Harley’s Day em Carlos Barbosa (RS)

Então finalmente chegou o dia do esperado Harley’s Day (ao menos para mim), em Carlos Barbosa / RS. O evento já era para ter acontecido há duas semanas atrás, mas teve de ser transferido para a data de hoje em função de uma “chuvarada” que ocorreu naquela vez. Creio que foi mesmo melhor assim, afinal o cara fica aguardando esse baita evento que acontece apenas uma vez por ano, então tem mesmo que ser realizado em um dia viável, sem chuva ao menos.

E por falar nisso, hoje foi um belo dia. Apesar de ter amanhecido com um tímido solzinho e somente depois até tomou ares do que poderia ser um belo dia de sol sem chuva. Uma breve conferida no clima/tempo do celular e – nah! Nada de marcar chuva para hoje. Eu e o Pretto já havíamos combinado de sair por volta das 10h da manhã, foi uma viagem tranquila pela Rota do Sol até Carlos Barbosa. Ah! Teve bocaberta num caminhão, perto de Lajeado, que propositalmente nos cortou a frente por duas vezes, mas OK (não vou aqui entrar em detalhes desse perrengue), relevamos essa palhaçada e seguimos de boa, sempre em frente.

Chegamos cedo no evento, por volta das 11h e cada vez mais gente ia chegando de moto. Tudo que é tipo de HD. Uma incrível festa.

Sou suspeito em comentar isso, mas curto bastante esse evento do Harley’s Day em Carlos Barbosa – essa foi a 4ª edição e a minha terceira participação (não pude comparecer na primeira edição). Como de costume, trata-se de um evento muito bem organizado pelos “gringos” locais. Estão de parabéns!!! E sem dúvida me parece que está cada vez melhor. O local é sensacional, tem um belo e grande espaço na praça central da cidade, que é muito bem aproveitado pelo o público. Conta com um boa estrutura, várias tendas de alimentação e também de outras coisas relacionadas ao mundo HD e das motos custom. Tem um gramado bacanudo e boas bandas de rock tocando o tempo todo e o melhor, muita mulher bonita!
Tá…. Também tem motos Harley Davidson bonitaças (é claro), em um grande estacionamento ao redor da praça, o que sem dúvida alguma rende um belo e demorado passeio de observação – para quem curte motos.

Não tenho muito mais o que comentar, é sempre um dia muito bem aproveitado, é de encher os olhos com tantas coisas boas e bonitas. Vale a viagem.

*Abaixo algumas imgs da empreitada de hoje

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um pouco de montanhas ao redor

Ontem foi dia de dar um rolê de moto com os amigos até Herveiras (RS), na real, um passeio que fazemos já há vários anos e sempre é bom andar por essa região. Estrada tranquila, belas paisagens e bem pouco movimento aos finais de semana.

O clima estava bom, fez um bom dia para andar de moto. Sem aquele habitual calorão de verão, ficou numa vibe do tipo – “pode até chover”, o que de fato não chegou a acontecer (enquanto andávamos). Também foi interessante andar novamente em grupo com os amigos, minhas últimas voltas haviam sido sozinho.

Então como já é de costume, confira baixo algumas imgs do rolê de ontem, junto com o Pretto, Rafa e Luís Carlos. Já que é um lugar ao qual vamos várias vezes ao ano, não vou postar muitas fotos. Apenas um registro. Já postei muitas fotos desse trajeto anteriormente.

Flw / vlw!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Viaduto 13 (Vespasiano Corrêa)

Em final de semana de carnaval, com tempo livre e fazendo um belo e agradável dia de sol, nada melhor do que pegar a estrada de moto. Resolvi então dar uma esticada até Vespasiano Corrêa (RS), no famoso viaduto 13. Já estive outras vezes por lá, mas sempre é um bom passeio.

Sai no começo da tarde, segui na direção de Lajeado, depois Roca Sales, Encantado, Muçum e por fim, Vespasiano Corrêa. Uma cidade pequena mas muito agradável. Aliás, curto muito essas cidadezinhas dos arredores da serra gaúcha.

No caminho resolvi chegar em um mirante que há em uma pequena entrada, na beira da estrada, acho que logo depois de Muçum (não tenho certeza agora). Acontece que já tinha visto uma sinalização para este, em uam outreo viagem. Hoje, sem pressa alguma, resolvi sair da estrada e ver esse lugar. Tudo tranquilo, um mirante com uma Santa (não lembro o nome dela – sorry!), que tem uma bela vista para a cidade e o rio, logo abaixo. Não tinha ninguém no local, que mesmo perto da estrada era um pouco isolado, e sabe como é – isso as vezes é preocupante. Sempre é bom estar seguro. Dei um tempo, curti o lugar mas tinha meu roteiro para seguir em frente. Ah! Numa próxima vez, pretendo também desviar do caminho da RS129 (Lajeado – Guaporé), e dar uma conferida no caminho que leva até o topo do Morro Gaúcho.

Segui em frente, tudo certo e tranquilo. Logo estava no pórtico de Vespasiano Corrêa – cara, como gosto dessa entrada da cidade, muitas árvores de ambos os lados, uma estrada sinuosa e muito bonita! Assim que se chega na cidade, rapidamente se toma uma rua lateral, anda e até um desvio, que depois vira uma estrada de chão batido, que leva enfim, até o Viaduto 13. O caminho é bem sinalizado, mas a estrada agora tem mais aquela cara de pavimentação de colônia, com muitas britas soltas (cuidado nas freagens) e como são inúmeras curvas em clima de constante descida (por vezes bem íngreme até) – é bom tomar cuidado nesa hora. Mas não tem erro, é seguir sempre em frente, prestar atenção nas placas das bifurcações e tudo resolvido. Pimba! Logo se tem o imponente viaduto a sua frente.

O local é muito interessante e como hoje é um final de semana de carnaval, de feriadão prolongado e tal, haviam várias pessoas acampadas por lá. Aproveitei e dei algumas voltas além dos lugares que havia conhecido, nas vezes anteriores em que estive por lá. Por último subi pela estradinha lateral, até o topo, no viaduto propriamente dito. Daí era só curtir a paisagem, algumas fotos e aquela coisa toda de caminhar pelos trilhos, lá no alto.

Aproveitei paras descansar um pouco do sol, que estava forte naquela hora. Depois foi voltar para casa. Antes uma passada em Lajeado para comer algo e repor os líquidos – afinal, estamos em pleno verão e a coisa é forte….rsrsrsr.

Mais um sábado bem aproveitado viajando de boas, de moto por aí.

*Como normalmente faço, abaixo algumas imagens da empreitada da vez. Procuro publicá-las na ordem dos fatos e acontecimentos. Também coloco imgs de estrada para assim dar uma melhor ideia do tipo de terreno que a viagem apresenta. Isso serve mais para o caso de alguém se pilhar de também resolver fazer essa trip. Então já tem assim uma boa ideia do que irá encontrar pela frente (paisagens, terreno, tipo de estrada, etc.). Eu tambémm vejo blogs e sites de outros motociclistas, o que é muito bom para dar ideia de lugares interessantes para se conhecer. Flw!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O tal sábado bandido

Hoje foi dia de subir de moto até a serra gaúcha em Garibaldi, no Parque da Fenachamp, tudo para conferir de perto o evento “Sábado Bandido”. Um encontro que reúne muitos carros antigos, customizados e ainda alguns belos modelos V8. Ah! E é claro, tem bastante rock, chalaça e muito borrachão….rsrsrsrsr.

Saímos no começo da tarde, eu e o Pretto, dia de muito sol e calor por aqui – e não sei se perceberam, mas eu falei dia de MUITO CALOR. Tava um dia de derreter. Mas foda-se, o bom dessa coisa de andar de moto é que assim que tu gira a chave e arranca, tudo muda ao seu redor, daí nem esse calor desgraçado te incomoda. E tem mais, o legal dessa função da trip de hoje é que a medida que se vai subindo em direção a serra o clima também muda um pouco, o que já dá uma amenizada. Então tranquilo e de boas.

Em resumo, foi uma viagem tranquila tanto na ida como na volta, nenhum perrengue, um passeio divertido e sempre bacanudo pela Rota do Sol. E claro, sem dúvida alguma, com muito carro bacana por lá. Como já é de costume fica a dica de que esse evento é supimpa. Fiz muitas fotos, mas vou postar apenas algumas que selecionei, só para dar uma ideia geral do rolou por lá.

Flw

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Chuva de verão

Com um sábado de clima bem ameno, nada daquele calor exagerado das última semanas (ufa!… ainda bem.), bem convidativo para uma volta de moto. Só que dessa vez o Pretto, grande parceiro desse tipo de empreitada, está lesionado. Se machucou jogando bola essa semana, inclusive tem andado de muletas (poucos dias), ou seja, nada de motocas por enquanto. Mas ele está bem e com certeza vai estar novamente inteiro em breve. Andei sozinho hoje.

Recebi de bônus ainda uma boa dica para o rolê de hoje, aliás, do próprio Pretto – um encontro de Harley Davidson em Garibaldi. Era sim uma boa pedida, mas acontece que não sou um cara lá muito sociável para ir num encontro desse tipo, sozinho. Aliás, como já mencionei aqui várias vezes – não sou muito da vibe desses encontros de motociclistas. Deixei passar.

Gosto é de andar de moto! É isso. É bom, é terapêutico, é libertador e acima de tudo, incrível! Mas “muito” papinho e chalaça de moto prá cá e prá lá, às vezes me incomoda. Conversa de moto é bom, com “os amigos”, não com pintas esquisitas e metidas. E como tem gente assim – andei a tantos por hora em tal lugar / fiz uma curva assim / fiz uma ultrapassagem assim / passei todo mundo / fui naté tal lugar em tantos minutos / bláh…bláh..bláh.  Me afasto e deixo lá falando e contando suas glórias. Aliás, se você perceber nas conversas de motociclista, todo mundo é um excelente piloto, o pica das galáxias. Já notaram?
Daí depois um desses tu vê o cara andando e pensa… humm… tá bom então… kkkkk (*Mas ok, quem sou eu para julgar!?)

Enfim, vamos voltar ao papo de hoje aqui no blog. Aliás, aproveitando a deixa, cabe mencionar de que procuro aqui relatar e ilustrar o rolê de moto do dia e na boa, não é para me aparecer ou coisa do tipo. Isso não me torna mais ou menos phoda do qualquer um que ande de moto. cada um tem lá os seus interesses e vontades. Foda-se!

E agora vou lhes contar um segredo.  Isso aqui na real tem um propósito bem básico e definido para mim- “Cada relato dessas viagens, grande ou pequena – que seja, serve como um registro pessoal, que depois posso acessar em qualquer plataforma. Fica muito mais fácil eu acessar esse blog em qualquer lugar ou momento, por um celular ou computador em qualquer lugar e assim mostrar alguma determinada imagem de viagem, local, moto ou detalhe que fotografei e o escambau, para alguém. Muito mais prático e melhor do que ficar catando inúmeras fotos em meu celular ou meu computador pessoal. Sacaram? Um arquivo pessoal de fácil acesso em festas, churrascos e chalaça com os amigos, que volta e meia me perguntam dessas viagens.

Bem, foda-se! De volta ao rolê de hoje. Saí com o céu bem claro, dia bonito e com uma temperatura prá lá de agradável para andar de moto. Havia também cuma certa possibilidade de chuva mas não levei fé nisso. O plano inicial era ir até Pantano Grande/RS e tomar um café no Raabelândia. Sim, volta de moto tem de ter uma parada para um café na jogada. Uma regra pessoal. Curto fazer paradas em viagens. A vida é breve e convenhamos, de moto é bem prático e legal de parar em qualquer lugar.

Há um bom tempo não fazia esse trajeto. Sai em direção de Santa Cruz do Sul pela RS 287, optei como de costume por um caminho maior (gosto dessa volta), ingressando pela RS 412 (viaduto / Vera Cruz -RS) seguindo até a conexão com a 471, para seguir então na direção de Rio Pardo e depois Pantano Grande. Só que não foi bem assim.

Chegando perto de ingressar na 471 o tempo fechou e um nuvem solitária e bem irritada pelo jeito, resolveu desabar um aguaceiro onde eu estava rodando. Por sorte eu já me encontrava perto do viaduto (perto da Expoagro Afubra) e pude me abrigar embaixo da ponte. Interessante foi que em seguida vieram outros motociclistas também. Todos com a mesma intenção, ou seja, escapar da chuva. Uns com mais ou menos sucesso do que os outros. Dei um tempo ali, conversei com os outros caras que ali pararam, trocamos uma ideia e assim que a chuva passou, cada um retomou o seu caminho. Claro que haviam mais nuvens assim espalhadas pela frente, uma mistura de céu com bastante sol e algumas manchas cinzentas escuras, aqui e ali. Resolvi voltar, com certeza se seguisse em frente em algum momento tomaria um banho de chuva. Como não sai de casa preparado para esse tipo de coisa, então não era bom abusar da sorte, visto que há pouco havia me escapado de um belo banho de chuva. Me molhei, mas foi pouca coisa. Chuva de verão.

Esse então foi o rolê interrompido de hoje. Tudo bem, de certa forma foi divertido buscar escapar da chuva. Sempre se aprende algo (alguma lição) e ainda tem um quê de aventura em duas rodas.

*Alguns retratos de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O encontro do desencontro

Depois das chuvas ocasionais que até tiveram um certo estrago com a ventania por aqui, o clima mudou bastante e saímos do calorão “modo inferno” para o “modo levemente torrado em dia nublado”. Esse sábado amanheceu com um som bem menos intenso, o que despertou a luzinha de que hoje renderia um bom rolê de moto. Na metade da manhã vou pegar meu celular para trocar uma ideia com o Pretto, sobre darmos uma volta de moto e pimba! O telefone toca e é o Pretto querendo combinar uma volta de moto…..rsrsrsrssrsr

Precisava ainda fazer algumas coisas poucas coisas, pagar uns boletos e então estaria liberado para pegarmos a estrada. J[a deixamos marcado um horário e um local para nos encontrarmos e daí sairmos em viagem. Tudo certo, resolvidas todas as minhas paradas e quando estava novamente em casa, já empolgado para ligar a moto e partir – pimba! Nada da bateria resolver colaborar. A moto não liga. É que que com essa onda terrível de calor das últimas semanas, ela ficou na garagem. Então ligo para o Pretto e cancelo a minha participação no rolê de hoje.

Depois falo com um amigo mecânico, que vem e me socorre com uma carga só p ligar a moto. Ela responde e liga rapidamente. Como o processo foi bem rápido (achei que dessa vez a bateria teria ido-pro-pau de vez) com ela ativada o problema estava resolvido. Depois andando, naturalmente a bateria carregaria um pouco mais. Rapidamente resolvo voltar ao plano original de pegar a estrada. Mas tinha um problema, o Pretto já havia saído, seguir mesmo sozinho a viagem depois que liguei para ele cancelando. Tive de me ativar rapidamente com o equipamento e o mais rápido possível já estava no trecho. Será que conseguiria alcançá-lo? Telefonar não adiantaria, ele de moto e não atenderia. A intenção era ao menos tentar encontrá-lo pela RS 287, até a Casa do Suco (Tabaí/RS). Imaginei que ele iria fazer uma parada ali , um velho hábito da turma. Se não conseguisse encontrá-lo, então tudo bem, daria meia volta e ficaria por isso mesmo.

Tentei ganhar tempo e segui acelerando sempre em frente. Quando já estou perto do antigo posto da Polícia Rodoviária, fico trancado na faixa dupla atrás de uma lenta caminhonete de fretes e báh, quem vejo no meu retrovisor? O Pretto!

É que ele não saiu logo em seguida que recebeu o meu telefonema. Deu um tempo, o céu estava meio nublado, com cara de chuva e então me disse que ficou naquela dúvida de “vou-não-vou” até a Tenda do Umbú (Picada Café/RS) – que era o nosso roteiro. Depois de um tempo, optou seguir em frente mas foi por um outro caminho, por Lajeado. Com esse seu trajeto maior e ainda mais o tempo da indecisão inicial dele, me deram maiores chances, sem querer, de conseguir encontrá-lo no caminho. Isso tudo foi bem inusitado, bacana e demos muitas risadas. De certa forma fiquei até surpreso, eu tinha quase certeza de que não conseguiria alcançá-lo até Tabaí, no tempo previsto. Sorte ele ter escolhido um outro trajeto até lá.

Depois dessa chalaça de pura sorte e acaso, enfim paramos para o tal suco e trocamos uma ideia. Como o céu estava ficando cada vez mais fechado, com nuvens escuras de chuva, resolvemos mudar o roteiro inicial da trip. Optamos voltar então de Tabaí pela RS 386, em direção à Lajeado. No caminho ainda resolvemos desviar por Teutônia/RS, aumentando um pouco mais o trajeto. E assim fizemos. Tudo tranquilo e sem nenhum perrengue. Em Estrela/RS, ainda fomos até a antiga fábrica da Polar na beira do rio Taquari. Conseguimos entrar um pouco em um dos  prédios abandonados – que me pareceram bem mais depredados, do que as vezes anteriores em que estive na praça, na beira do rio. Ainda passamos pelo centro de Lajeado e depois direto para casa, loucos para tomarmos uma cerveja bem gelada. Acabamos pegando um pouco de chuva no caminho. Em resumo foi isso, mais um daqueles bons e divertidos sábados de moto, por aí.

\m/

*Abaixo algumas imgs da função de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um rolê bem sério

Com o clima por aqui se mantendo no modo “nublado” e assim dando uma boa amenizada no calor infernal que esteve fazendo nos últimos dias, novamente a ideia foi de aproveitar para pegar a estrada de moto. Dessa vez o roteiro do rolê foi por uma estrada de chão batido mesmo, off-road (nada muito pesado), mas totalmente fora do esquema habitual de asfalto.

Resolvi ir até a cidade de Sério (RS), seguindo apenas por caminhos do interior de Venâncio Aires (RS) até lá, o que dá cerca de uns 70 km – ida e volta (logo no começo tem um trecho asfaltado, mas depois muda). Uma viagem muito bonita entre belas paisagens rurais, passando pela localidade de Santa Emília (ainda V. Aires), com os tradicionais campos, plantações, pastagens de gado, cachorro correndo na beira da estrada, “bolichos”, gente que passa e te cumprimenta cordialmente (coisa boa!), igrejas, salões de festa, riachos, açudes enfim, um incrível trecho de colônia e um pedaço da nossa serra gaúcha – que aliás, é fantástica! Se fosse bem explorada turisticamente essa nossa região, teríamos por aqui também belos cenários de montanha. Tanto que o trajeto de V. Aires até lá a grosso modo, é basicamente de subida.

Já havíamos feito esse percurso ano passado, não lembro agora ao certo quando foi, mas eu, Pretto e o Vladi (a gangue do Atacama…rsrsrsrs), subimos até quase chegar em Sério, quando lá pelas tantas um prego furou o pneu da moto do Pretto. Mas então foi aquele perrengue todo na função de arrumar uma ferramenta emprestada, tirar a roda, levar até uma borracharia, voltar, recolocar o roda e ajustar tudo. E assim, num piscar de olhos se foi a tarde. Deixamos para uma próxima.

Hoje deu tudo certo, foi tranquilo, sem pneu furado e resumindo a coisa toda, uma boa trip. Esse é o tipo de viagem que te deixa satisfeito de andar de moto por lugares tão interessantes e melhor, perto de casa. Fica a dica.

Como de costume segue abaixo uma série de fotos dessa empreitada de hoje.
Fiquem em paz. Grande abraço!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carlos Barbosa / Banidos do Inferno M.C. – 3 anos

Hoje foi dia de subir a serra gaúcha junto com o Pretto até Carlos Barbosa (RS), para o evento de comemoração de 3 anos dos Banidos do Inferno M.C.. O mesmo esquema de sempre, V. Aires até Lajeado, depois a Rota do sol até Carlos Barbosa (Desvio Machado) e pimba! Viagem tranquila, saímos ainda pela manhã, dia bonito de sol mas com um vento bem bacana, só para dizer que o verão e o calorão ainda não se estabeleceram de vez. Boa, melhor assim.

Chegamos no local (um bom lugar para um encontro de motociclistas) e o evento já estava em andamento, prá falar a verdade já era quase hora do almoço. E o que posso dizer é que tinha bastante moto custom, a maioria eram HD’s e também muita gente supimpa, show de rock e um excelente almoço com galeto e churrasco. E uma coisa é certa, o pessoal de lá sabe fazer uma boa festa! Sendo que também rola por lá o já famoso evento anual “Harley’s Day”, que é organizado pelo mesmo pessoal. Parabéns!

Na volta tudo tranquilo e ainda resolvemos mudar o roteiro, passamos pelo caminho de Imigrantes e Colinas, que aliás, é um trajeto fantástico (fica a dica). E na chegada ainda teve a tradicional resenha com  os amigos.

Mais um sábado daqueles. Valeu.
Já pelo ano que vem na comemoração dos 4 anos.
\m/

*Ah! Em tempo. Curti bastante o setlist de músicas que estava rolando na festa, coisa bem diferente dos habituais “Creedence e AC/DC” que rola em tudo que é encontro. Nada contra essas bandas, sou fan também, mas não precisa ser sempre a mesma coisa! Muito bom isso. Ainda bem.

*Confira algumas fotos do rolê de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cerro do Baú – parte II

Há umas duas semanas atrás estive no cerro do Baú, que fica aqui mesmo no interior de Venâncio Aires (RS). Hoje foi dia de voltar lá mas dessa vez junto com os amigos Pretto e Vladimir. Uma viagem normal até lá, tudo por estrada de chão batido, algumas “britas”, buracos pelo caminho mas nada de absurdo. Um passeio legal até , eu diria.

Quando chegamos lá encontramos o proprietário, Marcolino Coutinho, que estava dando um “trato” na propriedade. Como ele já é um velho conhecido da gente, aproveitamos para trocar uma ideia com ele. Dessa vez também haviam outras pessoas de passagem apreciando o local e a bela vista que se tem da cidade e arredores, lá de cima. É bom ver uma área tão bonita como essa sendo visitada, ainda mais aos cuidados do Marcolino, que quando nos falava sobre fatos e histórias do local, se percebia claramente um certo brilho nos olhos de satisfação e alegria. Bom saber que ele cuida bem do local e ainda permite a sua visitação. Outros talvez já teriam cercado bem toda a propriedade, metido placas de advertência, solto cachorros e construído uma casa com uma bela vista exclusiva.
Ele não! Palmas para o Marcolino.

Ficamos ainda um tempo por lá caminhando e admirando o local, depois fomos ver uma nascente que fica ali pertinho, ainda no mesmo morro.

Um bom passeio de um sábado de tarde. Rápido, perto e muito bom.

*Algumas imagens de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A subida

Em pleno feriado de 20 de setembro aqui no Rio grande do Sul e mesmo com um dia onde as condições não estavam lá muito bonitas para uma trip de moto, resolvi dar uma passada em Teutônia, na Lagoa da Harmonia. É que tem aí uma questão mal resolvida. Explico.

Já estive por lá inúmeras vezes e o lugar realmente é muito bonito e agradável, no verão melhor ainda, a lagoa é bem cuidada (o resto do parque também, diga-se), tudo bacana e bem interessante. Também tudo ok com a clássica volta ao redor da lagoa, mas tem o fato de lá tem uma vista incrível do alto do morro – que fica ao lado, numa estradinha logo na entrada da lagoa. Então…

Já subi nesse morro há alguns anos atrás, mas acontece que das duas últimas vezes em que estive por lá e com tempo, mesmo assim eu não subi mais até o alto desse morro. Esses dias me lembrei disso, dei boas risadas e resolvi que assim que possível iria novamente até lá (não fica muito longe daqui) só para completar esse trajeto. Virou uma questão particular para mim. Lembro de que já desisti duas vezes dessa subida. Gordo, pesado e fora de forma, na metade do caminho cansado e esbaforido eu arreguei (tipo como fez o time do Inter, saca?). Desisti e voltei.

Semana passada já tinha pensado em passar por lá, cheguei até a comentar isso com o Vladimir (parceiro de trip de moto), mas não foi possível porque tínhamos outros compromissos. Hoje, feriado, dia nublado, feio e sem sol e para completar, eu não tinha nada melhor para fazer além de cultivar o “nadismo”. Pimba! Dia perfeito para inventar alguma incomodação ou aventura, onde tudo pode dar certo ou bem errado. Vamos ver… clima não estava com cara de que iria ajudar muito.

Depois do meio dia, dito e feito, veio a chuva. Pronto. Ferrou. Mas para meu alívio foi passageira e logo o chão já estava seco. Não perdi tempo, me ajeitei rapidamente e fui de moto para a estrada. A viagem foi tranquila, tudo de boa, pouco trânsito –  Lajeado, Estrela, Rota do Sol, Teutônia e ôps, já era o trevo para a Lagoa da Harmonia. Vamos lá!

Subida boa, parei algumas vezes para dar uma olhada na paisagem mas logo estava na portaria da lagoa. Atualmente cobram R$ 7,50 (por pessoa – só para constar), converso com o vigia, combino com ele de depois deixar a minha moto ali e o meu capacete. Antes ainda faço a tal clássica volta olímpica na lagoa, que é de praxe, também umas fotos corriqueiras mas logo volto para o começo, onde estava o meu propósito para essa empreitada. A subida íngreme do morro. O vigia ainda comenta de que quando subiu a primeira vez, teve de para e sentar no caminho para descansar e tomar um fôlego.

Uma vez que a moto e meu capacete estavam devidamente sob cuidados do meu amigo vigia, tomo rumo na estradinha íngreme e subo como se não houvesse amanhã… rsrsrssrsr  (poderia ter feito essa subida de moto, o vigia me sugeriu, mas não era essa a intenção expliquei para ele). Passo a passo a coisa progrediu e rendeu num nível bem legal de subida, o que até me surpreendeu. O meu investimento na academia nesses últimos tempos se mostrou bem válido nessa hora. Thanks Grego! Na metade é claro, parei para uma breve pausa, uma respirada mas a subia deveria prosseguir.  Foco! Pro alto e avante. Chego no topo e como o dia estava nublado a visão lá de cima hoje não era das melhores, mas tava valendo. Havia apenas um casal de namorados, que sim, se assustaram com a minha chegada, mas foda-se. A estrada é livre. Aproveitei então para me sentar bem de boas na grama, curtir a paisagem e toda aquela vista do vale. Momento bacana e o bom disso é que não tinha muita gente, então havia um certo silêncio ao redor. Mas a alegria não dura prá sempre – como se dizem, chegaram mais algumas pessoas, inclusive também uns importunos caras bêbados, que fizeram uma gritaria e daí essa clima zen foi para o espaço. Só podia ser a deixa do universo para mim cair fora dali (rsrsrsrsrs). E eu já tinha curtido o necessário da paisagem mesmo.

O caminho da volta na descida foi bem de boas, sempre parece mais curto e mais rápido do que a ida /subida (me lembrei de que tem uma teoria psicológica que aborda esse tema – já foi post aqui no blog). Chego na moto, começo a me ajeitar para retomar o caminho de casa e converso mais uma vez com o meu novo amigo, o vigia/porteiro, que descubro ser pai do quem administra o local todo. Me contou várias coisas interessantes do local e das casas ao redor. Enfim, histórias de viagem.

Venho embora para casa acreditando de que irei pegar chuva no caminho, o céu estava mais escuro já nesse momento. Tudo bem, faz parte. Cheguei bem e bastante satisfeito, primeiro por não ter pego chuva alguma e segundo, com a empreitada toda. A subida foi OK, melhor do que o esperado – preparo testado e em dia, era justamente isso que eu queria descobrir na tal subidona. Vamu-qui-vamu. Meu perrengue com o morro terminou hoje e bem sei que ainda irei subi-lo ainda mais vezes.

*Abaixo algumas fotos dessa trip:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aproveitando o sol do sábado de feriadão

Fim de semana de feriadão de dias bonitos e ainda com uma temperatura prá lá de agradável, bom momento para se pegar a estrada. Hoje enteão, como de costume quando o trajeto não é muito longe, eu e o Pretto saímos logo no começo da tarde e fomos até Santo Amaro do Sul/RS. Uma viagem muito boa, que nos finais de semana a estrada é de pouco movimento com belas paisagens de campos, criação de gado e lavouras, sendo que a maior parte do caminho é em asfalto, mas somente até a entrada da cidade (parte histórica), onde começa um trecho de estrada de chão, que não é muito longo (alguns poucos Kms).

As coisas mudaram desde a última vez em que estive por lá esse ano, há alguns meses atrás. E digo – prá melhor! Agora tem uma bela sinalização já na entra, junto a RS 244, ficando assim bem mais fácil e prático de se chegar até o centro histórico de Santo Amaro do Sul que tem uma região central com casarios antigos, uma bela praça com uma árvore frondosa em frente a tradicional igreja e depois, não muito longe (algumas quadras rua abaixo), já se encontra a margem do Rio Jacuí. E nesse mesmo pacote de viagem, um pouco mais adiante apenas, se encontra a Barragem Eclusa de Amarópolis.

Enfim, um pacote completo de viagem com tudo bem perto uma coisa da outra. Fica a dica, porque vale a pena o passeio. Na entrada da cidade, ainda no trecho de estrada de chão, tem um mirante de madeira com uma altura tipo de uns dois ou três andares. Muito bacana, a intenção deve ser a de se enxergar a vila mais adiante, mas só que de longe, ou ao menos foi o que deu para perceber hoje, apenas dá para ver um pouco das torres da igreja por entre as árvores e tal, vide que o povoado não tem nenhum grande prédio. Mas já começa bem a coisa porque é legal subir nesse mirante de qualquer modo. Depois voltamos para as motos e seguimos em frente.

Estacionamos na praça central, que mais do que óbvio, perto da igreja. Então fomos dar uma conferida bem de perto, fazer uma fotos, aquela função de sempre.

Contando depois dessa trip de hoje para minha mãe, ela comentou que num desses casarões perto da árvores da igreja, era a casa onde em sua infância morou a mãe do cantor Wander Wildner, meu primo.

Em seguida rumamos até a beira do rio Jacuí, que estava bem cheio. A outra vez em que estive ali no começo do ano, havia até uma prainha, que aliás, hoje estava submersa. Demos uma apreciada no local e seguimos em frente rumo até a eclusa. O caminho é cheio de casinhas de pescadores, creio que talvez a maioria seja de pessoas que curtem pescar mais como um hobby de final de semana, férias ou temporadas, do que vivem propriamente dito da atividade mesmo.

Aí vem a parte que eu julgo a mais interessante dessa trip, o local é bonito, uma obra do Estado Federal, num estado bem cuidado (ao menos a grama e a grande parte da estrutura) que e lembra muito de ser um versão “redux” de outra eclusa, aqui perto também, de Bom Retiro do Sul / RS. Muitos detalhes parecidos, só que numa proporção talvez um pouco menor em termos de estrutura. Daí é aquela coisa, caminha prá cpá, caminha prá lá, sobe na escadaria do prédio de controle, que aliás, parece ser uma sala tirada do estúdio do seriado de TV LOST, uma coisa tecnológica mas travada no tempo tipo anos 60, saca!? Interessante. Mais umas fotos, o rio estava cheio e com uma forte correnteza, situação bem diferente da outra vez também.

Ficamos um tempo por lá, caminhamos por tudo que lado,até conversamos com o vigia do local, que nos deu algumas informações do procedimento do local e algumas coisas mais. Muito legal.

Depois era só voltar para casa. Um passeio bem legal e interessante, num belo dia de sol para se andar de moto. Essa função toda foi de uns 150 Km rodados, não durou a tarde inteira e assim mesmo rendeu um passeio curto e bem diferente do habitual para nós (V. Aires – Santo Amaro do Sul). Na volta ainda uma passagem pela estrada velha que liga V.Aires / Sta Cruz do Sul, com muitos buracos diga-se, com direito a curzar na frente do encontro de Balonismo que está acontecendo na cidade esse final de semana.

A viagem toda foi tranquila e sem nenhuma perrengue (blz). Mais um sábado muito bem aproveitado. Valeu!

*Confira então abaixo um pouco dessa viagem de hoje, através de algumas fotos:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Só um pouco mais longe para se tomar um café

Depois de alguns dias de chuva o sábado amanheceu com um vento frio mas de sol bonito. Dia bom para se pegar a estrada de moto. O Pretto teve problema de bateria com a moto dele, havia planejado uma volta de moto maior até a serra com a gente saindo cedo pela manhã, mas como teve de ajeitar isso (uma carga na bateria), então mudamos os planos e saímos para um rolê de moto até Garibaldi-RS, depois do meio-dia.

Clima muito bom esse de hoje para andar de moto. Sim, estava um pouco frio mas basta se agasalhar adequadamente que a coisa rola numa boa. Sem falar que havia em sol bem bom também, que foi nosso companheiro de viagem a tarde toda.

Fomos até Lajeado, uma parada rápida, porque eu tinha de passagem resolver uma coisa e em seguida já estávamos de volta a estrada (Rota do Sol) subindo a serra. Passamos por Teutônia, tocando pela Rota do Sol (curto bastante esse trajeto!) sempre em frente até Carlos Barbosa e Garibaldi.

Chegando lá, uma volta pela cidade com direito a uma pausa para um café, com um dedo de prosa. Na volta tudo tranquilo, viagem normal e sem nenhum perrengue. Paramos para abastecer a minha moto só para garantir (completar o tanque). Enfim, um rolê bacana num típico sábado de inverno com bastante vento mas de sol bonito aqui do sul, mais uma vez com a parceria do Pretto. Valeu!

Até mais! \m/

*Algumas fotos do trajeto de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sábado de sol, hora de pegar a estrada

Com a previsão de um final de semana de sol e tempo bom, não tinha como não pegar a estrada de moto hoje. Fui sozinho, meus parceiros já tinham outros compromissos. Como estou no modo econômico ultimamente, mais uma vez não fui longe mas mesmo assim foi um ótimo passeio.

Fui até vera Cruz e depois dei uma passada no autódromo de Santa Cruz do Sul, não tinha nenhum evento por lá hoje, mas sempre é um lugar bacana para chegar. Uma volta de boas, tudo tranquilo.

Confira abaixo algumas fotos do rolê de moto de hoje.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Café de dia dos pais

Dia dos Pais também é dia de dar um rolê de moto mesmo que não muito longe. Eu e o Pretto resolvemos dar uma esticada até o Rancho América para um café e assim tirar as motos da garagem para dar um susto na bateria. Um rolê básico, ainda mais no entardecer de domingo quando nesse horário a fila de carros de ambos os lados da faixa parece não ter mais fim. Mas OK, faz parte. Basta ter paciência e rodar tranquilo.

Assim que chegamos encontramos um membro do Moto Clube dos Abutres que veio conversar com a gente. Um cara legal, trocamos uma ideia por um bom tempo e foi bem interessante a perspectiva deles de como M.C. com suas regras e disciplinas, encaram o mundo das motos.

Depois tomamos então o nosso café, daí aquela resenha, alguns planos para novas viagens e enquanto isso, lá fora já era noite. O tempo passa mesmo rápido quando a conversa está boa.

Tenham um boa semana!

 

 

 

 

 

Depios de vários dias de céu cinza, então um sábado de sol

E o final de semana chegou depois de vários dias de chuva ou então nublado, um sol bonito já dava as coaras logo cedo pela manhã. Bom sinal!
No começo da tarde já estava pronto para pegar a estra a estrada, não fui muito longe, até porque estou em modo econômico nos últimos tempos – (projetos futuros), mas não dá para deixar de andar de moto. É muita vontade.

Como hoje eu estava sozinho na empreitada sai com mais calma e sem pressa alguma. Estava muito bom tomar um sol andando d e moto no asfalto. Sério, isso é realmente muito bom aqui no sul nessa época do ano (inverno), ainda mais depois de vários dias escuros e sem graça.

Passei primeiro por Cruzeiro do Sul, depois rumei para Lajeado e segui até Estrela. Essas cidades ficam bem próximas umas das outras, mas sempre é interessante chegar e dar uma volta. Inclusive hoje procurei não passar nos locais de costume, quando circulo nessas cidades.  Também hoje fiz bem pouca fotos do rolê, sei lá, acho que foi preguiça mesmo e na real, estava mais afim de curtir a a moto e a estrada. Como se diz por aqui: – “lagartear no sol” (só que de moto).

Enfim, um volta interessante, bem tranquila e mais um sábado bem curtido de moto. Thanks!

Abaixo algumas fotos:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Até o Viaduto 13

Depois de algum tempo teremos por aqui novamente fotografias do rolê do dia. Como o Vladi e Fabi nos avisaram que viriam de POA este final de semana, então eu e o Pretto combinamos um uma viagem diferente dessa vez. Resolvemos ir até o Viaduto 13 (Ferrovia do Trigo), em Vespasiano Corrêa (RS) – uma construção da época da ditadura militar

Um pequeno entrevero atrasou a nossa saída na tarde, uma chave que o Vladi não encontrava, mas tudo resolvido. Logo estávamos no caminho de Lajeado e depois no rumo de Encantado, Muçum e finalmente Vespasiano Corrêa. Um dia de sol bonito, muito bom para andar de moto, achei até que seria frio, mas não, estava até quente (passei calor na ida – Na volta tudo bem). Foi uma viagem tranquila, nada de anormal, apenas as coisas de sempre, tipo carros que estão a nossa frente e não dão sinal de pisca (seta).

Antes mesmo de se chegar na dia base do viaduto, tem uma estrada de chão batido muito legal, com vários relevos altos e baixos mas bem compacta e lisa. Essa parte off-raod foi muito boa hoje. Sem falar depois na emoção que é descida íngreme e de piso de brita solta, que aliás, é bem perigosa – fácil de numa freada mais brusca a moto escorregar o cara ir ao chão. Mas tudo bem, assim mesmo é que a coisa fica divertida.

O local é bonito, bacana o rio que tem ali. Algumas fotos na base, um pouco de conversa e resolvemos subir até o topo do viaduto, onde estão os trilhos, literalmente. Outra subida numa estrada de chão batido e logo se está no topo. Não sou muito chegado em “alturas” mas tudo tranquilo dessa vez. Caminhei com a galera pelo viaduto, lá no alto e tudo beleza. Creio que nem era necessário mencionar, mas lá vai, uma vista sensacional dos morros e do rio lá em baixo. Também não teve nenhuma preocupação do tipo: – Ah! Se o trem vem e a gente está aqui em cima? Tudo de boa, daria para escutar e até mesmo tem uma área de escape na beirada de ambos os lados dos trilhos. Entramos um pedaço para dentro do túnel, mas não fazia muito sentido seguir em frente no escuro e tal. Não sei dizer a extenção do viaduto e nem também a do túnel.

Uma pesquisa rápida:
Foi construído pelo 1º Batalhão Ferroviário do Exército Brasileiro durante a década de 1970, tendo sido projetado desde o final da Segunda Guerra Mundial, pela empresa Serviços de Engenharia Emílio Baumgart (SEEBLA). Com seus 143 metros de altura e 509 de extensão, foi inaugurado pelo então presidente Ernesto Geisel em 19 de agosto de 1978, é o maior viaduto ferroviário das Américas e o terceiro mais alto do mundo, superado apenas pelo Viaduto Mala Rijeka, em Montenegro, de 198 metros de altura, e a ponte de Beipanjiang, na China, que possui uma altura de 275 metros.

A volta também foi tranquila, chegamos já estava escuro e asism foi mais uma tarde de moto muito bem aproveitada com os amigos. Até a próxima.

*Abaixo como de costume, algumas imagens do rolê de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um dia de muito frio mas também dia de moto

Mesmo com a manhã de hoje sendo uma das frias do ano até então, com os termômetros beirando a casa dos 0º, o sol deu as caras e desde cedo dava pintas de que seria um belo dia. Já mencionei anteriormente de que o frio não importa muito para quem gosta de verdade de andar de moto e assim foi.

No começo da tarde, já pensando em aproveitar o calor do sol, eu, Rafa e Luiz Carlos já estávamos a postos para mais uma empreitada de moto na tarde. Hoje fomos até Sério e Imigrante, e claro, passando por Lajeado antes e tendo a a volta pela Rota do Sol. Mesmo com um dia frio basta se agasalhar adequadamente que está tudo bem para andar de moto. Tendo o sol por companhia o trajeto todo, foi mais uma tarde bem aproveitada em nosso rolê de moto.

Tanto na ida como na volta tudo transcorreu bem. Teve  também uma parada para café, para aquecer os ânimos e trocarmos uma ideia como de costume. Um rolê tranquilo, super de boas e com belas paisagens ao longo de todo o trajeto. Valeu! Sempre é bom passar novamente por essa região.

*Abaixo algumas imagens desse passeio e sempre naquele esquema de ser na ordem e sequência dos fatos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um rolê prá lá de rock’n roll

Hoje foi dia de acordar cedo e encarar de frente a friaca que fez pela manhã, pegar a moto e ir até Porto Alegre para visitar o amigo Vladimir. Um rolê bacana e mesmo com esse clima frio da manhã, valeu a pena. Aliás, quem curte andar de moto não 0pode ter medo de frio e calor, nem nada disso.

O bom foi que dessa vez não havia cerração no caminho. Eu e o Pretto saímos cedo e mesmo que ambos estivéssemos bem equipados para o frio, as luvas não deram conta do recado no começo. Nada que uma costumeira parada no caminho para um tradicional café, não ajudasse a superar a situação. Com isso o sol também já tomou fôlego e foi ficando mais forte. Seguimos em frente, passamos pelo templo sagrado – a Arena do Grêmio e fomos até o encontro do Vladi. Demos alguma voltas pela cidade e fomos almoçar na cidade baixa num local muito maneiro que o Vladi nos levou.

Após um farto almoço era chegada então a hora de finalmente conferirmos de perto no Barra Shopping Sul a Exposição “Beatlemania Experience”. Um evento muito bacanudo, que mostrava todas as fases da história dos Beatles. Realmente uma bela experiência pela história dessa incrível banda. Havia muitas fotos, posters, revistas e cartazes de shows da época, capas de LPs, réplicas dos instrumentos e de várias de suas roupas originais. Havia até uma sala com interação em 3D (para a pessoa se sentir como se estivesse em um show da banda), também é claro, como o esperado, diversos produtos antigos com a marca dos Beatles. Sensacional. Uma verdadeira viagem no tempo.

E tudo isso ainda num clima muito bem elaborado, com uma decoração pertinente a cada período da banda, como uma recriação do clima do The Cavern Club, bem como do Submarino Amarelo e outras tantas “referências” de locais e temas clássicos da banda andou. Sempre com muitos dados de turnês, shows e uma enorme montueira de quinquilharias dos Fab Four.

Muito bom mesmo. Essa exposição em Porto Alegre (RS), vai até o dia 12 de junho – fica a dica!

Depois disso era hora de voltarmos para casa. Nos despedimos de nosso anfitrião, marcamos novas empreitadas e assim a vida segue o seu curso. Sempre curtindo bons e divertidos momentos com os amigos, traçando novos planos e empreitadas de moto. A viagem  tanto de ida como a da volta foi tranquila. Enfim, mais um daqueles dias especiais muito bem aproveitados e que com certeza ficarão na memória, junto ao arquivo do bons momentos. Valeu!

*Abaixo algumas imgs do rolê thunde-mega-blaster-bacanudo de hoje.
Não é preciso ir longe para ser feliz.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pelo interior até Sério

Neste final de semana de Dia das Mães, o Vladi apareceu em Venâncio Aires e então o nosso rolê de moto foi naturalmente por uma opção mais off road. Hoje fez um belo dia de sol e com um clima super agradável para andar de moto.

Como de costume nos encontramos (eu, Pretto e o Vladi), logo no começo da tarde e sem muita perda de tempo e frescura resolvemos que iríamos até a cidade de Sério /RS, mas fazendo um trajeto através do interior de Venâncio Aires, até lá. Um caminho que tem a subida pela nossa serra e conta com uma sucessão de belas paisagens (fica a dica!). Paramos uma vez que outra para pedirmos alguma informações – tem várias bifurcações nas estradas deste caminho, o que torna fácil sair do rumo lá pelas tantas. Mas tudo certo, na verdade o caminho era bem mais fácil do que imaginávamos.

Como tudo na vida tem uma primeira vez, hoje deu ruim. Lá pelas tantas, já quase chegando na cidade de Sério, furou o pneu traseiro da moto do Pretto. Um prego! Avaliamos a situação e o que fazer, resolvemos que o Vladi ficaria junto com o Pretto enquanto eu seguiria em frente à procura de uma borracharia. Não muito longe dali encontrei um salão de festa com uma cancha de bocha lotada de gente – coisa bem normal em finais de semana, aqui no interior de nossa região. Parei pedi informações (fui bem atendido – valeu pessoal!) e me indicaram mais adiante a casa de um borracheiro. Fui até lá mas ele não estava, tinha saído para visitar um parente. Seguindo adiante encontrei um rapaz junto com um homem que estava de trator junto a beira da estrada. Novamente pedi informações e dessa vez um rapaz (Lucas), se ofereceu para ajudar mas teríamos de passar antes na casa dele para pegar algumas ferramentas.

De volta para junto de onde estava a moto do Pretto, tiramos a roda traseira e então eu, junto com o Lucas de carona (que carregou a roda), seguimos até Sério em busca de uma borracharia. Não foi difícil de encontrar mas tinha um porém, estava fechada. Putz!

Mas essa coisa de cidade pequena tem também as suas vantagens, batendo na porta de um vizinho descobrimos que o filho do borracheiro, um garoto de 13 anos, que trabalha com o pai poderia nos atender e fazer o tal reparo. Tranquilo. Em seguida lá estava o garoto metendo a mão na massa, fazendo o reparo na camara de ar. Vi que havia uma moto de trilha no fundo da oficina, descobri que era dele mesmo e daí a conversa já ficou mais interessante. Ele rapidamente aprontou o serviço (que foi bem feito) e assim podemos trazer de volta a roda até a moto, para ser instalada novamente. Para mim isso tudo foi bem rápido, mas pelo jeito para o Pretto e o Vladi a coisa foi demorada. Ficaram lá parados à beira da estrada de colônia por um bom tempo. Mas tudo bem, faz parte. Algo tinha de ser feito e foi o melhor possível ali naquele momento e situação.

De volta, recolocamos a roda (nunca havíamos feito isso), o que de qualquer forma foi interessante, porque já está valendo como experiência e aprendizado. Tudo certo, agradecemos a ajuda do novo amigo Lucas, deixei ele em casa e seguimos então de volta para V. Aires.

Apesar de tudo não tem como dizer que não foi uma bela tarde de aventura mesmo com essa função do pneu furado. O dia estava muito bom e a viagem até a hora de nossa parada estava incrível. O mesmo depois, quando da volta. Muito grato pela pareceria e mais um dia incrível de moto por aí.

A lição do dia foi ver dois garotos que, cada um a seu modo, nos prestaram um grande favor, foram prestativos e grato por descobrir que tem garotada gente boa por aí. Valeu gurizada! Agradecido também por mais uma sábado incrível na companhia dos amigos.

*Confira abaixo algumas fotos dessa trip do dia:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma parada aqui pertinho na cidade histórica de Rio Pardo

Então chega o sábado, dia oficial do rolê de moto mas o céu estava cinza e com aquela cara de que poderia começar a chover a qualquer momento. Confesso de que desta vez nem pesquisei em algum site do clima/tempo, combinei com o Rafa o passeio e fim de papo, era isso, foda-se a chuva.

Hoje também foi dia de passar pela primeira vez no novo viaduto junto ao trevo de Santa Cruz do Sul /RS – (RS-287), obra recentemente liberada depois de um bom tempo em construção. Me pareceu que ficou legal e acredito que deva facilitar bastante o fluxo por ali.

A nossa ideia inicial era de irmos até Pantano Grande /RS, mas resolvemos mudar o foco dessa vez e seguirmos apenas até Rio Pardo /RS, claro, alongando um pouco o trajeto indo pela RS 412, depois de Vera Cruz /RS, para então retomar o caminho normal de ida até, que seria direto pela RS-471. Com isso acabamos fazendo a nossa tradicional parada no Autódromo de Santa Cruz do Sul. Dessa vez não tinha nenhum carro ou moto na pista, estavam era em obras e manutenção em vários pontos do local. Acho que terá uma prova do calendário da Stock Car em breve por lá. Demos então uma passeada pelos boxes, pátio interno da pista alguns outros locais do autódromo.

Já em Rio Pardo, dessa vez optamos por entrar na cidade e conhecer o centro histórico. Assim mudamos um pouco a situação, porque toda vez que vamos até lá a gente visita a região da beira do rio, que é bonita e interessante também, mas hoje resolvemos mudar o itinerário. Aproveitei para mostrar para o Rafa a rua da Ladeira, que é a rua calçada mais antiga do Rio Grande do Sul, reconhecida inclusive como patrimônio histórico do Brasil.

*Curiosidade: a rua foi calçada por mão escrava em 1813 (205 anos), e que segue o modelo de construção e engenharia da Via Appia Romana, com o escoamento no centro do calçamento. A rua foi visitada por ilustres personagens da nossa história, como a Princesa Isabel, Dom Pedro II, Conde D’eu e Getúlio Vargas.

Depois de visitar a Rua da Ladeira passamos pelo histórico prédio da Prefeitura de Rio Pardo (aliás, prédios antigos e históricos é o que não falta por lá)  e uma quadra logo acima, a Capela de São Francisco de Assis. Fato interessante é que bem na porta fica o túmulo datado de 1831, que é do Capitão dos Dragões Felisberto Pinto Bandeira. Segundo me contou a moça do museu que lá, ele foi uma pessoa muito má em seus tempos de comandante e que nos seus últimos momentos de vida pediu para ser sepultado ali mesmo, justamente a entrada da Igreja, como uma espécie de castigo ou penitência. Sendo assim até os dias de hoje, todo mundo pisa sobre o seu túmulo ao passar por aquela porta.

Em seguida estacionamos junto a uma das rua centrais, demos uma volta a pé e acabamos descobrindo uma cafeteria sensacional, chamada – O Cruzeiro. Lugar bonito e agradável, onde fomos muito bem atendidos e tomamos um ótimo café. Fica a dica.

Após a parada para o tal café mais um pouco de caminhada pela cidade. No caminho de volta, uma passada também pelo centro da cidade de Santa Cruz do Sul aliás, cada vez mais bonita! E então o trajeto de casa.

Novamente uma passeio de moto bacanudo. Grato ao Rafa pela parceria dessa vez e vamu-qui-vamu.

*Ah! Cada vez mais sinto vontade de mudar de cidade. Venâncio Aires é uma bosta de lugar. Muitas pessoas escrotas e cretinas. Tenho dito.

Aqui algumas imgs do rolê de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tenda vazia mas um dia cheio

Se tem uma coisa que se pode dizer com toda tranquilidade e com aquele baita sorriso estampado no rosto, é de que hoje foi um excelente dia para andar de moto. Esses últimos dias da semana já prometiam, um pouco de neblina pela manhã e depois um belo sol. E foi nessa mesma vibe que o sabadão começou. Combinei com o Pretto já cedo na manhã um rolê até a Tenda do Umbú, um famoso local de encontro de motociclistas na BR 116, sendo que fazia um bom tempo que não íamos até lá.

Saímos ainda pela manhã e sem pressa alguma com horário para nada. Assim é melhor. Rodar de moto e curtir a viagem numa boa. Resolvemos parar para um suco no caminho (parada previamente planejada) aliás, meio que já virou uma regra chegarmos ali ou então na casa do Mel, fica a dica! Seguimos então em direção à Montenegro e depois Novo Hamburgo pela BR 116 (uma parada para abastecer) e tocar em frente. Gosto dessa viagem, acho bonito o trajeto ainda mais depois que se passa por Novo Hamburgo e começa a subida da serra gaúcha (bem, esse é apenas “um” dos tantos belos caminhos da nossa serra). Esse trajeto é bacanudo por causa daquelas árvores nos dois lados da estrada, dá um clima muito bom para a viagem.

Hoje também fizemos uma breve parada no Belvedere de Morro Reuter, coisa que não havíamos feito até então apesar de já termos passado inúmeras vezes pelo local anteriormente.

Foi tudo tranquilo até o destino planejado, apenas achei estranho quando chegamos na Tenda do Umbú, de que havia bem pouca gente lá. Pouca gente mesmo! Sempre é um atrolho de gente e motos por lá. Talvez seja por causa do feriado de terça, acredito que muitos devem ter feito feriadão. Mas enfim, isso pouco importa, para mim o que vale mesmo é a viagem, a pareceria e a trip de moto. E vou te dizer… hoje o dia estava mesmo fantástico para andar de moto.

Como uma das coisas interessantes ao se visitar esse tradicional paradouro de motociclistas é justamente dar uma conferida nas motos estacionadas, mas hoje não foi um bom dia para isso…rsrsrsrs. De diferente mesmo, só o fato de encontrarmos uma moto Amazonas – coisa típica de nossa engenhosa indústria brasileira dos 80’s. Mais por um fato de curiosidade mesmo do que por apego – nunca curti essa moto. Mas OK, eram outros tempos, entendo, faz parta de história e tal.

Enfim, a viagem foi normal, tanto na ida como na volta, um ou outro imbecil fazendo alguma merda no trânsito (sempre tem), mas nada que nos importunasse. Na tardinha já estávamos de volta e com certeza satisfeitos com mais esse dia muito bem aproveitado numa viagem de moto.

*Abaixo algumas imgs do ride de moto hoje. Valeu!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Don’t kill my vibe

Não sei se você já percebeu mas seguido posto aqui fotos de minhas viagens de moto prá lá e prá cá, trips que algumas vezes são para longe ou então bem perto, tanto faz. A intenção aqui não é me gabar, me mostrar ou aparecer (aliás apareço bem pouco nas minhas fotos), mas é para “quem sabe”, lhe dar o seguinte recado:

– Saia do sofá! Tem vida lá fora, muita coisa bacana, bonita e interessante para ser descoberta. Conhecer novos lugares, conversar com pessoas estranhas que você jamais imaginou que iria conhecer, saber de histórias sobre coisas, pessoas ou fatos históricos, comer e beber coisas diferentes, ver a vida por um novo ângulo.

E para isso nem precisa ser aquela viagem tradicional de anúncios de pacotes turísticos (hey! nada contra isso), mas pode ser uma coisa bem simples e com uns poucos trocados no bolso, já se pode fazer uma bela trip. Não precisa ser de moto como normalmente eu faço, pode ser de carro, vá sozinho, com a família, namorada ou então junte alguns amigos, colegas, sei lá, mas vá… Afinal de contas, qualquer viagem por mais curta que seja já é um novo passo. Um passo à frente. E depois mantenha o ritmo, dê então mais passos e quando menos esperar você já terá uma boa “milhagem” de novas histórias na sua vida. E acredite, é bastante recompensador. E já aviso, vicia!

Tire a bunda do sofá, saia de casa e vá conhecer a sua região, tem todo um grande universo ao seu ao redor. Muitas vezes nessas cidades pequenas tem tanta coisa interessante para lhe oferecer. Basicamente em toda cidade tem uma praça. Sente lá, procure uma sombra, tome um chimarrão quem sabe? Coma um pastel de uma lancheria meio esquisita, isso não importa, mas aventure-se. A vida é curta, então “curta” a sua vida.

Ouse. Conheça novos lugares. Com ou sem planejamento prévio (às vezes não estar preparado/planejado, é a melhor coisa que existe). Saia por algumas horas apenas ou então viaje com bagagem para mais dias. Aventure-se!

Anote coisas, fotografe, não fotografe porra nenhuma. Pare o carro/moto em qualquer lugar do caminho que lhe der vontade (claro, estacione em um lugar seguro). Desça, caminhe, suba morros, pule cercas, ande por pequenas trilhas, atire pedra o mais longe que conseguir, cante enquanto dirige, conte piadas para quem estiver junto, sente-se em algum lugar que lhe seja agradável e quem sabe, fique totalmente calado só curtindo a paisagem. É mais ou menos por aí baby! Simples assim.

Eu mesmo, até alguns anos atrás conhecia bem pouco dos arredores da minha região, se muito, umas três ou quatro cidades vizinhas. Sigo e peço dicas de amigos, vejo fotos de trips de outras pessoas e também quero conhecer esses lugares. Depois de algum tempo já conheci “uma penca” de cidades da região e cada vez mais amplio essa lista, curto esse tipo de experiência. Não é preciso viajar para longe para se ter boas histórias. E é muito gratificante sair por aí e conhecer coisas novas a cada viagem. Com o tempo serão tantas histórias para contar de coisas boas e é claro, algumas ruins também. Lugares inusitados, papos com pessoas incríveis e outras muito imbecis (mas faz parte – cuzão tem em todo lugar), mas é justamente isso o que te torna mais forte, te faz crescer.

Enfim. A vida é sua, faça o que quiser. Mas considere, fica o recado e aqui também a torcida para que você crie o seu próprio roteiro, seja lá qual for – apenas não fique aí parado, sentado assistindo a vida passar, só preocupado em likes, cliques ou o quanto você é popular no seu Facebook, Whatsapp ou Instagram.

Keep motor running!
\m/

 

 

Rolê até Santo Amaro do Sul

Tem coisa que às vezes é até difícil de explicar. Uma delas é como e porque até então ainda não tinha visitado a cidade histórica de Santo Amaro (RS), que não fica tão longe assim de minha cidade. Pois é, depois de tantos anos de vida finalmente chegou a hora. Uma das coisas que posso justificar é que já passamos inúmeras vezes pela entrada para a tal parte histórica da cidade, mas acontece nessas ocasiões estávamos (ou eu estava) de moto custom e há um trajeto de alguns bons kms de estrada de chão batido, com pedregulhos soltos e tal. Ou seja, nada muito agradável para uma moto custom de suspensão dura.

Mas tudo mudou depois que pintou a Honda XRE300 – novos caminhos, novas possibilidades, novas empreitadas. E pau na máquina. Aliás hoje então foi dia de pegar o asfalto mais uma vez com ela e também de acelerar na estrada de chão batido também. E foi legal. Estou cada vez mais satisfeito com essa moto.

Essa semana vi alguumas fotos do Vladi e da Fabi, quando de uma visita deles em Santo Amaro do Sul, pôxa, essa viagem já estava na minha cabeça há um bom tempo. Foi um sinal…rsrsrsr

O dia estava cinza e depois do meio dia, com aquela cara de que iria chover na tarde. Resolvi encarar a estrada assim mesmo, com ou sem possibilidade de chuva. Fui sozinho não tive problema algum. Choveu bem pouco e foi somente em um pequeno trajeto da viagem. Na saída já peguei um off road cortando caminho até Passo do Sobrado pela estrada velha. Uma parada na ponte e segui em frente até o trevo da RS 244, então tomando o rumo de Vale Verde e Santo Amaro do Sul, meu objetivo (uns 80km de ida).

Esse trajeto a gente faz seguido, é bonito, asfalto bom e bem calmo para um rolê de final de semana e afinal, não havia andado ainda com a XRE por ali. Então a coisa foi meio que no automático desta vez. Um pouco preocupado com a possibilidade de chuva, mas ela não deu as caras. Seguindo em frente até a entrada de Santo Amaro. Daí outra vez era a hora de encarar um bom trajeto de estrada de chão batido.

Chegando quase na região histórica da cidade, me deparo com uma construção tipo um mirante na beira da estrada. Claro que não pensei duas vezes, parei e subi nessa coisa. O interessante é que não me pareceu ser nada tão deslumbrante assim a visão do local. Eu talvez não tenha entendido o seu real propósito ali, mas foi legal. Diferente e inusitado.

Voltando ao caminho, logo já estava estacionando na quadra da praça da igreja de Santo Amaro. Uma bonita construção histórica, onde deu também para perceber que as casinhas ao redor ainda mantém um estilo antigo. Essa preservação dá uma boa ideia de como era o local nos tempos passados. Gostei disso. Uma caminha ao redor da igreja, fotos e depois segui em frente, até a prainha deles, que fica bem perto.

Já no caminho dá para perceber muitas dessas casinhas de pescadores, chego perto da praia e resolvo me aventurar com a moto até a areia, na beira do rio. Desço então por um lugar onde não havia estrada, mas era tipo um caminhozinho de pessoas. Um pouco de aventura na tarde. Desci, mas não tinha lá tanta certeza de que conseguiria depois voltar por ali. Assim que cheguei na beira da prainha outra surpresa, a moto deu sinal de começar a atolar na areia. Ôps! Gostei, a aventura tava ficando melhor e mais desafiadora. Parei, desci e logo arrumei um calço para sustentar o pezinho da moto, ela ficou ali de boas e tudo OK. Assim ganhei tempo para curtir o lugar, nisso apareceu um cachorro, que pelo jeito gostou de mim e ao redor o tempo todo em que andei por ali. Grato pela parceria. Estranho, éramos somente nós dois ali naquele horário. Parecia que todo mundo havia sumido (Walking Dead style, saca?).

E essa sensação de sozinho no mundo seguiu depois também. Quando cheguei na eclusa Amarópolis (Santo Amaro do Sul), também não havia ninguém por lá. Fiquei por lá tipo quase uma hora caminhando prá cá e prá lá, subi escadas e não vi e nem apareceu ninguém nesse tempo.

Depois de conhecer o local, descansar um pouco resolvi então voltar para casa. O objetivo era esse, conhecer os lugares históricos, ver o rio e chegar até a eclusa.
No trajeto da volta ainda parei no que deveria ter sido uma antiga estação de trem local, mas não tinha como saber maiores detalhes, não havia ninguém por perto para perguntar alguma coisa. Olha aí o efeito Walking Dead mais uma vez…

A viagem de volta foi de boas, ainda parei num posto para abastecer a moto quando bateu a reserva (ainda não me acostumei que ela gasta bem menos do que a HD), – estou rodando com esse tanque abastecido há um tempão, já estava até preocupado, parecia que nunca tinha fim o combustível….rsrsrsr.

Mais um sabadão muito bem aproveitado. Andar de moto faz muito bem a alma,  traz felicidade e acima de tudo, novas descobertas e aprendizados.

*Ah! Já ia me esquecendo. Sim, consegui subir de boas de volta, aquele caminho de quando desci de moto até a areia da praia e ela começou a atolar. O aprendizado dos tempos de trilheiro, volta e meia ainda me servem (thanks).

 

*Confira algumas imgs da viagem de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rolê rockn’roll com convidado especial

O rolê de hoje teve um convidado especial, foi o Alexandre Móica, guitarrista da banda Acústicos & Valvulados. A banda vai se apresentar esta noite em Venâncio Aires (RS) e como é um amigo já de longa data, desde os tempos de Troublemakers e Carbura (duas bandas das quais fiz parte), sendo que desta segunda – ele produtor do nosso CD.

Conversamos durante a semana e então hoje ele não veio junto no bus da banda, mas sim pilotando a sua Royal Enfield Classic 500. Depois de um desencontro que atrasou um pouco a nossa partida no rolê na tarde, eu e o Pretto, que já o aguardávamos em minha casa, saímos na metade da tarde para Herveiras – lugar que já conhecemos bem, mas que o Móica, apesar de rodar há vários anos por esse Rio Grande fazendo shows com a banda, não conhecia esse trajeto ainda. E como já falei de outras “tantas” vezes, é um trajeto bonito e muito bom para andar de moto.

Sobre o rolê em si não tenho muito o que contar, foi tudo de boa, tirando que um cara atravessou o nosso caminho cruzando o asfalto perpendicularmente bem na nossa frente, sem dar sinal algum; uma tiazinha muito desligada que me deu um “chega-prá-lá” no trevo de Vera Cruz, no mais foi tudo OK! Um dia normal de estrada por aqui, sempre cheio de imbecis  ao volante.

Fizemos uma tradicional parada na ponte (alta) do caminho. Depois seguimos até o também já tradicional posto onde fizemso um pit-stop e depois retornamos. O caminho é sempre muito agradável e em sua grande parte com um visual bacanudo. Pelo jeito o Móica curtiu. A ideia era essa mesmo, mostrar para ele um lugar bom para andar de moto e também diferente do que ele está acostumado até agora.

Pena que na volta a logo começou a escurecer e praticamente voltamos de farol aceso, o que não deve ter sido muito interessante para ele em termos de curtir o visual do trajeto nessa hora. Já era noite escura e fechada quando chegamos, deixamos nosso convidado são e salvo na porta do hotel, pronto para se reunir com banda e logo mais tocarem no FECEVA.

Valeu, sem dúvida uma passeio diferente, bem divertido e pelo deu para perceber, o ilustre convidado gostou da empreitada. As aventuras seguem e quem sabe logo mais outras viagens de moto com o amigo também.

Até mais. Valeu!

*Confira algumas imgs do rolê de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DCIM100GOPRO

 

 

 

 

 

 

 

DCIM100GOPRO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Agora os rolês também serão off road (mazáh!)

Em pleno de feriado de sexta-feira Santa e sem muito o que fazer depois do tradicional almoço em família nessa data, também tem a hora aproveitar para dar um rolê de moto. E como já havia mencionado em alguma postagem anterior, estava na vez de um test-drive off road com a Honda XRE 300. E o melhor ainda é que agora o Pretto, também está com uma moto igual. Sim, isso faz parte de um plano maligno nosso para conquistar o mundo. Ampliando os horizontes e perspectivas de muitos novos caminhos, especialmente na vibe off road.

Com o clima/tempo meio estranho, tipo aquela vibe de pode chover ou não qualquer momento, resolvemos então mudar de última hora o que seria a nossa primeira opção de roteiro para hoje. Optamos então por um um bem mais curto, ficarmos mais ou menos por perto, pelo interior de Venâncio Aires e andarmos por estradas de chão batido até Vila Deodoro e lá visitarmos o mirante que há pouco tempo construiram.

Nos encontramos conforme o combinado e sem muita embromação já saímos em seguida. Como mencionei, o tempo poderia rapidamente mudar para o modo “chuva” então o negócio era aproveitar logo essa chance de clima seco. Atravessamos a cidade, saída normal em direção até Vila Deodoro. Trecho que começa com asfalto e depois de alguns kms rodados vira estrada de chão batido com restos do que já foi algo tipo um asfalto anteriormente. Mas ok, a estrada estava tranquila (dia de feriado). O trecho é de subida e então quando a encosta, o mato ou então plantações da beira do caminho permitem, a vista lá de cima é cada vez mais bonita.

Viagem tranquila e sem nenhum problema e apesar dos buracos as motos responderam bem, tanto no qusito conforto como motor em dia para esse tipo de empreitada off road leve. Ah! E as minhas costas agradecem a esta suspensão.

Uma parada básica já na gruta da Santinha que há no caminho, mas sem demora seguimos em frente até Vila Deodoro, que era bem perto. aqui cabe um porém – Eu tinha impressão de que esse trajeto da cidade até lá era mais demorado do que foi hoje. Mas ok! Outra parada básica para uma foto também clássica, mas daí em frente ao antigo hotel da curva, em Vila Deodoro. Perguntamos para uma mulher que caminhava a beira da estrada – que se assustou com a gente (sic!), só para nos situarmos melhor em referência ao tal mirante. Ela nos disse que não era longe dali. E realmente, estávamos bem pertinho.

Chegamos na base do subida do local (poderia ser melhor sinalizado – hein!) epor pura dedução de viajantes entendemos que era ali mesmo onde deveríamos deixar as motos e seguir em frente a pé. Se bem que subir aquele resto de morro com as motos seria beeem divertido também. Mas ok, poderia virar esculhambação, melhor não!

O lugar é realmente bonito. Eu imginava que o mirante ficasse virado para o outro lado do morro (sic!). Mas a vista é mesmo muito bonita, dá para enxergar Venâncio Aires de lá – pequenininha é verdade, mas dá. Nessa hora gostaria de ter um binóculo daqueles potentes de lentes grossas azuladas, saca!? Seria muito bom.

Ficamos um tempo por lá e deu para perceber logo de cara de que há uma certa estrutura com bancos à sombra e churrasqueiras, para quem quiser curtir melhor o lugar. Em seguida chegou também mais pessoas para visitar o local. Uma boa ideia esse mirante. Parabéns! Só espero que o mantenham bem cuidado e que as pessoas que forem lá, assim também pensem. É importante manter o local limpo. Vai ser muito bom para o turismo da cidade e também para a habitantes da redondeza.

Sempre digo que a nossa serra também é tipo cartão de visitas, basta saber para onde olhar.

No trajeto de caminhada do morro de volta até as motos um pequeno entrevero. Havia um enxame de vespas em alvoroço bem no trajeto em que deveríamos cruzar. Certo! Vamos lá. Coisas assim fazem parte do pacote da aventura da vida, não é!? O Pretto que estava na frente me avisa das vespas e diz – coloca o capacete e vamos. Sim, não aguentei. Fiz uma foto disso, dando muitas risadas.

*Um porém – não fomos nós que atiçamos as vespas. Estava tudo bem tranquilo quando da nossa passagem pelo local na nossa subida. Deve ter sido coisa do pessoal que subiu logo depois da gente – aposto…rsrsrsrs (só para constar).

Depois do mirante seguimos de volta para casa, mas descemos por um outro caminho, passando por Santa Emília. O trajeto é bem bacanudo, ainda mais na parte logo do começo de descida que segue alguns kms com muitas curvas fechadas em sequência. Eu diria, espero que você me entenda – um bom trajeto para andar de moto. Ah! Saudades dos tempos de trilheiro com os Tutaloko, andando prá cima e prá baixo o tempo todo, por essa região.

Volta tranquila também. a chuva não apareceu, mas o clima ficou a tarde inteira fechado e com essa cara cinza e triste (sexta-feira Santa?). Já no final do trajeto um trecho com asfalto outra vez. Asfalto novo. Bom! Na chegada uma parada para bate-papo, novos planos, comentários e “essa merda de sempre”….kkkkkk

Valeu a tarde, valeu a companhia na empreitada. Mais um daqueles dias fantásticos. E desde já pensando para onde – na próxima vez?
Thanks.

*Como de costume, abaixo algumas imgs (em ordem cronológica) do rolê de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dia de calor, mas foda-se – Simbora pegar a estrada.

Hoje foi mais um dia de testes com a XRE 300, sentir como ela se comporta na estrada e não somente na cidade, afinal ela tem de se acostumar. Vou ainda fazer também alguns testes “off road” com ela. Talvez semana, que vem. Tem vários lugares aqui no interior que rendem um bom passeio. E dá-lhe poeira na cara, hein!

Por causa do forte calor no começo da tarde de hoje, o que não lá era muito encorajador para pegar o asfalto e também economizar um pouco de grana (com esse preço da gasolina…), resolvi então não andar muito longe. Gosto de andar de moto, mas também não preciso me torturar por isso. Fui até Lajeado, que é perto na real. Depois, com tempo ainda de sobra segui adiante até Estrela (RS) – taí uma cidade que tenho curtido cada vez mais.

Fui até “antiga” fábrica da cerveja POLAR, um lugar bonito e interessante, tem uma cara de abandono mas nem tanto. Me dá a impressão de seja atualmente um espaço reservado para eventos culturais locais. Tem uma certa infra por lá que dá essa impressão. Bom isso. Numa área desse local, tem uma pequena praça que conta com uma bela escadaria que leva mais abaixo até um pequeno pier, na margem do Rio Taquari.

Fica a dica, é fácil de encontrar esse lugar e  é bem bacana para uma visita ou então, se não conhecem o lugar e a cidade, aproveitar para conhecer. Não esqueça, ali já era espaço da saudosa fábrica da cerveja Polar (que aliás, essa cerveja já não é mais “aquela coisa” hoje em dia – mas já foi muito boa). A título de informação, não sei dizer onde é fabricada atualmente a cerveja Polar.

Depois de curtir o lugar, meter um exerc´cio de subir e descer essa escadaria do local (ufa!), segui adiante, de volta a Lajeado e depois no rumo de casa novamente. Um rolê de moto curto mas muito bom. Ainda tive de parar e encarar uma fila em plena RS-453, porque estão arrumando o asfalto no trajeto. Espero que seja uma obra descente dessa vez, porque a estrada está bem ruim. Sempre na expectativa por estradas melhores e mais seguras.

*Abaixo algumas imgs dessa tarde (na real a maioria são do tal ambiente na antiga fábrica da Polar (Estrela – RS):

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Testando

Hoje foi dia de testar melhor na estrada (prá valer) a nova Honda XRE 300. Até então apenas tinha andado com ela na cidade e um breve esticada em estrada secundária de asfalto. Fui inicialmente até Lajeado (RS) e depois resolvi seguir mais adiante, com direito uma entrada em Estrela (RS), na volta. Aliás foi bem interessante, porque há muito tempo não entrava na cidade e ia até a beira do rio. Dessa vez encontrei tipo uma praça com um paradouro, com direito a uma escadaria até a margem. Muito bonito e legal. Aliás, nem nem me recordava mais que existia esse lugar, depois me caiu a ficha de que já estive lá, há muitos anos atrás. Bom relembrar essas coisas!

Andei sozinho hoje, mais na função de matar a fome andando com a moto nova e naquela de pegar suas manhas e macetes, ver como ela se comporta na estrada e em diversas situações diferentes (retas, curvas, retomadas, aceleração, freiadas, etc… essa baboseira toda – mas que é importante). E nesse caso quanto mais andar com ela, melhor. O resultado foi bem interessante e fiquei muito satisfeito. Vai servir muito bem ao seu propósito.

Já de volta, encontrei o Pretto, conversamos sobre a moto e depois fomos dar mais um rolê, foi quando apareceu um amigo dele que é um feliz proprietáriode uma Yamaha 200cc (2T), ano 2000 – que diga-se, está inteiraça e muito bem cuidada. Isso é legal e eu curto. Uma relíquia e que moto bacanuda. Daí a conversa, comom de costume já se estendeu até a noite. Bem, taí mais um belo dia.
Gracias.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rolê da vez – não muito longe mas bem interessante

Há algum tempo não postava mais sobre os tais rolês de moto de final de semana sozinho ou com a galera. Meio que enchi o saco dessa função. Quanto às fotos? Fotos faço sempre que ando de moto quando nessa vibe de dar um rolê para fora de minha cidade, pode ter certeza. Gosto disso e olhe lá que nem sou um bom fotógrafo. É meio que um hobby, um passatempo, saca? Tanta gente viaja para lugares e faz, ou vê coisas interessantes, mas não registra o momento. Sou daqueles que acha que vale a pena fazer isso. é só um click. É digital a parada, não gasta nada além de bateria. Se ficar ruim. Apaga. Uma foto de merda qualquer pode empolgar a uma outra pessoa em algum lugar e momento em que você nem imagina. Estamos on line sempre baby! A vida é bem maior do que os limites do seu quarto. Ok, mas nem por isso sinto necessidade ou vontade de publicar sempre. Mas hoje foi um dia bem interessante, então achei que valia.

Combinamos ainda pela manhã o horário e para onde iríamos na tarde. Nos encontramos no horário marcado, eu, o Rafa e o Luís Carlos. Inicialmente iríamos até Herveiras, que é um trajeto muito bom e bonito para andar de moto (anote aí – fica a dica). Mas durante o caminho, já no trevo de Santa Cruz do Sul para a entrada da UNISC, resolvemos parar e mudar o nosso trajeto. Fugindo do roteiro original dobramos à direita, rumo à Sinimbu.

O dia estava muito bonito e convidativo para um rolê de moto com os amigos, mas também foi um dia quente. Então para não judiar da carcaça resolvemos diminuir o trajeto da viagem, mas sem com isso perder a vibe de um caminho bom e bonito também. Afinal, andar de moto nesse tipo de empreitada, um dos requisitos básicos é o curtir o trajeto como um todo e não apenas se focar em chegar a algum lugar ou então andar o mais rápido possível – bobagem.

Então nessa de curtir a viagem fomos sem pressa. Hoje ainda mais de boas do que normalmente o fazemos. Foi tudo tranquilo e não teve perrengue algum.

Essa região é muito bonita, com muitas casas antigas no estilo colonial alemão e também boa para andar de moto nos finais de semana, ou seja, sem muito movimento ou então, caminhões na estrada (o que ajuda e muito).

Uma volta pela cidade, que não é muito grande e então parada na praça central da cidade. Claro que tratamos de logo procurar uma boa sombra junto a algumas árvores em frente a um bar. Calma, apenas para um refri beeem gelado (sim, nada de álcool nessa hora). Daí aproveitamos para também para aquele papo todo de motociclista de sempre e depois resolvemos voltar. Na real essa viagem nem é longa, mas vale a pena. Tem gente que não dá bola para coisas boas e bonitas que estão bem de baixo do seu “nariz empolado”. Andam muito longe para nada.

Dessa vez o Luís antes da volta nos sugeriu aproveitar darmos uma passada para uma visita no estande e clube de tiro de Santa Cruz do Sul. Ele é sócio, pratica lá sempre que possível e queria nos mostrar o local. Beleza!

Então já no caminho da volta uma nova mudança no roteiro, entramos em Santa Cruz do Sul e fomos direto até o clube de tiro. Chegamos lá e logo fomos “muito bem” recebidos pelo pessoal. Verde! Muito bem mesmo. O vice-presidente inclusive estava lá praticando e reconheceu o Rafa, que lá pelas tantas até acabou experimentando dar alguns tiros (supervisionado por um responsável, é claro). Muito legal o lugar. Nessa mesma pilha o Luís já se empolgou e também aproveitou para praticar um pouco enquanto nos mostravam o local. Encontrei amigos que nem sabia que praticavam essa modalidade. Bom saber disso. Me ofereceram também para experimentar dar uns tiros com uma espingarda. Ficamos ainda mais um bom tempo por lá e assim acabamos conhecemos todo o local, tanto as velhas como as novas instalações, muito interessante. Taí um local que sempre me deixava intrigado e que gostaria de conhecer. Hoje foi a vez. E o pessoal gente fina prá caramba. Quem sabe ainda não volte lá para algumas aulas, uma hora dessas!??

Depois dessa experiência bacanuda, resolvemos seguir para casa. Cabe aqui mencionar que está uma confusão xaropenta aquela obra no trevo de Santa Cruz, nunca tem fim e cada vez mais cheia de entreveros e desvios.

Chegando em Venâncio Aires, então era a hora do chopp com os amigos e assim celebrar mais um belo e agradável dia de rolê de moto por aí.

Keep on rock. \m/

 

*Abaixo algumas imgs da função de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sol forte e asfalto

O rolê de hoje foi mais no estilo de manutenção mesmo, fui sozinho. Fez um dia de muito calor e por aqui também é feriado de São Sebastião Mártir. Aproveitei para descansar e sair então apenas mais tarde do que de costume, só para dar uma volta, mesmo que curta. Fui até Santa Cruz do Sul, depois passando perto de Vera Cruz pela RS 412 até os fundos do Autódromo de Sta Cruz. Gosto desse trajeto. Aliás, fazia tempo que não passava por ali e agora está com o asfalto cheio de novos remendos (recentes pelo jeito). Hummm.

Ainda na ida uma caminhão boiadeiro me deu um cagaço, simplesmente me cortou a frente quando eu cruzava pelo trevo para Passo do Sobrado – F.D.P.!!!! E o desgraçado me viu, se fez de louco e meteu o caminhão – FDP! Mas sorte que estava ligado (sempre alerta nesses cruzamentos). E sim, o motorista ouviu bastante coisa de mim. E como não bastasse, logo mais adiante, uma tiazinha numa SUV me deu uma bela fechada no momento em que a estava ultrapassando, tudo só porque ela se atucanou de que mais adiante a pista dupla viraria uma pista simples, mas cara… tinha ainda um enorme espaço até isso acontecer. Dava tranquilamente para mais um carro ultrapassá-la nesse tempo, antes de de virar uma pista única. Êta atucanação. Vou te contar, cada uma! Enfim, vamu-qui-vamu e tudo OK (apesar desses cuzões de merda).

No mais tudo tranquilo, só que um calorão danado. Mas a vontade de andar de moto é maior do que tudo isso. Tenho dito.

Uma parada no autódromo, que estava vazio. E aqui digo vazio mesmo, ninguém, ao menos que eu pude perceber. Achei estranho. Mas estava aberto na parte de fora e pude dar um rolê por lá.

Depois segui segui em frente mas já pensando no trajeto de volta, dessa vez passando por dentro de Santa Cruz para uma parada estratégica para um sorvete e curtir o lugar. Aqui um porém – como é legal quando uma cidade tem essas pistas especiais para cilcistas. Acho isso muito bom. Santa Cruz tem no trajeto das redondezas do quartel. Pimba! Pontos preá cidade.

Como o acesso do Grasel está em obras/manutenção, tive de pegar um desvio pelo caminho da AABB, que aliás é uma subida bem legal (mesmo com com suas curvas fechadas e pista estreita). Depois foi só seguir o caminho de de volta prá casa.

Uma boa tarde de sol de verão, claro que de muito calor, mas pensando bem, não poderia ser diferente. Valeu mais uma vez. Grato por esses momentos e as adversidades estão aí para serem vencidas mesmo. \m/

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Serra Gaúcha (RS-453) – SRR capítulo II

Como já mencionei num post anterior sobre a recente trip de moto até a Serra do Rio do Rastro (SC), quando por causa de uma promessa, eu postaria apenas “uma img” da SRR (e vou continuar cumprindo isso – OK!), mas agora resolvi então dividir a viagem em duas partes. A ida pela serra gaúcha e depois a volta pela serra catarienense, por Lages e depois Vacaria. Vou postar aqui as imagens da viagem e é claro, deixar de fora somente as imgs. da  parte da S.R.R. (que vendo agora, na real, são as melhores, mas but)…

Este post fatiado será então exclusivamente da parte do começo da nossa trip, da saída e a passagem pela serra gaúcha (de Venâncio Aires até Caxias do Sul – pela 453, e de lá até Terra de Areia (BR -101).

Então é isso! Valeu.

*Confira abaixo algumas imgs, na sequência dos fatos e com as respectivas legendas:

Na saída de Venâncio Aires (RS) – RST 453

 

 

 

 

 

Começando a subida da serra em Westfália (RS)

 

 

 

 

 

 

 

Forte neblina em Imigrante (RS)

 

 

 

 

 

 

Novamente um longo trecho com neblina, agora em Caxias do Sul (RS)

 

 

 

 

 

 

 

Parada na 453, um pouco depois de Caxias do Sul. E acredite, logo depois disso, tivemos novamente um trajeto de vários kms com neblina.

 

 

 

 

 

 

Sempre em frente com o sol por testemunha e a nos guiar \m/

 

 

 

 

 

 

Pausa para esticar as pernas e dizer besteiras

 

Pit-stop para abastecer as motos

 

 

 

 

 

 

Paradouro na Serra Gaúcha – 453

 

 

 

 

 

 

Pura malemolência e sensualidade da rapaziada (paradouro 2)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As magrelas (paradouro 3)
De volta ao trecho, rumo à 101

 

 

 

 

 

 

Entrada do primeiro túnel na 453 (descendo)

 

 

 

 

 

 

Na veia do dragão

 

 

 

 

 

 

Ainda descendo

 

 

 

 

 

Já mais para o final da 453 com a pista vazia momentos antes da parte em a coisa virou uma chatice com uma longa fila de carros (qdo perto da 101)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na trilha da 101, uma parada para almoçarmos no Japonês.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nas cercanias de Criciúma, pedindo uma uma informação e também roubando uma boa sombra da árvore do tiozinho

 

 

 

 

 

 

Quase lá, Urussanga SC

 

Trip Serra do Rio do Rastro 2018

Esse post vai parecer estranho já que normalmente registro aqui com um breve texto e “várias fotos” a grande maioria de minhas viagens de moto. Só que dessa vez postei apenas uma única imagem.

Acontece que há anos tem uma coisa que me irrita muito. É que todas vez que alguns motociclistas conhecidos meus se reúnem e começam a conversar sobre viagens e tal, SEMPRE surge o nome da Serra do rio do Rastro, em Santa Catarina. Uma coisa tipo mítica, quase que uma peregrinação em busca de uma benção. Sei lá… Óh meu Deus, se tu tem uma moto e se julga um motociclista de verdade – “tem de ir até lá”.

E depois de um tempo e com essa conversa sempre vindo à tona, já de saco cheio disso, como afinal se lá fosse o único lugar ou estrada legal no mundo (ninguém parece que conhece outros lugares bonitos além desse? – CLARO QUE SIM!), Eu mesmo conheço vários lugares legais, com diferentes aspectos de paisagem e geografia e que também são bonitos por suas próprias características.

Então eu até cheguei a dizer só de birra que nunca iria até lá, ou então se um dia fosse, postaria aqui apenas 1 foto do lugar. Justamente porque posto sempre várias imgs e nesse caso seria uma provocação para com os meus amigos. Mas claro que é besteira, já tinha visto vários vídeos e muitas fotos e histórias do lugar, deles mesmos, os meus amigos e conhecidos. Já sabia que era realmente muito bonito.

Então esse ano finalmente o Pretto, meu parceiro de empreitadas em duas rodas me me convenceu de fazermos uma trip até lá, com o argumento de que não apenas a serra era interessante, mas como a viagem como até lá e depois a volta também, poderiam ser bem interessantes. Tanto que me mostrou um roteiro alternativo que fugia ao tradicional – mais rápido e prático até lá. Curti a ideia assim tive de dar o braço a torcer. E foi memso realmente incrível, a viagem até o local e depois aquela subida serpenteando a serra com uma estrada estreita mas com uma visão incrível lá de cima. É fantástico! Pronto, me redimi. O lugar é realmente muito bonito, curti bastante.

Mas não esqueçamos de que não é somente o fim, mas toda a jornada de ida e volta, o que realmente importa. Tanto que agora eu acho a região/natureza e geografia da serra Catarinense mais bonita do a da serra gaúcha – me refiro no sentido de paisagens naturais (e sim, podem reclamar e espernear à vontade).

E o que é aquela SC-390 / SC-114!!!? Que lugar e rota incrível para uma viagem. Estrada muito boa, com pouco movimento e uma paisagem de visual bucólico (é verdade), mas sensacional. Aquilo passa uma sensação de paz e tranquilidade incrivelmente boa enquanto se pilota e admira o lugar. Pôxa!

*Saímos nessa quarta de madrugada, fomos até lá passando por Lajeado / Rota do Sol / Caxias do Sul – 453 / Terra de Areia / 101 / Criciúma, até Orleans, onde foi o nosso pouso. subimos e descemos 3 vezes a serra. E voltamos hoje, não pela 101 ou litoral (que seria bem prático e mais fácil), mas seguindo a serra catarinense pelas SC 390 e 114 até Lages, depois descendo até Vacaria, seguindo para Antônio Prado / Flores da Cunha  e Caxias do Sul, quando daí era só ligar o piloto automático para a Rota do sol até Venâncio Aires. tudo de boa e tudo tranquilo. Sim, tem muitas histórias, muito mais coisas para contar mas isso vou deixar para comentar com os amigos pessoalmente e não aqui no blog. Assim como mostrar as trocentas imgs da viagem que eu fiz.

**Abaixo então, como o prometido: a tal foto que escolhi como a mais representativa do que foi essa trip da Serra do Rio do Rastro (SC).

Selecionei essa img de dentre de mais de uma centena (sim, fiz muitas fotos como de costume), inclusive várias da estrada visto lá do topo, do mirante e também de outros lugares, mas penso que isso seria óbvio demais. Tinha de ser diferente. Foi difícil escolher. E como sou um homem de palavra e cumpro o que prometo. Aqui está. Uma foto simples, talvez nem seja a melhor de todas que fiz, mas sem dúvida representa bem e sintetiza a história dessa viagem. Ainda faz jus ao temo proposto de “uma única foto” para a minha primeira ida até a Serra do Rio do Rastro. Tem a serra do Rio do Rastro ao fundo, bem como as motos da viagem com as nossas tralhas, um céu incrivelmente claro e bonito para completar a paisagem e ainda o meu amigo e parceiro de viagem, André Pretto (que conseguiu me convencer de ir até lá). Valeu, muito obrigado.

 

Pondo em dia na agenda uma visita histórica e cultural

Com a proposta de não ficar parado só bobeira e descansando nesse período de folga entre o Natal e ano novo, entre outras coisas é claro que teria de pegar a estrada de moto algumas vezes, afinal isso é para mim um dos grandes bons prazeres na vida. Assim num planejamento de uma dia para o outro falei com alguns amigos, mas no final somente eu eu e o Rafa estávamos liberados para essa empreitada e entre um roteiro e outro resolvemos fazer uma viagem até São Miguel das Missões. Um local histórico e culturalmente importante para o Rio Grande do Sul e porque não dizer América também, o qual nunca tinha visitado antes e aliás, já era um desejo antigo. Não, no tempo de colégio nunca fui em excursão até lá (só para constar). Além do mais fica em uma região que pouco me aventuro de moto e seria legal fazer um primeiro contato por ali.

Simbora! Sem muita frescura combinamos nosso roteiro ainda na tarde de terça-feira, deu tempo de ajeitar algumas coisas e também deixar preparada a moto para a viagem. Na madrugada de quarta-feira já estávamos saindo de Venâncio Aires rumo a São Miguel das Missões.

Ainda era escuro quando nos encontramos e depois de uma breve conversa já estávamos na estrada pela 287 rumo à Candelária. Nas curvas de Santa Cruz do Sul demos de cara com um acidente recém ocorrido, um caminhão teve sua carga tombada e espalhada na pista. Haviam algumas pessoas fazendo sinal de seguir em frente por um canto da estrada e assim fizemos. Em Candelária tomamos a RS 400, que fazia um tempo que andava por ali por causa do estado muito ruim da estrada, mas de fato a situação mudou, como um amigo esses tempos já havia mencionado de que haviam ajeitado a buraqueira. Muito bom. Gosto desse trajeto da região centro-serra e nem lembrava mais de como é bonito, melhor ainda tendo como parceria o sol que estava nascendo e dando uma cor toda especial enquanto rodávamos com nossas motos. Isso sim é um daqueles momentos incríveis numa viagem de moto. Havia uma previsão de chuva para a tarde e por isso resolvemos fazer essa trip numa tocada com poucas paradas até o nosso destino final.

Subimos até Sobradinho, depois Arroio do Tigre (o mais longe que já havia ido nessa estrada) – que já é então a RS 481.  O sol já estava ativo e resolvemos parar para um café. E o interessante é que depois, apenas alguns km à frente o clima era totalmente diferente, passamos por um bom trajeto com cerração fechada na estrada e logo depois sol forte outra vez (sic!). E que tal esse nosso clima e geografia da região, hein!?

E puêrra! daí novamente a mágica aconteceu. Da cidade de Estrela Velha em diante, passando por Salto do Jacuí  (fizemos uma parada na ponte) até o trevo que junta com a 158, perto de Cruz Alta – se mostrou um dos trajetos mais legais que já andei. Uma estrada tranquila, com um asfalto legal e pouco movimento, quase somente lavouras dos dois lados da pista por tipo quase uns 100km. Incrível andar numa estrada assim, a moto só vai, flui com a estrada e nessa tocada a mente também voa livre. Acredite! Muito bom, muito bom.

Depois do trevo com a 158 andamos alguns poucos kms em direção à Cruz Alta e em seguida outro trevo onde fomos pela RS342, que depois emenda na 285. Daí a coisa ficou normalzona outra vez, o perrengue de sempre. Estrada com vários trechos com muitos buracos ou então com o asfalto deformado, bem movimentada e cheia de caminhões, vários pardais (acho que passei acima do permitido num desses – shit!) e por aí vai. Mas faz parte, é o comum por aqui e como tal até já estamos acostumados. Foi só seguir em frente por Ijuí, Santo Ângelo até Sâo Miguel da Missões.

Fizemos algumas paradas para abastecer, motos diferentes, tanques com capacidades diferentes, diferentes paradas. Uma parada obrigatória foi no pórtico de São Miguel, é claro, onde até umas mulheres nos perguntaram se poderiam fazer fotos junto de nossas motos. Cada uma!

O trajeto do pórtico até a cidade é bem ruim, tipo uns 16km e que talvez tenha sido o pior de toda a nossa viagem. Fica a dica para quem for para lá. A cidade de São Miguel me pareceu bem modesta e pequena até, achei que seria bem maior até pelo apelo turístico histórico internacional que ela tem. Mas enfim, rapidamente nos entendemos com a cidade e seus fluxos, não havíamos marcado nada de hotel ou pousada. Numa rápida dica no posto de gasolina no centro da cidade já tínhamos conseguido boas referências. Em pouco tempo já estávamos numa boa pousada e depois de estabelecidos, descarregado os apetrechos das motos, já estávamos fugindo do calorão tomando um banho de piscina (ótimo custo/benefício). Isso tudo bem perto do sítio arqueológico local, das Missões. Na noite fomos novamente nas Missões, mas dessa vez para assistir ao tradicional show de luzes e sons que acontece nas centenárias ruínas, onde de forma poética e artística nos contam a resumidamente os eventos e parte da história do local.

Levantamos cedo, não tanto quando da ida, até porque agora havia um horário do café e se não quiséssemos perdê-lo, teríamos de sair um pouco mais tarde. Já era por volta das 8h quando ligamos os motores e voltamos com a intenção de estar na estrada sem pegar o forte calor da tarde. Deu tudo certo e tranquilo Uma baita viagem, valeu a parceria do Rafa e desde já planejando novos roteiros.

Nesse post falo um pouco sobre a viagem.
Em um outro post falarei da visita e algumas fotos do sítio arqueológico de Sâo Miguel das Missões.

*Abaixo algumas imgs dessa trip:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na festa de final de ano do Moto Clube Cabrones de Lajeado (RS)

Hoje foi dia de um rolê mais curto mas não menos interessante. Eu e o Pretto combinamos de ir na festa de final de ano do Moto Clube Cabrones (Lajeado / RS), saímos no começo da tarde com um sol danado de quente, mas OK, valia a pena. A entrada na festa era levar um brinquedo, que depois será doado em alguma ação de final de ano do moto clube (boa iniciativa).

O evento aconteceu num local muito bacana, a Associação Atlética da Prefeitura de Lajeado, que aliás, eu nem conhecia.  Fomos muito bem recebidos pelo pessoal do moto clube dos Cabrones, 0 local além de bonito contava com bastante árvores e portanto uma sombra muito bem-vinda num dia quente como o de hoje. Aliás, tava quente – já disse, prefiro mil vezes andar de moto em dias frios do que em dias de calor assim. Tinha lá ainda um truck food com o famoso cachorro quente do Carmelito, cerveja Rockabilly e muito rock ao vivo com a banda The Waynes. Convenhamos, belos ingredientes para uma festa e tanto.

Eu e o Pretto ficamos até perto do final da tarde quando então já era hora de voltarmos para casa antes de escurecer. O interessante desses encontros de motociclistas e especificamente aqui neste caso que em sua grande maioria eram “harleyros” – são as novas amizades e a boa conversa com outros motociclistas. Nessa hora é que se confirma mais uma vez aquela coisa de que é muito melhor encontros assim, onde não tem aquela função de motoqueiro cortando giro, fazendo zerinho e esse tipoi de chalaça, que na real acaba mais incomodando do que fazendo uma festa bacana.

Mais uma tarde incrível mesmo que tenhamos feito um percurso pequeno prá nós, mas já valeu. Foi muito bom. Aqui o que importava mesmo era a confraternização e o evento em si.

Desde já esperando pela próxima festiva dos Cabrones.

*Abaixo algumas imagens da empreitada de hoje.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tentando escapar da chuva

Mesmo com um clima de chuva e nada favorável ainda na sexta-feira de noite, deixamos mais ou menos combinado que no sábado, eu e o Pretto iríamos até Garibaldi. Também havia tratativas para o Vladi saindo de Porto Alegre nos encontrar pelo caminho. O sábado amanheceu sem chuva mas de cara cinza e de nuvens sinistras pelo céu. Como era cedo, ainda dava para mim dar as minhas voltas antes mesmo de chegar o horário marcado para a nossa saída e até lá conferir se ainda iríamos ou não mesmo com esse clima.

Passei na oficina do Jackson, meu mecânico habitual para deixar com ele umas peças e encontro por lá o Rafa (que não poderia ir hoje com a gente), junto com dois gringos argentinos e suas motos – uma HD Sportster 1200 e o outro com uma BMW GS 800. O Rafa encontrou esse pessoal ontem a noite parado no centro de Venâncio Aires, junto com mais uns 7 amigos, esse grupo está fazendo uma viagem da Argentina até Camburiú, em Santa Catarina, passando por vários lugares interessantes no trajeto. Estavam bem informados quanto a isso. Foram na oficina para um acerto no sistema elétrico de partida da HD, que apresentou problemas durante a viagem. Dica do Rafa.

Um bom momento para uma conversa com motociclistas estrangeiros. Enquanto o Jackson, que é o mecânico dava um trato na HD a gente foi batendo um papo. Eles queriam ir ainda pela manhã até Gram