Novo documentário vai retratar vida de Jim Morrison

A memória de Jim Morrison, eterno vocalista do The Doors, será celebrada em um novo documentário focado totalmente em sua obra artística. Ainda sem título definido, o filme será coproduzido pelos estúdios Gunpowder & Sky e a produtora JAM, Jampol Artist Management.

De acordo com a revista Variety, os produtores prometem apresentar ao público passagens da vida do cantor que foram “desenterradas” de seus diários pessoais, além de registros de imagens de filmes caseiros para a tela como parte do projeto.

“Nosso trabalho é orientar, proteger e conectar os legados extraordinários de nossos clientes aos fãs antigos e novos, mantendo sempre os mais altos padrões de credibilidade e autenticidade”, disse em comunicado Jeff Jampol, diretor da JAM.

Este será o primeiro documentário dedicado única e exclusivamente a Jim Morrison, a obter a aprovação dos seus familiares. A ascensão do cantor, em meio ao sucesso de sua banda de rock e o uso indiscriminado de drogas, foi retratado no cinema em 1991 no filme The Doors, de Oliver Stone, estrelado por Val Kilmer.

A estreia da nova produção está prevista para o final de 2022 ou início de 2023.

…………………………………………………………………………………
*Fonte: aradiorock

The Doors ganhará quadrinho baseado em “Morrison Hotel”

Para celebrar os 50 anos do icônico disco Morrison Hotel, a Z2 Comics alistou a incrível Leah Moore, filha do lendário Alan Moore, para se juntar aos membros ainda vivos do The Doors em um quadrinho original biográfico.

O guitarrista Robby Krieger e o baterista John Densmore irão colaborar com Leah na obra que será lançada em Outubro e que irá contar não apenas a história da banda mas destacará sua influência e importância na contracultura.

Sobre o enredo, Leah Moore falou à Rolling Stone (via UCR):

Eu amarrei por alto as histórias às faixas no álbum, mas também estou colocando nelas tudo que posso para te colocar naquele estado mental, dentro daquele momento, quando o álbum foi feito. Você poderia escrever um livro inteiro para cada faixa, mas eu queria que as histórias te imergissem em apenas um lugar. […] O The Doors tem tanto teatro, e tanto jogo de cintura e capacidade de contar histórias. Eles são um encaixe natural em quadrinhos. As letras que eles escreveram, e a energia com que eles tocavam — eu acho que as músicas não apenas se emprestam ao meio, elas na verdade imploram para ser quadrinhos.

A obra já está disponível para pré-venda através da própria Z2 Comics clicando neste link.

*Por Felipe Ernani

………………………………………………………………………………
*Fonte: tenhomaisdiscosqueamigos

Jim Morrison

Veja as últimas fotos de Jim Morrison (The Doors) em vida, junto de Pamela Courson e seu amigo Alain Ronay, em Paris – 28 de junho de 1971. Jim veio a falecer em 3 de julho de 1971, na banheira de sua casa, aos 27 anos.

*Fonte (essas e mais fotos em): dangerouminds

jimm_06

 

 

 

 

 

 

 

 

jimm_05

 

 

 

 

 

 

 

 

 

jimm_07

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

jimm_08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

jimm_04

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

jimm_02

Portas abertas

Assisti ao documentário “When You’re Strange“, que obviamente é sobre a banda The Doors, dirigido por Tom DiCillo e conta com a narração especialíssima de Johnny Deep (fan da banda). O bacana são as cenas da época com aquele clima de bastidores e tal que recheiam todo documentário, que aliás é muito bom e em momento algum se torna massante. O The Doors prá mim sempre foi uma banda difícil de gostar, não figura entre as minhas top 10 ali do final dos 60’s, mas respeito prá caramba sua história, postura, ousadia assim como as letras de Morrison muito mais do que o som propriamente dito, que aliás, é puro blues e eu gosto bastante de bandas com esse acento, só que talvez a falta do baixo e aquele som por vezes um tanto irritante do teclado de Ray Manzareck, me causam estranheza e essa dificuldade toda. Em tempo, com o avanço da minha idade e junto a semi-maturidade adquirida, creio que aos poucos meu coração está mais frouxo e diminuindo a carga de overprint, portanto, passei a gostar de algumas bandas das quais nunca antes tive esse aprouch e o The Doors está entre elas. Convenhamos que os caras tinham um som não muito convencional e estavam numa outra vibe musical apesar do clima viajandão das drugs e da biritagem comum aos rockstars da época, eram uma exceção e rapidamente se destacaram dos demais. Novamente aplico aqui o conceito de que não pretendo contar histórias e maiores detalhes sobre esse documentário, apenas chamar a sua tenção e dizer que eu curti e quem se interessar que corra atrás, assista e tire suas próprias conclusões.

*Em tempo, gostei da arte do cartaz, tanto que já conversei com meu chapa Cadu, da locadora de vídeo aqui perto e ele ficou de me arranjar um. Mazáh!

Abrindo as portas dos bastidores

O mercado de biografias rock está cada vez mais ativo, agora chegou a vez de outra banda clássica abrir as portas para revelar um tanto de suas histórias –  “The Doors por The Doors”, escrito por Ben Fong-Torres, tem seu lançamento nacional pela editora Agir (432 pág.). Claro, desde já está em minha lista de próximas aquisições. Então está dado a dica.