Plano radical para fazer o buraco mais profundo da Terra pode liberar energia ilimitada

Desde o seu lançamento em 2020, uma empresa de energia pioneira chamada Quaise atraiu muita atenção por seu objetivo audacioso de mergulhar mais fundo na crosta terrestre do que qualquer um já havia cavado antes.

Após o encerramento do financiamento de capital de risco da primeira rodada, o spin-off do MIT já levantou um total de US$ 63 milhões: um começo respeitável que poderia tornar a energia geotérmica acessível a mais populações em todo o mundo.

A visão da empresa para se aproximar do centro da Terra é combinar métodos convencionais de perfuração com uma lanterna de potência de megawatts inspirada no tipo de tecnologia que poderia um dia tornar possível a energia de fusão nuclear .

A energia geotérmica tornou-se a renovável esquecida. Com a energia solar e eólica dominando cada vez mais o mercado de energia verde, os esforços para explorar o vasto reservatório de calor sob nossos pés permanecem teimosamente bem atrás .

Não é difícil entender o porquê. Apesar de ser uma escolha perfeitamente boa de energia limpa, ininterrupta e ilimitada, há muito poucos lugares onde rochas quentes adequadas para extração de energia geotérmica ficam convenientemente próximas à superfície.

Quaise pretende mudar isso desenvolvendo tecnologia que nos permitirá fazer buracos na crosta para registrar profundidades.

Até o momento, nossos melhores esforços para abrir caminho pela pele do planeta chegaram ao fundo do poço em cerca de 12,3 quilômetros (7,6 milhas). Embora o Kola Superdeep Borehole e outros semelhantes possam ter atingido seu limite, eles representam feitos incríveis de engenharia.

Para avançar, precisaríamos encontrar maneiras de triturar o material espremido por dezenas de quilômetros de rocha suspensa e depois transportá-lo de volta à superfície.

As ferramentas de escavação também precisariam ser capazes de moer rochas a temperaturas superiores a 180 graus Celsius (356 graus Fahrenheit). Virar as brocas por uma distância tão longa também precisaria de um pensamento inteligente.

Uma alternativa potencial para os obstáculos acima é perfurar menos – e queimar mais.

Nascida da pesquisa de fusão nuclear no MIT Plasma Science and Fusion Center, a solução de Quaise é usar ondas milimétricas de radiação eletromagnética que forçam os átomos a derreterem juntos.

Dispositivos chamados girotrons podem produzir com eficiência feixes contínuos de radiação eletromagnética agitando elétrons em alta velocidade dentro de poderosos campos magnéticos.

Ao conectar um girotron de energia de megawatt às mais recentes ferramentas de corte, a Quaise espera poder abrir caminho através da rocha mais dura e quente, até profundidades de cerca de 20 quilômetros (12,4 milhas) em questão de meses.

Nessas profundidades, o calor da rocha circundante pode atingir temperaturas de cerca de 500 graus Celsius – o suficiente para transformar qualquer água líquida bombeada lá em um estado supercrítico semelhante ao vapor, perfeito para gerar eletricidade.

Usando seu financiamento inicial e de investimento, a Quaise prevê ter dispositivos implantáveis ​​em campo fornecendo operações de prova de conceito nos próximos dois anos. Se tudo correr bem, poderá ter um sistema funcionando produzindo energia até 2026.

Até 2028, a empresa espera poder assumir antigas usinas de energia movidas a carvão, transformando-as em instalações movidas a vapor.

É uma tecnologia ao mesmo tempo tão antiga e tão nova que devemos ter muitas perguntas sobre como e se ela pode ter sucesso. Para nossa sorte, Loz Blain, da New Atlas , listou vários deles para o CEO e cofundador da Quaise, Carlos Araque, responder.

Mesmo sem essa tecnologia, cerca de 8,3% da energia mundial poderia vir de uma fonte geotérmica, abastecendo cerca de 17% da população mundial. Perto de 40 nações podem confiar completamente na energia geotérmica agora.

No entanto, atualmente, menos de meio por cento da eletricidade do mundo é fornecida pelo calor sob nossos pés. Para permanecer no caminho para emissões líquidas zero até 2050, a energia geotérmica deve crescer cerca de 13% ao ano. No momento , sua expansão é uma mera fração disso.

Isso deixa muito espaço para crescer, mesmo que não encontremos uma maneira de expandir seu alcance. Se empresas como Quaise ajudarão a revigorar o interesse, esse azarão ainda está para ser visto.

O que é certo, porém, é que o tempo para reduzir as emissões e limitar o aquecimento global a algo menos catastrófico está diminuindo rapidamente. Estamos chegando ao fundo do poço, então talvez seja hora de cavarmos um pouco mais fundo.

……………………………………………………………………………..
*Fonte: sabersaude

Sustentabilidade x saúde bucal: veja como manter a higiene e ajudar o planeta

Escovar os dentes é uma tarefa comum e aparentemente inofensiva, mas que, na maioria das vezes, envolve uma série de hábitos que podem poluir e promover o desperdício de recursos do planeta.

Sendo assim, adotar práticas mais sustentáveis no dia a dia podem ajudar na preservação do meio ambiente, o que também demanda mudanças na forma como é feita a higiene bucal. Confira algumas dicas abaixo!

1. Fechar a torneira ao escovar os dentes
Uma das atitudes mais simples que podem ajudar o planeta é fechar a torneira enquanto se escova os dentes, porque deixar a água escoando por cinco minutos gera um gasto aproximado de 12 litros de água, de acordo com a Sabesp.

O ideal é que todo mundo ligue a torneira apenas para molhar e enxaguar a escova, reservando uma pequena quantidade de água em um copo para bochechar ao final. Com isso, a Sabesp afirma que o gasto total da escovação muda para menos de meio litro.

2. Usar somente o necessário de cada produto
Para quem quer adotar hábitos mais sustentáveis, ainda é possível diminuir o desperdício de vários produtos usados na higienização bucal, como o fio dental, a pasta de dente e o enxaguante bucal.

Somente 40 centímetros de fio dental são suficientes para a limpeza da boca, por exemplo. Já a quantidade ideal de pasta é equivalente ao tamanho de uma ervilha, enquanto a de enxaguante bucal fica em torno de 20 mililitros.

Seguir essas recomendações pode trazer inclusive benefícios à saúde, já que porções erradas de cada um dos produtos mencionados podem provocar problemas na gengiva, alterações no esmalte do dente etc.

3. Escolher escovas reutilizáveis
Sabendo que, em média, uma pessoa utiliza cerca de 300 escovas de dente ao longo da vida, segundo a Plastic Pollution Coalition, fica fácil entender porque investir em escovas reutilizáveis é bem mais sustentável e capaz de reduzir o descarte de lixo.

Uma das opções disponíveis no mercado é a Colgate® Pro Planet, que possui 80% menos plástico na composição, pois seu corpo é feito de alumínio, que dura para sempre, e contém cabeças substituíveis para trocar somente essa parte a cada 3 meses, assim possibilitando o cuidado com o sorriso e planeta por meio de uma escolha só.

4. Reciclar embalagens de cremes dentais
Na busca por maior sustentabilidade, a reciclagem também é um elemento fundamental. Assim, as embalagens dos produtos usados na higienização bucal devem ser recicladas sempre que possível.

Os cremes dentais das linhas Colgate® Zero e Natural Extracts, por exemplo, estão disponíveis em tubos recicláveis que, ao contrário da maioria, são feitos de Polietileno de Alta Densidade (PEAD), o que reforça o compromisso de sustentabilidade da companhia em ter até 2025 todo o seu portfólio de produtos feitos de materiais recicláveis, reutilizáveis ou compostáveis.

Se você quiser diminuir o seu impacto no planeta, é importante estar atento a detalhes como esse na hora de escolher um produto no mercado, além de, é claro, tentar reduzir os desperdícios que já fazem parte da rotina.

*Por Mayumi Yamasaki
……………………………………………………………………………..
*Fonte: minhavida

Aquecimento do Ártico pode levar a eventos climáticos extremos no mundo

Um novo relatório do Climate Crisis Advisory Group (CCAG), divulgado na quinta-feira, 29 de julho, conclui que o rápido aquecimento e derretimento do gelo no Ártico é provavelmente o principal gatilho para eventos climáticos em cascata em todo o planeta, resultando em mudanças devastadoras em nossos sistemas meteorológicos e nos incidentes climáticos extremos observados recentemente — como as ondas de calor e inundações em países como os EUA, Canadá, Alemanha e China, que causaram centenas de mortes.

“A ocorrência sistemática de super-extremos em todo o mundo em 2021 não pode ser explicada apenas pelos 1,2°C de aquecimento global que temos até agora — há algo mais em jogo. E o candidato é o aquecimento acelerado e o derretimento do gelo no Ártico”, diz Johan Rockström, diretor do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático, da Alemanha, e membro do CCAG.

Aquecimento 3 vezes mais rápido

Nos últimos 30 anos, o Ártico aqueceu a uma taxa de 0,81°C por década, mais de três vezes mais rápido do que a média global de 0,23°C por década. Isso resultou na perda rápida e irreversível do gelo marinho, bem como na perda do manto de gelo da Groenlândia.

De acordo com o relatório, há gelo suficiente apenas na camada de gelo da Groenlândia para elevar o nível global do mar em 7,5 metros.

Um Ártico estável é conhecido por controlar a temperatura da Terra — interrompida essa estabilidade, os mantos de gelo estão derretendo e liberando grandes quantidades de água doce fria no Atlântico Norte, diminuindo a circulação do oceano e provocando impactos em regiões tão distantes quanto a Antártica, além de perturbar eventos climáticos complexos, como a monção sul-americana. Isso também explica a maior frequência de secas e incêndios na floresta amazônica, causando aumento da liberação de CO2 na atmosfera.

Permafrost
Paralelamente, se as emissões de gases de efeito estufa continuarem a aumentar na taxa atual, dezenas a centenas de bilhões de toneladas de carbono, presas no permafrost do planeta, poderiam ser liberadas na atmosfera. No ritmo atual, segundo o documento, as condições de clima quente que levam ao degelo do permafrost já estão ocorrendo cerca de 70 anos antes das previsões.

“Os impactos da influência humana sobre o clima em uma região se propagam a outras regiões em função da circulação atmosférica e oceânica. Não atuar para reverter as causas da mudança climática e reduzir seus impactos é uma escolha que implica em prejuízos substanciais para nossa economia e para a segurança da população”, explica Mercedes Bustamante, pesquisadora da UnB e única brasileira membro do CCAG.

Ação urgente


“É MAIS UM LEMBRETE DE QUE NÃO HÁ MARGEM REMANESCENTE PARA MAIS DE GASES DE EFEITO ESTUFA EM NOSSA ATMOSFERA. NÃO APENAS DEVEMOS REDUZIR IMEDIATAMENTE AS EMISSÕES, PARTICULARMENTE DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS, DEVEMOS TAMBÉM PROCURAR MANEIRAS DE REMOVER GASES DE EFEITO ESTUFA DA ATMOSFERA EM ESCALA.”

Este é o segundo de uma série de relatórios publicados pelo CCGA, grupo internacional independente de especialistas sobre o clima, e antecipado à imprensa brasileira pela Bori. Veja mais informações sobre o CCGA aqui e confira o primeiro relatório aqui.

………………………………………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

NASA alerta que uma mudança na órbita da lua tornará as inundações da Terra piores

A partir da próxima década, dizem os cientistas, uma “oscilação” na órbita da Lua está prestes a tornar as inundações costeiras aqui na Terra muito piores.

Quando a oscilação começar, as cidades costeiras americanas podem repentinamente começar a inundar três ou quatro vezes mais do que agora, de acordo com uma pesquisa da NASA e da Universidade do Havaí publicada na revista Nature Climate Change no mês passado.

No estudo, os cientistas previram que a oscilação lunar causará um aumento nos aglomerados de inundações que interromperão significativamente a vida e danificarão a infraestrutura em cidades costeiras que se aclimataram a inundações muito mais suaves e menos frequentes – um lembrete assustador da estreita relação da Terra com seu satélite natural, e talvez até mesmo uma questão urgente de infraestrutura.

Como relata a Live Science , essa oscilação lunar é, na verdade, um ciclo perfeitamente natural que já se arrasta por eras e continuará a ocorrer por muito tempo depois de nossa partida. A órbita da Lua cria períodos de marés altas e baixas de acordo com um ritmo de aproximadamente 18,6 anos.

O que o torna perigoso desta vez é o fato de que o nível do mar está subindo graças aos efeitos das mudanças climáticas e às emissões descontroladas de gases de efeito estufa. Portanto, quando o próximo período de amplificação da maré começar no início de 2030, as enchentes resultantes provavelmente serão piores, mais persistentes e mais perigosas do que nunca.

“É o efeito acumulado ao longo do tempo que terá um impacto”, disse o pesquisador da Universidade do Havaí e principal autor do estudo, Phil Thompson , em um comunicado à imprensa . “Se inundar 10 ou 15 vezes por mês, uma empresa não pode continuar operando com seu estacionamento submerso. As pessoas perdem seus empregos porque não conseguem trabalhar. Verter fossas se tornou um problema de saúde pública. ”

…………………………………………………………………………………………….
*Fonte: pensarcontemporaneo

De chocolate a pimenta, empresa aposta em colheres comestíveis

Enquanto governos banem canudinhos, cotonetes, pratos e copos descartáveis, entre outros tipos de plásticos, companhias se empenham em trazer alternativas para substituí-los. Este é o caso da Planeteer, empresa com sede na Califórnia (EUA), que desenvolveu colheres biodegradáveis e comestíveis com sabores diversos.

Batizada de IncrEDIBLE – um jogo de palavras que mistura “incríveI” com “comestível – a colher é vegana e não transgênica – apesar de ser feita com grãos. Os ingredientes base são trigo, aveia, milho, grão de bico e cevada, mas, dependendo do sabor, outros são adicionados: cacau, sal, hortelã ou pimenta, por exemplo.

Há oito variedades de sabor, entre doce e salgado. Baunilha, chocolate, pimenta preta e até uma mistura de especiarias moídas, chamada de Garam masala, estão entre as opções. A companhia estuda a possibilidade de incluir ainda o sabor de canela.

A companhia garante que é usada uma quantidade mínima de sabores naturais para garantir que o gosto não sobressaia na refeição. Mas, se não quiser ingeri-la não há problema: ela se degrada naturalmente.

Cada colherzinha tem validade de um ano e, quando em uso, duram 45 minutos ​​com sobremesas frias e 25 minutos com alimentos quentes.

A ideia também é ampliar a gama de produtos. Aliás, já estão em desenvolvimento garfos, colheres menores, canudos e um agitador de café. Também estão nos planos substituir os os palitos de sorvete produzidos com madeira.

Da criação a expansão
A Planeteer foi criada pelos indianos Dinesh Tadepalli e Kruvil Patel. Tadepalli era engenheiro de hardware no Vale do Silício quando teve a ideia. Ele viajou para cidades na Índia e Malásia e no caminho conheceu Patel, que já estava projetando uma máquina para fazer talheres comestíveis. Eles se uniram e em 2019 nasceu a Planeteer.

“Foram necessários dois anos e mais de 80 tentativas para obter a forma e o sabor corretos”, afirmou Tadepalli.

O maior obstáculo é sem dúvidas o preço – quase sete vezes mais caro do que as colherzinhas de plástico. Por isso, até 2021, os empresários esperam expandir a fábrica para produzir meio milhão de colheres comestíveis por dia. O feito reduzirá o custo em 40% e tornará o produto mais atrativo economicamente para os clientes.

Até agora as caixas de colheres são vendidas a lojas dos Estados Unidos e Canadá. Mas, segundo a fabricante, em breve será possível encontrá-las para varejo na Amazon.

Para reduzir suas emissões de carbono, a Planeteer planta 250 árvores para cada 100 mil colheres comestíveis fabricadas. Até agora já foram plantadas mais de 3000 árvores.

colher-comestivel-1

*Por Marcia Sousa
…………………………………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

ONU adverte que há um tipo diferente de ‘pandemia’ chegando ao mundo

Um estudo de milhares de anos de história mostra que a seca não é uma crise nova. Às vezes, os seres humanos superam essa crise, mas muitas vezes não conseguem.

Um olhar sombrio para o futuro nos diz que não vimos nada ainda, com uma mistura de climas mutantes, práticas inadequadas de gerenciamento de água e densidades populacionais crescentes que prometem uma ‘ pandemia ‘ de secas catastróficas.

O Relatório Especial da ONU sobre a Seca 2021 detalha os riscos que enfrentaremos nos próximos anos como resultado da redução das chuvas em pontos-chave ao redor do mundo, explorando as causas da seca e a variedade de medidas que todos nós tomamos para lidar com a escassez de água.

O fato de o aquecimento global estar redistribuindo nossa água já é uma realidade sombria com a qual muitos ao redor do mundo são forçados a lidar.

“Com a mudança climática induzida pelo homem , a frequência e a severidade da seca já aumentaram em algumas – muitas vezes já com escassez de água – regiões do globo”, escrevem os autores no relatório .

“À medida que o mundo se move aparentemente inexoravelmente em direção a temperaturas médias globais 2 ° C mais altas do que os níveis pré-industriais, os impactos da seca estão se intensificando e prevê-se que piorem em muitas regiões, particularmente em cenários de negócios como de costume.”

Pelo menos 1,5 bilhão de pessoas em todo o mundo foram afetadas pela seca nas últimas duas décadas, que custou às economias mais de US $ 124 bilhões.

Como os autores apontam, geralmente há uma lacuna entre as perdas relatadas e os impactos reais, o que significa que números como esses devem ser considerados, na melhor das hipóteses, conservadores. Sem falar que as estimativas de fato nem levam em consideração as economias dos países em desenvolvimento.

Ironicamente, são as nações em desenvolvimento e regiões remotas que vêm pela primeira vez à mente quando pensamos em uma seca severa.

No entanto, quase um quinto da população mundial vive em uma área potencialmente em risco de escassez de água. No final do século, podemos esperar que a maioria dos países seja afetada de alguma forma pela seca.

Relatórios prevendo a extensão dos riscos crescentes de escassez de água em um futuro devastado por uma crise climática se tornaram comuns. Presságios de seca mal se qualificam como notícia nos dias de hoje.

Mas, como sabemos de tudo isso – como sabemos como a seca pode ser devastadora, e que tantos de nós enfrentamos um futuro de períodos de seca – por que não somos melhores em administrá-la?

Na tentativa de encontrar uma resposta, o relatório da ONU reuniu uma série de estudos de caso detalhando ‘experiências vividas’ de seca para destacar quem na comunidade será mais afetado por períodos frequentes de estresse hídrico.

Capacitar os envolvidos com a agricultura é um primeiro passo óbvio. Mas qualquer pessoa que precise de um ambiente aquático saudável, seja no turismo, nos transportes, na hidroeletricidade ou na pesca, tem interesse na gestão eficiente da água.

Com base nas experiências coletadas nesses casos, fica claro que a política sobre a água não é tanto um problema de pouca consciência, mas um problema de memória ruim.

“Os atuais mecanismos e abordagens de gestão de risco e governança para lidar com a seca estão sendo oprimidos pela natureza cada vez mais sistêmica do risco de seca”, afirma o relatório .

“Os estudos de caso descrevem ações no desenvolvimento, revisão e reestruturação de políticas quando as secas são severas, e inação quando as secas não são mais evidentes”.

Ninguém quer pensar na próxima seca quando as chuvas vierem, então não é de surpreender que a maioria das abordagens políticas sejam reativas, ao invés de proativas.

O representante especial do secretário-geral da ONU para redução de risco de desastres, Mami Mizutori, é rápido em comparar a escassez de água no futuro com um desastre global que não precisamos imaginar.

“A seca está prestes a se tornar a próxima pandemia e não há vacina para curá-la”, cita Fiona Harvey, do The Guardian .

A analogia de Mizutori com COVID-19 deve ressoar. Desigualdade social, falta de preparação e dificuldade de adaptação a novos riscos apenas aumentaram o que é efetivamente um desafio que enfrentamos com frequência no passado .

Mas assim como um sistema imunológico saudável se beneficia de uma memória de longo prazo de doenças anteriores, nossa comunidade global não pode se dar ao luxo de esquecer as comunidades que desapareceram da história por falta de acesso confiável à água potável.

Leia o Relatório de Avaliação Global sobre Redução de Risco de Desastres: Relatório Especial sobre a Seca de 2021 aqui.

……………………………………………………………………………………
*Fonte: pensarcontemporaneo

A Terra está usando 173% da ‘biocapacidade’ total do mundo, alertam os cientistas

Os humanos em todo o mundo estão consumindo muito mais recursos naturais do que nosso planeta pode continuar a sustentar, condenando a maioria das pessoas à pobreza ecológica, de acordo com novas pesquisas.

Quando os pesquisadores tentaram calcular nosso déficit de recursos naturais para o ano de 2017, eles descobriram que nossa população global de mais de 7,5 bilhões de pessoas gastou 173% da biocapacidade total do mundo naquele ano.

Obviamente, isso é uma grande ultrapassagem e é parte de uma tendência que piorou muito nas últimas décadas. Em 1980, a humanidade estava usando apenas 119% da biocapacidade mundial.

Grande parte do aumento da demanda desde então foi impulsionado por nações mais ricas, exigindo padrões de vida cada vez mais elevados, mesmo que tenham que comprar recursos de outros lugares.

Hoje, quase três quartos de todas as pessoas vivem em nações com rendas abaixo da média e escassez de recursos naturais, o que significa que simplesmente não podem competir.

Obviamente, o caminho que percorremos hoje não pode ser trilhado para sempre. Se o mundo realmente leva a sério a erradicação da pobreza, os especialistas dizem que não podemos continuar ignorando o fator limitante que são os recursos da Terra.

Dividindo os países do mundo em quatro categorias, com base em seu produto interno bruto (PIB) per capita e seu déficit ecológico local, os pesquisadores ilustraram uma mudança insustentável na demanda de recursos da humanidade.

Se não buscarmos melhorar rapidamente a segurança dos recursos – por meio da conservação e restauração, cortes de combustíveis fósseis, desenvolvimento sustentável e mudanças nos padrões de consumo – os autores argumentam que nosso capital natural não será capaz de se recuperar, e nossa esperança por um futuro mais igual ser totalmente minado.

No ano de 1980, 57% da população global vivia em um país com a “dupla maldição” de renda abaixo da média e déficit de recursos biológicos, descobriram os pesquisadores. Em 2017, esse número saltou para 72 por cento.

Por outro lado, os países de renda mais alta com déficit de recursos representam apenas 14% da população mundial, mas essa minoria demanda impressionantes 52% da biocapacidade do planeta.

Suíça e Cingapura são duas nações notáveis ​​que se enquadram nesta última categoria, o que significa que estão protegidas da insegurança de recursos porque têm dinheiro para comprar o que precisam em outros lugares.

Para viver de uma maneira verdadeiramente sustentável, os cientistas acham que não deveríamos usar mais do que metade da capacidade de recursos do nosso planeta, mas se todos no mundo vivessem como os de maior renda e países com poucos recursos, como a Suíça, precisaríamos de cerca de 3,67 planeta Terra para atender à demanda global.

“Se os padrões de desenvolvimento dessas cidades ou territórios não são replicáveis, há apenas uma maneira de tais entidades evitarem sua própria morte: eles devem ter certeza de que podem vencer financeiramente todos os outros neste planeta para sempre para garantir seu metabolismo de recursos.” os autores concluem .

“Exigir que tal estratégia tenha sucesso é precário para regiões em qualquer nível de renda.”

Mas é especialmente perigoso para regiões de baixa renda, que não podem competir por recursos no mesmo nível. Sem a ajuda das nações mais ricas, não há realmente muito que essas nações possam fazer.

Na verdade, os pesquisadores argumentam que os países de renda mais baixa enfrentam atualmente um problema. Continuar com o status quo sem dúvida agravará a atual crise de recursos, mas fazer mudanças rápidas no consumo de recursos humanos também custará muito dinheiro, que muitos simplesmente não podem pagar.

Além do mais, como as nações mais ricas consomem muito mais recursos do que o absolutamente necessário para viver, elas têm muito mais espaço de manobra em face de desastres futuros.

Em uma crise econômica, por exemplo, uma perda de recursos não é tão catastrófica para a Espanha como seria para o Níger ou o Quênia, onde uma perda tão rápida poderia corroer a segurança alimentar e energética de muito mais pessoas, colocando suas próprias vidas em risco .

“Este artigo reforça o caso de que a segurança dos recursos biológicos é um fator muito mais influente que contribui para o sucesso duradouro do desenvolvimento do que a maioria das teorias e práticas de desenvolvimento econômico poderia sugerir” , concluem os autores , “e mostra o quão desigualmente isso afeta populações humanas distintas.”

………………………………………………………………………………………
*Fonte: pensarcontemporaneo

Australianos reciclam fibra de carbono para fabricar pranchas

A fibra de carbono é um material versátil, usado na fabricação de diversos produtos, de tecidos a catalisadores. Sua aplicação revolucionou uma série de indústrias, graças à alta resistência e flexibilidade. Podemos encontrar fibra de carbono em parte de automóveis, turbinas de vento e aeronaves.

Infelizmente, toda esta versatilidade não é vista quando o tema é o descarte do produto. É um material difícil de se reaproveitar, não é biodegradável ou simples de reciclar. Na Austrália, 95% da fibra de carbono consumida acaba indo para aterros sanitários – uma média de 45 mil toneladas por ano.

A boa notícia é que um grupo de pesquisadores encontrou um destino muito melhor para o material: o surfe. “Conseguimos produzir uma prancha de carbono a partir de material reciclado e eu acho que vai ser um sucesso”, conta Filip Stojcevski, um dos idealizadores do projeto.

“Todo o material vem de partes usadas de automóveis e aeronaves. Mas, ao invés de ser enviado para o aterro sanitário, este material ganhou uma nova vida e se transformou em pranchas de surfe”.

Filip e Andreas Hendlmeier estudaram engenharia aeronáutica na Deakin University e se uniram ao químico James Randall para fabricar as pranchas em uma garagem em Victoria, na cidade de Jan Juc, famosa pelas ondas e pelo seu surfe.

Os três uniram a paixão pelo surfe com o conhecimento acadêmico e fabricaram as primeiras pranchas do mundo feitas com fibra de carbono reciclada.
Mais velocidade nas ondas

De acordo com Filip, a fibra de carbono é mais leve e resistente que a fibra de vidro, tradicionalmente usada na produção de pranchas. O resultado desta troca são pranchas mais leves, mais fáceis de transportar e mais rápidas quando estão no mar.

Um dos pontos chaves no projeto das pranchas foi garantir que elas não se tornassem muito rígidas ou suscetíveis a pequenas rachaduras por conta da estrutura da fibra de carbono. E, até o momento, os empreendedores tiveram sucesso.

O surfista Luke Rosson testou a prancah e aprovou. Disse que é um equipamento leve que garante mais velocidade nas ondas do que os modelos tradicionais de fibra de vidro. “Demorei um pouco para me adaptar, já que é um pouco diferente das pranchas que eu normalmente uso”, declarou ele.

“Já dá para imaginar que vai ser uma inovação incrível”, diz o surfista.

Outros destinos para a fibra de carbono

Outros pesquisadores estão estudando a possibilidade do uso de fibra de carbono reciclada em peças da indústria automotive ou como elemento na produção de cimento, mas a viabilidade ainda não foi 100% comprovada.

Neste cenário, as pranchas de surfe que reaproveitam o material, se tornam ainda mais atrativas – para os surfistas e para o meio ambiente.

*Por Natasha Olsen

……………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Borras de café são transformadas em xícaras compostáveis

Uma xícara de café para servir café. Parece até redundante, mas não é. Fundada em 2015, a empresa Kaffeeform reaproveita borras de café para produzir copos e xícaras. Os resíduos são coletados diariamente em cafés e restaurantes de Berlim, a capital da Alemanha.

A ideia de fabricar os utensílios veio após o fundador, Julian Lechner, tomar incontáveis doses de café expresso na Itália, enquanto estudava design de produto. Um dia ele questionou como os resíduos da fabricação de cada xícara poderiam ser reutilizados: foi o primeiro passo para o que viria a se tornar a Kaffeeform, após cinco anos de desenvolvimento.

Para chegar até o produto final, ele desenvolveu um material feito a partir de borras de café, biopolímeros (polímeros produzidos por seres vivos), amido, celulose, madeira, resinas naturais, ceras e óleos. Desta forma, o resultado é um produto resistente aos líquidos e ao calor, que pode ser colocado na máquina de lavar louça e até resistir a quedas. Para completar, são leves e têm um leve cheiro de café -, perfeito para os amantes do bom cafezinho. Após seu ciclo de uso, cada utensílio pode ser compostável.

Os produtos estão presentes em lojas de diversos países europeus e a empresa ainda produz copos personalizados para outras companhias.

Pensar na sustentabilidade de um produto desde sua produção até o pós-consumo é uma responsabilidade que algumas empresas estão encarando com muita criatividade. Dia desses, por exemplo, o CicloVivo falou sobre uma embalagem de xampu feita de sabão.

*Por Marcia Sousa

………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

Cerveja em garrafas de papel? Carlsberg anuncia embalagem sustentável

Carlsberg, conglomerado de cervejarias multinacional dinamarquesa, anunciou dois protótipos que apostam na embalagem sustentável para distribuir cerveja em garrafas de papel.

Chamada de Green Fibre Bottle, a garrafa é feita de fibras de madeira e tem camada interna impermeável. Em um dos protótipos, a proteção é uma camada fina de plástico confeccionada com garrafas PET recicladas. O outro utiliza polímero biodegradável PEF, produzido a partir de resíduos agrícolas ou florestais. Ambos são 100% biodegradáveis.

A iniciativa faz parte do projeto da Carlsberg, a quarta maior cervejaria do mundo, em zerar as emissões de carbono em suas cervejarias até 2030.

Com as garrafas sustentáveis, o objetivo é diminuir as emissões em 30% na cadeia inteira de produção – baita desafio quando se trata de uma empresa que possui o rótulo de mais de 500 marcas de cerveja em três continentes.

“Estamos contentes com os avanços com a Green Fibre Bottle,” disse Myriam Shingleton, vice-presidente de desenvolvimento da Carlsberg. “Ainda não chegamos lá, mas os dois protótipos são um passo importante para realizar nossa ambição final de trazer essa novidade ao mercado.”

Os protótipos são resultado de quatro anos de cooperação entre a Universidade Técnica da Dinamarca, a EcoXPac e o fabricante sueco de produtos de papel e celulose BillerudKorsnäs, que se juntou a fabricante de garrafas Ampla para fundar a Paboco, empresa que produz garrafas sustentáveis.
Cerveja em garrafas de papel? Carlsberg aposta em design sustentável
Multinacional se compromete com causa ambientais ao anunciar sua nova empreitada de cervejas em garrafas de papel

Outros gigantes do mercado internacional como a Coca-Cola, L’Oreal e Absolut fizeram parceria com a Paboco para avançar na pesquisa do desenvolvimento da garrafa de papel.

Gittan Schiöld, CEO interino da Paboco, diz que os parceiros “estão unidos em nossa visão de que a garrafa de papel se tornará realidade e mudará fundamentalmente esse setor para sempre”.

É um pequeno passo para um problema gigantesco. De pouquinho em pouquinho, será que a gente chega lá?

*Por Raquel Rapini

 

…………………………………………………………………….
*Fonte: geekness

O Deserto do Saara pode suprir consumo mundial de energia com campo solar

A instalação de campos de energia solar no Deserto do Saara tem potencial para suprir a energia consumida em todo o mundo. Essa informação foi afirmada por Mehran Moalem, professor e PhD em matérias nucleares da Universidade da Califórnia, em entrevista para a Forbes.

Segundo Moalem, o deserto é ideal para a absorção de energia solar por conta da extensão territorial e dos fatores climáticos do local. No Deserto do Saara, a incidência solar ultrapassa 12 horas.

Os cálculos da NASA apontam que cerca de 2 a 3 kilowatts-hora de energia são produzidos por m². Isso faz com que o Saara se torne uma usina solar mundial em potencial. O cálculo ainda revela que um espaço de 355 km² seria suficiente para gerar 17, 4 Terawatts de energia – equivalente ao que foi consumido pela população do planeta terra em 2018.

Como nem tudo são flores – ou cactos, quando estamos no deserto –, construir essa possível usina solar custaria cerca de 5 trilhões de dólares, mesmo que o potencial e a viabilidade das placas solares seja grande.

*Por Evelyn Nogueira

 

 

 

 

 

 

 

…………………………………………………………………………….
*Fonte: casaabril

OMO lança embalagem feita de plásticos retirado dos oceanos e reciclado

Diminuir o consumo de embalagens plásticas descartáveis é um desafio que cidadãos e empresas precisam aceitar o quanto antes para evitar que a previsão de especialistas que os oceanos tenham mais plástico que peixes em 2050.

Apenas 26% do plástico utilizado no Brasil é reciclado. É pouco, mas estamos bem acima da média mundial, de 14%. Iniciativas para reverter esse quadro são sempre bem-vindas, e a Unilever está prestes a lançar no mercado uma embalagem do sabão líquido OMO feita a partir de plástico coletado do litoral brasileiro e reciclado.

Serão 18 mil unidades produzidas em parceria com cooperativas país afora, que devem chegar às prateleiras no mês de agosto. A ação começou em maio, quando, em parceria com a WWF, a empresa recrutou mais de mil voluntários, que fizeram mutirões de limpeza e retiraram mais de 1,5 tonelada de plástico de praias em Rio de Janeiro, Fernando de Noronha e Recife.

A iniciativa faz parte de um plano maior, em que a Unilever se compromete a usar ao menos 25% de plástico reutilizado em suas embalagens até 2025, o que significaria uma redução do uso de 500 toneladas de plástico virgem por ano apenas nos produtos OMO. Ações nas linhas Seda, Tresemmé e Dove também estão sendo planejadas e devem ser executadas em breve.

 

 

 

 

 

…………………………………………………..
*Fonte: hypeness

A Dinamarca caminha a passos largos para se tornar o primeiro país do mundo 100% orgânico

O país nórdico está trabalhando forte para substituir os alimentos cultivados com os métodos tradicionais por orgânicos e estimulando a demanda por produtos livres de agrotóxicos.

Uma dos objetivos é duplicar a produção de cultivos orgânicos antes de 2020, através de subsídios para os pequenos agricultores. Outra meta do governo é que 60% dos orgânicos sejam destinados a hospitais, escolas e restaurantes comunitários.

Pode parecer um plano audacioso, mas a Dinamarca trabalha há 25 anos para alcançar esses objetivos. Um exemplo disso a nível local é que o país tem criado projetos para que os municípios possam criar hortas em terrenos abandonados.

…………………………………………………………….
*Fonte: razoesparaacreditar

Veja 6 exemplos de combustíveis sustentáveis que você já pode usar no seu carro

O uso de combustível sustentável já é uma realidade, e todos deveriam pensar na possibilidade de ter essas alternativas como forma de abastecer seu automóvel. Isso porque os combustíveis tradicionais, principalmente a gasolina, poluem e são produzidos por meio da extração do petróleo.

Em outras palavras, podemos dizer que o uso de combustíveis tradicionais prejudica o meio ambiente de duas formas: por meio da extração de um bem natural e pelo aumento da poluição atmosférica e gases do efeito estufa. Por isso, buscar por alternativas sustentáveis para abastecer o seu carro é uma atitude que ajuda a diminuir os poluentes eliminados. Vale destacar, inclusive, que alguns desses combustíveis são inclusive mais eficientes que a gasolina.
Quais combustíveis sustentáveis podem ser usados no seu carro?

Eletricidade

Os carros elétricos são uma ótima alternativa àqueles movidos a gasolina, pois tudo o que ele precisa para funcionar é de energia elétrica. Esse tipo de veículo resolve bem o problema da poluição, já que não emite carbono. Para carregar, basta conectar o carro a uma tomada convencional, igual fazemos com um celular.

Biocombustível

São carros movidos por meio elementos naturais — como a cana de açúcar (mais popularmente utilizada), a mamona, a soja, a mandioca e o babaçu. Como utilizam produtos naturais e que são fáceis de repor, podendo ser produzidos em larga escala, são considerados uma alternativa interessante à gasolina. Os biocombustíveis emitem um pouco de poluentes, mas em escala bem menor que os combustíveis que utilizamos diariamente.

Etanol celulósico

Este pode ser considerado um tipo de biocombustível. No Brasil, ainda passa por adaptações para se tornar mais eficiente, mas já vem sendo considerado o etanol de segunda geração. É produzido por meio da quebra de fibras vegetais. É considerado ainda mais sustentável pois aproveita as folhas e o bagaço da cana, que sobrariam após a produção do etanol de primeira geração. Ou seja: além de produzir um combustível sustentável ainda ajuda na reutilização de algo que seria descartado.

GNV

Conhecido como Gás Natural Veicular, o GNV é uma alternativa sustentável aos combustíveis fósseis. Produzido a partir do metano, proporciona uma alta redução na emissão de poluentes e pode ser instalado em qualquer veículo. Além disso, é uma opção mais em conta, tendo um preço mais baixo que a gasolina e o diesel.

Ar comprimido

É uma novidade na França, sendo produzido por uma única empresa e direcionado para carros menores que transportam até três pessoas. O ar é o combustível, que permite que o carro funcione e não há nenhuma emissão de gases poluentes.

Hidrogênio

O hidrogênio também é uma alternativa de combustível sustentável e já existem veículos criados para funcionar a partir desse componente. A eletricidade motriz é produzida a partir do hidrogênio, permitindo que o carro se movimente normalmente. Outra vantagem está no fato da existência de grande quantidade desse componente na atmosfera terrestre, o que tornaria o combustível mais barato. Não há a emissão de gases poluentes.

 

…………………………………………………………..
*Fonte: pensamentoverde

A próxima crise da sustentabilidade: nós estamos usando tanta areia que ela pode realmente acabar

A areia é o recurso natural mais consumido no mundo depois da água e do ar. Cidades modernas são construídas a partir dela. Somente na indústria da construção, estima-se que 25 bilhões de toneladas de areia e cascalho sejam utilizados a cada ano. Isso pode soar muito, mas não é um número surpreendente quando você considerar como quase tudo o que está ao seu redor provavelmente tem o material em sua constituição.

Mas está se esgotando.

Este é um fato assustador para se pensar quando você percebe que a areia é necessária para fazer tanto concreto como asfalto, para não mencionar todos os vidros do planeta. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente descobriu que de 2011 a 2013, somente a China usou-se mais cimento do que os Estados Unidos usaram em todo o século 20 e em 2012, o mundo usou concreto suficiente para construir uma parede ao redor da Linha do Equador com 27 metros de altura e 27 metros de espessura.

Muitos de nós têm o equívoco comum de que a areia é um recurso infinito, mas a dura realidade é que não é. No ritmo em que o estamos usando, países como o Vietnã poderiam esgotar-se até 2020, como estimado pelo Ministério da Construção do país. Um tipo específico de areia é necessário para uso na construção e, infelizmente, a abundância de areia dos desertos do mundo é de muito pouco uso para nós, pois os grãos são lisos e finos demais para se unirem. A areia utilizável que precisamos pode levar anos para se formar e com nosso consumo atual, isso não é sustentável.

Esta questão só foi levantada nos últimos dez anos. Na Semana Holandesa de Design do ano passado, o Atelier NL realizou um simpósio em que discutiram o assunto e chamaram a atenção da mídia: “À medida que a urbanização do nosso mundo moderno se expande, cresce a necessidade desse recurso singelo”, disseram Nadine Sterk e Lonny van Ryswyck, do Atelier NL. “No entanto, a areia está sendo escavada a uma velocidade maior do que a que pode se renovar. Ela está desaparecendo das linhas costeiras, rios e fundos marinhos, causando efeitos desastrosos para o sistema ambiental e humano”.

Como a demanda por areia continua inabalável, também aumentam os problemas mundiais associados a ela. A indústria multibilionária está causando o esgotamento das fontes em terra e os garimpeiros estão se voltando para suprimentos menos favoráveis. Dezenas de ilhas já desapareceram na Indonésia, de acordo com um artigo do WIRED de 2015, e os danos aos ecossistemas foram tão grandes que países como Vietnã, Malásia e Indonésia colocaram restrições ou proibições às exportações de areia.

No entanto, as restrições às exportações de areia estão apenas adicionando gasolina ao fogo; A mineração ilegal de areia atraiu grupos criminosos para vender o material no mercado negro e inúmeras vidas foram perdidas indiretamente. Além das preocupações da “máfia de areia”, estão as preocupações de que restrições mais rígidas às exportações de areia farão com que o preço da areia aumente. Naturalmente, esse não é um fenômeno novo – temos visto esse padrão repetido com outros materiais não renováveis.

Se quisermos evitar mais danos aos ecossistemas e à vida das pessoas, precisamos reavaliar a quantidade de areia que estamos usando e de onde ela vem. No século 21, é quase impossível olhar para além de um mundo em que nossos recursos de areia anteriores estão esgotados, por isso várias empresas e startups começaram a buscar alternativas, usando a “areia selvagem” que normalmente seria considerada inutilizável. Atelier NL, que apresentou seu projeto Para Ver um Mundo em um Grão de Areia (To See a World in a Grain of Sand) na Semana do Design holandesa do ano passado, convidou as pessoas a enviarem amostras de areia de todo o mundo para estudar as variedades em suas composições quando derretidas em vidro, com o objetivo final de desestimular as importações de longa distância. Os resultados são simplesmente lindos, com cores e texturas exclusivas de sua localização.

Um grupo de quatro estudantes do Imperial College London também tem aproveitado a abundância de “areia selvagem” que é frequentemente ignorada. A startup desenvolveu um material compósito, batizado de “Finite”, feito de areia desértica que compartilha a mesma resistência de tijolos de habitação e concreto residencial. No entanto, em comparação com o concreto, o material tem menos da metade da pegada de carbono devido ao processo simples usando ligantes orgânicos, com a vantagem adicional de ser reutilizável – oferecendo uma escolha de material ecologicamente correta para projetos de infraestrutura de curto prazo.

Embora ambas as alternativas estejam nos estágios iniciais de desenvolvimento, elas procuram encontrar uma solução para esse problema do século XXI. Assim como os outros recursos não renováveis da Terra, precisamos mudar nossa perspectiva sobre a areia. Então, da próxima vez que você decidir usá-lo na construção, reserve um momento para pensar em todas as implicações, não apenas no planeta, mas na vida das pessoas.

*Por Ella Thorns

 

………………………………………………………….
*Fonte: archdaily

28 toneladas de sódio serão retiradas da alimentação do brasileiro até 2022

Após um acordo entre o governo federal e a Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia) ocorreu uma retirada de 17 mil toneladas de sódio dos alimentos fabricados entre 2011 e 2016. A parceria, renovada até 2022, tem objetivo ainda de acabar com o total de 28,5 mil toneladas de sódio dos produtos.

De acordo com informações do Ministério da Saúde, a primeira categoria a reduzir sódio em sua composição no novo acordo foi a de pães, bisnaguinhas e massas instantâneas. Em 2011, quatro fatias de pão por dia representavam 40% da quantidade de sódio diária (796 mg). Após o acordo, esse índice, em 2016, passou a ser 22% (450 mg). Em 2020, a expectativa é chegar a 20% (400 mg).

“É uma área importante já que é a que mais aporta sal na alimentação da população. A parceria com a indústria é essencial para permitir uma redução de sódio na composição dos alimentos”, ressalta a coordenadora-geral de alimentação e nutrição do Ministério da Saúde, Michele Lessa.

O brasileiro ingere 12 gramas de sódio por dia, mais que o dobro do máximo sugerido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), de cinco gramas. Esses hábitos são responsáveis por causar doenças como hipertensão, diabetes e obesidade que, junto a doenças cardiovasculares, respiratórias e câncer, respondem por 72% dos óbitos no país.

Durante os cinco anos de vigência do acordo entre governo e a Abia, foi detectada redução no teor de sódio em 30 categorias de produtos da indústria de alimentos, que representam cerca de 70% do faturamento do setor. Confira alguns destaques:

Mistura para sopas: quantidade caiu 65,15%. Antes, eram mais de 300mg de sódio para cada 100g de alimento. Agora, são 115,5mg.

Sopas instantâneas: a redução foi de 49,14%. Quantidade passou de 339,4mg para 170mg por 100g de alimento.

Linguiça cozida a temperatura ambiente: foram registradas reduções de 15,6% .

Linguiça frescal: a redução foi de 10,5%.

Linguiça cozida resfriada: redução de 9,4%.

Queijos e requeijões: reduções de 23,1% e 20,4%, respectivamente.

O acordo foi renovado no mês passado pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros. Na ocasião, foi lançado também o Portal Saúde Brasil -, ferramenta digital com orientações sobre os benefícios da adoção de hábitos saudáveis.

 

……………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

 

Mundo está usando quase 500 bilhões de garrafas plásticas por ano

No mundo inteiro, o uso de água engarrafada gera acúmulo de lixo plástico. Apesar da informação não ser novidade, os números não deixam de ser chocantes: a previsão é que até 2021 a população global estará consumindo mais de 580 bilhões de garrafas.

Felizmente, a venda de garrafas reutilizáveis também está aumentando – mesmo que não na mesma proporção que os descartáveis. Segundo o site Fast Company, o recipiente de aço inoxidável é um negócio que hoje movimenta, pelo menos, 100 milhões de dólares.

Já segundo o Guardian, o mundo agora compra um milhão de garrafas de plástico por minuto. O dado é baseado em uma pesquisa de mercado da Euromonitor, que o jornal teve acesso com exclusividade. Segundo o estudo, a China é responsável pela maior parte do aumento da produção de água engarrafada. No ano passado, consumiu 73,8 bilhões de garrafas, mais de 5 bilhões em relação a 2015.

Como a reciclagem não acontece na mesma medida que a produção, a solução, além de buscar sensibilizar a população mundial (o que ainda deve demorar), é encontrar formas de reaproveitar este material. O CicloVivo já mostrou algumas soluções adotadas mundo afora, como a produção de roupas com pet, na construção civil e inúmeras máquinas que, para incentivar a reciclagem, trocam o plástico por descontos em serviços.

Outra saída mais radical está sendo adotada por São Francisco, nos Estados Unidos. Por lá, a venda de água em garrafas plásticas foi proibida. E a medida tem sido replicada em outras localidades.

 

……………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

o consumo desenfreado e o tráfico internacional estão reduzindo drasticamente as reservas de areia em todo planeta

O promotor Jaime Meira, do Ministério Público paulista, tem travado uma batalha contra organizações criminosas nos últimos anos. Com a ajuda de uma pequena equipe de engenheiros ambientais, Jaime tenta impedir o funcionamento de quadrilhas que operam em cerca de trinta municípios no Vale do Paraíba. “É uma luta constante, e por vezes o tráfico leva a vantagem”, desabafa. O promotor atua à frente de uma divisão de crimes ambientais do MP, e o Vale do Paraíba é uma das regiões com o maior índice de delitos do tipo do estado de São Paulo. O produto que ele tenta proteger, muitos nem sabem que é valioso no mercado paralelo: areia.

Sim, areia.

Por conta da geografia diversificada, o Brasil tem uma lucrativa rede de tráfico de areia. Acredita-se que os sedimentos extraídos ilegalmente de litorais e rios movimentem um mercado bilionário no país. Segundo um estudo encabeçado por um agente da Polícia Federal em 2015, são mais de R$ 8 bilhões gerados por ano. A cifra aproxima a areia de produtos que já são alvos clássicos de traficantes, como drogas ilícitas, armas e animais.
Mecanismo de extração “on shore”
Mecanismo de extração “on shore” Crédito: Arquivo pessoal/Luis Fernando Ramadon

O mercado ilegal tem um motivo: mesmo que você não vá à praia, um dos principais elementos dela vai até você – e muito. É preciso areia para construir casas, apartamentos e rodovias. Copos, pratos de vidro e janelas. Peças industriais e sistemas de filtragem de água, usados em piscinas e em grandes reservatórios. A tal da areia cinética, popularizada por youtubers, tem mais de um dedo de areia em sua composição. E smartphones também.

O uso em larga escala, somado às extrações ilegais em todo o mundo, traz à tona um dado alarmante: nossa areia está acabando.

 

É pouca areia para muito caminhão

Não é de hoje que estudos internacionais alertam para o uso excessivo de areia. A indústria do cimento é apontada como a que mais utiliza o mineral. Dados da agência nacional de mineração dos Estados Unidos mostram que, no primeiro semestre do ano passado, 443 milhões de toneladas foram comercializadas para a construção civil no país. O Brasil não fica muito atrás: o último relatório do Ministério de Minas e Energias, de 2014, mostra que a construção civil nacional utilizou mais de 390 milhões de toneladas. Segundo a ONU, em 2012 o consumo mundial foi de 29,6 bilhões de toneladas. E esse número vem aumentando rapidamente, por conta do crescimento de países como a China, onde a demanda disparou quase 440% em apenas vinte anos, para construção de rodovias e prédios.

Diferentemente da água, cujo ciclo natural auxilia a repor o gasto excessivo com as chuvas, a reposição da areia leva muito tempo. Um grão é derivado de rochas que passaram por milhares de anos de erosões – e mais outros milhares para finalmente pavimentar rios, oceanos e desertos. Não à toa, a areia afeta o comportamento de toda a cadeia ambiental (para se ter uma ideia, engenheiros do governo norte-americano estão reconstruindo uma praia em Nova Jersey para evitar inundações causadas por tempestades) e tem influência na vida de espécies de animais e de plantas marinhos e terrestres.

Como cada tipo de grão passa por condições climáticas variadas e surge de diferentes rochas, cada areia é uma areia. Dubai, por exemplo, é rodeada por um longínquo mar de dunas. Os grãos que envolvem a cidade mais importante dos Emirados Árabes, porém, são muito finos para se construir. A areia utilizada na obra do maior arranha-céu do mundo, o Burj Khalifa, com 828 metros de altura, foi importada da Austrália.
Imagem aérea de campo de extração de areia legal no interior do Rio de Janeiro
Imagem aérea de campo de extração de areia legal no interior do Rio de Janeiro Crédito: Arquivo pessoal/Luis Fernando Ramadon

É difícil estimar a cifra do comércio legalizado de areia no mundo. A agência de mineração norte-americana diz que, em 2016, pouco mais de 4 mil companhias – de importação e extração – movimentaram US$ 8,9 bilhões por lá. Na indústria estadunidense, foram mais de US$ 4 bilhões no mesmo período. Segundo a Anepac, associação nacional de produtores de agregados para construção, o mercado brasileiro (incluindo também a produção de brita além de areia) movimentou R$ 19 bilhões em 2014. A atividade de mineração, como um todo, representa 5% do PIB nacional.

 

Farofa-fá-fá

De acordo com a ONU, China, Índia, Estados Unidos, Brasil e Turquia produziam 70% do cimento derivado de areia existente no mundo em 2012. De lá para cá, cada país à sua maneira tenta diminuir a extração com leis mais burocráticas para a exportação e extração – como a Índia – e leis mais rígidas para combater a prática ilegal. Mas assim que isso é feito, países com menor participação na produção mundial, como o Marrocos, logo preenchem o espaço no mercado internacional com toneladas de areia extraída ilegalmente. O mesmo acontece no Camboja, Malásia e Jamaica.

De acordo com o agente da Polícia Federal Luís Fernando Ramadon, principal estudioso da extração ilegal de areia no Brasil, o combate a esse tipo de prática é complicado. Ele conta que empresas com autorização do estado acabam excedendo a área delimitada para maximizar os lucros. Assim, areia legal e ilegal se misturam até mesmo sob os olhos da fiscalização. Os mais penalizados costumam ser aventureiros que instalam o maquinário em lugares ilegais até serem denunciados às autoridades. “A fiscalização costuma movimentar órgãos estaduais e federais, como o Ministério Público, a Polícia Federal e as Polícias Militares e Polícias Militares Ambientais. Quem estiver operando de forma ilegal recebe penas federais e estaduais, a depender de quem autuar”, diz o agente.

Os rios são os locais mais procurados pela extração, explica Luís, não só pela valiosidade do grão, mas também pelo baixo movimento de turistas. As penalidades costumam ser multas milionárias por danos morais ao meio-ambiente e obras de reflorestamento.

Tanto a ONU quanto geólogos não enxergam um futuro com muitas alternativas para substituir o consumo de areia. O governo norte-americano sugere o uso de pedras esmagadas e asfalto reciclado – embora o próprio governo reconheça que a opção alternativa ainda é extremamente baixa se comparado ao uso de areia in natura. “Ninguém vai à praia de sapato. Eu, por exemplo, quando boto o pé na areia sinto uma energia entre corpo e espírito que gostaria que as pessoas no futuro também experimentassem”, diz Luis. “A preservação da areia no ambiente é um combate a ser feito por todos, pois cada ser humano faz parte da natureza. É preciso se importar com esse crime.”

 

………………………………………………………………………….
*Fonte: revista Trip / Marcos Candido

Dell passa a usar resíduos plásticos retirados do oceano em embalagens de produtos

A empresa norte-americana de hardwares e computadores Dell é mais uma entre as grandes marcas globais que se empenha em desenvolver novas soluções com foco sustentável. E neste último mês, a multinacional veio a público anunciar que passará a utilizar resíduos plásticos encontrados em oceanos na fabricação de embalagens de todos os seus produtos.

A iniciativa, inédita no mercado, faz parte da meta do programa Dell Legacy of Good, que tem como meta garantir, até 2020, que 100% das embalagens da empresa sejam recicláveis. As caixas do notebook 2-em1 Dell XPS 13 serão as primeiras da empresa a serem fabricadas com os novos resíduos, a partir do dia 31 de abril.

Em conjunto com a utilização de resíduos plásticos, a Dell incluirá também informações educativas em todos os novos modelos de embalagem, com o objetivo de estimular ainda mais a conscientização global de saúde dos ecossistemas marinhos. Para se ter uma ideia, as primeiras projeções indicam que, já em 2017, a empresa impedirá que sete toneladas de materiais plásticos sejam lançadas nos oceanos.

“A Dell se orgulha em ser pioneira em programas de sustentabilidade e reciclagem a nível global. Com esse projeto, não só estamos impedindo que os resíduos plásticos entrem em nossos oceanos, mas também estamos educando os clientes, dando bons exemplos e desenvolvendo produtos que se encaixem na nossa filosofia”, destaca Kevin Brown, Diretor da Cadeia de Suprimentos da Dell.

Vale destacar também que o projeto não é o primeiro com foco na reutilização de plástico a ser executado pela empresa nos últimos anos. Desde 2008, a marca inclui plásticos reciclados em seus desktops e, em janeiro deste ano, já conseguiu atingir seu objetivo programado para 2020, de usar mais de 21.500 toneladas de materiais reciclados em seus produtos.

De acordo com sua assessoria, a Dell planeja disponibilizar gratuitamente as novas embalagens para os consumidores de seus produtos, basta entrar no site http://www.dell.com para solicitá-las. A ideia é de que as mesmas possam ser adquiridas já a partir de abril, na data de lançamento oficial do projeto, no fim do mês.

 

……………………………………………………
*Fonte: pensamentoverde

Projeto arquitetônico desenvolve fazenda orgânica em alto mar

Em 2015 foi divulgado um relatório pela Organização das Nações Unidas informando que hoje a população mundial é de 7,3 milhões, mas que em 2030 ela pode chegar a 8,5 milhões.

Essa projeção preocupou a empresa Forward Thinking Architecture em relação à produção de alimentos para o futuro. Caso a população chegue a esse número a demanda iria aumentar em até 50%. Foi então que o escritório desenvolveu o Smart Floating Farms (Fazendas Flutuantes Inteligentes), uma ideia inovadora que poderá ser a solução desse problema.

O projeto arquitetônico tem o intuito de criar fazendas flutuantes com 209 mil metros quadrados, que serão utilizadas para o plantio em alto mar ou em áreas alagadas próximas aos centros urbanos. No espaço seriam cultivados alimentos como frutas, legumes, verduras, ervas e peixes.
Sustentabilidade do começo ao fim do processo

Todo a construção será sustentável, usando energia solar para o seu abastecimento e duas técnicas para o cultivo dos alimentos: sistema hidropônico (cultivo de plantas sem solo) e aquicultura (cultivo e reprodução de peixes, algas, crustáceos ou moluscos).

Foi pensando também na falta de espaço dos grandes centros urbanos que eles decidiram criar essas fazendas em alto mar ou em locais alagados. A construção é dividida em três andares: no primeiro ficarão os pontos de água, englobando as piscinas para a aquicultura, armazenamento, usina de dessalinização e central de embalagens. No segundo andar estarão as estufas hidropônicas, o sistema de irrigação e a central de controle do microclima. E no terceiro e último andar vai estar a usina fotovoltaica, transformando toda a energia renovável captada em eletricidade.

A estrutura vai contar com diversas soluções sustentáveis para diminuir os impactos ambientais, como aberturas para a entrada de luz natural e um sistema de captação de água de chuva, além da utilização de energia eólica, reutilização de resíduos orgânicos para a produção de biomassa, redução do uso de combustíveis fosseis e eliminação da logística de importação de exportação de alimentos.
Fazenda vai disseminar a cultura da alimentação orgânica

Com muitos pontos positivos a fazenda flutuante vai aumentar de forma significativa a produção de alimentos orgânicos em um espaço bem maior que o usado no cultivo tradicional e ainda vai contar com a instalação de um sistema tecnológico de monitoramento e plantio, o que possibilita a automatização da maioria dos processos de preparo do plantio e da colheita.

Todos as fazendas serão capazes de produzir por ano cerca de 8.152 toneladas de vegetais e 1.703 toneladas de peixes de acordo com o projeto. Assim, cidades inteiras poderão contar com alimentos frescos e orgânicos.

 

……………………
*Fonte: pensamentoverde

fazenda-flutuante

8 dicas para ter uma casa sustentável

O Brasil já é o quarto país do mundo com o maior número de obras certificadas por sustentabilidade, atrás apenas dos Estados Unidos, China e Emirados Árabes Unidos, segundo dados do Green Building Council Brasil (GBC). No entanto, essa prática ainda é adotada predominantemente em empreendimentos comerciais.

“As empresas se preocupam muito com essa questão até para passar uma boa imagem ao público. Por isso estão investindo cada vez mais em práticas sustentáveis”, diz Afonso Celso Bueno Monteiro, presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (CAU/SP).

Monteiro acredita que esse movimento pode começar a conquistar mais adeptos também em projetos residenciais.  “As pessoas estão mais conscientes e cada um querendo também fazer a sua parte. Porém, muitas não sabem exatamente como e o que pode ser feito ou acreditam que para isso seja necessário um alto investimento”, afirma o presidente do CAU.

Uma casa deve atender a inúmeras exigências técnicas para ser considerada plenamente sustentável, desde a escolha do material utilizado na sua construção. Ainda assim, segundo o especialista, é possível adotar medidas simples e de baixo custo, como também hábitos corretos no dia a dia, que dão ótimos resultados e certamente contribuem com o meio ambiente. A seguir, ele sugere algumas práticas que podem ser facilmente adotadas para se ter uma casa sustentável:

– Quanto mais e maiores forem as janelas, melhor se aproveita a luz natural. Além de economizar energia elétrica, garante uma boa ventilação;

– Nas janelas, pode-se instalar toldos e brises, evitando o superaquecimento da casa especialmente nos dias de calor, evitando também o uso de ventiladores ou ar-condicionado;

– Prefira as lâmpadas fluorescentes ou as de LED, que são bem mais econômicas e duráveis do que as incandescentes;

– Com queda dos preços observada nos últimos anos, os painéis de energia solar estão se tornando cada vez mais acessíveis e já são uma alternativa a ser considerada para reduzir o consumo de energia elétrica;

– Responsável por um dos maiores desperdícios de água, a descarga pode se tornar mais econômica se tiver uma caixa acoplada. Com dois botões diferentes, pode-se dar descarga com apenas três litros de água (botão menor) ou seis litros (botão maior);

– Com o uso de calhas, cisternas ou tanques, pode-se coletar a água da chuva e aproveitá-la em situações que não exigem água potável, como regar o jardim, lavar carro e quintal ou até mesmo na descarga dos vasos sanitários;

– Usar torneiras com aerador (espécie de “chuveirinho”), que garante uma menor vasão de água, mas a sensação é justamente a contrária;

– Ao comprar aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos, escolha aqueles que têm o selo Procel, que indica melhor eficiência energética. Ou seja, consomem bem menos.

……………………
*Fonte: ciclovivo

 

house_sus

Tinta térmica pode substituir ar condicionado

A NASA desenvolveu uma tinta à base de água e microesferas ocas de vidro, capaz de reduzir a temperatura e o consumo de energia dentro das residências. Em alta no mercado internacional, a tinta térmica é a mais barata das soluções utilizadas nas obras de isolamento térmico.

O material pode ser aplicado em qualquer superfície, mas o efeito é intensificado quando é utilizada para revestir os telhados das construções, já que a parte superior recebe maior incidência dos raios solares. Os telhados revestidos com o material reduzem em até 60% o consumo de energia elétrica utilizado para refrigerar casas, prédios, indústrias e estabelecimentos comerciais.

No começo, os cientistas da NASA criaram a tinta térmica para ser aplicada em aeronaves, navios e tubulações, a fim de diminuir o calor dentro destas estruturas. Porém, a solução passou a ser comercializada em lojas de construção nos EUA e rapidamente se popularizou, já que a tinta térmica é mais barata e sustentável do que a espuma de poliuretano, material derivado do petróleo usado na maior parte das obras de isolamento térmico.

De acordo com Walter Crivelente Ferreira, diretor da empresa WC Isolamento Térmico, o revestimento pode até mesmo tomar o lugar do ar condicionado. “Se o local for bem ventilado, a sensação térmica no ambiente interno se torna agradável, sem precisar de ar condicionado”, garante o fornecedor do material.

Mesmo ganhando espaço cada vez maior no mercado, a tinta não é reconhecida para os projetos de revestimento térmico. De acordo com Crivelente, as licitações públicas ainda exigem o poliuretano nas obras. No entanto, as Nações Unidas estão elaborando um regulamento para adotar materiais de revestimento mais sustentáveis, sem data para ser entregue.

O diretor da empresa fornecedora acredita que o brasileiro deve aderir à novidade. “As vendas por aqui ainda vão crescer”, afirmou Crivelente, que leva o serviço para muitas indústrias. A nova tinta tem propriedades semelhantes às convencionais e custa a metade do preço das espumas de poliuretano. O efeito térmico dura cerca de cinco anos e a aplicação pode ser feita pelos proprietários.

…………….
*Fonte: ciclovivo

tinta_termica