As imagens mais espetaculares na história da exploração espacial: o pouso da sonta Perseverance em Marte

A NASA divulgou um vídeo do Rover Perseverance em Marte enquanto ele descia pela atmosfera do planeta e pousou como planejado na Cratera Jezero na última quinta-feira.

Falando em uma coletiva de imprensa na segunda-feira, David Gruel, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, disse que a equipe de vídeo manteve suas expectativas modestas: “Conseguimos o que conseguimos e não ficamos chateados”.

O que eles fizeram estão entre as imagens mais espetaculares na história da exploração espacial.

Seis pequenas câmeras compõem o sistema EDL Cam (Entrada, Descida e Aterrissagem, na sigla em inglês). Elas sobreviveram à viagem e funcionaram perfeitamente, capturando a abertura do paraquedas da espaçonave, separação do escudo térmico, descida e o suave pouso do Rover Perseverance na superfície marciana.

Há detalhes extraordinários no vídeo. A espaçonave balança um pouco debaixo do paraquedas e estabiliza à medida que os propulsores do módulo de descida assumem e o paraquedas é lançado para longe. Uma câmera no módulo de descida mostra o Rover enquanto ele desce com a ajuda de três cabos. Uma câmera no Rover captura a mesma cena de baixo; uma vez na superfície os cabos desconectam e o módulo de descida voa para longe.

Havia também dois microfones na espaçonave. Gruel disse que não conseguiu capturar o áudio do pouso, mas uma vez na superfície um dos microfones gravou – pela primeira vez – sons de Marte. O clipe disponibilizado pela NASA contém um zumbido silencioso do funcionamento do Rover, e uma rajada de vento marciana varrendo o módulo de pouso. Outro clipe cancela o som do Rover, deixando apenas a brisa.

*Por Marcelo Ribeiro

……………………………………………………………………………
*Fonte: hypescience

A mudança no comportamento das gerações: tecnologia de A a Z

Somos influenciados pelos acontecimentos de nosso tempo e por aqueles que nos antecedem. No caso da Geração Z, a tecnologia teve papel fundamental em sua formação. Entender de que forma essa influência se deu e que características gerou nesse grupo nos guiará em direção ao futuro e à próxima geração.

Popularização da internet, lançamento do Playstation, estreia dos sites de busca Google e Yahoo. Você sabe em que década esses acontecimentos ocorreram? Anos 1990. Mundialmente falando, um período de avanços científicos, tecnológicos e consolidação da globalização. Uma época propícia para o desenvolvimento e disseminação de eletrônicos e digitais.

Muitos dos avanços que ocorreram nos anos 90 foram impulsionados pela Guerra Fria (1947 e 1991), que apesar de todo o conflito político, ideológico e econômico entre Estados Unidos e União Soviética (URSS), resultou também em um saldo tecnológico e científico. Alguns exemplos são: a criação da NASA, utilização de satélites em sinais de telecomunicação e o surgimento da Internet, nos anos 60. Mas, naquela época, a tecnologia era restrita ao uso militar e só se tornou popular outras décadas mais tarde. No Brasil, podemos citar que ela foi disponibilizada para uso comercial em 1994.

Dessa maneira, diversas invenções começaram a emergir a partir do avanço tecnológico: as mensagens de texto SMS, o DVD, o Super Nintendo e a Google foram algumas das criações dos anos 90, e quem nascia naquele contexto começava desde muito cedo a “falar” a língua da tecnologia, a linguagem dos computadores, celulares, games e da internet. Para Marc Prensky, escritor americano e palestrante em educação, esses indivíduos são os nativos digitais, ou seja, aqueles que já nasceram imersos no mundo digital. Essa geração de nativos engloba também aqueles que fazem parte da Geração Z, que é a idade sociológica dos indivíduos que nasceram entre os anos 1990 e 2010.

Em linhas gerais, o conceito de gerações é definido por um grupo de pessoas que nasceram na mesma época e compartilham de hábitos, cultura, comportamentos e experiências de vida semelhantes. Alguns estudiosos afirmam que elas podem mudar a cada 25 anos, mas que este intervalo não deve ser levado como uma máxima para essas definições. Inclusive, a Geração Z é um exemplo de que não existe um consenso sobre o período do seu início, em outras literaturas, é possível encontrar esse começo definido também pelos anos 1995. Antes dos Zs, temos a Geração Y, que é formada por pessoas que nasceram a partir do ano de 1980, que podem ser chamados também de Millennials, outra fase de avanços tecnológicos e crescente globalização, mas no Brasil, período de certa instabilidade econômica.

A classificação das gerações não para por aí, a Geração X também foi estudada e engloba indivíduos que nasceram entre 1965 e 1978, são pessoas que trabalham bem em grupo e individualmente, e buscam a independência financeira desde cedo, eles também podem ser chamados de filhos dos Baby Boomers. “Baby Boom” significa explosão de bebês e é a geração composta por pessoas nascidas entre 1946 e 1964, um período de grande crescimento populacional do pós-Segunda Guerra Mundial. Antes disso, também podemos citar a Geração dos Veteranos ou Tradicionais que inclui pessoas que nasceram de 1922 até 1945, elas nasceram e viveram em períodos de guerra, por esse motivo tem um comportamento diferente das outras gerações, acreditam no trabalho em equipe, entretanto, são influenciados pelo modelo de militarismo ao exercer posições de liderança.

Com esses dados, é possível perceber que o comportamento de cada geração é influenciado pelos acontecimentos que as antecedem, que vigoram e que perduram, e vimos que a tecnologia teve um importante impacto nas últimas gerações, especialmente na Geração Z.

Não é à toa que o grupo de pessoas nascidas a partir de 1990 recebeu esse título. O “Z” vem do termo zapear, ou seja, mudar os canais de TV de forma constante e rápida. O termo “Zap” vem do inglês e pode ser traduzido como “fazer algo rapidamente”. É a geração da velocidade, eles aprendem rápido, são dinâmicos, exigentes e já nasceram acompanhando boa parte das tecnologias, são conectados e autodidatas. A Fast Company — uma revista sobre tecnologia — fez uma projeção que até o final de 2020 essa geração já representaria 40% dos consumidores, por isso é tão importante estudá-los, a fim de oferecer soluções e ferramentas que se adequem às suas necessidades e expectativas.

Eles são consumidores exigentes e querem conhecer os produtos antes de comprá-los, por isso, fazem pesquisas na internet e em redes sociais sobre o que vão adquirir, afinal, são nativos digitais e usam a rede para facilitar a vida e otimizar o tempo, também por isso são um dos públicos que mais usufruem do comércio eletrônico. Além disso, por gostarem da experimentação, as tecnologias de Realidade Virtual e Realidade Aumentada podem cativar ainda mais esses consumidores no e-commerce, já que por meio delas torna-se possível ter a sensação de “experimentar” uma peça de roupa, por exemplo. Atualmente, o eBay — um dos maiores sites de comércio eletrônico do mundo — possui um aplicativo de realidade virtual na Austrália. Para usufruir da tecnologia é necessário um smartphone e um óculos de realidade virtual. Neste assunto, cabe relatar que grande parte das vendas dos e-commerces acontecem pelos smartphones. Uma pesquisa feita pela Opinion Box, empresa de pesquisa de mercado, mostrou que 85% dos brasileiros com smartphone compram online. Outra estratégia que se mostrou eficaz para o comércio eletrônico foram as live commerces, que são transmissões de vídeo ao vivo, com apresentação de produtos de uma loja ou marca. O objetivo delas é a venda instantânea desses itens por meio de uma plataforma integrada com o e-commerce.

A forma de relacionamento e consumo dos Zs também foi muito influenciada pela crescente nos aplicativos, segundo um relatório de 2017 divulgado pelo site Mobile Time, essa geração passa em média 4h17 por dia na internet no celular e instala cerca de 9 aplicativos por mês em seus smartphones. Um relatório divulgado este ano pela companhia de análise de mercado mobile App Annie mostrou que os aplicativos mais baixados por eles, no quesito social, foram o TikTok, Snapchat e o Twitch. Mas não é somente para o entretenimento que essa geração tem utilizado as aplicações mobile, os apps de delivery de comida como o Ifood, Uber Eats, 99 Food e outros, fazem parte do dia a dia deles.

Além desses, devemos lembrar também o quanto os Zs utilizam os apps de economia compartilhada, no que diz respeito à mobilidade urbana. Em um cenário de crescimento desordenado dos grandes centros urbanos e aumento de veículos particulares motorizados, fez-se necessário pensar formas de garantir uma mobilidade sustentável, neste ponto, a tecnologia foi fundamental. Com auxílio das plataformas online, os aplicativos de mobilidade compartilhada passaram a fazer parte da vida dessa geração: carros, bicicletas e patinetes pertencem à rotina dessas pessoas. Ressalto que, apesar do serviço de mobilidade compartilhada mais popular no Brasil ter chegado em 2014, com a Uber, o conceito começou nos anos 60, na Holanda, por meio de bikes compartilhadas. Naquela época, não havia custo para utilizar as bicicletas, entretanto, o modelo não se mostrou sustentável, além de ter sido alvo de vandalismo. Mas hoje, com o avanço da tecnologia, podemos usufruir desses serviços e sobretudo, contando com usuários que têm o mindset de colaboração. Neste sentido, podemos ainda citar exemplos como o Airbnb, Dog Hero ou sites de financiamento coletivo como o Catarse e o Benfeitoria, todos esses impulsionados pelas plataformas digitais.

A mentalidade colaborativa da Geração Z vai além. Os coworkings são outro exemplo de como eles têm lidado bem compartilhando também o espaço de trabalho com pessoas de diferentes empresas e lugares, o termo cunhado pelo designer de jogos Bernie DeKoven, descreve um novo modelo de trabalho que estava em ascensão junto da tecnologia, e para quem pensa que os avanços tecnológicos poderiam afastar os trabalhadores, os coworkings vieram para mostrar que nem sempre será assim.

Fato é que essa geração é muito mais propensa para trabalhar em um modelo remoto. Segundo uma pesquisa divulgada pela Globo, apenas 16% dos Zs preferem trabalhar em escritórios corporativos, entretanto, a maioria deles, 38% afirmam que o local não faz diferença, seguido por 26% que prefere trabalhar em coworkings e outros 20% em home office. É preciso ficar cada vez mais atento aos anseios e hábitos dessa geração em relação ao mercado de trabalho, porque, segundo a Mckinsey, até 2022, eles representarão cerca de 10% da força de trabalho.

Como nativos digitais, lidam muito bem com a tecnologia no mercado de trabalho e mesmo que não desenvolvam diretamente uma atividade relacionada a ela, eles têm um bom desenvolvimento no assunto, aprendendo facilmente a manusear novos softwares e plataformas, além de serem mais abertos às mudanças de tecnologias. Além disso, com toda evolução tecnológica, novas possibilidades de carreira começam a surgir, e essa geração passa a considerar profissões que sequer existiam há alguns anos: UX design, gestor de mídias sociais, desenvolvedor mobile, analista de cibersegurança, até blogueiro, youtuber ou influenciador digital.

Os Zs valorizam também gestores e lideranças que sejam próximas e abertas ao diálogo. Além disso, ambientes diversos e colaborativos são mais apreciados. Essa combinação de predileções leva muitos a quererem trabalhar em startups, já que são ambientes mais dinâmicos, inovadores e ágeis. A agilidade é uma constante para a Geração Z, são imediatistas e autônomos e por isso, podem vir a ter mais facilidade em trabalhar com metodologias ágeis como o método Scrum e o Kanban.

Outra mudança de mentalidade em relação ao trabalho diz respeito às expectativas em relação às empresas contratantes, uma pesquisa da Deloitte mostrou que 38% espera que as empresas também se preocupem com a saúde do funcionário, incluindo um bom ambiente de trabalho. Outros 34% esperam alguma atividade relacionada a mentoria ou treinamento. Isso mostra que são pessoas que querem desenvolver suas carreiras e acreditam que o aprendizado faz parte desse processo.

Sobre esse assunto, vale salientar, que a forma de aprender dos Zs também se modificou, ela acontece de forma mais acelerada, eles são autodidatas e muitas vezes, aprendem sozinhos diversos conteúdos com o auxílio da internet. Além disso, o ensino a distância também foi um facilitador, por meio de plataformas EAD é possível absorver o conteúdo e interagir com colegas e professores. Segundo o último censo (2018/2019) Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed), a modalidade EAD no Brasil soma 9 milhões de estudantes.

Então, o que esperar da Geração Z e como lidar com ela?

No âmbito educacional, voltarei a citar Marc Prensky, que, além de apresentar o conceito de nativos digitais, traz também quem seriam os imigrantes digitais, ou seja, aqueles que nasceram antes das tecnologias. No caso da educação, os professores. O escritor explica que eles, assim como os imigrantes, aprendem a “nova língua” (da tecnologia), entretanto, não a pronunciam como os nativos, eles mantêm um certo “sotaque”. Para resolver essa equação, os professores precisam estar abertos aos novos métodos de ensino e práticas que se adequam à realidade dos nativos digitais. Para isso, é preciso ouvi-los e aprender ao máximo sobre essa nova linguagem, além de tentar introduzir ferramentas que representem o contexto deles, como o gamification, por exemplo.

Enquanto consumidores, a Geração Z está buscando produtos mais tecnológicos, mais informações sobre os produtos, mais inovação e outros tantos “mais”. Mas, as marcas e empresas não devem ficar restritas a isso, é preciso gerar valor para essa geração, eles buscam marcas que se engajem com causas sociais, que sejam sustentáveis, diversas e plurais. Contudo, não se deve esquecer que esses consumidores querem praticidade, comprar em poucos cliques e receber em um curto prazo. Nesta última, soluções de entregas rápidas como os drones, podem ser uma boa aposta. Sem esquecer de utilizar a tecnologia a fim de facilitar todo o processo de compra do usuário.

No mercado de trabalho, as empresas precisam aprender cada vez mais com a Geração Z. Eles tendem a ser menos burocráticos, menos resistentes às mudanças, mais ágeis e mais colaborativos, além de tudo, claro, mais tecnológicos. Ouvi-los pode ajudar a implementar novas possibilidades de culturas inovadoras dentro das organizações. Afinal, a evolução tecnológica e a transformação digital são caminhos sem volta (ainda bem!) e nada melhor do que aprendermos essas mudanças com os Zs no mercado de trabalho hoje, pois, daqui a pouco chega uma nova geração para ocupar posições importantes: a Geração Alpha, a geração das telas. A melhor forma de lidarmos com os Zs e aguardar os Alphas é escutá-los, além de ter sempre em mente que, por mais que não sejamos todos nativos digitais, devemos nos esforçar sempre para ser imigrantes eficientes, curiosos e aprendizes constantes.

*Por Gustavo Caetano

……………………………………………………………………………
*Fonte: mithtechreview

Fone permite conversar em 40 idiomas em tempo real

O fone de ouvido Bluetooth ‘Timekettle WT2 Edge’ já está à venda depois de bater a meta do financiamento coletivo anunciado no site Indiegogo. De acordo com o site, os primeiros fones comprados via plataforma (e com valor promocional) começarão a ser entregues em abril de 2021.

A promessa é que o fone sem fio traduza até 40 idiomas com o mínimo de atraso nas conversas. Segundo o fabricante a precisão é de 95%. O fone que lembra os AirPods da Apple, custa a partir de US$ 109.

Como funciona

Segundo o fabricante, os microfones têm mecanismo para reconhecer sua voz, diferenciando-a de outras vozes próximas, além de filtros redutores de ruídos. Ele utiliza os principais mecanismos de tradução do mundo (Google, Microsoft, iFlytek, AmiVoice, Hoya, DeepL e o do próprio fabricante, Timekettle).
O usuário deve baixar um aplicativo (disponível para Android e iOS) e determinar os idiomas de entrada e saída e passar um dos fones para o seu interlocutor (algo que muita gente pode estranhar, pelo quesito higiene, sobretudo em tempos de Covid-19), como mostra o vídeo abaixo:

Ainda de acordo com o fabricante, a bateria do fone pode durar até 12 horas; 3 horas se em uso de tradução contínua e pode ser carregada completamente em 90 minutos.

Mais detalhes sobre o fone podem ser conferidos no https://www.indiegogo.com/projects/timekettle-wt2-edge-1st-2-way-translation-earbuds#/

……………………………………………………………………….
*Fonte: mochileiros

Avião elétrico solar percorreu 43.000 km, com 97% de eficiência e sem uma gota de combustível

Que o futuro está chegando e que há muitas tecnologias para serem lançadas, não temos dúvida. Nessa matéria você irá conhecer o avião denominado Solar Impulse 2, que percorreu 43.000 km sem uma gota de combustível e seus 4 motores elétricos tiveram uma eficiência recorde de 97%.

O Solar Impulse é projeto de avião solar de longo alcance proposto na Escola Politécnica Federal de Lausana (EPFL), na Suíça, e é promovido por Bertrand Piccard, tem o objetivo de produzir aeronaves capazes de darem a volta ao mundo com apenas energia solar.

Sobre o Solar Impulse 2

Tem o peso de uma tonelada e meia e é tão largo quanto um Boeing 747, voa através de energia solar captada através de 17.248 células solares, é praticamente um laboratório voador, repleto de tecnologias inovadoras que permitem produzir energia renovável, armazená-la e utilizá-la quando necessário e da forma mais eficiente.

A eficiência de seus motores elétricos é de 97% e dos motores térmicos é de apenas 27%, o que significa que seus motores perdem apenas 3% da energia, enquanto os motores tradicionais chegam a perder 73% para propulsão em combustão.

Isso nos faz refletir sobre o motivo dessas tecnologias não serem tão divulgadas, nós do Engenharia Hoje temos a missão de popularizar essas tecnologias que podem ajudar a humanidade e pedimos seu apoio para compartilhar e ajudar a disseminar essa informação para toda a sociedade.

E já fazem 5 anos que ele foi capaz de completar uma circum-navegação da Terra sem gastar 1 gota de combustível e percorreu mais de 43.000 km.

Veja o vídeo oficial em inglês, você também pode ativar legendas:

………………………………………………………………………
*Fonte: engenhariahoje

Assista a um homem tentando esmagar sua própria barata-robô (e falhando)

Em um esforço para criar um robô mais forte e flexível, os pesquisadores estão se voltando às criaturas minúsculas, mas poderosas do mundo: insetos. Especificamente, baratas. Os cientistas começaram a observar baratas quando estavam sendo esmagadas para entender como esses pequenos insetos sorrateiros conseguem se espremer através de rachaduras apertadas e suportar cargas pesadas (como o esmagamento de um pé humano). Agora, os pesquisadores dizem que desenvolveram um robô que reflete os movimentos dessas criaturas tenazes.

Com uma perna, em forma de lâmina, e impulsionado por uma corrente alternada, esse novo robô se move com um movimento de salto semelhante a uma barata a uma velocidade de 20 comprimentos de corpo por segundo (acima). O roachbot tem 10 milímetros de comprimento e é feito de materiais flexíveis que geram uma carga elétrica em resposta a forças externas.

Para testar a velocidade, a força e a flexibilidade do roachbot, os pesquisadores colocaram uma série de pesos e objetos nele e cronometraram a velocidade com que ele se movia ao longo de uma régua. Eles descobriram que o robô é capaz de subir 7,5° a uma velocidade de sete comprimentos do corpo por segundo, transportar cargas de até seis vezes seu próprio peso e suportar o peso de um pé humano adulto, aproximadamente 1 milhão de vezes mais pesado que o próprio robô, os pesquisadores relataram hoje na Science Reports. O roachbot é o único entre robôs duros com um exoesqueleto flexível, mas forte – a maioria dos outros são feitos de partes rígidas e se movem lentamente e desajeitadamente como resultado.

Os cientistas dizem que, como esses robôs aprendem a se mover de forma mais eficiente, eles poderiam se tornar especialistas em exploração ambiental e socorro em desastres. Quem iria imaginar que essas pragas se tornariam tão úteis?

*Por Douglas R. Aguiar de Oliveira

……………………………………………………………………………………..
*Fonte: universoracionalista

Eugene Shoemaker: o homem que teve as cinzas levadas para a Lua

O norte-americano Eugene Shoemaker foi grande nome da ciência planetária. Atuando incessantemente no desenvolvimento de importantes pesquisas durante o século 20, suas descobertas contribuíram em muito para estudos em diferentes áreas.

Devido ao imenso legado, após sua morte, a comunidade científica realizou algo um tanto bizarro: tornou-o o primeiro e único homem cujos ‘restos mortais’ foram depositados na Lua.

Carreira brilhante

Schoemaker nasceu na cidade de Los Angeles em 28 de abril de 1928. Ele concluiu sua graduação no Instituto de Tecnologia da Califórnia muito cedo, aos 19 anos de idade, com uma tese sobre petrologia em rochas metamórficas pré-cambrianas.

Desde então, passou a atuar em uma pesquisa sobre depósitos naturais de urânio nos estados americanos do Colorado e de Utah, desenvolvida pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS).

Foi nesse período em que teve início seu interesse pela origem das crateras lunares, de modo que começou a desenvolver um trabalho sobre o tema na Universidade de Princeton.

No ano de 1951, casou-se com a também cientista Carolyn Spellman. Três anos depois recebeu seu mestrado e, em 1960, doutorado. A partir de então, passou a se dedicar à área da astrogeologia, inclusive participando do Programa Ranger, que enviava missões espaciais não tripuladas para o espaço com o objetivo de obter imagens da superfície lunar.

Por ter sido diagnosticado com uma doença na época, Eugene foi impossibilitado de seguir seu sonho de ir para a Lua e, então tornou-se professor de Geologia no instituto em que realizara sua graduação.

Em 1993, passou a atuar no Observatório Lowell, localizado em Flagstaff, no Arizona. No mesmo ano o cientista, junto a sua esposa e ao amigo David Levy, descobriu o asteroide Shoemaker-Levy 9 que, em 1994, colidiu com o planeta Júpiter.

Legado

Eugene Shoemaker é tido até os dias de hoje como um dos pais da ciência planetária. Os estudos desenvolvidos foram de importância imensurável para a comunidade científica em diversos temas, até mesmo auxiliando no treinamento de astronautas. E talvez tenha sido isso que motivou o destino dos restos mortais do pesquisador após a sua morte.

O dia 18 de julho de 1997 foi uma data extremamente triste para a ciência. Era uma sexta-feira, quando Shoemaker sofreu um acidente de carro e veio a óbito.

Conforme divulgado pelo site da USGS, para homenageá-lo, os diretores da NASA tiveram a ideia de levar seus restos mortais para o espaço.

Em janeiro do ano seguinte, a sonda lunar Prospector iniciou sua jornada em direção à Lua levando as cinzas de Shoemaker.

Foram 19 meses até que a viagem fosse concluída com a colisão da Prospector com uma cratera no polo sul do satélite natural, a cratera Shoemaker, estudada pelo homenageado, e lá, depositou os restos mortais do cientista.

*Por Giovanna Gomes

……………………………………………………………………..
*Fonte: aventurasnahistoria

Cientistas inventam pasta de hidrogênio que pode substituir a gasolina

Se você acha que o futuro são apenas veículos elétricos, pode estar enganado. Cientistas inventaram uma pasta de hidrogênio que armazena até dez vezes mais energia que baterias.

Os pesquisadores responsáveis pela invenção dessa pasta são do Fraunhofer Institute for Manufacturing Technology and Advanced Materials (IFAM), na Alemanha e nomearam como Power Paste.

A pasta é uma forma segura de se usar o hidrogênio e não é poluente. Também é uma mistura em pó de magnésio e hidrogênio que resulta em hidreto de magnésio, que incluído um éster, é possível armazenar em um cartucho.

Benefícios

– Não evapora se deixar o carro sob a luz do Sol
– Densidade de armazenamento de energia superior à fornecida por um tanque de alta pressão
– Reabastecimento rápido com apenas uma troca de cartucho
– Transporte de unidades extras
– Sem necessidade de postos de combustíveis

Piloto de Power Paste em 2021

O IFAM está atualmente construindo uma planta de produção para Power Paste no Centro de Projetos Fraunhofer para Armazenamento de Energia e Sistemas ZESS. Prevista para entrar em operação neste ano, esta nova instalação será capaz de produzir até quatro toneladas de Power Paste por ano.

……………………………………………………………………………….
*Fonte: engenhariahoje

12 sinais de que você se tornou dependente de seu celular

Se o celular é a primeira coisa que você pega pela manhã e a última que você deixa antes de dormir, recomendo seriamente que você leia essa matéria. Muitas pessoas são dependentes e não fazem a menor ideia de que são.

Nomofobia é foi a palavra escolhida para descrever os indivíduos que possuem problemas relacionados ao celular e demais aparelhos eletrônicos: principalmente a questão de ficar sem celular e conectividade. O termo é um “abrasileiramento” do inglês “no mobile phone phobia” e significa, em tradução livre, fobia de ficar sem celular”.

A Nomofobia é algo novo, pois o próprio uso dos celulares é relativamente recente. Entretanto, os rápidos avanços da tecnologia e da internet fizeram com que o uso desse aparelhinho portátil se tornasse cada vez maior e englobasse inúmeras outras funções técnicas e opções de entretenimento.

Assim, para que você possa identificar sinais e sintomas de dependência (ou mesmo do uso abusivo), separamos abaixo algumas características comportamentais de pessoas que não fazem um uso adequado do celular. Lembramos que elas não são critérios diagnósticos, mas podem ser fortes indicativos de que você precisa desacelerar.

1- Você mantém o celular sempre junto com você e confere se recebeu mensagens em curtos intervalos de tempo?

2- Você percebe que essa checagem faz com que você se desconcentre e perca a atenção (e a noção do tempo) que deveria estar destinada a outras atividades como as tarefas do trabalho ou mesmo as atividades escolares?


3- Você leva o celular para a mesa e o consulta enquanto come?


4- Você tira a atenção de uma conversa presencial para olhar o celular?


5- Alguém já te chamou a atenção por causa do uso excessivo de celular?


6- Quando você viaja, a primeira coisa que você tenta descobrir é se há internet no local em que você está?


7- Quando você fica sem conectividade, percebe que sente um aumento de ansiedade, medo e/ou irritabilidade? Surgem pensamentos de que alguém pode te procurar e não encontrar ou mesmo de que você pode precisar de ajuda e não ter como pedir socorro?


8- Você faz uso escondido do celular em locais de uso proibido como cinemas e teatros?


9- Você tem medo de perder informações importantes ou mesmo de ficar desatualizado se não checar o aparelho diversas vezes por dia?


10- Você tem a impressão de que o celular está tocando ou vibrando sem que isso realmente esteja acontecendo?


11- Você já mentiu sobre o tempo que gasta utilizando o celular?


12- Você já tentou gastar menos tempo usando o aparelho, mas não obteve sucesso?

Se você disse sim para várias das perguntas anteriores, precisamos falar um pouco mais sobre dependência

A dependência acontece quando algo que, a princípio gerava prazer, passa a trazer ansiedade e desconforto. Após a introdução das redes sociais e de ferramentas como o What´s app, o uso dos celulares passou a ser ainda maior. Esses serviços, de uso coletivo, nos informam, nos entretém e nos dão a ideia de que pertencemos mais fortemente a grupos. Além disso, eles possuem mecanismos desenvolvidos para nos “gratificar” sempre que os utilizamos. Você já parou para pensar na semelhança entre um rato treinado de laboratório que aperta uma barra e ganha alimento comparando-o com as nossas curtidas nas redes sociais? Pois, se não pensou, deveria pensar porque o que acontece conosco é exatamente o que acontece com os ratos: nós passamos o dia clicando em links, acessando redes, postando informações e checando quantas pessoas reagiram ao que fizemos. Pode ter certeza que você não é a única pessoa do mundo que fica feliz quando alguém curte a sua foto ou te manda uma mensagem nova.

A questão da dependência de celulares, entretanto, é a mesma que acontece com pessoas que desenvolvem problemas com o uso de bebidas alcoólicas, jogos de azar, compram demais ou até comem demais. Ou seja, nada é problema até que uma linha tênue seja ultrapassada e algo que deveria ser útil ou agradável passa a nos escravizar e trazer danos reais a nossa vida. Assim, jogar pode ser uma atividade, desde que a pessoa não se endivide, comprar é uma delícia, desde que a pessoa possa pagar e não se prejudique e um drink no final da noite pode ser libertador, caso a pessoa saiba parar. Entendeu a diferença?
Mas o que fazer?

Toda vez que algo gera sofrimento, desconforto ou prejudica alguma esfera da sua vida, essa coisa merece atenção.

Abaixo listamos algumas dicas para ajudar você a voltar a ter um uso mais saudável do aparelho celular. Entretanto, caso você perceba que não foi o suficiente, lembre-se que existem profissionais especializados (psicólogos e psiquiatras) que podem ajudar.

Vamos as dicas:

– Faça uma tarefa de cada vez. Se vai sentar e trabalhar, coloque o celular no mudo ou o desligue, para que não fique tentado a olhá-lo diversas vezes por causa de uma vibração, toque ou notificação. Eu, particularmente, recomendo o modo avião ou a ativação da função “não perturbe”.

– Durante o dia, onde estiver, se possível desligue as notificações. Você já reparou em quantas notificações inúteis ou desnecessárias você recebe diariamente? Olhe quando você resolver que deve olhar. É você que deve mandar no celular e não o contrário.


– Na hora de dormir lembre-se: desligue o celular. Se você não tiver qualidade de sono nada fluirá bem na sua vida.


– Deixe o celular na bolsa ou longe da mão enquanto fala com seus amigos. A pessoa que está na sua frente, é bom lembrar, merece 100% da sua atenção.


– Mesa de bar, praia, café, barzinho, volante: esqueça o celular! A não ser que realmente seja necessário, separe as coisas e aproveite os momentos.


– Se possível, não use a mesma conta de celular para trabalho e vida pessoal. É importante que você possa desligar o trabalho quando não for hora de trabalho.


– Delete os app´s que você não utiliza. Eles são uma distração e roubam seu tempo sem que você perceba.


– Preencha seu tempo vazio com outras atividades (ou apenas curta o ócio!). Saia, respire, ande, aprenda algo novo. Lembre-se que a vida é aquilo que acontece FORA do celular.

*Por Josie Conti
………………………………………………………………………..
*Fonte: contioutra

Startup israelense desenvolve bateria elétrica capaz de ser carregada em somente 5 minutos

Se a questão da duração e do carregamento das baterias na atualidade em que tanto dependemos de nossos smartphones, computadores, tablets e gadgets em geral já crucial, mais ainda será quando enfim a inevitável migração para automóveis elétricos se dê de forma massiva – as baterias terão de durar mais e demorar menos para serem carregadas. Resolver todo esse dilema é o propósito da startup israelense StoreDot – que, em seu novo lançamento, criou uma bateria de íon-lítio capaz de ser carregada em somente cinco minutos, e que pode ser utilizada não só em smartphones, tablets e drones, como também em veículos elétricos.

Segundo o CEO da empresa, Doron Myersdorf, a novidade ajuda a resolver o principal impedimento hoje para o público geral ao pensar em migrar dos veículos de combustão para os elétricos: não mais o custo, mas sim a ansiedade pela autonomia, o alcance, a capacidade do veículo, a experiência e facilidade em seu uso de modo geral. “As pessoas ou estão preocupadas se ficarão presas em uma Avenida ou se terão de ficar esperando em um posto de carregamento por duas horas”, comentou Myersdorf. “Mas se a experiência do motorista for exatamente como é com combustível, toda essa preocupação desaparece”.

A oferta da StoreDot, portanto, é justamente uma tecnologia capaz de padronizar uma experiência fácil, rápida e sustentável para os veículos elétricos – a estimativa da empresa é de lançar até 2025 uma bateria ainda mais durável do que a atual, capaz de dirigir por 160 quilômetros com uma carga de somente cinco minutos. Os esforços da startup, portanto, se juntam aos de outras gigantes da área – como a Tesla, que também vem tentando aprimorar ou mesmo resolver o dilema das baterias.

*Por Vitor Paiva

…………………………………………………………………………
*Fonte: hypeness

Os cientistas descobriram uma maneira de decodificar os sinais do cérebro em discurso

Você não precisa pensar muito a respeito: quando você fala, seu cérebro envia sinais aos lábios, língua, mandíbula e laringe, que trabalham juntos para produzir os sons pretendidos.

Agora, os cientistas em San Francisco dizem que utilizaram esses sinais cerebrais para criar um dispositivo capaz de emitir frases completas, como “Não lave a louça suja de Charlie” e “Equipamentos fundamentais precisam de manutenção adequada”.

A pesquisa é um passo em direção a um sistema que seria capaz de ajudar pessoas com paralisia severa a falar — e, talvez um dia, dispositivos disponibilizados para o comércio que permitem que qualquer pessoa envie um texto direto do cérebro.

Uma equipe liderada pelo neurocirurgião Edward Chang, da Universidade da Califórnia, em San Francisco, analisou o cérebro de cinco pessoas com epilepsia, que já estavam passando por uma cirurgia no cérebro, enquanto falavam frases de uma lista com 100 possibilidades.

Quando a equipe de Chang posteriormente adicionou os sinais em um modelo de computador do sistema vocal humano, ele gerou uma fala sintetizada que era quase inteligível.

Uma amostra da fala gerada pela decodificação dos sinais cerebrais de um paciente.

O dispositivo não capta pensamentos abstratos, mas identifica a ativação dos nervos enquanto dizem aos seus órgãos vocais para se moverem. Anteriormente, os pesquisadores usaram esses sinais motores de outras partes do cérebro para controlar braços robóticos.

“Estamos acessando as partes do cérebro que controlam esses movimentos — estamos tentando decodificá-los, em vez de falar diretamente”, diz Chang.

No experimento de Chang, os sinais foram registrados usando eletrodos flexíveis em um aparelho chamado matriz de eletrocorticografia, ou ECoG, que fica na superfície do cérebro.

Para testar o quão bem os sinais podem ser usados ​​para recriar o que os pacientes disseram, os pesquisadores apresentaram os resultados sintetizados para pessoas que trabalham no Mechanical Turk, um site colaborativo, que tentaram transcrevê-los usando um conjunto de palavras possíveis. Esses ouvintes conseguiam entender cerca de 50% a 70% das palavras, em média.

“Este é provavelmente o melhor trabalho que está sendo feito em BCI [interfaces cérebro-computador] no momento”, diz Andrew Schwartz, um pesquisador sobre essas tecnologias na Universidade de Pittsburgh. Ele diz que se os pesquisadores colocassem sondas dentro do tecido cerebral, não apenas sobre o cérebro, a precisão poderia ser muito maior.

Esforços anteriores procuraram reconstruir palavras ou sons de palavras a partir de sinais cerebrais. Em janeiro de 2019, por exemplo, pesquisadores da Universidade de Columbia mediram sinais na parte auditiva do cérebro enquanto os pacientes ouviam outra pessoa falar os números de 0 a 9. Eles foram então capazes de determinar qual número havia sido ouvido.

As BCI ainda não são avançadas o suficiente, nem simples o suficiente, para ajudar as pessoas que estão paralisadas, embora isso seja um objetivo dos cientistas.

Em 2018, outro pesquisador da Universidade da Califórnia em São Francisco (UCSF) começou a recrutar pessoas com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), ou doença de Lou Gehrig, para receber implantes de ECoG. Esse estudo tentará sintetizar a fala, de acordo com uma descrição do ensaio do teste, bem como solicitar aos pacientes que controlem um exoesqueleto que sustenta seus braços.

Chang diz que seu próprio sistema não está sendo testado em pacientes. E ainda não está claro se funcionaria para pessoas que não conseguem mover a boca. A equipe UCSF diz que seu dispositivo não funcionou tão bem quando eles pediram aos oradores que pronunciassem as palavras silenciosamente em vez de dizê-las em voz alta.

Algumas empresas do Vale do Silício disseram que esperam desenvolver leitores cerebrais comerciais de pensamento para texto. Uma delas, o Facebook, diz que está financiando pesquisas relacionadas na UCSF “para revelarem a primeira interface de fala silenciosa capaz de digitar 100 palavras por minuto”, segundo um porta-voz.

O Facebook não pagou pelo estudo atual e a UCSF se recusou a descrever que outras pesquisas estão fazendo em nome do gigante da mídia social. Mas o Facebook afirma ver que o sistema implantado é um passo em direção ao tipo de dispositivo de consumo que deseja criar.

“Este objetivo está bem alinhado com a missão da UCSF de desenvolver uma prótese de comunicação implantável para pessoas que não falam — uma missão que apoiamos. O Facebook não está desenvolvendo produtos que requerem dispositivos implantáveis, mas a pesquisa na UCSF pode fundamentar pesquisas em tecnologias não invasivas”, disse a empresa.

Chang diz que “não está ciente” de nenhuma tecnologia capaz de funcionar fora do cérebro, onde os sinais se misturam e se tornam difíceis de ler.

“O estudo que fizemos envolveu pessoas que passaram por uma neurocirurgia. Não temos realmente conhecimento da tecnologia não invasiva disponível atualmente que possa permitir que você faça isso sem precisar abrir a cabeça”, diz ele. “Acredite em mim, se existisse teria profundas aplicações médicas”.

………………………………………………………………………………
*Fonte:mittechreview

Drone Ingenuity, da Nasa, será o primeiro a explorar Marte

O rover Perseverance, que está a caminho de Marte – com previsão de chegada para o próximo dia 18 – traz dentro de si um equipamento que fará sua estreia nas missões de exploração da Nasa. O helicóptero Ingenuity fará os primeiros voos controlados em outro planeta, enquanto registra imagens de um antigo leito marciano.

Quando pousar na cratera Jazero, o Perseverance será o quinto rover a percorrer a superfície do Planeta Vermelho, mas o Ingenuity é o primeiro veículo do seu tipo a ser utilizado fora da Terra – muito mais como demonstração de tecnologia, com um escopo limitado, que custou US$ 85 milhões.

“No futuro, isso poderia transformar a forma como fazemos ciência planetária e, eventualmente, ser como um batedor para que possamos descobrir onde exatamente precisamos enviar nossos robôs”, afirmou o administrador da Nasa, Jim Bridenstine, em uma entrevista coletiva antes o lançamento do rover, em julho de 2020.

O Ingenuity possui quatro pás de fibra de carbono, dispostas em dois rotores que giram em direções opostas a cerca de 2.400 rpm. O helicóptero também conta com células solares, baterias e outros componentes – mas não leva quaisquer instrumentos científicos. O drone é um experimento separado Perseverance.

Como acontece com qualquer tecnologia pioneira, especialmente no espaço, o Ingenuity enfrenta desafios que podem minar sua missão. A fina atmosfera de Marte (99% menos densa que a da Terra) torna difícil conseguir sustentação suficiente. Por isso o Ingenuity tem que ser muito leve (1,8 kg) e com pás muito maiores e que giram muito mais rápido do que seria necessário para um helicóptero com a mesma massa na Terra.

Os aquecedores internos do helicóptero terão que mantê-lo aquecido durante as noites geladas de Marte, que podem chegar a -90°C. Além disso, o Ingenuity não pode ser controlado em tempo real com um joystick, como um drone qualquer. O atraso na comunicação entre Terra e Marte são uma parte inerente do trabalho da Nasa.

O helicóptero tem, inclusive, autonomia para tomar suas próprias decisões sobre como voar até um local de interesse ou se manter aquecido. Os engenheiros projetaram e programaram o Ingenuity para realizar até cinco voos autonomamente, em um período de 30 dias marcianos (aproximadamente um mês na Terra).
Perseverance e Ingenuity na superfície de Marte.

“O Ingenuity é um empreendimento de alto risco e alta recompensa”, avalia Matt Wallace, vice gerente de projetos do Perseverance do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa. O seu primeiro voo irá apenas testar se o helicóptero pode sair do solo e pairar cerca de 3 metros no ar. A partir daí, cada teste será mais complexo do que o anterior, culminando em um voo final de 300 metros sobre o solo marciano.

Duas câmeras na parte inferior do drone irão capturar imagens da superfície marciana – uma em cores e outra em preto e branco. Do solo, o Perseverance também observará o drone. “Vamos ser capazes de ver com nossos próprios olhos, com vídeos, esse tipo de atividade acontecendo em outro mundo. E eu simplesmente não posso dizer o quão animado estou”, afirmou Bridenstine.

*Por Renato Mota

…………………………………………………………………………
*Fonte: olhardigital

Aerion AS2: conheça o sucessor do Concorde

Na corrida pela produção do sucessor do concorde — um dos nomes mais icônicos do segmento de aeronaves comerciais supersônicas — a Aerion Corporation pretende sair na frente com o seu jato AS2. Assim como o irmão mais velho, a aeronave promete voar de Nova Iorque a Londres em apenas quatro horas e meia.

Destinado ao setor corporativo, o AS2 comporta de oito a 12 passageiros. A aeronave pode atingir velocidades superiores a Mach 1.4, o que equivale a mais de 1.600 km/h.

Vale lembrar que o Concorde, fruto de uma parceria inédita da britânica British Aircraft Corporation com a francesa Aérospatiale, cruzou os céus até 2004. Ele foi descontinuado graças ao alto custo de manutenção e a emissão de poluentes na atmosfera.

Tom Vice, CEO da Aerion Corporation, disse à CNN que o Concorde, apesar de “uma peça de engenharia brilhante”, era um grande emissor de poluentes além de “muito barulhento e caro de operar”. Por isso, o AS2 representa algo totalmente novo na indústria da aviação.

A companhia, inclusive, já fechou alguns pedidos de interessados na novidade. Com um investimento de US$ 6,5 bilhões, e nomes como a Boeing e a GE apoiando o projeto, a meta é entregar pelo menos 300 unidades do AS2 nos próximos dez anos de produção.

O primeiro voo do jato supersônico está agendado para 2024, e as primeiras unidades chegam ao mercado até 2026.

Aerion AS2: menos poluente e mais silencioso

O presidente da Aerion declarou que foram necessários dez anos de planejamento para criar uma aeronave “incrivelmente eficiente” e com a menor queima de combustíveis possível.

Diferente do Concorde, o AS2 vai dispensar alguns sistemas como o de pós-combustão — onde o combustível é pulverizado direto na exaustão dos motores, promovendo mais impulso e aceleração durante a decolagem — para diminuir o barulho e a emissão de gases.

A fonte de energia do jato, segundo o presidente da empresa, não vai depender de nenhum combustível fóssil. A aeronave vai operar utilizando somente combustíveis totalmente sintéticos.

O AS2 também foi projetado para atender aos padrões de barulho estabelecidos pela indústria da aviação. Para isso, o jato conta com o recurso “boomless cruise”, que permite que a aeronave ultrapasse a barreira da velocidade do som dispersando o ruído do “boom” supersônico para a atmosfera: “teremos a primeira aeronave da história que pode voar em velocidade supersônica, e ninguém no chão vai ouvir o boom”, declarou Vice.

O preço final desta super máquina é de US$ 120 milhões (mais de R$ 645 milhões). De acordo com a fabricante, é um valor justo para quem está disposto a pagar mais para chegar mais rápido ao seu destino.

A companhia está construindo sua nova sede na Flórida, e pretende iniciar a produção do AS2 em 2023. Além do AS2, a Aerion também pretende produzir novos jatos híbridos no futuro, combinando, pela primeira vez, motores elétricos e aviões supersônicos.

*Por Gabriel Sérvio

……………………………………………………………………………….
*Fonte: olhardigital

‘WhatsApp é invasivo e Facebook, um abutre de dados’, afirma professora de Oxford

As informações pessoais que concordamos em fornecer a um aplicativo podem ser vendidas a centenas ou milhares de empresas — e até mesmo acabar na “dark web”.

Embora a magnitude dessa “economia de dados” não seja algo amplamente conhecido, a verdade é que há cada vez mais alertas e reclamações sobre os abusos das plataformas virtuais em relação à nossa privacidade.

Um exemplo disso foi a onda de críticas ao WhatsApp ao anunciar que compartilharia as informações de seus usuários com o Facebook. Esse fato fez com que seus concorrentes Signal e Telegram, que dizem ser mais seguros, fossem baixados massivamente.

Diante da reação negativa, o WhatsApp anunciou que o início do compartilhamento de dados seria adiado de 8 de fevereiro, conforme divulgado no começo de janeiro deste ano, para 15 de maio de 2021.

Professora de Oxford e especialista em privacidade e proteção de dados, Carissa Véliz argumenta que a mudança no WhatsApp é bastante invasiva. Porém, ela afirma que o verdadeiro “abutre dos dados ” é o dono do aplicativo de mensagens: o Facebook.

Autora do livro “Privacy is Power” (“A privacidade é um poder”), Véliz conversou com a BBC Mundo (serviço em espanhol da BBC) sobre a proteção de dados na atualidade.

Abaixo, leia a entrevista com a estudiosa:

BBC Mundo – Qual a importância das mudanças anunciadas pelo WhatsApp?

Carissa Véliz – À primeira vista, não parecem mudanças tão radicais. Porém, o que o WhatsApp planeja fazer é um ato bastante invasivo.

Para entender o contexto, é importante lembrar que o Facebook comprou o WhatsApp em 2014 e, na época, prometeu que as duas empresas não compartilhariam dados.

Em 2016, porém, houve uma mudança na postura e o Facebook decidiu que os usuários poderiam decidir se compartilhariam as informações entre as plataformas ou não. Agora, decidiram que não haverá mais oportunidade para rejeitar o compartilhamento de dados: se não aceitar a condição, não poderá mais usar o WhatsApp. Por isso acredito que o público reagiu.

Em primeiro lugar, porque são medidas bastante intrusivas. Alguns dos metadados podem ser usados para identificar as pessoas. Nisso, quero dizer que terão acesso a seu número de telefone, os números dos seus contatos, as fotos do seu perfil e quando você esteve online pela última vez. Além de dados relacionados à situação da bateria do seu celular e sobre o uso do aparelho.

Em segundo lugar, é um lembrete de quão autoritárias essas empresas são. Elas te apresentam condições de uso que estão mudando o tempo todo. E depois que usar o aplicativo por anos, te dizem “tudo ou nada”; entrega os seus dados ou não pode mais usar a plataforma, perdendo suas mensagens e seus contatos que cultivou com a gente durante muito tempo.

Depois de tantas promessas quebradas e tantas mentiras e escândalos, os usuários estão fartos de serem explorados dessa forma, de não serem tratados com respeito e não poderem negociar. Por isso, acredito que a resposta às mudanças do WhatsApp foi tão negativa.

BBC Mundo -Quanto o WhatsApp e o Facebook podem saber sobre um usuário? Até que ponto eles podem traçar o perfil de uma pessoa com os dados que possuem dela?

Véliz – Tudo depende do quanto a pessoa usa o aplicativo e quantas informações fornece sobre si. Porém, é possível inferir respostas a todos os tipos de questões. Por exemplo, quem são os seus amigos, quem são os seus familiares ou quem é o seu parceiro.

A partir dos dados é possível inferir aspectos como a orientação sexual, tendências políticas, o quão bem a pessoa dorme, se é alguém que levanta no meio da noite para ver as suas mensagens, a sua saúde e os seus interesses. Até mesmo seus vícios ou se você tem alguma doença.

BBC Mundo – Em seu livro mais recente, você fala que existem os “abutres de dados”. Como eles funcionam?

Véliz – São essas empresas que se dedicam a vender os registros das pessoas pelo preço mais alto. Em particular, os corretores de dados (“data brokers”, em inglês) que buscam conseguir elementos como o que a pessoa compra, o que pesquisa online, as suas contas em redes sociais, as doenças que possui, os seus rendimentos, as suas dívidas ou o carro que utiliza. Ou seja, todos os tipos de informações.

Depois de conseguir esses dados, os corretores os comercializa a quem queira comprar. Podem ser seguradoras, bancos, possíveis empregadores, ou, em algumas situações, até mesmo governos, como o dos Estados Unidos.

Esses “abutres de dados” também são empresas de marketing. Ninguém quer ver anúncios de coisas nas quais não tem interesse, por isso buscam mostrar anúncios personalizados.

Parece inocente, mas essa prática é muito mais perversa do que isso. Imagine que você entra em qualquer página da internet que tenha anúncios e, enquanto a página está carregando, são fornecidas em tempo real informações com seus dados para centenas de empresas que podem querer te mostrar um anúncio sem que você tenha consentido. Essas suas informações que são vendidas podem incluir aspectos muito sensíveis como o poder aquisitivo, a localização, a orientação sexual ou política e suas dívidas.

Todo esse pacote que chega a centenas de empresas com as suas informações fica guardado e cada um dos donos dessas informações pode vendê-las a outras empresas. E se houver uma violação ou invasão virtual, esses dados podem terminar na “dark web” (área da internet de pouco controle) para serem vendidos a qualquer pessoa.

Eu considero o Facebook como um “abutre de dados” porque é uma empresa que, basicamente, ganha dinheiro a partir da exploração das informações pessoais dos usuários.

BBC Mundo – Quanto isso afeta os usuários da internet?

Véliz – Nos afeta de forma invisível e isso é parte do problema. Não é algo tangível, mas pode ter efeitos catastróficos.

Por exemplo, é possível que amanhã peçamos um empréstimo e que o banco não aceite por algum detalhe que está nesses registros que estão à venda. E é possível que esses dados estejam incorretos ou desatualizados. E nunca vamos saber, porque nunca é explicado a você com base em quais informações essa decisão foi tomada. E não saberemos o que pode ser feito para revertê-la.

É bem possível que te impeçam de pegar um empréstimo, conseguir um emprego, comprar um apartamento… e você nunca vai descobrir o porquê.

Outro dos efeitos mais perniciosos da personalização de conteúdos e anúncios é a polarização. As pessoas gostam de ver aquilo que confirma suas piores suspeitas e, muitas vezes, é uma informação incorreta. Em vez de haver uma esfera pública na qual todos podem debater, cada um vê uma realidade a partir de seu perfil psicológico.

Na campanha de Trump, por exemplo, em vez de haver cinco ou seis anúncios para que todas as pessoas vissem, havia seis milhões de anúncios diferentes para os distintos perfis identificados. Isso significa que não existe um diálogo saudável entre perspectivas diferentes.

BBC Mundo – O que os países podem fazer para proteger os dados de seus cidadãos?

Véliz – Primeiro você tem que encerrar a economia de dados. As informações pessoais não deveriam ser algo que pode ser vendido ou comprado. Mesmo as sociedades mais capitalistas estão de acordo que há coisas que deveriam estar fora do mercado, como os votos ou as próprias pessoas, por exemplo.

Precisamos elevar muito os padrões de segurança cibernética e isso pode passar através de uma regulamentação. No momento, a internet é construída de forma muito insegura, em partes para promover a coleta de dados e também porque não há incentivos para melhorá-la.

Também falta um esforço diplomático. Precisamos de uma aliança comum que possa fazer frente a países como a China ou a Rússia, que têm muito pouco respeito à privacidade.

BBC Mundo – Será possível recuperar a internet ou é uma batalha perdida?

Véliz – Eu sou bastante otimista. Anos atrás, quando comecei a trabalhar com privacidade, todo o mundo pensava que era um tema morto, mas hoje é mais relevante do que nunca.

Anos atrás ninguém pensava que o GDPR (Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia, em português) seria possível e, embora seja seja muito imperfeito, é um marco histórico.

No passado, prejudicamos muitas coisas importantes, como a camada de ozônio. Nos demos conta de que estávamos a destruindo e agora, com regulamentação e esforço, ela está se recuperando. Outros exemplos que antes eram inimagináveis são o sufrágio universal, os direitos trabalhistas, a jornada de oito horas e as férias.

Neste momento, a internet é como o velho oeste e estamos passando por um processo civilizatório no qual temos que torná-la mais habitável.

*Por Boris Miranda

……………………………………………………………………………………….
*Fonte: bbc-brasil

A mudança no comportamento das gerações: tecnologia de A a Z

Somos influenciados pelos acontecimentos de nosso tempo e por aqueles que nos antecedem. No caso da Geração Z, a tecnologia teve papel fundamental em sua formação. Entender de que forma essa influência se deu e que características gerou nesse grupo nos guiará em direção ao futuro e à próxima geração.

Popularização da internet, lançamento do Playstation, estreia dos sites de busca Google e Yahoo. Você sabe em que década esses acontecimentos ocorreram? Anos 1990. Mundialmente falando, um período de avanços científicos, tecnológicos e consolidação da globalização. Uma época propícia para o desenvolvimento e disseminação de eletrônicos e digitais.

Muitos dos avanços que ocorreram nos anos 90 foram impulsionados pela Guerra Fria (1947 e 1991), que apesar de todo o conflito político, ideológico e econômico entre Estados Unidos e União Soviética (URSS), resultou também em um saldo tecnológico e científico. Alguns exemplos são: a criação da NASA, utilização de satélites em sinais de telecomunicação e o surgimento da Internet, nos anos 60. Mas, naquela época, a tecnologia era restrita ao uso militar e só se tornou popular outras décadas mais tarde. No Brasil, podemos citar que ela foi disponibilizada para uso comercial em 1994.

Dessa maneira, diversas invenções começaram a emergir a partir do avanço tecnológico: as mensagens de texto SMS, o DVD, o Super Nintendo e a Google foram algumas das criações dos anos 90, e quem nascia naquele contexto começava desde muito cedo a “falar” a língua da tecnologia, a linguagem dos computadores, celulares, games e da internet. Para Marc Prensky, escritor americano e palestrante em educação, esses indivíduos são os nativos digitais, ou seja, aqueles que já nasceram imersos no mundo digital. Essa geração de nativos engloba também aqueles que fazem parte da Geração Z, que é a idade sociológica dos indivíduos que nasceram entre os anos 1990 e 2010.

Em linhas gerais, o conceito de gerações é definido por um grupo de pessoas que nasceram na mesma época e compartilham de hábitos, cultura, comportamentos e experiências de vida semelhantes. Alguns estudiosos afirmam que elas podem mudar a cada 25 anos, mas que este intervalo não deve ser levado como uma máxima para essas definições. Inclusive, a Geração Z é um exemplo de que não existe um consenso sobre o período do seu início, em outras literaturas, é possível encontrar esse começo definido também pelos anos 1995. Antes dos Zs, temos a Geração Y, que é formada por pessoas que nasceram a partir do ano de 1980, que podem ser chamados também de Millennials, outra fase de avanços tecnológicos e crescente globalização, mas no Brasil, período de certa instabilidade econômica.

A classificação das gerações não para por aí, a Geração X também foi estudada e engloba indivíduos que nasceram entre 1965 e 1978, são pessoas que trabalham bem em grupo e individualmente, e buscam a independência financeira desde cedo, eles também podem ser chamados de filhos dos Baby Boomers. “Baby Boom” significa explosão de bebês e é a geração composta por pessoas nascidas entre 1946 e 1964, um período de grande crescimento populacional do pós-Segunda Guerra Mundial. Antes disso, também podemos citar a Geração dos Veteranos ou Tradicionais que inclui pessoas que nasceram de 1922 até 1945, elas nasceram e viveram em períodos de guerra, por esse motivo tem um comportamento diferente das outras gerações, acreditam no trabalho em equipe, entretanto, são influenciados pelo modelo de militarismo ao exercer posições de liderança.

Com esses dados, é possível perceber que o comportamento de cada geração é influenciado pelos acontecimentos que as antecedem, que vigoram e que perduram, e vimos que a tecnologia teve um importante impacto nas últimas gerações, especialmente na Geração Z.

Não é à toa que o grupo de pessoas nascidas a partir de 1990 recebeu esse título. O “Z” vem do termo zapear, ou seja, mudar os canais de TV de forma constante e rápida. O termo “Zap” vem do inglês e pode ser traduzido como “fazer algo rapidamente”. É a geração da velocidade, eles aprendem rápido, são dinâmicos, exigentes e já nasceram acompanhando boa parte das tecnologias, são conectados e autodidatas. A Fast Company — uma revista sobre tecnologia — fez uma projeção que até o final de 2020 essa geração já representaria 40% dos consumidores, por isso é tão importante estudá-los, a fim de oferecer soluções e ferramentas que se adequem às suas necessidades e expectativas.

Eles são consumidores exigentes e querem conhecer os produtos antes de comprá-los, por isso, fazem pesquisas na internet e em redes sociais sobre o que vão adquirir, afinal, são nativos digitais e usam a rede para facilitar a vida e otimizar o tempo, também por isso são um dos públicos que mais usufruem do comércio eletrônico. Além disso, por gostarem da experimentação, as tecnologias de Realidade Virtual e Realidade Aumentada podem cativar ainda mais esses consumidores no e-commerce, já que por meio delas torna-se possível ter a sensação de “experimentar” uma peça de roupa, por exemplo. Atualmente, o eBay — um dos maiores sites de comércio eletrônico do mundo — possui um aplicativo de realidade virtual na Austrália. Para usufruir da tecnologia é necessário um smartphone e um óculos de realidade virtual. Neste assunto, cabe relatar que grande parte das vendas dos e-commerces acontecem pelos smartphones. Uma pesquisa feita pela Opinion Box, empresa de pesquisa de mercado, mostrou que 85% dos brasileiros com smartphone compram online. Outra estratégia que se mostrou eficaz para o comércio eletrônico foram as live commerces, que são transmissões de vídeo ao vivo, com apresentação de produtos de uma loja ou marca. O objetivo delas é a venda instantânea desses itens por meio de uma plataforma integrada com o e-commerce.

A forma de relacionamento e consumo dos Zs também foi muito influenciada pela crescente nos aplicativos, segundo um relatório de 2017 divulgado pelo site Mobile Time, essa geração passa em média 4h17 por dia na internet no celular e instala cerca de 9 aplicativos por mês em seus smartphones. Um relatório divulgado este ano pela companhia de análise de mercado mobile App Annie mostrou que os aplicativos mais baixados por eles, no quesito social, foram o TikTok, Snapchat e o Twitch. Mas não é somente para o entretenimento que essa geração tem utilizado as aplicações mobile, os apps de delivery de comida como o Ifood, Uber Eats, 99 Food e outros, fazem parte do dia a dia deles.

Além desses, devemos lembrar também o quanto os Zs utilizam os apps de economia compartilhada, no que diz respeito à mobilidade urbana. Em um cenário de crescimento desordenado dos grandes centros urbanos e aumento de veículos particulares motorizados, fez-se necessário pensar formas de garantir uma mobilidade sustentável, neste ponto, a tecnologia foi fundamental. Com auxílio das plataformas online, os aplicativos de mobilidade compartilhada passaram a fazer parte da vida dessa geração: carros, bicicletas e patinetes pertencem à rotina dessas pessoas. Ressalto que, apesar do serviço de mobilidade compartilhada mais popular no Brasil ter chegado em 2014, com a Uber, o conceito começou nos anos 60, na Holanda, por meio de bikes compartilhadas. Naquela época, não havia custo para utilizar as bicicletas, entretanto, o modelo não se mostrou sustentável, além de ter sido alvo de vandalismo. Mas hoje, com o avanço da tecnologia, podemos usufruir desses serviços e sobretudo, contando com usuários que têm o mindset de colaboração. Neste sentido, podemos ainda citar exemplos como o Airbnb, Dog Hero ou sites de financiamento coletivo como o Catarse e o Benfeitoria, todos esses impulsionados pelas plataformas digitais.

A mentalidade colaborativa da Geração Z vai além. Os coworkings são outro exemplo de como eles têm lidado bem compartilhando também o espaço de trabalho com pessoas de diferentes empresas e lugares, o termo cunhado pelo designer de jogos Bernie DeKoven, descreve um novo modelo de trabalho que estava em ascensão junto da tecnologia, e para quem pensa que os avanços tecnológicos poderiam afastar os trabalhadores, os coworkings vieram para mostrar que nem sempre será assim.

Fato é que essa geração é muito mais propensa para trabalhar em um modelo remoto. Segundo uma pesquisa divulgada pela Globo, apenas 16% dos Zs preferem trabalhar em escritórios corporativos, entretanto, a maioria deles, 38% afirmam que o local não faz diferença, seguido por 26% que prefere trabalhar em coworkings e outros 20% em home office. É preciso ficar cada vez mais atento aos anseios e hábitos dessa geração em relação ao mercado de trabalho, porque, segundo a Mckinsey, até 2022, eles representarão cerca de 10% da força de trabalho.

Como nativos digitais, lidam muito bem com a tecnologia no mercado de trabalho e mesmo que não desenvolvam diretamente uma atividade relacionada a ela, eles têm um bom desenvolvimento no assunto, aprendendo facilmente a manusear novos softwares e plataformas, além de serem mais abertos às mudanças de tecnologias. Além disso, com toda evolução tecnológica, novas possibilidades de carreira começam a surgir, e essa geração passa a considerar profissões que sequer existiam há alguns anos: UX design, gestor de mídias sociais, desenvolvedor mobile, analista de cibersegurança, até blogueiro, youtuber ou influenciador digital.

Os Zs valorizam também gestores e lideranças que sejam próximas e abertas ao diálogo. Além disso, ambientes diversos e colaborativos são mais apreciados. Essa combinação de predileções leva muitos a quererem trabalhar em startups, já que são ambientes mais dinâmicos, inovadores e ágeis. A agilidade é uma constante para a Geração Z, são imediatistas e autônomos e por isso, podem vir a ter mais facilidade em trabalhar com metodologias ágeis como o método Scrum e o Kanban.

Outra mudança de mentalidade em relação ao trabalho diz respeito às expectativas em relação às empresas contratantes, uma pesquisa da Deloitte mostrou que 38% espera que as empresas também se preocupem com a saúde do funcionário, incluindo um bom ambiente de trabalho. Outros 34% esperam alguma atividade relacionada a mentoria ou treinamento. Isso mostra que são pessoas que querem desenvolver suas carreiras e acreditam que o aprendizado faz parte desse processo.

Sobre esse assunto, vale salientar, que a forma de aprender dos Zs também se modificou, ela acontece de forma mais acelerada, eles são autodidatas e muitas vezes, aprendem sozinhos diversos conteúdos com o auxílio da internet. Além disso, o ensino a distância também foi um facilitador, por meio de plataformas EAD é possível absorver o conteúdo e interagir com colegas e professores. Segundo o último censo (2018/2019) Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed), a modalidade EAD no Brasil soma 9 milhões de estudantes.

Então, o que esperar da Geração Z e como lidar com ela?

No âmbito educacional, voltarei a citar Marc Prensky, que, além de apresentar o conceito de nativos digitais, traz também quem seriam os imigrantes digitais, ou seja, aqueles que nasceram antes das tecnologias. No caso da educação, os professores. O escritor explica que eles, assim como os imigrantes, aprendem a “nova língua” (da tecnologia), entretanto, não a pronunciam como os nativos, eles mantêm um certo “sotaque”. Para resolver essa equação, os professores precisam estar abertos aos novos métodos de ensino e práticas que se adequam à realidade dos nativos digitais. Para isso, é preciso ouvi-los e aprender ao máximo sobre essa nova linguagem, além de tentar introduzir ferramentas que representem o contexto deles, como o gamification, por exemplo.

Enquanto consumidores, a Geração Z está buscando produtos mais tecnológicos, mais informações sobre os produtos, mais inovação e outros tantos “mais”. Mas, as marcas e empresas não devem ficar restritas a isso, é preciso gerar valor para essa geração, eles buscam marcas que se engajem com causas sociais, que sejam sustentáveis, diversas e plurais. Contudo, não se deve esquecer que esses consumidores querem praticidade, comprar em poucos cliques e receber em um curto prazo. Nesta última, soluções de entregas rápidas como os drones, podem ser uma boa aposta. Sem esquecer de utilizar a tecnologia a fim de facilitar todo o processo de compra do usuário.

No mercado de trabalho, as empresas precisam aprender cada vez mais com a Geração Z. Eles tendem a ser menos burocráticos, menos resistentes às mudanças, mais ágeis e mais colaborativos, além de tudo, claro, mais tecnológicos. Ouvi-los pode ajudar a implementar novas possibilidades de culturas inovadoras dentro das organizações. Afinal, a evolução tecnológica e a transformação digital são caminhos sem volta (ainda bem!) e nada melhor do que aprendermos essas mudanças com os Zs no mercado de trabalho hoje, pois, daqui a pouco chega uma nova geração para ocupar posições importantes: a Geração Alpha, a geração das telas. A melhor forma de lidarmos com os Zs e aguardar os Alphas é escutá-los, além de ter sempre em mente que, por mais que não sejamos todos nativos digitais, devemos nos esforçar sempre para ser imigrantes eficientes, curiosos e aprendizes constantes.

*Por Gustavo Caetano

………………………………………………………………………………………..
*Fonte: mittechreview

Tinta resfria superfícies e pode substituir ar condicionado

Engenheiros da Purdue University, nos Estados Unidos, criaram uma tinta branca capaz de resfriar superfícies em até 8°C, fazendo isso sem o uso de eletricidade.

De acordo com os pesquisadores, a tinta poderia substituir o uso do ar condicionado ao deixar de absorver a energia e o calor provocado pelo sol. E sem o aquecimento provocado pelo sol na superfície das construções, não seria necessário ligar o equipamento para anter o interior resfriado.

“Pode parecer muito improvável que uma superfície em contato direto com a luz do sol tenha uma temperatura mais baixa do que a mostrada nos termômetros para determinada área, mas estamos mostrando que isso é possível”, explica Xiulin Ruan, professor de Engenharia Mecânica na Purdue University.

Além de afastar o calor das superfícies, a tinta pode contribuir no combate ao aquecimento global já que ajuda a diminuir a absorção de calor na atmosfera.

“Nós não estamos apenas transferindo o calor da superfície ara a atmosfera, mas afastando este aquecimento da nossa atmosfera”, garante outro pesquisador, o pós-doutorando do Instituto Massachusetts de Tecnologia, Xiangyu Li.

A superfície da Terra pode se resfriar com o uso desta tecnologia se a tinta fosse aplicada em uma variedade de construções, incluindo coberturas de edifícios, carros, estradas e telhados em todo o planeta, defendem os cientistas.

Em um artigo publicado pelo periódico Cell Reports Physical Science, os pesquisadores mostram que em comparação com uma tinta branca tradicional, a tinta criada na Purdue University mantêm a temperatura mais baixa em uma superfície com incidência de luz solar direta graças à reflexão dos raios ultravioleta.
Uma câmera infravermelha mostra que a tinta branca criada pelos engenheiros pode manter uma superfície mais fria do que a mesma área pintada com tinta convencional. Imagem: Purdue University | Joseph Peoples

Algumas tintas disponíveis no mercado hoje prometem diminuir o calor nas superfícies, mas estes produtos refletem apenas de 80% a 90% da luz solar e não são capazes de fazer com que as temperaturas caiam mais do que a temperatura ambiente. Já a tinta desenvolvida pelos pesquisadores pode refletir até 95,5% da luz solar e é capaz de dispersas o calor infravermelho.

Para que esta tecnologia fosse desenvolvida foram necessários 6 anos de pesquisa e testes. Os cientistas analisaram mais de 100 combinações entre diferentes materiais, escolheram as 10 melhores alternativas e então testaram mais 50 outras variações para cada material.

A combinação final tem em sua formula carbonato de cálcio, um componente abundante na superfície Terrestre e facilmente encontrado em rochas e conchas marinhas.

Com este componente, a tinta final tem os mesmos resultados estéticos que as tintas tradicionais, mas com a diferença de resfriar significativamente as superfícies pintadas. O carbonato de cálcio absorve quase todos os raios ultravioletas por conta de sua estrutura atômica e também tem uma variedade de partículas com diferentes tamanhos o que faz com que a tinta se espalhe bem em superfícies com diferentes texturas.
O pesquisador Joseph Peoples usa uma câmera infravermelha para avaliar os resultados de duas amostras de tinta em uma cobertura. Foto: Purdue University | Jared Pike

De acordo com os engenheiros, a produção da tinta é mais barata do que a fabricação das tintas comerciais e seu uso se torna ainda mais econômico ao poupar o uso do ar condicionado – e da energia elétrica necessária para o equipamento.

“Esta tinta praticamente substitui o ar condicionado ao refletir os raios solares e diminuir o calor absorvido pelo interior das construções”, afirma Joseph Peoples, doutorando em Engenharia Mecânica na Purdue University e um dos autores do estudo.

Ao diminuir o uso do ar condicionado, a tinta também ajuda a evitar o consume de energia elétrica e consequentemente de recursos naturais. De acordo com Joseph Peoples, ainda estão sendo realizados estudos para mensurar todos os benefícios da tecnologia.

A fórmula original foi patenteada e agora os pesquisadores estão trabalhando em desenvolver outras cores para a tinta, com os mesmo benefícios da tinta branca que eles criaram.

*Por Natasha Olsen

…………………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Escolha a cidade e saia caminhando

É algo absolutamente banal: City Walks. Uma câmera subjetiva, perambulando por calçadas, ruas, ruelas e grandes avenidas de diversas cidades pelo mundo.

Porém, apesar dessa simplicidade de uma atividade tão comum e corriqueira na vida da maioria das pessoas, a experiência tem algo de hipnotizante. Por algum motivo, a tal caminhada virtual tem um efeito imersivo instantâneo que nos transporta com muita verdade para a rotina de outras pessoas.
você pode até escolher se prefere durante a Covid ou não

É possível, por exemplo, reparar se as pessoas se sentem seguras onde estão, se o ambiente é mais estressante ou relaxante, se o urbanismo foi de fato planejado, etc. É mais ou menos como olhar as fotos compartilhadas por hóspedes de determinado hotel em sites de review, que trazem a verdade sem filtros e lentes de distorção. E basta uma olhada para saber se o quarto é limpo ou espaçoso de fato. Com o “City Walks” é a mesma coisa: basta um rolezinho de 5 minutos para você ser abraçado, ainda que virtualmente, por alguma outra cidade.

Sei lá, achei poético 🙂 Acho que é confinamento.

O City Walks foi inspirado em outro site, o “Drive & Listen”, que publicamos aqui e que foi um dos mais acessados do site em 2020. A diferença é que nesse o passeio é de carro e você pode ir ouvindo a rádio local em tempo real.

*Por Wagner Brenner

…………………………………………………………………………………
*Fonte: updateordie

Cálculos mostram que será impossível controlar uma Inteligência Artificial super inteligente

A ideia da inteligência artificial derrubar a humanidade tem sido discutida por muitas décadas, e os cientistas acabaram de dar seu veredicto sobre se seríamos capazes de controlar uma superinteligência de computador de alto nível. A resposta? Quase definitivamente não.

O problema é que controlar uma superinteligência muito além da compreensão humana exigiria uma simulação dessa superinteligência que podemos analisar. Mas se não formos capazes de compreendê-lo, é impossível criar tal simulação.

Regras como ‘não causar danos aos humanos’ não podem ser definidas se não entendermos o tipo de cenário que uma IA irá criar, sugerem os pesquisadores. Uma vez que um sistema de computador está trabalhando em um nível acima do escopo de nossos programadores, não podemos mais estabelecer limites.

“Uma superinteligência apresenta um problema fundamentalmente diferente daqueles normalmente estudados sob a bandeira da ‘ética do robô’”, escrevem os pesquisadores.

“Isso ocorre porque uma superinteligência é multifacetada e, portanto, potencialmente capaz de mobilizar uma diversidade de recursos para atingir objetivos que são potencialmente incompreensíveis para os humanos, quanto mais controláveis.”

Parte do raciocínio da equipe vem do problema da parada apresentado por Alan Turing em 1936. O problema centra-se em saber se um programa de computador chegará ou não a uma conclusão e responderá (para que seja interrompido), ou simplesmente ficar em um loop eterno tentando encontrar uma.

Como Turing provou por meio de uma matemática inteligente, embora possamos saber isso para alguns programas específicos, é logicamente impossível encontrar uma maneira que nos permita saber isso para cada programa potencial que poderia ser escrito. Isso nos leva de volta à IA, que, em um estado superinteligente, poderia armazenar todos os programas de computador possíveis em sua memória de uma vez.

Qualquer programa escrito para impedir que a IA prejudique humanos e destrua o mundo, por exemplo, pode chegar a uma conclusão (e parar) ou não – é matematicamente impossível para nós estarmos absolutamente seguros de qualquer maneira, o que significa que não pode ser contido.

“Na verdade, isso torna o algoritmo de contenção inutilizável”, diz o cientista da computação Iyad Rahwan, do Instituto Max-Planck para o Desenvolvimento Humano, na Alemanha.

A alternativa de ensinar alguma ética à IA e dizer a ela para não destruir o mundo – algo que nenhum algoritmo pode ter certeza absoluta de fazer, dizem os pesquisadores – é limitar as capacidades da superinteligência. Ele pode ser cortado de partes da Internet ou de certas redes, por exemplo.

O novo estudo também rejeita essa ideia, sugerindo que isso limitaria o alcance da inteligência artificial – o argumento é que se não vamos usá-la para resolver problemas além do escopo dos humanos, então por que criá-la?

Se vamos avançar com a inteligência artificial, podemos nem saber quando chega uma superinteligência além do nosso controle, tal é a sua incompreensibilidade. Isso significa que precisamos começar a fazer algumas perguntas sérias sobre as direções que estamos tomando.

“Uma máquina superinteligente que controla o mundo parece ficção científica”, diz o cientista da computação Manuel Cebrian, do Instituto Max-Planck para o Desenvolvimento Humano. “Mas já existem máquinas que executam certas tarefas importantes de forma independente, sem que os programadores entendam totalmente como as aprenderam.”

“Portanto, surge a questão de saber se isso poderia em algum momento se tornar incontrolável e perigoso para a humanidade.”

A pesquisa foi publicada no Journal of Artificial Intelligence Research.

*Por Ademilson Ramos

……………………………………………………………………………………..
*Fonte: engenhariae

Jovem engenheiro cria pavimento que se regenera com água

O jovem engenheiro civil Israel Antonio Briseño, da Universidade Autônoma de Coahuila, no México, desenvolveu um material que permite a criação de estradas que podem ser reparadas apenas através do contato com a água.

O material foi criado a partir de pneus de veículos, de modo que a base de borracha funciona como um solo que pode fechar as rachaduras que surgem em sua superfície. A invenção rendeu a Israel o primeiro lugar na competição James Dyson-México, focada em estimular a criação de novos designs.

”O projeto é inspirado na solução dos danos causados pela chuva nas estradas. Assim, quando a água entra em contato com ela, uma reação química é criada e a auto-manutenção ocorre”.

Segundo Israel Briseño, o projeto batizado de Paflec, já foi testado em laboratório e teve grande eficiência na reparação ou fechamento de rachaduras, no entanto, ainda faltam alguns procedimentos para que a invenção de Israel possa ser utilizada em vias públicas.

O engenheiro também enfatizou que, embora já existam pavimentos semelhantes, seu protótipo é original, pois ninguém usa a água como meio de regeneração, muito menos pneus. No México, 80% do pavimento é asfalto e 20% concreto hidráulico.

A próxima etapa é certificar a invenção perante a Agência Nacional de Padronização e Certificação de Construção, além de levar uma ficha técnica do seu protótipo ao Secretário de Comunicações e Transporte para que eles determinem para que o Paflec seja usado nas ruas e estradas de seu país.

……………………………………………………………………………..
*Fonte: contioutra

Novo satélite pode ver dentro de casas e prédios, de dia ou de noite

Uma empresa americana lançou, há alguns meses, um satélite capaz de registrar imagens em qualquer lugar do mundo, inclusive dentro de casas e prédios. E, diferentemente de grande parte dos satélites, ele também é capaz de fazer a captação mesmo durante a noite ou se estiver chovendo, segundo um artido publicado no site Futurism.

Na quarta-feira, a empresa Capella Space lançou uma plataforma que permitirá a governos e clientes privados solicitarem imagens de qualquer lugar do mundo. Essa capacidade ainda vai aumentar, porque serão colocados seis novos satélites no ano que vem.

Com isso, apesar da tecnologia utilizada para captar imagens na escuridão não seja inédita, a Capella Space tornou-se a primeira empresa americana a oferecer essa tecnologia nos EUA e a primeira no mundo a disponibilizar o serviço para clientes, de acordo com o Futurism.

A polêmica, no entanto, fica por parte da privacidade — da falta dela. São muitos os questionamentos que circundam uma tecnologia que é capaz de captar imagem por dentro das quatro paredes de qualquer imóvel.

O diretor executivo da empresa, Payam Banazadeh, em entrevista ao site, disse que, por outro lado, há muitas lacunas para quem observa a Terra do espaço, e que governos e cientistas podem se beneficar com mais informações vindas a partir dessa tecnologia.

Um possível cliente pode ser, por exemplo, uma agência governamental que quer monitorar alguma ação militar hostil. Por isso, seria importante que a tecnologia consiga captar as imagens por dentro das paredes.

Mesmo assim, ainda não está claro o que seria feito para impedir que a população comum passe a ser vigiada ou tenha sua privacidade violada.

……………………………………………………………

*Fonte: extraglobo

Startup diz que carro elétrico movido a energia solar nunca irá precisar recarregar

A empresa de carros elétricos Aptera Motors está de volta – e afirma ter construído um veículo que, em teoria, nunca precisa ser carregado, graças aos bancos de painéis solares em seu teto e capô.

Claro, há uma série de advertências e notas de rodapé sobre a afirmação, como relata o The Verge, e vamos vamos comentar. Mas supondo que os painéis solares funcionem moderadamente bem, o Aptera poderia apresentar algo no caminho para uma solução para os problemas de autonomia das baterias de veículos elétricos, um dos principais obstáculos que bloqueiam uma transição generalizada para carros elétricos.

Aptera não alega ter construído um dispositivo de movimento perpétuo, ou que a bateria dos veículos de três rodas nunca ficará sem energia.

Em vez disso, a empresa diz em um comunicado à imprensa que o veículo tem um alcance extraordinário de 1.600 quilômetros por carga, levando em consideração seus painéis solares acrescentando 72 quilômetros de energia em dias ensolarados. Partindo do pressuposto de que um motorista típico viajará menos do que isso, o Aptera poderia durar muito tempo sem precisar parar em uma estação de recarga.

Como empresa, a Aptera teve problemas para colocar seu design incomum nas ruas. Depois que seus carros foram certificados pela primeira vez pelo Departamento de Energia em 2009, a empresa fechou suas portas em 2011 depois de ser incapaz de garantir um empréstimo, de acordo com o The Verge.

*Por Ademilson Ramos

…………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

O que são os ciclos de Milankovitch e como afetam o clima da Terra

Em 1920 um cientista chamado Milutin Milankovitch formulou hipóteses de que variações na órbita da Terra podiam resultar em variações cíclicas da energia solar que atingia o planeta, e isso influenciaria os padrões climáticos da Terra.

Desde então evidências têm corroborado com a hipótese de Milankovitch. Tais evidências são observadas estudando rochas e gases presos em bolhas de ar sob o gelo. Uma das mais recentes foi a confirmação da existência de um ciclo de 405.000 anos que, nesse caso, é causado por interações gravitacionais da Terra com Júpiter e Vênus.

As variações do ciclo de Milankovitch

Excentricidade: É a variação da órbita da Terra com o Sol. Ela pode variar em uma órbita mais elíptica (oval) ou menos elíptica. A excentricidade da Terra tem um período de cerca de 100 mil anos.

Obliquidade: É o movimento de inclinação do eixo de rotação em relação ao Sol. Sendo mais claro, imagine um sino de uma igreja. Quando esse sino esta parado ele está na vertical, quando o balançamos ele se inclina de um lado para o outro. Com o efeito de Obliquidade da terra o mesmo acontece. entretanto a variação dessa inclinação no planeta é entre 22,5° e 24,5º e acontece a cada 41 mil anos.

Precessão: A precessão também é uma variação dos ciclos. Enquanto na rotação a Terra gira no próprio eixo e na translação ela gira em torno de sua estrela, na precessão ela faz um giro no eixo de forma inclinada, é como se misturássemos o efeito de obliquidade com a rotação da terra. Esse movimento leva cerca de 25 mil anos.

Mudanças Climáticas

Os ciclos acima são conhecidos por causar variações na insolação, ou seja, por afetar o nível de radiação recebido do Sol.

A diferença da energia que o planeta recebe pode causar eras com climas mais intensos ou mais amenos. Além da insolação, as variações das orbitas também alteram a distribuição da radiação no globo.

Se, por exemplo, pensarmos em um modelo onde os ciclos combinam em seus extremos – a Terra longe do sol, o ângulo do eixo no máximo de 24,5° – teríamos estações de inverno extremamente frias e verões muito quentes.

Quando se compara variações orbitais dos ciclos com as antigas eras glaciais e interglaciais, é possível ver uma relação entre os dois fatores.

E o aquecimento global?

É comum observar a negação do aquecimento global antropogênico (causado por humanos) com o argumento de que na Terra é normal haverem eras quentes e frias. Entretanto, uma das características do método científico é eliminar variáveis.

Os ciclos de Milankovitch são conhecidos há pelo menos 100 anos, e quando a comunidade científica afirma que as mudanças atuais são causadas por nós, podemos ter certeza que a possibilidade de ser apenas um ciclo já foi uma variável descartada.

Atualmente as mudanças têm ocorrido em um período extremamente curto, ainda mais quando comparamos com os ciclos naturais da Terra que duram milhares de anos.

*Por Wesley Oliveira de Paula

……………………………………………………………………………
*Fonte: socientifica

Caminhão constrói 50 metros de pista em menos de 6 minutos

FAUN Trackway, uma empresa com sede em Gales, criou um método intrigante para resolver o problema que máquinas pesadas tinham para atravessar terrenos intransitáveis.

Um caminhão especialmente equipado que abriga um carretel de estruturas de alumínio de alta resistência que pode rapidamente criar 50 metros de estrada temporária. A faixa da estrutura pode então ser rapidamente recolhida e utilizada de novo, quando necessário.

Veículos com peso de até 70 toneladas podem transitar com segurança sob a faixa. O sistema de posicionamento garante as equipes de resgate ou operações militares o poder de passar rapidamente por aquele trecho, sem o risco de ficar preso em situações onde o tempo é um fator principal.

*Por Ademilson Ramos

……………………………………………………………………..
*Fonte: engenhariae

A foto de maior exposição já tirada foi um completo acidente

Oito anos e um mês atrás, uma estudante de Belas Artes da Universidade de Hertfordshire montou uma lata de cerveja com papel fotográfico e criou uma câmera rudimentar. Ela então colocou a lata em um telescópio no Observatório Bayfordbury da universidade e esqueceu do projeto.

Agora, a fotografia resultante foi redescoberta — e pode ser a foto de maior exposição já tirada, de acordo com o Live Science.

“Eu já havia experimentado essa técnica algumas vezes no Observatório antes, mas as fotografias eram muitas vezes destruídas pela umidade e o papel fotográfico enrolava”, disse a fotógrafa Regina Valkenborgh, agora técnica de fotografia da Barnet e Southgate College, em um comunicado. “Eu não tinha a intenção de capturar uma exposição por este período de tempo e, para minha surpresa, ela tinha sobrevivido.”

A fotografia mostra a jornada do sol pelo céu desde 2012; 2.953 arcos de luz traçando seu caminho enquanto o sol se levantava e descia. Parte da cúpula do telescópio também é visível à esquerda da fotografia. À direita há uma estrutura de pórtico projetada para atravessar o observatório, que foi construído durante a exposição.

Antes desta foto, a foto de maior exposição era de quatro anos e oito meses, tirada pelo artista alemão Michael Wesely, segundo a universidade. Wesely tira fotos de longa exposição de várias cenas, como a reforma do Museu de Arte Moderna (MOMA) em Nova York.

A fotografia de longa exposição requer aberturas muito pequenas na lente da câmera, a fim de não inundar o papel fotográfico com luz. A câmera de lata de cerveja é um tipo de câmera pinhole, um dispositivo muito simples sem qualquer lente. A luz entra através da única abertura na câmera — o buraco do tamanho de uma ponto — e cai no papel fotossensível dentro. Isso cria uma imagem invertida do que a câmera “vê”. Devido ao longo tempo de exposição, apenas objetos em movimento lento ou permanente aparecem na imagem resultante; objetos em movimento rápido são perdidos.

A imagem de Valkenborgh foi redescoberta pelo principal oficial técnico do Observatório de Bayfordbury, David Campbell, que encontrou e removeu a lata de cerveja despretensiosa do telescópio.

*Por Marcelo Ribeiro

………………………………………………………………………………
*Fonte: hypescience

Cientistas criam sistema de inteligência artificial “autoconsciente”

Cientistas criaram sistema de IA capaz de identificar quando ele mesmo não é confiável, usando redes neurais.

Um sistema de IA “autoconsciente”

A inteligência artificial (IA) está cada vez mais presente em nossas vidas, sendo uma das grandes tendências para o futuro. Aos poucos, mais equipamentos baseados em IA surgem, mudando todo o modo de vida e o comportamento da nossa sociedade.

A IA já toma decisões em áreas que afetam vidas humanas, como direção autônoma e diagnóstico médico. Assim, é vital que essas tecnologias sejam mais precisas e confiáveis o possível.

O sistema de rede neural recém criado pelos pesquisadores pode então ter papel fundamental nisso, aumentando o nível de confiança dos sistemas artificialmente inteligentes.

Segundo o cientista da computação Alexander Amini, um dos autores do projeto, é necessário que tenhamos não apenas modelos de alto desempenho, mas também modelos confiáveis. Devemos ser capazes de entender quando podemos, ou não, confiar na IA.

Os pesquisadores criaram, portanto, um sistema que pode identificar se ele próprio é confiável ou não. Essa “autoconsciência” recebeu o nome de “Regressão de Evidência Profunda” (Deep Evidential Regression) e baseia sua pontuação na qualidade dos dados disponíveis. Quanto mais precisos e abrangentes forem os dados de treinamento, mais provável é que as previsões deem certo.

Por exemplo, no sistema de um veículo autônomo prestes a atravessar um cruzamento, a rede poderia dar o comando de espera, caso estivesse menos confiante de suas previsões.

Afinal, a rede é confiável?

Embora sistemas semelhantes já tenham sido construídos com redes neurais no passado, o que diferencia este é a sua velocidade. O nível de confiança pode ser obtido rapidamente, no tempo de uma decisão.

Os pesquisadores testaram o sistema usando-o para avaliar uma imagem, assim como um carro autônomo avaliaria uma distância. A rede obteve sucesso nos resultados, além de estimar sua própria incerteza com precisão.

Os cientistas estão confiantes que o sistema possa contribuir para a segurança em situações com uso de IA.

No entanto, ainda não é tão simples. Mesmo que a rede neural esteja certa 99% das vezes, o 1% restante pode ter consequências graves, dependendo do cenário. Por isso, mais testes e aprimoramentos ainda deverão ser feitos.

As redes neurais artificiais são modelos computacionais inspirados no sistema nervoso central humano, sendo capazes de realizar o aprendizado de máquina e de reconhecer de padrões. São sistemas de nós interconectados que funcionam como os neurônios do cérebro humano, simulando o comportamento das redes neurais biológicas.

A partir de métodos iterativos, elas podem, com o tempo, aprender e melhorar continuamente. Podem, por exemplo, ajudar a criar programas que identificam objetos a partir de imagens. Elas são capazes de identificar padrões em conjuntos gigantescos de dados que nós, humanos, não temos a capacidade de analisar.

*Por Matheus Gouveia
………………………………………………………………………………….
*Fonte: socientifica

Saiba como os carros melhoraram nos últimos 50 anos

Nos últimos 50 anos os carros tornaram-se significativamente mais leves graças à tecnologia inovadora. Não só isso, eles são mais eficientes e ainda mais seguros.

Para ter uma melhor ideia de quanto mais seguros os nossos carros são atualmente, a Chevrolet realizou um teste de colisão entre dois carros; um Chevrolet Bel Air de 1959 contra Chevrolet Malibu de 2009. O resultado do teste de colisão fala por si.

“Era como se fosse noite e dia, a diferença de proteção dos ocupantes,” de acordo com o presidente do instituto, Adrian Lund.

*Por Ademilson Ramos

………………………………………………………………………
*Fonte: engenhariae

Cabo submarino que ligará Brasil e Europa é ancorado em Fortaleza

O Ministério das Comunicações anunciou o lançamento de um cabo submarino de fibra ótica que ligará Fortaleza no Ceará a Sines, em Portugal, com previsão de expansão para pontos no Rio de Janeiro e em São Paulo, além de conexões na África e em outros países europeus, ilhas do Atlântico e Guiana Francesa. A estimativa é de que o projeto esteja concluído até meados de 2021. “Lançamos um cabo submarino de fibra ótica que vai sair de Fortaleza até Sines, em Portugal. Serão mais de 6 mil quilômetros. Estimamos que até o segundo trimestre do ano que vem estará pronto”, disse o ministro das comunicações Fábio Farias.

Atualmente, toda a informação que o nosso país envia para o Velho Continente vai primeiro para os Estados Unidos, e de lá segue para data centers na Europa. Esse percurso leva o dobro de tempo do que é necessário para fazer a conexão direta entre as duas regiões.

A obra será feita pela empresa EllaLink, proprietária e operadora dos serviços que serão oferecidos pela fibra, tão logo esteja com a infraestrutura concluída. A estrutura proporciona o tráfego de dados a 72 Terabits por segundo (Tbps) e latência de 60 milissegundos. Ao todo, serão lançados e ancorados 6 mil quilômetros de cabos de alta capacidade que devem conectar a capital cearense a Portugal.

“O cabo, em alguns lugares, chegará a ter 5 quilômetros de profundidade. É algo impensável, inimaginável, mas agora nós vamos ter uma conexão direta com a Europa. É uma grande entrega do Ministério das Comunicações que vai ajudar o nosso país no escoamento de dados”, afirmou Faria.

*Por Ademilson Ramos
………………………………………………………………………….
*Fonte: engenhariae

A NASA vai utilizar a comunicação a laser sem fio com sondas espaciais

Durante as últimas décadas, a forma como trocamos informação muda constantemente, de forma inacreditavelmente grande. Agora, a NASA testará a comunicação a laser sem fio. Isso facilitará muito na velocidade e capacidade do fluxo de dados entre a Terra e as naves.

O funcionamento é um tanto semelhante à fibra óptica, mas sem um cabo. Em resumo, as ondas de rádio, que já foram muito utilizadas, e possuem algumas aplicações até os dias de hoje, viajam muito longe, mas conseguem carregar pouca informação, entretanto. Por outro lado, ondas que carregam mais informações não conseguem viajar longe tão facilmente.

Isso ocorre por causa de duas características das ondas: o comprimento e a frequência. Quando maior o comprimento de uma onda, menor a frequência, e vice-versa. Quando a frequência é maior, é possível armazenar mais informação. Mas há um grande problema: os obstáculos.

Por exemplo, o seu rádio. Você consegue ouvir rádio dentro de casa, mesmo com as paredes e o telhado barrando as ondas. A luz, por outro lado, não é capaz de atravessar a parede. Isso ocorre porque as ondas de maiores frequências não são muito boas em atravessar o espaço vazio dos átomos. Portanto, obstáculos maiores dificultam completamente essa comunicação.

É por isso que a internet de fibra óptica, por exemplo, é transferida através de cabos. A fibra óptica utiliza lasers. Portanto, ele transfere uma quantidade de informação muito boa – bem maior do que microondas e rádio, por exemplo. Mas um laser não atravessa paredes. Portanto, é ideal que haja uma forma de se conduzir esse sinal. É aí que entra o trabalho do cabo.

O espaço não tem paredes

Como todos sabemos, o espaço é um grande vazio com algumas concentrações de matéria em determinados pontos. Portanto, as ondas de maiores frequências possuem menos limitações do que aqui na Terra. Esse fato permite que os cientistas utilizem comunicação óptica sem a necessidade de um condutor. E isso é bom, considerando o fluxo de informações que todas as sondas espaciais enviam para a Terra a todo momento. Além disso, a tecnologia está constantemente em desenvolvimento, e a cada passo, tem-se uma necessidade maior de transferência de dados.

A NASA quer, portanto, utilizar lasers infravermelhos para se comunicar com as sondas espaciais. O laser infravermelho é o mesmo tipo de sinal que o seu controle remoto utiliza para se comunicar com a televisão, por exemplo. E não, a comunicação a laser sem fio não irá cegar ninguém, fique tranquilo.

Chamada de (LCRD, na sigla em inglês), a base em construção no Havaí tem previsão de entrega já para o ano de 2021. Para haver uma redundância, do outro lado do Oceano Pacífico, há uma segunda base. A OGS-1, localizada no estado da Califórnia, pode entrar em operação caso o mal tempo atrapalhe a estação óptica havaiana.

“O LCRD e suas estações terrestres demonstrarão comunicações ópticas como um relé, o que significa que as missões serão capazes de transmitir dados de pontos em sua órbita sem linha de visão direta das estações terrestres”, diz Dave Israel em um comunicado da NASA.

…………………………………………………………………………………
*Fonte: ciencianautas

‘Qual é a música Google?’ Busca agora reconhece melodias e assovios

A busca do Google ganhou a função de reconhecer alguma música cantarolada ou assoviada pelo usuário, mesmo que ele não saiba a letra. Para usar o recurso, basta acessar a pesquisa por voz e perguntar “qual é a música”, seguido pelos sons da melodia.

O app, então, exibe as canções correspondentes, e permite conferir informações como cantor e álbum, além de conferir a letra. O recurso está disponível no celular a partir da pesquisa, da Google Assistente e do aplicativo do Google em português para Android. Por enquanto, a ferramenta no iPhone (iOS) funciona apenas em inglês.

A busca do Google usa inteligência artificial (IA) para reconhecer o trecho de 10 a 15 segundos captado pelo celular. O machine learning empregado pelo Google também funciona com gravações e com letras de música, então a ferramenta é uma espécie de junção do Shazam ao Soundhound, já que é possível simplesmente dar play em uma canção desconhecida ou assoviá-la sem saber a letra.

O recurso pode ser ativado a partir do ícone de microfone da barra de pesquisa, ou pelo comando “que música é essa?” na Google Assistente. À medida que o usuário cantarola a música, a tela indica o volume de áudio, até encontrar uma canção correspondente ao som detectado. Depois, o usuário pode selecionar a música correta, acessar a letra e ouvi-la em algum aplicativo a partir dos comandos do Google.

*Por Beatriz Cardoso

………………………………………………………………….
*Fonte: techtudo

Elon Musk pretende transferir informações do cérebro para o computador

Há quatro anos, Elon Musk criou a empresa Neuralink com o objetivo ambicioso de criar uma interface cérebro-computador.

Essa conexão de largura de banda ultra-alta é vista por Musk como a única solução para combater o que ele acredita ser uma ameaça existencial para a humanidade. Tudo em que Neuralink tem trabalhado está em segredo e o site da empresa é atualmente apenas uma lista de empregos.

O objetivo da tecnologia também não é muito claro, com aplicações potenciais que vão desde conectar nossos cérebros à internet até usar inteligência artificial (IA) para aprimorar nossas habilidades cognitivas.

Transumanismo

Esta e outras tecnologias fazem parte de um movimento chamado “transumanismo”, que defende o uso da tecnologia e da inteligência artificial para melhorar a qualidade da vida humana.

Trata-se de usar a tecnologia para aprimorar nosso estado intelectual, físico e psicológico, por meio, por exemplo, do chamado “mind-upload”, expressão criada dentro dessa filosofia para se referir à transferência da mente humana para um computador.

Os cientistas dizem que copiar a mente de alguém, suas memórias e personalidade em um computador é possível, em teoria — mas o cérebro tem muitos mistérios. Ele têm 86 bilhões de neurônios, uma rede produzindo pensamentos via cargas elétricas.

Como um computador

Precisamos lembrar que a tecnologia que sustenta tudo está longe de estar pronta. Ler os sinais do cérebro em detalhes ainda requer cirurgia e a tecnologia assistiva usada para a comunicação do cérebro ainda é extremamente lenta em comparação com os meios tradicionais de comunicação.

Há muita pesquisa em tecnologia e o cérebro, com alguns grandes projetos recebendo investimentos, como a BRAIN Initiative nos EUA e o Human Brain Project na Europa.

Podemos não ser completamente ignorantes sobre como conectar computadores a nossos corpos, mas no caminho para a fusão com a IA, ainda temos um longo caminho a percorrer.

………………………………………………………………………
*Fonte: ciencianautas

Uma nova abordagem bactericida: será que a luz pode substituir os antibióticos?

A descoberta dos antibióticos a partir da Penicilina em 1928 revolucionou o mundo da medicina no tratamento contra infecções bacterianas. Com os estudos ao longo dos anos, novos antibióticos foram surgindo e com eles foi se compreendendo melhor os seus mecanismos de ação, que acabariam por inviabilizar a multiplicação dessas colônias bacterianas, levando-as a morte. Porém, as bactérias possuem aparatos que lhe conferem uma adaptação à presença de antibióticos, com isso, estes micro-organismos se tornam resistentes a esses medicamentos.

Nos últimos anos, o número de bactérias que desenvolveram resistência a maior parte dos antibióticos existentes cresceu exponencialmente, dificultando o tratamento quimioterápico em pacientes que apresentam infecções bacterianas. Devido a isso, os cientistas buscam meios de combater esses organismos por outras abordagens. A partir desta, surge então, uma técnica inovadora, que utiliza a luz como um fator atuante na eliminação e inibição do crescimento das colônias bacterianas.

Basicamente, as bactérias possuem em seu interior, estruturas moleculares chamadas cromóforos, que são capazes de absorver determinados comprimentos de ondas da luz. Essas estruturas, são moléculas que quando excitadas, podem gerar compostos á base de oxigênio, conhecidos como espécies reativas de oxigênio (ERO’s), que tem uma alta capacidade de reagir com outros componentes intracelulares, podendo alterar a estrutura de proteínas, do material genético e da membrana celular, causando a morte do organismo.

Estudos realizados na Universidade Nacional de Chonnam na Coréia do sul mediram os efeitos bactericidas de diferentes comprimentos de onda em três modelos bacterianos patogênicos in vitro¹. Os comprimentos de onda utilizados eram 425 nm (azul), 525 nm (verde) e 625 nm (vermelho) que foram emitidos através de lâmpadas especiais conhecidas como LED (Lighting-Emitting Diode). As bactérias usadas como modelo eram Porphyromonas gengivalis; Escherichia coli e Staphylococcus aureus. Como resultado, os pesquisadores encontraram que o comprimento de onda do azul foi capaz de eliminar as três espécies, enquanto que o verde eliminava S. aureaus, mas diminuía a viabilidade das outras duas espécies. Já o LED vermelho, não apresentava efeitos bactericidas nas três espécies estudadas.

Esse tipo de resultado demonstra a capacidade bactericida do LED azul, sendo viável empregá-lo em terapias de tratamento dentário, por exemplo. Onde se poderia substituir o uso de antibióticos, ou combiná-los para se aperfeiçoar sua eficácia do tratamento. Os trabalhos realizados com esse tipo de terapia, conhecido como Fototerapia, envolvem diversos fatores que podem influenciar no resultado final. Pode-se citar como exemplo: o tipo de comprimento de onda utilizado, fluência, potência, tempo de exposição, área de irradiação e modelo celular empregado.

Diferentes bactérias, também podem reagir de forma diferente na presença da luz. Um estudo realizado na Universidade Nacional de Cingapura decidiu avaliar os efeitos bactericidas do LED azul e verde e analisar o papel de um cromóforo na molécula de coproporfirina nesse processo, onde neste estudo, foram utilizadas seis bactérias, das quais três eram gram-positivas e três gram-negativas, todas patogênicas².

A diferenciação das bactérias gram-positivas e gram-negativas está principalmente na constituição de sua membrana celular. Segundo os autores constatou-se que: as bactérias gram-positivas são mais susceptíveis à luz azul em comparação às gram-negativas, muito provavelmente, pela maior presença de coproporfirinas que absorvem a luz azul, gerando ERO’s e levando a morte celular. As gram-negativas também demonstraram sensibilidade, porém menor. Com relação à luz verde, esta se mostrou menos eficaz que a luz azul para efeitos bactericidas.

Vale ressaltar que, o mecanismo de ação da luz no efeito bactericida ainda não é muito bem elucidado, a hipótese mais aceita é justamente a presença de cromóforos em moléculas, como flavinas, porfirinas e coproporfirinas presentes no interior desses organismos que acabam por formar espécies reativas de oxigênio que ocasionam a morte celular. Por conta disso, estudos mais investigativos in vitro e in vivo devem ser realizados, para que se possa compreender melhor o mecanismo de ação da luz em modelos bacterianos, na qual poderá se cogitar com mais seguridade a substituição de antibióticos por luz. Esses resultados se mostram promissores, onde, talvez, em um futuro não muito distante, estaremos, realizando tratamentos fototerápicos, no combate a infecções bacterianas.

*Por Rickson Ribeiro

………………………………………………………………………………
*Fonte: ciencianautas

Dispositivo dispensa fones e cria “bolha” de som ao redor dos ouvidos

É o que afirma a empresa Israelense que irá lançar o produto: a nova tecnologia poderá transmitir som de forma isolada para os ouvidos sem a necessidade de fones. De acordo com os desenvolvedores, o produto estará disponível para compra pública até o Natal de 2021.
“Bolha” de som

O dispositivo, chamado SoundBeamer, é da empresa de sistemas de som Noveto Systems. Conforme consta no site da empresa – em um convite para “ouvir o futuro” – a tecnologia é inovadora e poderá ser a tendência em alguns anos.

A empresa estreou o produto em 13 de novembro e afirma que a tecnologia vai transformar a forma como experimentamos o áudio. A tecnologia poderá ter uso em filmes, jogos, experiências musicais, entre outros.

No entanto, Noveto acredita que o novo produto será revolucionário para o uso doméstico e no ambiente de escritório.

A expressão “bolha” de som é devido ao funcionamento do dispositivo, que isola o som do usuário sem a necessidade de fones. Seria, portanto, de fato como uma bolha sonora.

Com o isolamento, evita-se que o som perturbe as pessoas ao redor. Tal feito poderá ter grande aplicação nos ambientes de trabalho, por exemplo.

E como funciona?

A tecnologia de direcionamento sonoro não é nova; as chamadas ondas ultrassônicas difratam menos do que as ondas acústicas normais, permitindo que o som se direcione para locais mais precisos. É assim que se consegue o direcionamento de som no novo dispositivo.

Mas a novidade é que, no novo aparelho, a geração dessas ondas se dá usando algoritmos de processamento digital de sinais. A eletricidade se converte em vibrações de ultrassom, que são direcionadas por um sensor 3D, e, por fim, convertidas em ondas acústicas.

O sistema conta com sensores que localizam os ouvidos do usuário. Assim, define-se a área onde ficará a “bolha” de som. Com ondas ultrassônicas, direciona-se então o som para convergir ao redor dos ouvidos, criando uma experiência sonora 3D – que somente o usuário pode ouvir.

Além disso, o dispositivo pode rastrear a sua cabeça enquanto você ouve, para evitar interrupções caso haja algum movimento.

De acordo com a gerente de produtos da Noveto, Ayana Wallwater, ouvir o dispositivo seria uma sensação de total imersão. “Ele segue você aonde quer que você vá”, de acordo com Wallwater.

O que ainda precisa melhorar

De acordo com a empresa, como todas as novas tecnologias, o SoundBeamer não é perfeito. Em algumas situações, outra pessoa fora da “bolha” poderá ouvir um pequeno nível de ruído vindo do dispositivo.

O usuário também precisa de um alinhamento bem exato de sua cabeça com os alto-falantes, sem qualquer obstrução no caminho entre eles e suas orelhas. Se algum desses fatores falhar, o SoundBeamer provavelmente não funcionará. Isso, infelizmente, impossibilita o uso em momentos em que há mais movimentos, como numa corrida.

*Por Matheus Gouveia
……………………………………………………………………………………..
*Fonte: socientifica

Guerra das Correntes: a batalha entre Edison e Tesla que mudou a história

A rivalidade entre Nikola Tesla e Thomas Alva Edison era notória. Antigos parceiros, eles acabaram se tornando praticamente inimigos mortais. A competitividade entre os dois está por trás de um dos episódios mais fascinantes da história das invenções: a “Guerra das Correntes”.

A história começou em 1879, quando Edison buscava inventar a lâmpada incandescente. Após vários anos de testes, ele conseguiu substituir o vapor pela corrente contínua como fonte de energia, obtendo sucesso de curto alcance, já que o sistema tinha algumas desvantagens: a energia fluía em uma direção e os cabos derretiam.

Buscando soluções, em 1884, Edison contratou Nikola Tesla, que havia chegado recentemente a Nova York. Após um ano e meio trabalhando com ele, o jovem Tesla encontrou uma solução alternativa à corrente contínua de Edison: um sistema de geração e transmissão de corrente alternada que permitia transportar energia a grandes distâncias.

No entanto, Edison desestimulou a ideia, menosprezou o trabalho de Tesla e, inclusive, se negou a pagar-lhe o dinheiro prometido por cumprir o trabalho. Enquanto isso, muitos investidores se mostraram interessados na ideia do jovem europeu, e a comercialização do novo sistema deu início à famosa “Guerra das Correntes” entre ambos. Enquanto Edison defendia a utilização da corrente contínua para distribuição de eletricidade, Tesla pregava o uso da corrente alternada.

De acordo com o Departamento de Energia dos EUA, Edison não queria perder os royalties que ganhava com suas patentes de corrente contínua, então tentou desacreditar Tesla por meio de uma campanha de desinformação que pregava os supostos perigos da corrente alternada. Durante os primeiros anos de fornecimento de eletricidade, a corrente contínua foi usada como padrão nos Estados Unidos, mas, com o tempo, a corrente alternada de Tesla acabou predominante. Atualmente, ela é usada para alimentar a maior parte da eletricidade do mundo.

………………………………………………………………………………..
*Fonte: history

Cheiro de livro: perfume traz fragrância com aroma de 1 milhão de livros

Durante a pandemia, os clientes da Powell’s Books, rede de livrarias de Portland, no estado americano de Oregon, relataram que sentiam falta do cheiro da loja de livros no dia a dia em quarentena. Para agradar seus clientes (e, é claro, aproveitar uma oportunidade de negócios), o estabelecimento anunciou o lançamento em edição limitada de uma fragrância especial: um perfume com o cheiro de livro.

O Eau de bookstore (“eau de livraria”, em tradução livre) vem em uma caixa que parece um livro de capa dura. Depois de aberto, você pode inclusive guardá-lo na estante como se fosse um livro como qualquer outro.

“Este perfume contém a vida de incontáveis heróis e heroínas. Aplique nos pontos de pulso ao buscar socorro sensorial ou uma pincelada da imortalidade”, diz o texto de divulgação da Powell’s. A livraria afirma que a essência “cheira a um milhão de livros” e que “captura o perfume dos livros com toques sutis de madeira e violeta”.

O perfume está disponível em pré-venda pelo site e começa a ser vendido na loja física em 27 de novembro. O preço é de US$ 24,99, cerca de R$ 132,92 na cotação atual.

………………………………………………………………………………
*Fonte: hypeness

Utensílios de bambu e bagaço da cana se decompõem em 60 dias

O bagaço da cana-de-açúcar, subproduto do processo de extração, pode ser matéria-prima para plásticos biodegradáveis. Adicionando bambu na composição, chega-se a uma combinação ecológica, eficiente e barata. É o que sugere pesquisadores da Universidade do Nordeste, nos Estados Unidos, em artigo à revista Matter.

Em laboratório, os estudiosos testaram o uso dos dois materiais para criar bandejas, copos e tigelas. O objetivo era encontrar potenciais substitutos para os descartáveis. Afinal, a comodidade de “usar e jogar fora” foi popularizada há poucas décadas, mas foi tempo suficiente para tornar-se um dos grandes desafios ambientais.
plástico de bagaço

“É difícil proibir as pessoas de usar contêineres descartáveis ​​porque são baratos e convenientes”, afirma Hongli (Julie) Zhu, professora e coautora do artigo. “Mas acredito que uma das boas soluções é usar materiais mais sustentáveis”.

De origem chinesa, Hongli afirma que a primeira vez que pisou nos Estados Unidos, em 2007, ficou chocada com a quantidade de itens plásticos descartáveis disponíveis nos supermercados. Tempos depois passou a focar seus estudos na identificação de materiais naturais e tecnologias que ajudem a reduzir nossa dependência do petróleo.

Plástico de bambu e açúcar

Hongli e seus colegas da Universidade do Nordeste moldaram recipientes enrolando fibras de bambu longas e finas com fibras curtas e grossas de bagaço de cana – formando uma rede estável. O resultado é um material forte, limpo, não tóxico, eficiente para reter líquidos e o melhor: começa a se decompor após 30 a 45 dias no solo. Em 60 dias, perde completamente sua forma.

A composição do “plástico” alternativo leva também AKD (Dímero Alquil Ceteno) – um produto químico seguro para a indústria alimentícia – para aumentar a resistência ao óleo e à água.

De acordo com os pesquisadores, o novo produto emite 97% menos CO2 do que os recipientes de plástico e 65% menos CO2 do que produtos de papel e plástico biodegradável disponíveis no mercado. Por aproveitar de resíduos, o custo também é favorável – sobretudo em comparação aos biodegradáveis. O próximo passo é baixar ainda mais para competir com os copos plásticos tradicionais.

Agora, imagine o potencial do Brasil, que é o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo. Não à toa, o bagaço da cana já é estudado para diversas finalidades e esta pode ser mais uma delas.

O artigo, em inglês, você confere aqui.

*Por Marcia Sousa

………………………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

App traduz miados felinos em palavras facilitando comunicação com humanos

Se problemas de comunicação existem no relacionamento entre dois seres humanos que falam o mesmo idioma, imagine entre um animal e uma pessoa. Se você tem um gato (ou qualquer animal de estimação) em casa, sabe do que estamos falando: às vezes é complicado saber o que o seu bichinho de estimação deseja. Mas o ano é 2020 e talvez já exista uma solução para esse problema: o MeowTalk, um aplicativo desenvolvido para “traduzir” miados felinos em palavras que humanos compreendam.

O app foi criado por Javier Sanchez, um ex-engenheiro da Amazon que ajudou no desenvolvimento da Alexa, a assistente eletrônica da empresa de Jeff Bezos. Atualmente, ele atua como gerente de projeto em uma empresa de tecnologia chamada Akvelon.

“Por 10 anos, eu sabia que havia dados e ciência por trás da ideia de que os gatos têm um vocabulário”, conta o americano, em entrevista ao site “Bored Panda”. “Eu sabia que poderíamos fazer um aplicativo e mais especificamente um SmartCollar para transformar miados de gato em fala humana. Eu sabia, com minha experiência de trabalho na Alexa, que a tecnologia estava lá para traduzir miados de gato únicos em palavras e intenções gerais.”

O MeowTalk consegue decifrar os desejos do gato com a utilização de inteligência artificial associadas a aprendizado de máquina. Ele assimila nove possíveis intenções do animal e permite que o dono do bichinho grave os miados para ajustar as configurações quando ele achar que o aplicativo não fez a devida associação. A ferramenta foi desenvolvida com uma equipe formada por dois desenvolvedores, um cientista de dados e uma especialista em vocalização de gatos ao longo de cinco meses.

A descrição do app explica que essas nove intenções identificadas pelo app representam o humor e os estados mentais do gato, mas isso não exclui as variações de vocabulário de animal para animal. “Você pode treinar o aplicativo MeowTalk para aprender o vocabulário único de miados do seu gato, dizendo ao aplicativo o que cada miado significa quando seu gato o faz. Quando você dá ao aplicativo de cinco a 10 exemplos de um miado específico para seu gato (por exemplo, ‘comida’, ‘me deixe sair’), o aplicativo pode começar a reconhecer aquele miado quando o ouvir.”

“O MeowTalk está tentando resolver um problema muito difícil com tecnologias mais simples. Com a fala humana, você já sabe quais são as palavras e a gramática que afetam o problema. Mas com miados de gato, você não tem ideia de quais miados significam quais intenções. Portanto, é necessário um conjunto diferente de ferramentas para resolver esse problema”, conclui Sanchez.

O aplicativo está disponível para ser usado no Brasil na Play Store.

…………………………………………………………………………..
*Fonte: hypeness

Idosos conseguem gerar novas células cerebrais igual a pessoas jovens, revela estudo

Pesquisadores mostram pela primeira vez que homens e mulheres idosos saudáveis podem gerar tantas novas células cerebrais quanto pessoas mais jovens. Há controvérsias acerca se humanos adultos desenvolvem novos neurônios, e algumas pesquisas já haviam…

Pesquisadores mostram pela primeira vez que homens e mulheres idosos saudáveis podem gerar tantas novas células cerebrais quanto pessoas mais jovens.

Há controvérsias acerca se humanos adultos desenvolvem novos neurônios, e algumas pesquisas já haviam sugerido que o cérebro adulto era conectado e que os idosos não desenvolviam novos neurônios. Este estudo, publicado na revista Cell Stem Cell em 5 de abril, contraria essa noção. A autora principal, Maura Boldrini, professora associada de neurobiologia da Universidade de Columbia, diz que as descobertas podem sugerir que muitos idosos permanecem mais cognitiva e emocionalmente intactos do que comumente se acreditava.

“Descobrimos que as pessoas mais velhas têm capacidade semelhante para produzir milhares de novos neurônios do hipocampo a partir de células progenitoras, como fazem as pessoas mais jovens”, diz Boldrini. “Nós também encontramos volumes equivalentes do hipocampo (uma estrutura do cérebro usada para emoção e cognição) através das idades. No entanto, os indivíduos mais velhos tiveram menos vascularização e talvez menos habilidade de novos neurônios para fazer conexões”.

Os pesquisadores fizeram autopsia de hipocampos de 28 indivíduos previamente saudáveis, com idades entre 14 e 79 anos, que haviam morrido subitamente. Esta é a primeira vez que os pesquisadores examinaram os neurônios recém-formados e o estado dos vasos sanguíneos dentro do hipocampo humano logo após a morte. (Os pesquisadores determinaram que os sujeitos do estudo não tinham problemas cognitivos e não sofriam de depressão ou tomavam antidepressivos, algo que Boldrini e seus colegas haviam percebido anteriormente que poderiam afetar a produção de novas células cerebrais.)

Em roedores e primatas, a capacidade de gerar novas células hipocampais diminui com a idade. A produção em declínio de neurônios e um encolhimento total do giro dentado, parte do hipocampo que pensa-se ser o responsável de ajudar a formar novas memórias episódicas, também ocorreram em humanos envelhecidos.

Os pesquisadores da Universidade de Columbia e do Instituto Psiquiátrico do Estado de Nova York descobriram que até os cérebros mais antigos que eles estudaram produziram novas células cerebrais. “Encontramos um número similar de progenitores neurais intermediários e milhares de neurônios imaturos”, escreveram eles. No entanto, os indivíduos mais velhos formam menos vasos sanguíneos novos dentro das estruturas cerebrais e possuem um armazenamento menor de células progenitoras – descendentes de células-tronco que são mais restritas em sua capacidade de se diferenciar e se auto-renovar.

Boldrini supôs que a redução da capacidade de recuperação cognitivo-emocional na velhice pode ser causada por esse pequeno grupo de células-tronco neurais, pelo declínio na vascularização e pela redução da conectividade célula-célula dentro do hipocampo. “É possível que a neurogênese do hipocampo em curso sustente a função cognitiva específica do ser humano ao longo da vida e que o declínio possa estar vinculado à resiliência cognitivo-emocional comprometida”, diz ela.

Boldrini diz que pesquisas futuras sobre o envelhecimento cerebral continuarão a explorar como a proliferação, a maturação e a sobrevivência das células neurais são reguladas por hormônios, fatores de transcrição e outras vias intercelulares.

 

 

…………………………………………………………………..
*Fonte: socientifica

Empresa imprime móveis personalizados usando resíduos agrícolas

Uma empresa de móveis sob demanda, customizada e ecológica está nascendo nos Estados Unidos. Trata-se da “Model No.”, uma companhia que usa resíduos agrícolas de palha de milho, cana-de-açúcar, beterraba e uma impressora 3D para fabricar móveis.

A proposta da empresa é dar a possibilidade dos consumidores adquirirem peças de mobília exatamente do tamanho que desejam. Para quem compra, a vantagem é óbvia, mas quem ganha também é o planeta, uma vez que nenhuma matéria-prima será retirada da natureza sem necessidade.

A produção sob demanda ainda aproveita subprodutos da safra de alimentos – mais uma vez trocando a extração de recursos pela utilização do que já está disponível.

Uma linha de produtos 3D lançada pela companhia inclui mesa, criado mudo e mesinha de centro. O design básico já é predefinido para cada peça, mas elas podem ser personalizadas em suas formas, dimensões e cores. A ideia também é que as peças possam ser entregues em poucas semanas, diferente do mercado de móveis planejados tradicional.

Além das resinas vegetais, a empresa também fabrica peças com madeira certificada FSC, aço e alumínio – que podem ser reciclados.

Olhando para o futuro

Para a Model No., a indústria de móveis precisa urgentemente ser repensada. “As peças são construídas com materiais que não são sustentáveis ou ecológicos. O processo de fabricação é um desperdício, desde o impacto ambiental negativo da manufatura em massa até o excesso de estoque não vendido feito de materiais que não são biodegradáveis”, afirma a companhia. Nesta lacuna, ela surge para abrir os caminhos.

A próxima meta, já em fase de desenvolvimento, é permitir que cada móvel possa ser retornado para a companhia após o fim de sua vida útil. Cada produto devolvido pelo cliente poderá ser transformado em algo novo. Aliás, não é à toa, que todas as peças são numeradas, pois cada uma delas é única.

Comprar móveis sob medida é a melhor forma de aproveitar cada espacinho do lar, sobretudo para quem mora em apartamentos pequenos. Mas, hoje ter móveis planejados é uma escolha onerosa. O que pode mudar, se o futuro da mobília for mais consciente. Este é o “novo normal” possível.

*Por Marcia Sousa

……………………………………………………………………………………….
*Fonte: ciclovivo

Alimentos criados em laboratório serão o futuro das suas refeições?

Pense em um hambúrguer vermelhinho, suculento, saboroso. Mais: nenhum animal precisou morrer para saciar sua fome. A batata frita, macia por dentro e crocante por fora, pode ter vários tipos de design, porque é moldada em uma impressora 3D. O restaurante de comida japonesa deixou o rodízio para trás e dispensou o sushiman; no lugar, sushis que não são feitos de peixe, preparados sob medida para cada cliente. Cenas de um futuro distante? Se depender de cientistas e startups, será a realidade em breve.

E não é capricho. Se hoje somos 7,7 bilhões de pessoas no planeta, em 2050, seremos 10 bilhões, segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). A produção de comida terá de ser 70% maior e, de preferência, prejudicando o mínimo possível o meio ambiente. Para isso, precisamos rever como nos alimentamos. O último Relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) das Nações Unidas, divulgado em agosto, estabelece que precisamos reduzir o consumo de carnes para mitigar os efeitos das mudanças climáticas. O documento destaca que dietas baseadas em proteína animal contribuem com o desmatamento de importantes biomas do mundo, como a Amazônia, e defende uma alimentação rica principalmente em vegetais.

A grande aposta da indústria nesse sentido é desenvolver carnes à base de plantas ou de células de animais — com sabor, textura e qualidade nutricional iguais aos da carne de um bicho. “É um mercado ainda em desenvolvimento, mas não tem volta”, diz Jayme Nunes, biólogo da Merck, empresa alemã de ciência e tecnologia que investiu, no ano passado, 7,5 milhões de euros na startup Mosa Meat, fundada pelo cientista Mark Post.

Em 2013, Post apresentou o primeiro hambúrguer de laboratório do mundo, criado a partir de células de uma vaca. Para elaborar o disco de carne sem matar o animal, o professor da Universidade de Maastricht (Holanda) desenvolveu um método que usa células-tronco retiradas do músculo bovino. O resto do processo acontece no laboratório: em um biorreator, as células-tronco se transformam em células musculares. O resultado é uma pasta de carne que pode ser moldada.

A produção do primeiro hambúrguer de Post custou US$ 325 mil. Hoje, o valor fica entre US$ 9 mil e U$S 10 mil — e o preço promete cair ainda mais nas próximas décadas. “A tendência é de que custe US$ 50 em 2030, quando a carne deve estar disponível em restaurantes do guia Michelin”, estima Nunes. Ele acredita que, em 2050, a carne de células será vendida por US$ 20 o quilo, diretamente ao consumidor.

Enquanto as opções conhecidas como cell-based (baseado em células, em tradução livre) ainda engatinham, já é possível comprar hambúrgueres plant-based (à base de plantas) a preços acessíveis. Nos EUA, duas empresas se destacam: a Beyond Meat foi a primeira a ter seu hambúrguer de óleo de coco, romã e beterraba nos supermercados do país, em maio de 2016; já a Impossible Foods, que lançou um hambúrguer de plantas em julho do mesmo ano, inovou ao fazer a peça “sangrar”. Na lista de ingredientes estão proteína isolada de soja, proteína de batata e óleos de coco e de girassol. O sabor e o aspecto vermelho vêm da leghemoglobina de soja, uma proteína encontrada na raiz de leguminosas. Assim como a hemoglobina, presente no sangue de animais e humanos, ela é composta de glóbulos vermelhos — a responsável, portanto, pelo tom avermelhado.

O uso da leghemoglobina chamou a atenção da Food and Drug Administration (FDA), agência norte-americana que regula alimentos e remédios, pelo alto potencial alergênico. No dia 31 de julho, porém, a FDA concluiu que a proteína é segura para consumo e autorizou a venda do Impossible Burger em mercados a partir de 4 de setembro. O produto já era comercializado em restaurantes desde 2016, e tem se popularizado cada vez mais.

Em agosto, o Burger King anunciou nas lojas dos EUA uma versão do sanduíche Whopper feita com o Impossible Burger. No dia 10 de setembro, a novidade desembarca no Brasil. Aqui, no entanto, o hambúrguer vegetal da rede de fast-food será da Marfrig, gigante brasileira da indústria da carne que acaba de entrar para o time dos fabricantes de produtos plant-based.

*Por Nathalia Fabro

…………………………………………………………………………………
*Fonte: revistagalileu