Hoje foi dia de ir até a Tenda do Umbú

Hoje cedo já dava para perceber de que o dia seria sensacional. Um sol bonito e brilhante, somado a uma temperatura ideal para andar de moto. Perfeito! Então sem perder tempo, liguei para o meu chapa, o Pretto, e em meia hora já estávamos montados nas motos, abastecidos e partindo para a estrada mais uma vez.

O plano era ir até a região de Picada Café, na Tenda do Umbú, que é tipo um dos tradicionais pontos de encontro de motociclista aqui no estado. Resolvemos que iríamos parar no caminho para tomar e comer alguma coisa rapidamente e seguir viagem. Também fizemos uma segunda parada em um posto de gasolina em Novo Hamburgo, queríamos ver se o Vladi já havia respondido a nossa mensagem de celular, sobre o rolê de hoje e se ele iria se juntar a nós no meio do caminho, vindo de POA. Nada. Nenhuma resposta, então seguimos o roteiro como o estipulado.

Uma viagem tranquila e como já disse, um dia muito bom para andar de moto. Chegando na Tenda do Umbú, tudo OK, como de costume e dessa vez tinha mais gente, aliás, muito mais do que nas últimas vezes em que estive por lá.
Bom isso.

Ficamos um tempo por lá, descansamos, batemos um papo e sempre, tem muitas motos interessantes e diferentes para se dar uma conferida bem de perto, trocar uma ideia com outros motociclistas, esse tipo de função – o que já vale o rolê. Na volta outra vez tudo certo.

Sobre o trajeto de hoje, gosto bastante da parte de Novo Hamburgo em diante, quando começa a subida da serra na direção de Ivoti e Dois Irmãos, onde a paisagem ao redor muda e bastante, muito por causa do relevo e das várias curvas, mas creio que o toque principal são mesmo as árvores de plátano, nos dois lados da pista. Dá uma sensação muito boa andar de moto por essa estrada.

Enfim, outro dia incrível, por aí, na estrada.

Abaixo algumas fotos da trip de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Viajar produz mais felicidade do que se casar e ter filhos, diz estudo

Uma das subentendidas regras sociais que ditam o sucesso e felicidade, diz que para ser feliz é preciso criar família e filhos. Mas um estudo feito no Portal Booking mostrou que viajar produz mais felicidade do que se casar e ter filhos
Para muitos, o sonho da vida é viajar pelo mundo; para os outros, encontrar o amor da sua vida e ter filhos. Mas temos que informá-lo que um estudo no portal Booking garante que viajar produz mais felicidade do que se casar e formar uma família.

E então você escolheria casar, ter um filho ou viajar?

Booking realizou um levantamento rápido de 18 mil habitantes de diferentes países. A maioria dos participantes concordou que as lembranças de suas aventuras e o planejamento da próxima fuga trazem mais felicidade do que qualquer outra coisa.
Uma porcentagem maior que a média prefere viajar

55% dos participantes preferem ir em uma viagem do que se casar; 27% preferem encontrar seu parceiro sentimental e ter um emprego estável; finalmente, 18% dos participantes da pesquisa preferem ter um filho.
Viajar significa viver novas experiências e belos momentos

Esta pesquisa também descobriu que as pessoas preferem investir seu dinheiro em experiências em vez de itens materiais, de joias, carros, gadgets a uma casa. Talvez a ideia de se fixar possa assustar o jovem quer viver o seu momento.
Então, para planejar o próximo destino!

A felicidade é fomentada pela sede de conhecer e explorar novos lugares; Além disso, você sempre pode fazer isso com amigos, com um parceiro e até com crianças. Você realmente não tem que escolher entre um e outro. Mas se você está procurando por alegria e emoções, escolha um destino e imagine-se aproveitando suas próximas férias.

 

…………………………………………………………….
*Fonte: provocacoesfilosoficas

Harley’s Day em Carlos Barbosa (RS)

Então finalmente chegou o dia do esperado Harley’s Day (ao menos para mim), em Carlos Barbosa / RS. O evento já era para ter acontecido há duas semanas atrás, mas teve de ser transferido para a data de hoje em função de uma “chuvarada” que ocorreu naquela vez. Creio que foi mesmo melhor assim, afinal o cara fica aguardando esse baita evento que acontece apenas uma vez por ano, então tem mesmo que ser realizado em um dia viável, sem chuva ao menos.

E por falar nisso, hoje foi um belo dia. Apesar de ter amanhecido com um tímido solzinho e somente depois até tomou ares do que poderia ser um belo dia de sol sem chuva. Uma breve conferida no clima/tempo do celular e – nah! Nada de marcar chuva para hoje. Eu e o Pretto já havíamos combinado de sair por volta das 10h da manhã, foi uma viagem tranquila pela Rota do Sol até Carlos Barbosa. Ah! Teve bocaberta num caminhão, perto de Lajeado, que propositalmente nos cortou a frente por duas vezes, mas OK (não vou aqui entrar em detalhes desse perrengue), relevamos essa palhaçada e seguimos de boa, sempre em frente.

Chegamos cedo no evento, por volta das 11h e cada vez mais gente ia chegando de moto. Tudo que é tipo de HD. Uma incrível festa.

Sou suspeito em comentar isso, mas curto bastante esse evento do Harley’s Day em Carlos Barbosa – essa foi a 4ª edição e a minha terceira participação (não pude comparecer na primeira edição). Como de costume, trata-se de um evento muito bem organizado pelos “gringos” locais. Estão de parabéns!!! E sem dúvida me parece que está cada vez melhor. O local é sensacional, tem um belo e grande espaço na praça central da cidade, que é muito bem aproveitado pelo o público. Conta com um boa estrutura, várias tendas de alimentação e também de outras coisas relacionadas ao mundo HD e das motos custom. Tem um gramado bacanudo e boas bandas de rock tocando o tempo todo e o melhor, muita mulher bonita!
Tá…. Também tem motos Harley Davidson bonitaças (é claro), em um grande estacionamento ao redor da praça, o que sem dúvida alguma rende um belo e demorado passeio de observação – para quem curte motos.

Não tenho muito mais o que comentar, é sempre um dia muito bem aproveitado, é de encher os olhos com tantas coisas boas e bonitas. Vale a viagem.

*Abaixo algumas imgs da empreitada de hoje

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um pouco de montanhas ao redor

Ontem foi dia de dar um rolê de moto com os amigos até Herveiras (RS), na real, um passeio que fazemos já há vários anos e sempre é bom andar por essa região. Estrada tranquila, belas paisagens e bem pouco movimento aos finais de semana.

O clima estava bom, fez um bom dia para andar de moto. Sem aquele habitual calorão de verão, ficou numa vibe do tipo – “pode até chover”, o que de fato não chegou a acontecer (enquanto andávamos). Também foi interessante andar novamente em grupo com os amigos, minhas últimas voltas haviam sido sozinho.

Então como já é de costume, confira baixo algumas imgs do rolê de ontem, junto com o Pretto, Rafa e Luís Carlos. Já que é um lugar ao qual vamos várias vezes ao ano, não vou postar muitas fotos. Apenas um registro. Já postei muitas fotos desse trajeto anteriormente.

Flw / vlw!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Psicólogo comprova que viajar nos traz mais felicidade do que bens materiais

A maioria das pessoas vive em busca da felicidade. Sabemos que o dinheiro pode trazer felicidade até certo ponto, mas depois que suas necessidades básicas são atendidas, é apenas isso. Mas uma das maiores questões é: aonde alocar nosso dinheiro tendo em vista o nível de felicidade proporcionado, já que é (para a maioria de nós) um recurso limitado?

Há uma suposição muito lógica de que a maioria das pessoas faz quando gastam seu dinheiro: já que um objeto físico durará mais tempo, nos fará mais felizes por mais tempo do que uma experiência única como um show ou uma viagem. De acordo com pesquisas recentes, no entanto, essa suposição está bastante errada.

“Um dos inimigos da felicidade é a adaptação”, diz o dr. Thomas Gilovich, professor de psicologia da Universidade de Cornell que estuda a questão do dinheiro e da felicidade há mais de duas décadas. “Nós compramos coisas para nos fazer felizes e conseguimos. Mas só por um tempo bem curto. Coisas novas são empolgantes para nós no começo, mas depois nos acostumamos com elas”.

Então, em vez de comprar apenas o celular ou carro mais recente para se sentir feliz, Gilovich sugere que você o use principalmente em experiências como ir a exposições de arte, fazer atividades ao ar livre, aprender uma nova habilidade ou viajar.

As descobertas de Gilovich são a síntese de estudos psicológicos realizados por ele e por outros no paradoxo de Easterlin, que descobriu que o dinheiro compra felicidade, mas só até certo ponto. Como a adaptação afeta a felicidade, por exemplo, foi medida em um estudo que pediu às pessoas para relatarem sua felicidade com grandes compras materiais e experienciais. Inicialmente, a felicidade com ambos tipos de compras foi classificada da mesma forma. Mas com o tempo, a satisfação das pessoas com as coisas que compraram diminuiu, enquanto a satisfação delas com as experiências em que gastaram dinheiro aumentou.

É contra intuitivo que algo como um objeto físico que você pode manter por um longo tempo não o mantém tão feliz quanto uma experiência única. Ironicamente, o fato de uma coisa material estar sempre presente funciona contra ela mesma, facilitando sua adaptação. Ela se torna parte do cotidiano, do normal com o tempo. E, enquanto a felicidade proporcionada por compras materiais diminui com o tempo, as experiências tornam-se uma parte arraigada de nossa identidade.

“Nossas experiências são uma parte maior de nós mesmos do que nossos bens materiais”, diz Gilovich. “Você pode realmente gostar de suas coisas materiais. Você pode até pensar que parte de sua identidade está ligada a essas coisas, mas mesmo assim elas permanecem separadas de você. Em contraste, suas experiências realmente fazem parte de você. Nós somos a soma total de nossas experiências”.

Outra razão é que as experiências compartilhadas nos conectam mais a outras pessoas do que ao consumo compartilhado. É muito mais provável que você se sinta conectado a alguém com quem você passou as férias em Bogotá do que alguém que também tenha comprado uma TV 4K, não é mesmo?

*Por Luciana Calogeras

 

 

…………………………………………………………………
*Fonte: misteriosdomundo

Viaduto 13 (Vespasiano Corrêa)

Em final de semana de carnaval, com tempo livre e fazendo um belo e agradável dia de sol, nada melhor do que pegar a estrada de moto. Resolvi então dar uma esticada até Vespasiano Corrêa (RS), no famoso viaduto 13. Já estive outras vezes por lá, mas sempre é um bom passeio.

Sai no começo da tarde, segui na direção de Lajeado, depois Roca Sales, Encantado, Muçum e por fim, Vespasiano Corrêa. Uma cidade pequena mas muito agradável. Aliás, curto muito essas cidadezinhas dos arredores da serra gaúcha.

No caminho resolvi chegar em um mirante que há em uma pequena entrada, na beira da estrada, acho que logo depois de Muçum (não tenho certeza agora). Acontece que já tinha visto uma sinalização para este, em uam outreo viagem. Hoje, sem pressa alguma, resolvi sair da estrada e ver esse lugar. Tudo tranquilo, um mirante com uma Santa (não lembro o nome dela – sorry!), que tem uma bela vista para a cidade e o rio, logo abaixo. Não tinha ninguém no local, que mesmo perto da estrada era um pouco isolado, e sabe como é – isso as vezes é preocupante. Sempre é bom estar seguro. Dei um tempo, curti o lugar mas tinha meu roteiro para seguir em frente. Ah! Numa próxima vez, pretendo também desviar do caminho da RS129 (Lajeado – Guaporé), e dar uma conferida no caminho que leva até o topo do Morro Gaúcho.

Segui em frente, tudo certo e tranquilo. Logo estava no pórtico de Vespasiano Corrêa – cara, como gosto dessa entrada da cidade, muitas árvores de ambos os lados, uma estrada sinuosa e muito bonita! Assim que se chega na cidade, rapidamente se toma uma rua lateral, anda e até um desvio, que depois vira uma estrada de chão batido, que leva enfim, até o Viaduto 13. O caminho é bem sinalizado, mas a estrada agora tem mais aquela cara de pavimentação de colônia, com muitas britas soltas (cuidado nas freagens) e como são inúmeras curvas em clima de constante descida (por vezes bem íngreme até) – é bom tomar cuidado nesa hora. Mas não tem erro, é seguir sempre em frente, prestar atenção nas placas das bifurcações e tudo resolvido. Pimba! Logo se tem o imponente viaduto a sua frente.

O local é muito interessante e como hoje é um final de semana de carnaval, de feriadão prolongado e tal, haviam várias pessoas acampadas por lá. Aproveitei e dei algumas voltas além dos lugares que havia conhecido, nas vezes anteriores em que estive por lá. Por último subi pela estradinha lateral, até o topo, no viaduto propriamente dito. Daí era só curtir a paisagem, algumas fotos e aquela coisa toda de caminhar pelos trilhos, lá no alto.

Aproveitei paras descansar um pouco do sol, que estava forte naquela hora. Depois foi voltar para casa. Antes uma passada em Lajeado para comer algo e repor os líquidos – afinal, estamos em pleno verão e a coisa é forte….rsrsrsr.

Mais um sábado bem aproveitado viajando de boas, de moto por aí.

*Como normalmente faço, abaixo algumas imagens da empreitada da vez. Procuro publicá-las na ordem dos fatos e acontecimentos. Também coloco imgs de estrada para assim dar uma melhor ideia do tipo de terreno que a viagem apresenta. Isso serve mais para o caso de alguém se pilhar de também resolver fazer essa trip. Então já tem assim uma boa ideia do que irá encontrar pela frente (paisagens, terreno, tipo de estrada, etc.). Eu tambémm vejo blogs e sites de outros motociclistas, o que é muito bom para dar ideia de lugares interessantes para se conhecer. Flw!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Chuva de verão

Com um sábado de clima bem ameno, nada daquele calor exagerado das última semanas (ufa!… ainda bem.), bem convidativo para uma volta de moto. Só que dessa vez o Pretto, grande parceiro desse tipo de empreitada, está lesionado. Se machucou jogando bola essa semana, inclusive tem andado de muletas (poucos dias), ou seja, nada de motocas por enquanto. Mas ele está bem e com certeza vai estar novamente inteiro em breve. Andei sozinho hoje.

Recebi de bônus ainda uma boa dica para o rolê de hoje, aliás, do próprio Pretto – um encontro de Harley Davidson em Garibaldi. Era sim uma boa pedida, mas acontece que não sou um cara lá muito sociável para ir num encontro desse tipo, sozinho. Aliás, como já mencionei aqui várias vezes – não sou muito da vibe desses encontros de motociclistas. Deixei passar.

Gosto é de andar de moto! É isso. É bom, é terapêutico, é libertador e acima de tudo, incrível! Mas “muito” papinho e chalaça de moto prá cá e prá lá, às vezes me incomoda. Conversa de moto é bom, com “os amigos”, não com pintas esquisitas e metidas. E como tem gente assim – andei a tantos por hora em tal lugar / fiz uma curva assim / fiz uma ultrapassagem assim / passei todo mundo / fui naté tal lugar em tantos minutos / bláh…bláh..bláh.  Me afasto e deixo lá falando e contando suas glórias. Aliás, se você perceber nas conversas de motociclista, todo mundo é um excelente piloto, o pica das galáxias. Já notaram?
Daí depois um desses tu vê o cara andando e pensa… humm… tá bom então… kkkkk (*Mas ok, quem sou eu para julgar!?)

Enfim, vamos voltar ao papo de hoje aqui no blog. Aliás, aproveitando a deixa, cabe mencionar de que procuro aqui relatar e ilustrar o rolê de moto do dia e na boa, não é para me aparecer ou coisa do tipo. Isso não me torna mais ou menos phoda do qualquer um que ande de moto. cada um tem lá os seus interesses e vontades. Foda-se!

E agora vou lhes contar um segredo.  Isso aqui na real tem um propósito bem básico e definido para mim- “Cada relato dessas viagens, grande ou pequena – que seja, serve como um registro pessoal, que depois posso acessar em qualquer plataforma. Fica muito mais fácil eu acessar esse blog em qualquer lugar ou momento, por um celular ou computador em qualquer lugar e assim mostrar alguma determinada imagem de viagem, local, moto ou detalhe que fotografei e o escambau, para alguém. Muito mais prático e melhor do que ficar catando inúmeras fotos em meu celular ou meu computador pessoal. Sacaram? Um arquivo pessoal de fácil acesso em festas, churrascos e chalaça com os amigos, que volta e meia me perguntam dessas viagens.

Bem, foda-se! De volta ao rolê de hoje. Saí com o céu bem claro, dia bonito e com uma temperatura prá lá de agradável para andar de moto. Havia também cuma certa possibilidade de chuva mas não levei fé nisso. O plano inicial era ir até Pantano Grande/RS e tomar um café no Raabelândia. Sim, volta de moto tem de ter uma parada para um café na jogada. Uma regra pessoal. Curto fazer paradas em viagens. A vida é breve e convenhamos, de moto é bem prático e legal de parar em qualquer lugar.

Há um bom tempo não fazia esse trajeto. Sai em direção de Santa Cruz do Sul pela RS 287, optei como de costume por um caminho maior (gosto dessa volta), ingressando pela RS 412 (viaduto / Vera Cruz -RS) seguindo até a conexão com a 471, para seguir então na direção de Rio Pardo e depois Pantano Grande. Só que não foi bem assim.

Chegando perto de ingressar na 471 o tempo fechou e um nuvem solitária e bem irritada pelo jeito, resolveu desabar um aguaceiro onde eu estava rodando. Por sorte eu já me encontrava perto do viaduto (perto da Expoagro Afubra) e pude me abrigar embaixo da ponte. Interessante foi que em seguida vieram outros motociclistas também. Todos com a mesma intenção, ou seja, escapar da chuva. Uns com mais ou menos sucesso do que os outros. Dei um tempo ali, conversei com os outros caras que ali pararam, trocamos uma ideia e assim que a chuva passou, cada um retomou o seu caminho. Claro que haviam mais nuvens assim espalhadas pela frente, uma mistura de céu com bastante sol e algumas manchas cinzentas escuras, aqui e ali. Resolvi voltar, com certeza se seguisse em frente em algum momento tomaria um banho de chuva. Como não sai de casa preparado para esse tipo de coisa, então não era bom abusar da sorte, visto que há pouco havia me escapado de um belo banho de chuva. Me molhei, mas foi pouca coisa. Chuva de verão.

Esse então foi o rolê interrompido de hoje. Tudo bem, de certa forma foi divertido buscar escapar da chuva. Sempre se aprende algo (alguma lição) e ainda tem um quê de aventura em duas rodas.

*Alguns retratos de hoje:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um rolê bem sério

Com o clima por aqui se mantendo no modo “nublado” e assim dando uma boa amenizada no calor infernal que esteve fazendo nos últimos dias, novamente a ideia foi de aproveitar para pegar a estrada de moto. Dessa vez o roteiro do rolê foi por uma estrada de chão batido mesmo, off-road (nada muito pesado), mas totalmente fora do esquema habitual de asfalto.

Resolvi ir até a cidade de Sério (RS), seguindo apenas por caminhos do interior de Venâncio Aires (RS) até lá, o que dá cerca de uns 70 km – ida e volta (logo no começo tem um trecho asfaltado, mas depois muda). Uma viagem muito bonita entre belas paisagens rurais, passando pela localidade de Santa Emília (ainda V. Aires), com os tradicionais campos, plantações, pastagens de gado, cachorro correndo na beira da estrada, “bolichos”, gente que passa e te cumprimenta cordialmente (coisa boa!), igrejas, salões de festa, riachos, açudes enfim, um incrível trecho de colônia e um pedaço da nossa serra gaúcha – que aliás, é fantástica! Se fosse bem explorada turisticamente essa nossa região, teríamos por aqui também belos cenários de montanha. Tanto que o trajeto de V. Aires até lá a grosso modo, é basicamente de subida.

Já havíamos feito esse percurso ano passado, não lembro agora ao certo quando foi, mas eu, Pretto e o Vladi (a gangue do Atacama…rsrsrsrs), subimos até quase chegar em Sério, quando lá pelas tantas um prego furou o pneu da moto do Pretto. Mas então foi aquele perrengue todo na função de arrumar uma ferramenta emprestada, tirar a roda, levar até uma borracharia, voltar, recolocar o roda e ajustar tudo. E assim, num piscar de olhos se foi a tarde. Deixamos para uma próxima.

Hoje deu tudo certo, foi tranquilo, sem pneu furado e resumindo a coisa toda, uma boa trip. Esse é o tipo de viagem que te deixa satisfeito de andar de moto por lugares tão interessantes e melhor, perto de casa. Fica a dica.

Como de costume segue abaixo uma série de fotos dessa empreitada de hoje.
Fiquem em paz. Grande abraço!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Passeio de índio

Como fazia tempo que não postava nada sobre algum passeio de moto por aí, hoje aproveitando o dia e o final de minhas férias, tempo nublado e a grata amenizada que deu no clima, de calor infernal que tem feito por aqui nos últimos dias, fui dar um rolê básico, aqui por perto mesmo. Nesse entrevero de pegar a estrada e tal, na volta estive de passagem pelo Parque da “Gruta dos Índios”, em Santa Cruz do Sul (RS).

Fazia tempo que não passava por lá. Se você é de fora e não conhece o local, então fica a dica de quando vir ou passar por Santa Cruz do Sul. Fica então como uma de dica e divulgação do local para visitas e um bom relax. É um parque bem estruturado e cuidado, bastante arborizado, mata nativa, restaurante, banheiros, mesas e churrasqueiras, uma pracinha, caminhos para trilhas e passeios, até um laguinho. Ah! e a tal gruta dos índios. Vale a visita, hein! Um lugar calmo e tranquilo (quando não tem excursão), belo contato com natureza e bem perto do centro da cidade, por mais incrível que pareça.

Da trip de hoje vou postar apenas imgs do parque, no mais, era só estrada e os mesmos caminhos que seguido percorremos aqui perto.

Flw. Até a próxima.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O maior patrimônio: as viagens que fazemos, os lugares que conhecemos

Estive ausente na última semana, de férias, viajando com minha família. Foi momento de abandonar meu cotidiano apertado e experimentar ser eu mesma sem as exigências da rotina.

Visitamos museus e vinícolas, experimentamos novos sabores, atravessamos pontes, subimos e descemos morros e montanhas, vimos o pôr do sol do alto de um mirante, conhecemos a casa de um grande poeta.

Porém, a gente não precisa ir tão longe para descobrir que a vida pode ser decodificada de uma forma mais leve, doce e sensível _ se estivermos abertos e dispostos a isso.

Como diz o poema de Fernando Pessoa: “Para viajar, basta existir”. O que precisamos é aprender a perceber o mundo de forma diferente. Aprender a perceber nós mesmos longe daquilo que pensamos ser essencial e que muitas vezes não é.

Viajar pode ser a oportunidade de aprendermos a reagir positivamente diante dos imprevistos, e descobrir que somos capazes de reinventar nossos planos usando a criatividade e a coragem. E agora me lembro da última animação da Disney Pixar, o desenho “Procurando Dory” , que assisti esta semana no cinema com o filhote. Num dado momento, Marlim, o peixe preocupado e certinho, se pergunta: “O que Dory faria nesta situação?”, e descobre que a amiga, “doidinha” e tranquila, tem muito mais recursos para sair de apuros do que ele.

No nosso primeiro dia de viagem pelo Chile, descobri que tinha reservado o hotel de forma errada. No lugar de sete diárias, tinha reservado apenas uma! Foi a oportunidade de sermos criativos como Dory e, com muito bom humor, arranjar outro hotel para a viagem continuar.

Viajar é a oportunidade de nos recriarmos de formas mais simples e descompromissadas, descobrindo que nosso mundo pode caber no espaço de uma mala, e que nossos pés ficam muito mais leves usando apenas chinelos de dedo ou meias confortáveis.

Nos apegamos ao nosso mundo, nossas coisas, nossos objetos… como se isso pudesse nos definir. Ter uma casa, um ou dois carros na garagem, um closet cheio de roupas e sapatos… tudo isso é bom e nos dá segurança, mas somente deixando tudo isso pra trás e seguindo com uma mala de rodinhas, podemos experimentar o que aguça nossos sentidos e nos sensibiliza por completo. Como quando nos emocionamos diante de uma música nova, um pôr do sol deslumbrante ou um sabor que nos faz suspirar.

De repente descobrimos que a vida pode ser declamada como pura poesia, basta a gente estar pronto e aberto a enxergar.

Fora do barulho e poluição das ruas, distante da urgência dos despertadores, longe das mesmas paisagens e sabores… podemos acolher quem somos de fato. E nos percebermos crianças diante do mundo que acontece como grande novidade.

Visitando a casa do poeta Pablo Neruda, e pouco a pouco entrando na história que ele vivenciou, poetizou e imortalizou, me senti inspirada a olhar minha própria existência com olhos de poesia, transformando minha antiga atmosfera numa nova possibilidade.

Talvez o maior patrimônio seja esse: viajar, ultrapassando as fronteiras de nosso universo particular, descobrindo o que nos comove a ponto de voltarmos renovados.

É gostoso investir num sapato bacana, numa roupa nova, numa bolsa diferente. Mas investir num voo que nos conduz por novos horizontes, onde poderemos nos reciclar e recriar por algum tempo, é aquilo que todos dizem: “não tem preço”.

Não há dinheiro mais bem gasto do que aquele que usamos para viajar. Que permite que nossos pés toquem um solo desconhecido e nossa pele sinta o frio dilacerante ou calor reconfortante. Que desafia nossa percepção e instiga nosso olhar; que nutre nossos sentidos e aguça nosso paladar; que nos oferece caminhos onde iremos pisar e jornadas que irão nos transformar.

“Para viajar, basta existir”. Que você descubra o que lhe move, o que lhe comove, o que desperta seu desejo de reciclar-se perante o mundo. Que possa fazer as malas de vez em quando e sair à rua cantarolando. Que possa abandonar partes de si mesmo que não têm mais significado e descobrir novos territórios para ocupar os espaços vazios. Que haja mar, brisa suave e cheiro de terra molhada. Que chova à noite e faça sol de dia. Que o dia branco prometido seja compensado pela nevasca da madrugada, e que a água salgada deixe escorrer tudo o que já lhe causou dor no passado.

Faça as malas se puder. Faça planos, trace rotas, decifre mapas. Vá a lugares que só conheceu em seus sonhos, pise firme no chão que escolheu e respire fundo na atmosfera que te acolheu. Abandone bagagens desnecessárias e despeça-se do que não faz mais sentido. Olhe-se nos olhos frente ao espelho e encontre uma pessoa renovada. Lave o rosto, penteie o cabelo e tome uma xícara de café. Sinta-se vivo, sinta-se outro, sinta-se pronto pra começar de novo…

*Por Fabíola Simões

 

 

 

 

……………………………………………………
*Fonte: contioutra