“Futuro assustador de extinção em massa” nos espera, elite dos cientistas alerta

O planeta enfrenta um “futuro assustador de extinção em massa, declínio da saúde e distúrbios climáticos” que ameaçam a sobrevivência humana por causa da ignorância e da inação, de acordo com um grupo internacional de cientistas, que alertam que as pessoas ainda não entenderam a urgência da biodiversidade e das crises climáticas.

Os 17 especialistas, incluindo o Prof. Paul Ehrlich, da Universidade de Stanford, autor de A Bomba Populacional, e cientistas do México, Austrália e EUA, dizem que o planeta está em um estado muito pior do que a maioria das pessoas — até mesmo cientistas — entende.

“A escala das ameaças à biosfera e a todas as suas formas de vida — incluindo a humanidade — é de fato tão grande que até mesmo especialistas bem informados tem dificuldade de entender”, escrevem em um relatório na Frontiers in Conservation Science, que faz referência a mais de 150 estudos detalhando os principais desafios ambientais do mundo.

O atraso entre a destruição do mundo natural e os impactos dessas ações significa que as pessoas não reconhecem o quão vasto é o problema, argumenta o documento. “[O] mainstream está tendo dificuldade em compreender a magnitude dessa perda, apesar da erosão constante do tecido da civilização humana.”

O relatório adverte que as migrações em massa induzidas pelo clima, mais pandemias e conflitos sobre recursos serão inevitáveis, a menos que medidas urgentes sejam tomadas.

“O nosso não é um chamado à rendição — nosso objetivo é fornecer aos líderes uma “ducha fria” realista do estado do planeta que é essencial para o planejamento para evitar um futuro medonho”, acrescenta.

Lidar com a enormidade do problema requer mudanças de longo alcance no capitalismo global, educação e igualdade, diz o documento. Isso inclui abolir a ideia de crescimento econômico perpétuo, precificar adequadamente externalidades ambientais, parar o uso de combustíveis fósseis, controlar o lobby corporativo e capacitar as mulheres, argumentam os pesquisadores.
Banner Cogumelos Mágicos

O relatório vem meses depois de o mundo não cumprir uma única meta de biodiversidade da ONU Aichi, criada para conter a destruição do mundo natural, a segunda vez consecutiva que os governos não conseguiram cumprir suas metas de biodiversidade de 10 anos. Esta semana, uma coalizão de mais de 50 países prometeu proteger quase um terço do planeta até 2030.

Estima-se que um milhão de espécies estejam em risco de extinção, muitas em décadas, de acordo com um relatório recente da ONU.

“A deterioração ambiental é infinitamente mais ameaçadora para a civilização do que o trumpismo ou o Covid-19”, disse Ehrlich ao Guardian.

Em The Population Bomb, publicado em 1968, Ehrlich alertou para a explosão populacional iminente e centenas de milhões de pessoas morrendo de fome. Embora tenha reconhecido que alguns aspectos estavam errados, ele disse que mantém sua mensagem fundamental de que o crescimento populacional e altos níveis de consumo por nações ricas está impulsionando a destruição.

Ele disse ao Guardian: “A mania de crescimento é a doença fatal da civilização — ela deve ser substituída por campanhas que fazem com que a equidade e o bem-estar da sociedade — não consumam mais lixo”.

Grandes populações e seu crescimento contínuo impulsionam a degradação do solo e a perda de biodiversidade, alerta o novo documento. “Mais pessoas significam que mais compostos sintéticos e plásticos descartáveis perigosos são fabricados, muitos dos quais aumentam a crescente toxificação da Terra. Também aumenta as chances de pandemias que alimentam buscas cada vez mais desesperadas por recursos escassos.”

Os efeitos da emergência climática são mais evidentes do que a perda de biodiversidade, mas ainda assim, a sociedade não está conseguindo reduzir as emissões, argumenta o documento. Se as pessoas entendessem a magnitude das crises, mudanças na política e nas políticas poderiam coincidir com a gravidade da ameaça.

“Nosso ponto principal é que uma vez que você percebe a escala e a iminência do problema, fica claro que precisamos muito mais do que ações individuais, como usar menos plástico, comer menos carne ou voar menos. Nosso ponto é que precisamos de grandes mudanças sistemáticas e rápidas”, disse o professor Daniel Blumstein, da Universidade da Califórnia em Los Angeles, que ajudou a redigir o artigo.

O artigo cita uma série de relatórios-chave publicados nos últimos anos, incluindo:

O relatório do Fórum Econômico Mundial em 2020, que classificou a perda de biodiversidade como uma das principais ameaças à economia global.
O relatório de avaliação global do IPBES 2019, que diz que 70% do planeta havia sido alterado por humanos.
O relatório WWF Living Planet2020 , que alertou que o tamanho médio da população de vertebrados diminuiu 68% nos últimos cinco anos.
Um relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas de 2018, que disse que a humanidade já havia excedido o aquecimento global de 1°C acima dos níveis pré-industriais e deve atingir o aquecimento de 1,5°C entre 2030 e 2052.

O relatório segue anos de alertas sobre o estado do planeta dos principais cientistas do mundo, incluindo uma declaração de 11.000 cientistas em 2019 de que as pessoas enfrentarão “sofrimento incalculáveis devido à crise climática” a menos que grandes mudanças sejam feitas. Em 2016, mais de 150 cientistas climáticos da Austrália escreveram uma carta aberta ao então primeiro-ministro, Malcolm Turnbull, exigindo ações imediatas sobre a redução das emissões. No mesmo ano, 375 cientistas – incluindo 30 ganhadores do Prêmio Nobel – escreveram uma carta aberta ao mundo sobre suas frustrações com a inação política sobre as mudanças climáticas.

O prof Tom Oliver, ecologista da Universidade de Reading, que não estava envolvido no relatório, disse que era um resumo assustador, mas crível, das graves ameaças que a sociedade enfrenta sob um cenário “negócios como de costume”. “Os cientistas agora precisam ir além de simplesmente documentar o declínio ambiental e, em vez disso, encontrar as maneiras mais eficazes de catalisar a ação”, disse ele.

O prof Rob Brooker, chefe de ciências ecológicas do Instituto James Hutton, que não participou do estudo, disse que enfatizou claramente a natureza premente dos desafios.

“Certamente não devemos ter dúvidas sobre a enorme escala dos desafios que enfrentamos e as mudanças que precisaremos fazer para lidar com eles”, disse ele. [The Guardian]

*Por Marcelo Ribeiro

…………………………………………………………………………………..
*Fonte: hypescience

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.