Guia do eleitor desiludido: um campo de joio com algum trigo

Nós brasileiros estamos, sim, com complexo de vira-lata. Claro que há luz no fim do túnel e recentemente a esperança aumentou, mas daí a acreditar que vamos mudar profundamente a política já é um passo largo demais… Mais do que nunca o eleitor desiludido se sente desarmado para usar seu voto para transformar os rumos do nosso país.

Convenhamos que esta é a primeira vez que estamos à beira de uma eleição decisiva e você nem sabe direito quem é candidato; imagina, então, saber quem deveria ganhar? Por outro lado, também é a primeira vez que você se deu conta da importância de acertar na escolha de quem vai decidir nosso destino nos próximos anos. E não estamos falando de destino de forma genérica e sim se você continuará a ter emprego, se sua empresa continuará a existir, se haverá um hospital para atender uma emergência ou se o tráfico de drogas continuará a dar cartas…

Você agora sabe o que custa entregar seu dinheiro e seu futuro nas mãos de qualquer um que contrate uma boa campanha de marketing.

Outro dia você foi ao supermercado. Era uma comprinha de nada e custou R$ 41,12. No finalzinho da nota viu que mais de um terço da conta é puro imposto. Para onde vai esse dinheiro todo? Para a saúde, educação e segurança é que não é mesmo! Isso dá uma raiva danada!

E pensar que você também assinou o cheque em branco para esses governantes fazerem escolhas em seu nome, inclusive a de arrancar mais dinheiro do seu bolso! Você se sente traído de todas as formas. Não só uma vez, mas inúmeras vezes. Traído pelo Lula e pelo Aécio… Traído pelo Congresso que deu aval para tudo…

Às vezes a gente esquece que os deputados e senadores tem procuração nossa para criarem regras de conduta, autorizar orçamento e gastos em nosso nome. O pior é que você nem lembra mais quem nem por que você escolheu para deputado e senador.

A verdade é que a gente dá muita importância à escolha do Presidente e do Governador e pouca ou nenhuma para a escolha do legislativo. O Congresso deixou de ser o local de debate de ideias que refletem o pensamento da sociedade e passou a ser o palco do toma-lá-dá-cá para o Executivo aprovar o que bem entende, sempre em troca de cargos, poder e dinheiro. A triste conclusão é que demos carta branca para verdadeiros lobos em pele de cordeiro!

E agora, como separar o joio do trigo?

Houve um tempo em que, no campo de trigo, havia algum joio misturado. Hoje, há um campo de joio, onde você tem que procurar muito para encontrar algum trigo que ainda resiste… Este ano há um novo risco do Legislativo piorar.

No ano passado o TSE já havia alertado para a necessidade de se monitorar a atuação do crime organizado nas eleições, pois os bandidos dispõem de dinheiro ilícito e podem facilmente comprar votos para conquistar vagas de deputados. O Rio de Janeiro é um exemplo do risco grave que isso representa. A cidade que é o cartão de visitas do País permitiu a criação de um governo paralelo que penetrou as instituições e levou o crime para o coração do Estado.

Perto de um milhão de pessoas ali vivem em 850 comunidades sob o controle do tráfico, com o apoio e cobertura de uma parcela dos poderes executivo, legislativo e até do judiciário. O fuzilamento da vereadora Marielle é um exemplo de como o crime organizado e as milícias dominam a sociedade carioca, tornando o Rio de Janeiro a versão atual da cidade de Medellín, na Colômbia.

E como mudar essa rota com destino certo para o desastre? Separando o joio do trigo, porque ainda há trigo a ser salvo!

Você talvez não saiba como um deputado é eleito. Na maioria dos casos ele ganha um mandato muito menos pelo que ele pensa e muito mais pelo dinheiro que ele tem para comprar votos por meio dos cabos eleitorais e da venda de facilidades.

O momento mais crítico na escolha de candidatos é a última semana das eleições. O melhor é você tomar distância de quem oferece favores, emprego e principalmente dinheiro. Saiba identificar os cabos eleitorais que falam em nome do candidato. Muitas vezes são inocentes úteis que sequer sabem para quem estão trabalhando. Hoje o Google é um grande aliado do eleitor.

— Mas é só isso?

Você, eu e Brasil inteiro estamos em busca de pessoas que nos inspirem confiança e tragam um fio de esperança de que nosso país tem solução, ainda que esteja tão difícil encontrar o trigo nesse campo tomado pelo joio.

*Por Helenir Queiroz

………………………………………………………………………
*Fonte: revistabula

Enzo Lopes no AMA Mx 2018

Ontem em Hanghtown foi a estréia do jovem piloto gaúcho Enzo Lopes, no competitivo e milionário campeonato Americano de Motocross (AMA MX). Enzo Lopes vem trilhando há anos essa vaga com inúmeros títulos gaúchos e brasileiros desde as categorias inferiores, bem como também, participando anualmente de campeonatos para menores nos EUA e o reflexo disso foi a sua contratação pela equipe de fábrica da Suzuki (JGR) – para participar do AMA MX 2018, na categoria profissional de 250cc.

Enzo portanto é uma aposta no futuro do esporte e da poderosa equipe JGR. E é claro que aos poucos vai ganhar mais experiência e precisará ainda de tempo para entrar no ritmo dos grandes pilotos americanos. Mas talento tem de sobra para isso e o Banjomanblod estará com certeza na sua torcida pelo sucesso no esporte e na categoria.

Ah! só para constar, Enzo em sua primeira prova obteve a 15ª colocação (entre 41 pilotos na prova) – resultado da média nas colocações nas 2 baterias da prova.
Força ae Enzo!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4 rituais que farão você muito mais feliz, segundo a neurociência

Você recebe todos os tipos de conselhos sobre felicidade na internet de pessoas que não sabem do que estão falando. Não confie nelas.
Na verdade, não confie em mim também. Confie em neurocientistas.

Eles estudam essa massa cinza em sua cabeça o dia inteiro e aprenderam muito sobre o que realmente vai fazer você feliz.

O pesquisador de neurociência da UCLA, Alex Korb, tem algumas ideias que podem criar uma espiral ascendente de felicidade em sua vida.

Veja o que você e eu podemos aprender com as pessoas que realmente têm respostas:

1. A pergunta mais importante a fazer quando você se sente para baixo

Rituais que te farão mais feliz, segundo a neurociência

Às vezes não parece que seu cérebro quer que você seja feliz. Você pode se sentir culpado ou envergonhado. Por quê?

Acredite ou não, a culpa e a vergonha ativam o centro de recompensa do cérebro.

Apesar de suas diferenças, o orgulho, a vergonha e a culpa ativam circuitos neurais similares, incluindo o córtex pré-frontal dorsomedial, a amígdala, a ínsula e o núcleo accumbens. Curiosamente, o orgulho é a mais poderosa dessas emoções para desencadear atividades nessas regiões – exceto no núcleo accumbens, onde a culpa e a vergonha vencem. Isso explica por que pode ser tão atraente acumular culpa e vergonha em nós mesmos – elas estão ativando o centro de recompensas do cérebro.

E você se preocupa muito também. Por quê? A curto prazo, a preocupação faz seu cérebro se sentir um pouco melhor – pelo menos você está fazendo alguma coisa sobre seus problemas.

Na verdade, a preocupação pode ajudar a acalmar o sistema límbico, aumentando a atividade no córtex pré-frontal medial e diminuindo a atividade na amígdala. Isso pode parecer contraintuitivo, mas isso apenas mostra que, se você está sentindo ansiedade, fazer algo a respeito – até mesmo se preocupar – é melhor do que não fazer nada.

Mas culpa, vergonha e preocupação são soluções horríveis a longo prazo. Então, o que os neurocientistas dizem que você deveria fazer? Faça a si mesmo esta pergunta:

Pelo que eu sou grato?

Sim, a gratidão é incrível… mas isso realmente afeta seu cérebro no nível biológico? Sim.

Você sabe o que o antidepressivo Wellbutrin faz? Aumenta o neurotransmissor dopamina. A gratidão também.

Os benefícios da gratidão começam com o sistema de dopamina, porque sentir-se grato ativa a região do tronco encefálico que produz dopamina. Além disso, a gratidão para com os outros aumenta a atividade nos circuitos sociais de dopamina, o que torna as interações sociais mais agradáveis…

Você sabe o que o Prozac faz? Aumenta o neurotransmissor serotonina. A gratidão também.

Um poderoso efeito da gratidão é que ela pode aumentar a serotonina. Tentar pensar em coisas pelas quais você é grato obriga você a se concentrar nos aspectos positivos de sua vida. Este simples ato aumenta a produção de serotonina no córtex cingulado anterior.

Eu sei, às vezes a vida te dá um soco bem forte no estômago e parece que não há nada pelo que ser grato. Adivinha?

Não importa. Você não precisa encontrar nada. É a procura que conta.

Não é encontrar gratidão que mais importa; é, em primeiro lugar, lembrar de procurar. Lembrar-se de ser grato é uma forma de inteligência emocional. Um estudo descobriu que, na verdade, ela afetava a densidade dos neurônios tanto no córtex pré-frontal ventromedial quanto lateral. Essas mudanças de densidade sugerem que à medida que a inteligência emocional aumenta, os neurônios nessas áreas se tornam mais eficientes. Com maior inteligência emocional, simplesmente é necessário menos esforço para ser grato.

E a gratidão não apenas deixa seu cérebro feliz – também pode criar um feedback positivo em seus relacionamentos. Portanto, expresse essa gratidão pelas pessoas de quem você gosta.

Mas o que acontece quando os sentimentos ruins tomam você completamente? Quando você está realmente perdido e nem sabe como lidar com isso? Existe uma resposta fácil…

2. Rotule sentimentos negativos
Rituais que te farão mais feliz, segundo a neurociência

Você se sente horrível. Tudo bem, dê um nome a esse horror. Triste? Ansioso? Com raiva?

É simples assim. Parece idiota? Sua cabeça discorda.

…em um estudo de ressonância magnética funcional, apropriadamente intitulado “Colocando sentimentos em palavras”, os participantes viram fotos de pessoas com expressões faciais emocionais. Previsivelmente, a amígdala de cada participante ativou as emoções da imagem. Mas quando foram solicitados a nomear a emoção, o córtex pré-frontal ventrolateral ativou e reduziu a reatividade emocional da amígdala. Em outras palavras, reconhecer conscientemente as emoções reduziu seu impacto.

A supressão de emoções não funciona e pode se voltar contra você.

Gross descobriu que as pessoas que tentaram suprimir uma experiência emocional negativa não conseguiram fazê-lo. Enquanto eles achavam que eles pareciam bem externamente, internamente seu sistema límbico estava tão excitado quanto sem supressão, e em alguns casos, ainda mais excitado. Kevin Ochsner, da Columbia, repetiu essas descobertas usando ressonância magnética funcional. Tentar não sentir algo não funciona e, em alguns casos, até volta contra você.

Mas a rotulagem, por outro lado, faz uma grande diferença.

Para reduzir a excitação, você precisa usar apenas algumas palavras para descrever uma emoção e, idealmente, usar uma linguagem simbólica, o que significa usar metáforas, métricas e simplificações indiretas de sua experiência. Isso requer que você ative o córtex pré-frontal, o que reduz a excitação no sistema límbico. Aqui está a moral da história: descreva uma emoção em apenas uma palavra ou duas, e isso ajuda a reduzir a emoção.

Os métodos antigos estavam muito à nossa frente neste caso. A meditação tem empregado isso há séculos. A rotulagem é uma ferramenta fundamental da plenitude.

Na verdade, a rotulagem afeta o cérebro de forma tão poderosa que também funciona com outras pessoas. Rotular emoções é uma das principais ferramentas utilizadas pelos negociadores de reféns do FBI.

Ok, espero que você não esteja lendo isso e rotulando seu estado emocional atual como “entediado”.

Talvez você não esteja se sentindo horrível, mas provavelmente tem coisas acontecendo em sua vida que estão lhe causando algum estresse. Aqui está uma maneira simples de vencê-las…

3. Tome aquela decisão
Rituais que te farão mais feliz, segundo a neurociência

Já tomou uma decisão e então seu cérebro finalmente se sentiu em repouso? Isso não é por acaso.

A ciência do cérebro mostra que tomar decisões reduz a preocupação e a ansiedade, além de ajudá-lo a resolver problemas.

Tomar decisões inclui criar intenções e estabelecer metas – todas as três fazem parte do mesmo circuito neural e envolvem o córtex pré-frontal de maneira positiva, reduzindo a preocupação e a ansiedade. Tomar decisões também ajuda a superar a atividade do estriado, o que geralmente o leva a impulsos e rotinas negativas. Finalmente, tomar decisões muda sua percepção do mundo – encontra soluções para seus problemas e acalma o sistema límbico.

Mas decidir pode ser difícil. Eu concordo. Então, que tipo de decisões você deveria tomar? A neurociência tem uma resposta…

Tome uma decisão “boa o suficiente”. Não se preocupe em tomar a absoluta, 100%, melhor decisão. Todos nós sabemos que ser perfeccionista pode ser estressante. E os estudos do cérebro confirmam.

Tentar ser perfeito sobrecarrega seu cérebro com emoções e faz você se sentir fora do controle.

Tentar o melhor, em vez de bom o suficiente, traz muita atividade pré-frontal ventromedial emocional no processo de tomada de decisão. Em contraste, reconhecer que bom o suficiente é bom o suficiente ativa mais áreas pré-frontais dorsolaterais, o que ajuda você a se sentir mais no controle…

Como o professor de Swarthmore, Barry Schwartz, disse na minha entrevista com ele: “Bom o suficiente é quase sempre bom o suficiente.”

Então, quando você toma uma decisão, seu cérebro sente que você tem controle. E, como já falei antes, um sentimento de controle reduz o estresse. Mas aqui está o que é realmente fascinante: A decisão também aumenta o prazer.

Escolher ativamente causou mudanças nos circuitos de atenção e em como os participantes se sentiram sobre a ação, e aumentou a atividade de dopamina.

Quer provas? Sem problemas. Vamos falar sobre cocaína.

Você dá uma injeção de cocaína a 2 ratos. O rato A teve que puxar uma alavanca primeiro. O rato B não precisou fazer nada. Alguma diferença? Sim: o rato A recebe um aumento maior de dopamina.

Então, os dois receberam as mesmas injeções de cocaína ao mesmo tempo, mas o rato A teve que pressionar ativamente a alavanca e o rato B não precisou fazer nada. E você adivinhou – o rato A liberou mais dopamina em seu núcleo accumbens.

Então, qual é a lição aqui? Da próxima vez que você comprar cocaína… opa, lição errada.

O ponto é, quando você toma uma decisão sobre um objetivo e depois o alcança, você se sente melhor do que quando coisas boas acontecem por acaso.

E isso responde ao eterno mistério de por que arrastar sua bunda para a academia pode ser tão difícil.

Se você vai porque acha que precisa ou deveria, bem, isso não é uma decisão realmente voluntária. Seu cérebro não recebe o impulso do prazer. Apenas sente stress.

E isso não é maneira de construir um bom hábito de exercício.

Curiosamente, se eles são forçados a se exercitar, eles não recebem os mesmos benefícios, porque sem escolha, o exercício em si é uma fonte de estresse.

Então, tome mais decisões. O pesquisador de neurociência, Alex Korb, resume bem: “Nós não apenas escolhemos as coisas de que gostamos; nós também gostamos das coisas que escolhemos.”

Ok, você está sendo grato, rotulando emoções negativas e tomando mais decisões. Ótimo. Mas isso parece meio solitário para uma receita de felicidade. Vamos colocar outras pessoas aqui.

O que você pode fazer com outras pessoas que a neurociência diz que é um caminho para muita felicidade? E algo estupidamente simples para você não ficar com preguiça e não fazer?

Os doutores do cérebro têm uma resposta para você…

4. Toque em pessoas
Rituais que te farão mais feliz, segundo a neurociência

Não, não indiscriminadamente; isso pode te causar muitos problemas.

Mas precisamos sentir amor e aceitação dos outros. Quando não sentimos, é doloroso. E eu não quero dizer “constrangido” ou “decepcionado”. Eu quero dizer realmente doloroso.

Os neurocientistas fizeram um estudo em que as pessoas jogavam videogame. Os outros jogadores jogavam a bola para você e você jogava de volta para eles.

Na verdade, não havia outros jogadores; tudo isso era feito pelo programa de computador.

Mas os participantes foram informados de que os personagens eram controlados por pessoas reais. Então, o que aconteceu quando os “outros jogadores” paravam de ser legais e não compartilhavam a bola?

Os cérebros dos participantes responderam da mesma forma como se experimentassem dor física. A rejeição não apenas machuca como um coração partido; seu cérebro sente como uma perna quebrada.

De fato, como demonstrado em um experimento de ressonância magnética funcional, a exclusão social ativa o mesmo circuito que a dor física…em um ponto onde eles pararam de compartilhar, apenas jogando um para o outro, ignorando o participante. Essa pequena mudança foi suficiente para provocar sentimentos de exclusão social e ativou o cingulado anterior e a ínsula, assim como a dor física o faria.

Os relacionamentos são muito importantes para o sentimento de felicidade do seu cérebro. Quer levar isso para outro nível? Toque em pessoas.

Uma das principais formas de liberar a ocitocina é através do toque. Obviamente, nem sempre é apropriado tocar na maioria das pessoas, mas pequenos toques, como apertos de mão e tapinhas nas costas, geralmente não há problema. Para as pessoas com quem você é próximo, se esforce mais para tocar com mais frequência.

O toque é incrivelmente poderoso. Nós simplesmente não damos crédito suficiente. Ele o torna você mais persuasivo, aumenta o desempenho da equipe, melhora o seu flerte… caramba, até aumenta as habilidades matemáticas.

Tocar em alguém que você ama realmente reduz a dor. Na verdade, quando estudos foram feitos em casais, quanto mais forte o casamento, mais poderoso o efeito.

Além disso, dar as mãos a alguém pode ajudar a consolar você e seu cérebro em situações dolorosas. Um estudo de ressonância magnética funcional examinou as mulheres casadas quando elas foram avisadas de que estavam prestes a sofrer um pequeno choque elétrico. Enquanto antecipava os choques dolorosos, o cérebro mostrava um padrão previsível de resposta em circuitos de dor e preocupação, com ativação na ínsula, no cingulado anterior e no córtex pré-frontal dorsolateral. Durante um exame em separado, as mulheres seguravam as mãos dos maridos ou a mão do examinador. Quando uma participante segurava a mão do marido, a ameaça de choque tinha um efeito menor. O cérebro apresentou ativação reduzida tanto no córtex cingulado anterior quanto no córtex pré-frontal dorsolateral – isto é, menos atividade nos circuitos de dor e preocupação. Além disso, quanto mais forte o casamento, menor a atividade da ínsula relacionada ao desconforto.

Então, abrace alguém hoje. E não aceite abraços curtos e rápidos. Não, não, não. Diga que seu neurocientista recomendou abraços longos.

Um abraço, especialmente longo, libera o neurotransmissor e hormônio ocitocina, que reduz a reatividade da amígdala.

Pesquisas mostram que dar cinco abraços por dia durante quatro semanas aumenta muito a felicidade.

Não tem ninguém para abraçar agora? Não? (Sinto muito ouvir isso. Eu te daria um abraço agora, se pudesse.) Mas há uma resposta: a neurociência diz que você deveria ir receber uma massagem.

Os resultados são bastante claros de que a massagem aumenta a sua serotonina em até 30%. A massagem também diminui os hormônios do estresse e aumenta os níveis de dopamina, o que ajuda a criar novos hábitos. A massagem reduz a dor porque o sistema de ocitocina ativa as endorfinas analgésicas. A massagem também melhora o sono e reduz a fadiga, aumentando a serotonina e a dopamina e diminuindo o cortisol, o hormônio do estresse.

Portanto, passe tempo com outras pessoas e dê alguns abraços. Desculpe, mensagens de texto não são suficientes.

Quando você coloca as pessoas em uma situação estressante e depois as deixa visitar seus entes queridos ou falar com elas ao telefone, elas se sentem melhor.

E quando elas apenas mandaram uma mensagem de texto? Seus corpos responderam da mesma forma como se não tivessem apoio algum.

…o grupo de mensagens de texto apresentava níveis de cortisol e ocitocina semelhantes aos do grupo sem contato.

Nota do autor: Eu aprovo totalmente as mensagens de texto se você combinar um abraço.

Tudo bem, eu não quero sobrecarregar seu cérebro com muita informação. Vamos resumir e aprender a maneira mais rápida e fácil de começar a espiral ascendente da felicidade inspirada pela neurociência…
Resumo

Veja o que a pesquisa sobre o cérebro diz que fará você feliz:

Pergunte: “Pelo que eu sou grato?” Sem respostas? Não importa. Apenas a procura já ajuda.
Rotule aquelas emoções negativas. Dê um nome a elas e seu cérebro não se incomodará tanto.
Decida. Vá para “bom o suficiente” em vez de “melhor decisão já feita na Terra”.
Abraços, abraços, abraços. Não mande mensagens de texto – toque.

Então, qual é a maneira mais simples de começar essa espiral ascendente de felicidade?

Basta enviar um e-mail de agradecimento a alguém. Se você se sentir constrangido, envie também este post para dizer o por quê.

Isso realmente pode iniciar uma espiral ascendente de felicidade em sua vida. O pesquisador de neurociência da UCLA, Alex Korb, explica:

Tudo está interligado. A gratidão melhora o sono. O sono reduz a dor. A dor reduzida melhora seu humor. Humor melhorado reduz a ansiedade, o que melhora a concentração e o planejamento. Concentração e planejamento ajuda na tomada de decisão. A tomada de decisão reduz a ansiedade e melhora o prazer. O prazer te dá mais coisas para ser grato, o que mantém esse ciclo da espiral ascendente. O prazer também aumenta a probabilidade de você se exercitar e ser social, o que, por sua vez, o deixará mais feliz.

Então, obrigado por ler isso.

………………………………………………………….
*Fonte: awebic

Fabricantes de veículos alcançam melhor resultado desde 2014

Em 2018, as fábricas brasileiras de veículos estão em alta. Elas alcançaram o melhor resultado mensal e trimestral de crescimento desde 2014. A produção do Brasil soma quase 700 mil automóveis, caminhões e ônibus entre os meses de janeiro e março. Isso representa um aumento de 14,6% no mesmo período em relação a 2017.

Este crescimento pouco habitual se deve à alta das vendas domésticas, que teve um aumento de 14,7% neste primeiro trimestre; e a expansão das exportações, que alcançaram 180,2 mil veículos neste período do começo do ano.

O mês de março foi o mais especial para a indústria. Foram produzidos 267,4 mil veículos, o que significou um aumento de 25,3% sobre fevereiro (prejudicado pelo Carnaval e por ter menos dias). Em relação ao ano passado, o resultado de crescimento foi de 13,5%.

A Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) não alterou a sua projeção do início do ano. O órgão afirma que a produção nacional de veículos deve somar 3 milhões de unidades em 2018, um aumento que, se concretizado, irá significar um crescimento de 13,2% sobre o ano passado.

Ainda assim, em comparação com 2013, 2018 está bem longe. Naquele ano foi alcançado o pico histórico do trimestre, com 862 mil veículos produzidos no território brasileiro.

 

 

 

 

…………………………………………………….
*Fonte: conectar

Perda de qualidade do sêmen ameaça reprodução humana

Quando um casal tem dificuldades para engravidar, é comum que a mulher se torne a principal suspeita de ser infértil. No entanto, estudos estimam que 50% dos casos de infertilidade conjugal – que afetam cerca de 48,5 milhões de pessoas no mundo – tenham como causa algum problema masculino.

E a tendência é que esses números aumentem.

Estudos realizados em diversos países mostram que a qualidade média do sêmen dos homens de todo o mundo vem caindo pelo menos desde a década de 1930. Não há informações conclusivas sobre as causas – as principais suspeitas recaem sobre o álcool, o cigarro e substâncias químicas presentes em pesticidas, solventes e recipientes de plástico.

Um dos poucos estudos no Brasil sobre o assunto foi feito recentemente pela bióloga Anne Ropelle em sua dissertação mestrado na Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Ela conta que o Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM) da universidade realiza exames de espermograma desde 1989. Das 33.944 amostras registradas entre 1989 e 2016, ela analisou 18.902.

Anne dividiu os exames em cinco períodos de tempo e analisou os principais parâmetros que medem a qualidade do sêmen: concentração (quantidade de espermatozoides na amostra), motilidade progressiva (capacidade de movimentação, importante para o encontro com o óvulo e a fertilização) e morfologia (sua forma). “Notamos uma queda significativa em todos eles“, ela afirma.

A concentração seminal, por exemplo, caiu de 86,4 milhões de espermatozoides por mililitro (ml) no período de 1989 a 1995 para 48,32 milhões/ml entre 2011-2016. A porcentagem com boa motilidade baixou de 47,6% para 35,9%, e o índice dos que tinham formas normais reduziu-se de 37,1% para 3,7%.

Apesar dessas quedas, os dois primeiros parâmetros estão dentro dos padrões estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que são, respectivamente, mínimos de 15 milhões e 32%.

Quanto à morfologia, a porcentagem encontrada por Ropelle está um pouco abaixo do que é considerado normal pela OMS, que é acima de 4%. Esses dados podem ser um alerta. “Se os números continuarem caindo, os casais poderão encontrar maior dificuldade para conseguirem uma gestação“, diz a especialista.

Discussões

No exterior, as pesquisas sobre o tema são mais antigas e numerosas. Todas apontam na mesma direção. O médico urologista Leocácio Barroso, do Hospital Universitário Walter Cantídio, da Universidade Federal do Ceará (UFC), cita algumas meta-análises (revisão sistemática de várias pesquisas realizadas sobre um mesmo tema).

Uma delas foi feita pela bióloga dinamarquesa Elisabeth Carlsen, que analisou 61 estudos sobre qualidade do sêmen realizados por outros pesquisadores de vários países, entre 1938 e 1991. Os resultados foram divulgados em 1992. “Ela mostrou que nesse período a concentração média de espermatozoides caiu de 113 milhões/ml para 66 milhões/ml“, informa Barroso.

Para ele, a mensagem essencial do estudo de Carlsen e colaboradores é que a concentração seminal declinou globalmente em cerca de 50% no último século, atraindo uma atenção significativa e sendo foco de diversas discussões. “A partir dessa publicação, diversos laboratórios têm analisado seus próprios dados retrospectivamente e muitos estudos sugerem que, de fato, houve um declínio na qualidade do esperma“, conta.

Um desses trabalhos foi divulgado cinco anos mais tarde, em 1997, pela especialista em reprodução humana Shanna Swan, dos Hospital Mount Sinai, de Nova York. Ela fez uma reanálise de 56 estudos analisados por Carlsen e confirmou uma significativa queda na densidade espermática nos Estados Unidos e na Europa, mas não em outras partes do mundo.

“Mais tarde, em 2000, ela realizou outra extensa meta-análise, dessa vez de 101 estudos, que confirmou o declínio na qualidade seminal no período de 1934 a 1996“, diz Barroso.

A própria OMS reduziu os valores de referência que definem uma amostra seminal como “normal“. “De 1987 até hoje, a organização publicou cinco edições do Manual para o Exame do Sêmen Humano“, diz Barroso.

“A publicação mais recente, de 2010, traz valores de referência mais baixos do que os encontrados na última edição, de 1999.” Os novos parâmetros de concentração mínima foram reduzidos de 20 milhões/ml para 15 milhões/ml, os da motilidade, de 50% para 32%, e os da morfologia, de 14% para 4%.

Para a definição de tais valores, foram avaliadas amostras de 4.500 homens de 14 países de quatro continentes. Barroso tem, no entanto, uma crítica ao manual. De acordo com ele, enquanto algumas áreas foram super-representadas, como o norte da Europa, outras foram subrepresentadas, como a África e a América do Sul.

“De fato, para esse estudo não foi avaliada nenhuma amostra proveniente do Brasil“, diz. “Portanto, a interpretação e aplicação dos valores de referência definidos pela última publicação da OMS para o brasileiro é imprecisa.”

Estilo de vida?

Que a qualidade seminal vem caindo no mundo é praticamente uma certeza. Já as causas não são bem conhecidas. “Nosso banco de dados não possuía informações sobre estilo de vida ou hábitos dos pacientes, desta forma não pudemos correlacionar a queda a uma ou mais causas“, afirma Anne. Mas há suspeitas.

Seu orientador, o ginecologista Luiz Francisco Baccaro, da FCM da Unicamp, aponta alguns. “Vários autores relatam que substâncias com efeitos similares ao estrogênio (hormônio cuja ação está relacionada ao controle da ovulação e ao desenvolvimento de características femininas), conhecidas como ‘desreguladores endócrinos’, poderiam agir no feto do sexo masculino ainda no útero da mãe, levando a problemas na função testicular“, diz.

Entre esses “desreguladores endócrinos” estão substâncias químicas, presentes em pequena quantidade em pesticidas, solventes e recipientes de plástico, por exemplo. Além dos fatores ambientais, aspectos relacionados aos hábitos de vida também devem influenciar a produção de esperma.

“Alguns estudos demonstraram que o tabagismo e o consumo de álcool em excesso podem diminuir a qualidade do sêmen“, acrescenta Baccaro. “Além disso, um fator muito prevalente que influencia nisso é a obesidade, que pode levar a um desequilíbrio hormonal. Um estudo mostrou que homens com excesso de peso têm o esperma pior.”

Barroso cita outros suspeitos. “O uso de telefones celulares têm aumentado as preocupações em relação ao efeito das suas ondas eletromagnéticas na fertilidade“, afirma.

“Estudo observacional recente, in-vivo e in-vitro, mostrou que os aparelhos podem causar uma diminuição da densidade, motilidade, viabilidade e morfologia dos espermatozoides. Hipertermia (alta temperatura) testicular também pode impedir a espermatogênese. Por isso, o uso de laptops próximo à genitália, utilização frequente de saunas e banheiras aquecidas estão entre os fatores considerados como possíveis causas da queda da qualidade do sêmen.”

…………………………………………………………..
*Fonte: pragmatismo

Na Suíça, deputado não tem benefícios e ganha menos do que professor

Guy Mettan, deputado e ex-presidente do Parlamento de Genebra, chega à sede do Poder Legislativo do cantão suíço em sua scooter. Não tem carro oficial. Tampouco tem uma vaga reservada apenas para ele diante do prédio histórico no centro da cidade.

Por vezes, Mettan confessa que vai ao trabalho com um motorista – o que conduz o ônibus público da cidade. Deputado já por 18 anos consecutivos, Mettan levou a reportagem aos corredores do Grand Conseil, o nome dado ao Parlamento do Cantão

A região é uma das mais ricas do mundo, tem uma taxa de desemprego de 5,3% e é um dos pilares de um sistema financeiro que guarda em seus cofres trilhões de dólares. Genebra, de forma insistente, entra em todas as listas das cidades mais caras do mundo há anos. Mas, para não atrapalhar o emprego dos cem representantes do povo, as sessões do Parlamento são todas organizadas no final da tarde, quando o expediente já terminou.

Não apenas o deputado ordinário não conta com um carro oficial, mas tampouco é beneficiado por qualquer tipo de transporte. Uma exceção é feita ao presidente do Parlamento que, caso esteja indo a um evento oficial, tem o direito de usar um veículo oficial. Mas apenas se ele for à reunião na condição de presidente da Câmara e não a título pessoal.

O auxílio-moradia não faz parte dos benefícios. Ao final de quatro anos de mandato, os deputados não ganham uma aposentadoria. Durante anos no “poder”, não podem contratar parentes e ganham um voucher para fazer duas refeições por mês. Cada uma delas de 40 francos suíços (R$ 137,00). “Dá para uma pizza e um copo de vinho”, brinca Mettan.

Na melhor das hipóteses, um deputado em Genebra vai somar um salário anual de 50 mil francos suíços (o equivalente a R$ 172 mil), cerca de 4,1 mil francos por mês. Isso se ele for o presidente do Parlamento e comparecer a todas às sessões. O cálculo de quanto Mettan e todos os demais recebem a cada mês é feito por hora. “Se você vem, você recebe. Se não, não recebe”, disse o deputado, que conta que precisa assinar com seu próprio punho uma lista de presença a cada reunião.

Transformado em reais, o valor pode ate parecer elevado. Mas, hoje, o pagamento ao presidente do Parlamento de Genebra é inferior à média de um salário de um fabricante de queijo, menor que a renda de um mecânico de carros na Suíça, de uma secretária, de um policial, de um carpinteiro, de uma professora de jardim de infância, de um metalúrgico e de um motorista de caminhão. Ele, porém, é equivalente ao salário médio de um açougueiro da cidade alpina.

Para um deputado “ordinário”, o salário é muito inferior ao do presidente do Parlamento. Por ano, eles chegam a receber cerca de 30 mil francos suíços, o equivalente ao pagamento médio atribuído a um artista de circo ou a um ajudante de cozinha, postos ocupados em grande parte por imigrantes.

No Brasil, o salário de um deputado estadual chega a R$ 25.300 por mês em São Paulo, por exemplo. Além disso, os parlamentares brasileiros têm direito a uma verba mensal (o chamado “cotão”), que pode superar R$ 30 mil, para custeio de gastos de alimentação, transporte, passagens aéreas e despesas de escritório.
Empregos originais

Mettan explica que a função de deputado consome apenas 25% do seu tempo de trabalho e que, por conta do salário baixo, todos são orientados a manter seus empregos originais, mesmo depois de eleitos. “Na Suíça, a política é considerada como um envolvimento popular”, explicou. “É um sistema de milícia. Ou seja, não é um sistema profissional. Somos obrigados a ter um emprego paralelo, de ter uma profissão paralela. Não se pode viver com essa indenização”, admitiu o deputado suíço. “Não existe deputado profissional”, completou ele.

…………………………………………………………..
*Fonte: epocanegocios

Quem discute muito para provar sua sabedoria demonstra sua ignorância

Quem discute muito tentando provar sua sabedoria ou sua verdade universal, na maior parte das vezes só demonstra a sua ignorância. Porque inteligente não é quem ganha as discussões, inteligente é quem não as provoca e quem, por sua vez, sabe a hora de se afastar quando toma consciência de que há batalhas que não valem a pena.

Portanto, fica claro que a arte de discutir tem muito a ver com a própria personalidade. Além disso, a maneira através da qual nós realizamos este processo também se relaciona com a educação recebida e com as dinâmicas familiares em que crescemos. Nestes micro-universos tão variados e ao mesmo tempo complexos, muitas vezes as pessoas acabam integrando a crença de que quem grita mais alto é quem leva a razão.

“Conserve a calma nas discussões, porque se exaltar pode converter o erro em culpa e a verdade em falta de cortesia.”
-Herbert Spencer-

Quem discute, poucas vezes o faz para mostrar posições diferentes. A pessoa procura desarmar, ouve para responder e não para entender, ampliando, assim, mal-entendidos até criar um ambiente marcado de negatividade e tensões. Se desde crianças vimos nossos pais protagonizarem verdadeiras disputas baseadas apenas na troca de rancores, entenderemos por que este tipo de dinâmica se cristaliza de geração em geração.

Sem dúvida não há ninguém para nos apresentar à arte das boas discussões. Tudo isso faz com que não seja nada fácil gerir essas situações se a pessoa diante de nós é o nosso parceiro ou um familiar próximo. Porque quanto maior for a proximidade emocional, maiores serão os efeitos colaterais e mais nocivos serão os arsenais de repreensão.

A teoria dos 5% nas discussões entre casais

Todos sabemos que as discussões mais complexas são as que ocorrem entre os casais. É um cenário complicado, amargo e intenso onde as emoções ficam à flor da pele. Apesar disso, a obstinação de impor o nosso ponto de vista ao mesmo tempo em que sentimos a necessidade – um tanto desesperada – de sermos compreendidos, faz com que os nossos argumentos não sejam sempre tão claros ou construtivos como gostaríamos que fossem.

Na terapia de casais existe uma teoria que nunca falha no que se refere a discussões. É a regra dos 5%. Dentro de todo esse emaranhado de tensões e diferenças desmedidas existe sempre um pequeno canto em que podemos confluir. Reconhecer esses 5% onde ambos estamos de acordo não significa em absoluto que devemos abandonar a nossa posição em relação aos outros 95%.

É, por assim dizer, uma “ilha de refúgio”, onde o casal pode se sentar para chegar a acordos. Não podemos esquecer que o objetivo final nas nossas discussões com o nosso parceiro não é “ganhar”, mas sim “construir”. Algo que só pode ser realizado através de uma inteligência emocional adequada, do respeito e do princípio da reciprocidade.

“Eu tenho consciência de que as nossas dificuldades financeiras preocupam a nós os dois, mas acho que você deveria compartilhar comigo os seus pensamentos e não se fechar dessa forma. Seu isolamento me deixa de mau humor, e você também acaba ficando. Ambos alimentamos um círculo vicioso que tem que terminar”.

 

Quem discute para ter razão perde tudo

Certamente alguma vez você já agitou uma garrafa de refrigerante. Quando retiramos a tampa, o líquido do interior vai estourar, derramando tudo. É exatamente isso que acontece nessas discussões acaloradas, onde em apenas cinco segundos podemos perder tudo. Nos deixarmos levar por um momento de raiva pode nos custar uma vida de arrependimento.

As emoções são como o refrigerante. Se as retemos um dia após o outro ao beber e calar, ao baixar o rosto e engolir, chegará o dia em que, simplesmente, iremos explodir no pior momento. Reagir a algo no mesmo segundo traz efeitos colaterais. Calar-se e aguentar também não é uma boa opção.

Propomos que você reflita a seguir sobre as estratégias que podemos utilizar para gerir um pouco melhor as nossas discussões.

A arte de discutir com serenidade e inteligência

Uma pessoa pode tentar manter a calma e dizer aquilo que não vale a pena dizer. No entanto, todos temos um “botão de alarme” que gere o nosso sistema límbico. Trata-se de uma estrutura cerebral que rege a nossa essência mais instintiva e nos sussurra a mensagem “reaja, você está diante de uma ameaça”.

A chave para discutir com inteligência é não permitir que nos levem até essa fase. Devemos evitar essa etapa em que a nossa vontade fica sob as rédeas do sistema límbico. Porque é o momento em que vai surgir a raiva, o desespero e a falta de controle.

Não deixe que as discussões fiquem acaloradas. Alargue os tempos de resposta, visualize uma sala de luz branca e serena onde pode entrar de vez em quando para tomar distância, para continuar vendo as coisas com clareza.

No momento em que deixam de existir argumentos válidos para dar lugar às queixas, é hora de parar. Nesta fase, toda a discussão deixa de ter sentido para se transformar em um campo de batalha.

Quem discute com calma, inteligência e construtividade esconde, na verdade, toda uma aprendizagem prévia. É alguém que gere as suas emoções e que, acima de tudo, tem um bom autoconhecimento e uma plena segurança na sua pessoa.

Sabemos que no nosso idioma a palavra “discutir” tem uma conotação negativa. No entanto, há discussões que vale a pena ter se com elas, mediante o respeito e a atenção, for possível chegar a acordos. Algo assim só é possível se ambas as partes investirem em um aspecto essencial: a boa vontade.

……………………………………………………………..
*Fonte: psicologiasdobrasil

Funcionários do Google se demitem em protesto contra projeto militar

Há pouco mais de um mês, três mil empregados do Google assinaram uma carta pedindo que a companhia deixe de colaborar com o Pentágono em um projeto militar chamado Maven. Diante da negativa, alguns deles deram o passo seguinte no protesto: pediram demissão. Pelo menos 12 funcionários renunciaram aos seus cargos.

Todos eles, declaradamente, saíram por conta da insistência do Google com o Maven. Apesar de a oposição ao projeto ter aumentado para quase quatro mil funcionários nas últimas semanas, a empresa não desistiu da participação, pelo contrário: defendeu a sua permanência na parceria com o Pentágono.

Mas o que é o Maven? O projeto surgiu formalmente no ano passado como um programa para encontrar formas de acelerar o uso da inteligência artificial em aplicações militares. A iniciativa visa, sobretudo, aplicar a tecnologia na identificação de objetos em imagens capturadas pelos drones das forças armadas.

Basicamente, o Google tem contribuído com o Maven dando acesso e suporte ao Pentágono para uso do TensorFlow, sua biblioteca de código aberto para aprendizagem de máquina. Apesar de a companhia reiterar que a sua tecnologia vai ajudar o Pentágono a identificar ameaças e prevenir a morte de pessoas inocentes, os funcionários que assinaram a carta não ficaram convencidos.

Para começar, há o temor de que, mesmo que o Google se posicione contra, os militares apliquem a tecnologia em ações que podem causar morte de pessoas. Além disso, os funcionários acreditam que a participação contradiz os princípios do Google de trabalhar em prol do bem-estar geral.

Também há questionamentos éticos. O Google começou a colaborar com o Pentágono de um modo um tanto silencioso. Só no final de fevereiro é que a notícia do envolvimento da empresa no Maven começou a se espalhar internamente.

Pressionado, o Google prometeu atualizar os funcionários sobre seu posicionamento ético, mas até agora não o fez. Para um dos que pediram demissão, seria tarde de qualquer forma: “preocupações éticas deveriam ter sido abordadas antes de entrarmos nesse contrato”.

Alguns funcionários decidiram sair não só como forma de protesto, mas também por se sentirem desconfortáveis. “Em algum momento, percebi que eu não poderia, de boa vontade, recomendar que alguém entrasse para o Google, sabendo o que eu sei. Percebi que, se não posso recomendar às pessoas que trabalhem aqui, por que devo continuar?”, disse um deles.

Não deve haver uma debandada massiva. De todo modo, o protesto conseguiu gerar alguma mobilização. Uma nova carta aberta dirigida aos principais executivos do Google pede que a companhia deixe de colaborar com o Maven. A maior diferença em relação à primeira é que esta foi assinada por cerca de 400 especialistas, pesquisadores e acadêmicos de várias partes do mundo.

O Google não se pronunciou sobre os funcionários que pediram demissão, pelo menos até o momento.

*Por: Emerson Alecrim

…………………………………………………………..
*Fonte: tecnoblog