Balão gigante vai levar turistas à “beira” do espaço

As viagens para o espaço, ainda mais as turísticas, podem até parecer coisa de filme, só que agora se aproximam da realidade. Inclusive, se por acaso pensou que seria em um foguete, saiba que há outras opções. A empresa Space Perspective anunciou que fará uma viagem até a “beirada” do espaço com um balão gigante.

Após o primeiro teste, o qual chegou a uma altitude de 33 quilômetros, a empresa de viagens espaciais disse que oferecerá o passeio a partir de 2024. O valor da passagem será de US$ 125 mil, ou R$ 613,5 mil, na cotação atual.

O custo pode soar caro e inclui o transporte de outras sete pessoas durante seis horas no balão, chamado de Spaceship Neptune. A estrutura conta com um bar e banheiro, com expectativa de que chegue a altura de 30 quilômetros, que é quase três vezes a de um avião normal.

A empresa explicou que o lançamento será feito a partir do Aeroporto Regional da Costa Espacial, na Flórida, próximo do Kennedy Space Center, que é de onde saem os foguetes da Nasa e da SpaceX. Porém, o destino ainda é incerto e depende de como os ventos vão se comportar na ocasião.

Já a aterrissagem poderá acontecer no oceano Atlântico ou próximo ao Golfo do México, local onde o teste realizado pela Space Perspective no último 18 de junho parou.

Ao site “Space News”, a cofundadora da empresa, Jane Poynter, revelou que foram registradas 25 inscrições de pessoas interessadas durante um evento online de anúncio da novidade e que o número total já seria “muito maior”.

A ideia de ter o passeio pelo espaço é mais uma na disputa pelo mercado de turismo espacial. Tanto que pela Blue Origin, Jeff Bezos (CEO da Amazon) anunciou que irá viajar para o espaço no próximo dia 20 de julho junto do irmão.

Ademais, o Spaceship Neptune chegará a cerca de 30 quilômetros, enquanto as empresas com foguetes alcançarão a linha de Kármán (100 quilômetros), que define o limite entre a atmosfera da Terra e o espaço.

Mas, cá entre nós, dessa altitude, já vai dar para ver a curvatura da Terra e a cor real do espaço profundo, podendo ser considerado como “espaço” para muita gente.

*Por Gabriela Bulhões
………………………………………………………………………………………..
*Fonte: olhardigital

70 frases de viagem

Podemos não perceber, mas existe uma relação significativa entre viagem e a vida, relação essa que pode em muito nos ajudar. Vivemos numa geração em que é fácil encontrar a desmotivação nas pessoas ao nosso redor. Em nós mesmos. Ela parece nos perseguir e, às vezes, é difícil encontrar forças para suportar. A notícia boa é que existem pensadores que dividiram suas experiências em palavras e que podem servir como uma dose de ânimo para seguirmos adiante.

Dizem que “se conselho fosse bom, não se dava, se vendia”, mas, ao meu ver, a própria frase se anula, pois ela não deixa de ser um alerta, um conselho de que você não siga o que falam. Acredito que conselho é bom sim, mas é bom quando, o mesmo, é pra te fazer refletir e não ter que seguir à risca o que te indicaram. Sendo assim, nada mais é do que fazer inspirar e fazer com que você tire as próprias conclusões.

Fiz uma seleção de frases que acredito servirem para ótimas reflexões, que ajudem a te fazer respirar melhor naquele dia difícil. São frases que, na maioria, são de viagens, mas são mais do que isso, são aquelas que te fazem caminhar, sair do lugar, te dar gás e te fazer descobrir que nada é melhor do que se mover por aí. Seja pelas estradas ou pela própria vida, que, no fim das contas, acredito fazerem parte de uma coisa só.

A seguir, as 70 frases/conselhos/inspirações/ensinamentos/filosofias/ou como você preferir:

1 – Um dia é preciso parar de sonhar e, de algum modo, partir. (Amyr Klink)

2 – A verdadeira viagem do descobrimento não consiste em procurar novas paisagens, mas em ver com novos olhos. (Marcel Proust)

3 – A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos não é o que vemos, senão o que somos. (Fernando Pessoa)

4 – Porque metade de mim é partida, mas a outra metade é saudade. (Oswaldo Montenegro)

5 – A felicidade não está na estrada que leva a algum lugar. A felicidade é a própria estrada. (Bob Dylan)

6 – Na minha opinião existem dois tipos de viajantes: os que viajam para fugir e os que viajam para buscar. (Érico Veríssimo)

7 – Um bom viajante não tem planos fixos nem tão pouco a intenção de chegar. (Lao Tzu)

8 – Costumo responder, normalmente, a quem me pergunta a razão das minhas viagens: que sei muito bem daquilo que fujo, e não aquilo que procuro. (Michel de Montaigne)

9 – Eu viajo não para ir a lugar algum, mas para ir. Eu viajo pelo propósito de viajar. A grande sedução é se mover. (Robert Louis Stevenson)

10 – Como todo grande viajante, vi mais do que poderia me lembrar e me lembro mais do que poderia ter visto. (Benjamin Disraeli)

11 – Há um tempo para partir, mesmo quando não há um lugar certo para ir. (Tennessee Williams)

12 – Viajar é mudar o cenário da solidão. (Mario Quintana)

13 – Não importa quão curto nosso passo pode ser. Caminhar nesse mundo que diariamente nos puxa para trás, só deixa nossas pernas mais fortes. (Eric Ventura)

14 – A sabedoria não nos é dada. É preciso descobri-la por nós mesmos, depois de uma viagem que ninguém nos pode poupar ou fazer por nós. (Marcel Proust)

15 – Quando gastamos tempo demais a viajar, tornamo-nos estrangeiros no nosso próprio país. (René Descartes)

16 – Se não eu, quem? Se não agora, quando? (Hillel the Elder)

17 – Eu não visitei todos os lugares, mas está na minha lista. (Susan Sontag)

18 – Aquele que está acostumado a viajar, sabe que sempre é necessário partir algum dia. (Paulo Coelho)

19 – Numa viagem, um homem deve andar com um companheiro que tenha a mente igual ou superior a sua; é melhor viajar sozinho do que em companhia de um tolo. (Sakyamuni)

20 – O que interessa na vida não é prever os perigos das viagens; é tê-las feito. (Agostinho da Silva)

21 – Viajar é trocar a roupa da alma. (Mario Quintana)

22 – As pessoas não fazem as viagens, as viagens é que fazem as pessoas. (John Steinbeck)

23 – Viajar. A melhor forma de se perder e de se encontrar ao mesmo tempo. (Brenna Smith)

24 – A viagem mais longa é a viagem interior. (Dag Hammarskjöld)

25 – Suba a montanha não para fixar a sua bandeira, mas para abraçar o desafio, desfrutar do ar e usufruir da paisagem. Escale-a para que possa ver o mundo, não para que o mundo possa te ver. (David McCullough Jr.)

26 – Onde meus talentos e minhas paixões encontram as necessidades do mundo, lá está o meu caminho, o meu lugar. (Aristóteles)

27 – Uma vez por ano, vá a algum lugar onde nunca esteve antes. (Dalai Lama)

28 – Mesmo que voes, um dia perderá as asas. Isso mostra o quanto és frágil. Mas, enquanto voas, pode ir aonde queres. Isso mostra o quanto és livre. (Kitsune Faherya)

29 – Dificuldades preparam pessoas comuns para destinos extraordinários. (C.S. Lewis)

30 – Espero que todos se divirtam. Não há muito mais a fazer neste mundo. (Paulo Leminski)

31 – Todas as viagens são lindas, mesmo as que fizeres nas ruas do teu bairro. O encanto dependerá do teu estado de alma. (Ribeiro Couto)

32 – Quem toda vida saberá o que significa a viagem de cada um? (Fernando Sabino)

33 – É o medo do desconhecido que impele todo mundo para os sonhos, para as ilusões, para as guerras, para a paz, para o amor, para o ódio. Tudo isto é ilusão. É isto o desconhecido. Aceite o desconhecido e será uma viagem tranquila. (John Lennon)

34 – É preciso que o discípulo da sabedoria tenha o coração grande e corajoso. O fardo é pesado e a viagem longa. (Confúcio)

35 – Eu sou o mundo no qual caminho. (Wallace Stevens)

36 – Não é bom agarrar-se obstinadamente aos bens mortais; devemos deixar aquilo que nos deixa. (Anatole France)

37 – Se você está buscando ideias criativas, saia para caminhar. Os anjos sussurram para os homens quando eles caminham. (Raymond Inmon)

38 – Não se espante com a altura do voo. Quanto mais alto, mais longe do perigo. Quanto mais você se eleva, mais tempo há de reconhecer uma pane. É quando se está próximo do solo que se deve desconfiar. (Santos Dumont)

39 – Liberdade de voar num horizonte qualquer, liberdade de pousar onde o coração quiser. (Cecília Meirelles)

40 – Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome. (Clarice Lispector)

41 – Viajar é a única coisa que você compra e te faz mais rico. (Anônimo)

42 – Dizem que tenho lá meus exageros, que não sou realista. Mas veja bem: o mundo é tão grande pra se ver minimalista. (Clarice Freire)

43 – Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo. (Raul Seixas)

44 – O caminho é o que importa, não o seu fim. Se viajar depressa demais, vai perder aquilo que o fez viajar. (Louis L’Amour)

45 – Descobri como é bom chegar quando se tem paciência. E para se chegar, onde quer que seja, aprendi que não é preciso dominar a força, mas a razão. É preciso, antes de mais nada, querer. (Amyr Klink)

46 – Qual é a coisa mais importante que eu poderia estar fazendo no mundo agora? E se você não está trabalhando nisso, por que você não começa? (Aaron Swartz)

47 – A saudade que dói mais fundo e irremediavelmente é a saudade que temos de nós. (Mario Quintana)

48 – O uso das viagens serve para regular a imaginação através da realidade, e assim ao invés de imaginar como as coisas talvez sejam, você vê como elas realmente são. (Samuel Johnson)

49 – Porque as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo, são as que o mudam. (Jack Kerouac)

50 – Não devemos nos contentar com a segurança da terra firme quando, na verdade, nosso objetivo é voar. Ser livre, é simples assim. (Eric Ventura)

51 – Você só vive uma vez, mas se você souber viver bem, uma vez é o suficiente. (Joe E. Lewis)

52 – Não há homem completo que não tenha viajado muito, que não tenha mudado vinte vezes de vida e de maneira de pensar. (Alphonse de Lamartine)

53 – Viajar é mais do que a visão de pontos turísticos, é a mudança que acontece, profunda e permanentemente, no conceito sobre o que é a vida. (Miriam Beard)

54 – Nem todos que procuram estão perdidos. (J.R.R. Tolkien)

55 – Se ao escalar uma montanha na direção de uma estrela, o viajante se deixa absorver demasiado pelos problemas da escalada, arrisca-se a esquecer qual é a estrela que o guia. (Antoine de Saint-Exupéry)

56 – A vida é viagem em que a bagagem deve ser proporcional à necessidade do viajante. (Gabriel Chalita)

57 – Se soubesse como gosto das suas cheganças, você chegaria correndo todo dia. (Chico Buarque)

58 – Se você der um passo em direção à liberdade, ela dará dois passos em direção a você. (Tom Morello)

59 – Se caí era porque estava caminhando, e caminhar vale a pena mesmo que caias. (Eduardo Galeano)

60 – Nossas vidas começam a terminar no dia em que permanecemos em silêncio sobre as coisas que importam. (Martin Luther King)

61 – A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar. (Fernando Birri)

62 – Embora minha cabeça não tenha mudado, as viagens serviram para que eu me conhecesse melhor e tomasse um rumo, após perceber que a essência do meu progresso estava em poder aceitar a minha decadência. Ou seja, progredir até morrer, porque viver é morrer. E não me arrependo de nada. (Antônio Abujamra)

63 – Não alcançamos a liberdade buscando a liberdade, mas sim a verdade. A liberdade não é um fim, mas uma consequência. (Liev Tolstoi)

64 – A única coisa segura a fazer é se arriscar. (Mike Nichols)

65 – Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos. (Fernando Teixeira de Andrade)

66 – Daqui a vinte anos, você não terá arrependimento das coisas que fez, mas das que deixou de fazer. Por isso, veleje longe do seu porto seguro. Pegue os ventos. Explore. Sonhe. Descubra. (Mark Twain)

67 – Sua tarefa é descobrir o seu trabalho e, então, com todo o coração, dedicar-se a ele. (Buda)

68 – Se admitirmos que a vida humana pode ser regida pela razão, está destruída a possibilidade da vida. (Leon Tolstói)

69 – Nada é mais maléfico para o espírito aventureiro do homem que um futuro seguro. (Chris McCandless)

70 – Quando sentimos que não temos ainda nosso lugar no mundo, temos o mundo todo ao nosso alcance. É só sair e procurar. (Eric Ventura)

São 70 frases. Com certeza existem outras, muitas outras por aí. Se acharem que faltou a sua favorita na lista, é só postá-la nos comentários. Elas serão muito bem-vindas. 😉

*Por Gustavo Araújo

…………………………………………………………………………………………………..
*Fonte: obviousmag

Companhia aérea oferece voos para destino surpresa

A Qantas Airways está oferecendo voos regionais partindo das cidades australianas de Sydney, Brisbane e Melbourne para destinos surpresa. Do “mistério” o passageiro sabe apenas que os voos podem durar aproximadamente duas horas e que da viagem farão parte visita a uma região vinícola ou um almoço com música nas margens de uma ilha tropical. As informações são do portal australiano Traveller.com.au.
Segundo o portal, os voos incluirão sobrevoos panorâmicos de pontos turísticos importantes durante a rota e os clientes vão receber dicas para colocar um tênis ou snorkel na bagagem de mão, para usufruírem melhor do destino surpresa.

À reportagem a diretora de clientes do grupo Qantas, Stephanie Tully, disse que os voos oferecem aos australianos experiências memoráveis e promovem o turismo doméstico. “O lançamento da vacina está trazendo muito mais certeza e as restrições nas fronteiras domésticas em breve devem ser uma coisa do passado. Enquanto isso, esses voos transformam esse mistério em algo positivo, criando uma experiência única para muitas pessoas que desejam começar a viajar novamente”, disse acrescentando que a ação ajuda a trazer mais pessoas de volta ao trabalho, apoiando operadoras de turismo regionais que foram duramente atingidas pelas restrições de viagem.

O texto cita que o governo australiano proibiu as viagens internacionais até junho de 2021.

………………………………………………………………………..
*Fonte: mochileiros

Fone permite conversar em 40 idiomas em tempo real

O fone de ouvido Bluetooth ‘Timekettle WT2 Edge’ já está à venda depois de bater a meta do financiamento coletivo anunciado no site Indiegogo. De acordo com o site, os primeiros fones comprados via plataforma (e com valor promocional) começarão a ser entregues em abril de 2021.

A promessa é que o fone sem fio traduza até 40 idiomas com o mínimo de atraso nas conversas. Segundo o fabricante a precisão é de 95%. O fone que lembra os AirPods da Apple, custa a partir de US$ 109.

Como funciona

Segundo o fabricante, os microfones têm mecanismo para reconhecer sua voz, diferenciando-a de outras vozes próximas, além de filtros redutores de ruídos. Ele utiliza os principais mecanismos de tradução do mundo (Google, Microsoft, iFlytek, AmiVoice, Hoya, DeepL e o do próprio fabricante, Timekettle).
O usuário deve baixar um aplicativo (disponível para Android e iOS) e determinar os idiomas de entrada e saída e passar um dos fones para o seu interlocutor (algo que muita gente pode estranhar, pelo quesito higiene, sobretudo em tempos de Covid-19), como mostra o vídeo abaixo:

Ainda de acordo com o fabricante, a bateria do fone pode durar até 12 horas; 3 horas se em uso de tradução contínua e pode ser carregada completamente em 90 minutos.

Mais detalhes sobre o fone podem ser conferidos no https://www.indiegogo.com/projects/timekettle-wt2-edge-1st-2-way-translation-earbuds#/

……………………………………………………………………….
*Fonte: mochileiros

Rolezeira macanuda hoje

Enfim chegou o dia de tirar a moto da garagem, se reunir com alguns amigos e pegar a estrada. Depois de vários dias seguidos de uma semana num clima de chove-não-molha de verão por aqui, finalmente o sol deu pinta de que iria se firmar de vez. Saímos depois do meio dia, meio que sem rumo, para falar bem a verdade, já que a intenção era mesmo bem simples – pegar a estrada e curtir o momento, não importando muito para onde iríamos. Só tinha uma condição, tinha de ter trajeto asfaltado. Sei, estamos em plena pandemia (apesar de algumas pessoas não acreditarem), mas cada um aqui na sua moto, não esqueça de que estamos o tempo todo ao ar livre e nas eventuais paradas, mantemos um distanciamento correto.

Tomamos a direção no sentido de Santa Cruz do Sul, depois Vera Cruz, onde costumamos fazer uma volta maior, passando no sentido do autódromo (entrada dos fundos), para irmos até Rio Pardo. A ideia era irmos até Pantano Grande, para depois  então resolvermos por onde voltaríamos. Mas acontece que fizemos algumas paradas para pegar uma sombra, outra para abastecer e comprar uma água (sim, muito calor) e já que a conversa estava boa, o tempo acabou passou depressa demais. Lá peças tantas, já na beira do rio Jacuí, em Rio Pardo, tivemos de mudar de rumo e já começar a pensarmos em voltar. Sinônimo de que foi uma bela tarde de moto com os amigos!

Só para não perder o costume, algumas coisa engraçadas aconteceram hoje, tipo:

– Quando ultrapassamos um tio numa moto Honda CG, carregando um cachorro dentro de uma sacola (o cãozinho estava com a cabeça para fora – curtindo o a paisagem..rsrssr).


– Também teve o momento “king of the road”. Que é quando você vem viajando e chega perto (atrás) de um carro, geralmente um SUV ou caminhonete, que está de boas andando numa constante, tipo a uns 80km/h, e instantaneamente, assim que a gente o ultrapassa o motorista fica compelido numa espécia de missão divina a não deixar isso acontecer. Ele “TEM” de nos ultrapassar novamente para então seguir em frente, numa velocidade muito maior e sumir na estrada. É muito engraçado isso, acontece toda vez, sempre tem esse personagem. Acredito que a psicologia deve conseguir explicar isso. O “songamonga” estava tranquilo na media dos 80km, mas não pode ser ultrapassado de modo algum, senão sua virilidade fica avariada…kkkkkk. E quase sempre isso tende a dar merda, por que em seguida ele vem na correria e tenta ultrapassar a gente de volta de qualquer maneira, quase passando por cima, seja em faixa dupla, curva acentuada, não interessa, ele tem de recuperar o seu “cabaço-asfáltico-de-dianteira”. É engraçado mas também muito perigoso. Com o tempo a gente já aprendeu a lidar com esse tipo de motorista. Tem também, na mesma vibe ainda o CGzeiro invocado, que também é bem parecido, vai fazer de tudo para te ultrapassar nem que tenha de se deitar bem esticado, como o super-homem, na sua moto, dando todo motor possível, quase explodindo a sua moto, mas vai tentar e querer provar de que ambos – sua CG e ele, são os melhores piloto & moto do mundo! Vai por mim, isso tem toda vez. *Tá, o da CG não teve hoje, mas tem toda hora…

*Abaixo alguns retratos da empreitada de hoje.

Há 2 anos…

Apesar de ser Dia de Finados, hoje é dia também de comemorar. Nesta mesma data há dois anos atrás, aproveitando ser um feriado de sexta-feira, eu e mais 3 amigos partimos na madrugada daquela manhã para o que seria uma inesquecível trip de moto. Havíamos planejado por mais de ano esta viagem de mais de 6.500 km, saindo do Rio Grande do Sul rumo a Argentina, cruzando a Cordilheira dos Andes, descendo até Santiago do Chile, depois subindo acompanhando a costa pelo litoral do Pacífico e daí rumando então para o deserto do Atacama (San Pedro de Atacama). Depois era cruzar novamente a Cordilheira de volta para a Argentina e tomar a direção de casa. Dizendo assim até parece simples.

Fora vários dias de muitas alegrias, sensações, algumas adversidades, companheirismo e parceria, mas sobretudo de muitas experiências. Uma grande aventura em vários sentidos!
Inúmeros cenários incríveis se desvendavam a nossa frente a cada dia de viagem, nunca tivemos um visual que se repetisse em todos aqueles dias, dando assim o que pensar enquanto rodávamos com nossas motocicletas por aquelas belas e solitárias estradas, que não apreciam ter mais fim. Quase que um trip zen, de boas energias sobre duas rodas. O que deu margem até para novos significados para a percepção da vida e da grandeza deste espaço, “que por hora” ocupamos sobre a terra. Sendo que daqui não levamos nada, apenas gratas memórias de alguns momentos fantásticos, como estes.

Sou muito grato aos amigos: Pretto, Vladi e a Fabi, pela companhia incrível durante essa jornada que fizemos. Sem dúvida um dos belos momentos de minha vida. E que em breve tenhamos novas experiências e aventuras assim novamente. Gracias!!!

6 dicas para uma Road Trip perfeita

Quem não gosta de uma road trip? Juntar alguns amigos, ou família, e seguir pela estrada, conhecendo lugares e pessoas que nos inspiram? Confira algumas dicas para que sua viagem seja inesquecível!

Já todos sabemos que viajar é uma das mais ricas experiências que podemos ter. No entanto, não é preciso ir muito longe, muito menos de avião. É preciso sim, coragem, entusiasmo, um bom roteiro e, sobretudo, um carro em bom estado. Sim, carro. Porque uma viagem de carro pode ser infinitamente mais confortável, além de nos dar a oportunidade de fazer nosso próprio roteiro, em nosso próprio tempo, sem depender de horários, estações, aeroportos, check-ins e check-outs. Porque uma road trip é o jeito mais íntimo de experienciar uma viagem inesquecível. Seguindo estas dicas, você pode ter uma das mais incríveis jornadas sobre quatro rodas. Prepare as malas porque a estrada é toda sua!

1. Companhia
O escritor Ernest Hemingway já alertava: “jamais vá a uma viagem com alguém que você não ame”. O que ele quis dizer é muito simples: viajar com alguém significa estar ao lado desta pessoa quase 100% do tempo. Significa compartilhar com esta pessoa experiências únicas, as quais serão memórias únicas. Significa abrir mão de algumas de nossas vontades em nome da política da boa vizinhança em fazer concessões para que ambas as partes sintam-se satisfeitas. Ao escolhermos uma companhia para viajar, temos que ter em mente que vamos compartilhar todos os momentos, portanto, esta pessoa precisa ser alguém com a qual nos damos bem, nos identificamos e, também, com a qual somos tolerantes e pacientes. Viajar com alguém, enfim, é deixar a individualidade de lado e abrir espaço para a vontade e experiências do outro. É puro amor.

2. Roteiro
Por mais que a idéia de uma Road Trip nos lembre do primo cool das viagens, do rebelde sem causa, do carro maneiro na estrada, da velocidade e liberdade experienciada, da espontaneidade, é preciso de muita organização. Planejamento é a palavra. Nada de sair pela estrada sem eira nem beira. Uma viagem sem uma mínima programação somente servirá como fonte de estresse e preocupação se algo der errado. Portanto, seja organizado.
Pegue o mapa e veja a rota que será feita na ida e na volta. Também verifique todas as paradas que serão feitas para descanso, em hotéis, pousadas ou em acampamentos.

3. Orçamento
Uma road trip precisa de planejamento financeiro, um fator essencial para que sua viagem não vire uma grande trapalhada cheia de estresse. Anote a quantia necessária para todos os dias de sua road trip, o quanto você gastará com comida, hospedagem, gasolina e quaisquer outras despesas extras que podem ocorrer. Viajar com uma grana a mais é sempre sábio e isso pode ser dividido entre você e sua(s) companhia(s). Porém, o mais importante é conversar antes sobre a responsabilidade financeira de cada um, com quanto cada um pode colaborar e etc. Isso evitará qualquer discussão futura ou estresse por causa de dinheiro, o que é muito comum em viagens em grupo.

4. Comida
Uma road trip deve ter muitos snacks! Isso mesmo! Não há nada pior do que uma longa viagem de carro sem alguma coisa para petiscar. Até porque, alguns pacotes de petiscos farão uma grande diferença na hora de economizar dinheiro na estrada. Mas tenha bom senso, isso não significa que você deve comer junk food ou toda a sorte de comida fast-food, ou quilos de bolachas e biscoitos e salgadinhos. Não. Se você fizer isso, além de comprometer sua saúde, também compromete sua viagem, já que uma indigestão ou – o que é pior – uma dor de barriga é certeira com uma dieta pobre destas. Portanto, seja esperto e planeje com antecedência! Os snacks devem ser fáceis de carregar e com pacotes práticos mas, essencialmente, devem ser saudáveis!

5. Bagagem
Seja sensato. Uma road trip não exige uma bagagem pesada, portanto, viaje o mais leve possível, até porque você não quer ter sobrepeso no carro. O ideal é uma mala pequena para cada pessoa. Praticidade é a palavra. Não perca tempo carregando bagagens desnecessárias, saiba desapegar-se de coisas materiais.
Uma das mais importantes experiências ao embarcar numa road trip é descobrir nossos limites, portanto, permita-se arriscar alguns dias somente com o mínimo necessário. Tenha certeza de que isso será um aprendizado valioso!

6. Check-up no carro e GPS
Eis aqui dois fatores essenciais. Verificar se o carro está em perfeita condição para seguir uma viagem longa e pegar estradas nas mais diferentes condições é vital. Um check-up no carro é o que de mais óbvio se precisa fazer antes de embarcar numa road trip, é uma questão de segurança, e não é opcional.
Um GPS é altamente recomendável pela sua praticidade, uma vez que isso assegura que não se perca tempo dando voltas desnecessárias em lugares desconhecidos. Por mais que uma road trip significa um pouco de aventura, é sempre bom ter um guia na manga.

Essas dicas facilitam toda a preparação de uma road trip perfeita, mas o mais importante em tudo isto é o entusiasmo e o peito aberto para novas experiências, afinal, viajar é a única coisa com a qual gastamos dinheiro que nos faz mais ricos. Não é?

Boa viagem!

………………………………………………………………………….
*Fonte: obviousmag

Volta ao mundo de trem dura 24 dias e passa por três continentes

Volta ao mundo de trem percorre 16 mil quilômetros, passa por 14 cidades e três continentes em 24 dias

Dar a volta ao mundo é o sonho de qualquer viajante. Este feito, inclusive, já foi retratado por diversas vezes nas telas do cinema e na literatura. Mas você já pensou em desbravar o planeta por meio de trilhos? É isso que propõe a quarta edição do tour Volta do Mundo em Trem, organizada pelo grupo TT Travel.

A jornada de 16 mil quilômetros e 24 dias passará por 14 cidades espalhadas por três continentes. A viagem terá início em Toronto, no Canadá, em 15 de agosto de 2020, e terminará em Moscou, na Rússia, desembarcando os passageiros em 6 de setembro.

Volta ao mundo de trem: como é?

Mas como será exatamente o roteiro desta volta ao mundo de trem? Tudo terá início no Canadá, na cidade de Toronto onde os passageiros terão a chance de degustar um jantar no famoso restaurante 360º da CN Tower. Assim, o próximo destino será Vancouver, com uma vista fabulosa para as Montanhas Rochosas Canadenses.

O trajeto então contempla a Glacier Skywalk, localizada ao sul do país, uma plataforma transparante projetada para fora das cordilheiras canadenses. Na hora de atravessar o Pacífico rumo a Ásia, é necessário pegar um voo de Vancouver a Pequim, umas cidades mais populosas e milenares do mundo. Assim, neste ponto os passageiros da volta ao mundo de trem poderão se deslumbrar com a Cidade Perdida e a incrível Grande Muralha da China.

É a vez de seguir rumo à Mongólia, onde os viajantes poderão visitar o Parque Nacional de Gorkhi-Terelj e também ter a oportunidade de conhecer melhor a cultura e os costumes de famílias nômades. A viagem prossegue da Mongólia para a Rússia, com uma parada no Lago de Baikal, na Sibéria, o maior lago de água doce do mundo.

O roteiro ainda segue para a cidade de Kazan, local onde os passageiros poderão assistir ao “Tugan Avalim”, um show folclórico típico da cultura tártara. Por fim, a rota chega à bela Moscou com seus monumentos, jardins e catedrais.

Durante esse trajeto de volta ao mundo de trem, diversas paradas são realizadas nas 14 cidades. Além disso, é uma oportunidade para conhecer melhor a cultura, a gastronomia e outras peculiaridades sobre cada local. Clicando aqui você poderá conferir todos os detalhes da viagem.

Quanto custa a volta ao mundo de trem?

Quem desejar realizar a viagem de volta ao mundo de trem terá que desembolsar €16.530, o que equivale a aproximadamente R$ 79.509. Este valor é cobrado por pessoa e inclui 14 noites de viagens nos três trens utilizados durante o trajeto em cabine dupla, 8 noites de hospedagens em hotéis 4 ou 5 estrelas, todas as refeições, um guia brasileiro que acompanhará os roteiros e também a passagem de avião de Vancouver a Pequim.

*Por

…………………………………………………………………………..
*Fonte: guiaviajarmelhor

10 sintomas de quem tem o “Vírus viajante”

A gente já sabe que o gosto por viajar está em nossos genes e que também viajantes são mais criativos, inteligentes e recebem mais ofertas de trabalho que os demais e que quem frequenta essa página é completamente louco por viagem.
Derrubamos mitos e identificamos que dentro da nossa “espécie” existem vários perfis de mochileiros e que, apesar das variações todos temos o “vírus viajante”.

Abaixo listamos 10 de alguns sintomas de quem tem esse vírus. Se você conhece outros, deixe pra gente aí nos comentários!

1- Sente muito amor pelo passaporte e seus carimbos

2- Sente muito amor por sua companheira: a mochila

                   3- Aproveita muito as viagens solo

4- Considera que viajar é o melhor investimento de tempo e dinheiro

                   5- Seus amigos e familiares não estão certos por onde você anda

6- Tem muitos amigos estrangeiros e seu Facebook parece uma convenção do Couchsurfing (bem como sua casa ou algumas que você frequenta, em alguns momentos)

7- A rotina te asfixia

8- Seus conhecidos recorrem a você para pedir informações e dicas sobre algum destino

9- Ainda que não esteja viajando, sempre tem um próximo destino em mente

10- Jamais quer ser curado deste vírus

…………………………………………………………………………
*Fonte: mochileiros

5º Harley’s Day – Carlos Barbosa (RS)

Então finalmente chegou o tão esperado dia do ano em que realmente eu curto participar de um encontro de motociclistas, é claro que estou falando do Harley’s Day, em Carlos Barbosa. Talvez seja o maior e bem provavelmente o mais “bacana” evento da Harley Davidson aqui no Rio Grande do Sul. Esse já é o 5º evento e sem dúvida, cada vez está melhor e maior. Tudo bem, já mencionei aqui várias vezes que não desses paga pau para a “marca” HD, mas é que esse encontro não tem aquela chalaça de carinha cortando giro, queimando pneu e fazendo treta – pagando vale de machão das duas rodas. Então a coisa fica melhor, sem essa bagunça e com cara de realmente um belo encontro de motociclistas. Sem falar ainda na visão incrível que é percorrer os estacionamentos e ver as inúmeras motos (bem, isso é só para quem curte mesmo e me entende!).

Dessa vez o amigo Pretto não pode ir, mas fui com o Rafa e o Morsh, aliás a primeira vez dos dois nesse evento. Um belo dia de sol e com promessa de fazer bastante calor. Sobre a viagem de ida, tudo tranquilo, somente um pequeno trecho de asfalto sendo recapeado no trajeto de Lajeado. Chegamos em Carlos Barbosa por volta das 11h30 e encontramos logo de cara o Vladi e um amigo de POA. Como de costume demos um rolê pelo ambiente, que é a praça central da cidade (uma antiga estação de trem). Cara, como gosto dessa cidade. Sério! Meus amigos sabem disso, não me canso de falar. Ah! A cidade é famosa por se orgulhar de não terem sinaleiras. Boa essa. Gosto disso.

Sempre tem show de bandas ao vivo, o tempo todo, e garanto – via de regra são boas bandas! Muitos truck foods para saciar a fome também e várias lojinhas de acessórios, camisetas e afins. Um evento bem organizado e que cada vez me parece melhor. Só me cabe aqui elogiar. Porque é sincero isso.

Ainda encontramos alguns amigos daqui de VenâncioAires por lá também, como o caso do Professor, Bolinha, Gauer e o Nelsis Poeta.

Valeu! E como.
E desde já na contagem regressiva para o próximo!

*Abaixo algumas fotos da chalaça de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por um novo trecho

Depois de algum tempo sem postar sequer alguma imagem ou comentários de trip de moto, hoje resolvi publicar aqui alguma coisa já que fez um belo sábado de sol, mas não de muito calor, um dia muito bom para se pegar a estrada. Resolvemos dar um rolê na tarde, eu, Pretto e o Rafa.  Nada de mais, um tiro curto mas por um caminho diferente. Partimos para a direção de Taquari (RS) pela 287, onde a ideia era de no trevo da cidade tomarmos então um caminho de atalho até a 386, pela 436. E foi isso que fizemos, tudo de boas e aproveitando cada minuto de moto nessa incrível tarde.

Uma pequena alteração no trajeto habitual desse rolê. Aliás, agora a 386 tem pedágio, inclusive para motos (R$2,20) – só para constar. Claro que planejamos uma passada também na cervejaria Salva, que fica no caminho. Mas chegamos lá e estava fechada (essa é já a segunda vez que nos acontece isso). Encontramos nessa função um parceiro de Encantado, que também chegou por lá com sua HD e a mesma intenção nossa. Mas não deu, fica para a próxima uma visitinha na Salva.

Seguimos viagem, uma parada em Lajeado e depois para casa. Tudo tranquilo, exceto uma abilolado que quase me atropela me utrapasando em um pequeno espaço de estrada (sabe aquela cara que vem em alta velocidade e força uma ultrapassagem onde não dá, quase jogando o carro pra cima de ti?…pois é…). Mas tranquilo, esse bosta vai arder no inferno…kkkk

Na chegada então aquela tradicional pausa para um cerveja e mais um tanto de boa conversa. valeu! Até a próxima.

*Veja alguns retratos da trip de hoje.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sabadão de verão, desde cedo na estrada

O rolê de moto de hoje teve um motivo diferenciado, acompanhei o Pretto até a IESA, em Porto Alegre, que é a revenda oficial da Harley Davidson aqui no Rio Grande do Sul, onde ele foi comprar uma peça para a sua moto. E diga-se foi tipo uma peregrinação! Eu não tinha ido até lá ainda apesar de ter uma HD (a minha foi comprada usada), portanto não tive nenhum contado com a IESA até então.

Sim, sei que existe toda uma mística nesse lance do poder da marca Harley Davidson e algumas pessoas até exageram nessa “veneração”, no meu ponto de vista. Mas daí é problema ou solução (como queiram) de cada um, eu respeito o gosto dos meus amigos, que aliás, vários deles possuem motos de outras marcas e modelos. Eu tenho o meu gosto e fiz a minha escolha e sou muito bem ciente das qualidades e defeitos do produto que estava adquirindo em termos de moto. Eu gosto da cultura e do universo das motos custom. Nada muito sofisticado. É isso. Simples assim! Sem mais explicações.

A trip começou cedo, o Pretto queria estar em POA logo na manhã e pegar a revenda ainda aberta. Saímos por volta das 7h30, tentando assim curtir mais a viagem de ida e assim fugir do calor que viria logo mais, perto do meio dia. Foi uam boa opção! Fizemos uma parada no caminho para um café, esticar as pernas, trocar uma ideia numa boa conversa e em seguida seguimos novamente rumo a estrada do Parque, que por consequência nos leva até em frente ao santuário da Arena Tricolor (dá-lhe Grêmio!!!), que era parte do trajeto até o nosso ponte de destino em POA.

Chegando lá, demos de cara com aquela vibe de café da manhã / encontro para os clientes e amigos da revenda, com direito a música ao vivo e várias belas motos no pátio. Muito bom!
Ah! Preciso aquio mencionar que os dois caras que estavam tocando lá eram MUITO BONS. Ótimas vozes, bons músicos e um belo repertório, que aliás, tinha tudo a ver com o clima estradeiro rock-country-southern da Harley Davidson, mas sem ser aquela coisa chata ou clichê, como habitualmente tende a ser nos encontros de motociclistas. E isso foi um dos pontos forte dessa manhã.

Claro que enquanto o meu chapa estava lá na lida de encontrar a sua tal peça de moto, eu por outro lado, estava de bobeira, então fiquei “zanzando” pelo loja, primeiro vendo as motos zero KM em exposição, babando e sonhando de um dia ter esse ou aquele modelo, dessa ou daquela cor…rsrsrssr. E depois vendo na lojinha as camisas, jaquetas, bonés, casacos e o escambau. Não comprei nada! Só olhei. Já disse, não tenho esse “fetiche” harleyano de ostentação da marca e tal.

Conversamos com o pessoal, peça encontrada, feito o brique, resolvemos voltar. O Vladi, nosso amigo de POA não estava na capital, ele teria sido o nosso guia pela cidade para outras prováveis aventuras, mas isso fica para uma próxima vez. Resolvemos tomar o rumo de casa então, mas antes iríamos parar junto ao monumento do “Laçador”, um dos símbolos da cidade de Porto Alegre e também do Rio Grande do Sul. Ficava no caminho e o Pretto queria conhecer de perto, mas  confesso que também jamais havia parado ali, desde que mudaram a sua localização para mais perto do aeroporto Salgado Filho. Feito o momento turistão, com direito até a fotos de avião chegando sobre nossas cabeças, seguimos pelo caminho antigo que se fazia de POA para V. Aires, ou seja, por Canos e não pela Rodovia do Parque, como agora costumeiramente se procura fazer. Aliás, há muitos anos eu não fazia esse percurso via Canos (RS). Vamu-lá!

Mas agora o destino era outro. Combinamos de paramos no caminho para comermos um churrasco em algum restaurante de posto de gasolina!
Encontramos um que parecia ser sensato, um pit-stop para almoço, mix, gasolina e  seguimos novamente em frente para casa. Opa! Não foi bem assim.
De última hora optamos fazer uma mudança de planos. Em vez de virmos direto para V. Aires, resolvemos seguir pela 386 por Lajeado-RS. A esperança de encontramos a cervejaria Salva “aberta” era forte, mas não foi o suficiente.
passamos por lá mas ainda era cedo para estarem abertos na tarde (já deixo aqui o aviso – isso acontece depois das 15h), mas passamos por lá, bem antes disso.

Uma tradicional passada pela CNG, aproveitamos para esticar as pernas junto à sombra de algumas árvores, calor pegando no começo da tarde, quando então de surpresa cruzam por nós alguns amigos do clube do Fusca de Venâncio Aires. Estavam indo para um encontro de Fuscas que acontecia à duas quadras de distância do local onde estávamos parados. Pimba! Lá vamos nós conferir o tal encontro de Fuscas de Lajeado.

Entrada grátis, aquele bate papo com a galera dos Fuscas e claro, um rolê pelo ginásio onde estavam os carros em exposição, com diversas peças e traquitanas para colecionadores desses veículos. Enfim, uma festinha/evento supimpa. Pelo calor e também por se tratar de um período de férias/verão/praia, a coisa não estava lá muito movimentada, é verdade, mas era legal, posso garantir. Feita a função, novamente era hora de voltarmos para casa e dessa vez, sem rodeios.

Mas antes ainda uma última parada! Enfim o momento tão aguardado, depois dessa jornada toda de muito asfalto, sol e calor… era hora de tomarmos aquela gelada! Báh!

Um belo sábado, vou te dizer.
Grato Pretto pela trip e a parceria.
Valeu!

*Abaixo algumas imagens dessa tal trip de hoje.