E fora dos stories, quem é você?

Os riscos de se criar um personagem para as redes sociais

Com tantas informações na internet sobre como apresentar seu perfil da melhor forma possível, os usuários acabam sendo bombardeados com dicas sobre o que selecionar e o que mostrar nas mídias sociais. Porém, acatar todas essas dicas pode levar a criação de um personagem e isso pode ser prejudicial para a carreira de quem quer trabalhar com o mundo virtual.

Na internet você pode ser o viajante, o saudável, o cervejeiro, são inúmeras as possibilidades de personagens que podem ser criados, mesmo que inconscientemente. As dinâmicas das próprias redes contribuem para esse tipo de criação.

Acredito que a sociabilidade desenvolvida com o tempo, fez com que nossa capacidade de enganar se tornasse cada vez mais comum por ser vista como uma melhor forma de convivência, até porque ninguém está preparado para lidar com pessoas ‘honestas o tempo todo’, isso faria com que nossos vínculos fossem menores e buscamos justamente o contrário nas redes sociais. Então, minto, logo, não me isolo.

Porém, é válido o alerta de que histórias contadas em falsos instantes nunca são absorvidas de forma natural e convincente. Notavelmente, os posts que parecem mais naturais já possuem um número maior de engajamento do que os “engessados” como artes, vídeos com edições profissionais etc. Vem daí o grande sucesso do TikTok; uma plataforma que nos faz ter a sensação de estar mais próximo de nossos ídolos e fãs, mesmo que isso seja mais uma ilusão das redes sociais.

Lembre-se a frase “a máscara cai” não surgiu à toa, pois os personagens criados nas redes sociais tem um tempo determinado de sobrevivência. Mas, o pior disso tudo pode ser nos desconectarmos de nós mesmos. Por isso, o planejamento de marketing é tão importante para promoção de um serviço, produto ou marca sem invadir a privacidade e nem mentir.

Fora das telas, é natural ter diferentes comportamentos na frente de pais, amigos e colegas de trabalho. Nas redes sociais, isso também pode acontecer, desde que tenha um equilíbrio. O importante é não passar do limite para não se afundar num mar de mentiras e fazer dos likes, seu único oxigênio.

*Por Jennifer de Paula
………………………………………………………………………
*Fonte: updateordie