Lua e marte farão uma conjunção neste domingo (9) promovendo grande espetáculo nos céus

Para as pessoas que gostam de apreciar os fenômenos que os planetas, astros e estrelas realizam no céu, anote: neste domingo, 9 de agosto (noite de sábado para domingo) o céu vai te presenciar com uma visão única e espetacular.

A lua e Marte estarão emparelhados, alinhados lado a lado, em uma conjunção rara de acontecer e se ver. Para os amantes destes fenômenos que moram no Sul e Sudeste do Brasil, poderão ver algo mais bonito ainda: em certo momento a Lua ficará bem à frente do planeta vermelho Marte, este fenômeno é chamado de ocultação.

Caso você queira observar este belo espetáculo, coloque seu relógio para despertar cedinho, pois este show começa a acontecer às 5:00 h da madrugada.

Prepare-se.

*Por JCS

…………………………………………………………………………
*Fonte: sensivelmente

Tess reúne músicos gaúchos ao redor do mundo no clipe de ‘Coraticum’

O músico Daniel Tessler acaba de lançar o clipe da faixa inédita “Coraticum” de seu projeto solo Tess. Desenvolvida durante o período de quarentena, a canção reúne vozes brasileiras de gaúchos que estão em diferentes países, como Brasil, Itália, Inglaterra, Portugal e Estados Unidos. A ideia é levar uma mensagem de otimismo para o mundo ao cantar sobre amor, coragem e liberdade. Confira abaixo.

Coraticum significa “agir com o coração” em latim e foi escrita, arranjada, gravada e finalizada por Daniel Tessler em um momento nada convencional de isolamento, com algumas limitações técnicas, mas com todas as emoções despertadas com a experiência do distanciamento. “Logo recebi a energia de parceiros que estavam vivendo momentos de tensão em grandes cidades ao redor do mundo”, disse o músico.

Participam do projeto Eduardo Dechtiar em Milão (backing vocals), Reynaldo Miggy Migliavacca em Londres (bateria), Rodolfo Krieger em Lisboa (guitarra solo), Gustavo Chaise em Los Angeles (baixo), Pedro Pelotas em São Paulo (teclados) e Lucio Brancato em Porto Alegre (cítara).

Para editar o clipe, com arranjos e finalizações, Daniel recebeu todas as gravações feitas pelo celular.

*Por Marcos Chapeleta

…………………………………………………………….
*Fonte: ligadoeamusica

Empatia zero

E o que dizer do mundo em que vivemos hoje!?
Como se não bastasse já estarmos quase na casa das 100.000 vítimas do Covid-19 no Brasil; uma futura situação econômica preocupante; a tal quarentena prolongada versus o descaso daqueles que não estão nem aí, curtindo suas festinhas particulares; o alarmante índice de um dos maiores desmatamentos de nossa hitória; jovens sem aulas ou expectativas não muito boas para um breve retorno; as inúmeras questões e resoluções políticas inusitadas (para não se dizer coisa pior); o stress geral nas pessoas por causa do isolamento ou distanciamento social; as tantas saudades que temos de coisas simples e até o “quase” ataque de uma nuvem gigante de gafanhotos por aqui – desviram no caminho. Que 2020! E agora, como se não bastasse, uma bomba! Literalmente uma grande explosão em Beirute, com milhares de pessoas inocentes pagando um alto preço.

Então me pergunto se o grande problema do planeta seria mesmo o “Covid” ou esse outro vírus, normalmente chamado de “ser humano”?

Hoje por aqui, sem vontade de postar mais nada. Cansado, triste, me sentindo desiludido. Assisti várias cenas da explosão de ontem e é uma cena incrivelmente aterrorizante. Impossível não parar para pensar na vida, no mundo e no consequente momento atual em que vivemos…

Durmam bem!

 

 

7 minutos de terror: entenda como o Perseverance vai pousar em Marte

Após uma década de desenvolvimento, sucesso da missão dependerá de uma sequência precisa de manobras que terão de ser executadas sem nenhuma intervenção humana

Por incrível que pareça, lançar um rover pesando uma tonelada em uma jornada de mais de seis meses e 200 milhões de km é a parte “fácil” de uma missão a Marte. O verdadeiro desafio será pousar o Perseverance no planeta, algo tão complexo que até hoje só metade das missões que tentaram essa manobra tiveram sucesso.

O principal problema é que a atmosfera de Marte é muito mais fina que a da Terra. Com isso ela não oferece resistência ao rover, que cai em alta velocidade. Para desacelerar o veículo e impedir que ele vire uma panqueca no solo marciano é necessário combinar várias técnicas, executadas com precisão absoluta.

No início da entrada na atmosfera marciana o rover é protegido por um escudo térmico com 4,5 metros de diâmetro, que terá de suportar temperaturas de mais de 1.000 ºC. Quatro minutos após o início da manobra, a uma altitude de cerca de 11 km, um paraquedas supersônico com 21 metros de diâmetro se abre para reduzir ainda mais a velocidade.

20 segundos depois, o escudo térmico é ejetado para que câmeras e radares na parte de baixo do rover possam ter uma boa visão do solo. O paraquedas continua aberto até uma altura de cerca de 2 km, quando se separa.

Ainda assim o rover, que está preso a uma plataforma, está viajando rápido demais. A penúltima etapa consiste no uso de retrofoguetes montados na plataforma para desacelerar ainda mais o veículo. A técnica é similar à usada pela SpaceX, que aciona os motores de seu foguete Falcon 9 para reduzir a velocidade antes do pouso.

Quando a plataforma chega a uma altitude de 20 metros em relação ao solo, ocorre a última etapa: ela paira no ar, e usa cabos para descer o rover suavemente até o solo. Assim que ele pousa os cabos são cortados, e a plataforma voa para longe. Toda a sequência é mostrada no vídeo abaixo:

O trajeto da órbita ao solo leva sete minutos, e deve ser feito de forma completamente automatizada, sem comunicação nenhuma com a Terra. Isso porque um sinal de rádio leva 7 minutos para ir da Terra a Marte, e uma resposta levaria mais 7 minutos.

Ou seja, quando recebermos a informação de que o rover iniciou a descida, ele já estará na superfície de Marte. Por isso os cientistas chamam esse período de “7 minutos de terror”, porque até receberem a confirmação do pouso não há o que fazer além de torcer pelo melhor.

Por mais complexo que pareça, esse método já foi usado com sucesso no pouso do rover Curiosity, oito anos atrás. Os engenheiros da Nasa esperam repetir o feito em 18 de fevereiro de 2021, quando o Perseverance deve chegar à cratera Jezero, no hemisfério norte marciano. Estaremos torcendo por ele.

*Por Rafael Rigues

…………………………………………………………………..
*Fonte: olhardigital

Razões para amar um animal com tanta intensidade

O famoso psiquiatra Sigmund Freud disse que as razões que nos levam a amar um animal com tanta intensidade são compreensíveis quando vemos que o amor delas é incondicional.

A relação que temos com nossos animais é libertada dos conflitos insuportáveis ​​da cultura. Freud estava certo quando disse que “os cães não têm a personalidade dividida, nem a crueldade do homem civilizado nem vingança deste último contra as restrições que a sociedade impõe.”

Ele corretamente disse que um cachorro contém a beleza de uma existência completa. E que um sentimento de afinidade íntima, de solidariedade indiscutível, existe muito claramente.

“As emoções simples e diretas de um cachorro, quando ele abana o rabo para expressar sua alegria ou latidos para mostrar seu descontentamento, são muito mais agradáveis. Os cães nos lembram dos heróis da história e talvez seja por isso que eles frequentemente recebem seus nomes. “

-Sigmund Freud-

O cachorro vive em média 12 anos … Por que é tão injusto?

O fato de um cão ou gato viver apenas 12 anos em média é incompreensível e injusto. Por quê? Porque perder a oportunidade de continuar a compartilhar a vida com uma pessoa de quatro patas é extremamente doloroso.

Quando amamos um animal, todo o tempo que passamos com ele não é suficiente. Porque quando estamos com ele, quando olhamos para ele com ternura e amor, percebemos que o tempo passa rápido demais.

Percebemos essa sensação de tempus fugit quando, a cada carícia, sentimos o coração do nosso animal agitar-se no nosso. No entanto, o contraste aparece quando, após cada olá e depois de cada momento compartilhado, entendemos que esse amor é infinito.

Suas superpotências, armas de bondade maciça

Pensamos, com ternura, que nossos queridos animais têm superpoderes. Isso nos faz amá-los muito. Quando fazemos uma lista mental de tudo o que nos surpreende em casa, não podemos deixar de sorrir.

Quando amamos um animal, muitas coisas nos surpreendem e nos amolecem. Sua capacidade de prever o futuro ou “sentir” quando vamos para casa . Sua empatia e capacidade de estar em sintonia com o nosso estado emocional. Sua habilidade em nos confortar e nos motivar …

É difícil deixar nossos animais sozinhos em casa. Seus olhos suplicantes nos enchem de dificuldade. Mas a alegria deles em nos ver nos inunda de felicidade.

Os animais são, sem dúvida, os melhores terapeutas possíveis para muitas pessoas. Sua nobreza e bondade não têm limites. Se não temos um animal para amar, parte da nossa alma está adormecida. Mas esta reservou um espaço para amar os animais. Para desfrutar de seu amor incondicional e suas lições.

A declaração “ninguém jamais amará você mais do que a si mesmo” perde seu significado. Porque os animais são verdadeiros mestres na arte do amor. Cada segundo gasto com eles é um presente. Amar um animal é uma das mais belas experiências. Aqueles que viveram sabem disso.

…………………………………………………………………….
*Fonte: pensacontemporaneo

Gustavo Telles & Os Escolhidos – “Mesmo assim estamos juntos”

Agora sim! É com alegria que compartilho essa nova canção, que nasceu durante a pandemia. Pois desejo que, de alguma forma, essa música possa fazer bem a quem ouví-la!
“Mesmo assim estamos juntos” é uma parceria com o querido e talentoso amigo Luciano Albo! Além do Albo, outros dois grandes e talentosos parceiros também participam dessa gravação: Murilo Moura e Maurício Nader! Rodrigo Marroni assina a foto e a arte. E Carlos Hahn é o responsável pelo lyric vídeo!.
Espero que gostem!

Gustavo Telles

13 maneiras de espantar a energia negativa da sua casa

Sabe aquele sentimento constante de desânimo e um clima pesado no ar? Veja algumas dicas para espantar a energia negativa do seu lar:

1. Abra as portas e janelas
Pode parecer óbvio, mas deixar o ar circular, mesmo que esteja frio lá fora, é o primeiro passo para mandar embora as energias ruins de dentro de casa.

2. Acenda um incenso
O hábito de queimar incensos faz parte de práticas espirituais e de rituais de meditação. Pode ajudar a melhorar a energia do ambiente e criar uma atmosfera mais calma e serena.

3. Livre-se das coisas quebradas
Manter móveis e objetos quebrados pode atrair e manter energias negativas em casa. Mesmo que tenha algum valor sentimental, está na hora de dar um jeito nessas peças: repare-as ou remova-as de casa.

4. Use spray de óleo de laranja
Aquele cheirinho cítrico da laranja remete a um dia ensolarado. O aroma é capaz de espantar a energia negativa do ambiente e melhorar o humor das pessoas. Dilua um pouco óleo de laranja na água e espalhe pela casa.

5. Arrume a bagunça
Em desordem, os objetos são capazes de reter energias que podem nos bloquear fisicamente, mentalmente, emocionalmente e espiritualmente.

6. Use cristais para manter a harmonia
Cada cristal tem uma função. O quartzo rosa, por exemplo, é capaz de facilitar na substituição das emoções e sentimentos negativos por positivos.

7. Pinte uma parede de amarelo
Pode parecer meio radical, mas a cor é capaz de neutralizar as energias ruins do ambiente. Além disso, o amarelo pode fazer com que o ambiente pareça maior.

8. Coloque sal nos cantos
Especialistas dizem que para absorver energias negativas, basta colocar um pouquinho de sal em cada canto de um ambiente e deixar por 48 horas. Depois disso, é só varrer e jogar no lixo.

9. Faça uma boa faxina
A dica é sempre que comprar ou alugar um imóvel novo, antes mesmo de começar a levar as mudanças, dedique um tempo para fazer uma boa faxina. Isso pode ajudar a remover qualquer tipo de energia do morador anterior.

10. Tente reduzir as pontas
Uma das indicações do Feng Shui são os móveis sem pontas. Além de serem mais seguros, caso alguém esbarre neles, a energia gerada pela ponta, que lembra uma flecha, não é aconchegante. A dica é investir em objetos de decoração, como luminárias e vasos redondos, para trazer mais energias positivas.

11. Invista em espelhos
Acredita-se que eles podem atrair ainda mais energias positivas e também ajudar a limpar a mente. Mas não se esqueça de optar pelos de pontas redondas.

12. Opte por cores neutras
Às vezes, cores escuras podem sobrecarregar quando tudo o que você precisa é de um ambiente relaxante.

13. Proteja as entradas
As portas e as janelas são entradas para as energias. Para manter essas áreas purificadas e protegidas, é recomendado limpar as maçanetas e janelas com a mistura de água, sal, vinagre branco e suco de limão.

*Marina Paschoal com Bruna Menegueço

…………………………………………………………………….
*Fonte: casa&jardim

Argentinos criam madeira feita de resíduos plásticos que vai evitar o corte de 1,5 milhão de árvores

O mundo precisaria plantar cerca de 1,3 trilhão de árvores para conter os efeitos do aquecimento global, mas, ao mesmo tempo, as atividades industriais cortam milhares de exemplares todos os anos. Foi pensando nisso que 3 empresários de Mendoza, na Argentina, criaram uma maneira de transformar resíduos plásticos em madeira e ainda evitar o corte de mais de 1,5 milhão de árvores.

A iniciativa busca reciclar resíduos plásticos, como frascos de shampoo, refrigerantes e outras embalagens, para transformá-los em postes e mesas sem a necessidade da derrubada de árvores. O projeto Madera Plástica Mendoza nasceu em 2017, quando os amigos Carlos Arce, Leonardo Cano e Pío De Amoriza decidiram montar uma fábrica de postes e mesas ecológicas na cidade de Junín.

Com o passar do tempo, os postes ecológicos tornaram-se uma excelente alternativa para os produtores de vinho da região. O principal objetivo desses empreendedores é substituir os 5 milhões de postes de madeira equivalentes a 1,5 milhão de árvores cortadas por ano usadas em Mendoza, região vinícola importante do país.

Segundo eles, em cada poste reciclado são recuperados mais de 10 quilos de resíduos plásticos, o que representa cerca de 6.000 quilos de lixo desse material por hectare, o que impede o corte de mais de 300 árvores. Em busca de um mundo melhor, os amigos venderam tudo o que tinham para poder investir na empresa e, posteriormente iniciaram uma rede de coleta de resíduos plásticos com a colaboração de recuperadores urbanos, além de diferentes empresas agrícolas.

Além de feitos 100% de materiais reciclados e produzidos sem o uso de água, os postes são resistentes a todos os tipos de ambiente, umidade, insetos e produtos químicos, podendo ser um grande aliado das vinícolas e do planeta!

………………………………………………………………………
*Fonte: agrandeartedeserfeliz

Técnica transforma areia do deserto em solo fértil para plantio

A empresa Desert Control, fundada pelo cientista norueguês Kristian Olesen, desenvolveu uma tecnologia chamada Liquid Nano Clay (LNC) que combina nanopartículas de argila e água e as transformam em um novo componente. O produto permite que até mesmo o solo árido do deserto se transforme em um local propício para plantio.

A areia do deserto tem baixa capacidade de retenção de líquido, o que impossibilita o cultivo da maioria dos alimentos. Quando misturado à areia do deserto, o LNC permite que o solo arenoso passe a reter água, tornando o deserto em um solo fértil.

O processo de transformação do solo árido em fértil é bem simples e feita diretamente no local. O componente é aplicado no sistema de irrigação comum ao longo da área afetada. O solo com o componente retêm a água como uma esponja, criando uma camada de 40 a 60 cm de terra fértil.

O processo de transformar um solo arenoso em um solo fértil leva cerca de 15 anos, já com o produto, isso pode ser possível em apenas 7 horas. Uma aplicação do LNC dura até cinco anos.

Testes no deserto

A metodologia já foi testada em 2005 em uma fazenda no deserto dos Emirados Árabes, uma região que fica necessita três vezes mais água para o processo de irrigação comparado a lugares de clima temperado. A economia no consumo de água apontada pelos testes foi de 50%, o que garante o dobro da área de plantio com a mesma quantidade do líquido.

Toda a água utilizada no deserto precisa ser comprada e transportada até o local. Por isso, ter acesso a uma técnica que maximize seu consumo sem aumentar os gastos é essencial. Esse sistema também possibilita o cultivo de variados tipos de alimentos, mesmo no deserto, outro benefício a ser levado em conta, principalmente nos Emirados Árabes, que importa 80% dos alimentos consumidos no país.

O custo da tecnologia, no entanto, ainda é bastante caro. Um hectare tratado com essa técnica custa pelo menos USD$ 1.800,00 dólares americanos. A ideia da Desert Control é vender inicialmente a argila líquida para governos regionais para depois expandir para o público consumidor.

Confira o vídeo do projeto feito pela organização WWF (em inglês):

…………………………………………………………………………………..
*Por Emily Santos / Fonte: ciclovivo

 

É muito desagradável a pessoa jogar na nossa cara o que fez pela gente

A gratidão faz um bem enorme, tanto para quem a oferta, quanto para quem a recebe, isso é fato. Quando somos reconhecidos pelo que fizemos, a gente se sente super bem. Quando reconhecemos o que o outro fez por nós, também nos sentimos bem. No entanto, nada disso poderá ser forçado, carregado de cobranças, simplesmente porque nada do que tiver que acontecer por insistência tem muito valor.

Não precisamos ficar provando o nosso valor para os outros. Não merecemos ter que convencer as pessoas de que temos algo a oferecer, de que somos importantes para elas. O nosso coração tem que estar tranquilo e a nossa consciência tem que estar em paz. Se estivermos seguros em relação ao que somos, a aprovação alheia será irrelevante. Ajudemos e ofertemos o nosso melhor, sem esperar nada em troca, afinal, o bem que fizermos sempre ficará em nós também.

Caso a pessoa ajude esperando reconhecimento, muito provavelmente sofrerá e se decepcionará, afinal, nem todo mundo possui gratidão dentro de si. Nós geralmente nos decepcionamos porque esperamos que o outro faça por nós o que faríamos por ele, mas não é sempre assim. Algumas pessoas, inclusive, acham que temos a obrigação de ajudá-las, ou seja, ainda se voltarão contra nós na primeira oportunidade em que não pudermos ajudá-las.

E, caso fiquemos aguardando demonstrações explícitas de gratidão por parte das pessoas, iremos acumular muita mágoa dentro do peito. Então, uma ou outra hora, aquilo tudo que nos incomoda virá à tona, da pior forma possível, quando cobraremos reconhecimento por parte do outro, listando todas as vezes em que o ajudamos, acusando-o de ser ingrato e insensível. E provavelmente o faremos de uma maneira indelicada e ríspida.

É desanimador quando nada do que fazemos pela pessoa é reconhecido. Mas também é muito chato quando a pessoa joga na cara da gente algo que ela fez por nós e usa de chantagem emocional, para se sentir superior. Se a pessoa sempre age pensando no que receberá em troca, o problema é dela, as expectativas são dela. Ninguém tem a obrigação de corresponder às expectativas alheias. O natural é haver gratidão, mas sem cobranças. Continue fazendo o bem, afinal, ninguém perde por ajudar, perde quem acha que o mundo é seu empregado. Siga no bem, não tem erro.

*Por Marcel Camargo

…………………………………………………………………
*Fonte: contioutra

Coca Cola e a Danone estão produzindo garrafas à base de plantas que se degradam em apenas um ano

O lixo plástico produzido todos os anos em todo o mundo é um dos principais responsáveis pelo grande problema ambiental envolvendo o descarte de lixo. Visando isso, a Coca-Cola e a Carlsberg, em parceria com a empresa Avantium estão produzindo uma alternativa sustentável e biodegradável para todos nós.

O novo material plástico desenvolvido é feito de açúcar de milho, trigo e beterraba e se decompõe em apenas um ano, muito menos prejudicial que os 200 anos de um plástico comum.

“Esse plástico tem credenciais de sustentabilidade muito atraentes porque não usa combustíveis fósseis e pode ser reciclado – mas também se degradaria na natureza muito mais rapidamente do que os plásticos normais”, disse o diretor executivo da Avantium, Tom Van Aken, ao The Guardian.

Em 1950, uma população global de 2,5 bilhões produzia aproximadamente 1,5 milhão de toneladas de plástico. No entanto, em 2016, uma população de mais de sete bilhões produziu mais de 320 milhões de toneladas de plástico. Espera-se que esse número continue crescendo e dobrará até 2034. Infelizmente essa realidade é crescente e constante e essa nova opção vem como uma luz para esse grande problema ambiental.

Espera-se que as bebidas nessas garrafas cheguem às prateleiras até 2023: “A inovação leva tempo e continuaremos a colaborar com os principais especialistas para superar os desafios técnicos remanescentes, assim como fizemos com o nosso Snap Pack de redução de plástico”

*Por Mariana Marques

………………………………………………………………
*Fonte: revistacarpediem

Ford usa “cães robôs” de quatro patas para escanear fábricas

Como os cães, eles têm quatro patas, cerca de 30 kg e podem se sentar, dar a pata e rolar. Também podem subir rampas, degraus e digitalizar o ambiente com câmeras de 360 graus. Fluffy e Spot são os dois simpáticos robôs que a Ford está usando em um programa piloto de manufatura nos Estados Unidos para economizar tempo, dinheiro e aumentar a eficiência na preparação de suas fábricas para a introdução de novos produtos.

Alugados da Boston Dynamics – conhecida por criar robôs móveis sofisticados – os autômatos estão sendo usados na fábrica de transmissões Van Dyke, em Michigan. Eles são equipados com cinco câmeras e podem andar a até 5 km/h com uma bateria com cerca de duas horas de duração, ​​escaneando o chão de fábrica para auxiliar os engenheiros a atualizar a planta.

“Nós projetamos e construímos a fábrica. Depois, ao longo dos anos, são feitas alterações que raramente são documentadas”, diz Mark Goderis, gerente de engenharia digital da Ford. “Examinando as instalações com os robôs, podemos ver como elas realmente são agora e reequipá-las para receber novos produtos.”

Com a ajuda de Fluffy, fazer a atualização fica muito mais interessante.

“Costumávamos andar pelas instalações com um tripé, parando em locais diferentes e esperando cinco minutos para o laser digitalizar”, lembra Goderis. “A varredura de uma planta pode levar duas semanas. Com o Fluffy, leva a metade do tempo.”

A maneira antiga também era cara – quase US$ 300.000 para digitalizar uma instalação. Se esse piloto funcionar, a equipe de manufatura da Ford poderá escanear todas as fábricas por uma fração desse custo. Além de economizar dinheiro, as novas tecnologias ajudam a reorganizar as instalações mais rápido, acelerando a chegada de novos veículos ao mercado.

Com o tempo, diz Goderis, a intenção é operar os robôs remotamente, programando-os para missões na fábrica e recebendo relatórios imediatamente de qualquer lugar. Por enquanto, os robôs são programados para seguir um caminho específico e operados a até 50 metros de distância.

Para Paula Wiebelhaus, operadora dos robôs, a chave do sucesso de Fluffy e Spot é a agilidade. Eles são comandados por um controle semelhante aos de videogame, com visão remota da câmera. Se ocorrer algum problema, uma função de parada segura impede que eles colidam com qualquer coisa.

Os robôs têm três tipos de marcha – caminhada sobre terreno estável, lenta para terrenos irregulares e velocidade especial para escadas. Eles podem se agachar e alongar para entrar em áreas de difícil acesso e caminhar em terrenos difíceis. Se caírem, também podem se levantar e mantêm uma distância definida e segura dos objetos para evitar colisões.

Às vezes, Fluffy senta seus quadris robóticos na traseira de um pequeno robô móvel redondo, conhecido como Scouter. O Scouter desliza suavemente para cima e para baixo nos corredores da fábrica, permitindo que o Fluffy economize energia da bateria até a hora de começar a trabalhar. O Scouter pode navegar autonomamente pelas instalações enquanto digitaliza e captura nuvens de pontos 3D para gerar um CAD da instalação. Se uma área é muito estreita para Scouter, Fluffy entra em ação.

“Existem áreas na planta em que você pode não querer entrar porque são difíceis de se mover”, diz Wiebelhaus. “É mais fácil e seguro enviar o Fluffy para lá.”

Fluffy também é perfeitamente capaz de rolar e fazer outros movimentos graciosos, mas Wiebelhaus não pensa em levá-lo para exposições de cães.

“Fluffy é uma ferramenta de manufatura incrível e deve realmente ser valorizado pelo seu trabalho e tenacidade. Ele pode fazer muito mais do que dançar e rolar. Queremos levá-lo até os limites da fábrica e ver o valor que ele tem para a empresa”, diz.

*Por Ademilson Ramos

…………………………………………………………………………..
*Fonte: engenhariae