabemos que cancerianos são uma fonte inesgotável de carinho, mas isso não significa que são passivos o tempo todo.

Quando estão determinados a conseguir algo, eles usam das artimanhas emocionais (que conhecem como ninguém), para influenciar o parceiro a aderir as suas ideias. Por mais que sejam cuidadosos com o parceiro, o preço a se pagar por isso é reconhecimento e principalmente, reciprocidade.


LEÃO
Os leoninos são vaidosos e na maior parte das vezes estão focados em seu próprio bem estar. Esse comportamento pode impedir que percebam as necessidades do seu parceiro e isso acaba atrapalhando o clima de romance.

Sabe aquela comida que Leão ama comer? Ele provavelmente não vai perceber que o parceiro enjoou do tempero. Aquela série que Leão amou assistir? É bem difícil que ele perceba antes do último capítulo que o parceiro não estava muito afim de ver!

VIRGEM
Virgem é um signo do elemento Terra, e costuma enxergar o mundo de forma racional, equilibrada e com os pés no chão. Os virginianos também são reconhecidos pela habilidade de colocar tudo em seu devido lugar e contornar o caos.

Apesar de buscarem soluções práticas e resolverem com agilidade qualquer tipo de problema, no amor os virginianos correm sério risco de transformar tudo em rotina! Isso perpassa o dia a dia, os momentos de lazer e até mesmo o sexo.

LIBRA
Librianos são do tipo de pessoas que todo mundo quer ter por perto. Eles fazem de tudo para agradar e manter a paz, muitas vezes até abrem mão do próprio bem estar para favorecer quem está ao seu lado.

Não seria diferente nos relacionamentos amorosos! O libriano tem a mania de sempre deixar a decisão final para o outro e isso acaba deixando o #crush irritado algumas vezes!

ESCORPIÃO
A mania de deixar tudo nas entrelinhas é o que mais pode atrapalhar os relacionamentos dos escorpianos. Isso porque esses nativos podem prolongar o mal-estar ao ficar guardando seus descontentamentos.

Ainda que isso não seja recorrente, sempre que surgir uma oportunidade, Escorpião vai jogar indiretas para o parceiro. Isso acaba aumentando os problemas pois a pessoa sequer vai entender o motivo do desagrado.

SAGITÁRIO
Os sagitarianos têm o espírito livre e é muito difícil que deem ouvidos as outras pessoas! Isso atrapalha principalmente no amor! Seu dogmatismo o impede de ouvir o lado do parceiro e isso gera barreiras na relação.

Com certeza é muito difícil conviver com pessoas que estão sempre ligadas as outras coisas, não é? Ampliar o diálogo é fundamental para manter a harmonia e garantir longos anos de relacionamento saudável.

CAPRICÓRNIO
Esses nativos podem ser extremamente frios, o que atrapalha o clima com o parceiro! Se você está em uma relação com Capricórnio precisa entender que sua frequência afetiva por muitas vezes pode ser baixa!

AQUÁRIO
Apesar de serem muito leais e ótimos companheiros, os aquarianos são um tanto contra demonstrações extremas de afeto. Esses nativos preferem arriscar uma declaração mais particular e sem floreios.

Na maioria das vezes, aquário demonstra seu afeto através de atitudes e não de palavras e quando o #crush não vibra nessa frequência, pode ser o fim do clima romântico!

PEIXES
Os piscianos são muito distraídos e isso pode ser muito prejudicial as relações amorosas. Os parceiros podem achar que sua distração é falta de interesse ou deboche com as questões do casal.

Apostar no diálogo e externalizar suas contestações de forma clara é a melhor forma de manter a harmonia no amor com Peixes.

*Por Giovanna Souza

………………………………………………………………………………
*Fonte: awebic

“A pressa em mostrar que não se é pobre é, em si mesma, um atestado de pobreza”, por Mia Couto

Trecho de discurso proferido por Mia Couto na abertura do ano letivo do Instituto Superior de Ciências e Técnologia de Moçambique:

“A pressa em mostrar que não se é pobre é, em si mesma, um atestado de pobreza. A nossa pobreza não pode ser motivo de ocultação. Quem deve sentir vergonha não é o pobre mas quem cria pobreza.

Vivemos hoje uma atabalhoada preocupação em exibirmos falsos sinais de riqueza. Criou-se a ideia que o estatuto do cidadão nasce dos sinais que o diferenciam dos mais pobres.

Recordo-me que certa vez entendi comprar uma viatura em Maputo. Quando o vendedor reparou no carro que eu tinha escolhido quase lhe deu um ataque. “Mas esse, senhor Mia, o senhor necessita de uma viatura compatível”. O termo é curioso: “compatível”.

Estamos vivendo num palco de teatro e de representações: uma viatura já é não um objecto funcional. É um passaporte para um estatuto de importância, uma fonte de vaidades. O carro converteu-se num motivo de idolatria, numa espécie de santuário, numa verdadeira obsessão promocional.

Esta doença, esta religião que se podia chamar viaturolatria atacou desde o dirigente do Estado ao menino da rua. Um miúdo que não sabe ler é capaz de conhecer a marca e os detalhes todos dos modelos de viaturas. É triste que o horizonte de ambições seja tão vazio e se reduza ao brilho de uma marca de automóvel.

É urgente que as nossas escolas exaltem a humildade e a simplicidade como valores positivos.

A arrogância e o exibicionismo não são, como se pretende, emanações de alguma essência da cultura africana do poder. São emanações de quem toma a embalagem pelo conteúdo.”

*Por Mia Couto

……………………………………………………………………….
*Fonte: pensarcontemporaneo

Somos todos imperfeitos

O poeta Manoel de Barros dizia que para entender a intimidade do mundo era preciso desinventá-lo.

Isso porque antes do alfabeto, das casas, das pessoas, o mundo foi feito de água, luz, árvores e depois lagartixas. Dar importância àquilo que achamos desimportante, talvez seja o primeiro passo para conhecer nossa intimidade e ela, na maioria das vezes, esconde-se em nosso avesso, onde nem tudo é perfeito. A descoberta é que dentro dessa possível imperfeição que somos há espaços vazios, abertos, feito janelas em dia de sol à espera do encontro mais importante de nossas vidas: aquele com nós mesmos.

Riscando sem medo

Foi isso que aconteceu com a Natália. Um dia, ela decidiu riscar sem medo de ferir o papel. Riscar sem medo de não ser aceita. Riscar e descobrir que, dentro da sua imperfeição, existia uma estética que, justamente por não se adequar aos padrões e às necessidades do que é perfeito, aceitou-se plena e imperfeita. Natália Bianchi, artista visual, vem conversar comigo numa manhã cinza e chuvosa. Logo me diz que não vê a chuva, apenas a ouve.

Natália tem uma doença rara que a faz ver apenas em preto e branco, a acromatopsia, além de ter entre 15 ou 20% de visão. Conta que as pessoas perguntam se ela não sente falta de ver o mundo de modo completo. Nessas horas, sorri e devolve a questão: “o que é ver o mundo completo e perfeito?”

Quando era criança, Natália não tinha consciência de que enxergava menos. Via o mundo com suas texturas e volumes. Muito depois, descobriu que não enxergava as formas e as cores. Então foi rotulada como sendo deficiente. “E ter uma deficiência é estar fora do padrão, é ser inútil”, diz ela, enquanto abre uma pasta com suas obras. São riscos, traços em aquarela e nanquim, que trazem para o papel o modo como vê. Suas criações são dotadas de distorções, movimentos e estranhamentos.

Uma experiência visual

Desacomodam o olhar acostumado a ver o mundo com linhas e contornos definidos. As bordas nos contém. “O perfeito encerra um traço que modela a imagem, eu trabalho com o caos e o acaso. Minha obra é mais afetada e afeta mais. Não sei se vejo o mundo diferente, sei que o vejo do meu jeito”. Natália trabalha com a estética da imperfeição e suas obras são uma experiência visual imperfeita. No início da carreira, criava quadros com elementos figurativos, que a maioria das pessoas gostam, porque são conhecidos, mas o problema é que eram desconhecidos para ela. Debatia-se com a questão: “por que dar forma àquilo que não tem forma para mim?”.

Seu segundo desafio na arte foram as cores. “Para uma pessoa que no máximo alcança os tons de cinza, como entender do que se trata a teoria das cores?”, brinca. Para não se apegar às regras, costuma riscar os nomes das cores nos tubos de tinta. Depois espalha pela paleta e pinta, livremente. “As cores nasceram sem nome para mim; por que agora que tenho consciência da minha doença eu iria me importar com isso?”. Da sua imaginação e liberdade brotam vermelhos, amarelos, azuis. Afinal, a visão é também um ato poético do olhar.

Criar pelo avesso

Foi quebrando regras, abandonando moldes e preferindo a desproporção que Ana Júlia Poletto descobriu-se uma ceramista do imperfeito e do “desútil”, termo muito presente na obra do poeta Manoel de Barros. Amassar a argila, não usar o torno e passar para a peça suas emoções e sentimentos a motivam a criar pelo avesso. Ana Júlia faz peças em cerâmica imperfeitas, que lembram as lunações do poeta Herberto Helder, as desutilidades de Manoel de Barros, os desassossegos de Fernando Pessoa, a coragem de Adélia Prado. “É preciso renascer e reconstruir para deixar o avesso à mostra”, diz Ana.

Para ela, o barro é visceral. Ao tocar nele, ela acredita que toca na vida, em si mesma, nos seus medos – e assim aprende a conhecê-los. Suas peças são irregulares, suas formas guardam silêncios e ressonâncias de mundos internos e distantes, suas texturas nos convidam ao toque. “Foi o barro que me ensinou como ele queria ser modelado e continua me ensinando que para aceitar o inacabado, o avesso, o imperfeito, é preciso motivação e intimidade.

Trabalhar com o barro é saber e aceitar que o processo é mais lento, que é preciso criar um vínculo com a matéria-prima e estar presente no momento da criação com mente e essência, sem se preocupar se ficará bonito no final”, acredita a artista, que para aceitar-se imperfeita e inacabada teve, primeiramente, que seguir em direção a si mesma.

Os vazios precisam existir

Para a psicoterapeuta Gilla Bastos, toda pessoa para viver em sociedade, pertencer a grupos e estar dentro dos padrões sociais aceitos acaba por esconder seu lado imperfeito. “Só que ele é a nossa parte mais humana”, afirma. Para ela, aceitar-se incompleto é também deixar os nossos vazios existirem, mas envoltos de afetos, de compreensão e de amor. “É na imperfeição que encontramos a nossa subjetividade. E é nas brechas do imperfeito que há espaço para a existência e o convívio com o outro”.

Aceitar a incompletude, afinal, faz de nós o que somos. Viver é confuso e dá medo dos quartos fechados dentro de nós. O escuro pode ser o nosso avesso. E, diferentemente do que passamos uma vida toda ouvindo, o avesso – ao contrário do lado perfeito e polido – guarda sua plenitude justamente por ser assimétrico e inacabado. A não linearidade abre brechas em que o encontro se torna possível, onde o outro pode se fazer presente. O imperfeito nos ensina a beleza da simplicidade e é ela que nos empurra para a transformação e o crescimento. Parafraseando Manoel de Barros, são os nossos olhos que renovam o mundo.

*Adriana Antunes é jornalista e agradece o universo por conhecer pessoas tão incríveis que a ajudam a aceitar-se como é, imperfeita e incompleta.

………………………………………………………………………
*Fonte: vidasimples

Você pode enganar o corpo com outra pele, mas não o coração com outra alma

Definitivamente qualquer um pode nos provocar arrepios, qualquer um pode agitar nossos sentidos, fazendo-nos sentir muitas emoções e sensações associadas a uma liberação hormonal, que responde a um processo químico e biológico do nosso corpo, porém, a conexão que sentimos entre nossas almas, essa sim, vai além de tudo que podemos perceber com nosso corpo.

Nós podemos substituir uma carícia por outra, alguns beijos por outros, mas quando vamos mais além, não podemos enganar nossos corações, não encontraremos olhares que nos façam sentir o mesmo, nem aquele sentimento de estarmos sempre conectados

Quando dois corações daqueles que fizeram um acordo de almas se separam, o vazio que se sente é profundo, afoga, queima, suspende a respiração, não há mais nenhuma satisfação, conforto e acoplamento que pertença a duas almas que viajaram juntas por mais tempo do que podemos reconhecer.

Certamente as missões terminam, muitas vezes amando intensamente dois corações devem seguir caminhos diferentes para aprender o que é necessário, para chegar onde deveriam e não sabemos se neste plano ou outro, mas certamente estas almas estarão juntas novamente. No entanto, enquanto eles estiverem fisicamente distantes na estrutura terrena, eles serão capazes de reconhecer sua energia, mesmo que não possam sequer ver um ao outro.

Uma vez que estamos em contato com esse ser que sabemos que nos leva além do tangível, não podemos nos enganar ao nos conectarmos com outra pessoa, o sentimento será gravado em nossa essência, nossa mente ficará confusa e tentará substituir o que um dia la lhe deu prazer, nosso corpo vai encontrar outras maneiras de se sentir à vontade, mas nossa alma sempre nos fará um chamado especial para retornar a onde pertencemos, sabendo plenamente o que é amor verdadeiro.

Além de sermos capazes de identificar o que nos acontece, devemos ser gratos por termos estado em contato com nossa pessoa especial, conscientes de que, não importa o que aconteça nesta vida transitória, o amor nos une, nos alimenta e transcende acima do que nós nossa razão consegue entender.

Vá em frente, continue com sua vida, tudo passa por algo e o que é para você, será no momento preciso. Sempre confie que o melhor ainda está por vir e ouça o que seu coração lhe diz, o que não lhe permite ser facilmente enganado.

*Por: Sara Espejo

……………………………………………………………………….
*Fonte: pensarcontemporaneo

Por que a decepção é um sentimento que dói tanto?

A palavra decepção vem do latim “deceptio”, que significa engano ou dolo. E todos nós já perguntamos por que a decepção dói tanto? Porque ela é um sentimento amargo, onde o nosso corpo e mente não conseguem digeri-lo.

Não tem jeito, as decepções estão presentes em nossas vidas, algumas são mais leves e outras mais severas e todas deixam “cicatrizes”, prejudicando o nosso equilíbrio, que se somatiza na forma de enxaqueca, tensão muscular, mágoa, angústia, etc.

É uma realidade psicológica, resultante de expectativas que criamos em relação a certos indivíduos, objetos e situações. Entretanto, não devemos deixar que o engano ou dolo cause desconfiança de todos, caso contrário viveremos na defensiva.

Podemos citar três exemplos, a decepção amorosa, uma vez que confundimos a ilusão da paixão com a realidade, a decepção com um amigo ou amiga que nos faltou com o respeito e na política, o cenário é frustrante, tomado por mentiras, corrupção e uso da máquina pública para atender interesses pessoais.

Isso são os reflexos de uma sociedade hipercompetitiva, que banalizou a desilusão e o sofrimento, como marcas do nosso modo de viver. O filósofo Gilles Lipovetsky classificou de sociedade da decepção, que cria uma atmosfera de ansiedade, na qual o conceito de felicidade ingressa em uma condição paradoxal, em que o entretenimento e o bem-estar dividem espaço com um intenso mal-estar subjetivo.

Segundo Lipovetsky, o nosso tempo caracteriza-se pela alta incidência da experiência frustrante, no âmbito público e privado, que diz respeito ao enfraquecimento das instituições coletivas, das formas religiosas e políticas, que evidencia que vivemos em uma era da superabundância de ofertas e da desestabilização das culturas de classes, que agora está em todos os lugares e em todos os níveis sociais.

Por isso, que a decepção nunca vem de surpresa e os sinais são claros, contudo, preferimos o caminho mais fácil, alimentando a ilusão e aumentando a altura do “tombo.” Sabemos que é complicado viver em uma sociedade assim, mas não significa que temos que fechar as portas para novas oportunidades, bem como não podemos responsabilizar os outros por nossa ingenuidade e falsa expectativa.

No entanto, quando a decepção se torna crônica e patológica na vida dos sujeitos, o melhor é buscar a psicoterapia, que é um ambiente livre de julgamentos. Por fim, precisamos estar –permanentemente – conscientes de que as pessoas podem falhar conosco, porém, somos igualmente falíveis e podemos também decepcionar os demais, lembrando que “todo sonhador está condenado a viver um grande número de decepções”, como dizia o filósofo Jean Paul-Sartre

*Por Jackson Cesar Buonocore

……………………………………………………………….
*Fonte: paporeto

Relações que nos desafiam são mais enriquecedoras. Relações que refletem exatamente um espelho de quem somos, são empobrecedoras

No livro de memórias de Isabel Allende: “A soma dos dias”, ela relata uma das brigas épicas que teve com o então marido, o advogado e escritor Willie Gordon: “Willie e eu tivemos uma dessas brigas que fazem história na vida de um casal e merecem nome próprio – feito “guerra de Arauco”, como ficou conhecida na família uma que fez com que meus pais andassem armados durante quatro meses – , mas agora, quando se passaram muitos anos e posso olhar para trás, dou razão a Willie (…) Foi um choque de personalidades e culturas”

Deixando de lado o fato da união ter acabado após 27 anos, e de ter sido marcada por tragédias: ela perdeu uma filha, enquanto ele perdeu dois; foi um relacionamento forte e bonito, pontuado pelas diferenças de cultura e de personalidade.

Choques de cultura e personalidade podem ser encarados como divisores de águas numa relação ou, ao contrário, como oportunidades de aprender, evoluir, e assimilar outras formas de responder aos desafios da existência. Se estivermos abertos o bastante para aceitar as diferenças como aprendizados e não afrontas, enriqueceremos como pessoas.

Quando desejo que o outro seja exatamente como sou, que aja precisamente como eu agiria se estivesse no lugar dele, que cumpra minhas expectativas e anseios da forma como imagino, que diga o que espero ouvir, que tenha atitudes semelhantes às minhas, que seja tão entusiasmado quanto eu por aquilo que me interessa, que tenha gostos semelhantes aos meus, que vibre com a mesma intensidade que eu, que se cale nos momentos que eu imagino como certos, que se comporte segundo os meus critérios, que se limite naquilo que eu acho justo que ele se contenha, que cumpra exatamente o meu script… quando desejo isso, estou empobrecendo a relação e, mais ainda, estou esgotando minhas possibilidades de evoluir e crescer como pessoa.

Precisamos de provocações. De sermos desafiados a encarar a vida com novo olhar; de sermos encorajados a tirar as lentes com que percebemos o mundo para enxergar outras possibilidades e maneiras de conduzir a existência. Precisamos começar a aceitar a singularidade do outro, entendendo que há outras formas de analisar, sentir e reagir a uma situação, e não somente a forma como aprendemos, e que, por isso, julgamos como certa. Precisamos estar bem confortáveis com a liberdade do outro, sem que isso seja apontado como uma afronta a nós mesmos.

Numa relação não existe somente a pessoa A encontrando com a pessoa B, e sim a história da pessoa A se deparando com a história da pessoa B, e essas diferenças precisam ser celebradas, e não lamentadas. Precisamos começar a rever nossas crenças – muitas vezes limitantes – e abrir-nos sem preconceitos ou resistências à maneira como o outro experimenta e vive a vida.

É preciso aprender a lidar bem com as diferenças, sem querer moldar o outro à nossa imagem e semelhança. Que as diferenças sejam motivos de celebração, e não de frustração ou decepção.

Segundo a psicanálise, a paixão é um equívoco. Pois a paixão é uma projeção. Projetamos no outro aspectos de nós mesmos (nossas neuroses, nossas formas de nos relacionar, nossas experiências e vivências, nossos traumas) ou projetamos aquilo que desejamos que o outro seja para nós. Porém, na maioria das vezes, estamos completamente enganados a respeito do outro.

Separada de Willie, Isabel Allende encontrou um novo amor aos 75 anos. Numa entrevista, comentou: “Sempre estou alerta, aberta ao mistério da vida, às coisas maravilhosas que nos esperam e às trágicas que ninguém deseja”. Ela tem razão. A vida não está aí para ser evitada ou lamentada, mas para ser vivida com coragem e espírito aberto, não deixando que nossas crenças nos limitem, mas que tenhamos uma alma jovem o bastante para se considerar sempre no processo e nunca pronta.

*Por Fabíola Simões

…………………………………………………………………….
*Fonte: asomadetodososafetos

Não é o amor que sustenta o relacionamento, é o modo de se relacionar que sustenta o amor

Amar é tão simples. As pessoas é que complicam, as pessoas é que idealizam demais e esquecem de viver a realidade que, por mais complicada que possa parecer, continua linda de viver. As pessoas se esquecem de que o amor precisa ser alimentado não com presentes e jantares caros. Não, o amor não precisa ser financiado para se manter.

O problema é que as pessoas se esquecem do chocolate favorito quando vão ao mercado, se esquecem de que aquela camiseta do Star Wars vai fazer o coração do outro bater mais forte e que o sorriso vai ser desenhado aos poucos em seu rosto como quem diz obrigada.

As pessoas se esquecem da cor favorita, da sobremesa preferida, se esquecem de que um filme de comédia romântica, em um final de tarde no domingo, faz bem. As pessoas se esquecem de elogiar aquele vestido novo, de dizer o quanto está linda naquele pijama velho que a deixa ainda mais bonita.

As pessoas se esquecem da importância de assistir um jogo de futebol com o parceiro, de gritar com ele quando o seu time faz um gol e de vibrar com os “quase” gols.

As pessoas se esquecem de tirar um tempo de qualidade para escutar o outro. As pessoas se esquecem de dar uma flor dessas que a gente rouba do quintal dos outros (risos). De elogiar o perfume novo e de dizer aos pés do ouvido o quanto ama esse alguém.

Não precisa de buquê no trabalho, não precisa levar para jantar em um restaurante caro, não precisa encher de joias, comprar presentes caros. Não precisa disso para manter a chama do amor acesa. Não é isso que faz pegar fogo.

Um beijo na testa faz o coração de qualquer mulher se acalmar, um abraço quando as coisas não estão bem faz com que a gente se sinta protegido e assistir aquele filme que o outro tanto quer, também sabe agradar.

Beijos ao pé da orelha causam arrepios e o toque sincero faz o corpo balançar. O problema é que as pessoas são intensas demais no começo de um relacionamento e fazem de tudo para conquistar o outro, mas não sabem como lidar com todo o sentimento que, às vezes – na maioria das vezes – parece não caber dentro da gente.

E aí vem os inúmeros presentes, os inúmeros agrados, os inúmeros elogios e depois de um tempo, a insegurança vai embora e a gente se esquece de que é preciso conquistar todos os dias. Mas isso, ao contrário do que muita gente pensa, não é um fardo, obrigação e está longe de ser um sacrifício.

É a simplicidade que emociona, é o beijo de bom dia, é o “sonhei com você”, é o elogio sincero e inesperado, é o cuidado, é fazer aquele mousse de maracujá, preparar uma janta em casa mesmo e dizer: “Só tinha ovos, fiz um omelete delicioso pra nós dois. Espero que goste”. Um recado deixado no meio dos seus livros é o suficiente para fazer o nosso coração sorrir.

Vai, manda um SMS no meio da tarde dizendo que não consegue parar de pensar nele, compra o seu chocolate favorito e aparece de surpresa. Vai, compra uma rosa – não um buquê- e deixa um bilhete dizendo o quanto você a ama.

Não deixe cair na mesmice, continue fazendo aquele belo sorriso brotar, aqueles lindos olhos brilharem. Vai, continua fazendo aquele corpo balançar com o teu toque. Vai, mantém essa chama acesa e deixe incendiar. O amor se alegra com a simplicidade e são as pequenas coisas que fazem o nosso coração sorrir sem medo, como quem tem alguém ao seu lado querendo fazer morada.

*Por Thamilly Rozendo

………………………………………………………………
*Fonte: resilienciamag

Nossos corpos estão cronicamente em “modo de ameaça”, mas ser gentil recalibra nosso sistema nervoso

Ser gentil com os outros impacta positivamente sua saúde física e mental, de acordo com esta pesquisa inovadora do professor de Stanford, Dr. James Doty.

A bondade é uma virtude admirada e aplaudida, na maioria dos casos. Mas você sabia que ser gentil também pode ser bom para sua saúde? Na verdade, ser compassivo com os outros pode redefinir nossos sistemas consistentemente estressados ​​de volta ao nosso “modo de descanso” padrão, causando todos os tipos de efeitos positivos em nossa saúde geral.

De acordo com o Dr. James Doty , professor de Stanford e autor de Into the Magic Shop: A Neurosurgeon’s Quest to Discover the Mysteries of the Brain and Secrets of the Heart , o sistema nervoso não funciona perfeitamente se estiver em modo de ameaça o tempo todo. E, no entanto, nosso estilo de vida cheio de adrenalina, “em movimento”, nos faz operando principalmente no modo de ameaça, o que pode ser uma das razões pelas quais contraímos uma variedade de doenças diferentes.

Nossos corpos liberam proteínas inflamatórias em resposta ao estresse. Por causa dessa liberação, nosso sistema nervoso mostra uma diminuição nas capacidades do nosso sistema imunológico, que é o que responde a ameaças como germes ou bactérias que causam doenças.

A constante superestimulação de nossos sistemas nervosos causada por nosso modo de vida acelerado também nos torna muito mais inclinados a tirar conclusões precipitadas (muitas vezes críticas) sobre outras pessoas. Esse tipo de julgamento rápido embota nossa própria capacidade de agir por compaixão pelos outros. Isso, por sua vez, nos deixa operando em um modo de ameaça constante, o que tem efeitos negativos de longo prazo em nossa saúde.

Bondade e compaixão nos colocam no “modo de descanso”, começando no sistema nervoso
A capacidade de sentir e agir por compaixão pelos outros pode ter um efeito enorme em sua saúde geral.

O Dr. Doty explica isso melhor neste artigo Uplift :

“Quando alguém age com intenções compassivas, isso tem um efeito positivo enorme em sua fisiologia. Isso os tira do modo de ameaça e os coloca no modo de descanso e digestão. O que acontece quando isso ocorre é que muda a forma como respondem aos eventos . “

De acordo com o Dr. Doty, em vez de uma resposta rápida que geralmente é baseada no medo, ansiedade ou estresse, nosso tempo de resposta é mais lento e deliberado, o que tende a resultar em ações mais eficazes, criativas e compassivas. Somos capazes de mudar as respostas que temos aos eventos porque estamos permitindo que a área de controle executivo de nosso cérebro funcione no nível mais alto.

Vários estudos na Emory University demonstraram isso e deram resultados que apóiam a ideia de que atos compassivos regulares ou práticas de meditação baseadas na compaixão podem reduzir as interações neuroendócrinas negativas em nossos cérebros (que são as interações entre nosso sistema nervoso e o sistema endócrino).

O sistema nervoso simpático vs o sistema nervoso parassimpático

Quando mudamos para nosso sistema nervoso parassimpático (o que fazemos instintivamente quando agimos por compaixão), saímos do sistema nervoso simpático em que a maioria de nós vive devido ao nosso estilo de vida agitado.

Quando essa mudança acontece, nossa variabilidade da frequência cardíaca aumenta, o que causa um impulso em nosso sistema imunológico. Esse reforço do sistema imunológico pode nos ajudar a combater infecções ou doenças.

Agora, vamos falar sobre telômeros. Para visualizá-los, você pode imaginar pequenas cápsulas que protegem as extremidades dos cromossomos durante a divisão celular. Os telômeros ficam mais curtos cada vez que um cromossomo se copia durante a divisão celular, o que acontece constantemente. Eventualmente, os telômeros ficam muito curtos para fazer seu trabalho de proteger as informações genéticas armazenadas nos cromossomos, o que faz com que as células parem de se replicar – um processo conhecido como morte celular. É assim que os telômeros agem como um relógio de envelhecimento em cada célula que temos; quanto mais rápido seus telômeros encurtam, mais avançado se torna o processo de envelhecimento.

A pesquisa do Dr. Doty mostrou que um dos efeitos positivos de longo prazo de viver em nosso sistema nervoso parassimpático (referido como nosso modo de “repouso”) é que nossos telômeros realmente aumentam de comprimento.

Em teoria, com o tempo, ser gentil e compassivo pode, na verdade, retardar o processo de envelhecimento em algumas células do nosso corpo.

Assim como mostrar compaixão pode recalibrar nossos sistemas nervosos fora do modo de ameaça e de volta ao modo de descanso, sentir compaixão ou bondade de outras pessoas também tem um impacto positivo em nossos sistemas. A pesquisa da professora Stephanie Brown da Stony Brook University provou que experimentar a compaixão também pode levar a melhorias tremendas em nosso bem-estar físico e mental.

Seja amável. É bom para a sua saúde.

Esta pesquisa inovadora nos permite compreender os benefícios que as interações humanas podem ter na saúde de nossas mentes e corpos.

O efeito cascata positivo de ser gentil não afeta apenas nossa saúde, mas também pode impactar nossas interações com outras pessoas e desencadear uma reação em cadeia positiva com benefícios de longo alcance em comunidades inteiras. Reinicializar nossos próprios sistemas no modo de repouso, saindo do modo de ameaça, pode nos permitir processar as coisas com mais clareza e fazer escolhas melhores.

Em um mundo onde você pode ser praticamente qualquer coisa, seja gentil. É bom para a sua saúde.

*Adaptado de Big Think

 

……………………………………………………………………….
*Fonte: pensarcontemporaneo

O Brasil finalmente encontrou a solução para a pandemia: ligar o foda-se

Bares lotados, praias abarrotadas e uma vida cotidiana tocada como se nada estivesse acontecendo. Excetuadas as poucas almas que insistem em permanecer em suas casas e em usar máscaras ao sair, seria impossível notar que o Brasil atravessa a maior crise de saúde de sua história. Ora, após quase cinco meses de um isolamento fictício, não há dúvida de que a fadiga e a necessidade de sair em busca do ganha-pão iriam forçar a população engaiolada a voltar às ruas e retomar ostensivamente sua liberdade.

Bastante conhecida no teatro e no cinema, a solução deus ex machina — que, em uma tradução livre, seria algo como “deus que surge da máquina” — é antiga e remete à falta de criatividade em um roteiro. Ao surgirem problemas cujas soluções seriam extremamente complexas, por haver “pontas soltas” no enredo, uma força externa aparece, do nada, e resolve as questões da maneira mais improvável. A expressão em latim vem do teatro clássico grego, que frequentemente usava esse recurso: quando as histórias pareciam não ter mais como serem resolvidas, um mecanismo no teto fazia descer ao palco, repentinamente, um deus que milagrosamente sanava todos os conflitos.

Um exemplo bastante evidente do recurso no cinema está em “Superman: o filme”, de 1978. Quando tudo parece perdido e Lois Lane é morta, o Homem de Aço começa a girar em volta da Terra, fazendo o tempo voltar e, assim, salvando o dia — e sua amada — de uma maneira fantástica e aleatória, nada convencional. O mesmo ocorre na franquia “Senhor dos Anéis”, na qual, em um dos momentos mais tensos da trilogia, Gandalf surge com águias gigantescas, nunca antes mencionadas no enredo, em uma cena bem conveniente e que aparenta não fazer muito sentido (se eles tinham essa alternativa, por que já não foram voando de águia desde o começo para a região de Mordor?). Poderíamos citar ainda as inúmeras histórias que terminam com o protagonista acordando e vendo que tudo não passava de um sonho.

Pois não foi outra a resposta tupiniquim para extirpar de vez o mal que assombra seus filhos. Mátria frátria, como um dia desejou Caetano, a nação acostumada a dar jeitinho em tudo não iria decepcionar no enfrentamento à pandemia. A solução homeopática, com ares de seriedade, é a flexibilização com base na ocupação dos leitos de UTI. Sensato, mas insuficiente. Andar sem máscara e promover aglomerações é mais emocionante do que a tediosa fórmula de se precaver e aguardar pelo socorro da ciência. No imaginário popular, incentivado por muitos blogueiros e gurus do caos, o fim do isolamento ocorre como se a doença tivesse simplesmente desaparecido. As festas clandestinas eclodem país afora e a espantosa maneira de o brasileiro lidar com o vírus é simplesmente tocar o foda-se para a sua existência. Deus ex machina: por ignorância popular, o vírus ficou no passado.

Não é preciso dizer que esse “novo normal” à brasileira contribui fortemente para a estabilização e o prolongamento da alta taxa de mortalidade do país. Mas quem se importa? Apesar do número estratosférico de infectados, as perdas são diminutas em comparação com as vidas salvas, e o povo precisa mesmo é tocar a vida. Viver no foda-se é a solução deus ex machina que o brasileiro encontrou para não ter que suportar o tédio de encarar de forma séria uma crise mundial. Segue o jogo.

Já dizia Mario Quintana: “ser lembrado é como evocar-se um fantasma”. O fantasma brasileiro, pois, é seu próprio senso de empatia com o próximo. Ou a falta disso.

*Por Matheus Conceição

……………………………………………………………………..
*Fonte: revistabula

Pessoas sem argumentos costumam desqualificar os outros

“Grandes mentes discutem ideias, mentes medíocres debatem eventos, mentes pequenas falam sobre os outros”, disse Eleanor Roosevelt. E não estava errado. Quando lhe falta altura intelectual, ele cai na lama pessoal.

Infelizmente, a tendência de desqualificar os outros quando não temos argumentos sólidos é cada vez mais comum em todas as esferas de nossa vida social, tendência que põe em risco a nossa capacidade de chegar a um entendimento porque destrói pontes em seu caminho. Essa tendência é conhecida como falácia ad hominem.

Qual é a falácia ad hominem?

Presenciamos praticamente todos os dias a falácia ad hominem. Podemos ver isso na mídia ou nas redes sociais, quando há duas partes que defendem argumentos contrários e uma tenta desacreditar a outra recorrendo a argumentos irrelevantes para a questão como aparência pessoal, gênero, opção sexual, nacionalidade, cultura e / ou religião.

A falácia ad hominem é a tendência de atacar o interlocutor, em vez de refutar suas ideias. Quem o usa, desqualifica os argumentos do outro por meio de ataques pessoais destinados a minar sua autoridade ou confiabilidade.

Você pode recorrer a insultos pessoais, humilhação pública ou até mesmo trazer à tona os erros que aquela pessoa cometeu no passado.

Também é comum que sejam atacadas características pessoais do interlocutor que, aparentemente, estão em contradição com a posição que defendem. E há quem recorra à mentira ou exagere supostos defeitos do outro para desvalorizar suas ideias.

O objetivo principal dessa falácia é desacreditar quem defende uma ideia, redirecionando o foco da atenção para um aspecto irrelevante que nada ou pouco tem a ver com a situação em questão.

Muitos exemplos de falácias ad hominem ocorreram e continuam a ocorrer ao longo da história.

Arthur Schopenhauer, por exemplo, era um misógino, mas isso não significa que muitas de suas ideias filosóficas não fossem extremamente interessantes.

Ayn Rand era uma defensora ferrenha do capitalismo, mas isso não significa que não possamos encontrar valor em seu objetivismo.

Como assinalou o político García Damborenea:

“É compreensível que a ideia possa desagradar, mas se Hitler afirmava que dois mais dois são quatro, ele teria que estar certo”.

Afinal, mesmo um relógio parado diz a verdade duas vezes por dia. Se não aceitamos essa realidade, simplesmente nos fechamos para a diversidade e complexidade que existe no mundo. E provavelmente perderemos a oportunidade de crescer, sendo apanhados pelas ideias daqueles que pensam como nós e compartilham nosso sistema de valores, engolfando uns aos outros.

Desqualificações pessoais dizem mais sobre o atacante do que sobre o atacado

A falácia ad hominem costuma ser o resultado da falta de argumento e da frustração.

Usar essa estratégia é como quando um jogador de futebol não consegue alcançar a bola e tropeça em seu oponente para cair.

Não é um jogo justo. E, sem dúvida, diz muito mais sobre quem ataca do que sobre quem é atacado.

Quando você não tem ideias sólidas, você recorre à desqualificação e à humilhação.

Esses ataques podem ser extremamente virulentos e pessoais, pois visam fazer a outra pessoa se sentir envergonhada e permanecer em silêncio ou perder sua credibilidade com os outros.

Porém, os ataques pessoais também desqualificam o agressor, pois mostram sua irracionalidade e sua trama de pobreza.

Quem não consegue lutar no plano das ideias, mas quer vencer a todo custo, vai arrastar seu interlocutor para o plano pessoal.

Somos muito vulneráveis ​​a argumentos ad hominem

O principal problema é que, embora gostemos de nos ver como pessoas altamente racionais e sensatas, somos na verdade particularmente vulneráveis ​​à falácia ad hominem, como descobriram os pesquisadores da Montana State University.

Esses pesquisadores pediram a várias pessoas que lessem declarações científicas e indicassem suas atitudes em relação a elas. Em algumas declarações, foi adicionado um ataque direto à base empírica da afirmação científica; em outras, um ataque ad hominem foi inserido ao cientista que fez a afirmação.

Os pesquisadores descobriram que ataques ad hominem têm o mesmo impacto em nossas opiniões que ataques baseados em argumentos lógicos e científicos. Isso significa que não somos objetivos avaliando os argumentos.

Em parte, essa tendência se deve ao fato de que a credibilidade e os valores compartilhados do emissor são características que consideramos positivas e determinam a influência que uma mensagem terá sobre nós.

Se alguém ataca a fonte da informação a sua credibilidade ou questiona os seus valores, isso semeará a dúvida e é provável que demos menos importância e credibilidade às suas ideias e opiniões.

Quando uma atitude de rejeição é provocada em relação ao oponente, também desenvolvemos uma certa rejeição em relação às suas palavras.

É um fenômeno psicológico de transferência exacerbado por nossa tendência de ver as discussões ou debates como competições nas quais deve haver um vencedor. E em nossa sociedade, para vencer nem sempre é preciso estar certo, mas prevalecer, mesmo com as desqualificações.

Como escapar da falácia ad hominem?

Se algum dia estivermos no meio de um debate e formos tentados a atacar pessoalmente nosso interlocutor, é conveniente que paremos por um segundo para pensar sobre que emoção está nos levando a fazê-lo.

Provavelmente é raiva ou frustração.

Em vez disso, devemos pensar que um debate construtivo não é aquele em que vencedores e perdedores são declarados, mas aquele em que ocorre crescimento.

Ser vítima desse tipo de ataque também pode ser muito frustrante. Portanto, a primeira coisa é conter o impulso de revidar e levar o conflito para o nível pessoal.

Jorge Luis Borges contou uma anedota em “História da eternidade” em que um homem foi atirado uma taça de vinho no meio de uma discussão.

A vítima, entretanto, não vacilou. Ele simplesmente disse ao ofensor: “Isso, senhor, é uma digressão; Aguardo seu argumento” .

Devemos também nos proteger desse tipo de “argumento” enganoso, que visa manipular a opinião das massas para que não dêem ouvidos a idéias valiosas.

Portanto, trata-se de manter a mente aberta e alertar-nos para qualquer ataque pessoal, pois isso provavelmente implica que por trás existe uma opinião ou ideia sólida e difícil de desmontar.

……………………………………………………………………………
*Fonte: seuamigoguru

Adultério S.A.: a florescente indústria da infidelidade

No momento em que você lê estas linhas, talvez seu parceiro esteja sendo infiel. Milhões de homens e mulheres em todo o mundo mantêm relações sexuais fora do casamento ou da convivência. Até aqui nada de novo. O que mudou é que há cada vez mais traições, entre outras coisas porque os dispositivos móveis e aplicativos tiraram a infidelidade da clandestinidade, permitindo que um amante ficasse ao alcance de qualquer um. Ser infiel é muito mais fácil e rápido agora, e embora o homem ganhe de goleada, cresce o número de mulheres que saem para se divertir.

Alguns aproveitam e outros oferecem com quem, como e onde. A infidelidade é hoje um grande negócio, uma enorme caixa registradora capaz de gerar tanto dinheiro quanto carícias e beijos furtivos. As empresas lançaram as redes para pescar em um mercado potencial que, na Espanha, é formado por 11.280.000 casais e uniões civis, de acordo com dados de 2018 do Instituto Nacional de Estatística. Seria necessário acrescentar aqueles que vivem sem papéis no meio.

Plataformas desenhadas para adúlteros com milhões de usuários em todo o mundo, aplicativos para apagar o rastro da infidelidade, detetives particulares para descobrir traições. Quanto dinheiro a infidelidade movimenta?

Impossível calcular. “Além das páginas de contatos existem os hotéis, as viagens, os presentes, os restaurantes… É um negócio que gira bilhões no mundo e tem um peso importante no PIB”, comenta Christoph Kraemer, chefe do mercado europeu da Ashley Madison, rede social para infiéis.

Criada em 2002 no Canadá, é a plataforma mundial preferida para a traição, com 60 milhões de membros registrados em 53 países. Seu slogan é Life is short. Have an affair (A vida é curta. Tenha um caso). No ano passado, segundo uma auditoria da Ernst & Young, registrou 442.000 novos usuários por mês, mais de 5,3 milhões no ano, o que representa um crescimento de 10% em relação a 2017. Pertencente ao grupo Ruby Life, a plataforma diz ser lucrativa desde o primeiro ano, embora não forneça informações sobre faturamento. “Atualmente, não temos planos de entrar na Bolsa. Vamos ver o que o futuro pode trazer”, diz Kraemer.

No momento, o mercado espanhol lhe dá muitas alegrias, tantas quanto 1,56 milhão, que são as pessoas inscritas no site, de idades entre 30 e 40 anos. A Espanha é seu segundo mercado europeu, só atrás do Reino Unido. E o nono no mundo, sendo os EUA, Brasil e Canadá os países mais desleais. Chegou à Espanha em 2011 com a polêmica debaixo do braço ao pendurar uma faixa em pleno centro de Madri usando a imagem do rei Juan Carlos junto com a do príncipe Charles da Inglaterra e do ex-presidente Bill Clinton, com o lema: “O que eles têm em comum? Deveriam ter usado a Ashley Madison”. Nos primeiros três meses, 150.000 espanhóis se inscreveram na rede.

Nessa plataforma, na qual 15.000 aventuras acontecem por mês, 4.500 por dia, as mulheres não pagam para se cadastrar. Os homens devem comprar pacotes de crédito para poder enviar a primeira mensagem. O pagamento mínimo é de 49 euros (cerca de 219 reais) por 100 créditos e chega a 249 euros por 1.000 créditos.

Depois desta chegaram muitas outras. A oferta não para de crescer. Como a Secondlove, cujo slogan é: “Flertar não é só para solteiros e solteiras”. Outra com capacidade de atrair seguidores é a Victoria Milan, com 625.000 membros espanhóis, que incentiva a “reviver a paixão e encontrar uma aventura”.

Também existe o site do encontro infiel, o Affairland. Mas se existe uma plataforma que está revolucionando o mercado feminino é a Gleeden, que se vende como o primeiro site de encontros extraconjugais pensado por mulheres para mulheres. Na prática, isso significa que não é um site focado nos homens, como os outros, nem há mulheres seminuas como gancho. Não é um aplicativo hipersexualizado”, diz Silvia Rubies, chefe de comunicação da Gleeden na Espanha.

Seu objetivo é captar as mulheres que querem arrumar um amante e vencer o tabu que ainda existe sobre a infidelidade feminina. Porque elas, que têm uma média de 37 anos, também são desleais. “Cerca de 30% dizem ter sido infiéis em algum momento da vida e 68% não se arrependem”, segundo uma pesquisa com mais de 5.000 mulheres realizada pelo Instituto Francês de Opinião Pública. O site nasceu na França em 2009 como resposta a esse 30% de pessoas que estão nas páginas tradicionais de encontros que mentem sobre seu estado civil. Um ano mais tarde aterrissou na Espanha, seu terceiro mercado europeu, depois do francês e do italiano. Possui 5,5 milhões de usuários no mundo e 700.000 na Espanha, 60% de homens e o restante de mulheres, que também não pagam. Os homens precisam comprar créditos para poder abrir um chat, enviar presentes virtuais ou ver o álbum de fotos particular; iniciar a conversa é grátis. O preço mais básico é de 25 euros e chega a até 100. Além disso, oferece serviços de discrição, como sacudir o telefone celular duas vezes para sair do aplicativo.

Se as redes de contatos são um negócio, não menos importante são os motéis — na Europa chamados love hotels. Muito comuns no Brasil, seu modelo de negócio, em que o silêncio e a discrição se pagam, se espalha. Não se trata de lugares lúgubres em zonas industriais; muitos deles são hotéis de luxo localizados no centro das cidades. O modelo cresce na Espanha graças ao hotel Zouk (em Alcalá de Henares) ou aos barceloneses H Regàs, La Paloma, La França e Punt14 (da cadeia SuperLove). Também o Loob e o Luxtal. Todos alugam quartos por hora. Além de xampu, estão incluídos preservativos de cortesia e balas em forma de coração. Como já ocorre no Brasil, o estacionamento muitas vezes é no próprio quarto, de modo que a entrada e a saída possam ser feitas sem sair do veículo. A privacidade é a base do negócio.

Em outros, “para sair do quarto você deve ligar para a recepção usando o interfone do seu quarto, de modo que nós lhe informaremos se você pode sair sem que haja outras pessoas. Não será possível cruzar com ninguém”, explica o site da Luxtal, com hotéis em Madri e Barcelona. Seus preços começam em 30 euros a hora e os quartos têm camas de 2,10 metros de diâmetro em formato de meia lua, grandes espelhos estrategicamente posicionados e acessórios eróticos.

A privacidade é a base do negócio. Ao pagar com cartão, o nome comercial do hotel sequer aparece. Apenas a razão social. O La França é o maior de Barcelona, com mais de 70 quartos. Os mais baratos custam 70 euros a hora; a grande suíte, com hidromassagem e espelhos basculantes, sai por 90 euros. Esses estabelecimentos são até três vezes mais rentáveis do que os tradicionais. “Ao vender os quartos por hora, você pode obter mais rendimento do que um hotel convencional, onde o quarto só é vendido por dia, mas há mais despesas com pessoal, roupas, lavanderia e manutenção”, diz o hotel Loob.

Aplicativos discretos

Outra parte desse lucrativo negócio são os aplicativos de celular que apagam o rastro da infidelidade. Um deles é o Tigertext: tudo que chega de um determinado número de telefone é apagado, sejam chamadas ou mensagens. Se o infiel precisar apagar com urgência, pode sacudir o telefone e tudo desaparece. O aplicativo é gratuito e tem mais de 500.000 downloads. Outro é o Vaulty Stock: sua aparência é a de um aplicativo de Bolsa de Valores e custa 21 euros. Ou o Photo Vault, que permite esconder todos os arquivos atrás de uma falsa calculadora.

Apesar das facilidades, sempre há comportamentos que levantam as primeiras suspeitas do parceiro. “A suspeita pode surgir hoje em dia inclusive antes que no passado, como colocar uma senha no seu celular quando você nunca a teve; mudar a senha do computador sem dizer nada ao parceiro ou não atender chamadas ou ler mensagens na frente do parceiro”, diz Enrique Hormigo, presidente da Associação Profissional de Detetives Particulares da Espanha – (APDPE), que tem quase 400 associados.

O método mais comum de trabalho dos detetives é montar um dispositivo de observação e monitoramento que normalmente não dura mais de três dias, explica. Cobra-se por hora, entre 55 e 110 euros a hora. Hormigo diz que as infidelidades não superam 8% de seus serviços. Por outro lado, existem escritórios de detetives particulares especializados em infidelidades. A empresa Infidelity trata entre 150 e 190 casos por ano e, em média, dedica cinco horas a cada um.

Alejandro Chekri, diretor do escritório, diz que o perfil do infiel mudou muito e agora é mais amplo: vai de 20 a 74 anos, a idade do último caso em que trabalhou. Na hora de contratar seus serviços, os principais clientes são mulheres.

*Por Sandra Lopez Leton

……………………………………………………………………….
*Fonte: elpais

Colapso mental: quando sinto o peso do mundo em mim

Colapso mental: quando sinto o peso do mundo em mim é o sinal de que cheguei ao esgotamento emocional e daqui eu só saio, se eu pedir ajuda!

Bloqueado, desmoronado, com pouca energia e com uma mente vazia de motivação … São situações em que é quase impossível adormecer para descansar e recuperar forças.

Isso já aconteceu com você? Descubra por que isso acontece.

Às vezes nos sentimos como Atlas, aquele titã que Zeus puniu e o forçou a carregar o peso dos céus e da Terra em seus ombros. São situações em que não apenas temos a clara sensação de carregar o peso do mundo sobre nós, mas também experimentamos o que na psicologia é conhecido como colapso mental: um estado em que nos sentimos incapazes de reagir.

Essas situações também podem ser definidas como colapso ou bloqueio nervoso, porque afetam o corpo , nosso foco e motivação. Esses são os momentos em que a exaustão é absoluta, combinada com uma preocupação tão crescente que é impossível descansar descansadamente. Atingimos o máximo de nossa força e não exatamente por termos feito um grande esforço físico. Pelo contrário, é devido ao nosso esgotamento emocional.

Essas situações são muito comuns, por exemplo, nos oponentes.

Logo após a realização dos testes, a realização dos exames e a submissão a essa situação de alta angústia, em vez de descanso, colapso… colapso nervoso e o que comumente chamamos de “queda” aparece.

Porque isso acontece?

Isso acontece basicamente porque você passou muito tempo focado nesse objetivo.

Há muitas emoções acumuladas e muitas vezes não canalizadas.

Quando alguém enfrenta a situação estressante, o nervosismo não desaparece. A mente é mantida no mínimo e une forças com o corpo para dizer “isso é o suficiente” até o momento em que chegamos.

O mesmo é verdade em outras circunstâncias. Nós analisamos isso.

“Estou exausto, não aguento mais e tenho a sensação de que atingi o limite e desse jeito vou adoecer”. Essa frase, que todos já dissemos para nós mesmos, contém mais do que mero cansaço. Afinal, a exaustão ainda é um sintoma, a pista óbvia de que algo está acontecendo no corpo. Esse sentimento de esgotamento é, na maioria dos casos, devido a um esforço físico prolongado ao longo do tempo.

Agora, o cansaço geralmente tem uma origem emocional. É a combinação muitas vezes tóxica de preocupação, de estar permanentemente alerta, focada em um determinado objetivo, de alimentar a auto-demanda e de sentir angústia pela incerteza, de não saber o que vai acontecer …

Tudo isso atua como uma tempestade fatal em que a adrenalina, o cortisol e os neuroquímicos que procuram nos ativar aumentam, mas que, por sua vez, acabam afetando o corpo e a mente. A tensão nervosa não demora a aparecer e, com ela, o colapso mental. Vamos aprender mais dados.

Colapso mental, uma resposta psicofisiológica ao estresse

O colapso mental ainda é uma resposta ao estresse sustentado ao longo do tempo. É como um curto-circuito psicofisiológico do qual sentimos que não podemos dar mais de nós mesmos. Chegamos a um ponto em que a exaustão física é imensa e completa exaustão mental.

A coisa mais complexa é que esse estado não é aliviado dormindo 20 horas seguidas. Porque o que se mistura com o colapso mental é nervosismo e inquietação persistente . Assim, estudos como o realizado no Laboratório de Neuroendocrinologia da Universidade Rockefeller, em Nova York, nos lembram que os efeitos do estresse no cérebro são mais graves do que podemos imaginar.

Esse sentimento de alerta, pressão e preocupação constante gera uma liberação de neuroquímicos como o cortisol, que acabam afetando o funcionamento do hipocampo, da amígdala e do córtex cerebral. Há hiperativação e essa hiperatividade não desaparece exatamente assim. É por isso que o que geralmente percebemos nessas situações é o seguinte.

Sintomas psicológicos

-Problemas focando atenção.
-Falhas de memória
-Alterações de humor.
-Baixa motivação.
-Negatividade.
-Sensação de irrealidade devido à névoa mental (sentindo que o que está acontecendo ao meu redor não é totalmente -real).
-Sintomas físicos
-Padrões alterados de sono: despertares freqüentes, pesadelos …
-Exaustão.
-Dor muscular, dores de cabeça, distúrbios digestivos.
-Sensação de ir mais devagar que o normal, de não conseguir andar ou reagir mais rápido.

O que podemos fazer quando nos sentimos fisicamente e mentalmente em colapso?

Como apontamos, quando uma pessoa sofre um colapso mental, ela geralmente se recupera apenas descansando. Além disso, em muitos casos, mesmo com calma, esse descanso não é alcançado. Portanto, é apropriado refletir sobre uma série de estratégias:

Detecte suas fontes de estresse e gerencie-as.

Se fomos submetidos a situações estressantes, como ter que entregar um projeto, fazer exames, fazer um processo que nos afligiu … É hora de perceber que tudo isso tem um começo e um fim.

Racionalize os pontos que tiram nossa calma e têm mais controle sobre eles. Somos nós que devemos dominá-los e não vice-versa.

Descanso físico e nossa recuperação não serão possíveis se não identificarmos e trabalharmos naqueles aspectos que tiram nossa calma. Você tem que manter isso em mente.

Por outro lado, é apropriado melhorar nossos hábitos de vida: cuidar da comida, permitir-nos momentos de descanso e lazer , praticar esportes, compartilhar tempo com pessoas com quem podemos conversar sobre nossas preocupações etc.

Os exercícios de respiração e relaxamento também são muito adequados nessas circunstâncias.

Finalmente, quando estamos conscientes de que estamos passando por um colapso mental, por uma situação de crise em que nos sentimos incapazes de reagir ao que acontece conosco, a última coisa que devemos fazer é nos forçar.

É hora de realizar o que às vezes nos custa tanto:

«pare, se dê um tempo e atenda as suas necessidades».

Essa é sempre a melhor estratégia.

………………………………………………………………….
*Fonte: seuamigoguru

Desde o tempo de Galileu, negação da ciência passou do campo religioso para o político, diz astrofísico

No dia 22 de junho de 1633, o astrônomo Galileu Galilei, considerado por muitos o criador do método científico, recebia sua sentença frente a um tribunal da Inquisição. Pela acusação de defender o modelo de Copérnico, em que a Terra girava em torno do Sol, Galileu foi considerado um herético, forçado a repudiar as ideias heliocêntricas e sentenciado a prisão domiciliar, além de ter sua obra Diálogo incluída no Índice de Livros Proibidos do Vaticano.

Pouco menos de 400 anos após esses acontecimentos, uma pesquisa do Instituto Datafolha realizada em julho de 2019 apontou que 7% dos brasileiros acreditam que a Terra seja plana. O número representa um movimento que ganhou impulso nos últimos anos, o dos chamados terraplanistas, que questionam o formato esférico do planeta, noção que já era consenso inclusive na época de Galileu.

Foi com o intuito de analisar o ressurgimento de movimentos de negação a resultados científicos como esse que o astrofísico romeno Mario Livio lançou no início de maio o livro Galileo and the Science Deniers (Galileu e os negacionistas da ciência, editora Simon & Schuster, a ser lançado em português pela editora Record), no qual faz uma nova leitura da vida e descobertas de Galileu e compara a resistência que enfrentou na época ao negacionismo existente hoje.

Uma das principais diferenças, segundo ele, é que a oposição à ciência deixou de ter cunho prioritariamente religioso.

“Quando falamos sobre a negação das mudanças climáticas hoje ou olhamos para algumas das respostas iniciais à pandemia do Covid-19, fica claro que essas ações são motivadas em grande parte por conservadorismo político”, afirma o autor à BBC News Brasil.

Livio é astrofísico, escritor e palestrante, membro da Associação Americana de Avanço da Ciência, e vive na cidade de Baltimore (EUA). Ele atuou por 24 anos como astrofísico no Instituto de Ciência do Telescópio Espacial, centro instituído pela Nasa para operar o telescópio Hubble. Também é autor de livros como Por quê? O que nos torna curiosos (Editora Record, 2018) e A equação que ninguém conseguia resolver (Editora Record, 2008).

Confira os principais trechos da entrevista.

BBC News Brasil – Por que é importante neste momento lançarmos um novo olhar sobre a vida de Galileu?

Mario Livio – Em primeiro lugar, é sempre bom analisar a vida de Galileu porque ele era uma pessoa fascinante. Ele foi um dos maiores defensores da liberdade intelectual, uma luta que é sempre relevante. Mas, na verdade, claro que o mais importante de olharmos para esse período em particular é que hoje ainda vemos muito negacionismo em relação à ciência no mundo.

Acredito que isso também seja verdade para o Brasil, pelo pouco que sei sobre a situação política que vocês estão atravessando.

A luta de Galileu foi contra a negação da ciência. Portanto, é importante entender, antes de tudo, que esse não é um fenômeno recente e analisar as semelhanças e diferenças entre a negação da ciência que existia no tempo de Galileu e a que existe no nosso tempo atual.

BBC News Brasil – O que podemos aprender sobre a luta de Galileu que pode ser aplicado à nossa realidade?

Livio – As motivações para se rejeitar as descobertas da ciência no tempo de Galileu e hoje são diferentes. No tempo de Galileu, o principal problema costuma ser descrito como um enfrentamento entre ciência e religião. Isso não é verdade, e ele mesmo nunca enxergou o conflito dessa forma.

Galileu era uma pessoa religiosa. O conflito que ocorria na realidade era entre a ciência e as interpretações literais da Bíblia feitas pela Igreja Católica. Era contra isso que ele lutava. O argumento de Galileu era de que a Bíblia não tinha sido escrita como um livro científico, e sim buscando a nossa salvação. Consequentemente, foi escrita em uma linguagem que possa ser compreendida por pessoas comuns.

Ele apontava que mesmo os planetas não eram nomeados na Bíblia e que a maior parte do conteúdo do livro era dito em metáforas, não deveria ser considerada de forma literal. Ele insistia que a Bíblia não continha erros. O erro era nosso de interpretar de maneira literal.

Quando olhamos para os negacionistas da ciência hoje, vemos que as motivações são diferentes. Quero dizer, existem casos que são parecidos. Por exemplo, há nos Estados Unidos pessoas que insistem em ensinar o criacionismo na escola junto com a teoria da evolução de Darwin. Essas pessoas também são motivadas pela religião.

Porém, quando falamos sobre a negação das mudanças climáticas hoje ou olhamos para algumas das respostas iniciais à pandemia do covid-19, fica claro que essas ações são motivadas em grande parte por conservadorismo político. Estamos em um ano de eleição presidencial nos EUA e existe uma vontade de se satisfazer os apoiadores.

Então as motivações são diferentes, mas o efeito é o mesmo, porque significa que a ciência está sendo posta de lado e os conselhos gerados com base científica não estão sendo levados a sério.

BBC News Brasil – Em 1992, o papa João Paulo 2o finalmente reconheceu que a Igreja Católica errou ao condenar Galileu. Mesmo com um certo atraso, e considerando essas diferenças que o senhor acaba de apontar, isso indica que a religião está deixando de ser a principal força antagonista da ciência e esse papel está passando hoje definitivamente para o campo da política?

Livio – Sim, você está absolutamente certo. Recentemente, o papa Francisco declarou que nem o Big Bang nem a teoria da evolução de Darwin estão em conflito com a fé. Então acho que a Igreja Católica é muito menos negacionista hoje do que era antigamente.

Mesmo aquelas pessoas que, por causa da religião, querem ensinar o criacionismo nas aulas de ciência vão contra as declarações do próprio papa. A motivação religiosa do lado da Igreja é muito menos pronunciada hoje, e é muito mais por causa do conservadorismo político que vemos esse negacionismo.

BBC News Brasil – Por que é importante para líderes populistas como Trump e Bolsonaro confrontar a ciência e disseminar a desinformação dessa maneira?

Livio – Olha, eu gostaria muito de saber a resposta para essa pergunta. Trump quer ser reeleito e claramente tenta agradar sua base eleitoral. Imagino que ele acredite fortemente que seus seguidores compartilham visões semelhantes a essas. Ele também tem levado em consideração questões financeiras e de negócios acima de qualquer tipo de dilema moral ou mesmo, até certo ponto, da preservação de vidas humanas.

Eu não estou totalmente familiarizado com a evolução da covid-19 no Brasil, mas sei que vocês estão enfrentando graves problemas. Nos EUA, a resposta inicial do governo foi dizer: ‘Ah, estamos só com 15 casos agora e logo isso cairá zero. Não precisamos mudar muita coisa, estamos fazendo um bom trabalho’.

Claro que esse pensamento era completamente falso. Sabemos agora, de acordo com modelos matemáticos sérios, que se a resposta inicial tivesse sido mais rápida e clara, muitas vidas teriam sido salvas.

Neste momento, já tivemos no país uma resposta mais robusta para a pandemia, mas agora corremos o risco de uma reabertura apressada da economia. Não acredito que isso seja somente motivado pela necessidade de ajudar os trabalhadores americanos. Enquanto as pessoas não estiverem seguras o suficiente para retomar suas atividades, não importa muito se os negócios estarão abertos ou não. A população precisa se sentir segura para que isso dê certo.

O governo americano emitiu regras segundo as quais os negócios devem reabrir, mas ele não seguiu as próprias diretrizes. Quase 20 Estados começaram a reabrir num momento em que o número de casos estava crescendo constantemente ao longo de duas semanas inteiras.

Então a reeleição e os interesses das grandes corporações parecem ser mais importantes para essa administração do que seguir os conselhos ditados pela ciência, e acredito que algo parecido esteja acontecendo no Brasil neste momento.

BBC News Brasil – O negacionismo é maior hoje em dia do que era algumas décadas atrás?

Livio – Não acredito que esse número tenha aumentado. Uma pesquisa recente do Instituto Gallup mostrou que pouco mais de 30% dos americanos acreditam que os seres humanos foram criados há menos de dez mil anos. Esse dado ainda é incrivelmente alarmante, mas, por outro lado, essa porcentagem está em seu nível mais baixo da história. Então, não temos mais pessoas acreditando nisso do que antes e não acredito que existam mais negacionistas hoje do que em gerações anteriores.

O que acontece, porém, é que os negacionistas atualmente têm muito mais visibilidade. Estão, por exemplo, dentro do governo americano em um número muito maior do que em administrações anteriores. Espero que isso seja apenas uma moda passageira. Quero dizer, que isso seja menos uma ideologia de fato do que uma posição tomada puramente por conveniência política.

BBC News Brasil – Por se tratar de questões de saúde, esse negacionismo hoje acaba tendo um impacto muito mais forte do que na época de Galileu?

Livio – No tempo de Galileu, um dos principais conflitos entre ciência e religião envolvia o sistema de Copérnico, que dizia que todos os planetas, incluindo a Terra, giravam em torno do Sol, em oposição ao de Aristóteles, um sistema em que tudo girava em torno da Terra. A Terra como centro parecia melhor para a ortodoxia católica porque o ser humano estaria no centro da criação divina, numa visão antropocêntrica do universo.

Eu não sou epidemiologista nem médico. Sou astrofísico, então não finjo entender bem a ciência de uma pandemia. Mas, como cientista, sei analisar números. Acredito muito nos números.

Compare o caso dos EUA com o da Coreia do Sul, por exemplo. Olhei os números dos dois países até o dia 14 de maio. A Coreia do Sul tem uma população de 52 milhões de pessoas. Lá, eles tinham uma média de cinco mortes por milhão de habitantes até essa data. Nos EUA, que têm uma população de 322 milhões, a média nessa mesma data era de 264 por milhão.

Por que isso? O que os epidemiologistas me dizem é que desde o começo da pandemia na Coreia houve uma insistência para a criação de medidas de controle de contato físico e de isolamento de casos comprovados da doença, com rastreamento dos infectados. Por isso eles conseguiram controlar. Os EUA não fizeram praticamente nada até o início de março, então muito tempo foi perdido.

Isso é muito perturbador. No tempo de Galileu, claro que houve grandes consequências pessoais para ele devido aos que negavam suas descobertas. Ele ficou em prisão domiciliar durante oito anos e meio e seus livros foram proibidos. Hoje, no entanto, estamos falando de muitas vidas humanas.

É inacreditável que existam pessoas que arrisquem a vida de seus filhos por rejeitarem a aplicação de vacinas. Mesmo considerando a questão das mudanças climáticas, é uma coisa que afeta o futuro da vida na Terra. A vida não vai ser extinta por isso, mas um país como Bangladesh ou mesmo o estado da Flórida podem ficar debaixo d’água.

Nunca foi uma boa ideia apostar contra a ciência. Mas quando vidas humanas e o próprio futuro do planeta estão em jogo, essa aposta fica ainda mais injusta. Essa é uma lição importante que podemos aprender com o caso de Galileu.

BBC News Brasil – Galileu era uma figura complexa. Ele não era apenas versado em ciências, mas também se interessava por artes e era bastante religioso. Para alguns historiadores, a defesa de suas descobertas científicas era inclusive uma tentiva de ajudar a Igreja, impedindo que cometessem um erro ao interpretar a Bíblia de forma literal. Quanto de verdade há nisso?

Livio – Acredito que isso seja verdade. No livro Galileo and the Science Deniers, aponto que Galileu era uma pessoa complexa. Nem sempre era a pessoa mais agradável. Era muito solidário com os membros de sua própria família, mas podia ser bem cruel com os que discordassem dele.

Ele era um homem do Renascimento. Tinha grande interesse por música e era um ótimo tocador de alaúde. Sabia de cor passagens inteiras da obra de Dante, Ariosto e Tasso, e escreveu um ensaio sobre a poesia italiana. Também tinha muitos amigos pintores, como Artemisia Gentileschi.

Não podemos ser ingênuos, Galileu lutou primariamente por aquilo em que acreditava. Ele era muito honesto e acreditava estar o tempo todo certo, e que os outros estavam errados. Mas é verdade também que, ao assumir essa luta, ele pensou estar impedindo a Igreja de cometer um erro grave.

Ele tinha medo de que, se as pessoas interpretassem literamente a Bíblia, acreditariam, por exemplo, que o Sol em determinado momento parou sobre a cidade de Gibeão, como diz o livro de Josué. Como depois seria provado que é a Terra que gira em torno do Sol, as pessoas passariam a crer que havia erros na Bíblia. Galileu queria impedir que isso ocorresse apontando que a Bíblia não deveria ser lida de forma literal. Numa frase que ficou famosa, ele também disse não acreditar que o mesmo Deus que nos deu os sentidos, inteligência e raciocínio fosse nos proibir de usá-los.

BBC News Brasil – Em um dos últimos capítulos do livro, o senhor faz uma comparação entre as visões de Galileu e Einstein sobre religião. Pode falar sobre isso?

Livio – As posições de Galileu e Einstein sobre religião eram bastante diferentes. Galileu era religioso, mas sabia que a Bíblia não era um livro científico. Para ele, a religião tinha mais a ver com comportamento moral e ético.

Einstein, por outro lado, acreditava no Deus de Spinoza. Ele admirava e reverenciava a existência do Universo e das leis que o regiam. Essa era a sua religiosidade. Ele não acreditava em um Deus que interferia nos acontecimentos mundanos e recompensava ou castigava de acordo com o comportamento humano. Então, de certa forma, eles enxergavam a religião de formas opostas.

BBC News Brasil – No livro, o senhor menciona a importância da invenção da imprensa para a disseminação de descobertas científicas e, em determinado ponto, a compara à criação das mídias sociais. É irônico que hoje elas sejam usadas para informação e também para desinformação por meio de fake news?

Livio – Na realidade, não é muito diferente do que aconteceu com a invenção da imprensa. Se é verdade que a imprensa ajudou a difundir livros de ciência, literatura e poesia, mesmo naquela época as pessoas já imprimiam muitas obras que promoviam a desinformação. Claro que não tinham um alcance tão grande quanto a internet hoje, mas a semelhança existia.

A diferença é que, como a internet é tão acessível para todo mundo, essas teorias da conspiração acabam alimentando muito mais os negacionistas. Foi o que aconteceu, por exemplo, com histórias como a de que o coronavírus foi fabricado em um laboratório na China. Uma vez que a história foi divulgada, muitos começaram a repeti-la. O problema é que muito poucos acompanham quando a verdade sobre aquilo é revelada.

O mesmo aconteceu no caso das vacinas. Espalhou-se em certo ponto uma pesquisa científica errada que transmitia a ideia de que certas vacinas podiam causar autismo. Mais tarde, houve a admissão desse erro. Mas, como isso só aconteceu muito tempo depois, ainda há muitas pessoas que acreditam nisso até hoje.

É lamentável, mas não sei exatamente o que se pode fazer. As redes sociais criaram mecanismos para excluir conteúdo de ódio, mas é virtualmente impossível apagar tudo.

BBC News Brasil – Mesmo no tempo de Galileu, já era estabelecida a noção de que a Terra é redonda. No momento, temos um grupo de pessoas que acreditam que ela seja plana, os chamados terraplanistas. Isso representa um passo para trás?

Livio – Isso é algo quase inacreditável. Temos imagens da Terra vista do espaço. Do topo do monte Everest, é possível inclusive enxergar a curvatura da Terra. Então esse é um fenômeno que eu nem sei exatamente como descrever. Acredito que tenha a ver com pessoas querendo se sentir especiais, porque não consigo enxergar uma razão clara para existirem terraplanistas hoje em dia. Por sorte, eles não representam um grupo muito grande, mas um só que acredite nisso talvez seja gente demais.

BBC News Brasil – Para Galileu, era muito importante que toda descoberta científica fosse baseada em evidências. O negacionismo vem de uma falta de compreensão das evidências conseguidas pela ciência, que ainda hoje é distante do dia a dia da população em geral?

Livio – Acredito que o papel da ciência, em grande parte, é também fazer com que as descobertas e o conhecimento científico sejam conhecidos pelo público. Galileu era extremamente bom nisso. Ele escreveu a maioria de seus livros em italiano em vez de latim para que pessoas comuns fossem capazes de lê-los. Ele também enviou telescópios para toda a Europa, com instruções de uso, para que as pessoas pudessem ver com seus próprios olhos aquilo sobre o que ele escrevia.

Claro que há alguns ramos da ciência hoje que podem ser complexos demais e requerem um conhecimento muito detalhado de matemática, mas os conceitos gerais poderiam ser aprendidos por todos. Acredito que os telescópios espaciais, como o Hubble, fizeram um ótimo trabalho em criar imagens incríveis que todos podem apreciar mesmo sem entender completamente a ciência por trás delas.

BBC News Brasil – Essa é uma forma eficaz de lutar contra o negacionismo, explicar com mais afinco conceitos básicos para o público geral, eliminando muitas dessas ideias erradas?

Livio – Sim, e tem sido essa a minha intenção. Até o momento publiquei sete livros com apelo popular sobre ciência, todos voltados para pessoas comuns, que não são versadas em ciências.

BBC News Brasil – Esse problema tem ligação com um ponto que o senhor discute no livro, a respeito da separação entre as ciências e disciplinas de humanidades?

Livio – Sim, essa é uma separação que existe até hoje entre esses dois tópicos. Isso foi apontado pelo químico e escritor C. P. Snow em uma palestra e em seu livro Duas Culturas.

Segundo Snow, um grupo de literatos na Inglaterra, a partir da década de 1930, começou a denominar seus membros de intelectuais, ao mesmo tempo em que excluíam os cientistas desse grupo. Eles não perceberam que, enquanto reclamavam que cientistas não eram familiarizados com trabalhos da área de humanidades, eles mesmos desconheciam completamente o teor de trabalhos científicos.

Uma das coisas que tento fazer ao escrever livros de apelo popular é tentar reduzir um pouco essa distância entre as duas áreas de conhecimento. Galileu não teve esse problema, ele era um cientista e um humanista. Muitas pessoas do Renascimento, como Leonardo da Vinci, também eram assim.

Hoje acredito que esse fenômeno represente uma falha no sistema educacional, porque esse é o lugar onde deveríamos aprender que tanto as humanidades quanto as ciências fazem parte de uma única cultura humana. É preciso que todos conheçam ao menos o básico de ambas para que não continuemos vendo pessoas defendendo absurdos como a Terra plana.

Ao mesmo tempo em que todo mundo deve aprender sobre os trabalhos de Shakespeare, de poetas e artistas como Van Gogh, as pessoas também precisam entender as ciências, conhecer as leis da natureza às quais todo o universo deve obedecer. E, mais do que isso, entender a importância da ciência em nossas vidas. Para se ter uma ideia desse impacto da ciência, basta ver que a expectativa de vida na época de Galileu era aproximadamente a metade do que é hoje.

BBC News Brasil – Alguns defendem que colocar em dúvida conceitos científicos é uma questão de opinião, um exercício de liberdade de pensamento. O que o senhor responderia a isso?

Livio – Para ser honesto, acredito que seja um argumento bobo. Todos têm direito às suas opiniões, claro, mas não têm o direito de negar fatos comprovados. Isso é ingenuidade, não um exercício de liberdade de pensamento nem de expressão. Se você disser hoje que a Terra não gira em torno do Sol, isso não é liberdade de pensamento, já que é um fato que a Terra gira em torno do Sol.

A famosa filósofa Hannah Arendt escreveu um livro sobre as origens do totalitarismo. Nele, ela diz que o principal objetivo do totalitarismo não é convencer nazistas ou comunistas, mas sim aquelas pessoas para quem a distinção entre fato e ficção, verdade ou mentira, já não existe mais.

É uma afirmação muito poderosa, que fala sobre a importância dos fatos, aos quais só se chega por meio de uma observação experimental cuidadosa e paciente, analisando depois as informações conseguidas. Essa é a única maneira.

Hoje estamos vivendo algo que pode ser chamado de morte dos fatos, o que considero extremamente perigoso. Basicamente, a mensagem que nos chega de Galileu é: acredite na ciência. Acho que essa mensagem pode ser interessante também para o Brasil nas circunstâncias atuais.

*Por Leonardo Neiva

…………………………………………………………………………
*Fonte: bbc-brasil

O que sonhos eróticos realmente significam, segundo sexólogas

Não sei você, mas quando acordo, raramente lembro meus sonhos eróticos. É uma pena, porque meus parceiros de cama já disseram que costumo gemer e me contorcer dormindo. Falando cientificamente, geralmente temos sonhos eróticos durante o sono REM, a fase do sono ligado a sonhos vívidos – quando o fluxo sanguíneo aumenta nos genitais, o que provoca o tesão.

De muitas maneiras, sonhos ainda são um mistério. Não lembramos muito deles porque nosso cérebro não quer confundi-los com a realidade. Segundo a psicóloga e sexóloga Laura Duranti, a qualidade e conteúdo dos sonhos eróticos depende de quem você é e sua relação com a própria sexualidade. Duranti explicou que nosso cérebro não se separa completamente da realidade durante o sono, mas “integra estímulos internos que recebe”, como a temperatura, o quarto em que você está dormindo ou o que (ou quem) você está tocando.

A posição durante o sono também é importante. “Alguns estudos, como o de Calvin Kai-Ching Yu da Hong Kong Shue Yan University, sugere que dormir de barriga pra baixo encoraja sonhos eróticos”, disse Duranti. Dormir de barriga pra baixo restringe a respiração e coloca pressão nos genitais, basicamente lembrando ao cérebro as sensações durante o sexo.

Quando são intensos o suficiente, esses sonhos podem fazer algumas pessoas gozarem. Algumas mulheres relatam que não conseguem atingir o orgasmo na vida real, mas o experimentam (ou algo similar) em seus sonhos. “Elas podem ser fisicamente capazes de gozar, mas não encontram o estímulo que precisam na vida real, seja com masturbação ou de outra pessoa”, disse Duranti.

A psicóloga e sexóloga Marilena Iasevoli disse que sexo é “uma liberação de energia” tanto no mundo dos sonhos como na realidade. “Nos sonhos é mais fácil se livrar de inibições, e abordar suas necessidades e desejos sem o monitoramento do corpo ou pensamentos – ou do parceiro”, ela disse. Segundo Duranti, isso é especialmente verdade quando nossos sonhos são sobre fantasias que não podemos realizar na vida real – estando num relacionamento ou não.

“Sexo pode ser um jeito de relaxar, e pode compensar ou até reparar assuntos inacabados com um parceiro, um ex ou uma pessoa fora do casal”, disse Iasevoli. Mas também podemos ter sonhos eróticos com pessoas por quem não sentimos atração na vida real. É tentador acreditar que nossos sonhos sempre revelam desejos subconscientes que não estamos prontos pra aceitar, mas é mais provável ser uma questão não resolvida com alguém. Se recentemente você sonhou que estava transando com um amigo querido, alguém de quem você não gosta ou por quem não sentiria atração normalmente, “o sonho também pode representar um laço forte que você tem com essa pessoa, um talento que inveja nela, ou um lado feminino ou masculino dela de que você gostaria de se apropriar”, explicou Iasevoli.

Mas nossos sonhos nem sempre são tão desinibidos quanto gostaríamos. Duranti diz que inseguranças também podem surgir nos sonhos, especialmente pra quem experimenta um profundo bloqueio emocional com sua sexualidade, tem medo de perder poder ou de se soltar. As duas especialistas concordam que o único jeito de viver completamente suas fantasias é descobrir o que está causando o bloqueio na vida real.

É importante lembrar que sonhos eróticos nem sempre são uma expressão dos nossos desejos mais profundos e sombrios. Muitas vezes, é simplesmente o cérebro tentando tirar sentido do que experimentamos naquele dia. Filmes, personagens de um livro ou até músicas que evocam fantasias sexuais enquanto você dorme. Então, dá próxima vez que você sonhar que está se pegando com um alienígena sensual – deixa rolar. Pode não significar nada.

*Tradução do inglês por Marina Schnoor

……………………………………………………………………
*Fonte: vice

Nós estamos cansados

Cobranças demasiadas, expectativas não alinhadas, vergonha de se mostrar vulnerável: o que está te distanciando do próprio eixo? Buscar essa resposta a partir de um mergulho profundo em si mesmo é um caminho para lidar com o estresse que tomou conta dos nossos dias

“Mais um dia, menos um dia”. Esse foi o lema que adotei como meu nas primeiras semanas de quarentena. A cada fim de tarde, imaginava que estava a menos um anoitecer de reencontrar as pessoas que amo e retomar a rotina que levava antes de tudo isso acontecer. Não que ela fosse perfeita, porque a gente sempre está aparando as arestas e isso é reflexo da nossa evolução. Mas, no geral, estava satisfeita.

Acontece que, depois de tanto tempo (já são mais de quatro meses sem sair de casa), percebi que colocar todo o meu foco no momento em que, finalmente, poderíamos nos dizer livres de pandemia não estava me deixando mais calma. Pelo contrário. Essa talvez tenha sido uma estratégia (ou uma fuga?) inconsciente para não precisar me debruçar sobre os meus próprios incômodos. Logo me percebi acumulando: trabalho, expectativas, emoções, frustrações. Não queria deixar a peteca cair, mas, depois, entendi que não é sobre mantê-la sempre no ar. É mais sobre reconhecer que, se eu canalizar toda a minha energia para cuidar da peteca, quem terminará no chão será eu mesma.

As causas também estão dentro da gente

Então, minha sugestão é que a gente busque identificar o porquê de tantos acúmulos. Será que são só as muitas demandas externas as responsáveis por isso? Refletindo sobre o trabalho, por exemplo, me deparei com um trecho de O caminho do artista (Sextante). Nele, a autora Julia Cameron diz que “embora já tenha sido reconhecida como um vício, a obsessão por trabalho ainda recebe certo apoio em nossa sociedade. A verdade é que frequentemente estamos trabalhando para evitar a nós mesmos, nossos cônjuges, nossos verdadeiros sentimentos”.

O livro foi publicado pela primeira vez em 1992, há quase três décadas, mas segue fazendo muito sentido. Sim, a sobrecarga existe e muitas empresas ainda estão descobrindo como se adaptar ao trabalho remoto, mas nós também temos a nossa parcela de responsabilidade ao não saber frear as demandas e limitar nossos espaços. E, talvez, essa dificuldade esteja justamente no fato de que, ao passar horas em frente ao computador, não precisamos ouvir os barulhos que moram dentro da gente ou desatar um nó que vai exigir boas doses de paciência e resiliência.

Muitas dicas são válidas para melhorar a nova relação com o ofício que desempenhamos: buscar um lugar confortável que não seja nossa cama, trocar de roupa ao acordar, fazer pequenas pausas ao longo do dia, cuidar da postura corporal, alimentar-se bem, exercitar-se na medida do possível, beber bastante água, meditar. Mas penso que, além de todas essas alterações práticas, a gente precisa alinhar outras questões um tanto mais subjetivas.

O problema pode estar na cobrança desmedida

O desequilíbrio não é só de atividades e tarefas, é também interno e, especialmente, hormonal. Quando algo não vai bem, o corpo percebe e responde. O estresse, por exemplo, que altera os níveis de cortisol e adrenalina, é uma resposta do nosso organismo à combinação das características do ambiente externo com as particularidades de cada um. É por isso que, mesmo que as condições sejam as mesmas, pessoas reagem de formas distintas aos acontecimentos.

Pode ser que você conheça alguém que esteja lidando muito bem com tudo isso – o que te deixa ainda mais aborrecido. Mas sentir muito não é sinal de fraqueza. Se suas emoções estão mais descompensadas e você está com dificuldade de equilibrar os pratinhos, não significa que não sabe reagir bem às dificuldades que surgem pelo caminho. Quem me explicou isso foi a psiquiatra Andressa Covolan. Ela me disse que o principal é a gente ir com calma.

“Costumo fazer uma analogia com meus pacientes. Em tempos pré-pandemia, quando colocávamos o celular para carregar, assim que o tirávamos da tomada, ele estava com a bateria cheia. Agora, ao tirarmos, por mais que tenha ficado um bom tempo ligado à fonte de energia, ele não ultrapassa os 60% da carga”, afirma a psiquiatra. “O mesmo acontece com o nosso corpo. É difícil restabelecer a mesma energia que tínhamos quando não precisávamos lidar com o que estamos enfrentando agora”, completa. Tem gente que consegue seguir sem muitas adaptações com essa carga reduzida, mas outros precisam de um pouco mais de tempo até se reajustarem.

Tempo de assimilação

De fato, nós sempre estamos suscetíveis a problemas e imprevistos – e os obstáculos fazem parte da vida de todo mundo. Mas é preciso entender que essa é a primeira vez que nossa geração vivencia algo dessa proporção. Não é um problema exclusivamente meu, seu ou dos nossos vizinhos. É de todos nós. E estamos, de alguma forma, reaprendendo a viver. Seja por concentrar todas as tarefas dentro de um mesmo ambiente, seja pelos novos cuidados de higiene, seja por precisar andar acompanhado de um novo acessório no rosto, seja pela ausência dos beijos e abraços, seja por ver nossos planos frustrados, seja por ter que se despedir de pessoas queridas… Tantas adaptações assim pedem um tempo de assimilação – e, vale lembrar, essa medida não é universal. Cada um encontrará a sua.

O que você espera fazer é possível de ser feito?

Outro ponto importante, me conta Andressa, é alinhar as expectativas. Por uma autocrítica exacerbada ou pelo excesso de comparação com a vida alheia, tentarmos ser bons em tudo e, frequentemente, não aceitamos menos do que o ideal de perfeição que preestabelecemos. Sabe aquela história do oito ou oitenta? Pois é. Assim, ao percebermos que o resultado final está distante do que esperávamos, ficamos frustrados e estressados.

Aqui, o segredo está em definir pequenas metas possíveis. Por exemplo, se você quer passar menos tempo conectado às redes sociais, uma mudança brusca pode não ser o melhor caminho. Se você passa cinco horas por dia com o celular na mão, experimente ficar quatro amanhã, três semana que vem, até chegar ao que considera ideal para você.

O mesmo vale se seu desejo é ter uma alimentação mais saudável. Comece fazendo alterações no cardápio de uma das refeições, como o almoço. Não adianta querer que, do dia para a noite, os preparos industrializados do freezer deem lugar aos orgânicos e frescos. Vá fazendo trocas graduais até que as novas práticas se tornem hábitos e estejam incorporados na rotina. Assim, fica mais fácil ser fiel a eles e não colocar tudo a perder na mesma rapidez com quem optou pela transformação.

Lembra-se da nossa conversa sobre trabalho? Aqui também é essencial que a gente redefina o conceito de produtividade. O canadense Chris Bailey, autor de Hiperfoco: Como Trabalhar Menos e Render Mais (Benvirá), afirma que ser produtivo é cumprir o que você se propôs a fazer – e não fazer tudo. Por vezes, a gente assume tarefas que não são nossas por um desejo inconsciente de dar conta de todas as demandas e, assim, mostrar valor. “A gente já faz coisas demais. Temos que aprender a ficar sem produzir nada”, reitera ele.

Seja vulnerável

Por fim, Andressa recomenda que a gente assuma a vulnerabilidade que nos habita. Não daremos conta de tudo, nem sempre acertaremos, deixaremos a desejar em alguns momentos. “É importante falarmos sobre isso com outras pessoas”, diz a médica. “Dá medo, vergonha, mas compartilhar as fraquezas é uma forma de nos fortalecermos, porque reconhecemos que há mais gente enfrentando as mesmas questões”, reconhece. Gosto muito de Super-herói de verdade, poema de Allan Dias Castro. Ele começa dizendo “as pessoas mais fortes não são as que fazem mais força para esconder suas fraquezas. São as que encontram na vulnerabilidade a sua maior defesa”. Está aí: assumir essa nossa condição é um caminho para reduzir a pressão que colocamos sobre nós mesmos.

Allan ainda convida: “vamos trocar essa cobrança de que a gente tem que ser forte o tempo inteiro e não engolir desaforo pelo superpoder de ser feliz de quem não engole o choro. Pra que a gente possa botar para fora tudo, tudo de bom que está aqui dentro, vem dessa leveza a força que é preciso. Ai, de vez em quando, sai até um sorriso”. Desejo que saiam muitos sorrisos de você.

*Por Nara Siqueira

…………………………………………………………………………….
*Fonte: vidasimples

Você nunca vai agradar a todos. Aprenda a não ligar para isso

A verdadeira liberdade pode residir em conseguir ser feliz sem precisar da aprovação alheia

UM DOS LIVROS mais populares dos últimos anos no Japão reúne as conversas entre um jovem insatisfeito e um filósofo que lhe ensina, entre outras questões, a arte de não agradar aos outros. É um tema sensível numa cultura tão complacente como a nipônica, mas este compêndio de conversações entrou também nas listas de mais vendidos dos Estados Unidos, e no Brasil foi publicado como A Coragem de Não Agradar (Sextante).

O mestre é Ichiro Kishimi, especialista em filosofia ocidental e tradutor de Alfred Adler, um dos três gigantes da psicologia junto com Freud e Jung. E é justamente o pensamento de Adler que articula o diálogo com o jovem Fumitake Koga sobre como se emancipar da opinião alheia sem se sentir marginalizado por causa disso.

O debate socrático que eles mantêm ao longo das mais de 260 páginas do livro parte dessa ideia central: todos os problemas têm a ver com as relações interpessoais. Nas palavras do próprio Adler, “se as pessoas querem se livrar dos seus problemas, a única coisa que pode fazer é viver sozinhas no universo”. Como isso é impossível, sofremos por alguma destas razões ao nos relacionarmos com os outros:

– Sentimos um complexo de inferioridade em relação a quem “conseguido mais” do que nós.

– Sentimo-nos injustamente tratados por pessoas que amamos ou ajudamos e que não nos correspondem como esperamos.

– Tentamos desesperadamente agradar os outros para obtermos sua aprovação.

Este último ponto se transformou em um vício generalizado. Podemos vê-lo claramente nas redes sociais, onde publicamos posts procurando a aprovação dos outros na forma de curtidas e comentários. Quando uma foto ou uma reflexão importante para nós obtém poucas reações, podemos chegar a nos sentir ignorados. Também nas relações analógicas, muitos problemas interpessoais têm a mesma origem: não recebemos do outro o que acreditamos merecer. O fato de não nos agradecerem suficientemente por alguma delicadeza que fizemos, por exemplo, pode desatar o ressentimento e esfriar uma amizade.

Sob este desejo de concessões há uma ânsia de reconhecimento. Se o outro me agradecer, se apreciar o meu trabalho, se corresponder ao meu favor com um ato amável, então me sentirei reconhecido. Se isso não acontecer, interpreto como se eu não tivesse feito nada, como se não existisse para o outro. Essa visão é um poderoso gerador de problemas, já que as relações nunca são totalmente simétricas. Há pessoas que desfrutam dando, e outras que transmitem a impressão, mesmo que incorreta, de que não querem receber nada. Isso provoca muitos mal-entendidos, somado ao fato de que cada indivíduo tem uma forma diferente de expressar seu amor e gratidão. Há pessoas que verbalizam de maneira imediata e direta o que sentem por nós, e outras que nos apreciam igualmente, mas têm menos facilidade para expressar amor, ou o fazem de forma diferida, quando encontram o momento e lugar adequados.

Todas as opções são corretas, sempre que nos liberemos da ânsia por encontra uma compensação imediata e equitativa, como em um comércio no qual será preciso receber imediatamente pela mercadoria entregue.

Conforme afirma o professor Ichiro Kishimi, “quando uma relação interpessoal se alicerça na recompensa, há uma sensação interna que diz: ‘Eu lhe dei isto, então você tem que me devolver aquilo’”, o que é uma fonte inesgotável de conflitos.

Porque, além das diferentes maneiras de expressar afeto, encontraremos pessoas que simplesmente não nos entendem ou inclusive não gostam de nós. Fazer um drama por causa disso transformará nosso dia a dia em um terreno fértil para os desgostos. A verdadeira liberdade inclui não nos importarmos com o fato de algumas pessoas não irem com a nossa cara, porque estatisticamente é impossível agradar a todos. Deixar de nos preocupar com o que os outros acham de nós, especialmente os que não nos entendem, é o caminho para a serenidade.

“Quando desejamos tão intensamente que nos reconheçam, vivemos para satisfazer as expectativas dos outros”, afirma Ichiro Kishimi, e com isso já deixamos de ser livres. Não exigir contrapartidas e se permitir viver à sua maneira, dando-se inclusive o direito de não agradar, é algo que traz liberdade, paz mental e, afinal, melhores relações com demais.

Não leve para o pessoal

– Em Los Cuatro Acuerdos, célebre ensaio publicado em 1998 por Miguel Ruiz, a segunda lei diz: “Não leve nada para o lado pessoal”. O médico mexicano argumenta que para manter o equilíbrio emocional e mental não se pode dar importância ao que ocorre ao nosso redor, já que “quando você encara as coisas de forma pessoal, sente-se ofendido e reage defendendo suas crenças e criando conflitos. Faz uma montanha a partir de um grão de areia”.

– Deixar de lado a necessidade de ter razão. Parar de gastar energia em tentar convencer os outros, que têm suas próprias crenças, é profundamente libertador. Quem anda pelo mundo levando tudo para o lado pessoal vê inimigos por toda parte e nunca consegue ficar verdadeiramente tranquilo, já que sempre tem contas pendentes que circulam por sua mente, causando sofrimento.

– Segundo Miguel Ruiz, nada do que as outras pessoas fizerem ou disserem deveria nos fazer mal se assumimos o seguinte axioma: “Você nunca é responsável pelos atos de outros; só é responsável por si mesmo”.

*Por Francesc Miralles – é escritor e jornalista experiente em psicologia.

……………………………………………………………………….
*Fonte: elpais

O filósofo Alan Watts: “Por que a educação moderna é uma farsa”

Explore a visão de um filósofo lendário sobre como a sociedade falha em nos preparar para a educação e o progresso.

Um prolífico orador, escritor e filósofo, Alan Watts foi uma das primeiras figuras contemporâneas no início do século XX a levar a filosofia e o pensamento Zen Oriental a um grande público ocidental. Ele foi uma figura instrumental na revolução da contracultura dos anos 60 e continuou a escrever e filosofar até sua morte em 1973. Suas palestras e escritos hoje parecem estar vendo um ressurgimento da popularidade.

Com incontáveis horas de suas extensas palestras online, testadas na música dos sonhos do chillwave e na similaridade de sua voz, ele até aparece como um I.A avançado no filme Her, parece que Alan Watts ainda tem muito a nos dizer.

O conselho de Alan Watts sobre educação é mais presciente agora do que nunca

Em nossa era atual de ansiedade industrializada em massa, tanto estudantes quanto educadores estão trabalhando em horas mais extenuantes e improdutivas, enquanto, ao mesmo tempo, ainda estão com desempenho ruim quando comparados a sistemas educacionais mais relaxados e produtivos, como os da Escandinávia.

Aqui está um pronunciamento de Alan Watts que resume uma grande parte de sua perspectiva filosófica.

“Se a felicidade sempre depende de algo esperado no futuro, estamos perseguindo um fogo-fátuo que jamais alcançaremos, até o futuro, e nós mesmos desapareceremos no abismo da morte.”

Levando em conta algumas das filosofias de Watts, podemos mudar nossos pontos de vista sobre o tema da vida, aprendizagem e educação através de um ponto de vista mais inspirado e caprichoso.

O ciclo interminável da escola para nos preparar para o que está por vir

Para a grande maioria de nós, nossos primeiros anos de vida foram definidos pelas escalas sempre crescentes que progredimos, desde o ensino fundamental até o ensino médio e assim por diante. Estes eram os nossos símbolos internos de classificação e status à medida que avançávamos nas grandes mudanças biológicas e mentais de nossa vida, mudando de um degrau bem colocado para outro e seguindo as ordens de nosso professor, se quiséssemos acompanhar o caminho já estabelecido para nos tornarmos um membro de sucesso da sociedade.

Alan Watts achava essa ideia uma progressão estranha e antinatural de nossos primeiros anos de vida, e algo que indicava uma questão muito mais profunda em como vemos a natureza da mudança e da realidade. Watts diz:

“Vamos fazer a educação. Que farsa. Você tem uma criança, você vê, e você a coloca em uma armadilha e a envia para a creche. E na creche, você diz à criança: ‘Você está se preparando para ir adiante. E então vem o primeiro grau, e segundo, e terceiro grau ‘. Você está gradualmente subindo a escada em direção ao progresso, e então, quando chega ao final dessa etapa, você diz: ‘agora você está realmente indo em frente’. Certo? Errado.”

Quer conscientemente reconheçamos isso ou não, essa natureza progressiva e expectante da realidade que fomentamos durante nossos anos de escola é algo que se torna um tecido inegável da maneira como vivemos e pensamos. Ela fica conosco toda a nossa vida.

Estamos constantemente avançando para uma meta que está fora de alcance – nunca no agora, sempre mais tarde, ou depois disso ou daquilo que foi alcançado.

Watts acreditava que essa mesma lógica se aplica a nós quando deixamos o sistema escolar em camadas. Ele continua dizendo:

“Mas na direção dos negócios, você vai sair para o mundo e ter a sua pasta e seu diploma. E então você vai para sua primeira reunião de vendas, e eles dizem ‘Agora saia e venda essas coisas’, porque então você está subindo a escala nos negócios, e talvez você consiga uma boa posição, e você a vende e aumenta sua cota.

“E então, por volta dos 45 anos, você acorda certa manhã como vice-presidente da empresa e diz para si mesmo olhando no espelho: ‘Eu cheguei. Mas me sinto um pouco enganado porque eu sinto o mesmo que sempre senti…’”

Já cheguei?

Aqui, Alan Watts aborda um pouco da filosofia budista clássica – a ideia de que realmente não há de fato nada para se esforçar e desejar. Watts vincula esse aspecto ao desejo de superação do sistema educacional que penetra em nossas vidas profissionais. Este é um exemplo do enfado interminável da busca materialista de alguma forma ou de outra.

Alan Watts continua dizendo:

“Alguma coisa está faltando. Eu não tenho mais um futuro.” “Uh uh” diz o vendedor de seguros: “Eu tenho um futuro para você. Esta apólice permitirá que você se aposente confortavelmente aos 65 anos, e você será capaz de esperar por isso.” E você está encantado, e você compra a apólice e, aos 65 anos, se aposenta pensando que essa é a realização do objetivo da vida, exceto que você tem problemas de próstata, dentes falsos e pele enrugada.

“E você é um materialista. Você é um fantasma, você é um abstracionista, você não está em nenhum lugar, porque nunca lhe disseram, e nunca percebeu que a eternidade é agora.”

Agora, ao invés de cair em um niilismo passivo (que é onde o pensamento budista pode levar), Alan Watts, ao contrário, argumenta por estar dentro do aqui e agora. Aprenda por aprender! A eternidade é agora … isto é, tornar-se parte integral do processo – seja o que for – e não se concentrar em um objetivo final sempre ilusório.

Não nos amarrarmos ao resultado final é algo que a maioria das pessoas nunca entenderá porque é contra-intuitivo. Este ideal foi um foco central da filosofia de Alan Watts.

No capítulo de abertura de seu livro The Wisdom of Insecurity, ele cunhou o termo “lei reversa”, da qual ele diz:

“Quando você tenta ficar na superfície da água, você afunda; mas quando você tenta afundar você flutua.”

Este koan dele ilustra que quando colocamos muita pressão em nós mesmos para encontrar algum ideal ou objetivo no futuro espectral, nós diminuímos o processo de trabalho em questão. Isso nunca será alcançado porque o que precisa ser feito não é nosso foco central.

Por outro lado, por estar completamente envolvido no presente, essas metas ilusórias no futuro poderiam um dia vir a ser concretizadas. É aí que o conceito fica confuso para alguns.

Mas isso pode ser resumido da seguinte maneira: não olhar para o futuro irá prepará-lo para isso.

Um sistema falho desde o início

Alan Watts comparou a educação compulsória ao sistema penal.

Alan Watts sentia que o sistema educacional falhava conosco, da mesma forma que nos preparava para esperar pelo resto de nossas vidas. Uma versão idealizada que ele inventou em sua cabeça sobre a aparência de uma grande educação educacional pode ser extraída dessa passagem:

“Quando trazemos crianças para o mundo, jogamos jogos terríveis com elas. Em vez de dizer: ‘Como você está? Bem-vindo à raça humana. Agora, meu querido, estamos jogando alguns jogos muito complicados, e essas são as regras de o jogo que estamos jogando, eu quero que você os entenda, e quando você os aprender quando ficar um pouco mais velho, você poderá pensar em algumas regras melhores, mas, por enquanto, quero que você jogue segundo nossas regras.

“Em vez de sermos diretos com nossos filhos, dizemos: ‘Você está aqui em liberdade condicional, e você deve entender isso. Talvez, quando crescer um pouco, você seja aceitável, mas até então você deve ser visto e não ouvido. Você é uma porcaria, e você tem que ser educado e instruído até que você seja humano. ‘”

Ele chegou a comparar o sistema educacional compulsório com fortes ressonâncias religiosas.

“‘Olhe, você está aqui sofrendo. Você está em liberdade condicional. Você ainda não é um ser humano.’ Então, as pessoas sentem isso bem na velhice e imaginam que o universo é presidido por esse terrível Deus-pai ”.

Muito disso ainda ressoa conosco hoje. Os sábios conselhos de Alan Watts sobre educação podem ser a coisa que precisamos rever se quisermos escapar da realidade monótona da educação moderna.

……………………………………………………………………
*Fonte: pensarcontemporaneo

A arrogância te fortalece por um dia, humildade para sempre

A arrogância geralmente está ligada a pessoas de caráter forte, seguras de si mesmas, com controle cênico e bom manejo de situações. No entanto, por trás de toda pessoa arrogante, há uma falta de humildade, um grande complexo de inferioridade, que se traduz na necessidade de mostrar a si e aos outros que alguém é superior ao resto.

A humildade é uma das melhores condições do ser humano, por isso não demonstramos fraqueza, rendição ou submissão, simplesmente mostramos nossa natureza humana na expressão mais simples, através do reconhecimento de nossas limitações, de nossos erros, de oportunidades de crescimento e melhoria …

Saber que você não sabe, isso é humildade. Pensar que você sabe o que não sabe, isso é doença. – Lao Tsé

Sendo humildes, somos capazes de apreciar os outros sem inveja, sem ressentimento, somos capazes de aprimorar as virtudes e características positivas dos outros sem nos sentirmos intimidados ou desconfortáveis.
Pelo contrário, a arrogância limita a visão que podemos ter dos outros, enquanto pensamos que ninguém pode fazer melhor do que nós ou que ninguém sabe mais do que nós, simplesmente sentimos falta das coisas que são colocadas em nossos narizes. aprender, complementar nosso conhecimento, ver outras visões de mundo e nos tornar pessoas melhores, com a devida aceitação das pessoas que fazem parte ou que de uma maneira ou de outra afetam nossas vidas.

Onde houver orgulho, haverá ignorância; mas onde houver humildade, haverá sabedoria. – Salomão

Se é verdade que existem muitas pessoas autoconscientes de suas habilidades, conhecimentos, físico ou qualquer aspecto que as caracterize, e elas podem, sozinhas, por causa de sua insegurança, sentirem-se desconfortáveis ​​por qualquer pessoa que considerem ameaçadora e que não É necessário que você encontre alguém arrogante para se sentir desconfortável, também é verdade que a arrogância nos torna seres amargos e gera rejeição nas pessoas ao nosso redor, mesmo quando elas têm sua auto-estima e autoconfiança bem plantadas.

A humildade nos torna grandes, livres, flexíveis e fortes … A humildade é um dom, é cultivada com nossas ações, com nossa percepção da vida, com maturidade, quanto maior for o espírito, mais humildes seremos, mais conscientes de que todos fazemos parte do mesmo, que estamos aqui para aprender individual e coletivamente através de diferentes experiências.

Viver sem apreciar a bondade dos outros, com a arrogância que caracteriza os donos da verdade é uma limitação real, essas pessoas geralmente vivem tentando ou fingindo ser melhores que os outros, em vez de se esforçar para ser a melhor versão de si mesmas.

“Quanto maior a humildade, mais próximos estamos da grandeza” – Rabindranath Tagore

…………………………………………………………………………
*Fonte:

Não é o isolamento social que afasta as pessoas. É a indiferença.

São dias difíceis. Sabemos disso. O contato físico está restrito, as demonstrações de afeto precisam ser feitas a distancia e a saudade é o sentimento mais comentado nos últimos meses. Atitudes, aliás, necessárias para conter uma pandemia gravíssima que tomou conta do mundo. O problema é que muitos estão confundindo isolamento social com indiferença e insistido em relacionamentos amorosos que já acabaram há tempos.

Embora a “nova vida” exija novos comportamentos, ser indiferente não é um deles. O fato de estarmos isolados não justifica atitudes frias e apáticas uns com os outros. Já falei isso em outro momento, mas acho oportuno repetir: distância, falta de dinheiro ou aparência não diminuem sentimentos. O que diminui sentimento é a indiferença e a falta de respeito.

Ouso dizer que muitas pessoas aproveitaram esse isolamento social para “sumirem do mapa” jogando a culpa na distância, no vírus e no governo quando na verdade não queriam continuar o relacionamento e não tiveram coragem de terminar. Temos aqui um grande problema: por um lado estão aqueles que se afastaram por opção, mesmo sabendo que poderiam dizer que não queriam continuar a relação e, por outro, temos os que sofrem sem entender o motivo que levou o parceiro a se afastar.

A verdade é que no fundo, bem lá no fundo, sabemos que não é o isolamento social nem a distância que separa as pessoas. É a indiferença, é o descaso, é o tanto faz. Porque como disse Érico Veríssimo: o oposto do amor não é o ódio e sim a indiferença. Mas, frágeis que somos fingimos não acreditar na razão e buscamos desculpas que justifiquem o comportamento alheio.

Entenda que não importa o motivo que fez o outro se afastar, o que importa é como será daqui em diante.

A indiferença dói. Talvez pelo fato de estar associada à insensibilidade e ao desapego, características contrárias às atitudes naturais humanas, a indiferença fere muito e deixa marcas profundas na alma.

Dói saber que o outro cansou, que desistiu, que não nos ama mais. Dói saber que os planos não sairão do papel, que o casamento acabou e que a rotina irá mudar. Claro que dói! A boa notícia é que isso passa e o que parece ser o fim agora é o recomeço de uma nova história.

Então, permita-se viver o novo. Supere o término, seja grato pelo relacionamento e seja livre de sentimentos pesados como a culpa, o medo ou a rejeição. A vida costuma nos surpreender quando estamos com a alma leve e dispostos a viver o inesperado.

*Por Pamela Comocardi

…………………………………………………………………..
*Fonte: contioutra

Não tente ser o melhor, apenas seja “bom o suficiente”

Não tente ser o melhor, apenas seja “bom o suficiente”! Colocar demandas impossíveis de nos destacarmos apenas causa estresse e infelicidade!

Você pode optar por cancelar a busca pelo melhor em favor de uma busca por ser bom o suficiente.

Se você estiver cursando um curso universitário, projeto de trabalho ou relacionamento com a intenção de ser o melhor aluno, trabalhador ou parceiro do mundo, considere meu novo herói, Sir Robert Alexander Watson-Watt.

Ele é meu novo herói por causa de sua teoria da imperfeição, que resumiu como:

“Dê a eles o terceiro melhor para continuar; o segundo melhor chega tarde demais, e o melhor nunca chega. ”

Não é o tipo de afirmação que você deve fazer em uma entrevista de emprego – lá, você deve apenas concordar com a fantasia de que todos na sala, incluindo você, são perfeitos.

Mas não é um mau princípio trabalhar com isso.

Watson-Watt foi pioneiro na tecnologia de radar e rádio, particularmente para rastrear aviões inimigos que atacavam a Grã-Bretanha durante a Segunda Guerra Mundial. Seu trabalho ajudou a RAF a vencer a Batalha da Grã-Bretanha e também ajudou a pôr fim ao massacre noturno dos inocentes conhecidos como Blitz.

Se ele estivesse lá, insistindo em encontrar a melhor solução para o problema de detectar aviões inimigos, muitos milhares de vidas, pelo menos, poderiam ter sido perdidas.

Ele teve uma carreira distinta após a guerra. Se você queria um anúncio para o que ele chamou de “o culto do imperfeito”, ele é.

Isso não é um culto à negligência ou à falta de cuidado. É uma questão de não permitir que a melhor busca te impeça de fazer o que você pode fazer nas circunstâncias que se encontra.

Muitos projetos ficam inacabados na busca interminável pela busca constante pelo melhor.

William Babbage, que projetou, mas nunca construiu o que poderia ter sido o primeiro computador há quase 200 anos, desperdiçou uma grande subvenção do governo fazendo infinitas melhorias em uma máquina de calcular anterior que ele nunca terminou. O pobre Babbage disse mais tarde que nunca teve um dia feliz em sua vida. A busca pelo melhor não o fez muito bem.

Depois, há o conceito de “parentalidade boa o suficiente” apresentado pelo psicanalista pioneiro DW Winnicott. Ele acreditava que pais perfeitos seriam ruins para uma criança, cujo desenvolvimento psicológico e emocional seria sufocado. É por isso que é tão triste ver os pais se espancando por não serem perfeitos – seus filhos não estão buscando a perfeição e acabariam se sentindo intimidados por ela.

E que pai ou mãe tem tempo para descobrir a melhor resposta às necessidades da criança? Entrar rapidamente e aplicar a primeira solução disponível geralmente é o melhor possível.

Fonte de infelicidade

Colocar demandas impossíveis sobre nós mesmos há muito tempo é identificado pelos psicólogos, desde Freud, como uma fonte de infelicidade.

Se você está muito estressado como trabalhador, estudante, pai ou filho, esse estresse pode, é claro, ser causado por demandas impossíveis daqueles que estão na autoridade. Mas também pode ser causado por demandas impossíveis impostas a si mesmo.

Se o último for o culpado, você pode optar por cancelar a busca pelo melhor em favor de uma busca pelo bom o suficiente.

Curiosamente, isso não significa padrões ruins. Para dar um exemplo do jornalismo, muitas, talvez a maioria das melhores notícias que você lê são escritas com um padrão “bom o suficiente”. Ninguém tem tempo para escrever a melhor história que poderia ser escrita – isso se chama história.

No entanto, o trabalho “bom o suficiente” dos jornalistas deve atender aos exigentes padrões de precisão, prova de difamação e estilo – se não o fizerem, as consequências podem ser dolorosas, como sabemos.

Quando as pessoas – como o infeliz Babbage – começam a refletir sobre suas vidas até o momento, podem concluir sombriamente que as coisas não saíram tão bem quanto poderiam.

E adivinha? Eles estão certos: em nosso mundo aleatório cercado por numerosas forças conflitantes, uma vida não pode sair tão bem quanto poderia ser.

O mesmo se aplica aos seus projetos, tarefas (se você é estudante), casamento, filhos, pais e tudo mais.

Deixe uma margem para erro e relaxe.

E lembre-se de Robert Alexander Watson-Watt e sua terceira melhor regra.

 

*Por Padraig O’Morain
– Padraig O’Morain (@PadraigOMorain) é credenciado pela Associação Irlandesa de Aconselhamento e Psicoterapia . Seu último livro é Kindfulness. Seu lembrete diário de atenção plena é gratuito por e-mail (pomorain@yahoo.com)

………………………………………………………………………
*Fonte: seuamigoguru

A ansiedade dos excessos

Como descobrir o que é essencial para cada um de nós pode abrir caminhos para uma vida menos ansiosa e com mais propósito

Quando pequena, gostava muito dos jogos de tabuleiro. Sentava com minha mãe no chão da sala e, por alguns deliciosos momentos, entrávamos em um universo paralelo comandado pela nossa imaginação. Ao fim da brincadeira, era hora de partir para outra atividade. Tenho a sensação de que perdemos um pouco dessa noção de uma coisa por vez, de começo e final. O tudo-aqui-e-agora, a um clique de distância, nos colocou em uma zona agitada de excessos.

Isso lembrou-me de uma fala do escritor Greg McKeown. No livro Essencialismo (Sextante), ele afirma que nossa maior prioridade é proteger a capacidade de priorizar. Se todas as coisas se tornam urgentes, perdemos a noção do que é realmente importante. À medida que ocupamos nossos dias – e nossa mente – com tarefas diversas, sem qualquer ordem para executá-las, assumimos mais o papel de apagador de incêndios do que o de protagonista da própria vida. Assim, o sol se põe e estamos exaustos, mas, ao mesmo tempo, carregamos a sensação de não ter conseguido finalizar tarefa alguma – e isso funciona como um gatilho para a ansiedade.

Gosto da analogia do supermercado que me foi apresentada pela psicóloga Jéssica Barbosa. Imagine que você tem uma tarde livre para andar pelos muitos corredores de um supermercado. Decide, então, gastar seu tempo enchendo o carrinho sem muito critério: conforme enxerga algo que o agrade, pega para si. Ao chegar em casa com as sacolas abarrotadas, percebe que, com os produtos escolhidos, não é possível fazer nenhuma receita. Os ingredientes não têm relação entre si. Os armários ficam cheios, mas sua fome não é saciada.

Quando os excessos escondem ausências

Ao andar lado a lado, essas sensações de sobrecarga e de improdutividade, que, a princípio, pareciam excludentes, despertam sentimentos como angústia e irritação. “Sabemos que algo está errado, mas é difícil identificar exatamente o que está acontecendo para nos sentirmos assim. Daí, vem a inquietação”, afirma Jéssica.

E como lidar com esse incômodo interno? Greg McKeown sugere um começo: buscar aquilo que é essencial. Para ele, uma pessoa essencialista rejeita a ideia de dar conta de tudo. Ela sabe que, para realizar aquilo que quer, precisa abrir mão de outras ofertas. É mais ou menos como entrar no supermercado com uma lista de compras e evitar passar pelos corredores que não fazem parte do roteiro, uma vez que você não precisa de nada do que está lá – mesmo que sejam alimentos muito apetitosos.

Saiba escolher

Se trouxermos essa visão para a realidade que enfrentamos hoje, de uma pandemia assolando o mundo sem tantas perspectivas de melhora, fica mais fácil perceber que, mesmo que nossas opções sejam limitadas, como no que diz respeito aos espaços físicos nos quais podemos transitar, ainda assim é preciso fazer escolhas. Não é saudável aceitar todos os acúmulos porque, de alguma forma, há uma espécie de caos instalado do lado de fora.

Essas escolhas passam, primeiro, por uma observação sincera de quem você é e o que deseja. Tente listar tudo aquilo que é importante para você. Não precisa ser nada grandioso, foque nas simplicidades. Por vezes, tomar um banho bem quente e em silêncio é que o te reconforta. Ou fazer uma pausa no meio da tarde para um café com bolo. Ou ainda reservar trinta minutos por dia para estudar. Enfim, não há respostas certas ou erradas, mas aquilo que ressoa em você.

Depois, no mesmo papel, faça uma coluna ao lado com todas as atividades que estão pendentes. Agora, é hora de cruzar as informações: dentro daquilo que precisa ser feito, o que é realmente importante? “Esse exercício faz com que a gente perceba a quantidade de tempo que gastamos com coisas que não fazem o menor sentido para os anseios da nossa essência”, revela a psicóloga. “Por isso, ficamos tão ansiosos. Porque estamos distantes do que verdadeiramente nos alimenta. Cumprimos obrigações dia após dia, mas, na completa ausência de um porquê, a felicidade se esvai e tudo fica mais nebuloso – dentro e fora da gente”, termina.

Você não é o que você faz

A segunda parte do exercício é aprender a postergar. Deixar para depois nem sempre é sinônimo de uma procrastinação patológica. Pelo contrário, é também sinal de que você está alinhado com suas prioridades. Se não deu para lavar os banheiros hoje porque está na hora da sua novela favorita, lave amanhã. Se o livro que pegou para ler estava tão bacana que você nem se deu conta do horário, peça um delivery para jantar ao invés de ir para a cozinha. Faça escolhas conscientes dentro das suas possibilidades.

Um outro passo é o do desapego das tarefas. Se for possível delegar para alguém que está mais tranquilo e pode fazer isso por você, por que não? Abrir mão de determinadas atividades pode nos trazer um desconforto quando acreditamos que nosso valor está diretamente relacionado ao cumprimento delas. É como se, ao deixar que outra pessoa as faça, perdêssemos aquilo que nos tornava necessários para os outros. Nestes casos, é importante procurarmos também por ajuda profissional para lidar com as inseguranças que tornam a nossa autoestima e a percepção que temos de nós mesmos dependente do quanto somos capazes de fazer, produzir ou ofertar.

Ao encontro do propósito

Por fim, Greg McKeown defende que uma boa estratégia contra a ansiedade é a disciplina. Se, todos os dias, você olhar para essa lista de prioridades e buscar segui-la, mesmo que no dia anterior tudo tenha saído do eixo, terá a percepção de que está dedicando seu tempo àquilo que lhe é verdadeiramente útil, ao seu propósito. Aquela sensação de terminar o dia exausto, mas com um vazio no peito, tomará outro rumo para não mais te atormentar. Porque não se trata só de dizer não ao que não importa, mas de se dedicar rotineiramente ao que faz sentido. Essa é a busca pelo seu porquê.

Equilíbrio pela natureza

Além do acompanhamento com um profissional da saúde, outros auxílios externos são de grande valia para os momentos em que percebemos que está difícil recuperar o equilíbrio sozinhos. E, muitas vezes, eles podem ser encontrados na natureza. No século XVIII, o escritor alemão Johann Wolfgang von Goethe, em uma viagem à Itália, trouxe à luz o conceito da planta primordial, uma entidade espiritual, que não pode ser encontrada em nenhum lugar do mundo físico, presente em cada planta. Esse olhar diz respeito a uma dinâmica de forças que existem nos vegetais para além das características que podemos enxergar.

O conceito inspirou o filósofo Rudolf Joseph Lorenz Steiner na criação da antroposofia, uma ciência espiritual moderna, que acredita que os seres humanos compartilham semelhanças com os outros seres do reino mineral, animal e vegetal. É por isso que a interação com a natureza é capaz de nos trazer de volta ao nosso próprio eixo. Quem me explicou isso foi Rodolfo Schleier, especialista técnico-científico da Weleda, marca de cosméticos e medicamentos naturais que tem Steiner como fundador filosófico.

Para acalmar a ansiedade

Um dos gêneros de plantas que a Weleda utiliza em suas formulações é o Bryophyllum, que, na visão antroposófica, está relacionado à energia vital, aquela que reúne as forças responsáveis por todo o princípio da vida. “No nosso corpo, ela estimula os processos de vitalidade e regeneração, seja físico ou mental. Esse reequilíbrio energético faz com que seja possível tratar sintomas como angústia, ansiedade e irritação de maneira natural e orgânica”, diz Rodolfo.

Foi assim que a Weleda criou o Bryophyllum Argento cultum*, um ansiolítico com ingredientes naturais. No entanto, até que o medicamento possa ser consumido, os vegetais são cultivados por três anos em terra enriquecida com prata, um metal capaz de refletir luz. “Nosso cérebro é a imagem viva da prata”, conta Rodolfo. “Ele consegue captar as sensações que nos são externas e refleti-las no corpo”, continua. Ao unir as potencialidades que habitam nos vegetais e minerais, nosso corpo tem um reencontro com sua própria natureza e consegue se recuperar do que está descompensado. Lembre-se de que é muito importante sempre conversar com seu médico e farmacêutico antes de consumir qualquer medicamento.

*Por Nara Siqueira
Esse conteúdo foi produzido pela Vida Simples em parceria com a Weleda.

…………………………………………………………………………………
*Fonte: