Stranger Things: 3ª temporada tem o trailer mais anos 80 que você verá hoje

A Netflix divulgou um divertido teaser trailer da 3ª temporada de Stranger Things que mostra um típico comercial dos anos 80 para um novo shopping center em Hawkins, cidade onde se passa a trama da série.

No final, até temos uma participação especial de Steve (Joe Keery) e da nova personagem, Robin (Maya Hawke). Confira o teaser completo abaixo:

Os detalhes da 3ª temporada estão sendo mantidos em sigilo, mas sabemos que o enredo terá um salto temporal de um ano desde o final da última temporada e que novas forças do mal serão introduzidas.

………………………………….
*Fonte: megacurioso

Travis Pastrana revendo alguns feitos de Evel Knievel

O History Channel vai apresentar um evento de três horas com a superestrela do automobilismo Travis Pastrana, tentando recriar as acrobacias de Evel Knievel na televisão, ao vivo. Pastrana montará uma réplica moderna da moto que Knievel usou, tentando três saltos: mais de 50 carros, mais de 14 ônibus e sobre a fonte do Caesars Palace – o salto que resultou em um acidente quase fatal para Knievel.

Lá nos EUA o “Evel Live” irá ao ar no domingo, 8 de julho, como parte do bloco de programação anual “Car Week” da rede, e também contará com entrevistas ao vivo com membros da família Knievel e Pastrana, imagens de arquivo da história por trás dos muitos saltos audazes do Knievel.

Mayans MC – Série derivada de Sons of Anarchy ganha teaser

Mayans MC, o derivado de Sons of Anarchy, teve seu primeiro teaser divulgado pelo FX que mostra a gangue de motociclistas na estrada, ao som de uma versão espanhola de “Paint it Black”, do Rolling Stones – veja abaixo:

O novo projeto se passa em um mundo pós-Jax Teller (Charlie Hunnam), o personagem principal da série original. O derivado foca nos Mayans, gangue de latinos localizada no sul da Califórnia que apareceram no decorrer das sete temporadas de Sons of Anarchy e tinham envolvimento tanto com a produção de heroína quanto com prostituição.

O projeto foi desenvolvido pelo próprio criador de Sons of Anarchy, Kurt Sutter, e por Elgin James (Little Birds), que assina o roteiro do episódio-piloto. Sutter será o produtor-executivo.

Mayans MC é prevista para algum ponto de 2018.

 

……………………………………………………
*Fonte: omelete

Era Spock um estoico?

Em 8 de setembro de 1966 estreava na televisão norte-americana a série Jornada nas Estrelas, idealizada pelo roteirista Gene Roddenberry. Ambientada em meados do século XXIII, trazia em cada episódio as aventuras da tripulação da espaçonave USS Enterprise, parte da frota da Federação dos Planetas Unidos. Apesar do pano de fundo pluriplanetário, todos os subordinados do capitão James T. Kirk (William Shatner) eram humanos, à exceção de um único personagem. Era este uma figura de orelhas pontudas, sobrancelhas alçadas e tez ligeiramente amarelada — pois fora essa a solução encontrada pela equipe de maquiagem da Desilu Productions para dar ares alienígenas ao ator Leonard Nimoy. Com o prosseguimento da série, o público ficou sabendo que Spock, a criatura que ocupava o posto de Primeiro Oficial e Oficial de Ciências, era um ser híbrido: filho do embaixador vulcano Sarek (Mark Lenard) e da humana Amanda Grayson (Jane Wyatt).

A série original nunca foi uma unanimidade e viveu na corda bamba da audiência. Foi cancelada em 1969, com apenas 79 episódios. Uma crítica frequente a Roddenberry era que ele havia criado uma atração “intelectual” ou “complexa” demais para os padrões televisivos da época. Mesmo a aparência de Spock, que se assemelharia a certas representações demoníacas, causava preocupação ao canal que transmitia a série, e houve tentativas de reduzir a participação do personagem ao mínimo. Graças à persistência de Roddenberry e ao talento de Nimoy, Spock conquistou o seu espaço em Jornada nas Estrelas, rivalizando em popularidade com o próprio Kirk. É até hoje, quase três anos após a morte de Nimoy, um dos personagens mais icônicos da história da TV e do cinema dos Estados Unidos — e do mundo.

Spock sobreviveu à sanha dos executivos da NBC porque foi dotado de uma história pessoal, bem, fascinante. Como híbrido, ele vivia entre duas culturas, a dos vulcanos e a dos humanos. Criado na terra natal do pai, o planeta Vulcano, ele recebera a rigorosa educação dos habitantes do local, que incluía um treinamento aturado nas modalidades do pensamento lógico e um programa de supressão das emoções. Todavia, embora exemplarmente dedicado, Spock era alvo de desconfiança, quando não de desdém, da parte de muitos vulcanos, que sempre duvidaram das habilidades cognitivas e emocionais do rapaz meio humano, meio vulcano. Talvez por conta disso, chamado a optar entre a Academia Vulcana de Ciências e um organismo interplanetário, a Frota Estelar, ele tenha ficado com a segunda alternativa. Ali, ele teria a possibilidade de conviver com seres humanos e entender melhor a sua metade não vulcana, além de poder travar contato com espécies inteiramente desconhecidas. O grande sucesso do personagem Spock repousa nesta dualidade, à qual a interpretação de Nimoy conferiu traços bastante vivazes: sendo fisiologicamente indistinguível de seus pares e um produto da melhor tradição vulcana, ele demonstrava ter uma curiosidade genuína frente às maneiras “não lógicas” de compreender o universo. Uma de suas reações mais comuns, um simples erguer de sobrancelhas, era um gesto que dava testemunho do misto de disciplina das emoções e generosidade do intelecto que, não sem grãos de autoironia, o caracterizava.

Felizmente, Roddenberry e continuadores puderam expandir sua visão imaginária do futuro por várias séries e alguns filmes, o que incluiu, na esteira do impacto popular de Spock, um tratamento mais denso à cultura vulcana. Surgiram, por exemplo, outros vulcanos notáveis, como Solok (Gregory Wagrowski), de Deep Space Nine (1993-1999), Tuvok (Tim Russ), de Voyager (1995-2001), e T’Pol (Jolene Blalock), de Enterprise (2001-2005). Muitos aspectos da história do planeta fictício foram revelados ao longo de décadas de franquia. Em resumo, o que se pode dizer é que a civilização criada pelos vulcanos nem sempre foi um exemplo de equilíbrio e harmonia. O passado desses humanoides fora marcado por violência e impetuosidade incomparáveis, superiores a qualquer coisa que se tenha visto entre terráqueos. Muito sangue verde foi derramado na história do planeta. Com o avanço tecnológico, os pendores agressivos dos vulcanos criaram uma situação crítica, de sorte que a espécie ficou à beira da autodestruição. Foi então que se deu a intervenção de um indivíduo chamado Surak, proponente de uma filosofia que reformou radicalmente a maneira de viver de seus conterrâneos.

Depois de palmilhar as vastidões inóspitas da região conhecida como Forja Vulcana, um deserto sacudido por tempestades de areia eletromagnéticas, Surak chegou ao Monte Seleya, o mais alto do planeta, onde completou o seu processo de iluminação — ou “despertar” (awakening). Contemporânea a essa peregrinação foram as tribulações ocasionadas por uma guerra nuclear planetária, da qual o próprio Surak acabou vítima, morrendo em decorrência da radiação. Esse período da história vulcana, que coincide com o século IV d. C. dos terráqueos, foi chamado de “Tempo do Despertar”. Enquanto cruzava a parte mais áspera do deserto, a Planície de Sangue, o reformador colheu do próprio solo — i. e., do sofrimento de todos os vulcanos que se entrematavam naquele momento — os fundamentos de sua lógica. Chegado ao topo do Seleya, sua visão filosófica foi rematada pela intuição do Kol-Ut-Chan, chamado em linguagem terrena de “Diversidade Infinita em Combinações Infinitas” (IDIC, em sigla inglesa), um princípio metafísico que encapsulava a noção de variabilidade ilimitada do universo. Base da filosofia de Surak, o IDIC se consolidara em um símbolo que, sob a forma de um pingente constituído por um círculo e um triângulo obliquamente sobreposto e encimado por um adorno semelhante a uma pérola, era bastante apreciado pelos vulcanos. O conflito nuclear terminou quando os partidários de Surak se impuseram sobre os beligerantes: foi o início de uma nova era, marcada por paz e prosperidade inauditas, para os habitantes do planeta.

É preciso dar o braço a torcer: há intelectualidade e complexidade razoáveis no universo criado por Roddenberry e companhia, algo que só pode ser realmente apreciado quando se é, por assim dizer, dotado de uma certa “nerdice”. Desse modo, nerds de todo o mundo notaram as inúmeras referências bem terrenas que, entretecidas, permitiram a sugestão de uma civilização alienígena como a vulcana. Assim como os rituais e as práticas meditativas que os vulcanos exibem em cena devem muito às tradições budistas, o essencial da mensagem ética da doutrina de Surak, a noção de que é necessário rejeitar as emoções e guiar-se apenas pela lógica, foi muito provavelmente inspirado nos ensinamentos dos antigos estoicos. E é justamente aqui, no tópico “estoicismo dos vulcanos”, que devemos nos deter, visto que personagens de ficção científica como Spock e a inflexível T’Pau (Betty Matsushita, Kara Zediker), acabam por sobrepor-se à imagem que muitos fazem dos estoicos que de fato existiram na Antiguidade. Um estoico, portanto, seria alguém que se assemelharia a um vulcano de Jornada nas Estrelas — seria esta a visão correta das coisas?

Não exatamente. E por algumas razões, que elencaremos a seguir.

• Estamos comparando uma filosofia inventada para um produto de entretenimento a uma escola de pensamento que efetivamente existiu. — Soa óbvio dizê-lo, mas o papel e a película aceitam tudo, até possibilidades alienígenas, até rigores sobre-humanos. A filosofia estoica, que era sumamente difícil, limitava-se a pensar nas questões que podia conhecer: era dotada de uma antropologia, não de uma exobiologia. A situação do ser humano ocupava-lhe o centro, motivo pelo qual ela se esforçava por olhar de frente o problema da finitude, tentando fornecer remédios às sugestões nascidas do medo excessivo da morte e a toda sorte de não aceitação do destino. E os filósofos do Pórtico sabiam que muitas vezes falhavam nesse intento. As grandes virtudes e o heroísmo, na ficção, não custam nada; na vida real, podem ser uma jogada mortal — por isso são coisas raras. Ao final do filme Jornada nas Estrelas II: A Ira de Khan (1982), Spock se sacrifica para salvar os companheiros, justificando-se em termos perfeitamente lógicos: “as necessidades dos que são numerosos se impõem sobre as necessidades dos que são poucos”. É bonito e pode, a depender das circunstâncias, ser verdadeiro, mas, pensando bem, não é sério. Spock ressuscita no filme subsequente, em expediente dramatúrgico dos mais questionáveis. Na vida real, ninguém tem um deus ex machina, um reboot ou um universo alternativo para salvar a própria pele (e o estoicismo insistia bastante no valor precioso, intransferível e irrepetível, do momento que se vivia). Quando Catão de Útica, para não servir a Júlio César, pôs fim à própria vida, ele sabia que seu gesto era irrevogável, cheio de dor e angústia, para valer. Com efeito, nós não o vimos mais por aí, no século XX, de bandana na cabeça, empregando-se no resgate de baleias, como sucedeu a Spock em Jornada nas Estrelas IV: A Volta para Casa (1987).

• A filosofia de Surak tem uma função estruturante na sociedade vulcana, ao passo que o estoicismo sempre ficou confinado a grupos restritos no mundo greco-romano. — Os vulcanos salvaram-se da ruína ao abraçarem as ideias de Surak, aplicando-as a toda a coletividade. Nesse sentido, a doutrina do reformador do modo de vida daquele povo assemelha-se ao budismo e ao taoísmo — uma filosofia com aspectos de religião. De fato, o “surakismo” conta com uma mística, com um grupo de escrituras autógrafas (o Kir’Shara, dado como perdido) e mesmo com templos e rituais. Os fundadores da ordem social daquele planeta são idolatrados. Há até uma sobrenaturalidade própria dos vulcanos: na franquia, cada um deles é mostrado como portador de um katra, espécie de espírito ou alma, capaz de subsistir à morte e de se transmitir para outro corpo. Particularmente em Enterprise, que se passa no século XXII, há uma série de episódios destinados a mostrar o lado não tão glorioso da conversão dos vulcanos ao “surakismo”. Como se pode supor, uma doutrina tão rígida só pôde prevalecer com a exclusão de muitos grupos, com arbitrariedades e mentiras de Estado por parte do Alto Conselho Vulcano e com a distorção de boa porção das ideias de Surak ao longo do tempo. No mundo real, as escolas de filosofia helenísticas jamais correram o risco de metamorfosear-se em religiões institucionalizadas porque, filhas de Sócrates, viam o dissenso como forma de fazer o conhecimento progredir, cultivavam em algum nível a dúvida e tinham como meta uma vida digna de ser vivida, não a salvação de uma sociedade. Se você quisesse ser estoico, cético ou epicurista, deveria ir procurar as escolas onde se ensinavam essas filosofias, porque ninguém viria bater à sua porta com uma boa notícia. Um prokópton que passasse a discordar das ideias de Zenão e Crisipo podia simplesmente deixar a escola. Em Jornada nas Estrelas, um vulcano que não aceite os princípios de Surak se torna um pária.

• Para os vulcanos, o rigor é uma via de mão dupla. — Como consequência do caráter social da filosofia de Surak, as instituições vulcanas foram moldadas para premiar aqueles que exibissem pensamento lógico mais aperfeiçoado e menor presença de emoções. Isso equivale a dizer que o rigor vulcano se exercitava não apenas ao nível da individualidade, mas também sob a forma de uma exigência que se voltava a outrem. É fácil imaginar os vulcanos como mais inteligentes e robustos que os seres humanos, superando os duzentos anos de idade, mas é um verdadeiro desafio a nosso senso de verossimilhança conceber uma sociedade como a deles que não estivesse infestada de variadas formas de orgulho, formalismo vazio e hipocrisia, além de um contingente enorme de “inadaptados” e “perdedores” vingativos. Uma doutrina que não se volta unicamente à melhora do indivíduo, mas que torna lícito que ele possa cobrar isso dos outros, tende a criar uma atmosfera social quase irrespirável. Inverossimilhanças à parte, digamos, entretanto e somente, que tudo isso é bastante “não estoico”. Um estoico não podia cobrar dos outros que agissem segundo princípios que para ele mesmo já impunham dificuldades consideráveis.

• Segundo os estoicos, a lógica era apenas a terça parte da filosofia. — Assim como os peripatéticos, os estoicos desenvolveram com grande proveito e interesse a lógica formal. E do mesmo modo como os seguidores de Aristóteles, eles não pensavam que a filosofia se reduzisse à lógica, embora soubessem da importância dessa área do conhecimento. Quando consideravam a filosofia como um todo, eles empregavam alguns símiles, sendo o mais interessante deles o que a descrevia como um jardim ou pomar em que o cercado correspondia à lógica, o solo fértil à física e os frutos à ética. Para não nos estendermos demais, digamos somente que é bastante difícil, se não impossível, dar comprovação cabal e para todos convincente de certas intuições que dizem respeito à ética: a argumentação em tais casos torna-se tortuosa e sem parada. Constituem tópicos desafiadores dizer por que seria mais lógico criar os filhos ao invés de abandoná-los, ser fiel aos amigos ao invés de traí-los, ser um trabalhador aplicado ao invés de um preguiçoso. Os estoicos não ignoravam que aquilo que era mais central em sua filosofia dependia de um fundo de experiências humanas não totalmente acessível ao pensamento lógico — embora o julgassem em conformidade com a razão que ordenava o universo. Eles provavelmente concordariam com o Spock mais velho (Nimoy) que, em uma linha do tempo alternativa em que Vulcano fora destruído, diante de uma versão mais jovem de si mesmo (Zachary Quinto), contraria os cânones e aconselha: “faça um favor a si mesmo: deixe a lógica de lado, faça o que você sente ser o certo” (no filme Star Trek, de 2009).

• Não, os estoicos não se opunham às emoções por si mesmas. — Aqui reside um dos maiores equívocos que certa visão difusa, não instruída, tem do estoicismo. Não se trata de uma filosofia que busque, a exemplo dos vulcanos de Jornadas nas Estrelas, a supressão das emoções, ou que tenha por meta a formação de seres humanos meio robóticos. Quando os adeptos do Pórtico falavam de apátheia como finalidade desejável, estavam se referindo a uma tranquilidade bastante sólida, não sujeita às influências de emoções violentas ou causadoras de sofrimento. Era a ausência das páthē, “paixões” — um estado psicológico, em todo caso, só atingido plenamente pelo sábio. Eles nada tinham contra as emoções agradáveis e suaves (eupátheiai), como as várias nuances do contentamento e da gratidão, por exemplo. Uma das coisas que eles pretendiam, por meio de sua filosofia, era fortalecer o “amante da sabedoria” em seu poder de considerar, racionalmente, as suas expansões interiores antes que elas viessem a tomar a forma de paixões. Tornada hábito, essa prática produziria indivíduos contidos, com sangue frio quando necessário, não robôs de carne e osso. Ademais, não havia nada no estoicismo minimamente parecido com o kolinahr, ritual, que durava seis anos ou mais, pelo qual os vulcanos maduros se purificavam de toda e qualquer emoção vestigial.

• “Vida longa e próspera” versus “vida segundo a natureza”. — Nesta leitura, o lema que acompanha a saudação vulcana não seria aprovado ou adotado pelos estoicos. Isso se deve ao fato de que a longevidade e a prosperidade nunca foram valoradas positivamente pelos adeptos do Pórtico, mas simplesmente etiquetadas como “indiferentes” (adiáphorai), coisas neutras. Viver mais anos ou com mais recursos não torna ninguém, de acordo com os estoicos, melhor ou pior do que ninguém. Para eles, o que importava era viver melhor. E o melhor tipo de existência era garantido pela natureza, que inscrevera no ser humano a razão e a sociabilidade. Um homem é tão mais feliz quanto mais cumpre a tarefa de ser o mais racional e sociável que puder. Se, por live long and prosper, entendermos algo como “viva longamente e prospere, cresça como indivíduo”, o dito estará um tanto mais em conformidade com o que diziam os estoicos. Sêneca explica a seus interlocutores, por diversos ângulos, a suficiência do bem moral (honestum); vejamos uma dessas passagens:

Não se exige a uma régua que seja bonita, mas sim que seja rigorosamente reta. Ou seja, cada objeto é avaliado segundo a sua finalidade, segundo a sua qualidade específica. Por conseguinte, também na avaliação de um homem é irrelevante a área das terras de cultura que possui, a quantidade de dinheiro que empresta a juros, o número de clientes, o preço do leito em que dorme ou a transparência dos seus cristais: interessa é saber até que ponto ele é bom. Um homem será bom se a sua razão for desenvolvida e justa, e se estiver adequada à plena realização da natureza humana. É a isto que se chama “virtude”, nisto consiste o bem moral, que é o único bem próprio do homem. (Sêneca, Cartas a Lucílio, LXXVI, 14-16; trad. J. A. Segurado e Campos)

Para finalizar, digo apenas que me deu grande prazer redigir esta comparação. Ficou mais longa que o previsto, admito, mas creio ter conseguido esclarecer algumas coisas para mim mesmo: de fato, vistas de perto, as diferenças entre vulcanos e estoicos me parecem de grande monta. E fecho com uma constatação do físico Marcelo Gleiser, no bom artigo “O que aprendi com os ETs”, em que fala da maneira como, por meio da ficção científica, projetamos as potencialidades humanas nas civilizações alienígenas imaginárias: “De modo bem concreto, somos nós os alienígenas. A pluralidade de representações ficcionais destes reflete o que sabemos do mundo, o que sabemos de nós, os nossos medos e expectativas, as nossas esperanças e desespero”.

Não é fascinante dar-se conta disso?

*Por Donato Ferrara (publicado originalmente em “De vita stoica”)

 

 

 

 

……………………………………………………..
*Fonte: socientifica

A obsessão por ver séries está absorvendo a nossa vida?

Quantas séries você está acompanhando atualmente? Quantas delas você acha importantes? Quantas continuará recordando com o passar do tempo? A seriefilia deixou de ser uma maldição para virar uma tortura que aflige até os mais fanáticos. Não é raro acabarmos chafurdando em conversas cheias de lamentações sobre o pouco tempo que temos para nos atualizar, como se estar em dia com os lançamentos fosse não mais um prazer, e sim uma exigência.

A pergunta é evidente: esse vício está nos destruindo? Já cansados da Igreja, do futebol e dos programas de celebridades, nós, da imprensa, temos de vez em quando a mania de coroar o novo ópio do povo. Fazemos isso inclusive literalmente, a tal ponto de que uma vez por ano costuma haver uma febre de artigos surpreendendo-se com a volta da heroína às ruas. Pode ser que meter As Séries — assim mesmo, com as devidas maiúsculas — nessa roda-gigante de clichês seja um absurdo, mas não é demais questionarmos o lugar que dedicamos a elas em nossas vidas.

Pensemos.

Você sai para trabalhar. Pega o transporte público. Senta-se. Pronto, em meia hora chegará ao seu destino. Enquanto revira a bolsa ou a mochila em busca daquele livro com o qual pretende se distrair no trajeto, as luzes do ônibus ou do metrô lhe parecem escassas para a leitura, o que o deixa indignado, porque você se sente no direito de exigir uma iluminação digna para ler esses míseros dois parágrafos obrigatórios antes de cochilar. E, olha, que indignação a sua! A alienação da vida moderna faz com que você dedique uma grande importância a esses dois parágrafos de vida interior zumbi. É um placebo de cultura leprosa que se desfaz na sua cabeça como um comprimido efervescente; a armadilha de acreditar que você dá sentido aos momentos mortos da rotina, que um minuto depois acabam se necrosando em uma sesta.

Assim como os ‘junkies’, mentimos para nós mesmos quando vemos que esse novo vício assume o controle das nossas vidas. “Bom, pelo menos é cultura”, dizemos para nós mesmos.

Depois você chega em casa. E aí? Vai reabrir o livro? Ah, bem poderia. Mas não seria melhor deixá-lo para logo antes de ir dormir? Ler na cama, essa quimera. Se você já pega no sono por aí, nas esquinas do transporte público, o que espera que aconteça quando se posicionar entre lençóis cada vez menos frios e mais aclimatados ao seu corpo alquebrado? O que você faz ao chegar em casa não é ler. O que você faz é preparar quatro tranqueiras para o jantar e se colocar na frente desses serviços de streaming tão legais que você contratou por um preço ridículo. Todas as séries do mundo por menos de 30 reais por mês.

E um filme? Quanto tempo faz que você não vê um filme em casa? Ah, você está bem cansado, não vai aguentar duas horas. Além disso, falaram bem dessa série que tem só dez capítulos por temporada e… puxa vida. Vicia. Tinha razão aquele colega, aquele thread do Twitter, aquele amigo da sua namorada, aquela matéria do EL PAÍS que havia botado a série nas nuvens. Você põe mais um capítulo. E mais um. Você não tinha tempo para dedicar sua atenção completa a uma história de 90 minutos, e de repente se vê, como um maníaco salivante, engolindo seis capítulos de 50 minutos cada um, todos eles repletos de subtramas absurdas.

É óbvio que há séries extraordinárias; e é óbvio também que muitas delas, como antes nas décadas de 1950 ou 80, se concentram numa espécie de época dourada, de momentum. A proliferação de plataformas digitais de conteúdo, dispostas a brigar com os serviços de TV cabo, está dando lugar a um excesso que acaba virando um hábito bulímico de consumo. Não é só algo que nos proporciona prazer; é algo que, além disso, nos dá certo status. Permite simular uma espécie de erudição portátil que preenche o papo do elevador, do escritório ou do balcão do bar, já que todos estamos vendo séries e, frequentemente, todos estamos vendo as mesmas séries.

Isto, por um lado, é positivo. A democratização da cultura derruba barreiras e enriquece as pessoas. Fenômenos populares como a seriefilia facilitam novas vias de conversação, de debate e inclusive de trolagem. E, sim, é verdade que ver muitas temporadas de algo (o que quer que seja) nos tira tempo para outras coisas, como ler, mas até que ponto queixar-se disso não é um sinal de esnobismo classista? Pretender que duas obras de arte sejam vistas por cima do ombro é puramente um exercício estúpido. As séries ruins são tão ruins quanto os romances ruins, e o mesmo acontece com as séries e romances (e filmes e discos) medíocres ou brilhantes.

Agora, a histeria viral que acompanha a seriefilia se torna repelente quando nivela o critério para enfrentar a linguagem. Não vemos séries, as seguimos. A cineasta Lucrecia Martel disse recentemente que as séries eram “um passo atrás”. Guillermo del Toro afirmou, em outra declaração recente à imprensa, que recordava muitos grandes momentos televisivos, mas pouquíssimas imagens indeléveis. É verdade que, na era da TV paga e da ficção por streaming, os roteiristas são os autênticos autores; e quase parece que, ouvindo esses cineastas, a realização dos roteiros fica nas mãos de vários operários que têm diante de si a tarefa quase industrial de traduzir suas arrevesadas e complexas tramas em uma sucessão de beabás visuais. Como se a profundidade aristotélica fosse sistematicamente passada pelo moedor do campo/contracampo.

Há muitas exceções; cada vez mais, aliás. Von Trier, Soderberg e Fukunaga se puseram à frente de temporadas inteiras (para não falarmos de Lynch e a odisseia inabarcável de Twin Peaks: O Retorno). Mas, deixando de lado esse ponto de vista meio territorial dos próprios cineastas, várias séries que seguem a linha de trabalho de alternar diretores revelaram momentos visuais comoventes ou belíssimos. Better Call Saul, Hannibal e The Leftovers são alguns exemplos em que a realização é tão importante quanto o roteiro. Então por que nos custa reter essa beleza? Talvez pelo excesso; o costume de ir às séries como o menino guloso vai às bolachas da avó. Colocamos a mão em um frasco de cultura e a levamos à boca com um furor doce e animal.

Quantas vezes você adiou o trabalho daquele projeto pessoal “por um capítulo a mais”? Quantos antissistema se derretem com maratonas de ‘Mr. Robot’?

Por isso, ao chegarmos moídos em casa seguimos as recomendações da nossa plataforma de streaming. Com a fé de encontrarmos um novo dínamo emocional, procuramos desconectar não mais por duas horas, e sim por duas temporadas. Ou quatro. Ou seis. Assim como os junkies, mentimos para nós mesmos quando vemos que esse novo vício assume o controle das nossas vidas. “Bom, pelo menos é cultura”, dizemos para nós mesmos, quando, com triste frequência, o que ativamos em nossas telas é um protetor de tela inteligente que reproduz os mesmos argumentos-clichês que já haviam nos prendido alguma vez (Isto explicaria o sucesso narcótico de Ozark entre os órfãos de Breaking Bad).

Quantos casais dissimulam esses últimos meses anteriores à separação em meio ao espesso nada do binge-watching? Quantas vezes você adiou o trabalho daquele projeto pessoal “por um capítulo a mais”? Quantos antissistema, desses que rimam “televisão” com “manipulação”, se derretem com maratonas de Mr. Robot?

A cultura mais desafiadora é a que nos dá aquilo que não sabemos que queremos, ao passo que as séries, inclusive as melhores séries, vivem por natureza de cumprir uma expectativa que alimentam constantemente. Por esse ralo deixamos que se perca, em espiral, o que há de cinza em nossa rotina. E nos sentimos, isso sim, mas descolados, mais cultos e mais felizes.

*Por: Anxo F. Couceiro

…………………………………………………………………
*Fonte: elpais / Brasil