Caminhos – #133

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

De lá prá cá (SRR – VA) – SRR capítulo III

Aqui a ideia do post é mostrar através de algumas imgs o nosso caminho de volta para Venâncio Aires (RS), desde o topo da Serra do Rio Rastro até Vacaria, no Rio Grande do Sul. Depois disso, o restante do trajeto fiquei sem bateria na câmera e portanto, sem imgs. Mas daí é mais do mesmo.
Sorry, baby!

*Confira:

Monumento no topo da Serra do Rio do Rastro.

 

 

 

 

 

 

No estacionamento no mirante da SRR

 

 

 

 

 

 

Lagartendo de manhã cedo, dando uma última olhada na SRR, um pouco antes da despedida do local e de começarmos de verdade a volta para casa

 

 

 

 

 

 

 

Dada a largada – SC 390 (Bom Jardim da Serra) Sem dúvida um dos mais belos e tranquilos trajetos que já andei.

 

 

 

 

 

 

Um pouco da bela paisagem da serra catarinense / SC – 390

 

 

 

 

 

 

Parada rápida para ajeitar a mochila

 

 

 

 

 

 

 

SC – 114, depois de São Joaquim

 

 

 

 

 

 

relevando (SC – 114)

 

 

 

 

 

 

Esticando as canetas (SC – 114)

 

 

 

 

 

 

Já na 116, depois de Lages – SC

 

 

 

 

 

 

Uma parada em plena pista por uns 15min devido a obras. Resolvi pedir uma informação p/ o motorista desse caminhão (o Arthur). Acho que ele se assustou com a minha abordagem e não me atendeu, sequer abriu a janela da porta ou me respondeu. Ficou quietinho dentro da cabine. Foi engraçado isso. O Pretto não parava de rir. E atrás de nós uma fila de carros. Medo de assalto? Medo do papai Noel? Tá bom então. Boa viagem.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na 116, perto da divisa

 

 

 

 

 

 

No rio Pelotas que faz a divisa entre o RS e SC, no caminho para Vacaria (RS)

 

 

 

 

 

 

 

Então de volta ao RS

 

 

 

 

 

 

Um pouco antes de Vacaria (RS)

 

 

 

 

 

 

 

Serra Gaúcha (RS-453) – SRR capítulo II

Como já mencionei num post anterior sobre a recente trip de moto até a Serra do Rio do Rastro (SC), quando por causa de uma promessa, eu postaria apenas “uma img” da SRR (e vou continuar cumprindo isso – OK!), mas agora resolvi então dividir a viagem em duas partes. A ida pela serra gaúcha e depois a volta pela serra catarienense, por Lages e depois Vacaria. Vou postar aqui as imagens da viagem e é claro, deixar de fora somente as imgs. da  parte da S.R.R. (que vendo agora, na real, são as melhores, mas but)…

Este post fatiado será então exclusivamente da parte do começo da nossa trip, da saída e a passagem pela serra gaúcha (de Venâncio Aires até Caxias do Sul – pela 453, e de lá até Terra de Areia (BR -101).

Então é isso! Valeu.

*Confira abaixo algumas imgs, na sequência dos fatos e com as respectivas legendas:

Na saída de Venâncio Aires (RS) – RST 453

 

 

 

 

 

Começando a subida da serra em Westfália (RS)

 

 

 

 

 

 

 

Forte neblina em Imigrante (RS)

 

 

 

 

 

 

Novamente um longo trecho com neblina, agora em Caxias do Sul (RS)

 

 

 

 

 

 

 

Parada na 453, um pouco depois de Caxias do Sul. E acredite, logo depois disso, tivemos novamente um trajeto de vários kms com neblina.

 

 

 

 

 

 

Sempre em frente com o sol por testemunha e a nos guiar \m/

 

 

 

 

 

 

Pausa para esticar as pernas e dizer besteiras

 

Pit-stop para abastecer as motos

 

 

 

 

 

 

Paradouro na Serra Gaúcha – 453

 

 

 

 

 

 

Pura malemolência e sensualidade da rapaziada (paradouro 2)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As magrelas (paradouro 3)
De volta ao trecho, rumo à 101

 

 

 

 

 

 

Entrada do primeiro túnel na 453 (descendo)

 

 

 

 

 

 

Na veia do dragão

 

 

 

 

 

 

Ainda descendo

 

 

 

 

 

Já mais para o final da 453 com a pista vazia momentos antes da parte em a coisa virou uma chatice com uma longa fila de carros (qdo perto da 101)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na trilha da 101, uma parada para almoçarmos no Japonês.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nas cercanias de Criciúma, pedindo uma uma informação e também roubando uma boa sombra da árvore do tiozinho

 

 

 

 

 

 

Quase lá, Urussanga SC

 

Trip Serra do Rio do Rastro 2018

Esse post vai parecer estranho já que normalmente registro aqui com um breve texto e “várias fotos” a grande maioria de minhas viagens de moto. Só que dessa vez postei apenas uma única imagem.

Acontece que há anos tem uma coisa que me irrita muito. É que todas vez que alguns motociclistas conhecidos meus se reúnem e começam a conversar sobre viagens e tal, SEMPRE surge o nome da Serra do rio do Rastro, em Santa Catarina. Uma coisa tipo mítica, quase que uma peregrinação em busca de uma benção. Sei lá… Óh meu Deus, se tu tem uma moto e se julga um motociclista de verdade – “tem de ir até lá”.

E depois de um tempo e com essa conversa sempre vindo à tona, já de saco cheio disso, como afinal se lá fosse o único lugar ou estrada legal no mundo (ninguém parece que conhece outros lugares bonitos além desse? – CLARO QUE SIM!), Eu mesmo conheço vários lugares legais, com diferentes aspectos de paisagem e geografia e que também são bonitos por suas próprias características.

Então eu até cheguei a dizer só de birra que nunca iria até lá, ou então se um dia fosse, postaria aqui apenas 1 foto do lugar. Justamente porque posto sempre várias imgs e nesse caso seria uma provocação para com os meus amigos. Mas claro que é besteira, já tinha visto vários vídeos e muitas fotos e histórias do lugar, deles mesmos, os meus amigos e conhecidos. Já sabia que era realmente muito bonito.

Então esse ano finalmente o Pretto, meu parceiro de empreitadas em duas rodas me me convenceu de fazermos uma trip até lá, com o argumento de que não apenas a serra era interessante, mas como a viagem como até lá e depois a volta também, poderiam ser bem interessantes. Tanto que me mostrou um roteiro alternativo que fugia ao tradicional – mais rápido e prático até lá. Curti a ideia assim tive de dar o braço a torcer. E foi memso realmente incrível, a viagem até o local e depois aquela subida serpenteando a serra com uma estrada estreita mas com uma visão incrível lá de cima. É fantástico! Pronto, me redimi. O lugar é realmente muito bonito, curti bastante.

Mas não esqueçamos de que não é somente o fim, mas toda a jornada de ida e volta, o que realmente importa. Tanto que agora eu acho a região/natureza e geografia da serra Catarinense mais bonita do a da serra gaúcha – me refiro no sentido de paisagens naturais (e sim, podem reclamar e espernear à vontade).

E o que é aquela SC-390 / SC-114!!!? Que lugar e rota incrível para uma viagem. Estrada muito boa, com pouco movimento e uma paisagem de visual bucólico (é verdade), mas sensacional. Aquilo passa uma sensação de paz e tranquilidade incrivelmente boa enquanto se pilota e admira o lugar. Pôxa!

*Saímos nessa quarta de madrugada, fomos até lá passando por Lajeado / Rota do Sol / Caxias do Sul – 453 / Terra de Areia / 101 / Criciúma, até Orleans, onde foi o nosso pouso. subimos e descemos 3 vezes a serra. E voltamos hoje, não pela 101 ou litoral (que seria bem prático e mais fácil), mas seguindo a serra catarinense pelas SC 390 e 114 até Lages, depois descendo até Vacaria, seguindo para Antônio Prado / Flores da Cunha  e Caxias do Sul, quando daí era só ligar o piloto automático para a Rota do sol até Venâncio Aires. tudo de boa e tudo tranquilo. Sim, tem muitas histórias, muito mais coisas para contar mas isso vou deixar para comentar com os amigos pessoalmente e não aqui no blog. Assim como mostrar as trocentas imgs da viagem que eu fiz.

**Abaixo então, como o prometido: a tal foto que escolhi como a mais representativa do que foi essa trip da Serra do Rio do Rastro (SC).

Selecionei essa img de dentre de mais de uma centena (sim, fiz muitas fotos como de costume), inclusive várias da estrada visto lá do topo, do mirante e também de outros lugares, mas penso que isso seria óbvio demais. Tinha de ser diferente. Foi difícil escolher. E como sou um homem de palavra e cumpro o que prometo. Aqui está. Uma foto simples, talvez nem seja a melhor de todas que fiz, mas sem dúvida representa bem e sintetiza a história dessa viagem. Ainda faz jus ao temo proposto de “uma única foto” para a minha primeira ida até a Serra do Rio do Rastro. Tem a serra do Rio do Rastro ao fundo, bem como as motos da viagem com as nossas tralhas, um céu incrivelmente claro e bonito para completar a paisagem e ainda o meu amigo e parceiro de viagem, André Pretto (que conseguiu me convencer de ir até lá). Valeu, muito obrigado.

 

Com a chuva em nosso encalço

Mantendo aquela vibe de aproveitar bem cada momento quando se faz algo de que se gosta muito, hoje foi dia de pegar a estrada até a serra gaúcha, em Carlos Barbosa. Numa rápida combinação por telefone, marcamos eu e o Pretto para o começo da tarde a nossa saída. Inicialmente iríamos até Garibaldi, depois no meio do caminho pegamos um pouco de chuva (sem estarmos devidamente preparados para isso – melhor assim, sem frescurada de motociclista), isso quando estávamos na RS453, perto do trevo para Imigrante. Uma rápida parada e resolvemos seguir em frente, mesmo com a chuva começando.

Andamos mais alguns kms e a chuva apertou, então a coisa ficou mais séria e tivemos de fazer uma parada estratégica junto ao ponto de ônibus, na beira da estrada. Tranquilo. Esperamos alguns minutos e logo a chuva passou e assim já podíamos seguir novamente em frente.

Uma parada num posto de gasolina para um café e logo já estávamos em Carlos Barbosa. Uma circulada pelo centro da cidade, outra parada para curtir o lugar. Só que em pouco tempo surgiram nuvens pretas bem carregadas e daí a coisa ficou feia mesmo. Não deu outra, tivemos de zarpar rapidinho para ainda tentar fugir da chuva no caminho de volta pela Rota do Sol. Conseguimos descer sempre a frente da tal chuva. A coisa estava tão a nosso favor que mais uma vez resolvemos mudar o roteiro, pegamos o caminho de volta descendo por Imigrante, na RS 129 (um belo caminho). Tive de parar em um posto para abastecer (meu tanque é menor do que o da moto do Pretto), então novamente as nuvens pretas nos alcançaram.

Segue o baile e sempre em frente! Seguimos descendo até lajeado, então como de costume uma paradinha básica na CNG Motors para espiar e pegar a benção de outras motos na vitrine da revenda. Depois era só seguir para casa novamente. Um trajeto que rola meio que no piloto automático para nós. Mas é sempre bom.

O que dizer mais? Foi uma tarde muito boa, bem aproveitada como sempre e ainda mais com o tal rally de fuga da chuva. Bacana. Essa provavelmente foi a nossa última trip de moto do ano de 2017, que foi sem dúvida um bom ano com várias aventuras viajando de moto por aí. E ano que vem tem mais – MUITO mais, e bem mais longe. Aguardem…

Valeu!

*Algumas img da trip de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ruínas jesuíticas de São Miguel das Missões

Como havia mencionado em um post anterior, agora anexo algumas img feitas quando da visita essa semana ao histórico sítio arqueológico em São Miguel das Missões (RS). Há também um pequeno museu no local além das ruínas, não fiz fotos de lá, mas fica aqui a dica. Funciona no mesmo horário da visitação e na parte interna, logo na entrada do parque.

Os horários de visita são:
3ª à Domingo: 09 às 12h / 14h às 18h
Durante o horário de verão: 09 às 12h / 14 às 20h
Obs.: nas segundas-feiras somente das 16 às 18h

Claro que não vou aqui escrever uma tese ou um texto elaborado sobre o patrimônio histórico das ruínas de São Miguel, não é esse o intuito da coisa por aqui, mas em todo caso, se você tiver a curiosidade de conhecer um pouco mais sobre o tema, confira os links abaixo:

http://portaldasmissoes.com.br/site/view/id/406/ruinas-de-sao-miguel-arcanjo-sitio-arqueologico.html

…………….

https://www.feriasbrasil.com.br/rs/saomigueldasmissoes/

…………….

https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%ADtio_Arqueol%C3%B3gico_de_S%C3%A3o_Miguel_Arcanjo

…………….

*Não são fotos profissionais mas ao menos creio que servem para dar uma ideia do contexto do que há nas ruínas jesuítas. É um belo passeio sem dúvida, gasta-se um bom tempo caminhando pelo amplo espaço gramado, bem como ao redor e por dentro das ruínas de São Miguel. Fica aí então uma dica de um passeio interessante.

Gracias.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pondo em dia na agenda uma visita histórica e cultural

Com a proposta de não ficar parado só bobeira e descansando nesse período de folga entre o Natal e ano novo, entre outras coisas é claro que teria de pegar a estrada de moto algumas vezes, afinal isso é para mim um dos grandes bons prazeres na vida. Assim num planejamento de uma dia para o outro falei com alguns amigos, mas no final somente eu eu e o Rafa estávamos liberados para essa empreitada e entre um roteiro e outro resolvemos fazer uma viagem até São Miguel das Missões. Um local histórico e culturalmente importante para o Rio Grande do Sul e porque não dizer América também, o qual nunca tinha visitado antes e aliás, já era um desejo antigo. Não, no tempo de colégio nunca fui em excursão até lá (só para constar). Além do mais fica em uma região que pouco me aventuro de moto e seria legal fazer um primeiro contato por ali.

Simbora! Sem muita frescura combinamos nosso roteiro ainda na tarde de terça-feira, deu tempo de ajeitar algumas coisas e também deixar preparada a moto para a viagem. Na madrugada de quarta-feira já estávamos saindo de Venâncio Aires rumo a São Miguel das Missões.

Ainda era escuro quando nos encontramos e depois de uma breve conversa já estávamos na estrada pela 287 rumo à Candelária. Nas curvas de Santa Cruz do Sul demos de cara com um acidente recém ocorrido, um caminhão teve sua carga tombada e espalhada na pista. Haviam algumas pessoas fazendo sinal de seguir em frente por um canto da estrada e assim fizemos. Em Candelária tomamos a RS 400, que fazia um tempo que andava por ali por causa do estado muito ruim da estrada, mas de fato a situação mudou, como um amigo esses tempos já havia mencionado de que haviam ajeitado a buraqueira. Muito bom. Gosto desse trajeto da região centro-serra e nem lembrava mais de como é bonito, melhor ainda tendo como parceria o sol que estava nascendo e dando uma cor toda especial enquanto rodávamos com nossas motos. Isso sim é um daqueles momentos incríveis numa viagem de moto. Havia uma previsão de chuva para a tarde e por isso resolvemos fazer essa trip numa tocada com poucas paradas até o nosso destino final.

Subimos até Sobradinho, depois Arroio do Tigre (o mais longe que já havia ido nessa estrada) – que já é então a RS 481.  O sol já estava ativo e resolvemos parar para um café. E o interessante é que depois, apenas alguns km à frente o clima era totalmente diferente, passamos por um bom trajeto com cerração fechada na estrada e logo depois sol forte outra vez (sic!). E que tal esse nosso clima e geografia da região, hein!?

E puêrra! daí novamente a mágica aconteceu. Da cidade de Estrela Velha em diante, passando por Salto do Jacuí  (fizemos uma parada na ponte) até o trevo que junta com a 158, perto de Cruz Alta – se mostrou um dos trajetos mais legais que já andei. Uma estrada tranquila, com um asfalto legal e pouco movimento, quase somente lavouras dos dois lados da pista por tipo quase uns 100km. Incrível andar numa estrada assim, a moto só vai, flui com a estrada e nessa tocada a mente também voa livre. Acredite! Muito bom, muito bom.

Depois do trevo com a 158 andamos alguns poucos kms em direção à Cruz Alta e em seguida outro trevo onde fomos pela RS342, que depois emenda na 285. Daí a coisa ficou normalzona outra vez, o perrengue de sempre. Estrada com vários trechos com muitos buracos ou então com o asfalto deformado, bem movimentada e cheia de caminhões, vários pardais (acho que passei acima do permitido num desses – shit!) e por aí vai. Mas faz parte, é o comum por aqui e como tal até já estamos acostumados. Foi só seguir em frente por Ijuí, Santo Ângelo até Sâo Miguel da Missões.

Fizemos algumas paradas para abastecer, motos diferentes, tanques com capacidades diferentes, diferentes paradas. Uma parada obrigatória foi no pórtico de São Miguel, é claro, onde até umas mulheres nos perguntaram se poderiam fazer fotos junto de nossas motos. Cada uma!

O trajeto do pórtico até a cidade é bem ruim, tipo uns 16km e que talvez tenha sido o pior de toda a nossa viagem. Fica a dica para quem for para lá. A cidade de São Miguel me pareceu bem modesta e pequena até, achei que seria bem maior até pelo apelo turístico histórico internacional que ela tem. Mas enfim, rapidamente nos entendemos com a cidade e seus fluxos, não havíamos marcado nada de hotel ou pousada. Numa rápida dica no posto de gasolina no centro da cidade já tínhamos conseguido boas referências. Em pouco tempo já estávamos numa boa pousada e depois de estabelecidos, descarregado os apetrechos das motos, já estávamos fugindo do calorão tomando um banho de piscina (ótimo custo/benefício). Isso tudo bem perto do sítio arqueológico local, das Missões. Na noite fomos novamente nas Missões, mas dessa vez para assistir ao tradicional show de luzes e sons que acontece nas centenárias ruínas, onde de forma poética e artística nos contam a resumidamente os eventos e parte da história do local.

Levantamos cedo, não tanto quando da ida, até porque agora havia um horário do café e se não quiséssemos perdê-lo, teríamos de sair um pouco mais tarde. Já era por volta das 8h quando ligamos os motores e voltamos com a intenção de estar na estrada sem pegar o forte calor da tarde. Deu tudo certo e tranquilo Uma baita viagem, valeu a parceria do Rafa e desde já planejando novos roteiros.

Nesse post falo um pouco sobre a viagem.
Em um outro post falarei da visita e algumas fotos do sítio arqueológico de Sâo Miguel das Missões.

*Abaixo algumas imgs dessa trip:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tentando escapar da chuva

Mesmo com um clima de chuva e nada favorável ainda na sexta-feira de noite, deixamos mais ou menos combinado que no sábado, eu e o Pretto iríamos até Garibaldi. Também havia tratativas para o Vladi saindo de Porto Alegre nos encontrar pelo caminho. O sábado amanheceu sem chuva mas de cara cinza e de nuvens sinistras pelo céu. Como era cedo, ainda dava para mim dar as minhas voltas antes mesmo de chegar o horário marcado para a nossa saída e até lá conferir se ainda iríamos ou não mesmo com esse clima.

Passei na oficina do Jackson, meu mecânico habitual para deixar com ele umas peças e encontro por lá o Rafa (que não poderia ir hoje com a gente), junto com dois gringos argentinos e suas motos – uma HD Sportster 1200 e o outro com uma BMW GS 800. O Rafa encontrou esse pessoal ontem a noite parado no centro de Venâncio Aires, junto com mais uns 7 amigos, esse grupo está fazendo uma viagem da Argentina até Camburiú, em Santa Catarina, passando por vários lugares interessantes no trajeto. Estavam bem informados quanto a isso. Foram na oficina para um acerto no sistema elétrico de partida da HD, que apresentou problemas durante a viagem. Dica do Rafa.

Um bom momento para uma conversa com motociclistas estrangeiros. Enquanto o Jackson, que é o mecânico dava um trato na HD a gente foi batendo um papo. Eles queriam ir ainda pela manhã até Gramado. Até dei uma dica de um trajeto alternativo mais longo mas tbém bem mais interessante, que marcaram no seu GPS e ficaram de pensar.

Incrível como essa coisa de um ideal comum é muito bacana, foi muito fácil interagir com pessoas que curtem e compartilham de um mesmo interesse comum, ou seja, viajar/andar de moto. Conversamos rapidamente sobre várias coisas, o Jackson terminou o serviço no puro espírito da camaradagem de aventureiro nem cobrou pelo seu trabalho. Os gringos ficaram contentes e agora com o problema da moto deles resolvido seguiram para darem ainda algumas voltas pela cidade, passar na loja do Rafa para uma visita e um chimarrão e depois se reunirem com seus outros amigos no hotel antes de seguirem a viagem. Nos despedimos, desejei boa sorte e uma boa viagem para eles. Gente legal.

Chegando em casa ainda tinha de resolver com o Pretto se nós iríamos fazer a nossa trip até Garibaldi, já que o dia ainda estava cinza e com cara de chuva. Resolvemos seguir o combinado assim mesmo. Nos encontramos, uma rápida conversa enquanto abastecemos as motos e pé na estrada.

Seguimos para Lajeado, depois pegamos a Rota do Sol onde aconteceu o inusitado,  um caminhão de leite a nossa frente tinha um certo vazamento que borrifava ao vento um pouco de leite de vez em quando. Essa meleca impregnou as nossas viseiras do capacete enquanto estávamos atrás do caminhão. Tivemos de fazer uma parada em um posto de gasolina para limpar essa função. Seguimos em frente e chegando na parte do trajeto em que começa a subida de serra o céu escureceu e depois veio uma chuva de leve. Resolvemos parar em um abrigo de ônibus, no trevo de Imigrante (RS) para dar um tempo e ver se a chuva era apenas passageira ou não. Esperamos uns 15min e a chuva passou. Nesse meio tempo, enquanto ainda chovia, o tal grupo de motociclistas argentinos passa por nós em viagem (equipados p/ chuva) subindo a serra pela Rota do Sol, um caminho alternativo e mais longo para seus objetivos mas demonstrando que estavam mesmo com espírito de aventura e afim de rodar e conhecer novos lugares. Mazáh!

Voltamos para a estrada mas o asfalto molhado não ajudou muito, em pouco tempo já estávamos com os pés e calças molhadas. Seguimos assim mesmo. Fomos até Carlos Barbosa (RS), onde almoçamos. Nesse tempo o clima mudou para dia limpo e até o sol resolveu aparecer. Mas ao invés de irmos até Garibaldi resolvemos voltar mas passando por dentro de Teutônia e depois fazermos uma parada na cervejaria Salva, em Bom Retiro do Sul. Um pouco mais de conversa afinal não tínhamos pressa e nem compromisso algum no dia, depois seguimos o trajeto até Lajeado onde paramos para um confere nas vitrine de motos usadas na CNG. Daí era só voltar para casa.

Outro sábado incrível de viagem por aí. Valeu!

*Confira abaixo algumas imgs do rolê de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um café em Herveiras

O sábado prometia desde cedo, o dia amanheceu com um céu limpo e tranquilo e sem a menor chance de chuva – dia de rolê de moto! Logo depois do meio-dia, sai em direção de Santa Cruz do Sul, havia combinado com o amigo Marcelo Montini de que iria passar lá para darmos juntos um rolê de moto. Aqui cabe a explicação de que o amigo tem uma Honda Shadow 600 vintage, toda originalzona, mas que está sem andar “forte” há mais de ano. Então normal ir aos poucos dando uma esticada na suas andanças. Hoje resolvemos por essa bela máquina para rodar até Herveira/ Barros Cassal.

Depois de chegar em Sta Cruz, nos encontrarmos no trevo da cidade aos pés dos gigantes “Fritz e Frita”, mesmo sem sombra alguma colocamos um pouco da conversa em dia e seguimos em frente. Já mencionei, fez um dia muito bonito de sol e com uma boa temperatura para andar de moto. O único inconveniente eram os fortes ventos que em certos momentos do trajeto chegavam a empurrar a moto um pouco para o lado. Mas tudo bem, desafios assim fazem parte da empreitada. A moto gastou um pouco mais de combustível com isso, mas ok, não acontece toda hora.

Já que Montini não conhecia ainda o trajeto, a função ficou mais interessante, tudo era novidade. É trajeto muito bom e realmente bonito, impressiona mesmo. então fica aquela coisa de dever cumprido, legal que ele curtiu – essa é a ideia, agora que já sabe o caminho vai poder dar os seus rolês por ali quando quiser e com mais frequência.

Foi uma viagem tranquila, fizemos algumas paradas eventuais e é claro que a grande ponte não poderia ficar de fora. É bem alta e tem a sua mureta de proteção baixa (acredito que menos de meio metro de altura), então quando se caminha pela beirada e chega tipo pela metade dela, dá até um certo medo olhar para baixo. A coisa piora quando passa algum caminhão “embalado” descendo o morro, a ponte toda treme. Não vai cair é claro (assim espero), se bem que as minhas pernas também tremem nessa hora, tenho de confessar….kkkkkkk

Depois da ponte seguimos o trajeto até o tradicional posto/restaurante em que normalmente a nossa turma faz a sua parada. O pessoal hoje resolveu ir até o encontro de motociclistas de Charqueadas, por isso não vieram junto para esse nosso rolê. Se tem encontro eu vou para outro lado. Esse é o meu lema.

*Tá, às vezes vou em encontros de motocilcistas sim. Mas só às vezes. E bem raramente. Não curto! Muita chalaça, zerinho, cortação de giro e gente pagando pau de machão lá S.O.A. – menos, né!

Uma parada, sombra, vento, um café na varanda do restaurante (nada de álcool, estamos dirigindo), uma boa conversa, abasteço a moto e então voltamos. Simples assim, tudo tranquilo. Só que um pouco antes chegarmos outra vez no trevo de em Santa Cruz do Sul, a moto do Montini “do nada” apaga rodando em plena estrada. Uma pane no sistema elétrico. Sem outra alternativa, a moto tem de ser empurrada até um posto de gasolina que por nossa sorte, ficava tipo uns 500m à frente. Lá tentamos dar um verificada melhor na moto e pareceu mesmo ser pane elétrica. Vamos rebocar! Começamos então a procura por uma corda e nada. O pessoal do posto até tentou ajudar, mas não rolou. Nesse hora interpelei um rapaz que chegou para abastecer numa caminhonete, perguntei se ele tinha uma corda e ele disse que sim. Ôpa! Prontamente o sujeito foi até a sua caminhonete e de lá tirou várias cordas (estava indo a um acampamento de pescaria) – Sorte 2!
Nos emprestou uma delas que pareceu ter tamanho adequado para a empreitada. Vendo a nossa situação o Robson (o cara da caminhonete), se ofereceu para rebocar a moto do Montini até em casa, que na real não era muito longe dali. Báh! Incrível, demos sorte de encontrar uma pessoa de espírito bom e disposta a ajudar, coisa rara nos dias atuais. Muito grato Robson!

Feito o carreto, moto rebocada até a casa do Montini. Hora de darmos algumas risadas do fato, afinal não foi nada de grave, só um pequeno contratempo mecânico-motocilístico, então tá valendo. Durante essa semana arruma a moto e na próxima já estará alinhando junto no grid de largada outra vez.

Conversarmos mais um pouco e então era hora de eu seguir o meu caminho fazendo o restante da viagem de volta até em casa. Tudo tranquilo e assim que chego outra surpresa, encontro a turma toamndo um chopp – o Rafa, Bolinha e o Professor Jéferson, recém chegados do encontro de Charqueadas. Feito! Me junto ao grupo.

Enfim, mais um sábado de aventuras em duas rodas. E como isso é bom!
Gracias.

*Abaixo algumas fotos de hoje. Minha câmera estava sem bateria, então foram apenas de celular memso (não curto), mas é o que temos para hoje.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O que era para ser um final de semana só de chuva, teve um belo domingo de sol

Já que o sábado foi dia de chuva por aqui, o habitual rolê de moto ficou prejudicado (apesar de assim mesmo ter ido até Lajeado, entre uma chuva e outra), mas hoje o domingo começou bonitaço e bem ensolarado. Se não tem chuva e a vontade de andar de moto era grande, simbora para a estrada.

Saí cedo, logo no começo da tarde, tentando assim evitar todo aquele provável tráfego de volta do feriadão na metade da tarde em diante. Fui na direção de Santa Cruz do Sul e até desse vez entrei na cidade, dei um rolê pelas ruas centrais e depois segui em frente. Passei pelo autódromo, aproveitei para dar uma volta por uma área com uma boa estrada de chão batido ali por perto e depois retornei par ao asfalto seguindo para Rio Pardo. Depois a volta foi num trajeto mais alongada, passando por Vera Cruz e então, enfim, o caminho de casa. Mais um daqueles dias muito bom para andar de moto, ainda mais com este sol e o clima que fez de hoje. E eu que achei que seria um final de semana só de chuva. Beleza! Valeu.

*Algumas imgs do rolê de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Oktobermoto e balonismo na tarde

O sábado amanheceu estranho, com sol mas também ao mesmo tempo aquela cara de chuva. Como eu tinha um compromisso agendado, um exame de endoscopia, que é necessário sedar o paciente e que te deixa depois meio grogue e bastante cansado/sono, talvez fosse me ocupar o dia todo, então nem me preocupei com o fato de andar de moto hoje.

Acontece que eu estava com vontade de ir no 15º Oktobermoto de Santa Cruz do Sul, que é aqui pertinho, quase que como ir de moto até o quintal de casa (tá, exagerei, é tipo uns 30km de viagem), só que ainda não sabia se seria possível. Depois de um bom sono acordei legal e na metade da tarde, com o sol brilhando no céu e eu já me sentindo beleza, inteiraço, liguei para o Pretto (que ainda não havia saído) e em pouco tempo, já estávamos prontos em nossas motos rumo à Santa Cruz.

Foi um rolê curto, coisa que fazemos quase toda hora, até mesmo durante a semana às vezes, então não é nada de mais, a parada era mesmo ir no encontro de motociclistas em Santa Cruz. Que é quando rola aquela função toda de ver outras motos, encontrar amigos, comer e beber alguma coisa e se divertir com os shows e  eventos do local. Foi tudo tranquilo, o tempo ajudou e sem dúvida foi uma tarde bem interessante.

Na volta ainda passamos ainda pelo Parque da Fenachim, em Venâncio Aires, onde estava acontecendo um festival de balonismo. Muito bonito ver o céu com vários balões voando ao mesmo tempo. Depois disso então um chopp e muita conversa com os amigos que encontramos lá no Oktobermoto.

Valeu e mais um dia daqueles.

*Confira abaixo algumas imgs hoje no Oktobermoto: