Will Robinson crescido, na temporada final de Perdidos no Espaço. Assista ao teaser

Teaser trailer oficial da terceira e última temporada de “Perdidos no Espaço” que chega em dezembro na Netflix. O anúncio de que a série terminaria na terceira temporada foi feito em março de 2020, quando o produtor executivo Zack Estrin declarou publicamente que sempre enxergou a trama dividida numa trilogia.

Perdidos no Espaço chegou à Netflix em abril de 2018 como um remake da série de mesmo nome produzida entre os anos de 1965 e 1968. As duas temporadas estão disponíveis no catálogo, enquanto os episódios finais estreiam em 1º de dezembro.

……………………………………………………………………………………….

*Fonte: updateordie

Beforeigners – Trailer (HBO)

Tái um seriado novo interessante – “Beforeigners”.
A série, estrelada por Nicolai Cleve Broch e Krista Kosonen, acompanha um novo fenômeno que começa a acontecer em todo o mundo. Poderosos flashes de luz ocorrem no oceano e pessoas do passado aparecem. Elas vêm de três eras diferentes: a Idade da Pedra, a Era Viking e o final do século XIX. Ninguém entende como isso é possível, e as pessoas do passado, chamadas de “Beforeigners”, não têm lembrança do que aconteceu. Apenas uma coisa é certa: elas continuam chegando e não há caminho de volta. Alguns anos depois, Alfhildr, interpretada por Kosonen e que veio da Era Viking, se une ao policial Lars Haaland, interpretado por Cleve Broch, como parte do programa de integração do departamento de polícia. Ao investigar o assassinato de um “Beforeigner”, eles começam a desvendar uma conspiração maior por trás da origem das misteriosas chegadas em massa.

*Fonte: tecmundo

Trailer:

Muito além de “Cosmos”: as contribuições cósmicas e científicas de Carl Sagan

O legado mais conhecido de Carl Sagan talvez seja seu trabalho para tornar a ciência acessível e popular entre as massas, melhor demonstrado por seu programa de televisão Cosmos: Uma Viagem Pessoal. Originalmente transmitido em 1980, o programa era – e ainda é – amado por apresentar conceitos científicos complexos de uma maneira que os tornava compreensíveis.

Duas décadas após sua morte, a influência de Carl Sagan na investigação, descoberta e compreensão científica ainda é forte atualmente. Embora, sem dúvida, as conquistas científicas de Sagan cheguem a “bilhões e bilhões”, nos limitaremos nesse artigo a apresentar apenas algumas das mais importantes contribuições de Sagan para a ciência.

Marte, o planeta empoeirado

Sagan contribuiu significativamente para o nosso entendimento acerca de Marte. Cientistas já pensaram que Marte era coberta por uma vegetação que mudava com as estações do ano – levando a seus padrões variados de luz e escuridão, como pode ser visto através de telescópios. Sagan examinou novos dados e determinou que as mudanças nos padrões de cores eram causadas pela poeira que sopra ao vento em diferentes elevações. Isso foi confirmado por expedições posteriores ao planeta, que o acharam empoeirado e sem vida.

Luas habitáveis

Sagan foi um dos primeiros a supor que a água estava presente na lua de Saturno, Titã, e na lua de Júpiter, Europa. Essas duas luas são agora a fonte de muita fascinação e especulação, com muitos contemplando a possibilidade de colonização humana, bem como a empolgante ideia de que as luas possam ser capazes de desenvolver a vida independentemente. Embora nenhuma das duas seja atualmente um lugar muito confortável para se viver – ambas têm climas quase inimaginavelmente frios e Europa possui níveis de radiação potencialmente fatais – ambas apresentam possibilidades.

Vênus e o efeito estufa

Pensava-se que Vênus tinha um clima como o da Terra, mas ainda mais tropical. Agora sabemos que é exatamente o oposto – quente, seco e inabitável. Sagan foi o primeiro a sugerir que as nuvens de Vênus podem não ser uma indicação de um clima agradável; seu estudo das emissões de rádio de Vênus o levou a sugerir uma temperatura de superfície de 900 °F (cerca de 480 °C). Mais tarde, ele ajudou a projetar e gerenciar as expedições Mariner da NASA a Vênus, que provaram que Vênus é realmente inabitavelmente quente. Sagan determinou que, embora Vênus possa ter tido água, ela evaporou devido a um intenso efeito estufa – e alertou sobre o perigo de um caminho semelhante aqui na Terra, se o aquecimento global fosse deixado fora de controle.

SETI

Sagan foi um cientista pioneiro na divulgação do SETI, uma série de projetos realizados na esperança de encontrar vida inteligente em outras partes do Universo. Membro do Conselho de Administração do Instituto SETI, ele trabalhou para atrair atenção e compreensão para a busca, com sua mistura característica de advocacia racional e deleite total. Sagan poderia nos dizer o quão cientificamente e culturalmente importante era determinar se compartilhamos o Universo com outros seres inteligente (e nos deixar muito empolgados com a possibilidade).

Desmascarando OVNIs

Fora do fascínio de Sagan pela busca de vida inteligente no Universo, cresceu sua frustração com o culto aos OVNIs. Enquanto ele estava confiante de que a vida inteligente está por aí em algum lugar, ele também tinha certeza de que ela não está circulando pela Terra, abduzindo humanos e fazendo círculos em plantações. Nesta e em muitas outras áreas, Sagan era um cético notável, sempre defendendo o poder da investigação científica sobre a crença cega.

A Sociedade Planetária

Em 1980, Sagan fundou a Sociedade Planetária, juntamente com Bruce Murray e Louis Friedman. Com a missão de inspirar e envolver o público mundial na exploração espacial por meio de projetos científicos e educacionais, a Sociedade é hoje o maior grupo de interesse espacial do mundo. Através de trabalho independente e financiamento privado, a Sociedade Planetária está criando sua própria espaçonave para testar as possibilidades da navegação solar. Também financia outras entidades em uma ampla variedade de esforços, da pesquisa em Marte à ação política.

Dilema da deflexão

Um importante campo de estudo para Sagan e a Sociedade Planetária foram os corpos celestes próximos à Terra (como asteroides e meteoros), que poderiam colidir com a Terra e causar efeitos devastadores. Alguns propuseram a solução cinematográfica de disparar mísseis nucleares que poderiam desviar um meteoro em rota de colisão, alterando seu caminho para que passasse inofensivamente pela Terra. Sagan rebateu essa ideia com o pensamento preocupante de que, se criarmos a capacidade de desviar um meteoro da Terra, também criaremos a capacidade de desviar um deles em direção à Terra – aproveitando assim o poder destrutivo além de qualquer tecnologia atual e colocando em risco a nós mesmos e outras nações. Esse dilema da deflexão é apenas um exemplo das muitas maneiras pelas quais Sagan aplicou princípios científicos a questões políticas, tentando incentivar o pensamento sadio e crítico em todas as áreas.

Escritos

Sagan foi o autor ou coautor de 20 publicações, usando seu estilo de escrita amigável e acessível para tornar a ciência compreensiva para aqueles que não possuem formação avançada em astrofísica. Do seu primeiro aos seus dois últimos trabalhos, brilhantemente escritos enquanto ele estava passando por um tratamento doloroso e estressante da mielodisplasia que levaria sua vida, Sagan procurou compartilhar sua fome de conhecimento para seus leitores. Ele até escreveu um romance, Contato, que foi transformado em um filme bem recebido e premiado, explorando a ideia de Sagan de como nossa primeira experiência com inteligência extraterrestre poderia se desenrolar.

Um senso de maravilhamento

Durante todas as suas enormes realizações científicas e suas aparições públicas populares, Sagan nunca perdeu o que o tornava tão notável e tão amado: seu senso de maravilhamento. Ele não era apenas um cientista porque era brilhante e sabia como fazer seu trabalho; ele também era um cientista porque pensava que a ciência era muito legal. Sua empolgação apareceu em seus discursos e aparições na TV, em suas publicações, descobertas e hipóteses, e em seu entusiasmo ao longo da vida pela ciência. E, sempre, com dois objetivos principais: promover o conhecimento científico e levar esse conhecimento para as pessoas do mundo inteiro.

*Por Ruan Bitencourt Silva

……………………………………………………………………………………
*Fonte: universoracionalista

5 motivos para assistir Sons of Anarchy, novidade no Amazon Prime Video

Criada e protagonizada por Kurt Sutter, a série foi transmitida entre 2008 e 2014 pelo canal FX, nos Estados Unidos, e agora está disponível no streaming

Na última quinta, 15, chegou um dos maiores destaques do mês de julho no Amazon Prime Video: Sons of Anarchy, série que teve sete temporadas e foi transmitida entre 2008 e 2014 pelo canal FX, nos Estados Unidos. O programa foi criado por Kurt Sutter, que também atua como um dos personagens.

Sons of Anarchy é protagonizada por Charlie Hunnam, intérprete de Jax Teller, e se passa em Charming, cidade fictícia do norte da Califórnia, Estados Unidos, onde existe um clube de motociclistas, que leva o mesmo nome da série. O grupo trabalha no mundo do crime, eles se envolvem com tráfico de drogas e de armas, assassinatos, filmes pornô, entre outros. O grupo é liderado por Clay Morrow, personagem de Ron Perlman.

Os integrantes do Sons of Anarchy precisam conciliar a vida criminosa com a família de cada um. Claro, a série mostra diversos conflitos internos, como Clay Morrow sempre optar pela tradição violenta, já Jax adota uma mentalidade revolucionária, como o falecido pai, John Teller.

Sem mais delongas, veja abaixo 5 motivos para assistir Sons of Anarchy.

Personagens e atores

Um dos maiores pontos positivo da série são os personagens. Cada um tem personalidades distintas e parecem que eles realmente são pessoas existentes no mundo real. Além disso, é bastante achar um personagem em Sons of Anarchy que seja totalmente insuportável e/ou descartável.

Os personagens principais, como Jax, Clay, Tara e Gemma dão bastante vida à série, mas os secundários trazem uma magia simplemente genial ao programa. Os maiores destaques vão para Tib, Chibs, Juice, Opie, entre muitos outros.

Para trazer personagens tão ricos, o elenco não deixa a desejar. Todos na série entregam atuações dignas de ganhar toda e qualquer premiação. Charlie Hunnam, ator principal, brilha – e muito – em todas as sete temporadas de Sons of Anarchy.

Trilha sonora

Atualmente, é bastante difícil ver uma série com uma trilha sonora de extrema qualidade, como era o caso de Sons of Anarchy. É impossível esquecer quando toca “Hey,Hey My My”, música de Neil Young performada por Battleme.

A abertura, com “This Life”, canção de Curtis Stigers e The Forest Rangers, também é algo inesquecível e bastante marcante. Músicas como “Till It’s Gone”, “Coal War”, “Big Fellah” e “The Whistler” se destacam.

Participações especiais

Além do elenco, tanto principal quanto secundário, ser absolutamente bem escolhido e talentoso, Sons of Anarchy também traz convidados de ponta.

Nomes como Courtney Love, Dave Navarro, David Hasselhof, Danny Trejo, Marilyn Manson, Ralph Hubert “Sonny” Barger (fundador do Hells Angels, clube de motociclistas), Stephen King, Lea Michele, entre outros.

Reviravoltas e roteiro ótimo

Boa parte da série, principalmente aos finais de algumas temporadas, é cercada de reviravoltas importantíssimas para o desenvolvimento da série.

Todo e qualquer ponto de virada em Sons of Anarchy faz total sentido dentro do que é oferecido ao público e deixa o espectador cada vez mais empolgado em continuar a ver o seriado.

Sem spoilers, o plot twist do final da terceira temporada é de explodir cabeças de tão bom.

Spin-off

Sim, Sons of Anarchy é mais uma daquelas séries que ganharam um spin-off. A produção fez tanto sucesso e foi tão bem de crítica e público que mereceu um outro seriado no mesmo universo.

A série se chama Mayans M.C., e conta a história da gangue rival de mesmo nome dos Sons of Anarchy. A trama se passa quatro anos depois do seriado original.

…………………………………………………………..
*Fonte: rollingstone

E então chegou o fim!

E pensar que hoje, enfim chegou o dia do o último episódio de Game of Thrones. Depois de vários anos acompanhando cada temporada desse incrível seriado, suas inúmeras tramas políticas e reviravoltas na história, grandes e pequenas batalhas, diálogos incríveis e os tantos caminhos diferenciados de cada um dos personagens, a coisa toda então se encerra. Me sinto grato e satisfeito por toda essa experiência de acompanhar e conhecer vários novos e talentosos atores, por quem em diversas vezes torcemos ou então aprendemos a odiar (rsrsrsr) – tantos nos momentos bons quantos ruins, se falar nos de enorme surpresa e emoção … e foram vários!

Agora por um bom tempo os domingos de noite não serão mais os mesmos, isso é claro, até inventarem algum outro seriado tão ou mais phoda ainda do que esse. Coisas do universo do entretenimento, afinal não é a primeira vez em que acontece algo do tipo, vide tantos outros ótimos seriados que também chegaram ao seu derradeiro último episódio. Mas seguimos em frente. A cada coisa boa, novas ainda melhores frutificam por sua causa.

Enfim, valeu George R. R. Martin (por sua genialidade / escritor) e aos diretores David Benioff e D. B. Weiss, pela inventividade e habilidade de transformar todo esse imenso universo maluco da cabeça do véio Martin em muitas cenas épicas inesquecíveis. E pode ter certeza de que tudo isso rendeu uma grande diversão.
Thanks

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Stranger Things: 3ª temporada tem o trailer mais anos 80 que você verá hoje

A Netflix divulgou um divertido teaser trailer da 3ª temporada de Stranger Things que mostra um típico comercial dos anos 80 para um novo shopping center em Hawkins, cidade onde se passa a trama da série.

No final, até temos uma participação especial de Steve (Joe Keery) e da nova personagem, Robin (Maya Hawke). Confira o teaser completo abaixo:

Os detalhes da 3ª temporada estão sendo mantidos em sigilo, mas sabemos que o enredo terá um salto temporal de um ano desde o final da última temporada e que novas forças do mal serão introduzidas.

………………………………….
*Fonte: megacurioso

Mayans MC – Série derivada de Sons of Anarchy ganha teaser

Mayans MC, o derivado de Sons of Anarchy, teve seu primeiro teaser divulgado pelo FX que mostra a gangue de motociclistas na estrada, ao som de uma versão espanhola de “Paint it Black”, do Rolling Stones – veja abaixo:

O novo projeto se passa em um mundo pós-Jax Teller (Charlie Hunnam), o personagem principal da série original. O derivado foca nos Mayans, gangue de latinos localizada no sul da Califórnia que apareceram no decorrer das sete temporadas de Sons of Anarchy e tinham envolvimento tanto com a produção de heroína quanto com prostituição.

O projeto foi desenvolvido pelo próprio criador de Sons of Anarchy, Kurt Sutter, e por Elgin James (Little Birds), que assina o roteiro do episódio-piloto. Sutter será o produtor-executivo.

Mayans MC é prevista para algum ponto de 2018.

 

……………………………………………………
*Fonte: omelete

Era Spock um estoico?

Em 8 de setembro de 1966 estreava na televisão norte-americana a série Jornada nas Estrelas, idealizada pelo roteirista Gene Roddenberry. Ambientada em meados do século XXIII, trazia em cada episódio as aventuras da tripulação da espaçonave USS Enterprise, parte da frota da Federação dos Planetas Unidos. Apesar do pano de fundo pluriplanetário, todos os subordinados do capitão James T. Kirk (William Shatner) eram humanos, à exceção de um único personagem. Era este uma figura de orelhas pontudas, sobrancelhas alçadas e tez ligeiramente amarelada — pois fora essa a solução encontrada pela equipe de maquiagem da Desilu Productions para dar ares alienígenas ao ator Leonard Nimoy. Com o prosseguimento da série, o público ficou sabendo que Spock, a criatura que ocupava o posto de Primeiro Oficial e Oficial de Ciências, era um ser híbrido: filho do embaixador vulcano Sarek (Mark Lenard) e da humana Amanda Grayson (Jane Wyatt).

A série original nunca foi uma unanimidade e viveu na corda bamba da audiência. Foi cancelada em 1969, com apenas 79 episódios. Uma crítica frequente a Roddenberry era que ele havia criado uma atração “intelectual” ou “complexa” demais para os padrões televisivos da época. Mesmo a aparência de Spock, que se assemelharia a certas representações demoníacas, causava preocupação ao canal que transmitia a série, e houve tentativas de reduzir a participação do personagem ao mínimo. Graças à persistência de Roddenberry e ao talento de Nimoy, Spock conquistou o seu espaço em Jornada nas Estrelas, rivalizando em popularidade com o próprio Kirk. É até hoje, quase três anos após a morte de Nimoy, um dos personagens mais icônicos da história da TV e do cinema dos Estados Unidos — e do mundo.

Spock sobreviveu à sanha dos executivos da NBC porque foi dotado de uma história pessoal, bem, fascinante. Como híbrido, ele vivia entre duas culturas, a dos vulcanos e a dos humanos. Criado na terra natal do pai, o planeta Vulcano, ele recebera a rigorosa educação dos habitantes do local, que incluía um treinamento aturado nas modalidades do pensamento lógico e um programa de supressão das emoções. Todavia, embora exemplarmente dedicado, Spock era alvo de desconfiança, quando não de desdém, da parte de muitos vulcanos, que sempre duvidaram das habilidades cognitivas e emocionais do rapaz meio humano, meio vulcano. Talvez por conta disso, chamado a optar entre a Academia Vulcana de Ciências e um organismo interplanetário, a Frota Estelar, ele tenha ficado com a segunda alternativa. Ali, ele teria a possibilidade de conviver com seres humanos e entender melhor a sua metade não vulcana, além de poder travar contato com espécies inteiramente desconhecidas. O grande sucesso do personagem Spock repousa nesta dualidade, à qual a interpretação de Nimoy conferiu traços bastante vivazes: sendo fisiologicamente indistinguível de seus pares e um produto da melhor tradição vulcana, ele demonstrava ter uma curiosidade genuína frente às maneiras “não lógicas” de compreender o universo. Uma de suas reações mais comuns, um simples erguer de sobrancelhas, era um gesto que dava testemunho do misto de disciplina das emoções e generosidade do intelecto que, não sem grãos de autoironia, o caracterizava.

Felizmente, Roddenberry e continuadores puderam expandir sua visão imaginária do futuro por várias séries e alguns filmes, o que incluiu, na esteira do impacto popular de Spock, um tratamento mais denso à cultura vulcana. Surgiram, por exemplo, outros vulcanos notáveis, como Solok (Gregory Wagrowski), de Deep Space Nine (1993-1999), Tuvok (Tim Russ), de Voyager (1995-2001), e T’Pol (Jolene Blalock), de Enterprise (2001-2005). Muitos aspectos da história do planeta fictício foram revelados ao longo de décadas de franquia. Em resumo, o que se pode dizer é que a civilização criada pelos vulcanos nem sempre foi um exemplo de equilíbrio e harmonia. O passado desses humanoides fora marcado por violência e impetuosidade incomparáveis, superiores a qualquer coisa que se tenha visto entre terráqueos. Muito sangue verde foi derramado na história do planeta. Com o avanço tecnológico, os pendores agressivos dos vulcanos criaram uma situação crítica, de sorte que a espécie ficou à beira da autodestruição. Foi então que se deu a intervenção de um indivíduo chamado Surak, proponente de uma filosofia que reformou radicalmente a maneira de viver de seus conterrâneos.

Depois de palmilhar as vastidões inóspitas da região conhecida como Forja Vulcana, um deserto sacudido por tempestades de areia eletromagnéticas, Surak chegou ao Monte Seleya, o mais alto do planeta, onde completou o seu processo de iluminação — ou “despertar” (awakening). Contemporânea a essa peregrinação foram as tribulações ocasionadas por uma guerra nuclear planetária, da qual o próprio Surak acabou vítima, morrendo em decorrência da radiação. Esse período da história vulcana, que coincide com o século IV d. C. dos terráqueos, foi chamado de “Tempo do Despertar”. Enquanto cruzava a parte mais áspera do deserto, a Planície de Sangue, o reformador colheu do próprio solo — i. e., do sofrimento de todos os vulcanos que se entrematavam naquele momento — os fundamentos de sua lógica. Chegado ao topo do Seleya, sua visão filosófica foi rematada pela intuição do Kol-Ut-Chan, chamado em linguagem terrena de “Diversidade Infinita em Combinações Infinitas” (IDIC, em sigla inglesa), um princípio metafísico que encapsulava a noção de variabilidade ilimitada do universo. Base da filosofia de Surak, o IDIC se consolidara em um símbolo que, sob a forma de um pingente constituído por um círculo e um triângulo obliquamente sobreposto e encimado por um adorno semelhante a uma pérola, era bastante apreciado pelos vulcanos. O conflito nuclear terminou quando os partidários de Surak se impuseram sobre os beligerantes: foi o início de uma nova era, marcada por paz e prosperidade inauditas, para os habitantes do planeta.

É preciso dar o braço a torcer: há intelectualidade e complexidade razoáveis no universo criado por Roddenberry e companhia, algo que só pode ser realmente apreciado quando se é, por assim dizer, dotado de uma certa “nerdice”. Desse modo, nerds de todo o mundo notaram as inúmeras referências bem terrenas que, entretecidas, permitiram a sugestão de uma civilização alienígena como a vulcana. Assim como os rituais e as práticas meditativas que os vulcanos exibem em cena devem muito às tradições budistas, o essencial da mensagem ética da doutrina de Surak, a noção de que é necessário rejeitar as emoções e guiar-se apenas pela lógica, foi muito provavelmente inspirado nos ensinamentos dos antigos estoicos. E é justamente aqui, no tópico “estoicismo dos vulcanos”, que devemos nos deter, visto que personagens de ficção científica como Spock e a inflexível T’Pau (Betty Matsushita, Kara Zediker), acabam por sobrepor-se à imagem que muitos fazem dos estoicos que de fato existiram na Antiguidade. Um estoico, portanto, seria alguém que se assemelharia a um vulcano de Jornada nas Estrelas — seria esta a visão correta das coisas?

Não exatamente. E por algumas razões, que elencaremos a seguir.

• Estamos comparando uma filosofia inventada para um produto de entretenimento a uma escola de pensamento que efetivamente existiu. — Soa óbvio dizê-lo, mas o papel e a película aceitam tudo, até possibilidades alienígenas, até rigores sobre-humanos. A filosofia estoica, que era sumamente difícil, limitava-se a pensar nas questões que podia conhecer: era dotada de uma antropologia, não de uma exobiologia. A situação do ser humano ocupava-lhe o centro, motivo pelo qual ela se esforçava por olhar de frente o problema da finitude, tentando fornecer remédios às sugestões nascidas do medo excessivo da morte e a toda sorte de não aceitação do destino. E os filósofos do Pórtico sabiam que muitas vezes falhavam nesse intento. As grandes virtudes e o heroísmo, na ficção, não custam nada; na vida real, podem ser uma jogada mortal — por isso são coisas raras. Ao final do filme Jornada nas Estrelas II: A Ira de Khan (1982), Spock se sacrifica para salvar os companheiros, justificando-se em termos perfeitamente lógicos: “as necessidades dos que são numerosos se impõem sobre as necessidades dos que são poucos”. É bonito e pode, a depender das circunstâncias, ser verdadeiro, mas, pensando bem, não é sério. Spock ressuscita no filme subsequente, em expediente dramatúrgico dos mais questionáveis. Na vida real, ninguém tem um deus ex machina, um reboot ou um universo alternativo para salvar a própria pele (e o estoicismo insistia bastante no valor precioso, intransferível e irrepetível, do momento que se vivia). Quando Catão de Útica, para não servir a Júlio César, pôs fim à própria vida, ele sabia que seu gesto era irrevogável, cheio de dor e angústia, para valer. Com efeito, nós não o vimos mais por aí, no século XX, de bandana na cabeça, empregando-se no resgate de baleias, como sucedeu a Spock em Jornada nas Estrelas IV: A Volta para Casa (1987).

• A filosofia de Surak tem uma função estruturante na sociedade vulcana, ao passo que o estoicismo sempre ficou confinado a grupos restritos no mundo greco-romano. — Os vulcanos salvaram-se da ruína ao abraçarem as ideias de Surak, aplicando-as a toda a coletividade. Nesse sentido, a doutrina do reformador do modo de vida daquele povo assemelha-se ao budismo e ao taoísmo — uma filosofia com aspectos de religião. De fato, o “surakismo” conta com uma mística, com um grupo de escrituras autógrafas (o Kir’Shara, dado como perdido) e mesmo com templos e rituais. Os fundadores da ordem social daquele planeta são idolatrados. Há até uma sobrenaturalidade própria dos vulcanos: na franquia, cada um deles é mostrado como portador de um katra, espécie de espírito ou alma, capaz de subsistir à morte e de se transmitir para outro corpo. Particularmente em Enterprise, que se passa no século XXII, há uma série de episódios destinados a mostrar o lado não tão glorioso da conversão dos vulcanos ao “surakismo”. Como se pode supor, uma doutrina tão rígida só pôde prevalecer com a exclusão de muitos grupos, com arbitrariedades e mentiras de Estado por parte do Alto Conselho Vulcano e com a distorção de boa porção das ideias de Surak ao longo do tempo. No mundo real, as escolas de filosofia helenísticas jamais correram o risco de metamorfosear-se em religiões institucionalizadas porque, filhas de Sócrates, viam o dissenso como forma de fazer o conhecimento progredir, cultivavam em algum nível a dúvida e tinham como meta uma vida digna de ser vivida, não a salvação de uma sociedade. Se você quisesse ser estoico, cético ou epicurista, deveria ir procurar as escolas onde se ensinavam essas filosofias, porque ninguém viria bater à sua porta com uma boa notícia. Um prokópton que passasse a discordar das ideias de Zenão e Crisipo podia simplesmente deixar a escola. Em Jornada nas Estrelas, um vulcano que não aceite os princípios de Surak se torna um pária.

• Para os vulcanos, o rigor é uma via de mão dupla. — Como consequência do caráter social da filosofia de Surak, as instituições vulcanas foram moldadas para premiar aqueles que exibissem pensamento lógico mais aperfeiçoado e menor presença de emoções. Isso equivale a dizer que o rigor vulcano se exercitava não apenas ao nível da individualidade, mas também sob a forma de uma exigência que se voltava a outrem. É fácil imaginar os vulcanos como mais inteligentes e robustos que os seres humanos, superando os duzentos anos de idade, mas é um verdadeiro desafio a nosso senso de verossimilhança conceber uma sociedade como a deles que não estivesse infestada de variadas formas de orgulho, formalismo vazio e hipocrisia, além de um contingente enorme de “inadaptados” e “perdedores” vingativos. Uma doutrina que não se volta unicamente à melhora do indivíduo, mas que torna lícito que ele possa cobrar isso dos outros, tende a criar uma atmosfera social quase irrespirável. Inverossimilhanças à parte, digamos, entretanto e somente, que tudo isso é bastante “não estoico”. Um estoico não podia cobrar dos outros que agissem segundo princípios que para ele mesmo já impunham dificuldades consideráveis.

• Segundo os estoicos, a lógica era apenas a terça parte da filosofia. — Assim como os peripatéticos, os estoicos desenvolveram com grande proveito e interesse a lógica formal. E do mesmo modo como os seguidores de Aristóteles, eles não pensavam que a filosofia se reduzisse à lógica, embora soubessem da importância dessa área do conhecimento. Quando consideravam a filosofia como um todo, eles empregavam alguns símiles, sendo o mais interessante deles o que a descrevia como um jardim ou pomar em que o cercado correspondia à lógica, o solo fértil à física e os frutos à ética. Para não nos estendermos demais, digamos somente que é bastante difícil, se não impossível, dar comprovação cabal e para todos convincente de certas intuições que dizem respeito à ética: a argumentação em tais casos torna-se tortuosa e sem parada. Constituem tópicos desafiadores dizer por que seria mais lógico criar os filhos ao invés de abandoná-los, ser fiel aos amigos ao invés de traí-los, ser um trabalhador aplicado ao invés de um preguiçoso. Os estoicos não ignoravam que aquilo que era mais central em sua filosofia dependia de um fundo de experiências humanas não totalmente acessível ao pensamento lógico — embora o julgassem em conformidade com a razão que ordenava o universo. Eles provavelmente concordariam com o Spock mais velho (Nimoy) que, em uma linha do tempo alternativa em que Vulcano fora destruído, diante de uma versão mais jovem de si mesmo (Zachary Quinto), contraria os cânones e aconselha: “faça um favor a si mesmo: deixe a lógica de lado, faça o que você sente ser o certo” (no filme Star Trek, de 2009).

• Não, os estoicos não se opunham às emoções por si mesmas. — Aqui reside um dos maiores equívocos que certa visão difusa, não instruída, tem do estoicismo. Não se trata de uma filosofia que busque, a exemplo dos vulcanos de Jornadas nas Estrelas, a supressão das emoções, ou que tenha por meta a formação de seres humanos meio robóticos. Quando os adeptos do Pórtico falavam de apátheia como finalidade desejável, estavam se referindo a uma tranquilidade bastante sólida, não sujeita às influências de emoções violentas ou causadoras de sofrimento. Era a ausência das páthē, “paixões” — um estado psicológico, em todo caso, só atingido plenamente pelo sábio. Eles nada tinham contra as emoções agradáveis e suaves (eupátheiai), como as várias nuances do contentamento e da gratidão, por exemplo. Uma das coisas que eles pretendiam, por meio de sua filosofia, era fortalecer o “amante da sabedoria” em seu poder de considerar, racionalmente, as suas expansões interiores antes que elas viessem a tomar a forma de paixões. Tornada hábito, essa prática produziria indivíduos contidos, com sangue frio quando necessário, não robôs de carne e osso. Ademais, não havia nada no estoicismo minimamente parecido com o kolinahr, ritual, que durava seis anos ou mais, pelo qual os vulcanos maduros se purificavam de toda e qualquer emoção vestigial.

• “Vida longa e próspera” versus “vida segundo a natureza”. — Nesta leitura, o lema que acompanha a saudação vulcana não seria aprovado ou adotado pelos estoicos. Isso se deve ao fato de que a longevidade e a prosperidade nunca foram valoradas positivamente pelos adeptos do Pórtico, mas simplesmente etiquetadas como “indiferentes” (adiáphorai), coisas neutras. Viver mais anos ou com mais recursos não torna ninguém, de acordo com os estoicos, melhor ou pior do que ninguém. Para eles, o que importava era viver melhor. E o melhor tipo de existência era garantido pela natureza, que inscrevera no ser humano a razão e a sociabilidade. Um homem é tão mais feliz quanto mais cumpre a tarefa de ser o mais racional e sociável que puder. Se, por live long and prosper, entendermos algo como “viva longamente e prospere, cresça como indivíduo”, o dito estará um tanto mais em conformidade com o que diziam os estoicos. Sêneca explica a seus interlocutores, por diversos ângulos, a suficiência do bem moral (honestum); vejamos uma dessas passagens:

Não se exige a uma régua que seja bonita, mas sim que seja rigorosamente reta. Ou seja, cada objeto é avaliado segundo a sua finalidade, segundo a sua qualidade específica. Por conseguinte, também na avaliação de um homem é irrelevante a área das terras de cultura que possui, a quantidade de dinheiro que empresta a juros, o número de clientes, o preço do leito em que dorme ou a transparência dos seus cristais: interessa é saber até que ponto ele é bom. Um homem será bom se a sua razão for desenvolvida e justa, e se estiver adequada à plena realização da natureza humana. É a isto que se chama “virtude”, nisto consiste o bem moral, que é o único bem próprio do homem. (Sêneca, Cartas a Lucílio, LXXVI, 14-16; trad. J. A. Segurado e Campos)

Para finalizar, digo apenas que me deu grande prazer redigir esta comparação. Ficou mais longa que o previsto, admito, mas creio ter conseguido esclarecer algumas coisas para mim mesmo: de fato, vistas de perto, as diferenças entre vulcanos e estoicos me parecem de grande monta. E fecho com uma constatação do físico Marcelo Gleiser, no bom artigo “O que aprendi com os ETs”, em que fala da maneira como, por meio da ficção científica, projetamos as potencialidades humanas nas civilizações alienígenas imaginárias: “De modo bem concreto, somos nós os alienígenas. A pluralidade de representações ficcionais destes reflete o que sabemos do mundo, o que sabemos de nós, os nossos medos e expectativas, as nossas esperanças e desespero”.

Não é fascinante dar-se conta disso?

*Por Donato Ferrara (publicado originalmente em “De vita stoica”)

 

 

 

 

……………………………………………………..
*Fonte: socientifica