Dubai usa drones para criar chuvas artificiais e enfrentar ondas de calor de até 50°C

O Oriente Médio é uma das regiões mais secas do planeta Terra, e pode se tornar inabitável em meados deste século devido às temperaturas crescentes e falta de chuvas. E como um esforço para diminuir o agravamento das condições climáticas na região, os Emirados Árabes Unidos (EAU) estão usando drones que estão fazendo “chover” em locais áridos.

Vídeos recentes divulgados pela agência climática do EAU mostram chuvas pesadas caindo no deserto. Só que as gotículas foram resultado de um teste piloto com drones não tripulados que descarregam eletricidade no meio das nuvens de tempestade. As cargas elétricas são tão potentes que a chuva consegue chegar ao solo, mesmo com temperaturas beirando a casa dos 50°C quase que diariamente.

Nuvens são feitas de gotas de água, mas as gotas são muito pequenas para caírem sozinhas do céu. Descargas elétricas incentivam essas pequenas gotículas a colidirem e se condensarem em gotas maiores, até que chega o ponto que elas caem, formando chuvas e tempestades. O problema é que em lugares muito quentes ou secos, como os Emirados Árabes Unidos, até as gotas maiores não são grandes o suficiente para cair. Como consequência desse clima extremamente seco, a chuva evapora antes mesmo de chegar ao chão.

É aí que a técnica de cargas elétricas poderia ajudar a encorpar essas gotículas para que elas alcancem o chão do deserto. Pesquisadores das Universidades de Bath e Reading que estão por trás do sistema gastaram tempo modelando o mecanismo, além de fazer testes em balões no ano passado para avaliar sua eficácia. No início deste ano, começaram os testes com drones. Segundo o The Washington Post, cientistas receberam US$ 1,5 milhão (R$ 7,8 milhões na conversão direta) para tocar o projeto pelos próximos três anos.

Os Emirados Árabes Unidos não são o único país que fazem experimentos com chuva “tecnológica”. A China tem um grande plano para usar cargas elétricas nas nuvens do Himalaia, enquanto Coréia do Sul e Tailândia usaram a mesma técnica para a chuva varrer a poluição do ar. Há ainda tecnologias que tentam fazer o contrário — ou seja, parar de chover. Foi o que aconteceu na Indonésia, que no ano passado sobrecarregou nuvens com partículas para interromper as fortes chuvas.

Seca no Oriente Médio
A média anual de precipitação nos Emirados Árabes Unidos é uma das mais baixas do mundo: inferior a 10,2 centímetros. Ao mesmo tempo, o país tem uma das mais altas taxas de consumo de água do mundo por pessoa, de acordo com a Administração Comercial Internacional dos EUA. Os números do governo também mostram que o país dessalina 42% de sua água, embora seja um processo caro e requer grandes quantidades de energia.

Emitir pequenos pulsos elétricos nas nuvens para gerar chuva poderia ajudar a abastecer os reservatórios de água ou tomar parte do trabalho que hoje fica a cargo da dessalinização, só que por um custo muito menor. Mesmo assim, os Emirados devem se tornar uma região ainda mais seca e quente nos próximos anos. Dados do Banco Mundial apontam que, se as emissões de carbono continuarem aumentando, o país poderia aquecer 2,4 graus Celsius em século ao meio.

*Por Brian Kahn
………………………………………………………………………………………….
*Fonte: gizmodo

BOA NOTÍCIA: LEGO anuncia protótipo de peças feitas de plástico reciclado

BOA NOTÍCIA: LEGO anuncia protótipo de peças feitas de plástico reciclado

A LEGO anunciou recentemente um tijolo protótipo feito de plástico reciclado que atende aos padrões da empresa para o icônico brinquedo de construção.

O novo protótipo utiliza plástico PET de garrafas descartadas, mas atende a todos os rígidos requisitos de qualidade e segurança da empresa.

Uma equipe de mais de 150 cientistas e engenheiros está trabalhando para encontrar soluções sustentáveis ​​para os produtos LEGO. Nos últimos três anos, eles testaram mais de 250 variações de materiais PET e centenas de outras formulações. O resultado é um tijolo que atende a vários requisitos de jogo – incluindo potência de embreagem.

“Estamos muito entusiasmados com esta descoberta”, disse o vice-presidente de responsabilidade ambiental da LEGO, Tim Brooks.

“O maior desafio em nossa jornada de sustentabilidade é repensar e inovar novos materiais que sejam tão duráveis, fortes e de alta qualidade quanto os tijolos existentes – e que se encaixem com os elementos LEGO feitos nos últimos 60 anos.”

No entanto, levará algum tempo até que os tijolos feitos de material reciclado apareçam nas lojas. A próxima fase de testes deve levar pelo menos um ano, mas eles têm uma patente pendente sobre a formulação do material que “aumenta a durabilidade do PET para torná-lo forte o suficiente para os tijolos de LEGO”.

“Mesmo que demore um pouco até que possamos brincar com tijolos feitos de plástico reciclado, queremos que as crianças saibam que estamos trabalhando nisso e que venham na jornada conosco.” disse Brooks.

“Experimentar e fracassar é uma parte importante do aprendizado e da inovação. Assim como as crianças constroem, desmontam e reconstroem com peças de LEGO em casa, estamos fazendo o mesmo em nosso laboratório”.

O protótipo é feito de PET reciclado de fornecedores nos Estados Unidos que usam processos aprovados pela US Food & Drug Administration (FDA) e European Food Safety Authority para garantir a qualidade. Em média, uma garrafa PET de plástico de um litro fornece matéria-prima suficiente para dez pequenos tijolos de LEGO.

Em 2020, a empresa anunciou que começará a remover o plástico descartável de suas caixas. E, a empresa disse que vai investir até US $ 400 milhões ao longo de três anos até 2022 para acelerar suas ambições de sustentabilidade.

VEJA como eles estão transformando o lixo plástico …

…………………………………………………………………………………………..
*Fonte: seuamigoguru

Uma manobra extremamente arriscada salvou o telescópio espacial mais poderoso do mundo

A NASA finalmente consertou seu Telescópio Espacial Hubble depois de semanas passando por uma falha misteriosa.

Na sexta-feira, a agência anunciou que o Hubble havia ligado com sucesso o hardware de backup que parou de funcionar há mais de um mês. Agora os engenheiros da NASA estão lentamente retornando o telescópio para o estado totalmente operacional. O processo pode levar alguns dias.

“Eu estava muito preocupado”, disse o administrador associado da NASA Thomas Zurbuchen em uma entrevista na sexta-feira com Nzinga Tull, que liderou a equipe do Hubble através da solução de problemas. “Todos sabíamos que isso era mais arriscado do que normalmente fazemos.”

Hubble é o telescópio espacial mais poderoso do mundo, mas está ficando velho. Foi lançado em órbita em 1990. Ele fotografou o nascimento e mortes de estrelas, avistou novas luas circulando Plutão, e rastreou dois objetos interestelares atravessando nosso Sistema Solar.

Suas observações permitiram aos astrônomos calcular a idade e a expansão do Universo e observar galáxias formadas logo após o Big Bang.

Embora a NASA provavelmente tenha corrigido o problema, é um sinal de que a idade do Hubble pode estar começando a interferir com a ciência que ele nos permite realizar. O telescópio não é atualizado desde 2009, e parte de seu hardware tem mais de 30 anos.

“Esta máquina é antiga, e está meio que nos dizendo: Olha, eu estou ficando um pouco velho aqui, certo? Está falando conosco”, disse Zurbuchen. “Apesar disso, temos mais ciência para fazer, e estamos animados com isso.”

Astronautas visitaram o Hubble para reparos e manutenção em cinco ocasiões. (NASA)
Uma manobra arriscada salvou o telescópio espacial mais poderoso do mundo
O computador de carga do Hubble – uma máquina dos anos 1980 que controla e monitora todos os instrumentos científicos da espaçonave – de repente parou de funcionar em 13 de junho. Engenheiros tentaram e falharam em reiniciá-lo várias vezes.

Finalmente, depois de realizar mais testes de diagnóstico, eles perceberam que o computador não era o problema – algum outro hardware na sonda estava causando o problema.

Ainda não está totalmente claro qual peça de hardware foi a culpada. Os engenheiros suspeitam que uma falha na Unidade de Controle de Energia (PCU, na sigla em inglês) do telescópio instruiu o computador a desligar. A PCU poderia estar enviando a elétrica errada para o computador, ou o próprio sistema contra falhas poderia estar com defeito.

Mas a NASA estava preparada para questões como esta. Cada parte do hardware do Hubble tem um backup instalado no telescópio no caso de falhar. Então os engenheiros tiveram que mudar para o hardware de backup.

A NASA já reiniciou o Hubble usando este tipo de operação antes. Em 2008, após uma queda de computador que tirou o telescópio do ar por duas semanas, os engenheiros mudaram para hardware redundante.

Um ano depois, os astronautas repararam dois instrumentos quebrados enquanto estavam em órbita – essa foi a quinta e última operação de manutençãodo Hubble. (A NASA não tem mais como lançar astronautas para o telescópio espacial.)

Ainda assim, a troca de hardware desta semana foi uma manobra arriscada.

“Você não pode ver a espaçonave, você não pode ver enquanto acontece. Você tem que ter certeza de que seus uploads de comando farão exatamente o que você pretende fazer”, disse Paul Hertz, diretor da divisão de astrofísica da NASA, ao Insider na semana passada.

“Você simplesmente não quer estragar nada acidentalmente”, acrescentou.

O que não ajudou foi o fato que os engenheiros não poderiam simplesmente mudar a PCU com defeito. A unidade está conectada a muitos outros componentes, então a NASA teve que trocar outro hardware, também.

A agência também usou o computador de carga de backup em vez do original, apenas por segurança. Ele ligou corretamente, os engenheiros o carregaram com software atualizado, e agora está em “modo de operações normais”, disse a NASA em sua atualização de sexta-feira

“Eu me sinto super animado e aliviado”, disse Tull. “Fico feliz em ter boas notícias para compartilhar.”

Fazer o Hubble praticar ciência de novo levará alguns dias.
Agora a equipe do Hubble tem que começar a ligar os instrumentos científicos do telescópio. Pode levar até uma semana para voltar às operações completas, de acordo com Hertz.

Ainda há um mistério a ser resolvido: por que o telescópio parou de funcionar?

Seja qual for o hardware defeituoso, o Hubble não tem mais um backup agora. Se falhar de novo, isso pode ser o fim do Hubble.

“Seja qual for esse componente, está em muitos outros satélites”, disse Hertz. “Queremos sempre entender o que funciona e o que não funciona no espaço.” [Science Alert]

*Por Marcelo Ribeiro
……………………………………………………………………………………….
*Fonte: hypescience

Fone Bluetooth realiza tradução simultânea e permite conversar em 40 idiomas por 12 horas

Um fone bluetooth é capaz de não só traduzir uma conversa simultaneamente em 40 idiomas, como também permite que essa conversa dure cerca de doze horas.

Esse fone de ouvido, chamado de Timekettle WT2 Edge, é um modelo sem fio, similar aos AirPods, da marca Apple.

Promessas do fone Bluetooth
A promessa é traduzir até 40 idiomas, funcionando de forma bidirecional em conversas em diferentes línguas com precisão de 95%.

Além disso, de acordo com o fabricante, o processo todo é rápido e essa função será disponibilizada após o usuário baixar o aplicativo, que estará disponível tanto para Android quanto para iPhone (iOS).

Segundo o fabricante, o diferencial e a principal promessa é a tradução ao vivo, onde é possível escutar o seu interlocutor falar de forma traduzida, enquanto outra pessoa também poderá ouvir o interlocutor, em seu próprio idioma.

Para que a tradução simultânea ocorra, é preciso baixar o aplicativo para determinar os idiomas, tanto de entrada quanto de saída.

Logo após, é possível compartilhar um dos lados do fone com a outra pessoa, de forma presencial.

Com a duração de cerca de doze horas, o principal foco do dispositivo está em auxiliar pessoas que não tem domínio de uma certa língua, a auxiliando em, por exemplo, uma reunião de trabalho.

Além disso, outra utilidade do Timekettle WT2 Edge seria em viagens internacionais, ou até mesmo para alunos em intercâmbio, que enfrentam dificuldades na língua estrangeira.


Preço e previsão de entrega para o Brasil

O projeto estava em processo de financiamento coletivo no site Indiegogo, tendo recentemente batido a sua meta.
O Timekettle WT2 Edge irá custar US$ 109 (aproximadamente R$ 605), com envio para o Brasil por US$ 10 (cerca de R$ 55).
A previsão de entrega do fone bluetooth sem fio está prevista ainda para o próximo mês, em abril.

*Por Rafael Pires Jenei
……………………………………………………………………………
*Fonte: engenhariahoje

9 coisas que você precisa saber sobre Nikola Tesla

Nascido em 1856 na região da atual Croácia, Nikola Tesla foi um inventor, físico e engenheiro elétrico sérvio-americano. Tesla é famoso pelas contribuições para o projeto do sistema de eletricidade de corrente alternada e por invenções que até hoje chamam a atenção da cultura popular.

O inventor nutria o interesse por sistemas de iluminação sem fio e seus experimentos exploravam a distribuição de energia de alta tensão e frequência. Também foi uma das primeiras pessoas a manifestar a possibilidade de comunicação sem fio intercontinental e tentou colocar essa ideia em prática na época, sem sucesso. A tentativa ficou conhecida como o projeto da Torre Wardenclyffe.

Em 1960, a Conferência Geral sobre Pesos e Medidas introduziu o termo “tesla” ao Sistema Internacional de Unidades para a medida de intensidade do campo magnético. Vários fatos e curiosidades como essa rondam o nome e a reputação do inventor. Confira:

1. Tesla nasceu durante uma tempestade de raios
Nikola Tesla nasceu em 10 de julho de 1856, durante uma tempestade de raios bem forte. Ironicamente, a parteira afirmou que o garoto seria uma “criança da escuridão”, por considerar a tempestade um sinal ruim. A mãe retrucou dizendo “não, da luz”.

2. Ele foi um ambientalista
Além de se preocupar com o consumo desenfreado de recursos do planeta, o inventor defendia o desenvolvimento de combustíveis renováveis e pesquisou métodos de gerar energia pelo solo e pelo ar, alternativas que poderiam substituir o consumo e impacto do combustível fóssil. Tesla também apoiava melhorias na qualidade de vida humana sem o objetivo de criar fortuna: talvez por isso, apesar de suas contribuições à sociedade, morreu pobre.

3. Imaginou a internet sem fio (em 1901)
Enquanto desenvolvia um rádio transatlântico, Tesla imaginou um sistema que coletasse informações e pudesse transmiti-las para aparelhos portáteis. Muitas de suas ideias nunca iam além da sua imaginação, já que algumas não tinham como ser aplicadas, mas o conceito elaborado por ele era basicamente o que conhecemos como internet móvel hoje em dia.

4. Tinha hábitos obsessivo-compulsivos e sofria de misofobia
Ao longo da vida, Tesla demonstrou ser um profissional bastante disciplinado e mantinha uma rotina bem delimitada. Alguns acreditam que ele só dormia duas horas por noite, talvez porque não conseguia dormir mais ou porque se forçava a isso. Também era obcecado pelo número 3 e usava 18 guardanapos, um número divisível por 3, para limpar sua sala de jantar antes das refeições — possível sintoma de misofobia, a aversão a germes e sujeira.

5. Tinha ótima memória
A memória de Tesla era eidética, ou seja, fotográfica, e ele conseguia lembrar o conteúdo de livros inteiros e imagens em grandes detalhes.


6. O governo americano ainda guarda documentos secretos que pertenciam a ele
Quando Tesla morreu, em 1943, um dos escritórios do governo americano recolheu todos os pertences do inventor. A maioria das coisas foi devolvida a sua família e outros itens foram doados para o Museu Tesla em Belgrado, capital da Sérvia. Curiosamente, vários documentos pessoais dele continuam nas mãos dos Estados Unidos e nunca foram divulgados.

7. Ele acreditava que quase tinha provocado um terremoto em Manhattan
Em seu desafio de criar eletricidade mais eficiente, Tesla chegou a pensar que havia inventado uma máquina de terremotos, que sacudiram seu prédio e vizinhos em Manhattan ao conduzir experimentos. Mais tarde, ele percebeu que os tremores eram efeito de seu oscilador de alta frequência, gerador elétrico movido a vapor.


8. Apagou uma estação de energia em Colorado
Quando transferiu suas operações para a cidade de Colorado Springs, em 1899, Tesla produziu experimentos em um laboratório com uma torre e um mastro de metal com 43 metros, formando raios artificiais que supostamente teriam criado trovões e faíscas a até 15 quilômetros de distância. O teste teria assustado moradores e causado o apagão em uma companhia de energia da região.


9. Thomas Edison e Tesla não foram arqui-inimigos

Os dois aclamados inventores nunca foram adversários de verdade e até trabalharam juntos no desenvolvimento de geradores de corrente contínua. A relação entre os dois poderia ser descrita, no máximo, como “rivalidade de negócios”.

*Por Humberto Abdo
………………………………………………………………………………………………
*Fonte: revistagalileu

Lightyear One: carro elétrico movido a energia solar tem autonomia de 700 km com apenas uma recarga

A Lightyear, fabricante holandesa que é pioneira em veículos elétricos solares, alcançou um grande marco de desempenho e autonomia ao dirigir 441 milhas (710 km) com o protótipo do One. Nunca antes um EV dirigiu tão longa distância com uma bateria relativamente pequena – apenas 60 kWh.

Lex Hoefsloot, CEO e cofundador da startup, explicou que o carro conseguiu registrar o grande alcance com um consumo de energia de apenas 137 Wh por milha, isso a 53 milhas por hora. “Mesmo os carros elétricos mais eficientes do mercado hoje consomem cerca de 50% a mais de energia a esta velocidade relativamente baixa”, disse ao site Automotive World.

“Após quatro anos de trabalho árduo e desenvolvimento interno, este é um marco de engenharia e tecnológico muito importante. Isso valida o desempenho de nossa patente e mostra verdadeiramente que somos capazes de cumprir nossa promessa de apresentar o veículo elétrico mais eficiente [do mundo]”, afirmou Hoefsloot – confira o teste do Lightyear One abaixo, em vídeo:

O protótipo do carro elétrico movido a energia solar foi posto à prova na pista de testes Aldenhoven Testing Center, na Alemanha, onde completou um ciclo de direção a uma velocidade de 53 milhas/hora com uma única carga da singela bateria de 60 kWh. A provação foi responsável por avaliar aspectos da máquina, desde a validação do rendimento dos painéis solares, desempenho da bateria, consumo de energia do sistema de refrigeração, até o funcionamento dos motores de roda e do software que opera o automóvel.

Sem contar que a etapa de ciclo completo conduzido é crucial para verificar e comprovar todas as suposições de desempenho do “veículo solar”. Além da validação do desempenho técnico do carro movido a esse tipo de energia que ocorreu na Alemanha, outros próximos testes ocorrerão em 2021 para o processo de homologação, como os exames de colisão e um de ciclo de direção oficial (WLTP).

“Este marco é uma grande confirmação da escalabilidade do nosso modelo de negócios. Estamos confiantes de que, nos próximos meses, conseguiremos atingir um nível semelhante de consumo de energia na velocidade das rodovias”, complementou Hoefsloot, que ainda explicou que reduzir o consumo de energia por quilômetro de um EV significa fornecer, com uma bateria pequena, muito mais alcance. “Como as baterias são a parte mais cara de um EV, você pode reduzir o preço de compra do carro e obter elétricos acessíveis com uma grande autonomia e que não precisa de muita carga”.

Ainda de acordo com o CEO, a Lightyear está comprometida com a missão de tornar a mobilidade limpa disponível para todas as pessoas e em todos os lugares. E boas notícias para quem quer comprar o carro elétrico movido a energia solar e ficar meses sem carregar: atualmente, a fabricante está se preparando para a comercialização oficial do One.

Uma série exclusiva do modelo entrará em produção no primeiro semestre de 2022. Segundo a Lightyear, o desejo é atender ao mercado em massa a partir de 2024.

*Por Arthur Henrique
……………………………………………………………………………………….
*Fonte: olhardigital

Caneta que possibilita a criação de letras e desenhos perfeitos

Uma incrível tecnologia chamada AxiDraw V3 possibilita a criação de letras e desenhos perfeitos.A nova ferramenta possui rodas de rolamento suave em extrusões de alumínio, tudo especialmente concebido para alta precisão e leveza. Sua construção oferece qualidade e permite ser operada até duas vezes mais rápido do que o modelo anterior.

A atual AxiDraw V3 é moderna, precisa e versátil, capaz de escrever ou desenhar em praticamente qualquer superfície plana. Ela pode utilizar canetas, marcadores permanentes, e outros instrumentos de escrita para lidar com uma variedade infinita de aplicações.

*Por Ademilson Ramos

……………………………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

Veja como carregar seu celular de forma rápida e segura

“Há diferença alguma entre recarregar o celular em uma tomada de 110 ou 220 volts?”
A resposta é não. Isso porque os celulares não trabalham com essa tensão. O que os carregadores fazem é converter os 110 ou 220 volts em corrrente alternada que chegam pela tomada em cerca de 5 volts em corrente contínua, que são adequados para alimentar as baterias dos celulares. E essa tensão de saída é independente da entrada.


“Usar o celular enquanto ele carrega é seguro?”
Sim, embora isso possa aumentar o tempo de recarga já que o aparelho está em uso, com a tela ligada e o processador trabalhando mais, consome mais do que um aparelho em repouso, por exemplo.

“É perigoso viciar a bateria se o celular ficar ligado à tomada durante a noite toda?”
Não. O celular usa um software inteligente para gerenciar o processo de carregamento com base no perfil do usuário, para evitar a redução da vida útil da bateria.


“Usar um carregador mais potente faz diferença?”
Sim, mas “depende”. Um carregador USB básico de 5 Watts entrega uma tensão de 5 volts a 1 ampére, mas um carregador rápido de 20 Watts, por exemplo, entrega 9 volts a 2 ampéres. Ou seja, mais tensão e mais corrente.


“Posso usar um carregador de uma marca para carregar um celular de outra”?
Sim, não há problemas. O que pode acontecer é que em alguns casos os sistemas de carga não sejam compatíveis, é o celular carregar no modo mais lento.


“É verdade que carregadores piratas podem estragar o celular?”

Evite carregadores piratas a todo custo. Eles podem, sim, danificar seu celular e até mesmo te colocar em risco de ferimentos ou morte.

“Carregar o celular no modo avião é mesmo mais rápido”?
Sim, essa é uma dica que funciona de verdade. Isso porque nesse modo os rádios (Bluetooth, Wi-Fi, GPS) são desligados, e eles estão entre os componentes que tem maior consumo de energia em um celular.


“É normal o celular esquentar enquanto carrega?”
Sim. Calor é um “subproduto” da reação química que ocorre dentro das baterias quando elas são carregadas.

*Por Ademilson Ramos
………………………………………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

6G irá revolucionar a internet e permitirá inteligência artificial e sensação de toque

A rede 6G irá revolucionar a internet, contando com diversas novidades, como inteligência artificial, sensação de toque e diversas outras.

No Brasil, pesquisas já estão sendo realizadas para ajudar na definição do 6G, como suas funcionalidades e casos de uso que serão importantes para o país para o 6G, que poderá sair do papel no início de 2030.

Os responsáveis pela pesquisa são especialistas do Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), em Santa Rita do Sapucaí (MG) junto à Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP)..

Segundo o professor e coordenador de pesquisa do Centro de Referência em Radiocomunicações do Inatel, Luciano Leonel Mendes, o 6G não trará apenas a comunicação, como também o uso de imagem, de sensoriamento, do processamento inteligente e a questão do posicionamento e mapeamento para dentro do contexto de comunicação móvel.

“Ela vai ser uma rede que vai integrar de forma transparente os mundos digitais, o físico e o biológico em um ecossistema que a gente vai poder interagir com os dispositivos reais e virtuais de forma muito mais transparente do que aquilo que a gente faz hoje”

Luciano Leonel Mendes

O Brasil é um dos primeiros países a ingressar nessa linha e o objetivo das pesquisas atuais é não deixar nenhum tipo de lacuna, para que atenda a todas as demandas.

6G irá revolucionar a internet com uma integração completa com a rede
De acordo com o professor, a integração completa com a rede permitirá diversas funcionalidades, como:

“Por exemplo, imagine um sistema de segurança de um aeroporto, onde você possa simplesmente entrar e automaticamente os sensores disponíveis no ambiente verificam se você possui alguma arma química, se você tem algum explosivo, se você tem alguma ameaça, scanners já conseguem identificar se você está carregando uma faca, uma arma, o sistema de identificação já verifica qual a sua identidade e permite o acesso ao ambiente”

Luciano Leonel Mendes

Entre outras funções, está:

. comandar máquinas sem um dispositivo específico em mãos, pois será utilizado inteligência artificial (IA).
. diversas utilidades para a medicina, como fazer a análise de exames, sem um médico, medições e . . . identificar alterações em parâmetros sanguíneos em tempo real, entre outros;
. atender telefone pelo vidro de um carro;
. menor tempo/resposta necessários para uma ação ser desenvolvida via internet.

Outro chamativo do 6GG é a sensação de toque e transmissão de sentimentos.

Sensação de toque e transmissão de sentimentos
Segundo o professor, será possível fazer a transmissão desse tipo de informação utilizando uma interface cérebro-máquina.

Será possível transmitir o sentimento e a sensação de toque que o usuário teve no momento, como até mesmo virtualmente abraçar uma outra pessoa através do uso do 6G.

*Por Rafel Pires Jenei
…………………………………………………………………………………………….
*Fonte: engenhariahoje

Socorro! O computador de backup do Hubble também quebrou

Há quase duas semanas, a NASA tenta religar o Telescópio Espacial Hubble depois que ele misteriosamente parou de funcionar em 13 de junho.

Mas consertar o telescópio de 31 anos ficou muito mais complicado.

Após uma série de testes durante a última semana, pesquisadores descobriram que o computador de backup do Hubble — o computador para o qual eles planejavam mudar caso suas tentativas de consertar o telescópio falhassem — também parece danificado, de acordo com o Insider.

Possível Culpado
O computador de backup foi ligado “pela primeira vez no espaço”, desde que os astronautas o instalaram em 2009, disse a NASA em seu blog. Quando isso aconteceu, a agência descobriu que o computador de backup estava passando o mesmo problema que o computador principal.

Isso significa que o hardware principal nem o de backup são a fonte dos problemas do Hubble. Em vez disso, pode ser hardware em módulos separados, como o regulador que alimenta os computadores, ou um formatador de dados que está causando problemas.

“Como é altamente improvável que todos os elementos de hardware individuais tenham problema, a equipe agora está analisando outro hardware como o possível culpado”, disse a NASA na atualização.

A última viagem do Hubble
Desde que entrou em órbita em 1990, o icônico telescópio foi responsável por algumas das descobertas mais inovadoras e cativantes da história astronômica moderna, incluindo a descoberta de novas luas ao redor de Plutão, permitindo que os pesquisadores calculassem a idade do universo, e mostrando aos astrônomos imagens de galáxias que se formaram logo após o Big Bang.

Assim, a perda do Telescópio Espacial Hubble seria o fim de uma era para a exploração espacial moderna e a ciência como a conhecemos, não muito diferente da perda de Da Vinci para o mundo da arte.

Se isso sinalizar o fim do Hubble, a NASA usará um sistema instalado em 2009 para guiá-lo de volta à atmosfera da Terra, onde queimará na reentrada — dando ao telescópio uma última oportunidade para permitir que todos o admiremos enquanto nos despedimos.

*Por Marcelo Ribeiro
…………………………………………………………………………………
*Fonte: hypescience

Balão gigante vai levar turistas à “beira” do espaço

As viagens para o espaço, ainda mais as turísticas, podem até parecer coisa de filme, só que agora se aproximam da realidade. Inclusive, se por acaso pensou que seria em um foguete, saiba que há outras opções. A empresa Space Perspective anunciou que fará uma viagem até a “beirada” do espaço com um balão gigante.

Após o primeiro teste, o qual chegou a uma altitude de 33 quilômetros, a empresa de viagens espaciais disse que oferecerá o passeio a partir de 2024. O valor da passagem será de US$ 125 mil, ou R$ 613,5 mil, na cotação atual.

O custo pode soar caro e inclui o transporte de outras sete pessoas durante seis horas no balão, chamado de Spaceship Neptune. A estrutura conta com um bar e banheiro, com expectativa de que chegue a altura de 30 quilômetros, que é quase três vezes a de um avião normal.

A empresa explicou que o lançamento será feito a partir do Aeroporto Regional da Costa Espacial, na Flórida, próximo do Kennedy Space Center, que é de onde saem os foguetes da Nasa e da SpaceX. Porém, o destino ainda é incerto e depende de como os ventos vão se comportar na ocasião.

Já a aterrissagem poderá acontecer no oceano Atlântico ou próximo ao Golfo do México, local onde o teste realizado pela Space Perspective no último 18 de junho parou.

Ao site “Space News”, a cofundadora da empresa, Jane Poynter, revelou que foram registradas 25 inscrições de pessoas interessadas durante um evento online de anúncio da novidade e que o número total já seria “muito maior”.

A ideia de ter o passeio pelo espaço é mais uma na disputa pelo mercado de turismo espacial. Tanto que pela Blue Origin, Jeff Bezos (CEO da Amazon) anunciou que irá viajar para o espaço no próximo dia 20 de julho junto do irmão.

Ademais, o Spaceship Neptune chegará a cerca de 30 quilômetros, enquanto as empresas com foguetes alcançarão a linha de Kármán (100 quilômetros), que define o limite entre a atmosfera da Terra e o espaço.

Mas, cá entre nós, dessa altitude, já vai dar para ver a curvatura da Terra e a cor real do espaço profundo, podendo ser considerado como “espaço” para muita gente.

*Por Gabriela Bulhões
………………………………………………………………………………………..
*Fonte: olhardigital

Windows 11: primeira “prévia” do sistema está disponível para download

A Microsoft lançou nesta segunda-feira (28) a primeira prévia da próxima geração do Windows, o Windows 11. Entretanto, esta versão ainda é incompleta, sem recursos como a integração com o Teams ou o suporte a apps Android.

Entre os novos recursos presentes na versão 22000.51 estão as janelas com cantos arredondados, a nova barra de tarefas centralizada, novo Menu Iniciar, novos temas, Snap Groups e Snap Layouts (que facilitam a organização de grupos com múltiplos apps e janelas), e um novo painel de controle.

Menu Iniciar e barra de tarefas centralizada no Windows 11. Imagem: Reprodução
Para rodar o sistema o computador precisa atender a alguns requisitos. Entre eles ter um processador de 64 Bits com 2 ou mais núcleos rodando a pelo menos 1 GHz, 4 GB de RAM, um HD de 64 GB ou maior, uma tela HD (720p) com mais de 9 polegadas na diagonal, BIOS UEFI compatível com SecureBoot e um módulo TPM 1.2 ou 2.0 habilitado.

A Microsoft desenvolveu uma ferramenta para testar a compatibilidade de seu PC com o Windows 11. O sistema será uma atualização gratuita para quem já usa o Windows 10 em um PC compatível.

Para baixar o Windows 11 é necessário se cadastrar no programa Windows Insider (o que é gratuito). Depois, em um PC com Windows 10, vá até Configurações > Atualização e Segurança > Programa Windows Insider. Lá é necessário ativar o canal “Dev”, que contém software ainda em desenvolvimento.

Não custa lembrar que esta prévia é uma versão muito preliminar do Windows 11, que não deve ser instalada em máquinas que desempenham funções críticas ou das quais você depende no dia a dia para trabalhar ou estudar. A melhor forma de conhecer as novidades sem riscos é instalar o sistema em um PC “cobaia”.

A Microsoft ainda não anunciou quando o Windows 11 será lançado, mas tudo aponta para uma data entre 6 e 20 de Outubro.

*Por Rafael Rigues

…………………………………………………………………………………….
*Fonte: olhardigital

Por que jovens da geração Z estão abandonando seus smartphones

Enquanto o mundo parece cada vez mais controlado e dominado por smartphones – e nós, cada vez mais viciados nos gadgets -, um movimento de abandonar tais aparelhos vem ganhando força e adeptos entre os jovens, principalmente após o início da pandemia. É isso que afirma uma matéria da revista Huck, como tendência crescente entre a chamada “geração Z” como uma maneira de combater os efeitos do uso contínuo e incessante dos smartphones que, segundo pesquisas, podem provocar tristeza, ansiedade e depressão.

A matéria conversou com pessoas que não somente desligaram simplesmente seus aparelhos: algumas trocaram os tais telefones inteligentes – com conexão à internet e os tantos aplicativos disponíveis – pelos velhos “tijolões”, telefones vintage que somente fazem chamadas e enviam mensagens de texto. Alguns personagens entrevistados na reportagem escolheram o caminho do meio: ainda possuem um smartphone, mas o deixam em casa quando saem, usando-o somente para comunicação e notícias, como meio de combater a dependência.

Não é por acaso que desafios para testar quem suporta passar algum tempo sem smartphones se fazem cada vez mais recorrentes, e pela primeira vez as vendas dos antigos telefones celulares cresceram no ano passado pela primeira vez em anos: os malefícios comprovados do uso excessivo dos smartphones se agravarem no contexto da atual pandemia, na qual tudo é feito pelos aparelhos, e os quadros de depressão e ansiedade também se multiplicam. Quem largou o smartphone, no entanto, garante na matéria que os benefícios aparecem rapidamente.

“Em pouco tempo eu percebi uma melhora imensa no meu humor e na minha liberdade de pensamento”, diz Eden, personagem da reportagem, que aos 22 anos largou o smartphone depois que seu iPhone quebrou no início do ano passado – e desde então vem se sentido “um milhão de vezes maior”. A falta dos mapas e dos aplicativos de direcionamento são especialmente sentidas, mas a grande ausência entre os relatos é mesmo da música e das boas câmeras fotográficas: o próximo passo, quem sabe, será a retomada das icônicas câmeras digitais dos anos 90 e dos iPods.

*Por Vitor Paiva
………………………………………………………………………………………….
*Fonte: hypeness

Descoberta radical sugere que a expectativa de vida máxima do ser humano é de 150 anos

Sonhamos com uma época em que a medicina moderna permitirá aos humanos viver muito além da expectativa de vida que conhecemos hoje. Mas existe um limite superior do que é biologicamente possível?

Sim, de acordo com um novo estudo, que sugere que a expectativa de vida máxima humana provavelmente chega aos 150 anos de idade.

Somos uma plataforma dedicada ao conhecimento que só poderá continuar a existir graças a sua comunidade de apoiadores. Saiba como ajudar.

A pesquisa explora a ideia de envelhecimento biológico ou senescência – a rapidez com que nossos corpos se deterioram, o que pode ou não corresponder à nossa idade cronológica (quantos aniversários celebramos).

Nesse caso, os cientistas desenvolveram uma nova maneira de interpretar as variações no número de diferentes tipos de células sanguíneas, resultando em uma medida que eles chamaram de indicador dinâmico do estado do organismo (DOSI, do inglês dynamic organism state indicator).

Com o tempo, ele mostra a resiliência de nossos corpos diminuindo lentamente – um dos motivos pelos quais leva mais tempo para se recuperar de doenças e lesões quando ficamos mais velhos.

Presumindo que possamos evitar doenças, desastres e coisas como assassinato ao longo de nossa vida, o DOSI é um método confiável para mostrar quando essa resiliência acabaria completamente, dizem os pesquisadores.

“A extrapolação dessa tendência sugeriu que o tempo de recuperação do DOSI e a variação divergiriam simultaneamente em um ponto crítico de 120-150 anos de idade, correspondendo a uma perda completa de resiliência”, explicaram os pesquisadores em seu estudo.

As informações de contagem de células sanguíneas de mais de meio milhão de pessoas retiradas de bancos de dados de pesquisa no Reino Unido, Estados Unidos e Rússia foram analisadas, juntamente com dados de contagem de passos de 4.532 indivíduos para medir a taxa de declínio na aptidão do corpo das pessoas.

A contagem de células sanguíneas pode indicar uma série de problemas no corpo. Para garantir que fosse um bom indicador geral de saúde e recuperação do corpo, a equipe usou os dados de contagem de passos para verificar novamente seu raciocínio.

Outra descoberta feita a partir dos dados foi uma mudança nas trajetórias de envelhecimento a partir dos 35 anos, e novamente a partir dos 65 anos. Isso está de acordo com alguns dos limites que existem na sociedade, como a idade em que as pessoas tendem a se aposentar dos esportes de elite e a idade em que as pessoas geralmente se aposentam do trabalho em tempo integral.

Mais adiante, os pesquisadores disseram que o estudo poderia ser usado para informar tratamentos que podem ter como alvo doenças e enfermidades sem afetar a resistência biológica, e talvez um dia até mesmo estender o tempo de vida máximo possível. No entanto, precisaremos de muito mais pesquisas e muito mais dados primeiro.

A nova análise está geralmente de acordo com estudos anteriores que mencionaram uma vida útil máxima de cerca de 120-140 anos – embora, em qualquer tipo de análise numérica como essa, haja um certo grau de suposições e estimativas fundamentadas.

No momento em que este artigo foi escrito, a idade mais velha que alguém alcançou nos registros é de 122 anos e 164 dias, da francesa Jeanne Calment. O que este estudo postula é que, sem algumas mudanças bastante radicais em nossos corpos em um nível fundamental, seria difícil forçar muitos anos a mais em nossas formas frágeis.

“Concluímos que a criticidade que resulta no fim da vida é uma propriedade biológica intrínseca de um organismo que é independente de fatores de estresse e significa um limite fundamental ou absoluto da expectativa de vida humana”, escreveram os pesquisadores.

A pesquisa foi publicada na Nature Communications.

*Por Julio Batista
……………………………………………………………………………………………………….
*Fonte: universoracionalista

Cabo submarino que conecta Brasil à Europa começa a funcionar na terça-feira

O Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações anunciou que o primeiro cabo submarino de alta capacidade que liga o Brasil ao continente europeu vai começar a funcionar na próxima terça-feira (1º). Uma cerimônia vai ocorrer em Portugal para marcar o início das operações. O ministro Marcos Pontes estará presente no evento.

O cabo construído pela EllaLink conta apoio da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e teve o custo estimado em US$ 185 milhões. O equipamento deve conectar Fortaleza, no Brasil, com Sines, em Portugal, com passagens ainda pela Guiana Francesa, Ilha da Madeira, Ilhas Canárias e Cabo Verde.


Cabo submarino brasileiro

Uma das principais vantagens do cabo, apontada pelo ministério, é o fato de as informações não precisarem passar pelos Estados Unidos para chegarem na Europa, como ocorre atualmente com a maior parte das transmissões. No total, o cabo submarino possui 6 mil quilômetros de extensão.


A EllaLink diz que o sistema garante “acesso de alta qualidade aos serviços e aplicações de telecomunicações, por meio de uma conexão direta de alta velocidade e baixíssima latência”. A infraestrutura será usada para educação e pesquisa, mas também para serviços e nuvem e negócios digitais.

A empresa diz que o cabo é capaz de reduzir em 50% a latência da conexão atual. Além da rota pela água, conexões por terra devem ligar o cabo a estados como São Paulo e Rio de Janeiro. Além de Madrid, na Espanha e Marselha, na França.

O projeto do cabo submarino começou a ser pensado em 2013 e o processo de construção teve início em 2018.

 

Estrutura de cabo submarino no Brasil

No Brasil, o primeiro cabo submarino foi inaugurado em 1857. Ele fez parte da primeira linha telegráfica brasileira e interligava a Praia da Saúde, no Rio de Janeiro, à cidade de Petrópolis. Eram 15 km de cabo submarino em uma linha cuja extensão total era de 50 km.

Em 1874, veio o primeiro cabo totalmente submarino do país; inaugurado por D. Pedro II, ele conectava Rio de Janeiro, Salvador, Recife e Belém. No ano seguinte, foi criada a linha para ligar Recife, João Pessoa e Natal. Ainda em 1875, Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, participou da organização e do financiamento da instalação do primeiro cabo submarino internacional no país; instalado pela British Eastern Telegraph Company, ele conectou o Brasil a Portugal.

Em anos recentes, outros cabos submarinos foram lançados para interligar o Brasil a várias partes do mundo. Os apresentados na figura acima são os principais deles.


Os cabos submarinos atuais são de fibra óptica e permitem o transporte de todo tipo de informação digital — ou seja, telefone, internet e demais dados. Geralmente, eles têm 69 mm de diâmetro e pesam cerca de 10 kg por metro. Para águas profundas, no entanto, são usados cabos mais finos e leves. Todos os continentes, exceto a Antártida, são ligados por eles.

*Por Lucas Soares

 

……………………………………………………………………………..
*Fonte: ciclovivo

Veja quanto suas informações pessoais valem para os cibercriminosos – e o que eles fazem com elas

Violações de dados tornaram-se comuns e bilhões de registros são roubados em todo o mundo todos os anos. A maior parte da cobertura da mídia sobre violações de dados tende a se concentrar em como a violação aconteceu, quantos registros foram roubados e o impacto financeiro e legal do incidente para as organizações e indivíduos afetados pela violação. Mas o que acontece com os dados roubados durante esses incidentes?

Como pesquisador de segurança cibernética, acompanho violações de dados e o mercado negro de dados roubados. O destino dos dados roubados depende de quem está por trás da violação de dados e por que eles roubaram um determinado tipo de dados.

Por exemplo, quando os ladrões de dados são motivados a embaraçar uma pessoa ou organização, expor delitos percebidos ou melhorar a segurança cibernética, eles tendem a liberar dados relevantes para o domínio público.

Em 2014, hackers apoiados pela Coreia do Norte roubaram dados de funcionários da Sony Pictures Entertainment, como números de previdência social, registros financeiros e informações salariais, bem como e-mails entre os principais executivos. Os hackers então publicaram os e-mails para embaraçar a empresa, possivelmente em retribuição pelo lançamento de uma comédia sobre uma conspiração para assassinar o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un.

Às vezes, quando os dados são roubados por governos nacionais, eles não são divulgados ou vendidos. Em vez disso, é usado para espionagem. Por exemplo, a empresa hoteleira Marriott foi vítima de uma violação de dados em 2018, na qual informações pessoais de 500 milhões de hóspedes foram roubadas. Os principais suspeitos deste incidente foram hackers apoiados pelo governo chinês. Uma teoria é que o governo chinês roubou esses dados como parte de um esforço de coleta de inteligência para coletar informações sobre funcionários do governo dos EUA e executivos corporativos.

Mas a maioria dos hacks parece ser para vender os dados para ganhar dinheiro.

É (principalmente) sobre o dinheiro

Embora as violações de dados possam ser uma ameaça à segurança nacional, 86 por cento são sobre dinheiro e 55 por cento são cometidos por grupos criminosos organizados, de acordo com o relatório anual da Verizon sobre violações de dados. Os dados roubados muitas vezes acabam sendo vendidos online na dark web. Por exemplo, em 2018, os hackers colocaram à venda mais de 200 milhões de registros contendo informações pessoais de indivíduos chineses. Isso incluiu informações sobre 130 milhões de clientes da cadeia de hotéis chinesa Huazhu Hotels Group.

Da mesma forma, dados roubados da Target, Sally Beauty, PF Chang, Harbor Freight e Home Depot apareceram em um conhecido site do mercado negro online chamado Rescator. Embora seja fácil encontrar mercados como o Rescator por meio de uma simples pesquisa no Google, outros mercados na dark web podem ser encontrados apenas usando navegadores especiais.

Os compradores podem adquirir os dados de seu interesse. A forma mais comum de pagar pela transação é com bitcoins ou via Western Union. Os preços dependem do tipo de dados, sua demanda e sua oferta. Por exemplo, um grande excedente de informações de identificação pessoal roubadas fez com que seu preço caísse de US $ 4 por informações sobre uma pessoa em 2014 para US $ 1 em 2015. Despejos de e-mail contendo algo em torno de cem mil a alguns milhões de endereços de e-mail custam US $ 10, e bancos de dados de eleitores de vários estados são vendidos por US $ 100.

Para onde vão os dados roubados

Os compradores usam dados roubados de várias maneiras. Números de cartão de crédito e códigos de segurança podem ser usados ​​para criar cartões clonados para fazer transações fraudulentas. Números de seguro social, endereços residenciais, nomes completos, datas de nascimento e outras informações de identificação pessoal podem ser usados ​​no roubo de identidade. Por exemplo, o comprador pode solicitar empréstimos ou cartões de crédito com o nome da vítima e apresentar declarações fiscais fraudulentas.

Às vezes, informações pessoais roubadas são adquiridas por empresas de marketing ou empresas especializadas em campanhas de spam. Os compradores também podem usar e-mails roubados em ataques de phishing e outros ataques de engenharia social e para distribuir malware.

Os hackers almejaram informações pessoais e dados financeiros por muito tempo porque são fáceis de vender. Os dados de saúde se tornaram uma grande atração para ladrões de dados nos últimos anos. Em alguns casos, a motivação é a extorsão.

Um bom exemplo é o roubo de dados de pacientes da firma finlandesa de psicoterapia Vastaamo. Os hackers usaram as informações que roubaram para exigir um resgate não apenas de Vastaamo, mas também de seus pacientes. Eles enviaram e-mails aos pacientes com a ameaça de expor seus registros de saúde mental, a menos que as vítimas pagassem um resgate de 200 euros em bitcoins. Pelo menos 300 desses registros roubados foram postados online, de acordo com um relatório da Associated Press.

Dados roubados, incluindo diplomas médicos, licenças médicas e documentos de seguro também podem ser usados ​​para forjar um histórico médico.

Como saber e o que fazer

O que você pode fazer para minimizar o risco de dados roubados? O primeiro passo é descobrir se suas informações estão sendo vendidas na dark web. Você pode usar sites como haveibeenpwned e IntelligenceX para ver se seu e-mail fazia parte de dados roubados. Também é uma boa ideia assinar serviços de proteção contra roubo de identidade.

Se você foi vítima de uma violação de dados, pode seguir estas etapas para minimizar o impacto: Informe as agências de relatórios de crédito e outras organizações que coletam dados sobre você, como seu provedor de saúde, seguradora, bancos e empresas de cartão de crédito, e altere as senhas de suas contas. Você também pode relatar o incidente à Federal Trade Commission para obter um plano personalizado para se recuperar do incidente.

Autor: Ravi Sen
Professor associado de gerenciamento de informações e operações, Texas A&M University

…………………………………………………………………………………..
*Fonte: pensarcontemporaneo

Veja quanto suas informações pessoais valem para os cibercriminosos – e o que eles fazem com elas

Violações de dados tornaram-se comuns e bilhões de registros são roubados em todo o mundo todos os anos. A maior parte da cobertura da mídia sobre violações de dados tende a se concentrar em como a violação aconteceu, quantos registros foram roubados e o impacto financeiro e legal do incidente para as organizações e indivíduos afetados pela violação. Mas o que acontece com os dados roubados durante esses incidentes?

Como pesquisador de segurança cibernética, acompanho violações de dados e o mercado negro de dados roubados. O destino dos dados roubados depende de quem está por trás da violação de dados e por que eles roubaram um determinado tipo de dados.

Por exemplo, quando os ladrões de dados são motivados a embaraçar uma pessoa ou organização, expor delitos percebidos ou melhorar a segurança cibernética, eles tendem a liberar dados relevantes para o domínio público.

Em 2014, hackers apoiados pela Coreia do Norte roubaram dados de funcionários da Sony Pictures Entertainment, como números de previdência social, registros financeiros e informações salariais, bem como e-mails entre os principais executivos. Os hackers então publicaram os e-mails para embaraçar a empresa, possivelmente em retribuição pelo lançamento de uma comédia sobre uma conspiração para assassinar o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un.

Às vezes, quando os dados são roubados por governos nacionais, eles não são divulgados ou vendidos. Em vez disso, é usado para espionagem. Por exemplo, a empresa hoteleira Marriott foi vítima de uma violação de dados em 2018, na qual informações pessoais de 500 milhões de hóspedes foram roubadas. Os principais suspeitos deste incidente foram hackers apoiados pelo governo chinês. Uma teoria é que o governo chinês roubou esses dados como parte de um esforço de coleta de inteligência para coletar informações sobre funcionários do governo dos EUA e executivos corporativos.

Mas a maioria dos hacks parece ser para vender os dados para ganhar dinheiro.

É (principalmente) sobre o dinheiro

Embora as violações de dados possam ser uma ameaça à segurança nacional, 86 por cento são sobre dinheiro e 55 por cento são cometidos por grupos criminosos organizados, de acordo com o relatório anual da Verizon sobre violações de dados. Os dados roubados muitas vezes acabam sendo vendidos online na dark web. Por exemplo, em 2018, os hackers colocaram à venda mais de 200 milhões de registros contendo informações pessoais de indivíduos chineses. Isso incluiu informações sobre 130 milhões de clientes da cadeia de hotéis chinesa Huazhu Hotels Group.

Da mesma forma, dados roubados da Target, Sally Beauty, PF Chang, Harbor Freight e Home Depot apareceram em um conhecido site do mercado negro online chamado Rescator. Embora seja fácil encontrar mercados como o Rescator por meio de uma simples pesquisa no Google, outros mercados na dark web podem ser encontrados apenas usando navegadores especiais.

Os compradores podem adquirir os dados de seu interesse. A forma mais comum de pagar pela transação é com bitcoins ou via Western Union. Os preços dependem do tipo de dados, sua demanda e sua oferta. Por exemplo, um grande excedente de informações de identificação pessoal roubadas fez com que seu preço caísse de US $ 4 por informações sobre uma pessoa em 2014 para US $ 1 em 2015. Despejos de e-mail contendo algo em torno de cem mil a alguns milhões de endereços de e-mail custam US $ 10, e bancos de dados de eleitores de vários estados são vendidos por US $ 100.

Para onde vão os dados roubados

Os compradores usam dados roubados de várias maneiras. Números de cartão de crédito e códigos de segurança podem ser usados ​​para criar cartões clonados para fazer transações fraudulentas. Números de seguro social, endereços residenciais, nomes completos, datas de nascimento e outras informações de identificação pessoal podem ser usados ​​no roubo de identidade. Por exemplo, o comprador pode solicitar empréstimos ou cartões de crédito com o nome da vítima e apresentar declarações fiscais fraudulentas.

Às vezes, informações pessoais roubadas são adquiridas por empresas de marketing ou empresas especializadas em campanhas de spam. Os compradores também podem usar e-mails roubados em ataques de phishing e outros ataques de engenharia social e para distribuir malware.

Os hackers almejaram informações pessoais e dados financeiros por muito tempo porque são fáceis de vender. Os dados de saúde se tornaram uma grande atração para ladrões de dados nos últimos anos. Em alguns casos, a motivação é a extorsão.

Um bom exemplo é o roubo de dados de pacientes da firma finlandesa de psicoterapia Vastaamo. Os hackers usaram as informações que roubaram para exigir um resgate não apenas de Vastaamo, mas também de seus pacientes. Eles enviaram e-mails aos pacientes com a ameaça de expor seus registros de saúde mental, a menos que as vítimas pagassem um resgate de 200 euros em bitcoins. Pelo menos 300 desses registros roubados foram postados online, de acordo com um relatório da Associated Press.

Dados roubados, incluindo diplomas médicos, licenças médicas e documentos de seguro também podem ser usados ​​para forjar um histórico médico.

Como saber e o que fazer

O que você pode fazer para minimizar o risco de dados roubados? O primeiro passo é descobrir se suas informações estão sendo vendidas na dark web. Você pode usar sites como haveibeenpwned e IntelligenceX para ver se seu e-mail fazia parte de dados roubados. Também é uma boa ideia assinar serviços de proteção contra roubo de identidade.

Se você foi vítima de uma violação de dados, pode seguir estas etapas para minimizar o impacto: Informe as agências de relatórios de crédito e outras organizações que coletam dados sobre você, como seu provedor de saúde, seguradora, bancos e empresas de cartão de crédito, e altere as senhas de suas contas. Você também pode relatar o incidente à Federal Trade Commission para obter um plano personalizado para se recuperar do incidente.

*Autor: Ravi Sen
Professor associado de gerenciamento de informações e operações, Texas A&M University

………………………………………………………………………………………………..
*Fonte: pensarcontemporaneo

WhatsApp: nova regra de privacidade começa dia 15/05 – saiba o que muda

WhatsApp: nova regra de privacidade começa amanhã; veja principais pontos

Começa amanhã (15) a nova política de privacidade do WhatsApp, decisão que foi motivo de polêmica nos últimos meses. Isso porque a nova regra exige que os usuários compartilhem dados com o Facebook para continuar usando o aplicativo. Além disso, as pessoas que não aceitarem os novos termos até a data perderão funcionalidades do mensageiro.

Segundo a empresa, o objetivo é integrar o WhatsApp com as outras redes sociais de Mark Zuckerberg, Facebook e Instagram. Assim, o compartilhamento de dados poderá ser usado para exibir anúncios mais personalizados, melhorar a sugestão de amigos, direcionamento de conteúdo, entre outros.

A regra deixa claro que nem o WhatsApp ou o Facebook podem ver as mensagens privadas, ouvir chamadas, compartilhar contatos ou identificar a localização dos usuários.

Resposta dos usuários
Com o anúncio da nova política em janeiro, o número de downloads de outros mensageiros disparou. O Telegram e o Signal, por exemplo, chegaram ao primeiro lugar na lista de mais baixados da App Store e do Google Play. Órgãos governamentais de todo o mundo também questionaram a mudança, incluindo o Brasil.

Com a repercussão, a empresa tentou se defender. Alguns dias após o anúncio, o mensageiro divulgou um infográfico em seu perfil no Twitter explicando o que o WhatsApp pode ou não fazer. “Nós gostaríamos de abordar alguns rumores e ser 100% claros, nós continuamos a proteger as suas mensagens privadas com criptografia ponta-a-ponta”, disse na publicação.

O que acontece com quem não aceitar
Na última semana, o WhatsApp anunciou que não irá mais excluir as contas dos usuários que não aceitarem os novos termos. Porém, os recursos ficarão cada vez mais limitados com o passar do tempo.

Não será possível acessar a lista de conversas ou responder mensagens pelo app, somente pelas notificações do celular. Após algumas semanas com o aplicativo no modo limitado, o WhatsApp deve parar de enviar mensagens, notificações, ou chamadas para o smartphone. Assim, o usuário só poderá voltar a ter o mensageiro funcionando normalmente quando aceitar os novos termos de privacidade.

Reviravoltas
Na tarde desta sexta (14), a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) afirmou que os usuários que ainda não aceitaram as novas regras, poderão usar o aplicativo por pelo menos mais 90 dias sem qualquer tipo de restrição. A decisão de adiar o prazo foi pensada em conjunto com a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), com o Ministério Público Federal (MPF) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

A diretora da ANPD, Nairane Rabelo, disse à GloboNews que os três meses serão usados para os órgãos analisarem a situação em busca de soluções. Segundo ela, durante esse perído, nenhum usuário será prejudicado por não aceitar os termos.

Vale ressaltar que o WhatsApp lançou no início deste mês o WhatsApp Pay, nova função de pagamentos do app, que promete melhorar a experiência do usuário.

E aí, já aceitou os novos termos? Conte para nós nos comentários!

*Por Giovanna Fantinato

……………………………………………………………………………………….
*Fonte: tecmundo

Aviões com esse motor poderão voar a 21 mil km/h

Pesquisadores da UCF (EUA) dizem que contiveram uma detonação explosiva sustentada, no local, pela primeira vez, transformando sua enorme força em impulso: um novo motor de detonação de ondas oblíquas que poderia impulsionar uma aeronave até 17 vezes a velocidade do som, potencialmente superando o scramjet como um método de propulsão hipersônica.

A deflagração – a queima de combustível com oxigênio em alta temperatura – é uma maneira relativamente lenta, segura e controlada de liberar energia química e transformá-la em movimento. Mas se você quiser liberar a energia máxima possível de uma unidade de combustível, o melhor negócio é uma explosão.

A detonação é rápida, caótica e frequentemente destrutiva. Não precisa necessariamente de oxigênio, apenas um único material explosivo e algum tipo de cutucada energética grande o suficiente para quebrar as ligações químicas que mantém unida uma molécula já instável. Ele cria ondas de choque exotérmicas que chegam a velocidades supersônicas, liberando enormes quantidades de energia.

Há mais de 60 anos tentamos usar a explosão, a forma mais poderosa de combustão, como propulsão. Mas conter uma bomba é extremamente difícil. Motores de detonação em pulso criam uma série de explosões de forma semelhante a um jato em pulso — estes já foram testados em aeronaves — notavelmente no projeto “Borealis” da Scaled Composites Long-EZ construído pelo Laboratório de Pesquisa da Força Aérea dos EUA e soluções científicas inovadoras incorporadas em 2008.

Motores de detonação rotativos, nos quais as ondas de choque de uma detonação são ajustadas para desencadear novas detonações dentro de um canal em forma de anel, foram considerados impossíveis de construir até que pesquisadores da Universidade da Flórida Central (UCF, na sigla em inglês) demonstraram um protótipo no ano passado em operação sustentada. Os motores de detonação rotativo devem ser mais eficientes do que os motores de detonação de pulso porque a câmara de combustão não precisa ser limpa entre as detonações.

Agora, outra equipe da UCF, incluindo alguns dos mesmos pesquisadores que construíram o motor de detonação rotativo no ano passado, diz que conseguiu uma demonstração mundial de um complexo terceiro tipo de motor de detonação que poderia superar todos eles, teoricamente abrindo o caminho para aeronaves voando a velocidades de até 21.000 km/h, ou 17 vezes a velocidade do som.


O motor de detonação de ondas oblíqua (OWDE, na sigla em inglês), visa produzir uma detonação contínua estável e fixa no espaço, tornando um sistema de propulsão extremamente eficiente e controlável gerando significativamente mais energia e usando menos combustível do que a tecnologia atual permite.

A equipe da UCF afirma que estabilizou com sucesso uma onda de detonação sob condições de fluxo hipersônico, mantendo-a no lugar.


Para isso, a equipe construiu um protótipo experimental que chamou de High-Enthalpy Hypersonic Reacting Facility – ou HyperReact. Com menos de um metro de comprimento, o HyperReact pode ser descrito como um tubo oco, dividido em três seções, cada uma com um interior precisamente moldado.

 

“Esta é a primeira vez que uma detonação se mostra estabilizada experimentalmente”, diz Kareem Ahmed, professor associado do Departamento de Engenharia Mecânica e Aeroespacial da UCF e um dos autores do novo artigo de pesquisa. “Finalmente conseguimos conter a detonação … em forma de detonação oblíqua. É quase como congelar uma intensa explosão no espaço físico.”

 

O OWDE tem sido suposto teoricamente há algum tempo, como uma forma potencialmente superior de propulsão hipersônica. Scramjets tendem a perder eficiência à medida que a velocidade do ar sobe, potencialmente atingindo em torno de Mach 14. Os resultados experimentais divulgados pela UCF apontam para uma aeronave “Sodramjet” (jato de detonação oblíqua) capaz de voar entre Mach 6 e Mach 17.

O que isso significa? A tecnologia permitirá que os aviões espaciais voem eficientemente até a órbita sem serem conectados a foguetes. E nenhum sistema de defesa de radar ou mísseis no mundo poderia lidar com um míssil hipersônico até o momento. Além disso, você nem precisaria de uma ogiva para causar níveis de devastação próximos ao de uma bomba nuclear. “Toda essa velocidade e toda essa inércia transforma qualquer plataforma de pesquisa, unidade de reconhecimento ou aeronave de passageiros em uma potencial arma cinética”, escreve Szondy. “Eles não precisam de explosivos para destruir um alvo. Tudo o que eles têm que fazer é acertar. Em outras palavras, qualquer veículo hipersônico é uma arma intrínseca dadas as modificações adequadas.”



De fato, a pesquisa foi financiada não só pela National Science Foundation e pela NASA, mas pelo Escritório de Pesquisa Científica da Força Aérea, todas instituições dos EUA. Então esses motores de explosão são claramente uma questão de interesse militar.

O artigo científico foi publicado na revista PNAS. [New Atlas]

………………………………………………………………………………………………..
*Fonte: hypescience

‘Influencers’ mirins: a vida de uma geração presa ao celular

“Meu primeiro celular foi bem tarde, com 9 ou 10 anos, mas nunca usei muito. Passo só de 5 a 6 horas por dia com ele”, diz Julia Pereira, uma catarinense de 12 anos. Ela é uma das mais de 24 milhões de crianças e adolescentes brasileiros (o equivalente a 82% da população de jovens do país, de acordo com a pesquisa TIC Kids Online Brasil) que vivem conectados. Mas Julia tem algo a mais: conhecida na Internet como Julia Jubz, ela faz parte do seleto, mas crescente grupo de influenciadores digitais mirins, que mantêm canais no YouTube e perfis no Facebook e no Instagram, atraindo a atenção de milhares de seguidores —e de empresas com “mimos” para merchandising—.

Apesar de garantir que não é “muito ligada” no mundo online e que poderia passar três dias sem bateria no smartphone, Julia, que tem 354.000 seguidores em seu canal no YouTube, grava os vídeos com o celular na mão. Ela também administra o perfil no Instagram, com quase 80.000 followers. “Antes de postar o primeiro vídeo, há um ano, meu canal já tinha 200 seguidores. Aí percebi que poderia ser uma influencer”, conta. “Eu que faço o conteúdo, mas sempre consulto meus pais e meus irmãos”, acrescenta. Nas suas redes, ela dá dicas de maquiagem, posta brincadeiras e desafios com os irmãos e mostra sua rotina.

Algo parecido aconteceu com o goiano Ernani Coelho, de 11 anos. Como parte do processo para se recuperar de uma depressão —que surgiu depois que quebrou o braço, aos 9 anos, e que passou por quatro cirurgias— ele começou a posar para a irmã fotógrafa. Quando postou a primeira foto no Instagram, em 2016, dormiu com 10 seguidores e acordou com 10.000. Hoje, são 38.000. O sucesso instantâneo rendeu-lhe o prêmio de Maior Influenciador Mirim naquele ano, além de trabalhos como modelo e contratos de marketing com grandes marcas de moda. “Eu sempre gostei de tirar fotos e sempre acompanhei muitos youtubers, então tinha vontade de fazer algo assim”, conta para o EL PAÍS em uma entrevista por Skype, em um tablet, mas sem tirar as mãos e os olhos do celular.

Ernani ganhou o primeiro aparelho aos 9 anos e, segundo sua mãe, Luciana Moreira, passava quase 24 horas com ele na mão. “Às vezes, nem queria almoçar para passar mais tempo conectado”, conta ela. Quando o filho virou influencer, a rotina mudou. “Sou eu que controlo as contas nas redes sociais, até mesmo para bloquear usuários inapropriados, principalmente homens, e moderar os comentários. O celular de Ernani é bloqueado. Só tem acesso a jogos e um WhatsApp familiar”, diz.

Já Amanda Carvalho, paulistana de 13 anos, é a responsável por administrar o próprio canal no YouTube, Vida de Amy, e seu perfil no Instagram, somando mais de meio milhão de seguidores. Para ela, que nasceu com deficiência auditiva, mas é uma surda oralizada, o primeiro celular, aos 7 anos, foi uma forma de refugiar-se do bullying que sofria no playground do condomínio. Com ele, descobriu o YouTube e veio a vontade de criar o próprio canal, que se concretizou aos 9 anos, depois de muitas negativas por parte da mãe. “A vida dela era estudar, passear comigo e ficar no celular. No final, ela insistiu tanto para ter o canal, que acabei deixando”, conta Scheilla Carvalho em videoconferência desde Orlando, na Califórnia, para onde se mudaram há seis meses.

Amanda criou o canal em 2014 para mostrar os presentes e brinquedos que ganhava —típicos de uma criança de classe média alta— e logo passou a gravar vídeos sobre seus passeios em parques de diversão, viagens ao exterior e outros aspectos de sua rotina. Não demorou para que a youtuber transformasse o conteúdo em um livro, Vida de Amy – a diversão e a imaginação não têm limites, esgotado em algumas das maiores livrarias do país. “Minha filha já chegou a ganhar mais do que eu, que tenho duas faculdades e um mestrado”, comenta Scheilla.

Mas Amanda conta que nem sempre quer gravar vídeos mais. Prefere alimentar o perfil do Instagram com fotos e stories. “Fico muito no celular, mas nem posto tanto nas redes, só faço mais stories básicos. Uso muito para falar com os amigos, para fazer Snapchat com eles. Depende do meu mood (humor, em inglês). Mas eu realmente uso [o smartphone] o dia inteiro. Quando acaba a bateria, já dá aquele desespero”, confessa. Ela se preocupa, no entanto, em separar sua vida online da vida real. “Entendo que são coisas totalmente diferentes. Na escola, por exemplo, prefiro que meus colegas não saibam que sou uma influencer digital”.

Os riscos da cultura de likes

Scheilla Carvalho conta que quando a filha tinha 11 anos conversou com ela sobre o poder e os riscos da internet. “Falo muito sobre a responsabilidade de ser uma influenciadora, principalmente para um público jovem. Não quero que ela se exponha de uma maneira hipersexualizada, como fazem outras meninas dessa idade. Ela não é uma escrava em busca de likes. Eu me preocupo com isso mais do que ela”, diz.

Luciana Moreira também se preocupa em respeitar os limites do filho influencer mirim. Ela critica os responsáveis e agências que trabalham com essas crianças Não tenho medo de gerar frustração, ele está fazendo o que ele gosta. E eu trabalho no tempo dele. “Algumas dessas crianças têm agendas muito pesadas, fazem sessões de fotos em que têm que ficar sem comer nem beber água para a barriga não ficar inchada. Outros fazem 100 abdominais antes das fotos. Eu nunca quis fazer isso com meu filho”. Ela diz que não teme a possibilidade de que Ernani se frustre com a busca de seguidores e atenção nas redes. “Acho que isso não vai acontecer, ele está simplesmente fazendo o que gosta”.

Especialistas em psicologia infantil e redes sociais alertam, no entanto, que mesmo a supervisão parental não isenta os jovens de sofrer as consequências da cultura de likes. “O celular e a internet nos viciaram em recompensas rápidas, e o like é uma delas. Ele representa a satisfação da expectativa de reconhecimento alheio para que o indivíduo se sinta importante, pertencente a um grupo. As crianças passam a não se valorizarem por si mesmas, o que gera frustração e pode levar até a uma depressão”, explica a psicóloga da infância Ana Flávia Fernandes, autora do blog Terapia de Criança.

Outros risco são os problemas de compreensão cognitiva e de desenvolvimento da identidade. “É como se a tela do celular fosse como um espelho para eles”, acrescenta Evelyn Eisenstein, pediatra especialista no consumo de novas tecnologias. As especialistas explicam que, enquanto os adolescentes se questionam se o “eu” representado nas redes sociais é verdadeiro, as crianças expostas a esse mundo digital sequem chegar a formar a própria identidade.

É consenso entre as sociedades internacionais de Psicologia que o tempo recomendável de exposição a telas (celulares, tablets, televisão, videogames etc) para crianças é de no máximo uma hora até os 6 anos de idade; duas horas até os 12 anos e, depois, no máximo quatro horas por dia. “Mas a dependência não se caracteriza só pela quantidade de horas que se passa online e, sim, pela qualidade de convívio. O problema é que há uma dissociação cognitivo-afetiva: elas perdem a capacidade de expressar suas emoções para além do uso dos emojis”, matiza Eisenstein.

Embora concordem que tirar o celular das crianças é um tema “delicado”, ambas propõem uma abordagem que pode ser considerada ainda mais “radical”: não dar os aparelhos a elas, já que não são necessários. Demoramos 50 anos para provar que a nicotina provoca câncer. Com a internet, já estamos vendo claramente seus riscos. A vida se tornou quantos likes você tem”, lamenta a pediatra.

Amanda Carvalho —ou Amy— se diz pronta para parar de contá-los. “Acho que vou deixar de ser influencer em algum momento, quero fazer outras coisas”, afirma. “Mas jamais abandonaria o celular. Não posso viver sem ele”, afirma, aos risos.

*Por Joana Oliveira

………………………………………………………………………………………….
*Fonte: elpais

Marinha inglesa testa mochila para voar como o “Homem de Ferro”

Os Royal Marines, força de infantaria anfíbia da Marinha do Reino Unido, conduziram recentemente um exercício para testar a viabilidade de um novo equipamento em operações de abordagem de navios: uma mochila a jato, que permite a seu usuário voar como o Homem de Ferro.

Atualmente, a melhor opção é usar um helicóptero e baixar soldados no deck do navio usando cordas ou escadas. Mas com a Jet Suit produzida pela Gravity Industries, os soldados podem se aproximar usando um bote inflável.

Um deles decola com o bote em movimento e pousa poucos segundos depois no deck do navio. Uma vez lá, ele pode baixar uma escada para que seus colegas no bote subam a bordo.

A mochila pesa 27 quilos e pode ser colocada em ação muito mais rapidamente, e com um custo menor, do que um voo de helicóptero. “A visão com a Jet Suit é fornecer acesso extremamente rápido a qualquer parte da embarcação alvo, liberando instantaneamente as mãos para empunhar uma arma e até mesmo mantendo a capacidade do soldado de se realocar no alvo ou autoexfiltrar”, disse a empresa em um comunicado à imprensa.

“Isso é cada vez mais visto como uma revolução na capacidade tática de muitas forças especiais e tem uma aplicação muito mais ampla além do embarque marítimo”, completou.

*Por Rafael Rigues

………………………………………………………………………………………
*Fonte: olhardigital

Japoneses estão desenvolvendo tecnologia de transmissão de energia sem fio proveniente de painéis solares espaciais

Já imaginou não ter que se preocupar em ter que recarregar o seu celular todo dia? É provável que no futuro isso seja possível. Engenheiros no Japão têm concentrado esforços no desenvolvimento de um sofisticado sistema que consegue enviar grandes quantidade de energia elétrica a distâncias consideráveis.

O objetivo da pesquisa, eventualmente, é criar um enorme painel solar baseado no espaço que não é afetado pelos sistemas meteorológicos e que, constantemente, possa coletar grandes quantidades de energia e enviá-las aos receptores na Terra via microondas.

Durante a feira de eletrônicos Ceatec, que acontece no Japão nesta semana, a J Space Systems apresentou algumas das antenas que usa para receber as transmissões de microondas de alta potência. Batizadas de “Rectenna”, elas são antenas planas sintonizadas na frequência de 5.8GHz.

A empresa conseguiu com sucesso transmitir energia a uma distância de cerca de 50 metros usando o sistema, apesar de apresentar perdas consideráveis. A antena envia 1.8 kilowatts, mede 1,2 metros quadrados e consegue colher 340 watts de uma antena receptora que tinha 2,6 metros por 2,3 metros.

A Mitsubishi Heavy Industries também está a frente de uma pesquisa similar e no ano passado conseguiu enviar 10kW de energia a uma distância de cerca de 500 metros, um recorde para pesquisadores japoneses. Para fazer isso, ela usou amplas matrizes de transmissão e recepção.

Se a tecnologia continuar a progredir, haverá uma série de usos para ela. Um deles é usar a curta distância para enviar energia em torno das fábricas, permitindo que máquinas, sensores e estações de trabalho facilmente sejam configurados sem ter que executar novos cabos de alimentação.

Outra uso bem útil dessa tecnologia é enviar energia para áreas atingidas por desastres naturais através de balões. Mas tudo isso soa pequeno quando comparado a ideia futurística de painéis solares orbitantes capazes de coletar grandes quantidades da energia do sol e enviá-las a Terra.

A grande tarefa para que essa tecnologia chegue no estágio desejado é reduzir perdas de transmissão.

A agência espacial japonesa, que está atrás da ideia, admite que a ideia de colheita de energia solar no espaço não é nova. Projetos anteriores em outros países chegaram perto, mas devido a falta de suporte para um sistema como esse não evoluíram.

Mesmo assim, a agência espacial está continuando a direcionar pesquisadores para a tecnologia. Mas se mantém realista: “levará tempo significativo e esforços para superar os muitos obstáculos no caminho para a concretização de um sistema de energia solar espacial”, disse.

*Por Ademilson Ramos

………………………………………………………………………………………….
*Fonte: engenhariae

Pesquisadores criam a tinta mais potente para resfriar superfícies

Engenheiros da Purdue University estão, há anos, dedicados a criar uma tinta branca com maior eficiência para resfriar edifícios do que a tinta comum. Na última quinta-feira (15), eles anunciaram o que chamam de a “pintura mais branca já registrada”.

Em 2020, os mesmos pesquisadores já haviam criado uma tinta capaz de refletir até 95,5% da luz solar e resfriar superfícies em até 8°C. A nova formulação é ainda mais eficiente do que os pesquisadores haviam demonstrado.

A tinta “ultra-branca” reflete 98,1% da luz solar e desvia o calor infravermelho, desta forma os edifícios resfriam abaixo da temperatura do ar circundante. Seu poder de resfriamento é graças ao sulfato de bário – um pigmento derivado do mineral barita.

Os testes mostraram que a tinta é capaz de manter superfícies 4°C mais frias do que sua temperatura ambiente à luz do sol do meio-dia e até 10°C mais fria à noite.
Câmera infravermelha mostra como a tinta ultra-branca resfria a placa abaixo da temperatura ambiente. Imagem: Purdue University | Joseph Peoples

“Se você usasse essa tinta para cobrir uma área de telhado de cerca de 92 m² estimamos que você poderia obter uma potência de resfriamento de 10 quilowatts. Isso é mais poderoso do que os condicionadores de ar centrais usados na maioria das casas”, garante Xiulin Ruan, professor de engenharia mecânica da Purdue.

Para se ter ideia, as tintas disponíveis no mercado – mesmo quando projetadas para reduzir o calor – refletem apenas de 80% a 90% da luz solar. Além disso, não são capazes de fazer com que as superfícies fiquem mais frias do que o ambiente circundante.

O objetivo é que, com a nova formulação de tinta, os edifícios possam ser menos dependentes do ar condicionado e contribuir para amenizar as ilhas de calor em grandes cidades.


Sulfato de bário

Ao contrário do dióxido de titânio usado nas tintas brancas tradicionais, a formulação inclui alta concentração de sulfato de bário, um composto químico também usado para fazer papel fotográfico e cosméticos brancos. Ao longo da pesquisa vários produtos comerciais foram analisados. “Descobrimos que usando sulfato de bário, você pode, teoricamente, tornar as coisas muito, muito reflexivas, o que significa que elas são muito, muito brancas”, explica o pesquisador Xiangyu Li, pós-doutorando do Instituto Massachusetts de Tecnologia (MIT).

Segundo os estudiosos, as partículas de sulfato de bário são todas de tamanhos diferentes na tinta e o quanto cada partícula espalha a luz depende de seu tamanho. Ou seja, uma gama mais ampla de tamanhos de partículas permite que a tinta espalhe mais do espectro de luz do sol.

Mas, é preciso equilíbrio para não comprometer a textura da pintura. “Embora uma concentração mais alta de partículas seja melhor para fazer algo branco, você não pode aumentar muito a concentração. Quanto maior a concentração, mais fácil é para a tinta quebrar ou descascar”, prossegue Li.
Potencial

Os pesquisadores mostraram em seu estudo que a tinta à base de sulfato de bário pode potencialmente lidar com as condições externas. Não haverá também problemas em ser adotada em escala industrial uma vez que a técnica usada para criar a tinta é compatível com o processo de fabricação de tintas comerciais.

Ao The Guardian, a Purdue University afirmou que a tinta “ultra-branca” pode estar disponível no mercado em um ou dois anos e o melhor: com preço comparável ao da tinta convencional.

*Por Marcia Sousa

…………………………………………………………………………………………………….

*Fonte: ciclovivo

Japoneses estão desenvolvendo tecnologia de transmissão de energia sem fio proveniente de painéis solares espaciais

Já imaginou não ter que se preocupar em ter que recarregar o seu celular todo dia? É provável que no futuro isso seja possível. Engenheiros no Japão têm concentrado esforços no desenvolvimento de um sofisticado sistema que consegue enviar grandes quantidade de energia elétrica a distâncias consideráveis.

O objetivo da pesquisa, eventualmente, é criar um enorme painel solar baseado no espaço que não é afetado pelos sistemas meteorológicos e que, constantemente, possa coletar grandes quantidades de energia e enviá-las aos receptores na Terra via microondas.

Durante a feira de eletrônicos Ceatec, que acontece no Japão nesta semana, a J Space Systems apresentou algumas das antenas que usa para receber as transmissões de microondas de alta potência. Batizadas de “Rectenna”, elas são antenas planas sintonizadas na frequência de 5.8GHz.

A empresa conseguiu com sucesso transmitir energia a uma distância de cerca de 50 metros usando o sistema, apesar de apresentar perdas consideráveis. A antena envia 1.8 kilowatts, mede 1,2 metros quadrados e consegue colher 340 watts de uma antena receptora que tinha 2,6 metros por 2,3 metros.

A Mitsubishi Heavy Industries também está a frente de uma pesquisa similar e no ano passado conseguiu enviar 10kW de energia a uma distância de cerca de 500 metros, um recorde para pesquisadores japoneses. Para fazer isso, ela usou amplas matrizes de transmissão e recepção.

Se a tecnologia continuar a progredir, haverá uma série de usos para ela. Um deles é usar a curta distância para enviar energia em torno das fábricas, permitindo que máquinas, sensores e estações de trabalho facilmente sejam configurados sem ter que executar novos cabos de alimentação.

Outra uso bem útil dessa tecnologia é enviar energia para áreas atingidas por desastres naturais através de balões. Mas tudo isso soa pequeno quando comparado a ideia futurística de painéis solares orbitantes capazes de coletar grandes quantidades da energia do sol e enviá-las a Terra.

A grande tarefa para que essa tecnologia chegue no estágio desejado é reduzir perdas de transmissão.

A agência espacial japonesa, que está atrás da ideia, admite que a ideia de colheita de energia solar no espaço não é nova. Projetos anteriores em outros países chegaram perto, mas devido a falta de suporte para um sistema como esse não evoluíram.

Mesmo assim, a agência espacial está continuando a direcionar pesquisadores para a tecnologia. Mas se mantém realista: “levará tempo significativo e esforços para superar os muitos obstáculos no caminho para a concretização de um sistema de energia solar espacial”, disse.

*Por Ademilson Ramos

………………………………………………………………………………..
*Fonte: engenhariae

Cientistas descobrem como fazer luz atravessar objetos sólidos

Por que o açúcar não é transparente? Porque a luz que penetra em um bloco de açúcar é espalhada, alterada e desviada de uma forma extremamente complicada. No entanto, como uma equipe de pesquisa da TU Wien (Viena) e da Universidade de Utrecht (Holanda) já foi capaz de mostrar, há uma classe de ondas de luz muito especiais para as quais isso não se aplica: para qualquer meio desordenado específico — como o cubo de açúcar que você pode ter colocado em seu café — feixes de luz sob medida podem ser criados que praticamente não são alterados por este meio, mas apenas atenuados. O feixe de luz penetra no meio, e um padrão de luz chega do outro lado que tem a mesma forma, como se o meio não estivesse lá.

Essa ideia de “modos de luz invariantes de dispersão” também pode ser usada para examinar especificamente o interior dos objetos. Os resultados foram publicados na revista Nature Photonics.

Um número astronômico de possíveis formas de onda

As ondas na superfície turbulenta da água podem assumir um número infinito de formas diferentes — e de forma semelhante, ondas de luz também podem ser feitas de inúmeras formas diferentes. “Cada um desses padrões de ondas de luz é alterado e desviado de uma maneira muito específica quando você a envia através de um meio desordenado”, explica o Prof. Stefan Rotter, do Instituto de Física Teórica da TU Wien.

Juntamente com sua equipe, Stefan Rotter está desenvolvendo métodos matemáticos para descrever tais efeitos de dispersão de luz. Conhecimento para produzir e caracterizar tais campos de luz complexos foi trazido pela equipe em torno do Prof. Allard Mosk na Universidade de Utrecht. “Como meio de dispersão de luz, usamos uma camada de óxido de zinco — um pó branco opaco de nanopartículas completamente organizadas aleatoriamente”, explica Allard Mosk, chefe do grupo experimental de pesquisa.

Primeiro, você tem que caracterizar essa camada precisamente. Você emite sinais de luz muito específicos através do pó de óxido de zinco e mede como eles chegam ao detector atrás dele. A partir disso, você pode então concluir como qualquer outra onda é alterada por este meio — em particular, você pode calcular especificamente qual padrão de onda é alterado por esta camada de óxido de zinco exatamente como se a dispersão de ondas estivesse totalmente ausente nesta camada.

“Como pudemos mostrar, há uma classe muito especial de ondas de luz — os chamados modos de luz invariante de dispersão, que produzem exatamente o mesmo padrão de onda no detector, independentemente de a onda de luz ter sido enviada apenas pelo ar ou se teve que penetrar na complicada camada de óxido de zinco”, diz Stefan Rotter. “No experimento, vemos que o óxido de zinco realmente não muda a forma dessas ondas de luz totalmente — elas ficam um pouco mais fracas no geral”, explica Allard Mosk.

Uma constelação estelar no detector de luz

Por mais especiais e raros que esses modos de luz invariantes possam ser, com o número teoricamente ilimitado de possíveis ondas de luz, ainda se pode encontrar muitas delas. E se você combinar vários desses modos de luz invariante de dispersão no arranjo certo certa, você terá uma forma de onda invariante de dispersão.

“Desta forma, pelo menos dentro de certos limites, você tem bastante liberdade para escolher qual imagem você quer enviar através do objeto sem interferência”, diz Jeroen Bosch, que trabalhou no experimento como um estudante de doutorado. “Para o experimento, escolhemos uma constelação como exemplo: a Ursa Maior. E, de fato, foi possível determinar uma onda invariante que envia uma imagem da Ursa Maior para o detector, independentemente de a onda de luz estar espalhada pela camada de óxido de zinco ou não. Para o detector, o feixe de luz parece quase o mesmo em ambos os casos.”


Olhando no interior de uma célula

Este método de encontrar padrões de luz que penetram em um objeto grande e imperturbável também poderia ser usado para procedimentos de imagem. “Em hospitais, os raios-X são usados para olhar dentro do corpo — eles têm um comprimento de onda mais curto e, portanto, podem penetrar em nossa pele. Mas a forma como uma onda de luz penetra um objeto depende não apenas do comprimento de onda, mas também da forma de onda”, diz Matthias Kühmayer, que trabalha como doutorando em simulações de computador de propagação de ondas. “Se você quer focar a luz dentro de um objeto em certos pontos, então nosso método abre possibilidades completamente novas. Conseguimos mostrar que, usando nossa abordagem, a distribuição de luz dentro da camada de óxido de zinco também pode ser especificamente controlada.” Isso pode ser interessante para experimentos biológicos, por exemplo, onde você quer introduzir luz em pontos muito específicos, a fim de olhar profundamente dentro das células.

O que a publicação conjunta dos cientistas dos Países Baixos e da Áustria já mostra é o quão importante é a cooperação internacional entre teoria e experimento para alcançar o progresso nesta área de pesquisa. [Phys]

*Por Marcelo Ribeiro

……………………………………………………………………………….
*Fonte: hypescience

Carro elétrico solar chega ainda esse ano

Já imaginou ter um carro e não precisar gastar nenhum dinheiro com combustível? Essa realidade está a cada dia mais próxima e já há previsão da empresa Lightyear lançar o veículo One já nesse ano de 2021.

O carro promete superar o Tesla Model S, chegando em 725km de autonomia e ainda conta com 4 motores elétricos e 5m² de painéis solares, que estão protegidos pelo vidro.

Um diferencial em relação ao mercado, é que suas células solares são 20% mais eficientes que as tradicionais e caso o usuário decida, pode ser carregado com o plugin tradicional dos veículos elétricos.

Por conta de seus motores, o veículo pode acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 10 segundos.

Esse veículo será uma inovação e fará a ficção científica se tornar realidade, com veículos cada vez mais sustentáveis.

Porém ainda há o desafio de se tornar acessível para todos, uma vez que seu preço de reserva deverá variar entre R$ 700 mil a R$ 900 mil e será lançado primeiramente na Europa.

Esperamos que o mundo se transforme nas próximas décadas e passam permitir o uso de toda a população.

Para conhecer o carro elétrico solar, você pode assistir o vídeo da fabricante:

………………………………………………………………………………………
*Fonte: engenhariahoje

Site usa a ciência para criar “solo perfeito” de guitarra

Por mais que tenhamos anos e anos de Rock and Roll para analisar, é difícil dizer se há um “solo de guitarra perfeito”.

Claro que as opiniões variam bastante e, como tudo da arte, a música é extremamente subjetiva e dificilmente haverá um consenso sobre isso em algum momento. Mas, por enquanto, a revista Total Guitar resolveu usar a ciência (e as opiniões do público) para chegar o mais perto possível disso.

Depois de conduzir uma pesquisa e eleger os 50 melhores solos de guitarra de todos os tempos, os responsáveis buscaram as semelhanças para poder criar, objetivamente, o melhor solo possível.

O primeiro passo foi definir o tempo: entre os escolhidos, estavam canções cujos solos variavam de 64 a 170bpm. Portanto, eles tomaram uma quase-média de 120bpm como o ideal.

Quanto ao tom, o essencial era ser um tom menor. Os músicos então escolheram Mi menor como o tom ideal, com alguns trechos se aventurando em Mi menor harmônico e Mi dórico. Mais ainda, eles encontraram que é necessário ter um mínimo de 2,5 oitavas de alcance e, por isso, espaçaram o solo em 3 oitavas.

O solo em si, segundo a pesquisa, tem que começar nas notas mais graves e ir evoluindo para as mais agudas. Da mesma forma, a frequência de notas começa mais leve e vai aumentando conforme a canção avança, incluindo “uma mistura de conteúdo rápido, de fritação e ganchos melódicos”.

*Por Felipe Ernani

………………………………………………………………………………….
*Fonte: tenhomaisdiscosqueamigos

Inteligência artificial cria “nova musica” do Nirvana; ouça “Drowned in the Sun”

Esta segunda-feira, dia 5 de abril, marcará os 27 anos que Kurt Cobain, vocalista do Nirvana, cometeu suicídio. Ele tinha 27 anos e entrou para o chamado “Clube dos 27”, uma lista de músicos talentosos que nos deixaram com essa mesma idade. Por conta disso, os fãs se perguntam: que músicas ele escreveria se não tivesse morrido há quase três décadas?

Quem responde esse questionamento é o projeto Lost Tapes of the 27 Club, que utiliza um sistema de inteligência artificial, baseado no Magenta AI do Google, para escrever canções nos estilos de músicos que morreram aos 27 anos, como Jimi Hendrix, Jim Morrison e Amy Winehouse.

No caso de Kurt Cobain, para se chegar ao que seria uma nova composição dele, o sistema analisou 30 músicas do Nirvana e estudou minuciosamente as mudanças de acordes, harmonias, riffs de guitarra, solos, padrões de bateria, letras e vocais.

Com essas informações, a máquina criou uma canção intitulada “Drowned in the Sun”. Tudo que você ouvirá nela é criação da inteligência artificial. Apenas os vocais são humanos, foram gravados por Eric Hogan, que faz parte de uma banda tributo ao Nirvana, segundo reportou a Rolling Stone.

“Para mostrar ao mundo o que foi perdido para esta crise de saúde mental, usamos a inteligência artificial para criar o álbum que o clube dos 27 nunca teve a chance de gravar. Através deste disco, estamos encorajando mais músicos a obter o apoio à saúde mental que eles precisam, para que possam continuar fazendo a música que todos amamos. Porque nem a inteligência artificial conseguirá substituir o que é real”, diz a página do projeto, que é uma iniciativa comandada pela organização de saúde mental Over the Bridge.

No player abaixo você confere a “nova música” do Nirvana. O projeto na íntegra pode ser apreciado em https://losttapesofthe27club.com/.

………………………………………………………………………………………
*Fonte: radiorock