Bruxelas vai pagar até 900 euros para quem abandonar carro

Cidade quer incentivar uso de bicicleta, transporte coletivo e compartilhado.

Os cidadãos que vivem na região de Bruxelas, capital da Bélgica, vão receber até € 900 (euros) para cancelarem o registro de seus automóveis. A medida faz parte do “Bruxell’Air”, um programa de apoio financeiro para quem deseja adotar outros modos de transporte.

O Bruxell’Air funciona como um incentivo para que os interessados testem diferentes meios de transporte. Sem colocar a mão no bolso, o beneficiário poderá usar o orçamento para descobrir qual a melhor alternativa ao carro para sua família.

O valor a ser concedido varia de acordo com o perfil familiar. Se o requerente é uma pessoa com deficiência, por exemplo, receberá os € 900 independentemente de seus rendimentos. Este perfil, ou categoria de renda, aparece automaticamente quando a pessoa faz a solicitação.

Ao solicitar a participação, o residente de Bruxelas já preencherá um formulário informando quais alternativas irá testar. Entre as possibilidades, é possível subsidiar o transporte público, se inscrever em um serviço de compartilhamento de carros e até adquirir equipamentos de ciclismo. Ou seja, o dinheiro terá destinações já definidas, não sendo possível gastá-lo como quiser ou para outros fins.

De acordo com o site Time Out, o programa de incentivo está em vigor em Bruxelas desde 2006. A novidade é que, recentemente, o valor máximo quase dobrou de € 500 para € 900.

Apostando em transportes alternativos
Mudar a forma como nos movemos é um verdadeiro desafio, mas é um exercício que muitos podem fazer. Mesclar as diversas opções de mobilidade pode ser uma alternativa viável para desafogar o trânsito e melhorar a qualidade do ar.

Apostar em modais mais ativos, como a bicicleta ou até mesmo andar a pé, ainda contribui para a melhoria na saúde. Em 2017, uma pesquisa revelou que 6 em cada 10 motoristas abririam mão do carro se houvesse transporte público de qualidade. Cabe aos planejadores, criar estruturas adequadas para facilitar esta transição.

*Por Marcia Sousa
………………………………………………………………
*Fonte: ciclovivo

Navio autossustentável, novidades no mar

Navio autossustentável, novidades no mar
O desenho do navio autossustentável é inovador. Seus criadores asseguram que poderia economizar 60% do combustível e reduzir até 80% as emissões contaminantes. Tudo isso graças ao casco da embarcação. Ele é capaz de canalizar o vento e usá-lo como propulsor, como se fosse uma vela convencional. Isso é muito bom. Navios são extremamente poluentes.

O Vindskip e suas novidades
O ponto de partida para o estudo do desenho norueguês para criar o Vindskip é o vento relativo. O fluxo de ar que o próprio navio produz. Fator primordial na hora de se criar um avião, trem ou veleiro. Depois de várias provas em túneis de vento, que aconteceram na Noruega e Inglaterra, o barco foi desenhado com um casco plano. Ele é aerodinâmico e simétrico. Eleva a embarcação enquanto o motor, com gás natural, impulsiona o barco para a frente. É o mesmo princípio dos barcos à vela.

Programas de informática no navio autossustentável
O êxito do Vindskip depende da tecnologia empregada para prever as condições meteorológicas. Através de um moderno programa de informática ele poderá calcular a melhor rota (ângulo), com relação à direção do vento. O objetivo é que o barco alcance 14 nós.
Navio autosustentável e motores a gás
O navio tem motores funcionando com gás natural liquefeito (GNL), o que contribui perfeitamente para a propulsão, conforme necessário. Dessa forma, o navio pode manter uma velocidade e curso constantes, independentemente do tempo e do vento. O GNL pode ser trocado com biogás quando estiver comercialmente disponível. As células solares e a bateria também contribuirão para o consumo de energia a bordo.

O Vindskip foi idealizado para cargas
A primeira versão do Vindskip® é um transportador de carros com capacidade para 6.600 carros de passageiros. O objetivo é oferecer as menores emissões para o transporte marítimo disponíveis no segmento de transportadoras de alto mar. O Vindskip®, desenvolvido pela empresa Lade AS, Ålesund, Noruega, é o vencedor do German Design Award 2020 na categoria Design de Excelência de Produto – Transporte Conceitual.

Quando o primeiro Vindskip® estiver sendo construído, ele se tornará uma vitrine verde. E pode significar o início de uma nova era no transporte de carros ecológicos para o exterior.

Três anos de trabalho
Segundo os construtores, que levaram mais de três anos trabalhando no projeto, este navio marcante pesa menos que outro convencional. Emprega a mesma tripulação e permite maior carga. Os projetistas também trabalham num navio semelhante, mas de passageiros.
A diferença de outras embarcações futuristas é que o Vindiskip já conseguiu registrar várias patentes internacionais. Os projetistas acreditam que em quatro anos venderão sua criação para alguma companhia de navegação.

Assista ao vídeo:

*Por João Lara Mesquita
…………………………………………………………………………………
*Fonte: marsemfim

Volta ao mundo de trem dura 24 dias e passa por três continentes

Volta ao mundo de trem percorre 16 mil quilômetros, passa por 14 cidades e três continentes em 24 dias

Dar a volta ao mundo é o sonho de qualquer viajante. Este feito, inclusive, já foi retratado por diversas vezes nas telas do cinema e na literatura. Mas você já pensou em desbravar o planeta por meio de trilhos? É isso que propõe a quarta edição do tour Volta do Mundo em Trem, organizada pelo grupo TT Travel.

A jornada de 16 mil quilômetros e 24 dias passará por 14 cidades espalhadas por três continentes. A viagem terá início em Toronto, no Canadá, em 15 de agosto de 2020, e terminará em Moscou, na Rússia, desembarcando os passageiros em 6 de setembro.

Volta ao mundo de trem: como é?

Mas como será exatamente o roteiro desta volta ao mundo de trem? Tudo terá início no Canadá, na cidade de Toronto onde os passageiros terão a chance de degustar um jantar no famoso restaurante 360º da CN Tower. Assim, o próximo destino será Vancouver, com uma vista fabulosa para as Montanhas Rochosas Canadenses.

O trajeto então contempla a Glacier Skywalk, localizada ao sul do país, uma plataforma transparante projetada para fora das cordilheiras canadenses. Na hora de atravessar o Pacífico rumo a Ásia, é necessário pegar um voo de Vancouver a Pequim, umas cidades mais populosas e milenares do mundo. Assim, neste ponto os passageiros da volta ao mundo de trem poderão se deslumbrar com a Cidade Perdida e a incrível Grande Muralha da China.

É a vez de seguir rumo à Mongólia, onde os viajantes poderão visitar o Parque Nacional de Gorkhi-Terelj e também ter a oportunidade de conhecer melhor a cultura e os costumes de famílias nômades. A viagem prossegue da Mongólia para a Rússia, com uma parada no Lago de Baikal, na Sibéria, o maior lago de água doce do mundo.

O roteiro ainda segue para a cidade de Kazan, local onde os passageiros poderão assistir ao “Tugan Avalim”, um show folclórico típico da cultura tártara. Por fim, a rota chega à bela Moscou com seus monumentos, jardins e catedrais.

Durante esse trajeto de volta ao mundo de trem, diversas paradas são realizadas nas 14 cidades. Além disso, é uma oportunidade para conhecer melhor a cultura, a gastronomia e outras peculiaridades sobre cada local. Clicando aqui você poderá conferir todos os detalhes da viagem.

Quanto custa a volta ao mundo de trem?

Quem desejar realizar a viagem de volta ao mundo de trem terá que desembolsar €16.530, o que equivale a aproximadamente R$ 79.509. Este valor é cobrado por pessoa e inclui 14 noites de viagens nos três trens utilizados durante o trajeto em cabine dupla, 8 noites de hospedagens em hotéis 4 ou 5 estrelas, todas as refeições, um guia brasileiro que acompanhará os roteiros e também a passagem de avião de Vancouver a Pequim.

*Por

…………………………………………………………………………..
*Fonte: guiaviajarmelhor

Nova York vai ganhar uma frota de veículos autônomos em breve

O complexo industrial-comercial Brooklyn Navy Yard, em Nova York, vai receber a primeira frota de veículos auto-dirigíveis da cidade. A empresa responsável é a Optimus Ride, de Boston, que teve início no prestigiado Instituto de Tecnologia de Massachusets (MIT).

Apesar de diversas demonstrações de veículos autônomos já terem acontecido em Nova York, a Optimus Prime afirma ser a primeira a levá-los a nível comercial. O estado tem regras bastante restritivas quanto a esse tipo de tecnologia, exigindo que policiais pagos pela empresa acompanhem todo o trajeto do veículo em vias públicas.

Os políticos do estado ainda são bastante resistentes a implantação de veículos auto-dirigíveis como meio de transporte viável, e buscam dar preferência a melhorias no metrô, segundo o portal The Verge. Para evitar conflitos com as autoridades, a Optimus Prime optou por limitar que seus carros circulem apenas dentro de ruas privadas, como as do Brooklyn Navy Yard.

A empresa não revelou quantos veículos serão entregues, nem quais as especificações técnicas dos mesmo, mas afirmou que pretende aumentar gradualmente a frota. Sobre a tecnologia utilizada um representante afirmou que “Optimus Ride utiliza Veículos Eléctricos de Vizinhança (NEV), concebidos para operar em um limite de 25 milhas por hora (40 km/h). O Optimus Ride é independente de veículos e pode integrar as nossas tecnologias de condução automática em qualquer tipo de veículo.”

*Por Carolina Bernardi

………………………………………………………………
*Fonte: techmundo